História Wicked Game - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Asuma Sarutobi, Chouji Akimichi, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kurenai Yuuhi, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara
Tags Naruhina
Visualizações 121
Palavras 3.131
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


INHAIIII MEU POVO, TUDO BACANA???
Minha gente, eu tava aqui num pé e noutro pra postar esse capítulo. Era pra essa belezinha ter sido postada ontem, mas o site estava fora do ar (pelo menos aqui, eu não consegui acessar hora nenhuma pela noite ;-;) e eu fiquei pensando "Puts grila, vou atrasar um dia, ARGH!". Maaaaaaas, aqui está a titia Luly trazendo o querido capítulo quatro aqui pra vocês >.<
Gostaria de agradecer a @niviahallessans, @Guinho-Uzumaki, @PaamUzumaki, @mendesgisele_, @Sofihuntrs, @Paolasz, @Ellymatos, @Nalouiza e @Philco pelos favoritos, e a @nalunaruhina, @mendesgisele_, @OkumuraYukki, @Hyuga_123 e @DarkWidow pelos comentários. Muito obrigada, pessoal, vocês são foda!
Sem mais delongas,
boa leitura a todos!

Capítulo 4 - IV - A encomenda


            Kurenai assustou-se quando atendeu Hinata em plena sexta de manhã no curso de fotografia, e mais esquisito ainda foi a garota obrigá-la a garantir que Asuma não estava e nem poderia aparecer por perto. Com uma exigência dessas, só poderia ser algo bastante grave. E era. Quando abriu a boca para relatar o ocorrido com Naruto - pela segunda noite seguida, para o seu azar - a única coisa que Kurenai pôde fazer foi oferecer um chá a mais nova antes de digerir tudo aquilo e aconselhá-la.

- Isso é mal, Hinata - comentou preocupada.

- Kurenai, eu lhe peço por tudo o que é mais sagrado, não fale isso pra o Asuma - a morena implorou - Eu sei que a situação tá ficando feia, mas não posso arriscar meu trabalho por causa disso.

- Você ouviu o que acabou de dizer? A situação não está apenas feia, está ficando inviável.

- Eu sei - Hinata bebeu um gole de chá e colocou a xícara sobre a pequena mesinha de madeira da salinha do estúdio de Kurenai - Estou com medo que estejam me vigiando, mas não vi nada suspeito até agora.

            Kurenai também colocou sua xícara sobre a mesinha e suspirou, encarando a dona dos olhos perolados.

- Sinto muito, Hinata, mas Asuma precisa saber disso - afirmou - Sua vida está em jogo. Nem sei por que ele te envolveu nisso, passou de todos os limites.

- E como eu fico? - indagou, irritada - Preciso do meu trabalho, ou terei que voltar a pedir ajuda ao meu pai, ou pior, voltar a morar com ele.

- Tenho uma proposta - Kurenai pigarreou - Você continua no jornal apenas na redação, mas, para o seu salário continuar igual, você fica sendo minha assistente no estúdio. O que acha? Tenho perfeitas condições de te pagar pela ajuda e eu sei, e inclusive entendo, que você queira continuar fotografando. É o que você gosta de fazer.

            Hinata sorriu de canto.

- Não sei o que faria sem você, Kurenai - abraçou a mais velha - Claro que aceito a proposta.

- Excelente. Não se preocupe, não falo sobre o acontecido com Asuma, e sobre seu cargo na redação, digo que precisei dos seus serviços e acabei tendo que te chamar.

- Muito obrigada, você não sabe o peso que tirei das minhas costas.

- Considere-se oficialmente contratada. E como o seu primeiro trabalho, vai comigo amanhã a noite tirar as fotos de um jantar que vai ter num restaurante de luxo chamado R&S.

- Hum, que chique - a mais nova brincou - Que tipo de jantar?

- Alguns empresários irão se juntar para uma festa particular. Existe um propósito, é claro, eles não desperdiçariam oportunidades, mas não deixaram sabermos o real intuito da festa, e apenas alguns fotógrafos e imprensa foram permitidos entrar.

- E você foi?

