1. Spirit Fanfics >
  2. Wicked Game >
  3. Seu

História Wicked Game - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Oii gente, tudo bem?

Eu sei que estou muito, muito sumida e peço que me perdoem. Eu me enrolei toda com o serviço e a faculdade e não estava conseguindo fazer mais nada. Então começou a quarentena e eu continuei trabalhando e embora fosse menos, estava ficando tão exausta que não consegui me dedicar as fanfics e a vocês. Me perdoem mesmo.
Às pessoas que comentaram e eu não respondi, prometo fazer isso, mas não vou conseguir hoje pq já são 3:30 da manhã e tenho que trabalhar daqui a pouco.

É isto. Espero de verdade que gostem do capítulo, que eu não tenha perdido o jeito e que não desistam de mim.

Obrigada xuxus <3

Capítulo 10 - Seu


Fanfic / Fanfiction Wicked Game - Capítulo 10 - Seu

Uma mão quente acariciava minha barriga, fazendo pequenos círculos ao redor do meu umbigo. O braço possessivo passava por cima do meu corpo, enquanto o corpo se moldava por trás do meu, em uma “conchinha” perfeita. Embalado pelo sono pesado que acabara de acordar, não percebi de imediato o que isso poderia significar. Uma nevoa parecia dominar meus pensamentos, me fazendo apenas aproveitar a caricia. Inconscientemente me aconcheguei mais ao corpo, escutando um riso baixo. Virei-me para a pessoa, enxergando uma cabeleira loira através da nevoa, que me fez sorrir no mesmo momento.

- Draco... – Me ouvi sussurrar antes de quase cair no sono novamente, mas fui impedido no mesmo momento por uma risada alta e um leve empurrão no ombro.

- Draco, é? Desde quando me chama assim?

Abri os olhos assustado, demorando um pouco para conseguir focar na pessoa a minha frente. Pisquei confuso até conseguir enxergar – embora embaçado – um Malfoy muito sorridente.

- Malfoy? – Perguntei confuso.

- Agora eu sou Malfoy?

Ele riu e eu levei a mão ao rosto, tentando ajeitar meus óculos em um gesto automático para conseguir enxerga-lo melhor.

- Oh... Deixe-me pega-los para você.

Malfoy rolou por cima de mim, me esmagando no processo e rindo quando o amaldiçoei e empurrei seu peito, mas voltou com meus óculos, que estavam no criado mudo ao meu lado.

- Podia ter me falado que eu pegava. – Falei, mas ri também. Malfoy parecia estranhamente feliz e isso de alguma forma me aqueceu.

- Estava certificando que você ainda é você.

- E porque não seria?

Arqueei a sobrancelha, vendo-o se ajeitar ao meu lado novamente, se cobrindo até restar apenas sua cabeça para fora do edredom. Ele estava tão malditamente fofo que meu coração acelerou.

- Não sei. Do que se lembra de ontem?

Parei por um segundo com os pensamentos estranhos sobre ele quando uma enxurrada de lembranças sobre meu sequestrador tomaram minha mente. Abri a boca para falar alguma coisa, mas as palavras simplesmente não saíram. Senti meus olhos começarem a queimar e Malfoy se aproximar para me abraçar, mas estava preso às lembranças. A dor. Fechei os olhos com força, me lembrando da sensação horrível.

- Hey... Desculpa, esquece isso. Eu não devia ter perguntado nada.

Malfoy me encarava preocupado, acariciando meu rosto e enxugando as lagrimas que eu nem sentira cair. – Você está seguro aqui.

Olhei fundo em seus olhos, sentindo mais lagrimas descerem.

- Achei que não iria atrás de mim. Achei que fosse me deixar morrer. – Sussurrei abaixando a cabeça.

Malfoy arquejou perplexo.

- Porque pensou isso? – Levantou meu rosto carinhosamente com as pontas dos dedos, me fazendo olha-lo nos olhos.

- Bom... Na casa do Augustus, quando discutimos por você ter mandado uma carta para Dumbledore buscando um jeito de me curar, você falou para eu não me preocupar que da próxima vez que acontecesse algo, me deixaria morrer.

Falar isso doeu e pela expressão em seu rosto, vi que doeu nele também. Ele suspirou, acariciando meu rosto.

- Eu estava estressado. Você... você ainda vai entender, mas eu não deveria ter dito aquilo.

- O que eu vou entender?

- Eu não posso falar.

Me ocorreu nesse momento que no momento em que fui sequestrado, eu tinha me lembrado...

- É sobre nós? – Os olhos de Malfoy brilharam, confirmando meus pensamentos. – Nós nos beijamos, certo?

