História Wicked Game - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Monsta X, UNIQ
Personagens Hyung Won, Jeon Jungkook (Jungkook), Jin GuangYao, Jung Hoseok (J-Hope), Ki Hyun, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Hyuk, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Wang Yibo, Wei WuXian, Wen Ning, Won Ho
Tags Bangtan Boys (BTS), Namjin, Taekook, Vkook, Yoonmin
Visualizações 30
Palavras 2.780
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ATT DUPLA
SEGUREM O LENÇO

Capítulo 10 - With you


Fanfic / Fanfiction Wicked Game - Capítulo 10 - With you

ㅡ UM OLHO ROXO, TAEHYUNG? ㅡ a voz de Jungkook saiu mais alta que eu esperava, tapei sua boca em reflexo para que ninguém soubesse que ele estava em meu quarto.

ㅡ Não está roxo, está vermelho! E Yibo não tem culpa, ele só estava tentando ajudar. ㅡ expliquei em sussurros.

ㅡ Te dando um olho roxo?

ㅡ Jungkook!

Ele urrou de raiva, dando uma volta inteira no quarto até que finalmente parasse a minha frente novamente. Suspirei e o encarei, esperando suas palavras.

ㅡ Certo. Eu tenho que me acostumar. Você não é um garotinho indefeso. ㅡ ele quase cuspiu as palavras, tirando o fato de que nem me olhou. ㅡ Satisfeito?

Concordei.

ㅡ Já faz quase dois meses desde o meu primeiro dia de treinamento, eu estou me sentindo bem mais apto agora. E olhe! ㅡ tirei minha luva e encostei na cabeceira da cama. ㅡ Não estou lendo objetos contra a minha vontade! E também tem mais isso!

Fechei os olhos e posicionei minha mão a frente do rosto de Jungkook, pensando numa memória engraçada. Lembrei da minha primeira vez em que aprontei com Hoseok na escola. Estávamos na sala de química e tentávamos fazer um vulcão para a feira de ciências. Apenas deu errado.

Segundos depois, Jungkook começou a rir, da mesma forma que eu no dia. Ele me olhava assustado por trás das risadas e, quando finalmente conseguiu parar, deu um passo para trás.

ㅡ Isso foi bizarro! ㅡ comentou.

ㅡ ISSO FOI DEMAIS! ㅡ pulei em seu colo, forçando-o a me segurar.

Ainda rindo, tomei seus lábios por alguns instantes, logo voltando ao chão.

ㅡ Eu me sinto mais forte, mais controlado. E isso é demais! ㅡ continuei. ㅡ Yibo disse que se eu persistir, um dia até mesmo tocarei em pessoas sem necessariamente lê-las. Já pensou no quão perfeito isso seria? Eu poderia ser... Normal.

ㅡ Mas você não é anormal.

ㅡ Você entendeu.

Jungkook revirou os olhos e me puxou para mais perto, acariciando minhas costas enquanto me mantinha em seu abraço. Colei nossas testas e fechei os olhos.

ㅡ Estou feliz por você. Muito feliz. ㅡ sussurrou. ㅡ E mesmo que eu esteja odiando te ver trancado naquele estúdio quase todos os dias com aquele tal de Yibo, é bom ver você conseguindo tomar as rédeas da sua habilidade.

Jungkook era péssimo com palavras, mas eu simplesmente me derreti com cada uma delas, me jogando em seus braços e o apertando com mais força.

Eu tomei um banho depois, vestindo uma calça bege e uma blusa de botões preta. Havia um brinco em uma das minhas orelhas e um par de meias brancas em meus pés.

Quando voltei a sala, todos estavam se preparando para pedir alguma coisa para comer e discutiam sobre isso como se fosse algo extremamente complicado. Eu apenas ri. Passando direto e indo até a cozinha, mas voltei a observar meus amigos, vendo que aquela aliança, ou melhor, amizade realmente havia dado certo. Esse fato aquecia meu coração e me deixava viver com um pouco mais de calma.

