História Who Knew - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Academia de Vampiros (Vampire Academy)
Personagens Adrian Ivashkov, Christian Ozera, Dimitri Belikov, Rosemarie "Rose" Hathaway, Tasha Ozera, Vasilisa "Lissa" Dragomir
Tags Abe Mazur, Dimitri Belikov, Romitri, Rose Hathaway, Vampire Academy
Visualizações 78
Palavras 3.332
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Volteiii

Prontas para saber como o Russo vai reagir à noticia??

Então boa leitura...

Capítulo 2 - Capítulo 02 - How Quickly Life Can Turn Around


  We've seen our share of ups and downs 

Oh, how quickly life can turn around in an instant 

It feels so good to reunite 

Within yourself and within your mind

 Let's find peace there 

My Sacrifice - Creed 

-----------------------------------------------------

Dimitri

 

Eu sai do restaurante de minha irmã observando o sol que se punha atrás dos picos que em breve estariam cobertos de neve que cercavam Aspen. Minha família e eu nos estabelecemos na cidade há doze anos quando viemos da Russia a convite da tia de meu pai Tatiana Ivashkov que era dona de um Resort e estação de Esqui nos arredores de Aspen e desde então meus pais vinham abrindo uma rede de comércios ali.

     

Eu cuidava da loja de departamentos esportivos enquanto Karo gerenciava o restaurante com minha mãe. Sonya vivia em Portland desde que se formara na universidade e Viktoria que estava prestes a se formar retornava regularmente para nos visitar, e quase sempre trazia alguns amigos para aproveitar tudo o que Aspen tinha para oferecer aos turistas.

Apertei um pouco o sobretudo que usava ao meu redor, estávamos na segunda semana de setembro e a temperatura começava a cair, principalmente no fim da tarde quando o vento abaixava ainda mais a sensação térmica. Eu adorava a vida que eu levava ali, e há algumas semanas tinha melhorado ainda mais.

- Dimka, me espera - Tasha me chamou saindo do restaurante em seguida e segurando meu braço, me fazendo sorrir.

- Você estava tão animada conversando com minha irmã que pensei que você preferiria ficar - eu me expliquei passando o braço ao seu redor.

Tasha e eu tínhamos começado um relacionamento após o casamento de meu primo Adrian na metade de agosto. Nós dois éramos velhos amigos e eu sempre soube dos sentimentos dela por mim, mas me sentia um pouco relutante em ingressar naquele relacionamento e estragar tudo o que tínhamos até ali. Mas eu claramente me enganei, estávamos juntos há quase um mês e eu não poderia estar mais feliz.

É de se esperar que o começo seja assim, pelo menos.

- Eu estava combinando algo com ela para o fim de semana, nós estamos pensando em descer em Denver para fazer algumas compras - ela sorriu se aconchegando a mim.

- Vão amanhã ou no domingo? - eu questionei a guiando pela rua seguindo na direção que terminaria na minha casa.

- Amanhã, e vamos sair bem cedo - ela se desvencilhou de mim ao chegar na esquina que levaria ao seu apartamento - então eu vou dormir na minha cama hoje, Dimka.

Eu franzi o cenho com aquilo, eu tinha alguns planos para a noite e minha irmã acabou estragando tudo, mas eu já tinha sido avisado que eu não me intrometeria na amizade das duas. Tasha foi a primeira amiga de minha irmã mais velha quando chegamos à cidade. As duas tinham a mesma idade e logo se identificaram. O fato de minha irmã ter se casado com o primo de Natasha, Ivan Zeklos, acabou aproximando ainda mais as duas.

Quando contei para Karo que estava namorando Natasha, a primeira coisa coisa que ela fez foi me avisar que se eu magoasse a amiga dela, ela cuidaria pessoalmente de me deixar estéril. Não que ela precisasse se preocupar com isso, eu sempre fui bem resolvido em minha vida amorosa e tirando uma pequena aventura com uma dançarina durante a semana que ficamos em Vegas para a despedida de solteiro de Adrian, eu não era dado a loucuras.

- Vamos, eu vou te deixar em casa - eu a puxei de volta para meus braços acenando para a velha Senhora Kirova que estava saindo da mercearia.