- Acha que eles são os únicos que não desperdiçam oportunidades? - a mulher pegou em sua bolsa que estava pendurada num cabideiro um protocolo de autorização da AEJP, Associação Empresarial do Japão.

- Por isso que eu te amo.

- Eu sei - riu - Vou providenciar pra você um crachá de identificação e tudo o que você vai precisar fazer é tirar fotos bonitas de caras ricos. E lembre-se, não importa se terá algum mafioso. No fundo, todos eles são, mas não estamos lá pra julgar quem é bom ou não, apenas tirar fotos deles.

- Tudo bem, desafio aceito - Hinata sorriu e levantou-se, abraçando a nova chefe logo em seguida - Obrigada, Kurenai, de verdade. Você está me ajudando mais do que eu esperava.

- Imagina. Sabe que pode contar comigo e com meu marido sempre. Você é especial para nós.

            Hinata respondeu com um sorriso a mais velha e pegou sua bolsa. Saiu do estúdio da moça e foi direto para a estação de metrô. Pediu o dia de folga a Asuma afirmando estar resfriada desde o dia anterior, o que foi uma excelente desculpa pois pôde justificar o que aconteceu sem contar nada sobre o que houve com Naruto e ainda ter o dia inteiro livre. Só queria ir para casa em paz e pôr os pensamentos em ordem. E foi o que fez.

            Largou seu casaco e cachecol no sofá assim que chegou ao apartamento e tirou as botas, indo diretamente para seu quarto e jogando-se em sua cama. Demorou alguns minutos até pegar o iPhone. Desbloqueou a tela, foi até sua caixa de mensagens e abriu as conversas com a Ino, pronta para começar mais uma.

"Não vai rolar o shopping esse sábado. Sinto muito”.

Para: Ino, às 09:13 a.m.

            Esperou um curto tempo até o aparelho vibrar sinalizando a resposta.

"De novo?! Você prometeu que iria dessa vez! O que aconteceu?"

Para: Hina, às 09:16 a.m.

"Eu sei, mas eu sinto muito de verdade, Ino. Tem relação com o que eu te falei ontem e um trabalho novo. Te explico tudo pessoalmente, por aqui vai ser complicado"

Para: Ino, às 09:17 a.m.

"Acho bom ter uma boa explicação, Hinata. Ou eu te mato"

Para: Hina, às 09:18 a.m.

            Hinata colocou o celular sobre o criado mudo ignorando as novas mensagens que chegavam, e virou-se, encarando o notbook sobre sua escrivaninha e decidindo se olhava ou não a web. Não checava seus e-mails desde a noite que encontrou Naruto, e muito menos deu notícias a sua família, o que era péssimo, visto que ligava todos os dias para um deles. Decidiu, por fim, ver um pouco das suas redes sociais e checar seus e-mails.

            Tinha pelo menos vinte e dois e-mails somente de Hanabi e Neji, fora as ligações perdidas no seu celular e na secretária eletrônica de Hiashi. Precisava dar alguma notícia, então decidiu mandar um novo e-mail para Neji.

 

            "Oi, primo! Lamento não ter ligado esses dias, infelizmente ando meio ocupada com o trabalho. Diz ao papai e a Hana que eu tô com muita saudade e que em Janeiro irei visitá-los. Ah, e antes que eu me esqueça, Hana me disse que você pretende vir para Tóquio passar o ano novo comigo, é verdade? Acho bom você vir mesmo, hein? E vamos arrumar uma namorada pra você hahahah. Beijos, até logo.”

 

            Concluiu seu e-mail e o enviou para Neji logo em seguida, e foi até um site de notícias, mas assustou-se quando viu logo no primeiro artigo com uma foto de Naruto com outros rapazes em frente a uma construção, tendo como o título da manchete "Mais um Hotel Uzumaki's Para Inauguração".

            Fechou abruptamente a tampa do notbook sem nem descer a página para ler as outras notícias e retornou para a cama. Pensou em cochilar um pouco até a hora do almoço, rezando para o loiro não aparecer em seus sonhos - ou pesadelos.

[...]

