História Why do I have to love? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Code: Realize, Otome Game, Romance
Visualizações 11
Palavras 1.477
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Harem, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá! Meus queridos perdoem a Chocoleto-Chan, ela esqueceu de postar o capítulo de doce dor; mas semana que vem ou ainda esse mês terá um capítulo e mais uma nova fanfic. Boa leitura.

Capítulo 1 - Possuir


Fanfic / Fanfiction Why do I have to love? - Capítulo 1 - Possuir

O barulho dos sapatos dos soldados no meio da lama eram realmente altos, a cada pisada forte na lama poderia ser facilmente escutado.      Dentro da casa, uma bela jovem estava abrindo seus olhos calmamente. Dos lábios dela acabou por dizer:
-Quem está a me acordar?-Sua voz demonstrava um certo tom de frieza.
Do lado de fora o som de armas se movendo era alto, colocando balas e tirando.
-Então homens! Ali dentro está o que viemos achar o que a rainha tanto deseja!-O mais velho soldado, ou melhor general gritou para a tropa que demonstrava interesse pelo que ele estava falando.
-Sim!!-Todos gritavam juntos, o general corria em direção a porta da mansão que estava caindo ao pedaços.
Por dentro a jovem estava sentada sobre uma cadeira, a posição que estava parecia que estava em posição de uma boneca que havia sido abandonada. Os soldados arrombaram a porta com toda a força, olhando a escuridão que estava, por trás um dos soldado segurava uma lamparina com uma das mãos. Muitos soldados ainda não compreendiam o motivo para estarem em um local que estava quase para desmoronar; subiam as escadas em passos fortes, que poderia ser escutado se houvesse mais alguém pela casa.
A cada passo que davam, sempre estavam armados para ver se não havia mais ninguém além deles naquele local, logo que abriram um dos quartos para poder ver se o coração de cristal estava ali, o general achava que o coração de cristal poderia estar dentro de um vibro ou até mesmo escondido em algum lugar da casa; mas não sabia que poderia estar tão perto do que imaginava. Todos os soldados que estavam ao lado dele veriam uma bela garota que estava em sua vista, era bela e uma pequena luz a iluminava. Um dos soldados soltou uma risada de deboche.
-Eh...?! Então esse é o tal "coração"? É apenas uma garota!-O tal soldado, aproximou-se da bela jovem com um ar um tanto malicioso. A mesma apenas reagiu de uma forma um tanto diferente, acabou por dar um certo tapa no braço do soldado. Logo que ele sentiu uma grande dor em seu braço, era incomum uma garota que não possuía nenhum treinamento ser tão forte assim, ele se afastou ainda com o braço doendo.
-M...Monstro!!-Gritou, o general que apenas observava o que acontecia ali. Colocou a mão sobre o ombro do soldado machucado.
-Mesmo que ela esteja com o coração ou seja o coração, devemos trata-la como uma dama.
Ele aproximou-se em passos lentos perto da jovem, que demonstrava um tanto de receio por estar com várias pessoas ao seu redor. O general apenas disse:
-Não se preocupe, não iremos te machucar. Temos ordens para levá-lá até a rainha e não machuca-la.
O general, virou-se para não olhar para o rosto da jovem que levantou-se um pouco. Trajava roupas com um jeito um tanto especial, realmente era incomuns demais para alguém daquela época. Os soldados ficaram atrás dela por medo dela fugir, ela começou a dar leves passos atrás do general, o mais velho estava a pensar tantas coisas. Por qual motivo a rainha queria tanto ela? Ela possui algo em especial? Por qual motivo William deixaria o "coração de cristal" com ela? Tantas perguntas que ainda não foram respondidas pela rainha, sempre que perguntará a ela a resposta era um "o tempo irá lhe dar a resposta". Descia as escadas com os passos fortes, um grande barulho de sua armadura se mechendo de um lado para o outro poderia ser facilmente escutado.
Ao chegarem na entrada da mansão, a jovem olhou para trás. Seus olhos não demonstravam nada além de tristeza, parecia que tudo que sentia de felicidade não existia à muitos anos, olhou novamente para frente. Vendo vários tipos de carros diferentes e também havia cavalos, outros soldados que estavam ali a encaravam com uma expressão de nojo.
-Entre naquele carro.
O general apontou para um automóvel onde havia três soldados, eles estavam fumando e rindo sem parar, o medo a dominava da pior forma possível.
A jovem subiu no carro com a maior lentidão, os soldados que estavam fumando e se divertindo pararam imediatamente ao notar a presença de uma mulher.