Continuei a preparar um chá, mas logo Namjoon e Jin entraram na cozinha abraçados e com sorrisos maliciosos em seus lábios.

Arqueei as sobrancelhas.

ㅡ Se querem agitar a vida sexual de vocês, pelo menos façam isso no quarto. ㅡ comentei.

ㅡ Não queremos saber da nossa vida sexual, e sim da sua! ㅡ Seokjin parou ao meu lado e Namjoon parou no outro. ㅡ Noite passada eu vi Jeon Jungkook entrando em seu quarto e saindo hoje de manhã. Parece que alguém arrumou um namoradinho!

ㅡ Você me deve uma grana, lindinho! ㅡ Namjoon sussurrou alto o bastante para que eu pudesse escutar.

Puxei o ar, indignado apontando para os dois bobocas.

ㅡ Você não fizeram isso! ㅡ falei.

ㅡ Fizemos! ㅡ Jin pegou algumas notas e deu para o namorado. ㅡ Da próxima vez eu ganho.

ㅡ Vocês são perversos! ㅡ dei um tapa em cada um.

Os dois riram, eu revirei os olhos, mas ri em seguida. Não era algo que eu queria esconder do mundo, apenas queria esperar para ver se não era só um engano cometido por duas pessoas antes de contar. Mas se meus amigos descobriram, os dele e certamente já sabiam.

ㅡ Estamos felizes por você, Tae! Vocês são um casal bonito e gostam um do outro. ㅡ Namjoon falava enquanto se aproximava do namorado. ㅡ E já era hora de arrumar um namoradinho. ㅡ ri ao ouvi-lo imitando Jin.

ㅡ Você tem a nossa bênção. Aproveite-a.

Assenti, prestes a dizer algo, mas fui interrompido por algumas batidas vindas da porta. Todos voltamos para sala e nos entreolhamos. Yibo se levantou e pediu para que ficassem em volta de mim, e todos formaram um cerco. Olhei para Jungkook, que estava a minha frente e reparei em seus punhos cerrados. Minha cabeça girou, o que me fez cambalear para o lado e cair em cima de Namjoon, que agarrou minha cintura e me colocou de pé.

ㅡ Taehyung! ㅡ ele me balançou para que eu voltasse.

ㅡ E-Estou aqui... ㅡ murmurei, vendo sangue pingar no chão. Me assustei ao ver que este saia de minha boca. Tossi. Todos me encararam enquanto eu caia novamente. ㅡ Ener... Energia ressentida. Muito... Forte... ㅡ mais sangue.

Eu era extremamente sensível àquele tipo de energia, meu corpo simplesmente não suportava.

Jungkook surgiu a minha frente, tirando-me dos braços de Namjoon e me colocando nos seus. Ele segurou meu rosto para que pudesse me olhar com pouco mais de cautela, o balançando quando ameacei desmaiar.

ㅡ Consciente, Tae. Consciente. ㅡ murmurou, mas era impossível e eu fechei meus olhos, tombando a cabeça em seu ombro. ㅡ Taehyung?

Segurei sua mão, mas a soltei em seguida, meu corpo parecia piorar com o passar dos segundos e então, vi Yibo se afastar da porta com uma caixa em mãos. Era preta com runas entalhadas na superfície de madeira. Tudo ficou escuro, mas com certo esforço, voltei a enxergar. Agora ele estava a minha frente e fez alguns gestos em volta da caixa, selando-a. Quando terminou, meu corpo pareceu recuperar um pouco da energia e eu tentei me sentar, mas Jungkook se recusou a me soltar.

Limpei o sangue de minha boca, olhando bem para a caixa enquanto tentava decifrar o que seria aquilo. Mas não era o que importava. Haviam me encontrado. Eu tinha que mandar Wang embora antes que sua identidade fosse posta em perigo. Eu tinha que mandar todos embora.

