História Why did we do this trip? - the five pages - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Jisung, Lucas, Mark
Visualizações 58
Palavras 2.936
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hoje venho com uma mini fic com NCT.
Eu queria muito uma fic com o meu Mark Lee, e como há poucas decidi escrever uma.
Esta fic vai conter 5 capitulos, e todos terão hot, exceto o primeiro que é o ponto de situação.
AVISO
Jisung e Chenle são menores de idade, então se não gosta de ler hot deles, não leia os capítulos dedicados a eles, que serão o 3 e 4.
Não tenho problemas em escrever, alias eu sou dois meses mais nova que o Chenle e 1 mês mais velha que o Jisung.
O aviso está dado.

Antes de mais, vou dedicar esta fic às minhas Marias, e por isso tem os vossos homens, como prometido, embora a Bea, não seja muito de leituras, sei que irá ler o seu capitulo, o que dedico a si, que será o próximo.

No último capitulo todos os membros vão participar, então aguardem....


AH- Todas as falas a italico, são em coreano.


Sem mais demoras:

B
O
A

L
E
I
T
U
R
A

Capítulo 1 - I miss you part I - The first page


Fanfic / Fanfiction Why did we do this trip? - the five pages - Capítulo 1 - I miss you part I - The first page

[May Williams POV’s]

-Será que ainda dá tempo para por uns tampões nas narinas da Jessy? - olho para Carol surpresa com a sua pergunta - Ela ressona tão alto.

-Se chegares até lá! - volto a olhar para a pequena janela do avião - Estás à vontade.

-May, - olhei para a rapariga do meu lado novamente, colocou a sua mão em cima da minha - Nervosa por andar de avião?

-Não, - suspirei- passei a minha vida a viajar de um lado para o outro. - eu estava confusa com a sua pergunta.

-Então essa mão não para quieta, porquê? - desviei o olhar do seu, eu queria evitar aquela pergunta - É porque vais voltar a ver o Mark? - em cheio, engoli em seco, voltando a olhar para a janela. Tirei a minha mão debaixo da sua levando-a aos meus cabelos e empurrei os óculos para cima.

Carol é do tipo de pessoa que não liga para essas coisas, pelo menos era assim até namorar com o Jisung. Ela de certa forma sabia a resposta dessa pergunta, mas eu sei que ela quer ouvir da minha boca.

-Sim. - disse sem exitar. Não havia escapatória, Carol estava lá comigo quando acidentalmente ouvimos a confissão dele.

-Isso tudo só porque ouvimos o Mark a falar com o Haechan? - voltei a olhar para ela e vi felicidade na sua cara. Ela estava a divertir se com o meu estado de nervos.

-Eu nunca tinha pensado em nós dois como um casal antes. - Carol fez uma careta como quem diz “ E daí? “ - Mas nestes últimos 3 meses, só tenho pensado nisso e quando dou por mim estou a sorrir feita bobinha.

-E o Jeno?

-Ah… Eu não sei. - Carol tirou o seu enorme pacote de gomas da mochila e ofereceu me - Não tive tempo para pensar nele. O Mark ocupou todo o meu pensamento. - comi mais uma goma.

-Jessy! - abanou a cadeira da sua frente - Ressona mais baixo! - ouvimos um “vai te foder” baixinho e não evitamos em rir.

-Deixa-a dormir. Ainda falta 1h para chegarmos. - Carol assentiu e levou mais uma goma à boca.

-Em relação ao Mark, - revirei os olhos, ela insistia nisso - Vocês são melhores amigos há anos. - comeu mais uma goma - Aprendeste coreano por ele. - mais uma - Talvez devias dar lhe uma chance.

-Ah, não sei. - enfiei a mão no pacote e tirei à mão cheia; levando algumas à boca - E em relação ao coreano, - ri com a sua cara - eu levei 1 ano e meio a ensinar a Amber; estas mesmo disposta a aprender uma língua nova? - comi mais gomas.