O loiro abriu um sorriso mínimo, confirmando com a cabeça. Senti meu rosto começar a esquentar de vergonha.

- Desde quando se lembra?

- Quando te vi com aquela garota... – Minha voz foi sumindo enquanto lembrava da cena.

- Eu estava nervoso com tudo isso. – Começou a falar meio desesperado. –  Dumbledore me avisou que você poderia esquecer algumas coisas, mas que voltaria a lembrar depois. Eu só não imaginei que fosse esquecer isso. – Ele começou a corar, o que era inédito, mas continuei apenas o ouvindo. – Eu não soube lidar e então pegamos o trem e dormimos e quando acordei... Você estava deitado no meu peito. Aquilo foi demais para mim. Eu precisava sair de perto de você porque eu não sabia o que estava acontecendo.

- E agora você sabe?

Esta pergunta fez Malfoy ficar mais vermelho do que já estava, o que era extremamente adorável, me fazendo sentir coisas diferentes no estomago. Acho que as famosas borboletas.

- Acho que sim.

Nossa distância era mínima, já que ele ainda estava me abraçando. O engraçado é que eu não tinha reparado essa distância até esse momento, quando ele sussurrou essas palavras com a voz rouca, aproximando nossos rostos.

Malfoy roçou nossos narizes lentamente, fechando os olhos no momento em que nossos lábios se tocaram. Senti como se todo o ar dos meus pulmões se esvaísse ao fechar os olhos também, apenas sentindo nossos lábios pressionados. Ele passou a língua por meu lábio inferior, me fazendo arrepiar e me entregar àquele beijo. Abri os lábios lhe dando passagem, sentindo a descarga elétrica percorrer meu corpo quando nossas línguas se encontraram, iniciando um beijo lento e intenso.

Estava nas nuvens quando senti sua mão sair do meu rosto e percorrer meu corpo, parando em minha cintura apenas para me puxar mais para si, pressionando nossos corpos. Gemi baixo ao sentir seu corpo quente contra o meu, levando minha mão a barra de sua blusa, ousando passar a os dedos por seu peitoral. Apesar de ser magro, Malfoy possui músculos bem definidos e saber disso levou uma descarga de prazer diretamente para meu membro, me fazendo em um momento de ousadia, passar as unhas curtas ali.

Ele arfou, encerrando o osculo e partindo para meu pescoço, distribuindo beijos e chupões pela área, me fazendo gemer mais. Puxei sua camisa para cima, tencionando tirá-la para ter mais acesso ao corpo do loiro. Ainda em meu pescoço ele deu uma risada baixa, se afastando e tirando sua camisa, vindo para cima de mim rapidamente, tirando a minha também. Corei fortemente ao perceber estar apenas de cueca embaixo de Draco.

- Hey... Porque estou sem calça?

Perguntei em meio a arfares enquanto ele distribuía beijos por meu peito. Ele levantou o rosto somente até nossos olhares se encontrarem e sorriu ladino.

- Para facilitar meu serviço. – Respondeu divertido, distribuindo agora algumas mordidinhas por minha barriga, me fazendo rir e empurrá-lo.

- Pare, por favor. – Pedi em um acesso de risos, me contorcendo na cama quando ele continuou com as mordidas, apertando também as laterais das minhas costelas, me fazendo rir mais.

Ficamos uns bons segundos assim. Quanto mais eu pedia para ele parar, mais ele fazia. Ele parou quando comecei a ficar sem ar, sentado em cima das minhas coxas, me olhando divertido. Meus óculos estavam tortos em meu rosto de tanto mexer, mas consegui enxerga-lo me olhar de um jeito estranho. O sorriso divertido ainda estava lá, mas seus olhos diziam algo a mais.

- O que foi? – Perguntei.

Ele não respondeu, se abaixando até estarmos cara a cara. Tirou meus óculos, colocando-os no criado mudo e voltando a me olhar. Suas mãos desceram por meus braços até chegarem aos meus pulsos, pegando-os e erguendo até estarem acima da minha cabeça, prendendo-os ali com uma das mãos. Seu rosto voltou a se aproximar do meu lentamente e quando nossos lábios finalmente se encontraram, um som animalesco saiu de seu peito, me fazendo arfar e abrir os lábios, me entregando ao beijo selvagem que iniciamos.

Malfoy se mexeu em cima de mim, largando meus pulsos para passar as mãos por todo meu corpo. Gemi alto entre o beijo quando ele apertou um de meus mamilos, fazendo com que uma onda de prazer reverberasse direto em meu pênis. Abri as pernas para acomoda-lo, sentindo sua ereção pressionar a minha através do tecido grosso da calça que ele usava.