Minha cabeça doeu de novo. Um gemido escapou de meus lábios enquanto eu prendia meus cabelos entre os dedos. Doía tanto.

"Você não tem para onde fugir, Kim Taehyung. Eu disse que eu iria te encontrar."

Dessa vez eu quase gritei, a dor se intensificou, o que me fez deitar no chão.

ㅡ PARA!

Gritei, eu podia sentir ele mexendo com a mina cabeça, me torturando, me corroendo. Era insuportável.

Jin e Namjoon estavam tentando me ajudar enquanto os outros procuravam uma forma de parar com aquilo. Mas era impossível. Só eu podia parar.

"A caixa... Pegue a caixa."

A onda dolorosa se foi de repente e eu pude finalmente respirar com calma. Puxando o ar com força enquanto me mantinha encolhido no chão.

Jungkook segurou minha mão, acariciando meus cabelos em seguida.

ㅡ A caixa. ㅡ murmurei, sentindo-o me ajudando a sentar e logo depois me deixando livre para engatinhar até o objeto. ㅡ Me encontraram. ㅡ sussurrei para Yibo. Ele apenas assentiu. Então, sem escutar as outras perguntar, tirei as luvas e segurei a caixa.

Eu sentia queimar. Latejar. Quebrar. Era umas das piores dores que eu já havia sentido. Eu não consegui respirar, nem gritar, nem me soltar daquilo. Estava preso. Ligado à algo que eu não sabia o que podia fazer e aquilo me deixava apavorado. No fim das contas, voltei a ser aquele garoto indefeso.

Quando tudo parou, cai no chão revestido de madeira venha. Grunhi antes de me colocar de pé e olhar em volta. Eu estava em uma cabana velha. Tudo cheirava a abandono.

Olhei em volta.

As luzes fracas acesas, os móveis destruídos... Havia algo estranho... Então, de forma confiante e nada igual ao que eu conhecia, um Hoseok vestindo roupas completamente pretas saiu de um dos cômodos, parando bem a minha frente.

Congelei. Eu o vinha procurando há meses em meus sonhos. Ele havia sumido, sem deixar qualquer rastro, e agora estava aqui.

ㅡ Você não precisa mais me procurar. ㅡ havia algo em sua voz, um tom gutural que estava se sobrepondo ao seu tom normal. Tão sinistro que fez todos os meus pelos se eriçarem. ㅡ Agora eu estou aqui.

Dei um passo em recuo quando este deu um passo a frente. Eu estava apavorado. Aquele não era Hoseok, mas por algum motivo, no fundo daqueles olhos macabros, eu ainda via meu amigo.

ㅡ Hoseok?

O chamei, mas ele não respondeu, apenas continuou andando pelo lugar. A madeira rangido sob seus pés e aquele som me deixava em agonia. Jung me olhava de forma predatória, como se quisesse me matar. Aquele não era o meu amigo.

ㅡ O QUE VOCÊ FEZ COM ELE? ㅡ gritei, o que o que fez rir.

ㅡ Você não vê? Todo esse tempo, nós temos planejado isso. Nós temos planejado isso... Para você. ㅡ a voz de Hoseok me assustava, e agora, eu chorava. Chorava junto com ele. Meu real amigo estava chorando, aprisionado em seu próprio corpo e aquilo doía e me assustava. Eu queria salvá-lo, mas eu sequer sabia como. ㅡ Toda a loucura, toda a dor. Tudo isso para você. ㅡ colidi com uma mesa que estava trás de mim, vendo-me completamente louco quando Hoseok pareceu mais próximo que antes. Eu só queria fugir. ㅡ E agora é a hora. Hora de acabar com isso. Nós vamos dar um fim em você, e quando você estiver morto, nós vamos acabar com seus amigos...

