História Wicked Game. - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Kevin Trapp, Manuel Neuer, Marco Reus, Mario Götze, Mats Hummels, Nuri Sahin, Thomas Müller, Toni Kroos
Personagens Kevin Trapp, Manuel Neuer, Marco Reus, Mario Götze, Mats Hummels, Nuri Sahin, Personagens Originais, Thomas Müller, Toni Kroos
Tags Borussia Dortmund, Bvb, Copa Do Mundo, Copa Do Mundo 2018, Dfb, Futebol!, Gotzeus, Kevin Trapp, Kromells, Manuel Neuer, Marco Reus, Mario Gotze, Mats Hummels, Neuller, Nuri Sahin, Rússia, Seleção Alemã, Thomas Muller, Tommels, Toni Kroos, World Cup
Visualizações 74
Palavras 2.943
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Crossover, Esporte, Festa, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não sei vocês, mas eu amo as fotos do Mario na copa de 2014 e vou defendê-las <3

Capítulo 10 - Chapter Ten: The first kiss.


Fanfic / Fanfiction Wicked Game. - Capítulo 10 - Chapter Ten: The first kiss.

O dia começou atípico, recebi uma ligação não muito animada de Mario, ele pedira para que eu fosse a sua casa pois queria conversar comigo e com nossos amigos sobre um assunto que fosse importante para ele. Eu sinceramente não estava com vontade de ir, depois de vê-lo entregando flores para Hans, eu estava ignorando suas mensagens e evitando-o dentro do CT. Nuri estava no banho ainda, e eu estava terminando meu café para que pudéssemos sair. Como já havia se passado um tempinho desde a ligação de Mario, resolvi mandar uma mensagem para ele avisando que eu estava apenas esperando Nuri terminar seus afazeres. O moreno tinha acordado diferente hoje, na noite passada nós saímos juntos e fomos ao cinema, eu acabei dormindo em sua casa, que como Mario já tinha dito antes, era muito chique mesmo, assim como ele era. Não tinha rolado nada entre nós aquela noite, eu pensei se ele estava diferente por isso, mas ele já parecia distante a uns dias... e como o turco não era lá muito de se abrir, ficava difícil saber o que estava acontecendo. Ele agora estava descendo para tomar o café, já estava arrumado, bonito para caramba. Fiquei olhando para sua estonteante beleza que até me esqueci do que eu tinha me programado para fazer.

- Bom dia, flor do dia. – Nuri me disse sorrindo. – Avisou o Mario que já vamos? – Ele se sentou a minha frente e pegou alguns pedaços de fruta e serviu suco em seu copo. Até o café da manhã dele era chique.

- Ah, nossa... Bom dia. Eu vou mandar uma mensagem para ele. – Era disso que eu tinha me esquecido.

 

“Eu estava esperando Nuri sair do banho. Já estamos indo. Te amo, sunny.” Enviei, e não demorou muito para que ele respondesse.

“Sem problemas. Mas devo te avisar que Manuel virá aqui... sei que vocês não se bicam. E... Hans também. Eu chamei todo mundo que considero importante para mim... Também te amo. Não surte.”

Não bastasse ter dado flores para o meu ex-namorado, ele queria esfregar isso na minha cara levando-o a sua casa em um encontro que ele disse que era para tratar de um assunto importante? Encontrar Hans pela manhã não seria problema para mim, ele não era mais o meu namorado, mas estava sempre trombando com ele pelo CT, e nada entre nós dois acabou de um jeito ruim para que eu começasse a odiá-lo ou me sentir desconfortável em sua presença. Pelo contrário, o seu jeito fazia com que todos se sentissem bem ao seu lado. Eu não tinha mais fotos nossas no meu celular, apenas as fotos em que eu estava junto com ele e minha família, ou com nossos amigos em comum, mas as nossas fotos de casal e as fotos “secretas” que ele me enviava, já não guardava mais. E eu acho que isso é normal, ninguém termina um relacionamento e fica guardando foto. Talvez um dos pontos positivos de eu nunca ter ficado postando nossas fotos de casal em redes sociais fosse esse. E também havia o fato de eu estar saindo com Nuri agora, embora não estivéssemos namorando nem nada, creio que seria incomodo para ele e até mesmo para mim se eu ficasse juntando fotos com meu ex. Acho que Nuri e eu não estávamos saindo nem a um mês, a companhia dele era extremamente agradável e trazia calmaria, mas eu não conseguia nutrir sentimentos “diferentes” por ele...

