1. Spirit Fanfics >
  2. Wind Flower - Zhang Yixing (Lay) >
  3. Wind Flower 02

História Wind Flower - Zhang Yixing (Lay) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Não revisado!!
Boa leitura nini's♡
Obrigado desde já aos comentários e favoritos que tivemos no cap/ anterior.
( como vai ser uma mini fic' as coisas vão acontecer um pouquinho rápido.... )

Capítulo 2 - Wind Flower 02


Fanfic / Fanfiction Wind Flower - Zhang Yixing (Lay) - Capítulo 2 - Wind Flower 02

 Você me afastou, sem arrependimentos.
Depois de nos vermos, adeus.
Vou ter que te deixar ir assim...Te libertar, espero que você esteja livre agora.
No ar que se tornou frio.
Sua ausência é tudo o que resta...
Mamamoo Destiny

   ━━━⊱•✿•⊰━━━━━━━━⊱•✿•⊰━━━

Dois dias tinham se passado desde o ocorrido; quando atropelei aquele homem desconhecido que havia aparecido do além. Digo isso porque ainda não foi descoberto da onde ele realmente veio. Agora imagina, se a polícia não sabia responder as qüestões seguintes… quem ele era? Da onde tinha vindo? Ou porque estava no meio da estrada naquele temporal empunhando uma espada, quem era eu pra' saber então não é? É, ninguém.

— Só queremos pegar o seu depoimento, senhorita Lu…

— Meu Deus do céu! — Bufei — Quantas vezes mais eu vou ter que contar a mesma história aqui, pra' ver se vocês acreditam em mim, hm? É a terceira vez em dois dias. Dois dias! — Falei um pouco irritada. — Já disse mais de mil vezes… Não sei da onde aquele homem apareceu…

— Não precisa se exaltar senhorita…

— Tem certeza que não? Vocês ficam fazendo um amontoado de perguntas como se eu fosse a fonte dessas respostas. — Passo a mão no cabelo segurando uma mecha passando a brincar com ela, tentando diminuir a ansiedade e o nervosismo.

— Policial Cheng! — Levantei o olhar, vendo um homem alto aparecer atrás do que colhia meu depoimento; abrindo a porta da pequena sala onde eu estava ele sorriu pequeno fazendo um movimento quase imperceptível usando a cabeça.

— Sim senhor.

— Pode se retirar e deixar que vou colher o depoimento da senhorita Lu agora. — Respirei fundo mais uma vez recordando do rosto dele, O chefe de polícia Wu Yifan. Ele fez uma pausa sentando-se a minha frente segurando um copo com café quando o outro policial saiu. Seu sorriso era muito atraente tenho que dizer, mas no momento eu não estava aqui para admirar o sorriso ou a beleza dele.

— Não adianta, vou continuar contando a mesma história que já contei antes. Assim como falei… — Respirei fundo para não me estressar mais do que já estava, e tentei relembrar dos fatos com exatidão. Como se eu tivesse esquecido deles por algum momento né — Eu voltava para casa, não recordo a hora exata mais vocês já devem saber pela ligação feita por mim para a emergência.— Ele balançou a cabeça afirmando — Dirigia sossegada ouvindo uma música baixa quando um clarão desfocou meu campo de visão e do nada aquele homem se chocou contra a lataria do meu carro. Saí correndo quase que imediatamente de dentro do veículo para ver o que tinha acontecido em si; foi quando aquele maluco apontou uma espada enorme pra mim e me mandou levá-lo até a flor do vento. Eu nem sei o que isso quer dizer.

— Foi só isso que aconteceu?

— Basicamente sim. Depois de praticamente ordená-me que o levasse até essa tal flor do vento… Ele veio andando até mim, ainda com aquela espada em punho mas desmaiou. Pensei que ele tinha morrido. — Mordi o lábio olhando discretamente tentando desvendar as feições e emoções do chefe de polícia mas era quase impossível, ele estava ostentando uma máscara impassível apenas ouvindo meu depoimento. — Eu o arrastei tirando-o do meio da estrada após ver que sim, ainda estava vivo. Então…

— Então? — Yifan levantou as sobrancelhas passando o polegar na borda de seu copo. 

— Então esperei o socorro chegar. E agora estou aqui, sendo interrogada como se eu tivesse cometido um assassinato. — Cruzei os braços sobre o peito sacolejando inquieta na cadeira de metal nada confortável a qual encontrava-me sentada.

