1. Spirit Fanfics >
  2. Wicked Games - Jeon Jungkook >
  3. "Se inviável é a correção, oportuno é o ponto final"

História Wicked Games - Jeon Jungkook - Capítulo 3


Escrita por: e 23_Marjorye


Notas do Autor


Bom dia! Como vocês estão?

💜 Eu sei que eu falei que ia postar sexta, mas eu não me aguentei kkkkk


❤ Talvez até lá eu consiga lançar mais um capítulo dessa e das outras... olha só que escritora responsável vocês tem


💙 Capítulo betado por: @JeonCocky

P.S:. Não matem a s/n, please!



🌸 Boa leitura!

Capítulo 3 - "Se inviável é a correção, oportuno é o ponto final"


Fanfic / Fanfiction Wicked Games - Jeon Jungkook - Capítulo 3 - "Se inviável é a correção, oportuno é o ponto final"

 

 

"Se inviável é a correção, oportuno é o ponto final" 

 

 

 

“Fui obrigada a levantar, depois de ouvir um barulho estranho na cozinha — certamente devia ser Jeon tentando cozinhar —. Minha cozinha fora especialmente planejada por mim e agora estava em risco, e eu não deixaria aquele ogro destruí-la.

Calcei minhas pantufas e corri em direção à cozinha, dessa vez ouvindo o gás do fogão ser ligado. Ah não, ele vai incendiar minha cozinha.

 

 

 

— Ya! O que pensa que está fazendo na minha cozinha? — Reclamei. Elevando minha voz no “minha". 

 

 

 

— Estou cozinhando. — Simplista, falou como se fosse algo normal. Mas a partir do momento em que se conhece o desastre que é Jeon Jungkook na cozinha, nada é normal.

 

 

 

— Você e cozinha não me soam bem, na verdade sinto um pouco de medo — Sorri e abracei suas costas, fechando os olhos e aproveitando o calor que o corpo de Jeon naturalmente exalava. Me senti protegida.

 

 

Notei que em cima da mesa havia um livro. Desvencilhei nosso abraço e peguei o livro, analisando-o. Não parecia ser sobre cálculos e aquele montão de baboseira que meu namorado gosta.

 

 

 

— Não pensei que você fosse do tipo...

 

 

 

— Que lê?

 

 

— Alfabetizado. — Resolvo provocar.

 

 

— Haha, engraçadinha — disse com um sorriso sarcástico, logo voltando a atenção para a panela estranhamente intacta. — Esse livro é pra você. Ontem enquanto voltava pra casa, vi ele numa livraria e achei a sua cara. 

 

 

Jungkook soltou algumas risadas. Cá entre nós, eu não sou um exemplo de leitora assídua. 

 

 

 

— “Peça-me o que quiser ou deixe-me”? Por que isso seria a minha cara? — disse folheando o livro.

 

 

— É um livro erótico.

 

 

 

 

 

Quase cuspo a saliva quando ouço o moreno falar, visualizando a capa, noto que ele estava falando a verdade, uma vez que achei ser um blefe. “Não recomendado para menores de 18 anos", advertia.

 

 

 

— Ainda não entendi onde você quer chegar.

 

 

— É um romance perigoso entre um chefe e a secretária gostosa dele. — Explicou. Finalmente me fazendo entender o porquê de ter me presenteado com este livro. — Lembra quando nos conhecemos? Foi hilário! — Riu, fazendo seus olhinhos jabuticaba se fecharem.

 

 

 

— Claro, como poderia esquecer? Nesse dia meu chefe me cantou e depois que eu dei um fora nele, ele passou a me ignorar... — Ri, provocando Jungkook, que agora mantinha seus olhos em mim enquanto pressionava a língua na bochecha. — Mas foi por pouco tempo, ele não resistiu aos meus encantos.

 

 

— Está distorcendo a história, docinho.

 

 

Ele se aproximou de mim e então me tomou em seus braços. Sem deixar o sorriso.

 

A tensão era quase palpável. Então um cheiro grotesco de...

 

 

— QUEIMADO?