- Marco, antes de sairmos, quero tratar uma coisa com você. – Ele olhou para  mim enquanto falava, e como permaneci em silêncio, ele entendeu que poderia continuar. – Eu adoro sua companhia. Você é um dos garotos do Borussia que eu mais me identifico e mantenho uma amizade. – Quando ele usou essa palavra, eu entendi onde ele queria chegar. – E... transar com você é ótimo também, e me fez bem esse tempo todo que ficamos saindo. Mas... não sei se é saudável continuar nisso. Eu... eu não tenho nenhum sentimento “diferente” por você, entende? E acho que se ficarmos saindo assim, vamos estar nos enganando. Não penso também que você me usou como sua aspirina. Eu e você não... não fomos feitos um para o outro. Acho que devíamos parar. – Ele se encostou na cadeira e suspirou. – Isso foi difícil.

Eu não estava abalado. Talvez estivesse um pouco mais... tranquilo em saber que ele se sentia como eu.

- Eu sei que foi difícil. Você não sabia como eu iria reagir e tudo mais... E eu definitivamente não usei você para tapar buraco. Eu realmente te acho gato e tudo mais e quis sair com você. – Dei um riso, fazendo-o rir também. - E confesso que eu concordo com tudo que você falou.

Nuri Sahin tinha uma forma diferente de ver o mundo, ele era extremamente centrado e deveras tradicional, do tipo que pensa que só deve se relacionar com alguém que ele nutrir algum tipo de sentimentos. Hummels chamava isso de demissexual, e ele dizia que também se encaixava nisso, sendo um dos motivos que ele tanto invesiu em Toni Kroos. Dei um sorriso para que ele se sentisse mais tranquilo e logo saímos para a casa de Mario.

 

xxxxxxxxxx

 

Mario nos recebeu com um abraço, ele estava com os olhos inchados como se tivesse chorado a noite toda, e eu nunca tinha visto ele assim. Foi aí que percebi que eu estava tão focado em desabafar sobre meus problemas com Mario que não parei para prestar atenção nos dele. Ele nunca me cobrou atenção e nem nada do tipo, e isso me fazia ver que ele era o melhor amigo que alguém podia ter. Eu e Nuri entramos em sua casa, mas não éramos os últimos a chegar. Ainda faltavam Manuel e Hans. Kevin Trapp e André Schürrle estavam fazendo os movimentos mais esquisitos e desengonçados que eu já vi na vida, jogando Dance Masters no kinect de Mario. Toni e Mats estavam sentados no sofá, abraçados, sendo o casal mais fofo do mundo, apenas observando os garotos jogando.

- Eles são sempre assim? – Nuri olhou para os dois jogadores e começou a dar risada.

- Oi Marcinho. – Kevin parou um pouco de “dançar” e olhou para mim, mas seu sorriso abriu mais quando viu Nuri. – Oi, Nuri Sahin.

- Ah, oi Kevin. – Sahin olhou para mim com uma expressão que dizia “qual é a dele?”

- Presta atenção, não pode ver um macho! – André cutucou Trapp, fazendo com que ele voltasse a acompalhá-lo na micão tour.

Nos sentamos junto a Mario na mesa, ele estava com a expressão extremamente cansada e triste, suas bochechas tinham até sumido. Eu não sabia o que estava acontecendo, e continuar sem saber me deixava aflito.

- Sunny... o que tá rolando? – Estendi minhas mãos até que alcançasse as dele. – Me perdoa. Eu fui um lixo de amigo. – Ver Mario daquele jeito me fazia cessar toda a raiva que eu fiquei dele.

- Eu... eu prefiro falar quando todo mundo tiver chegado para que eu não tenha que ficar repetindo... – Ele enxugou uma lágrima. – Não fica pensando isso. Você sempre foi o melhor amigo do mundo.

A campainha tocou e eu fiz menção para que Nuri atendesse a porta, tudo aquilo parecia estar sendo exaustivo demais para Mario e ninguém sabia o porque. O turco se levantou para abrir a porta e quando ele abriu, Hans estava ali. E Manuel Neuer estava logo atrás dele. Todo mundo ficou em silêncio quando eles chegaram... mas não porque eles chegaram, e sim por conta do modo que eles chegaram. Hans estava com o cabelo preso com tranças nas laterais e um topete bem leve acima da testa, ele tinha glitter no topo das maças do rosto, ele usava uma camiseta alongada, era uma regata na cor vinho do Cleveland, um time de basquete. Para completar seu visual andrógino ele usava uma bota de salto alto, de couro, QUE IA ATÉ SUAS COXAS. EU NUNCA TINHA VISTO ESSE MENINO ASSIM. ONDE ELES SE METERAM? Manuel, logo atrás dele, estava com alguns pontos de brilho pelo rosto, provavelmente por causa da proximidade de Hans, afinal, glitter se espalha igual notícia ruim. Ele usava uma calça jeans toda rasgada e uma jaqueta de couro e tênis adidas, tava todo trabalhado também. Acho que eles perceberam nosso estado de choque.