-Pelo meu Park? - abriu bem os olhos e levantou a mão - Faço tudo!

-Mas ele fala inglês. -acomodei me no banco - Qual é o problema?

-Eu sei, mas ele tem vergonha de falar. E tem mais confiança a falar a sua língua e além do mais, - apontou o dedo indicador bem na minha frente - Tu e o Mark falam inglês e foste aprender coreano na mesma.

-Motivos diferentes!

-Nã-

-Vocês vão parar de falar dos vossos homens e me deixar dormir? - Jessy virou se para nós com uma expressão bastante assustadora.

-Isso é só inveja, por não teres um. - Amber finalmente se pronunciou neste vôo.

-Já disse que só chineses me saltam à vista, tipo o Lucas. - Jessy respondeu rapidamente.

-Nem penses! - Amber quase gritou, o que atraiu os olhares das pessoas para nós - Ele é MEU namorado! - Jessy riu- Vai te catar Jessy.

-Sabes -chamei pela sua atenção- o Chenle, aquele moreno que estava com o Mark na minha última vídeo chamada?

-O do riso de Golfinho?

-Exatamente. -sorri por ver toda a sua atenção em mim. - Ele é chinês. - disse com bastante indiferença, mas ela abriu a boca em formato de “o” e antes de começar a falar eu respondi logo as suas futuras perguntas - 17 anos, Solteiro. - não vi a sua cara, pois peguei no meu livro e retomei a leitura.

Carol voltou a colocar os fones e continuou as suas leituras no telemóvel. Peguei um dos seus fones, visto que a bateria do meu aparelho acabou e continuei a ler. Jessy e Amber voltaram a adormecer e foi assim até aterrar.

[...]

-Todas têm as suas coisas? - perguntei e elas começaram a ver as suas coisas.

-Sim. - Carol e Jessy responderam.

-Amber?

-A minha mochila! - voltou para dentro do avião e precisamente 3min depois voltou com a sua mochila na mão e rapidamente prendeu-a na mala de viagem - Agora sim.

-Alguém precisa de ir à casa de banho? - Carol levantou a mão e eu apontei para os Wc’s. A rapariga correu até lá.

Eu assumo o papel de mãe no grupo. Não tenho qualquer problema com isso, aliás alguém responsável teria que a assumir esse papel. Não que elas não sejam… mas digamos que as suas personalidades são… peculiares é essa a palavra. Além do mais eu sou a mais velha.

-Podemos ir. - Carol voltou e começou a puxar a sua mala - Eu tenho tantas saudades do meu Park. - eu não evitei e ri.

Tratamos de toda a papelada necessária, mais eu,  já que elas estavam com vergonha de falar e então aguardamos nos bancos da entrada.

Eu continuei a minha leitura, embora não estivesse atenta, a minha ansiedade estava no limite. As minhas mãos tremiam apesar do calor infernal de Seoul.

-Lucas! - a voz de Amber me despertou da minha “tentativa” de leitura.

A mesma correu até ao namorado, que não o via à 6 meses e o abraçou. Carol fez o mesmo com Jisung. Eu conseguia ouvir os seus corações a bater depressa. Ou seria o meu? Jessy estava do meu lado envergonhada, diria. Apenas conhecia Lucas e Jisung e ambos estavam ocupados com as namoradas. Então apenas permaneceu em pé ao meu lado. Deixei o meu livro no lugar, anteriormente ocupado por Amber, e levantei me. Quando olhei para a frente, eu vi-o. Mark Lee a falar alegremente com Johnny, que vinham na direção dos outros.