 

 

Me soltei dele e fui salvar minha panela antiaderente que custou dois rins e meio.

 

 

— Jungkook!

 

 

— Docinho, você me distraiu! — Exclamou. Jogando a culpa em mim. Arregalei os olhos com tamanha a audácia do moreno. Logo eu, mãe  dessa panelinha linda. 

 

 

 

— Como é que é? — Catei a minha filha e corri atrás dele, que tentava de todas as maneiras possíveis me parar.

 

 

 

— Calma... — Apoiou suas mãos em ambos os joelhos, recuperando o fôlego.

 

 

Então eu – e minha alma misericordiosa – decidimos que ele não merecia misericórdia. E quando estava prestes a alcançá-lo, algo – no caso, o corpo ridiculamente perfeito do meu namorado – me parou, segurando meus punhos, consequentemente sua força era maior que a minha, deixando-me sem saída.

 

 

— Porque perde tempo tentando me bater, se podia estar gastando esse tempo na minha boca, hum? — Fui prensada na parede com seu rosto perigosamente perto do meu. Sua respiração batia no meu rosto, me deixando eufórica e ansiosa. A tensão voltou com tudo, fazendo o clima ficar perfeitamente a favor de Jungkook.

 

 

— Batendo na sua boca? — Perguntei retórica.

 

 

— Palhaça.

 

 

Foi a última coisa que ele disse antes de unir nossos lábios na mais pura paixão.”

 

 

Abri lentamente meus olhos assim que os primeiros raios de sol invadiram meu quarto. A manhã quentinha me enlaçou e por um momento esqueci da confusão que é a minha vida. Passei minhas mãos no outro lado da cama, mas ele não estava lá. Nenhuma novidade, já que desde o dia em que eu ousei me aventurar pelas ruas da cidade, ele nem fala mais comigo. Somos estranhos morando na mesma casa.

 

Ainda me arrependo muito do que fiz naquela noite. Se eu não tivesse saído…

 

Talvez tudo estaria “normal". Sem dores de cabeça, sem arrependimentos. Mas, eu não consegui resistir. Ele foi duro nas palavras e na cama. Enquanto fodíamos, meu cérebro só conseguia processar o quão maravilhosamente bom ele é na cama. Seus toques e seu corpo pecaminosamente esculpido por cima do meu, formavam a mais perfeita harmonia. Naquela noite eu fiz amor, eu me entreguei por amor, mas ele, ah, ele só fodeu. A culpa me corroia e incendiava o desespero dentro de mim. Se eu fosse uma pessoa melhor, se tivesse tratado ele como merecia. Sempre fui insuficiente. Ele merecia alguém melhor, mas, não poderia desistir de nós tão facilmente assim. 

 

Agora, foi a vez da saudade me abraçar, dolorosa. Como eu pude deixar nosso relacionamento se transformar nisso? 

 

 

 

 

(...)

 

 

 

 

— A senhorita tem certeza de que quer fazer isso? Ele pode descobrir tudo e as coisas só irão piorar... — Não, não tinha, mas eu precisava.

 

— Sim, esse relacionamento não me faz bem, eu quero minha liberdade de volta! Quero que ele me ame novamente! 

 

— Entendo. Fique tranquila, senhorita. Em duas semanas estará livre, claro, se o seu noivo facilitar as coisas. 

 

Meu noivo. Suas palavras ainda eram nítidas na minha mente.

 

Após um mês desde nossa última relação, quando eu resolvi me aventurar fora de casa. Ele fez questão de me ignorar. Me deixou de lado como se eu fosse uma qualquer e isso eu não podia tolerar. Então eu tive uma brilhante ideia, que com toda certeza o faria mudar. Eu precisava de um filho.

 

Jeon, apesar de ser um grande filho da puta comigo, ainda era o homem que eu amava e eu não poderia perdê-lo.