Nós caminhamos até a portaria de seu apartamento quando meu celular começou a tocar. Eu me desvencilhei dela alcançando o aparelho no bolso da calça. Franzi o cenho ao ver a foto de Rose estampada ali. Eu não tive nenhum contato com ela depois que voltei para o Colorado e apesar de ter garantido que entraria em contato caso retornasse à Vegas, eu não entendia o motivo daquela chamada.

- Quem é? - Tasha questionou despreocupada enquanto procurava a chave dentro da bolsa.

- Ninguém - eu rejeitei a chamada antes de colocar a celular no modo silencioso.

De qualquer forma eu não poderia atender na presença de Tasha. Se Rose voltasse a me ligar, eu explicaria a minha nova situação e pediria que ela não voltasse a telefonar.

- O que foi? O Gasparzinho está te ligando? - ela zombou antes de se esticar e beijar meu rosto, sabendo que eu preferia ser mais discreto enquanto estávamos em público.

- Mais ou menos isso - eu ofereci um sorriso sem graça - mas não quero me preocupar com isso.

- Eu te vejo amanhã a noite? - ela aceitou aquela resposta sem questionar. Isso era algo que eu admirava nela.

- Claro - meu sorriso se alargou um pouco apesar de notar que implicitamente ela não me convidou para entrar.

Nós nos despedimos e eu caminhei sozinho, observando o céu alaranjado pelo por do sol. O vento bagunçou momentaneamente meus cabelos que estavam soltos hoje enquanto eu observava o céu. Eu peguei meu celular tentando conferir o horário apenas para encontrar três chamadas perdidas de Rose ali.

Eu notei Ivan e Adrian vindo ao meu encontro pela rua quase deserta e decidi terminar de vez com aquilo. Eu estava prestes a retornar a ligação de Rose quando meu celular voltou a tocar. Será que ela está no Colorado? Porque outra razão ela me ligaria depois de tanto tempo?

- Belikov...

- Dimitri.. Oi! - Sua voz soou ansiosa - Sou eu, Rose... Não sei se você se lembra de mim, nós nos conhecemos..

- Em Vegas, sim eu me lembro de Você Rose... Como você está? - eu a interrompi cumprimentando com um aceno de cabeça os dois rapazes que pararam ao meu lado.

- Eu estou... bem... - ela falou rapido - não.. não estou, estou... eu não sei!

Ela soltou uma gargalhada nervosa fazendo minha confusão aumentar. O que está acontecendo com essa mulher!?

- Você está ou não está bem?

- E você, como você está, camarada? - ela ignorou minha pergunta.

- Eu estou bem - eu respondi sem saber como continuar aquela conversa.

Rose e eu nos demos muito bem durante os dias que ficamos juntos, ela era bonita, sexy, divertida e muito quente. Tão quente que quase não tivemos tempo para conversar durante aquela semana. A coisa mais pessoal que eu sabia sobre ela era seu sobrenome!

O silencio prevaleceu do outro lado da linha, fazendo eu me perguntar se ela teria desligado na minha cara.

- Desculpe, eu não deveria ter ligado - ela gemeu antes de encerrar a chamada sem me dar a chance de me despedir.

- Quem era? - Ivan questionou enquanto eu encarava o aparelho confuso.

Mulher maluca!

- Rose... hã, aquela garota de Vegas - eu expliquei.

- A dançarina que te roubou dos amigos? - Ivan zombou.

- Ela não me roubou de ninguém - eu murmurei retomando meu caminho, sendo prontamente acompanhado pelos dois.

- Eu discordo. Era minha despedida de solteiro, você deveria estar com a gente o tempo todo e nós mal te vimos depois da primeira noite - Adrian gracejou - eu só te perdoei porque ela era muito gostosa!

-Você não deveria estar ligando para ela. Karo te mataria se soubesse - Ivan zombou.

- Não fui eu quem ligou, foi ela. E Karo não tem que saber de nada porque eu não tenho interesse em ninguém além de Tasha - eu revirei os olhos.

Foi quando meu telefone voltou a tocar.