Agora  estava moreno. A cor que eu mais amava ver no seu cabelo. Embora eu já tivesse visto. Mas uma coisa é ver num ecrã outra, completamente diferente, é ver pessoalmente. O seu estilo continuava o mesmo. Camisa simples, a de hoje azul, e umas calças Jeans. Ele usava os seus óculos redondos, iguais aos meus, que estou a utilizar agora mesmo. Assim que o seu olhar bateu no meu o seu sorriso abriu ainda mais. Deixando os dentes à mostra. E quanto eu adorava os seus dentes. É sério. A minha panca por Mark? Sorriso e gargalhada. Os meus lábios formaram um sorriso ao ver o seu e os meus batimentos estão tão acelerados que eu me pergunto se os outros ouvem. Ele parou ao lado do Lucas, que acarinhava a namorada, talvez estivesse à espera que fosse ao seu encontro. Eu queria, mas o meu corpo não se movia. Era como se os meus pés estivessem agarrados ao chão por raízes inquebráveis. Era demasiado bom, não parecia ser real, eu vê-lo ali, a pouco mais de 6 metros de mim. Não, não depois de tanto tempo sem nos vermos. Mark, já farto de esperar, é eu conheço aquele rapaz melhor que a palma da minha mão, veio em minha direção. A minha respiração ficava mais descompensada a cada passo que dava. Eu estava tão focada nele que quando olhei para o meu lado direito, Jessy já não estava lá mais. Mark encontrava se cada vez mais perto de mim, mas eu não reagia. Permanecia imóvel. Estava com medo que fosse ilusão e acordasse na minha cama em Califórnia, como já acontecera antes. A cada passo mais próximo o seu sorriso ficava mais brilhante.

-May? - a sua voz. A puta de voz que está gravada na minha mente desde sempre.

Eu continuava imóvel, sem qualquer tipo de reação. Apenas sabiam que estava viva pela minha respiração alta. Mark permanecia parado à minha frente. Eu ia jurar que estava tão nervoso quanto eu. Não era para mais. Fazia 1 fucking ano que não nos víamos.

Eu ia continuar a apreciá-lo se não me tivesse envolvido num abraço apertado e necessitado. Abracei o seu corpo, encaixando a minha cabeça no seu ombro. As saudades que tinha ao sentir a sua fragrância. As saudades de sentir o carinho que as suas mãos faziam nas minhas costas. As saudades que eu tinha dele.

-O teu cabelo não parecia tão grande no computador. - disse desfazendo o abraço.

-Eu não o corto desde a última vez que nos vimos.

-Posso notar - sorriu e levou a mão as pontas do meu cabelo - pelas pontas espigadas.

-Otário. -resmunguei enquanto bati na mão que agarrava o cabelo. Voltei abraço-lo e senti os seus braços envolverem se no meu pescoço - Eu senti a tua falta. -sussurrei e ele passou a mão nos meus cabelos.

Podia ouvir os seus batimentos acelerados, tais como os meus. Afinal de contas nós aguardávamos este reencontro à demasiado tempo. Tanto tempo, que mesmo depois de ouvir a sua voz, sentir o seu toque e cheirar o seu aroma, eu me questionava que realmente aquilo estava acontecer e não seria um sonho.

Agora, depois de ter lhe ter tocado, a minha ansiedade desapareceu. Eu estava ansiosa mesmo pelo o que? Ah… O Mark confessou ao Haechan a sua paixão por mim, quando “supostamente” eu tinha desligado a chamada.

Eu não fiquei mal com isso, aliás eu até me senti feliz? Eu estava surpresa, ainda não processei corretamente apesar disso ter acontecido há 3 meses.

Mark puxava a minha mala e eu levava a mochila nas costas. E enfim, fomos ao encontro dos outros.

-May! - Lucas quase gritou e nem deu tempo de protestar, abraçou me fortemente logo após me chamar - Achei que te tinhas esquecido de mim, primaça.

-De ti YukHei? - retirei me dos seus braços - A Amber passa a vida a falar de ti. É impossível esquecer te!

-Agora é minha vez de ter um abraço? - Johnny perguntou. Aproximei me do mesmo e abracei-o. Não foi grande coisa, apenas um simples abraço.