            Era difícil explicar a classe do restaurante onde estava acontecendo o jantar que Kurenai e Hinata foram fotografar. A sexta-feira havia passado voando, e para a sorte de Hinata, sem Naruto por perto.

            A morena procurou se vestir de forma adequada para a ocasião, como Kurenai havia pedido, então colocou um vestido azul bebê cujo batia em sua canela e tinha alças trançadas, um par de alpercatas brancas de salto fino e um relógio Rolex de ouro rosê. Seu cabelo solto e natural, deixando-a mais a vontade em meio a tanta elegância. Seu pescoço dividia o espaço para o crachá e a alça de sua câmera, que por sinal estava captando uma imagem no painel com as siglas da AEJP próximo a entrada do restaurante. Não sabia quem havia feito as escolhas das músicas, mas se não estivesse enganada, Beautiful, do Viigo, era música que acabara de começar a tocar ao fundo.

            E então, quando bateu os olhos na entrada do local, engoliu em seco quando viu Naruto entrar acompanhado dos mesmos seguranças da outra noite.

- O que ele faz aqui? - Hinata perguntou disfarçadamente para Kurenai na tentativa de não chamar tanto a atenção.

- Relaxa, Hinata - a mais velha ordenou com sutileza - Eu não sabia que ele vinha, mas estamos num local cheio de gente, então nada vai acontecer.

            A Hyuuga suspirou e tentou seguir o conselho da chefe, procurando desviar seu olhar de Naruto, mas estava sendo quase impossível. O loiro estava com o cabelo impecavelmente penteado, um smoking preto feito sob medida e sapatos sociais tão negros quanto à vestimenta, impecavelmente também limpos e brilhantes. Usava também um relógio de ouro e a medida que se aproximava, seu perfume se impregnava pelo ambiente. O homem exalava masculinidade.

            Caminhou na direção de Hinata com um sorriso no canto dos lábios e um olhar penetrante, o que fez a menina engolir em seco e corar.

- Olá, meu anjo - segurou a mão direita da mais nova e inclinou-se para beijá-la - É você quem irá me fotografar?

- B-bem, eu...

- Na verdade, - Kurenai tomou a voz, chamando a atenção de Naruto - sou eu quem irá tirar suas fotos, senhor Uzumaki. A mocinha é apenas minha assistente.

- Ah, claro - respondeu de forma serena, tentando esconder sua raiva e decepção - Então, vamos agilizar isso, preciso cumprimentar alguns colegas.

- Como o senhor quiser.

            Se fosse investigar, Kurenai era consideravelmente mais velha que Naruto, mas não iria ousar chamá-lo de 'você', principalmente sabendo como o loiro era.

            Pediu para que ele se posicionasse em frente ao painel e lhe perguntou se desejava tirar as fotos com mais algum outro empresário, mas quando recebeu um 'não' como resposta, apontou sua câmera para ele e tirou pelo menos oito fotos do rapaz. Quando acabou, Naruto ajeitou a gravata borboleta e aproximou-se de Hinata mais uma vez, que sentiu seu corpo esquentar.

- Senhor Uzumaki, não quero ser desrespeitosa, mas o senhor a conhece? - Kurenai, observando a cena, perguntou, a fim de ver que tipo de resposta o mais novo lhe daria.

- É claro que a conheço. Não nos falamos muito, mas é difícil esquecer alguém quando a pessoa é tão linda - respondeu sem muitas justificativas - Venha tomar uma taça de champanhe comigo mais tarde, meu anjo.

            Hinata corou com o pedido do dono dos olhos azuis, e ele por sua vez, deu apenas um sorriso de canto, se distanciando das duas na companhia de seus seguranças.

- Quem esse cara pensa que você é? - Kurenai indagou - Ele sabe que você tem dezoito?

- Sabe... - Hinata respondeu por cima, sem desgrudar os olhos de Naruto, que agora já estava conversando com outro homem.

            A morena estava com raiva de si mesma por está querendo observar furtivamente Naruto. Tentou disfarçar para Kurenai não perceber nada, mesmo não tendo certeza se estava dando certo ou não. Mas sabia que o correto era ignorar o homem por completo, então decidiu passar o resto da noite evitando de todas as formas possíveis qualquer contato visual com o mais velho, apenas fazer o trabalho que havia ido fazer com a chefe - e sem taças de champanhe.