 

 

Para alguns meu noivo era certinho demais, sua família o aplaudia e o louvavam como se fosse um Deus. Ele não iria decepcioná-los. Não iria negar um filho meu. Mas, como não tínhamos qualquer tipo de relação há um mês, eu precisava convencê-lo de que a nossa última noite tinha sido produtiva e nos rendeu um filho. Infelizmente, isso não ocorreu, então precisei ir pela sarjeta.

 

— O teste ficará pronto em pouco tempo e então eu venho entregar pra você, tudo bem?

 

— Sim, sim! Mas, com horário e dia marcados. Jeon não pode nem suspeitar disso aqui, entendeu? — Fui firme com o homem à minha frente.

 

— Mon'amour... — Estalou a língua e balançou a cabeça como repreensão. — Está falando com Kim Taehyung, esqueceu? — Convencido. 

 

 

 

Bufei já sem paciência para aturar o garoto a minha frente. Eu era mais velha que ele, mas isso não o impediu de me atormentar.

 

 

— Tudo bem, já pode ir embora.

 

Apontei para a janela e ele riu fraco.

 

— Passar bem, mon'amour...

 

Beijou as costas da minha mão e então se foi, levando todas as minhas economias. 

 

 

 

 

(...)

 

 

 

 

— Jeon, precisamos conversar!

 

Ditei ao entrar no escritório. Como esperado, ele me ignorou e continuo mexendo na papelada que estava em cima da mesa.

 

— Jeon Jungkook! É sério!

 

Ignorada novamente. A raiva já me consumia, mas eu precisava manter a sanidade.

 

— Eu estou grávida!

 

— De quem?

 

— Como assim “de quem”? — Exclamei ironizando as últimas palavras, tentando manter a calma, eu precisava salvar meu relacionamento! 

 

 

— ____ faz mais de um mês que não temos nada, é impossível você estar grávida! — Suspirou e então me olhou esboçando um sorrisinho sacana.

 

 

— Ah é? Pois, veja então! Aqui está a prova. — Mostrei-lhe o exame de gravidez. 

 

 

Ele então ficou pálido, depois vermelho e então suavizou sua expressão.

 

— É falso! — Exclamou.

 

— Como pode dizer isso?

 

— Docinho, docinho...

 

 

— Você deve ter pago muito caro por este teste. Mas, lamento dizer que não serviu de nada.

 

Provocou com o mesmo sorriso sacana de antes. Mas que porra. Esse homem é vidente ou o que?

 

— Como posso ter conseguido um teste falso se vivo trancada em casa? Estou incomunicável, Jeon! — Exclamei, tentando convencer a ele e a mim mesma de que aquela era a verdade. — Aceite, esse filho é seu.

 

 

De repente, tudo o que estava em sua mesa voou e ele me encarou raivoso.

 

 

— Mentira!

 

Gritou enfurecido.

 

— Querido, por que está assim? Sempre foi seu sonho ter filhos, não? — Me arrisquei a acariciar levemente sua bochecha. Sua pele continuava macia e meu corpo clamava por mais toques. — Além disso, o sonho da sua mãe era ganhar um neto. Imagine a alegria dela ao saber da novidade!

 

 

Bingo! 

 

Seu ponto fraco era sua família, principalmente sua mãe. Admirava muito a relação dos dois, eles confiam um no outro e atacam com garras e dentes quem ousar fazer mal a eles.

 

 

— Marque um jantar, ela precisa saber disso.

 

Ditei e por fim saí de seu escritório, deixando um Jeon com o olhar perdido, incrédulo. E então tive a certeza que me faltava.

 

 

 

Ele acreditou. 


 


Notas Finais


💜 Esse Cap ficou meio blé, mas eu realmente não me aguentei.

⚠️ Não apoio esse tipo de relacionamento, tampouco as táticas para salvá-lo. A opinião inclusa na história e personagem foram exclusivamente construídas para a personalidade dos mesmos! Não confundam a minha opinião com as expostas na história!

❤ Eu tive um ataque de ideias pra essa história, ninguém me segura, hahahah isso inclui fazer a s/n de palhaça.


💙 Não esqueçam de comentar sobre a história, a opinião de vocês é importante para mim!


Amo vocês :3


#JogosPerversos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...