Abaixei as mãos, passando por seus cabelos e puxando-os levemente quando ele desceu os beijos por meu pescoço, lambendo e chupando, me fazendo arrepiar e arfar a cada toque. Desci as mãos para suas costas, arranhando a pele alva, mas não contentei apenas com isso. Queria tê-lo por inteiro e apesar da vergonha por estar fazendo isso pela primeira vez, sentir seu peito quente contra o meu, enquanto ele distribuía beijos e chupões por meu corpo estava me deixando louco. Minha perdição foi quando ele moveu o quadril em direção ao meu, chocando nossas ereções.

- Malfoy... Por favor.

- Por favor o que? – Sua voz soou divertida, me deixando ainda mais envergonhado.

- Tire a calça.

Ele riu, mas levantou da cama e tirou a calça rapidamente, levando junto a cueca. Se já estava envergonhado antes, agora mal conseguia olhar para ele. Antes que eu pudesse falar qualquer coisa, ele voltou para cima de mim e selou nossos lábios. Suas mãos percorreram meu peito e desceram por minha barriga até chegarem à barra da minha cueca.

- Posso? – Perguntou e eu assenti fechando os olhos.

O tecido aos poucos foi deixando meu corpo e tudo o que eu queria era abrir um buraco para me esconder dentro. Levei o antebraço ao rosto, tampando os olhos com ele.

- Olhe para mim. – Pediu gentilmente, puxando meu braço. Abri os olhos, enxergando-o com certa dificuldade devido a falta dos óculos, mas pude notar que ele também estava corado. – Você é lindo.

Malfoy aproximou nossos corpos novamente, deitando por cima de mim. Um gemido de aprovação escapou dos meus lábios quando o corpo quente dele se encaixou no meu. Ele voltou a me beijar no momento em que pegava nossos membros, começando a masturba-los. Arqueei as costas, interrompendo o osculo e gemendo em deleite com a sensação quente de seu membro e sua mão quente em mim.

- Eu quero tanto você. – Sussurrei rouco.

Malfoy soltou nossos membros, se afastando minimamente para abrir a gaveta do criado, pegando um tubinho preto de lá. Ainda em cima de mim ele abriu o frasco, distribuindo um liquido viscoso em seus dedos. Sua mão desceu por meu corpo, me fazendo arrepiar com o liquido gelado em minha pele quente. Ele chegou ao meu pênis, passando os dedos por minha fenda, me fazendo gemer alto, mas logo o largou, descendo por meus testículos até chegar ao meu ânus. Senti todo meu corpo retesar ao sentir seus dedos molhados ali, respirando com dificuldade.

- Você quer mesmo fazer isso? – Sua voz transbordava preocupação, mas se eu tinha chegado até ali, com certeza iria até o fim.

- Sim. – A resposta saiu a um fio de voz.

- Podemos parar se quiser.

- Não, eu quero. Por favor.

Ele acenou em concordância, rodeando os dedos por minha entrada antes de começar a inserir o primeiro digito. Suspirei desgostoso, sentindo mais incomodo que dor. Ele começou a mexer o dedo e me questionei como as pessoas gostavam de fazer isso. Quando comecei a me acostumar com o dedo, senti mais um pedir passagem e logo voltei a retesar o corpo.

- Você precisa relaxar. – Malfoy pediu.

- Está bem.

Ele moveu os dedos e apesar da dor, rapidamente me acostumei a mais esse, começando a mover o quadril em direção a sua mão.

- Harry? – Ele me chamou pelo primeiro nome, me fazendo abrir os olhos, que eu nem tinha percebido fechar, em surpresa.

- Sim?

- Posso colocar?

Ele retirou os dedos de mim, me fazendo me sentir vazio. Acenei que sim, vendo-o passar o lubrificante em seu pênis, lambuzando-o bastante, para em seguida passar também em minha entrada. Malfoy voltou a se abaixar em direção ao meu corpo. Nossos olhares se encontraram e com uma das mãos, ele acariciou meu rosto, selando meus lábios, enquanto a outra direcionou seu pênis para minha entrada.

Assim que ele começou a me penetrar, a dor me consumiu. Apertei forte seu braço enquanto me sentia ser rasgado ao meio.

Puta merda.

Arquejei, enfiando o rosto na curva do seu pescoço, mordendo o local enquanto o sentia se afundar mais em mim. Lagrimas involuntárias brotaram em meus olhos, escorrendo por meu rosto e caindo no ombro de Draco.