- Não se preocupem, eu estou usando shorts. – Hans deu um riso e entrou, e nosso goleiro mais chato o seguiu.

Nuri fechou a porta e voltou a se sentar junto comigo e com Mario.

- Marinho! – Hans exclamou assim que viu meu amigo, e correu até ele, abraçando-o bem forte. – Nos desculpe pela demora. Prometo te compensar fazendo um bolo pra você.

- Obrigado, Hans, não se preocupe com bolo. Só de ter vocês aqui é maravilhoso. – Sunny retribuiu ao abraço de Hans, que se sentou conosco.

- Oi, meninos. Parem de olhar pra gente assim. – Ele finalmente pareceu ter percebido que eu estava ali. Hans segurou minha mão. – Ei. – Ele me deu um sorriso, e logo soltou de minha mão.

- Oi, Hans! – Kevin praticamente gritou do outro lado da sala, recebendo outro cutucão de André.

- Kevin, senta aqui conosco. – Hans o chamou, e nosso goleiro mais legal veio todo saltitante até nós.

- Onde vocês estavam? – Toni perguntou, curioso que só.

- Nós fomos a Berghain. – Pela primeira vez na história, Manuel Neuer estava se dirigindo a seleção alemã sem ser aos berros. – Vocês precisam ir! – Ele deu um sorriso, era até estranho vê-lo de bom humor assim. Será que ele tinha bebido?

- O que é isso? – Hummels era tão ganso quanto seu namorado. E besta também.

- Meu Deus, gente. – Eu comecei, indignado. – Vocês moram na Alemanha há quanto tempo? 2 dias? Berghain é uma balada super conceitual e chique que tem aqui em Berlin. Já foi eleito até como o melhor clube do mundo. Toca música eletrônica, mas tem uma pegada mais dark. Funciona em uma central nuclear abandonada...

- Sinistro! – Kevin e Nuri disseram juntos.

Mario olhou discretamente para mim e me deu um cutucão por debaixo da mesa. Acho que ele percebeu que rolou uma conexão entre Kevin e Nuri.

- Mas não é só chegar lá, pagar e entrar. – Sunny me completou, ele parecia ter melhorado um pouco. Hans realmente ilumina qualquer ambiente. – As pessoas são selecionadas para entrar lá, o segurança escolhe na fila quem pode entrar. Quem frequenta diz que para entrar você não pode estar muito arrumado e nem muito alterado, porque a proposta da casa não é apenas status. – Ele deu de ombros e voltou a olhar para Hans e Neuer. – Como vocês entraram? Há anos atrás eu e André tentamos e não conseguimos, ele até chorou! – Götze começou a rir e André ficou de bico.

- Ele é Manuel Neuer, entra onde quiser. – Hans olhou para Manuel e deu um sorriso. – Mas, viemos aqui para saber como você está.

- Certo... eu chamei todo mundo aqui porque tudo tem sido tão difícil pra mim que eu não conseguia lidar sozinho mais... e é tudo tão forte que eu vou precisar de vocês todos. Eu amo vocês. – Mario olhou para cada um de nós, e eu nem sabia do que se tratava mas já queria chorar. – Mas, poucas semanas antes de ter chegado em Berlin, Ann me ligou. Ela terminou tudo comigo por telefone. E aquele dia que nós íamos nos encontrar e eu não fui, eu peguei um vôo para Dortmund para assinar os papéis do divórcio, e voltei de madrugada. Ela estava me traindo .

- E agora eu me sinto um escroto por não ter percebido antes que você não estava bem. – Kroos começou antes que o silêncio se instalasse. – Me empolguei tanto com as coisas dando certo com Mats que não prestei atenção em você... E como você está agora?

Aquilo fora como uma facada em meu peito. Mario estava enfrentando um divórcio sozinho e eu não fiz nada para ajudá-lo. Além de lidar com um término, ele teria que lidar com o fato de lidar com uma traição. E ele era tão apaixonado por Ann... e como seria agora para ele confiar em alguém de novo? E nós, seus amigos, não estávamos ajudando em nada no seu processo de se reestabelecer, cegos demais com nossos problemas. O único que ficou o tempo todo ao seu lado fora André, que parecia abalado também com tudo.

- Mario, olha... eu me sinto péssimo. – Ele abriu a boca para dizer alguma coisa mas eu o impedi. – Você esteve comigo sempre, sendo meu companheiro desde quando eu me recuperava de lesões até a términos de relacionamento. Você esteve lá quando Robert fez toda aquela merda. E esteve lá me dando forças para quando eu queria conquistar Hans. – A essa altura, eu estava pouco me lixando se Neuer sabia que ele era meu ex-noivo ou não. – E também quando Robert cagou com a gente, e quando nós voltamos e quando terminamos também. Esteve comigo quando me encorajou a sair com outras pessoas. Você me ajudou tanto... e eu não te ajudei em nada. E não, eu não me importo mais de admitir tudo isso na frente de todo mundo, porque é o mínimo que eu posso fazer por você, depois de tudo que você fez por mim... Por nós. Eu nem percebi que você estava se distanciando... Me perdoa. E eu vou confessar na frente de todo mundo. Me perdoa por ter te ignorado tanto... eu vi entregando aquelas flores para Hans e sei lá o que me deu... enfim, dane-se isso agora. Já estava bem claro que não era nada. Eu que fui um babaca.