— Não estamos interrogando-a senhorita Lu, só colhendo o depoimento de uma testemunha ocular e que além de ver participou da ação mencionada… — Consenti.

— O que vai acontecer comigo? Eu não o matei ou atropelei porque quis…

— Sabemos disso, e também pelo que parece a vítima não vai prestar nenhum tipo de queixa contra a senhorita.

— Não? — Perguntei surpresa. 

— Não. 

— Pêlo menos alguém está sendo sensato aqui. ÊH… Eu gostaria de saber como ele está… Digo… de saúde?

— Fora algumas escoriações leves e alguns arranhões nada de mais grave aconteceu mas…

— Mas o que chefe de polícia Wu?

— Não precisa falar tudo isso para depois se pronunciar… Pode me chamar de Kris.

— Isso é um pouco informal demais, não?

— Tudo bem, eu estou te falando pra me chamar assim. Mas voltando ao seu caso… Ele precisou ser sedado algumas vezes. — Kris passou a mão sobre o rosto parecendo um pouco cansado. — O rapaz atropelado pela senhorita se diz príncipe da China. E afirma com todas as letras que está aqui numa missão especial… Atrás desse objeto eu não sei bem, isso que foi mencionado pela senhorita em seu depoimento.

"Deve ser a tal flor do vento!"

— Príncipe?! Mas ele não parecia um… muito menos estando onde estava...

— Já checamos tudo, inclusive as digitais. Nada. Ele não apareceu em nenhum registro de desaparecido ou qualquer outra coisa… Nem sabemos como se chama. Aparentemente ele não existe.

"Não… existe? Como assim, não?"

— Mas qual a conclusão disso tudo… Como ficam as coisas em relação a mim?

— A senhorita pode ficar tranquila e voltar para casa. — Kris sorriu pequeno apertando assim seus olhos já pequenos. — Poderia me dar o seu autógrafo...

— Hã?

— Sou muito fã dos teus livros. — Minha boca só não caiu no chão porque estava bem presa ao rosto. 

Kris tirou do bolso de seu paletó uma versão média de um dos meus romances estendendo-o na minha direção juntamente com uma caneta para que eu desse um autógrafo.

— Sério mesmo? — Perguntei.

— Sim. — Sorriu pequeno, pude ver um leve rubor pintar suas bochechas. 

— Quer que eu escreva algo especial junto? 

— Sim, poderia escrever para o meu fã número um?

— Claro. — Sorri um pouco envergonhada, nunca na minha vida imaginei que alguém como ele lesse meus livros. Por um momento enquanto eu escrevia a dedicatória me senti mais leve e até mais alegre… Uma ponta de inspiração acendeu dentro de mim.

— Aqui está o…/

Quando eu estava entregando o livro de volta a seu dono o oficial de antes entrou na sala apressado.

— Senhor… Parece que o rapaz atropelado fugiu do hospital.

— Como assim fugiu? — Kris perguntou guardando o livro no bolso ao se levantar. — Nós não tínhamos um polícia na porta do quarto de guarda?

— Tínhamos… Mas mesmo assim ele deu um jeito de fugir.

— Será que ele vai tentar fazer algo contra mim? — Perguntei assustada. — Eu o atropelei sem querer, ele pode querer vingança não é?

— Acho que essa hipótese pode ser descartada. Fique tranqüila.

"Falar realmente é tão fácil."

— Vou mandar um oficial acompanhá-la até sua residência se isso a deixar mais tranqüila.

"Isso me deixa mais tranqüila? Acho que não mais tudo bem… É melhor que nada."

— Deixa sim. 

— Muito bem então. Estou ansioso para sua próxima obra ser lançada. Não vejo a hora… — Kris sorriu saindo da sala.

— Acredite, eu mais do que você. — Murmurei batendo a de levinho a cabeça sobre a superfície da mesa.   

   ━━━⊱•✿•⊰━━━━━━━━⊱•✿•⊰━━━

Finalmente, tudo parecia estar voltando ao normal… Mesmo que lá no fundo uma pontinha de medo rodeasse minha mente. Aquele homem não ía querer se vingar de mim, ía? Eu não fiz aquilo com ele por querer, foi o acaso, uma coincidência desagradável do destino. Assim como Kris disse, um de seus homens me acompanhou até em casa, fiz uma reverência rápida agradecendo quando saí da viatura. 

"Tomar quatro pontos na carteira de motorista e ficar proibida de dirigir por um mês com certeza foi melhor que ser presa."