- Você está bem? – Perguntou parando de me penetrar e se afastando minimamente, me olhando nos olhos. Quando viu meu rosto contorcido em dor, sua expressão se tornou cautelosa. – Potter? Você quer parar? Podemos parar...

Ele começou a se retirar de meu interior, mas fui mais rápido, passando as pernas por sua cintura e o prendendo firmemente contra mim, impedindo que se mexesse.

- Não ouse sair. – Falei em desespero. – Eu quero continuar.

- Você está sentindo dor.

- Eu só nunca fiz isso. – Abaixei a cabeça, envergonhado pela declaração. – Não estou acostumado.

- Você é virgem?

Malfoy pareceu perplexo, xingando audivelmente quando acenei que sim.

- Porque não falou nada antes? – Perguntou indignado.

- Não me passou pela cabeça. Você vai continuar? – Minha voz falhou e me amaldiçoei por isso.

- Sim, eu vou. – Ele selou meus lábios, deixando um beijo em cada olho meu também, limpando minhas lagrimas. – Eu teria feito diferente se soubesse antes.

- Só faça ficar bom.

Senti ele voltar a me penetrar e a sensação de dor voltou, mas logo pegou meu membro, iniciando uma lenta masturbação, me distraindo um pouco da dor. Assim que senti seu quadril chocar contra minhas nádegas, ele respirou profundamente, apoiando o braço livre acima da minha cabeça.

- Me beija. – Pedi.

Draco se aproximou do meu rosto, iniciando um beijo de tirar o folego imediatamente. Passei meus braços por sua nuca, aproximando mais seu corpo do meu, se é que isso era possível e me movi minimamente. Ele parou de me beijar, olhando em meus olhos ao sair de mim, voltando a me penetrar lentamente. Apesar de ainda sentir dor, gemi baixo pela expressão de prazer em seu rosto.

Ele continuou com as estocadas lentas, me masturbando, mas eu queria mais. O prazer começava a percorrer meu corpo e apenas aquilo não era o suficiente.

- Mais forte.

Malfoy sorriu diante minha suplica, largando meu membro e parando com os movimentos. Ainda sem desviar os olhos dos meus, ele saiu lentamente e quando achei que ele ia voltar com os movimentos lentos, me sobressaltei ao ser invadido com força, tendo minha próstata atingida com força. O prazer me dominou e quase gozei, fechando os olhos fortemente ao gemer alto.

- Achei. – Ele riu, continuando com as investidas fortes contra mim.

Meu corpo movia contra o de Malfoy rapidamente e eu quase via estrelas tamanho prazer que sentia. Não conseguia fechar a boca, gemendo sem parar enquanto sentia minha próstata ser atingida pelos movimentos erráticos do loiro, que conseguira intensificar ainda mais as estocadas. Deslizei minha mão por entre nossos corpos, pegando meu membro abandonado e iniciando uma masturbação rápida.

- Draco... Eu...

Não consegui terminar a frase, sentindo todo meu corpo tremer e sair de orbita com o orgasmo arrebatador, sujando nossos corpos enquanto ele ainda se movia contra mim.

- Você é meu Harry Potter. – Malfoy sussurrou com a voz rouca e arrastada em meu ouvido antes de morder meu ombro, se derramando em meu interior.

Draco desabou em cima de mim antes de rolar para o meu lado, ofegando. Arrepiei ao sentir seu sêmen escorrer do meu interior. Estiquei o braço e peguei meus óculos, colocando e olhando para ele.

Senti a mão de Malfoy segurar a minha, que estava jogada entre nossos corpos. Ele me olhou e sorriu.

- Você é meu.

Sorri e me aproximei, sendo recebido em seus braços. Nos cobrimos e ele me abraçou.

- Desde quando? – Perguntei divertido.

- Desde que começamos essa missão idiota.

Franzi o cenho rindo.

- Ah é?

- Sim. – Ele me encarou sério. – Você está bem? Te machuquei?

- Não machucou. Foi muito bom, obrigado. – Beijei seu peito, me acomodando melhor contra si. – Temos que conversar sobre a “missão idiota”. – Fiz aspas com a mão livre e ele riu.

- Assim que acordarmos. – Seus olhos já estavam fechados ao dizer isto. Dei de ombros, fechando meus olhos também e caindo no mundo dos sonhos.


Notas Finais


Gente é isso aí... Por favor me digam o que acharam, se eu decaí muito (fiquei todo esse tempo sem escrever), se tem algo que eu estou esquecendo ou que posso mudar. Espero que tenham gostado e prometo que respondo assim que possível.
Até o proximo capitulo e prometo tentar não demorar 6 meses pra entregá-lo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...