-Tio Johnny. - era a alcunha que eu tinha para ele.

Jisung e Carol conversavam alegremente, mas baixo. Jisung tem realmente muita vergonha de falar em inglês.

-Jisung! - chamei-o e abri os braços à espera do mais alto.

-Noona! - aproximou se e abraçou me. -Já faz algum tempo.

-É, eu sei.

-Ei ei ei, já chega. -Mark puxou me do abraço -Vocês já se viram faz 6 meses! - abraçou me por trás, colocando o seu queixo em cima da minha cabeça - Eu estou sem ela há 1 ano.

Ficamos a conversar mais algum tempo e então seguimos o Johnny até à carrinha. Eu chamaria-lhe autocarro de tão grande que era. Johnny destrancou a carrinha e Jisung e Lucas arrumaram as malas na parte de trás. Quando abri a porta eu vi um rapaz moreno sentado nos lugares da frente a mexer no telemóvel.

-Chenle?

-ONDE? - Jessy gritou e quando veio ter comigo, ficou parada ao meu lado.

-Noona! Que saudades! - sorriu.

-O que fazes aqui? - perguntei. Não fazia conta de o ver aqui. Só na casa.

-Vim buscar as meninas. - respondeu enquanto me sentava nos últimos lugar, neste caso na ponta.

-Oh May! -Jessy chamou-me - pergunta aqui ao gostoso se me posso sentar ao lado dele. - nesse momento Jisung entra na carrinha e senta nos lugares à minha frente com Carol a rir se. Jessy olhou confusa para Jisung.

 

-O Jisung entende inglês Jessy. - ela revirou os olhos - Chenle? - respondeu me com um “sim” - a minha amiga pode sentar se ao teu lado?

-Sim. Sem problemas. - Jessy olhou para mim e eu confirmei com a cabeça.Tudo o que fez foi dizer um “yes” silencioso e sentou se ao lado dele.

Lucas sentou se ao lado da namorada, que se encontrava ao lado de Carol. E por fim, Mark entrou finalmente. Sentou se ao meu lado e Johnny ligou o carro.

Mark aproximou o seu rosto do meu. Estava cada vez mais perto. Ai meu deus! Ele vai me beijar? Aqui?

-Segurança sempre. -exclamou e puxou o meu cinto, colocando-o.

-Ah… - ele notou o meu nervosismo - Claro. - virei para o lado oposto do dele. Coloquei a mão no peito e senti os meus batimentos acelerados- O que raio pensava que ia fazer? - sussurrei.

-Não sei. - virei me para ele e sorriu- diz me tu!- caralho ele ouviu!

-Aish Mark… -Tapei a cara com as mãos - Esquece isso.

[...]

Seguimos a viagem sem dizer mais nada. Já íamos a meio do nosso destino. NCT house. A casa com 18 rapazes de diferentes idades que vivem juntos por diferentes motivos. Uma história incrível, que fica para a próxima.

Jisung admirava Carol que ria com Âmbar das barbaridades do Lucas. Jessy e Chenle tentavam ter uma conversa. O que era complicado já que nenhum dos dois percebia o idioma do outro. Johnny cantava uma música qualquer, quando não assobiava.

E nós dois?

Nada. Mark escutava apenas a sua música. Eu queria atenção dele. Porra. Eu acabei de chegar. Mas sempre que olhava diretamente para ele ou espiava pelo canto do olho ele permanecia a escutar a maldita música, enquanto batia a mão no joelho ao ritmo da música provavelmente. Suspirei derrotada. E fiquei apenas a ouvir a conversa dos outros. Nesse momento, a mão dele agarrou a minha. Olhei para ele surpresa, mas Mark continuava a olhar para a frente indiferente. Entrelaçou as nossas mãos e começou a fazer carinho com o polegar. Quando olhei novamente para ele, continuava a olhar para a frente mas agora sorria. Eu acabei por sorrir também. Tirei um dos seus fones, recebendo um olhar zangado.