- Alguém está com saudades - Adrian cantarolou ao meu lado.

- Desculpa eu ter desligado, eu preciso falar com você - Rose soltou antes mesmo que eu falasse qualquer coisa.

- Você pode falar, mas... - eu comecei pensando em lhe avisar de uma vez que eu estava em um novo relacionamento, mas acabei reconsiderando. Talvez ela só estivesse com algum problema.

- Dimitri, eu estou evitando essa ligação nos últimos quinze dias e isso tem sido o inferno pra mim - eu tive a impressão de ouvi-la fungar.

- Você está chorando?

- Me desculpa, eu só não sei como começar e.. eu sinto muito - nesse ponto eu notei que ela realmente estava chorando.

Eu parei de caminhar me preocupando com ela. Ela parecia estar com algum problema sério e se pensa que eu posso ajuda-la de alguma forma eu devo ouvir seu pedido.

- Rose, o que aconteceu? - eu tentei transmitir alguma tranquilidade para  a garota - Vamos, se eu puder...

- Você pode vir para Vegas nesse fim de semana? - ela implorou.

- Rose.. - eu suspirei.

- Por favor...

- Eu não posso - eu falei com firmeza.

Não importa o problema que ela pensa que tem. Eu não posso me envolver dessa forma.

- Dimitri, eu realmente preciso te contar algo e seria melhor se você viesse - ela insistiu.

- Se você quer me contar algo é melhor falar, Rose - eu respirei fundo - Eu não vou a Vegas.

- Eu estou grávida - ela soltou de forma nervosa me deixando sem fala.

Eu pisquei atordoado enquanto pensava se havia entendido direito o que ela tinha acabado de dizer, sem conseguir encontrar voz para formular uma resposta coerente.

- O que? - foi o máximo que consegui enquanto meu ritmo cardíaco acelerava consideravelmente.

- Eu sei que isso é repentino e você mal me conhece - ela continuou - mas eu te garanto que você foi a única pessoa com quem eu estive nos últimos meses e...

- Você está brincando comigo - eu forcei um sorriso.

Era isso, tinha que ser uma brincadeira!

Uma brincadeira de péssimo gosto!

- Não estou - sua voz falhou um pouco - olha eu te mando as fotos dos exames e... Se você tiver qualquer duvida que é seu eu não me importo de fazer um exame de DNA, eu só não quero ter que lidar com isso sozinha!

Eu senti uma tontura me acometer enquanto eu ouvia suas palavras, eu acabei desabando em um banco que tinha na beira da calçada fazendo com que Ivan e Adrian, de quem eu tinha até esquecido a presença, me olhassem preocupados.

- Eu sei que você deve estar pirando, porque eu estou... eu não sei o que fazer - o desespero voltou a tomar conta de sua voz.

- Ok, olha... Fica calma - eu consegui formular - eu vou.. eu vou digerir isso e volto a te ligar, tudo bem?

- Você está bem? - ela questionou apreensiva.

- Eu apenas preciso de um  tempo, eu falo com você em breve - eu insisti torcendo para que ela aceitasse aquela resposta enquanto fazia mentalmente as contas de quantas semanas haviam se passado desde a despedida de solteiro.

- Tudo bem, apenas não suma, por favor - sua voz soou desolada.

Sumir? O que ela pensa? Que eu vou fingir que isso não aconteceu e viver minha vida tranquilamente ignorando um provável filho que eu posso ter?

Eu jamais faria algo assim!

- Eu não vou fazer isso, apenas me dê um tempo - eu garanti antes de desligar.

- Está tudo bem? - Adrian questionou se sentando ao meu lado.

Eu coloquei o celular no bolso antes de apoiar meus cotovelos nos joelhos e esconder o rosto com as mãos.

Isso é um pesadelo!

- Dimitri? - Ivan parou ao meu lado - Você está pálido.

- O que ela te falou? - Adrian colocou a mão em meu ombro.

Não! Isso não pode estar acontecendo!

- Dimitri? - Ivan insistiu.

- Ela disse que está grávida - minha voz saiu em um sussurro abafado. Enquanto eu encarava o nada totalmente atordoado.

