1. Spirit Fanfics >
  2. Who Would Say >
  3. Isso não acontecerá de novo!

História Who Would Say - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


E aí seus madruga! Tudo blz?
Vocês sabem que se eu não posto de madrugada não sou eu, certo? Pois aqui estou ksks
Hoje temos a explicação do Paul pela atitude dele e mais uma surpresinha... Só lendo pra descobrir, então...
Boa leituraaa

Capítulo 4 - Isso não acontecerá de novo!


Fanfic / Fanfiction Who Would Say - Capítulo 4 - Isso não acontecerá de novo!


- John? Preciso falar com você! - Eu falei ao telefone.

- Claro! Onde?

- Pode ser aqui em casa?

- Pode, to aí daqui a pouco! - E a ligação é desligada.

Bom, eu vou contar tudo que aconteceu. Ganhei alta na quinta-feira e como eu e John somos menor de idade, pedimos para Mimi vir nos buscar já que obviamente meu pai não viria. John insistiu em dormir aqui na quinta-feira e não deixou eu ir para o colégio na sexta e acabou indo embora nesse mesmo dia, e hoje, sábado, decidi que vou contar porque fiz aquilo para ele. Só espero que me entenda.


- Você me deixou preocupado com aquela ligação!

- Eu decidi que vou te contar o porquê fiz aquilo. - Ele me olha sério e engole em seco.

- Tem certeza? - Apenas concordo balançando a cabeça. 

- Eu estava fazendo 14 anos e nossa família ia fazer uma pequena festa. Minha mãe havia encomendado um presente para mim mas ainda não havia chegado e era o dia da festa, então ela decidiu sair as pressas com meu irmão mais novo, Mike. Eles pegaram o carro e foram. Um tempo depois quando estávamos assistindo TV esperando eles chegarem começou a dar uma notícia que... - Pausei para respirar. - que mudou completamente nossas vidas. Mostraram uma foto do carro da minha mãe estraçalhado na pista junto de um caminhão amassado, anunciaram que o motorista do caminhão estava bêbado e acabou batendo no carro onde minha mãe e meu irmão estavam. - Foi aí que comecei a chorar desesperadamente, John me abraçou e quando desfizemos o mesmo continuei, com a voz embargada. - Disseram o que os passageiros do carro não haviam sobrevivido, foi aí que eu perdi o chão, não sabia o que fazer nem como reagir e ao olhar para o meu pai e irmã eles estavam igual eu. Eu continuei prestando atenção na reportagem e disseram que o cara que estava dirigindo o caminhão sofreu apenas ferimentos leves. E eu não achei isso nada justo! - Praticamente berrei a última frase e John me abraçou outra vez, dessa vez com mais força.

Chorei em seu ombro por um bom tempo e quando desfizemos o abraço vi que ele estava chorando também. 

- Por que está chorando?

- Eu... apenas lembrei da minha mãe. Ela foi atropelada por um policial bêbado e quando percebi que tínhamos vivido a mesma situação eu não consegui me segurar! - Damos uma pausa para respirar e eu continuo.

- Depois disso tudo nos próximos dias meu pai começou a me bater, me culpando pelo que tinha acontecido, até porque o presente era para mim. E se não fosse maldito presente eles ainda estariam aqui! Minha irmã percebendo isso decidiu ir morar com a nossa avó materna. Ela me pediu para ir junto mas eu não quis.

- Porque?

- Eu não poderia simplesmente abandonar meu pai aqui! Por mais que ele fizesse aquilo ainda era meu pai! Mês que vem fará dois anos que minha irmã foi embora e na segunda, quando tudo aquilo aconteceu, meu pai já tinha me batido aquelas horas da manhã, então eu vi que não aguentava mais, meu pai me batendo, minha namorada me traindo, longe das pessoas que eu amo, eu não tinha mais nada para fazer na terra. Então decidi fazer aquilo pra ver se me livrava da dor insuportável que tenho aqui! - Apontei para o coração e John me olhou com pena. - Eu não tinha mais quem conversar dentro de casa ou o porque sorrir!

- Eu vou te fazer sorrir! - Ele diz de repente, Me interrompendo.

- Que?

- Vou te fazer sorrir! Vou te mostrar como a vida pode ser aproveitada mesmo depois de passar por tanta coisa ruim.

- Ah é? Como? - O desafiei e cruzei os braços. 

- Assim! - Ele pula em cima de mim e começa a me fazer CÓCEGAS! Ok, ele foi esperto.

- JOHN! NÃO KKKKKKKKK PARA DESGRAÇA! - Eu estava com sangue nos olhos de raiva por ele fazer aquilo mas também sorria. Comecei a fazer nele também e agora éramos dois adolescentes berrando e rindo atoa.

De repente sinto como estivéssemos caindo, e realmente estávamos! Caímos da cama e levamos um susto tão grande que até paramos de rir. Eu fiquei por cima de John e ele me olhou nos olhos, fiquei até com medo no começo, mas seu olhar foi baixando e eu não conseguia decifrar pra onde ele olhava. Então veio a surpresa...


Fui beijado!

Beijado!

BEIJADO!

Na verdade foi apenas um selinho porque me afastei antes que ele quisesse aprofundar aquilo.

- O que foi isso? - Perguntei o olhando incrédulo e já levantando. Ele parecia tão assustado quanto eu.

- P-paul, err... m-me desculpe! Eu... f-foi por impulso!

- Não! Tá tudo bem, desde que isso não se repita!

- E-eu juro, não farei de novo.


O clima ficou meio estranho depois disso, mas é que eu realmente fiquei assustado. Não por ele ser um garoto, mas por ele ser ele, entende? Tipo, eu nunca imaginaria isso!

Depois que ele foi embora comecei a pensar naquilo, porque ele fez aquilo? Ele disse que foi por impulso mas, Eu não consigo acreditar nisso. Talvez seja carência por causa das traições e tal.

Mas agora isso não importa, pelo menos ele não fará mais, e só por isso já me sinto mais aliviado.


Notas Finais


Pois é minha gente, Paul não gosta do nosso Johnny😔
Guardem essa frase pro resto de suas vidas: "Isso não acontecerá de novo." Porque essa frase ira mudar a vida de vocês...
Yara, a exagerada.
E sobre a irmã do Paul, eu pesquisei e ele realmente tem uma irmã, essa Ruth que é 18 anos mais nova que ele, óbvio que aqui ela é mais velha porque faz mais sentido, mas enfim era só pra explicar isso mesmo!
Até o próximo capítulo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...