            Quando a maioria dos convidados já estava indo embora, Hinata decidiu ir até os fundos do restaurante tomar um pouco de ar. Não sabia ao certo o que Kurenai iria fazer com as fotos, mas poderia apostar que iria vendê-las para alguma revista. Era esperta o suficiente para ganhar uma boa quantia em cima das fotos que tiraram naquela noite.

            Conferia as fotos da entrada escorada na porta dos fundos do restaurante quando ouviu o barulho de uma garrafa quebrando, assustando-se e quase soltando sua câmera. Soltou um suspiro de alívio e olhou para o lado, observando aquele fundo de viela, e acabou vendo três homens saindo correndo depois de terem deixado um caído no chão. A morena engoliu em seco, decidindo se ia ou não até lá ajudá-lo. Era só o que lhe faltava, ser testemunha de um possível assassinato. Praguejou olhando para cima. Definitivamente, não era sua semana de sorte.

            Com paços curtos, caminhou até o local do acontecido e por um instante, perguntou-se se o homem ainda estava vido ou não. Seu estômago embrulhou quando chegou perto. Usava uma camisa pollo e calças jeans rasgadas, seu cabelo era preto e sua pele era branca, e se não estivesse enganada, poderia afirmar que ele tinha duas enormes marcas de olheiras no rosto. O canto da boca estava cortado, mostrando sinais claros de agressão, fora os hematomas pelas outras partes do corpo e o corte consideravelmente profundo na cabeça.

             Abaixou-se para ver se ainda havia um mínimo sinal de vida, e soltou um berro quando o rapaz abriu os olhos de uma vez e agarrou-lhe pelo braço.

- Des... desculpe - ele quase murmurou em meio ao gaguejo - Não quis assustá-la.

- O que aqueles caras fizeram? Eles te assaltaram? - a morena indagou - Vou chamar uma ambulância pra você. Você deve tá morrendo de frio...

- Não! - cortou a menor.

- Mas, moço...

- Escuta, garota, você conhece Naruto Uzumaki, não é? - perguntou, fazendo com que a morena gelasse - Eu sei que você conhece ele porque vi vocês conversando hoje.

            Hinata franziu o cenho na tentativa falhar de demonstrar controle.

- Em que isso vem a calhar? - indagou.

- Entregue isso a ele... - o rapaz conseguiu entregar um envelope de carta cor marfim que já estava em suas mãos para Hinata - Tem um pen-drive aí dentro com tudo o que ele precisa saber...

- Quem é você?!

- Alguém muito importante que iria ajudá-lo - murmurou - Diga que foi Ita... Itac... - sua voz falhou em meio a tosse.

            Hinata ia perguntar seu nome, mas quando viu que o mais velho parou de mexer, levantou-se abruptamente e voltou com paços largos para a porta dos fundos do restaurante. Ainda pensou em tocá-lo na tentativa de fazê-lo se mexer, mas desistiu para não deixar suas impressões digitais nele. Definitivamente, seu karma deveria está indo de mal a pior. Agora tinha um pen-drive com informações de interesse de Naruto. Bom, se tinha algo assim deveria, no mínimo, tirar proveito da situação, certo?

            Entrou no R&S mais uma vez procurando por Kurenai para pegar seu casaco, evitando olhar muito para os lados e acabar topando com Naruto mais uma vez. Precisava voltar pra casa com urgência.

[...]

            Estar em um impasse não era bem o forte de Hinata. A garota sempre se considerou uma pessoa bem esperta e decidida quando o assunto era decisão, mas entregar aquele pen-drive a Naruto lhe deixou com uma pulga atrás da orelha a partir do momento que moribundo misterioso lhe entregou. Passou a noite de sábado e o domingo inteiro tentando decidir ou não se entregava ou não. Foi quando teve a brilhante ideia de passar o arquivo do pen-drive para o seu próprio pen-drive e investigar, entregando assim o vazio para o loiro. Sabia que era um risco gigante que iria correr, mas poderia alegar que já o havia recebido daquele jeito, não é mesmo?

