1. Spirit Fanfics >
  2. Whore i Loved >
  3. Bem vindo a Wonderland

História Whore i Loved - Capítulo 1


Escrita por: yamswen

Notas do Autor


Eitaaaa que eu estou com essa história na cabeça faz tempo mas só agora consegui colocar "no papel" o que eu queria, bem eu gostei do resultado e espero que vocês gostem também.
Bem, alguns avisos:
É uma história G!P então quem não gosta já sabe. Diferente das minhas outras histórias nessa a Regina que é intersexual.
A história se passa em um bordel então ela vai ser um pouco mais pesada, teremos mais cenas de sexo do que normalmente eu escrevo, mas também quero desenvolver bem a história então não ficará só nos hots.
A história não vai ser longa, acredito que 15 capítulos no máximo.
Acho que é isso!
Boa leitura!

Capítulo 1 - Bem vindo a Wonderland


POV REGINA

Assim que comecei a despertar os pequenos raios de sol que entravam pela janela do meu quarto incomodaram minha vista antes mesmo de abrir os olhos, eu normalmente não me permitia extravagancias quando o assunto era álcool, eu gostava sempre de estar no controle de tudo, mas ontem eu me permiti, afinal não é todo dia que se completa quarenta anos.

Me mexi preguiçosamente na cama até levantar, a cabeça doía um pouco mas achei que estaria pior, depois de um bom banho quente eu estava bem, desci até a cozinha em busca de algo para comer, as digamos atividades da noite anterior me deixaram com fome.

“Bom dia Sis, achei que levantaria mais tarde hoje” – Zelena minha irmã mais nova já estava sentada a mesa tomando seu café.

“Eu até queria, mas meu relógio biológico não me permite.”

“As meninas dormiram aqui em cima?”

“Lógico que não Zelena, você sabe que ninguém dorme na minha cama.” – respondi enquanto me servia o café.

“Exatamente quantas subiram com você ontem?”

“Duas... Kristin e a Rose” – respondi com um sorriso malicioso e Zelena apenas negou com a cabeça sorrindo também.

“Quanta vitalidade para alguém de quarenta anos” – disse debochada e eu atirei uma fatia de pão nela fazendo-a gargalhar.

“Vou fingir que não ouvi esse insulto. Mas bem, terminando aqui precisamos descer e fazer as contas de ontem, Ursula fechou o caixa, mas precisamos contabilizar os lucros.” – Zelena mais uma vez apenas concordou comigo e continuamos o nosso café em silencio.

Eu e minha irmã herdamos os negócios de nossa falecida mãe, Cora Mills, mamãe foi uma mulher de visão e quando se viu viúva e com duas filhas para criar resolveu se mudar para a pequena cidade de Storybrooke, notou que faltava algo na pacata cidade, não tinha um bordel, ou um puteiro como preferir chamar e foi esse o negocio que ela começou, ao abrir o Wonderland enfrentou muitos problemas, muito preconceito, mas ainda sim conseguiu estabilizar seu negócio e faze-lo crescer.

Claro que não foi nada fácil para mim e Zelena crescermos com esse estigma digamos assim, principalmente para mim que já era uma garota diferente das outras, por isso na primeira oportunidade mamãe nos mandou para fora da cidade para estudar.

Mas depois de formada eu voltei a minha velha cidade e passei a ajudar minha mãe com o Wonderland, eu me orgulho de ter puxado a Cora Mills e ter um ótimo jeito para os negócios fazendo assim que nosso pequeno bordel se tornasse uma das maiores boates da cidade, recebendo turistas de todos os lugares do mundo.

Quando perdi minha mãe, minha irmã passou a me ajudar na administração da boate, nesses últimos cinco anos podemos dizer que fizemos uma pequena fortuna.

 

“Como imaginei, ontem tivemos um lucro maior que o esperado para o mês todo.” – disse assim que terminei de analisar os lucros da noite anterior.

“Claro, além da grande propaganda que fizemos sobre a comemoração do seu aniversário, tivemos aquele novo show das meninas, fez toda a diferença!”

“Verdade, me lembre de agradecer a Ruby pela ideia, não imaginei que isso poderia dar tão certo” – Ruby era uma das nossas funcionárias, estava na casa a mais ou menos dois anos, garota esperta, ela tinha dado a ideia de fazermos um show que misturava dança e uma encenação erótica, de inicio eu não curti muito a ideia, mas quando ela me apresentou o show eu sabia que seria sucesso. – “Isso me fez pensar que devemos de tempos em tempos apresentar alguma novidade, algo para chamar a atenção do público...”