-O que raio tanto ouves para não me dares atenção? - coloquei o fone e percebi que escutava Tear de bts - Bom gosto. -olhei para a frente como  ele estava antes.

Mark aproximou o seu rosto novamente, mas eu continuei a olhar para frente. Senti a sua respiração bater na minha bochecha, mas eu sabia a sua jogada e continuei a olhar para a frente. Então senti os seus lábios entrarem em contacto com a minha pele. Eu esperava que me fosse cuspir como fazíamos sempre, mas não. Ele deu me um beijo na bochecha. E outro a seguir e mais um. Franzi o cenho e estreitei os olhos. Deu mais um e quando virei a cara para lhe perguntar o que queria ele tocou nos meus lábios. Não foi um pequeno encontrão. Tocou. Demos um selinho. Afastamo-nos assim que nos apercebemos do que aconteceu e os fones acabaram por cair. Os outros continuavam a conversar e nem se aperceberam do que aconteceu. Mark estava assustado. Eu via pela sua expressão. Mantinha as sobrancelhas arqueadas, os olhos vidrados em mim e os lábios entreabertos.

-Está tudo bem, Markie. - chamei-o pelo a alcunha que usava quando éramos mais novos para o relaxar e sorri.

Aos poucos começou a relaxar, e voltou a colocar o fone e deu me o outro. Eu peguei e antes de o colocar puxei Mark para mais perto de mim. Estava tudo bem, eu não me incomodei com aquele… aish vocês sabem. Entrelacei o meu braço no seu e deixei a minha cabeça no seu ombro. Começou a brincar com os meus dedos e quando consegui fugir da sua mão eu comecei a rodar o anel que ele tinha no polegar.

[...]

Johnny destrancou a casa e entramos. Deixamos as malas na entrada e para uma casa cheia de pessoas, ou melhor rapazes, a casa estava silenciosa.

-Onde estão todos?

-Foram para casa dos pais. - Chenle respondeu.

-Então vamos ser só nós no meu aniversário?

-Não! - Taeyong apareceu na entrada da sala - Voltamos todos para a tua festa.

-Taeyong oppa! - corri até ele e o mesmo me abraçou - Ainda bem.

-Também quero! - quando olhei para trás vi Jaehyun que agarrava na sua mochila- Vem cá! - e abracei o mais  alto.

-Aish vocês gostam demasiado da minha amiga!- Mark resmungou.

-Alô! - Carol que era abraçada por Jisung chamou à atenção - Apresentações por favor.

-Taeyong, Jaehyun - apontei para cada um - Meninos estas são a Carol, Jessy e Amber. - apontei para cada uma respetivamente.

-Elas são reais? - Jaehyun perguntou - Achei que tivessem inventado as namoradas - Amber e eu começamos a rir.

-Nós temos de ir. - Tae se pronunciou.

-Esperei por mim!- eu conheço esta voz, Jeno veio ao encontro de Tae e Jae - May!

-Jeno! - vi pelo o canto do olho a expressão do Mark mudar, ele sabia do meu crush de longa data por Jeno - Também vais?- assentiu.

- Sim, mas volto para a tua festa to-

- Vá mexam se! - Mark empurrou Tae e Jae para fora de casa e logo depois Jeno, nem deu tempo de eles protestarem e fechou a porta.

-Onde vamos dormir? - Jessy perguntou, chegou para perto de mim e sussurrou - Quero ficar perto do Chenle. - disse manhosa.

-Quartos não faltam. - Mark disse agarrando nas minhas malas e segui o mesmo.

-Eu vou preparar algo para comer! - ouvimos o Johnny dizer.


Notas Finais


Eu sei tá muito meloso, mas eu estou muito apaixonada pelo Mark, então aguentem, ahahahh
Até ao próximo capitulo...
E aguardem... será +18...
Beijocas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...