ㅡ Não... ㅡ as lágrimas já eram incontroláveis, eu soluçava, estava em pânico. Só queria acabar com aquilo.

ㅡ E então, vamos acabar com todo mundo.

Perdi o ar, observando aquele sorriso que não era dele. Suas palavras, seus movimentos, nada daquilo era dele. Mas seus olhos... Seus olhos ainda eram seus e eu conseguia ver toda aquela dor.

Eu não consegui salvar Hoseok, mas eu ainda podia salvar os outros.

ㅡ Sai daqui! ㅡ gritei, mas nada aconteceu, eu precisava me concentrar. Fechei os olhos. Completamente trêmulo e perdido, então os abri de novo. ㅡ SAI DAQUI!

Meu gritou pareceu ecoar por todo o lugar e, tanto eu quanto Hoseok, voamos para longe. Minha cabeça bateu contra a parede e eu cai no chão. Desmaiando naquela realidade e acordando na outra. E assim que meus olhos se abriram, o desespero voltou. Incontrolável.

ㅡ NÃO! NÃO! NÃO!

Eu não conseguia escutar nada nem ninguém a minha volta, apenas meus gritos. Meu coração batia com tanta força que meu peito doía, eu sentia o sangue em meu nariz, boca e ouvindos. Também sabia que era Jungkook que tentava conter meus movimentos desesperados, mas eu simplesmente não conseguia me concentrar em nada daquilo. Estava tudo girando. Sumindo e voltando ao meu campo de visão. E com toda aquela confusão, eu desmaiei.

•°• j.k

ㅡ Eu nunca o vi desse jeito. ㅡ Seokjin ainda tremia diante do que acabara de acontecer. O que fez Namjoon segurar suas mãos. ㅡ Céus...

Ele começou a chorar, se aproximando de Taehyung que estava sem consciência em meus braços. Eu sentia seu coração bater, mas seu rosto estava sujo com o sangue expelido por si.

Olhei para Yibo, que tinha uma expressão assustadora, algo me dizia que ele já sabia o que havia acontecido.

ㅡ Ele vai ficar bem? ㅡ Jimin perguntou, abraçado a Yoongi.

ㅡ Não... ㅡ Wang olhou para a caixa ao falar. ㅡ Ele não vai.

Se levantou, andando em círculos, tentando pensar em algo. Parecia atormentado.

ㅡ Eu preciso ir ver alguém, fiquem com ele. Não sabemos o que ele viu, não sabemos como vai ser quando acordar.

Yibo não esperou respostas, apenas foi até a porta e saiu, deixando-nos sozinhos. Sabíamos que ele ia voltar, mas estávamos confusos e sem respostas. Entretanto, não as teríamos tão cedo.

Olhei para Taehyung, o abraçando e percebendo que eu também tremia. Toda aquela cena havia me assustado. Vê-lo tão apavorado havia me assustado. E eu não sabia como lidar com aquilo.

Decidi que seria melhor levá-lo para o quarto, então o fiz. Recebendo ajuda de Namjoon para limpá-lo e vesti-lo com um pijama azul. Agora Tae estava em sua cama, em um sono agitado do qual não conseguia acordar. Eu estava sozinho com ele. Eu sabia que Namjoon precisava ajudar seu namorado que não parecia nada bem e que meu amigos estavam tentando se acalmar.

Algum tempo se passou até Yoongi entrar no quarto e me cobrir com um casaco preto, sentando ao meu lado na cama. Respirei fundo. Eu ainda estava em pânico, mas precisava ser forte. Por Taehyung. Ele precisava de mim ao seu lado.

ㅡ Kookie...

Yoongi não falou mais nada, apenas me puxou para um abraço, onde me cai em lágrimas. Deixando todo o medo escapar por entre o choro. Respirei fundo algumas vezes. Eu precisava me controlar. Não podia desabar agora, não era a hora. Meus pais me ensinaram a aguentar tudo. Eu aguentaria isso.