“Sim... a Ruby é muito boa...” – Zelena disse com um pesar na voz me tirando dos meus pensamentos sobre achar algo novo para apresentar no próximo mês.

“Zelena desde o inicio eu disse a você que era uma péssima ideia dar tantas regalias a uma das meninas! Agora está aí como uma boba apaixonada, se mamãe fosse viva e visse isso...”

“Ei não me julgue! Você também dorme com elas, como você mesmo disse ontem subiu com a Kristin e a Rose, inclusive tirando duas das nossas melhores garotas do salão!”

“Sim, mas eu não estou apaixonada por ela!”

“Então porque essa cara?” – Zelena suspirou antes de responder.

“Um daqueles fazendeiros ricos que estavam aqui ontem, escolheu ela e reservou a noite toda...”

“Isso é bom para você ver o que ela é! Não nego que Ruby é uma ótima menina, inteligente e logico muito bonita, mas é uma puta, esse é o trabalho dela e por isso ela é tão boa no que faz.”

Mais uma vez Zelena suspirou e eu preferi terminar com aquele assunto, não ia adiantar falar, ela estava apaixonada, minha irmã sempre foi uma romântica e isso era péssimo para os negócios, eu nem ia citar que vi a nota de Ruby da noite anterior, o tal fazendeiro além de pagar dois mil dólares pelo programa ainda deixou mais quinhentos dólares pelo ótimo serviço da garota.

 

Depois das contas feitas eu estava mais que satisfeita, a noite do meu aniversario realmente tinha sido um sucesso, em breve faríamos algumas obras para aumentar o espaço da boate e os quartos onde as meninas recebiam os clientes, me permitir sair aquele dia para dar uma volta pela cidade.

Storybrooke era uma cidade pacata, chegava a ser engraçado ser o lar de uma boate com a Wonderland, por mais que ficássemos um pouco afastados de onde eram as casas, alguns moradores ainda reclamavam de nossa presença ali, esses mesmos moradores eram meus clientes assíduos, a velha e conhecida hipocrisia.

Retornei no final da tarde entrei pela porta principal a fim de ver como estava a preparação para a noite, nós abríamos a casa pontualmente as 19h todos os dias, exceto as segundas feiras que era o dia de descanso das meninas.

O salão principal já estava sendo organizado, os baristas arrumando as bebidas e algumas meninas repassando os últimos detalhes para o show daquela noite, fiquei satisfeita em ver que mesmo sem a minha presença as coisas estavam correndo bem.

“Regina!” – me virei em direção a Ursula que vinha até mim, ela era digamos minha gerente, era uma pessoa da minha confiança. – “Tem uma menina que gostaria de falar com você, ela está aguardando lá nos fundos, posso pedir pra ela ir ao escritório?”

“Ursula, você sabe que eu faço a seleção das meninas, mas a primeira triagem quem faz é a Zelena”

“Eu sei, mas a Zelena saiu com a Ruby” – bufei, minha irmã era uma emocionada e esquecia dos negócios.

“Então peça que a tal menina volte em outro momento” – eu já ia saindo, mas Ursula insistiu.

“Regina... pelo que a moça me disse ela veio de longe, não sei nem se tem onde ficar, apenas converse com ela, se ela não servir você dispensa, mas ela parece um pouco desesperada, eu senti pena...” – pronto mais uma sentimental no meu caminho, não era segredo que a maioria das moças chegavam aqui assim, desesperadas e sem ter para onde ir, mas a seleção das que ficariam era rígida, a casa era de elite e eu só oferecia o melhor para os meus clientes.

“Ok, mande que ela vá até o meu escritório.” – meu escritório ficava na parte de trás da boate, um pouco afastado para que o barulho da noite não me incomodasse quando eu queria pensar ou fazer contas.

As batidas na porta chamaram minha atenção e eu dei permissão para que entrasse, logo Ursula entrou com uma menina logo atrás.

Ela era alta, magra, longos cabelos loiros, mesmo com a roupa um pouco largada, uma calça jeans e uma blusa de manga preta podia ver que tinha um corpo bonito, mas era nova demais, será que ela já era maior de idade? Jamais eu teria uma menor aqui.

“Regina, essa é a Emma, Emma essa é Regina Mills a dona da Wonderland” – quando ela me olhou fui atingida por aquele olhar intenso e verde, duas grandes esmeraldas era o que ela tinha no lugar dos olhos, além de um rosto angelical que continha uma inocência perturbadora.

“Boa tarde Senhora Mills” – ela disse um pouco tímida.

“Boa tarde Senhorita...”

“Swan, Emma Swan”

“Boa tarde senhorita Swan, no que posso ajuda-la?”