- Caralho Marco, tu é burro? – Trapp se manifestou, um pouco indignado. – Acha mesmo que Mario tentaria alguma coisa com Hans? Ele nem curte macho. E outra... é a porra do seu melhor amigo. E a porra do seu ex-namorado. Como pode pesar isso cara? – Ele deu de ombros, balançando a cabeça em negativa. Ele estava certo.

- Mas cê tá brava? – Toni falou para Kevin, fazendo todos nós rirem.

- Gente... eu já tinha percebido que a galera do Borussia era meio noiada, mas isso é demais. – Manuel falava todo calmo, mas eu ainda não conseguia gostar dele. – Eu pedi que Mario entregasse as flores para ele. Pronto, resolvido.

Hans apenas olhava para nós, sem dizer nada. Ele devia estar envergonhado e se sentindo exposto.

- Desculpa fazer você passar por isso. – Eu falei para Hans, arrependido.

- Não esquenta, talvez eu reagisse do mesmo jeito. – Hans me deu um sorriso, e voltou a olhar para Mario. – Vou fazer almoço pra você, Marinho. E a propósito... você já pensou em beijar um garoto?

Todos nós ficamos em silêncio.

- Não. Eu só me envolvi com alguém quando realmente gostava da pessoa...

- Demissexual! – Kroos e Mats falaram em uníssono.

- Shh! – Manuel os reprendeu.

- Eu nunca me interessei assim por um menino. Portanto, acho que me considero hétero. – Mario deu de ombros, e continuava olhando para Hans. – Por que me perguntou isso? Você acha que eu devo...? Eu nunca fiz isso. Não conseguia me encontrar com um homem sem ter beijado outro ainda. Eu nem me imagino beijando um.

- Não surte.

Hans sorriu para Mario e se aproximou dele, segurando o rosto do moreno em suas mãos, o loiro selou seus lábios, sem pressa. Todos nós ficamos de boca aberta. Eu não estava com ciúme nem nada, eu estava adorando tudo aquilo. Eu adorava ver como Hans tornava tudo leve com o seu jeito despreocupado de ser.

- Agora você beijou um. – Hans deu um sorriso para Mario novamente. – Como se sentiu?

Mario começou a rir, e olhou para gente. – Eu acho que eu gostei.

Todos nós rimos, e ficamos olhando curiosos para os dois. Eu olhei de canto para Manuel, e ele não parecia nem um pouco abalado. Ele sorria como todos nós. Ele estava nitidamente tendo alguma coisa com Hans, e este beijou um cara a sua frente e ele permaneceu ali inabalável. Acho que estou começando a gostar desse cara. Ele deve fazer bem e Hans.

- Se você gostou de me beijar, devia experimentar beijar Marco Reus.

Ele piscou para Sunny e se levantou, deixando todos nós sem fala na mesa. O loiro de cabelos compridos seguiu para a cozinha, já iniciando os preparativos para o almoço que ele prometeu a Mario.

- Mario, você beijou um cara gato pra caralho! – Kevin disse em meio a um riso, fazendo nós rirmos com ele também. – Gato, mas doido.

- Ele não é doido... – Manuel falava mais para si mesmo do que para nós. – Ele é livre.

Os garotos saíram da mesa e seguiram para seus afazeres anteriores, Manuel foi para cozinha ajudar nosso nutri. Eu permaneci sentado na mesa, de frente para Mario. Ele me olhava e ria, praticamente gargalhava pelo comentário de Hans. Sunny era uma das melhores pessoas do mundo e ele merecia alguém a sua altura, confesso que se não fosse para eu me casar com Hans, que ele se casasse com Mario. Mas ele e Neuer pareciam se dar bem, embora não parecem em nada com um casal e nem ter nada afetuoso envolvido, creio que a companhia de um fazia bem ao outro, e eu também não posso ficar escolhendo quem vai ficar com quem, isso não é uma história que eu determino o final. Uma vez, Roman Bürki e Marc Bartra me disseram que eu nunca conseguia obter sucesso em um relacionamento porque eu buscava longe demais por alguém que sempre esteve a minha frente... Eles não estariam falando do meu melhor amigo... estariam?


Notas Finais


Falem comigo! tt: @mustbeleweus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...