Comecei a andar em direção ao meu prédio, que não é meu só o apartamento mesmo. Peguei o celular com o intuito de ver as mensagens não lidas quando deparei-me com uma do Jackson. Uma não, várias. Assim como várias ligações perdidas.

 Jack~♡: S|N, me ligue assim que ver essa mensagem ^^. — 08:00

Jack~♡: Estou te ligando desde ontem a noite. Me liga, tô preocupado!! — 09:43

 Jack~♡: Aconteceu mais alguma coisa :| ? Porque não me liga logo?! — 09:45

 Jack~♡: Descobri hoje que você não me ama T-T — 09:50

Sei que eu não deveria rir num momento como esse mas é inevitável não achar graça do drama feito pelo Jack. Atropelei um homem louco que se diz príncipe da China. E não escrevi absolutamente nada do meu livro que é a minha meta número um…

— Sorte? — Tirei aquele maldito prendedor que eu ainda estava à usar colocando-o dentro da bolsa. — Você só me trouxe mais azar. — Bufei.

Falando comigo mesmo sobre retornar as mensagens e ligações do Jack quando chegar no meu apartamento iniciei passadas num ritmo normal. Mas quando eu estava prestes a entrar uma mão agarrou passando pela minha cintura e outra tapou-me a boca impossibilitando-me de pedir socorro.

"Você?"

Meus olhos se arregalaram quando vi a pulseira de hospital e a camisola verde clara. Era o homem que eu tinha atropelado. Me debatia desesperadamente tentando me soltar dele enquanto era arrastada para um beco na lateral do prédio onde moro. Mas aquilo parecia ser em vão.

— Shii! Não fale nada, só venha comigo…

"Não fale nada? Só venha comigo? Venha comigo para onde diabos?!"

Fiquei mais desesperada ainda. Consegui morder a mão dele, e quando ele me soltou para xingar um palavrão eu lhe dei um chute bem no meio das pernas fazendo-o se encolher juntando as mão no local.

— Porque… Porque você fez isso? — Seus olhos estavam aguados enquanto ele sugava os lábios devido a dor nas partes baixas.

— Você tentou me sequestrar! Eu já disse que não te atropelei porque quis…

— Nunca mais vou atrás da ajuda de uma serva… — Ele murmurou.

— Como é essa história? Eu? Cerva? Sua? — Dei uma risada alta e no mínimo escandalosa.

— Não ria na minha presença ou mando decapitá-la…

— Quem você pensa que é?

— Sou o príncipe Zhang Yixing. Herdeiro ao trono. Mas antes de ser nomeado rei preciso encontrar a Flor do vento e você vai me ajudar.

— Quem te disse isso?

"Esse cara é louquinho de pedra!"

— Isso aqui disse. — Ele levantou o braço mostrando uma pulseira com algumas pedrinhas verdes que pareciam jade, elas brilhavam quando ele apontava pra mim.

— O que diabos é isso?! — Perguntei me afastado, preparando meus pés para dar o fora dali.

— Nem pense em fugir, posso te achar onde quer que vá minha serva. Sua linhagem diz que você é obrigada a me ajudar há achar a flor do vento.

"Acho que ele bateu a cabeça com bastante força, coitadinho"

— Porque está olhando pra mim assim? — Já mais recomposto, o tal príncipe virou olhando para si mesmo. 

— Oh meu Deus! — Tapei os olhos vendo uma bundinha branca. — Você fugiu do hospital assim? — Apontei com uma das mãos ainda usando a outra para manter os olhos fechados.

— Só tenho sete dias para achar a flor do vento e já perdi dois dentro daquela cela branca! — Ele disse irritado mas mesmo assim ele parecia fofo.

"Quê? Ele é um louco!"

— Cela branca? O hospital? Você precisa voltar pra lá vou ligar pra' políci/

Peguei o celular com intenção de chamar a polícia mas Yixing tomou o aparelho das minhas mãos arremessando-o no chão.

— Ya!! Porque fez isso…

— Porque você tem que ajudar, esse é o seu dever.

— Cara, você tá louco, eu não sou sua serva coisa nenhuma! Vai procurar onde perdeu ela...

Dei as costas deixando-o sozinho quando catei o resto do meu celular no chão saindo dali. Mas o que eu não contava era ser seguida até em casa... ou quase isso.



Notas Finais


Mais um capítulo pra vocês...
Espero que tenham gostado ^^
Mais tarde tem mais ( ainda hoje;)
Meu perfil @H_E_R


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...