“Bem, vou deixa-la a sós, precisando é só me chamar Regina” – Ursula disse se retirando da sala e me deixando diante daquele anjo loiro.

“Eu... eu, preciso de um emprego Senhora Mills” – Emma disse e suas bochechas tomaram uma coloração vermelha.

Lentamente me sentei na cadeira que ficava atrás da minha mesa e cruzei as mãos sobre a mesa analisando a loira a minha frente que se mantinha de pé.

“E porque acha que eu daria um emprego a você aqui?” – ergui uma das minhas sobrancelhas em desafio e vi mais uma vez Emma ficar vermelha como um morango.

“E-eu ... bem... sempre me disseram que eu sou bonita... bem, não que eu me ache, mas ...” – ela estava visivelmente nervosa e constrangida e de certa forma aquilo me divertia, mas ela não parecia uma menina como as outras, normalmente as meninas que chegavam até mim se insinuavam de alguma forma, sempre tentando mostrar seus poderes de sedução, ela não, mal conseguia olhar para mim.

“Não vou negar que a senhorita tem a sua beleza” – ela meu deu um pequeno sorriso tímido e nervoso, - “mas o meu quadro de funcionárias está completo, bem, eu não estou precisando de uma menina nova no momento me desculpe, além do mais você me parece muito jovem...”

“Eu tenho dezenove anos e mesmo não tendo é... muito experiencia eu aprendo rápido!” – finalmente ela me pareceu um pouco mais segura e eu gostei de ver aquilo.

Me levante chegando mais perto dela novamente, a analisando minuciosamente.

“Por que está aqui?”

“Eu já disse... preciso de um emprego”

“Não, eu quero saber o que leva uma menina tão jovem a buscar trabalho em um lugar como esse” – Emma suspirou e me olhou nos olhos mais uma vez, vi seus olhos marejarem e ela rapidamente tentou afastar as lágrimas.

“Meu pai morreu quando eu ainda era criança, minha mãe me criou sozinha, mas depois se casou novamente, mas ele nunca gostou de mim, agora minha mãe morreu e eu não tenho ninguém, passei alguns dias sem saber o que fazer e ouvi falar desse lugar e bem, achei melhor do que passar fome ou tentar a sorte nas ruas e acabar morrendo...”

“Senhorita Swan, aqui não é uma casa de caridade. E como eu disse eu não estou precisando de funcionárias agora... a não ser que a senhorita tenha algum diferencial...”

O olhar de Emma pareceu perdido por alguns instantes como quem buscava alguma qualidade em si que não fosse apenas a sua evidente beleza e no final pareceu não encontrar nada e abaixou o olhar calada com um suspiro frustrado.

“Bem... como eu imaginei, não poderei ajuda-la” – caminhei até a porta para abri-la e pedir que ela se retira-se quando ouvi algo que me surpreendeu.

“Eu sou virgem!” – parei de imediato me virando para ela que já estava de frente para mim.

“Como disse?”

“Eu... eu sou virgem, bem eu tive um namorado, tivemos uns amassos e essas coisas, mas eu nunca... nunca transei com ninguém.” – mais uma vez vi seu rosto ficar vermelho, mas dessa vez ela não baixou o olhar, ela não parecia estar mentindo.

“Virgem?” – ela afirmou com um aceno de cabeça – “Você nunca fez nada além de uns amassos? Sexo oral? Nada?”

“N-não ...”

“Você sabe que isso, pelo menos a parte da virgindade de fato eu tenho como verificar correto?”

“Sim, eu sei, não estou mentindo...”

Uma menina daquela idade, linda como ela e virgem. Logo uma ideia se acedeu em minha mente, o quanto de dinheiro eu poderia fazer em um leilão pela primeira noite dela, o quanto aquele ar de inocência deixaria os homens loucos?

“Senhorita Swan, talvez eu tenho um lugar para você aqui”

“Sério?” – ela abriu o primeiro sorriso desde que começamos a conversar e se eu já achava que ela era linda agora estava ainda mais.

“Sim, mas antes preciso te explicar a minha proposta, se a senhorita aceitar, estará contratada.”

“Ok...”

Voltei para minha cadeira e ela se aproximou da mesa, agora visivelmente mais animada, mas ainda com uma visível apreensão no olhar.

“Sente-se senhorita Swan, temos muito o que conversar!”

 

 

Continua...


Notas Finais


Entãooooooo estou ansiosa para saber o que acharam!!! Devo continuar ou apaga isso e esquece?
Me digam por favor!
Se vocês curtirem, volto em breve!
bjos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...