- Você disse grávida? - Adrian ergueu a voz.

- Espera, isso não significa que você...

- Ela disse que é meu, Ivan! - Eu gemi jogando minha cabeça para trás e voltando a esconder o rosto com as mãos.

Essa é a pior coisa que poderia acontecer agora. Crianças não estavam nos meus planos nos próximos anos!

- Hey, foi o que ela disse. Mas isso não significa que seja. - Adrian tentou - uma vez uma garota me falou isso e no fim ela só queria dinheiro para o aborto!

- Ou pode nem ser seu! - Ivan completou - Você nem a conhece! Para engravidar a garota, vocês dois teriam que ter deixado a proteção de lado e você sempre foi metódico nessa área.

- Exatamente, esse é um ótimo ponto - Adrian concordou.

- Bem... - Eu cocei a garganta - a gente pode ter se descuidado um pouco no último dia...

- Mas que merda, Dimitri! - Ivan soltou descrente.

- Nós tínhamos bebido um pouco a mais - eu me justifiquei.

- Que seja, ainda pode não ser seu - Adrian tentou me tranquilizar.

- Ela se ofereceu para fazer o exame de DNA. Acho que ela não faria isso caso não tivesse certeza que o filho é meu.

E agora eu estou me referindo a essa criança como meu filho! 

- E você vai fazer o exame, certo? - Adrian questionou.

- Sim, acho que sim mas... Eu não sei, preciso pensar no que fazer - eu suspirei.

- Bom, eu preciso encontrar sua irmã no restaurante. Você  vai ficar bem sozinho? - Ivan me observou.

Eu respirei fundo me levantando, deixando que o vento gelado clareasse minha mente.

- Sim, eu ficarei bem. Apenas preciso ir para casa. Eu vou ter que falar com Rose mais tarde, ela estava apavorada.

- Eu imagino, ela parecia ser bem jovem - Ivan franziu o cenho.

- Apenas vinte e cinco anos - eu gemi pensando em como deveria estar a mente da garota por todo esse tempo.

Ela disse que estava pensando em me ligar nos últimos quinze dias. Creio que deve ter descoberto nessa época. Merda!

- Não é a toa que está apavorada. Eu surtaria se a syd engravidasse e nós estamos casados!

- Boa sorte - Ivan se despediu.

-Não conte para a Karo - eu pedi para Ivan que respondeu com um aceno enquanto caminhava na direção oposta à minha.

Adrian correu para alcança-lo me deixando para trás sozinho com meus pensamentos.

Uma série de notificações chegou em meu celular. Rose havia me mandado algumas mensagens. Eu as abri encontrando ali algumas fotos, era um exame de sangue no nome de Rosemarie Mazur e algumas fotos de um ultrassom, já era possível ver uma forma humana ali, apesar de pequeno e disforme, serzinho já tinha braços, pernas e cabeça.

Meu filho...

Eu bloqueei a tela do celular e o guardei no bolso antes de seguir apressado até minha casa. Eu precisava resolver aquilo de uma vez.

Eu preciso conversar com Rose, talvez deva aproveitar a viagem de Tasha para Denver amanhã e...

Tasha... O que ela vai pensar sobre isso? Deus, isso é uma bagunça!

Eu entrei em casa e  segui diretamente para o banheiro, uma boa ducha me ajudaria a clarear a mente. Assim que saí do banho já tinha conseguido traçar um plano aceitável, segui até a cama e me joguei ali, pegando meu celular para ligar para minha namorada.

- Oi Dimka, esqueceu alguma coisa?

- Tasha, oi... Eu tenho um problema para resolver no fim de semana e vou ter que fazer uma viagem amanhã. - Eu tentei ser vago.

- Uma viagem? Para onde? - ela questionou surpresa.

- Vegas...eu tenho que ir com o Adrian - eu pensei em uma desculpa qualquer.

- Vegas!? Você e o Adrian tem um problema para resolver em Vegas? Você está falando sério, Dimka?  - ela gargalhou.

- infelizmente sim - talvez eu não tenha uma namorada por tanto tempo no final.