ㅡ Está tudo bem. ㅡ murmurei, secando as lágrimas.

ㅡ Não está... ㅡ Yoon não parecia confiante. ㅡ Você sabe que não está. Mas nós podemos fazer isso. Nós vamos fazer isso.

Concordei, finalmente conseguindo me acalmar, sorrindo para meu amigo, que fez o mesmo para mim.

ㅡ Estaremos juntos nessa. Como sempre.

Sorri, segurando suas mãos.

ㅡ Como sempre.

Dois dias se passaram muito rápido, mas mesmo assim, Taehyung não acordou. Nós já estávamos ficando com medo dele não acordar. Preocupados com o fato dele não estar comendo e nem se hidratando.

Eu tinha medo dele não acordar.

Não sai de seu lado por um segundo sequer. Eu mal dormia, mal comia. Apenas ficava ali, deitado, segurando-o. Pedindo para ele voltar. Mas ele nunca me dava uma resposta.

Namjoon entrou no quarto no final da tarde, eu estava sentado numa poltrona perto da cama com meus pensamentos perdidos. Ele tinha uma garrafa de água em mãos e a ofereceu a mim. Agradeci a aceitei.

ㅡ Ele tem febre. ㅡ olhei para Taehyung, que já começava a se abater.

O Kim suspirou e se sentou ao lado do amigo.

ㅡ Acho que devemos levá-lo a um hospital. ㅡ comentou. ㅡ Ele não pode continuar assim.

Concordei.

ㅡ Noticias de Yibo? ㅡ perguntei.

ㅡ GuangYao realmente enviou aquela caixa, mas segundo Wang, ele não pretende atacar agora. Está esperando algo que ainda não foi revelado.

Suspirei, os dias difíceis realmente haviam chegado. Não tinha como fugir.

No final da noite, fomos todos surpreendidos quando Taehyung teve um sangramento nasal, mas dessa vez, seguido de um colapso assustador. Decidimos que não havia mais jeito, ele precisava de um hospital. E de madrugada, já estava internado.

Graças a simpatia de Jimin, havíamos conseguido permissão para ficar com ele todos os dias, não precisando respeitar o horário de visitas, então nos divimos em turnos. Eu e Jin ficaríamos durante a noite e madrugada; Namjoon, Yoongi e Jimin durante o dia.

ㅡ Estou com medo dele não acordar... ㅡ Seokjin comentou alguns minutos após os outros deixarem o quarto.

O encarei, mexendo nos cabelos em um sinal de nervosismo.

ㅡ Ele vai acordar... Tenha um pouco de fé. ㅡ sussurrei para que ele não ouvisse minha voz falhando. Eu estava mergulhado em pavor, segurando a mão de Taehyung tão forte que provavelmente o machucava.

As palavras acabaram, nenhum de nós sabia o que falar então preferimos o silêncio.

Eu observei Tae a noite inteira, ele parecia pior. Sua pele já não tinha o dourado habitual, seus lábios estavam rachados e ele parecia tão frágil naquela cama. Naquelas roupas... Havia uma sonda em seu nariz, algumas agulhas em seus braços, e aquilo me incomodava. Eu queria o meu Taehyung de volta. Queria aquele sorriso retangular e os abraços inesperados. Mas nesse momento eu não tinha nenhum dos dois. Apenas um Taehyung sem consciência e sem previsão para recuperá-la.

Quando a manhã chegou, os garotos chegaram e pediram para que fôssemos para casa dormir. Eu e Jin entramos no carro e ele dirigiu para casa. Em silêncio. Mas no meio do caminho algo aconteceu. Eu não lembro bem. Quando minha consciência parou de oscilar, eu apenas vi Seokjin coberto de sangue dentro daquele carro destruído, então, homens estranhos vieram e nos levaram para longe, mas eu não fiquei acordado para ver o resto.


Notas Finais


To preocupada


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...