            E lá estava ela, em frente ao prédio principal da Uzumaki's, com o envelope na mão prestes a entregá-lo a primeira pessoa que tivesse acesso a Naruto, e fosse o que Deus quisesse. Eram dez para às oito da noite e o arranha céu ainda estava com as luzes ligadas. Saiu da redação do jornal decidida a fazer o que havia planejado, então respirou fundo e deu o primeiro paço em direção ao hall de entrada, indo até a mesa de mármore e pigarreando, querendo chamar a atenção da mulher que estava ali na recepção.

- Eu posso ajudá-la? - a mulher de cabelos curtos e olhos verdes lhe perguntou.

- Eu gostaria de falar com Naruto Uzumaki, por favor - a morena anunciou com um tom de voz firme.

- E você é...?

- Hinata Hyuuga.

- Tem hora marcada, senhorita? - a mulher indagou.

- Não... m-mas é muito importante! - exclamou.

- Não posso deixá-la entrar sem hora marcada, senhorita.

- Mas eu disse que é muito importante, moça! Ele me conhece, diga a ele que é Hinata Hyuuga quem está aqui e ele vai permitir entrar. Preciso entregar uma coisa pra ele com urgência!

- O sr. Uzumaki é um homem muito ocupado, senhorita, sem hora marcada não entra - a moça explicou com um semblante calmo - Posso entregar o que a senhorita tem para entregar a ele.

- Que saco! - Hinata esbravejou - Já que é assim, toma, entrega isso a ele! E se ele perguntar, eu não sei de nada.

            A morena colocou sobre o balcão de mármore o envelope com o pen-drive e saiu bufando com paços largos e pesados do local.

            Por que eu ainda estou me preocupando? Não tenho nada com isso, era tudo o que Hinata conseguia pensar enquanto deixava o edifício e voltava à estação de trem. Arrependeu-se amargamente de ter ido depois que saiu. Agora Naruto iria saber que ela havia ido atrás dele e ainda por cima com uma encomenda. Era só o que lhe faltava. Que ideia brilhante, Hinata.

            Estava pronta para atravessar a rua quando um carro esporte prateado de luxo parou próxima a si e um homem de terno cinza desceu. Isso lhe fez lembrar do infortúnio que havia acontecido com os seguranças de Naruto em uma das noites que havia passado e em como esse infortúnio foi o estopim para seu envolvimento em todos esses problemas que Naruto estava envolvido. Mas, se tinha uma coisa que havia aprendido, é que um infortúnio não pode acontecer duas vezes.

            O rapaz aproximou-se de si e tudo o que ela fez foi cruzar os braços e encará-lo.

- Peço desculpas por nossa secretária, srta. Hyuuga - a cumprimentou - Ela é recém chegada, ainda está aprendendo as coisas. O sr. Uzumaki pediu para levá-la até o seu apartamento para recebê-la.

            Foi então que Hinata desconfiou antes de responder o adulto. Esse era diferente dos seguranças e do estilo em geral que Naruto a abordava, e o principal, a mulher da recepção não anunciou que o chefe estava em casa ou muito menos parecia novata. Tinha algo de estranho acontecendo ali.

- Olha, eu agradeço, mas já resolvi o que tinha de resolver, obrigada - procurou ser fria - Agora preciso ir para casa.

            O homem suspirou e a olhou com um sorriso maquiavélico.

- Lamento por isso, mocinha, mas já que não irá por bem, irá por mal.

- Como...

            Antes de concluir a pergunta, Hinata escutou apenas o barulho de algo como uma coroa de revolver lhe dando uma pancada, e mesmo sem querer, sua visão escureceu no mesmo instante e seu corpo pendeu para frente, caindo no mesmo instante no asfalto frio da rua.


Notas Finais


E então pessoal?? Gostaram?? Odiaram?? Desculpem por qualquer erro, gente. Não esqueçam de dar aquela comentada marota que me ajuda demais e nos aproxima cada vez mais, galera >.<
Um beijão e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...