- Adrian aprontou alguma?- ela deduziu.

Eu respirei fundo pensando no que dizer. Eu não queria mentir para ela, mas também não queria contar o que estava acontecendo sem antes conversar com Rose.

- Eu volto no domingo de manhã - eu fugi do assunto.

- Tudo bem, eu te espero para o almoço então - ela suspirou.

Eu desliguei o celular antes de procurar o número de meu primo na agenda. Era hora de cobrar alguns favores.

- Está mais calmo? - Adrian atendeu no segundo toque.

- Arrume as malas, nós vamos para Vegas - eu avisei.

Adrian gargalhou do outro lado como se eu tivesse lhe contado uma boa piada.

- Adrian, eu estou falando sério, você vai comigo!

- Qual é a graça? - ouvi a voz de Syd ao fundo.

- Adrian, eu já falei para Tasha que você vai comigo - eu tentei.

- Primo, por mais que eu adore a cidade, agora eu tenho uma excelentíssima esposa que certamente não concordaria com o seu plano.

- Que plano? - Syd voltou a questionar.

- Fim de semana em Vegas - ele explicou.

- De jeito nenhum! Você enlouqueceu? - ela ergueu a voz.

- Está vendo? - ele devolveu - não há nada que eu possa fazer, meu amigo.

- Coloca no viva voz - eu revirei os olhos.

- Dimitri faz um mês que vocês voltaram de Vegas, vocês já aproveitaram muito na semana que ficaram lá, não pense que...

- Syd, eu estou com um problema e preciso muito da ajuda do Adrian para resolver - eu apelei - eu juro pra você que não é por diversão...

- É exatamente porque ele se divertiu demais - Adrian gargalhou ao fundo.

- Que tipo de problema você teria em Vegas, Dimitri? - ela me desafiou.

- É um grande problema - eu desconversei.

- Eu não diria grande, ainda está em formação - meu primo ironizou fazendo com que eu tivesse vontade de acerta-lo na cabeça.

- Adrian...

- Se você quiser que ela me libere, terá que revelar o motivo, Belikov - ele soltou.

- O que vocês estão aprontando? - Syd questionou desconfiada.

- Eu não aprontei nada dessa vez - senti um sorriso na voz de meu primo.

- Ok Syd, eu conto com a sua discrição nisso. Tasha ainda não sabe. - eu pedi.

- Tudo bem - ela concordou.

- Eu conheci uma garota em Vegas durante a viagem, nós passamos algum tempo juntos - eu cocei a garganta um pouco desconfortável.

- Eles passaram o tempo todo juntos - Adrian me corrigiu.

- Ela me ligou hoje e...

- Dimitri, você acha que eu vou apoiar isso!? - Syd elevou a voz claramente irritada - se você quer ver essa garota, pelo menos deveria ter a decência de..

- Você entendeu errado, Syd - Adrian interrompeu a esposa - não é que ele queira vê-la...

- Então o que é?

- Ela me ligou para dizer que está grávida - eu suspirei.

- E ele é o pai - Adrian parecia estar se divertindo com a minha desgraça.

- Não é que eu queira ir, mas eu preciso resolver isso. E eu não quero contar algo assim para Tasha sem ter certeza - eu expliquei - eu falei para ela que iria com o Adrian resolver um problema então...

- Eu.. eu não sei o que dizer, Dimitri - ela soltou por fim - estou chocada...

- Nós voltaremos no domingo pela manhã - eu garanti.

- Tudo bem, eu acho - ela concordou um pouco incerta.

- Eu já consegui um voo, primo - Adrian avisou - Vamos sair pela manhã.

- Obrigado Syd, eu passo na sua casa amanha, Adrian - eu respirei aliviado.

- Boa sorte e parabéns, Dimitri - Syd desejou.

- Obrigado - eu me senti vacilar um pouco, não pensei que ouviria alguém me parabenizar por um filho tão cedo.

Mas pelo menos Adrian vai comigo, é uma questão a menos para lidar.


Notas Finais


Pobre Russo... Achou que estava com a vida resolvida...

E agora?? Como eles vão lidar com o Belikovzinho que está à caminho???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...