-Senhor, quem é essa...?-Um dos soldados perguntou ao general que fechava a porteira, a jovem se sentava em um local onde ficou sozinha.
-É o que a rainha está procurando, cuidem dela e não ousem tocá-lá em hipótese alguma.
O general se afastou, os soldados estavam apenas observando o jeito da jovem, seu jeito e se perguntando assim como o geral o porquê da rainha querer um ser tão comum.
-...-A jovem não entendia o motivo por estar ali, seu rosto demonstrava estar um tanto quanto assustado, seus olhos de coloração azul não haviam nenhum brilho, a pessoa que estava sobre o volante acabou por ligar o motor, após isso deu a partida e o carro começou a funcionar, outros carros também faziam. A jovem levou ambas as mãos até a saia que usava, apertando com certa força, os soldados olhavam para ela sem nem mesmo entender o porquê dela ter o tal procurado "coração de cristal" que todos tanto desejam.
-Ei...-Quando um dos soldados ia perguntar algo o carro acabou por parar na hora, a jovem ficou um tanto assustada e não entendia o que estava acontecendo ali.
-O que houve?-Ela perguntou de uma forma calma e fria. Os soldados saiam de dentro do carro em total desespero, carregando espadas e armas em suas mãos. A única que ficou sentada foi a jovem, sem entender o que estava acontecendo.
-Ora...ora! O que temos aqui? A guarda real não deveria estar cuidando da rainha em vez de perder tempo com coisas tão banais.
-O que...? Quem...?-O general olhou para ver quem era, escutou o barulho de algo cair sobre um dos carros. Era um belo homem, trajava roupas bastante formais e também estava usando um grande chapéu.
-Olá a todos, sou Lupin Arséne um dos grandes ladrões dessa redondeza e estou atrás da bela donzela que estão dentro de um dos carros.
Ao escutar o que o homem mascarado havia dito, o general ficou aposto em seu local. Todo o exército segurava uma arma ou uma espada para ver se ele iria tentar algo.
-Você não deve se meter em coisas que não é da sua conta-O general disse apontando a espada para o homem que começou a rir.
-É claro que é da minha conta, apenas entreguem a bela donzela e todos ficaram bem.
Ele logo retirava uma pequena bomba de seu bolso, isso parecia não ter intimidado o general que disse em bom som:
-Homens! Atirem!
Os soldados apontaram as armas, logo que começaram a atirar, as balas teriam tamanhos variados, o mesmo logo jogou a bomba no chão. Em vez de explodir a mesma apenas jogou uma grande quantidade de uma fumaça preta, todos os soldados não conseguiam ver nada, tudo estava escuro e o general estava perdido.
Enquanto fora estava tendo uma grande confusão, a bela jovem estava sentada no banco do carro. Não entendia o que estava acontecendo, levantou um pouco mas a fumaça atrapalhada muito. Afastou-se um pouco ao escutar um barulho de algo pisando forte ali, era um homem. Não havia como ver como ele era, logo que escutou uma voz grossa:
-Parece que encontrei o tesouro mais precioso de todos, uma bela donzela aque estava em apuros em meio as mãos dos soldados da rainha.
Ele aproximou-se um pouco mais dela, a jovem demonstrava um certo medo. Não sabia como fugir, escutou a voz dele, parecia familiar mas não sabia de onde havia escutado.
-Venha, bela donzela não tenha medo. Posso lhe ajudar a sair desse local, por favor me acompanhe.
O homem mascarado estendeu as mãos a jovem, mesmo achando aquilo tão suspeito hesitava um pouco, tentou se afastar como podia dele; mas ele logo comentou:
-Não vou lhe machucar, pelo contrário eu estou aqui para ajuda-la a se salvar de tudo isso. Não quer saber o porquê de tudo isso? O porquê de estar dentro de um carro dos guardas da rainha? Ou o porquê de possuir algo muito valioso. 
Era isso que queria, tudo aquilo queria saber o que estava acontecendo e tudo mais. A hesitação estava desaparecendo, ela levantou levemente a mão logo que tocou na dele levemente.
-Sim...-Ela respondeu, logo que ele a puxou para fora do carro. A fumaça estava desaparecendo aos poucos, o general estava conseguindo notar uma movimentação estranha. Virou-se um pouco, viu que o homem esta a levando o que parecia ser a garota.
-Ei!-Disse, tentou correr em direção a ele, mas a fumaça ainda impedia de ver para onde iam.
-Não se preocupe, a qualquer custo eu irei lhe proteger.
Um sentimento novo havia despertado dentro da jovem, era muito diferente. Um sentimento de conforto que estava sentindo naquele momento.

                 Continua...




Notas Finais


Primeiro capítulo dessa nova fanfic que terá um pouco do anime/otome game "code: realize" espero que tenham gostado. Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...