História Winter Flower - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Assassin's Creed
Personagens Haytham Kenway, Personagens Originais, Shay Patrick Cormac
Visualizações 9
Palavras 3.330
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi Chuchus... Tô de volta com capitulo novo, bem amorzinho... <3
Por enquanto as coisas estão bem calminhas para o nosso casalzinho... (Vamos quanto tempo vai ficar assim, hihi)
Bem, aproveitem o capitulo e até as notas finais... (Tem uma coisa 'importante' lá <3 )

Capítulo 5 - Perfect


Fanfic / Fanfiction Winter Flower - Capítulo 5 - Perfect

Shay olhou ao redor da pequena casa, aproveitando um pouco da noite iluminada pela lua cheia, antes de pousar os olhos na figura encapuzada que saía silenciosamente em direção a uma trilha. Ele só conhecia uma pessoa naquela casa que usaria um manto tão esvoaçante.

-O que você está aprontando…? -ele seguiu silenciosamente a figura, até estar próximo o suficiente para a assustar. -Oi, Snow.

-Ah! -a albina deu um pequeno pulo, assustada, fazendo o Assassino rir.

-O que você está aprontando? -ele a encarou, enquanto ela puxava um pouco mais o capuz sobre o rosto.

-Nada. Volte para casa e vai dormir… Você não tem uma missão importante amanhã? -ela o encarou sob as sombras do capuz, e ainda assim ele podia ver o brilho dos olhos violeta dela.

-Tenho. Mas não vou dormir em paz sabendo que você está andado por aí sozinha. -ele sorriu, cruzando os braços em frente ao peito. -E então, vai me contar o que está aprontando?

-Certo. Mas prometa que não vai rir. -ela o encarou, afastando minimamente o capuz do rosto.

-Prometo que irei tentar. -ele sorriu, enquanto Perséfone o encarava, emburrada. -Snow, você acabou de admitir que é algo engraçado… O máximo que posso te prometer é que tentarei não rir.

-Certo… Não vou me livrar de você mesmo. -ela voltou a andar, enquanto o moreno a seguia por uma trilha. -A Hope me mostrou essa trilha enquanto vocês conversavam sobre a missão.

-Certo, mas você ainda não me disse por que está saindo escondida no meio da noite para uma trilha no meio da floresta… -ele se aproximou um pouco mais da albina, que puxou novamente o capuz, escondendo o rosto nas sombras.

-Levou alguns anos até meus avós me deixarem sair de dentro de casa. Eles queriam ter certeza de que eu não estava doente e que isso não pioraria. -ele pode ver um pequeno sorriso nostálgico surgir nos lábios dela. -A primeira vez que saí foi para o jardim e era uma noite bonita como essa. Só quero relembrar…

Shay sorriu, enquanto eles paravam em uma pequena clareira. Ele ficou olhando Perséfone, enquanto ela se sentava sobre um tronco e tirava as botas, ficando descalça.

-Isso é tão gostoso… Devia tentar também… -ela olhou para Shay, que sorriu, começando a tirar as botas. Ela tinha razão, era bom pisar na grama úmida.

-O que está fazendo? -ele se segurou para não rir ao ver a albina rodopiar.

-Dançando. Mas era mais legal com o vovô. -o moreno riu, fazendo com que ela se virasse para ele. -Shay!

-Desculpe… É bonitinho. -ele se aproximou da albina, afastando o capuz de seu rosto. -Eu dançaria com você, mas não sei.

-Eu também não. -ela deu ombros, sorrindo enquanto ficava vermelha. -Ainda dança comigo?

-Claro. -ele sorriu, passando os braços ao redor da cintura dela, enquanto Perséfone lhe envolvia o pescoço com os braços delicados. -E então, como vocês dançaram se você não sabia?

-Um passo pequenininho para a esquerda, outro para a direita… -ele a acompanhou, tomando cuidado para não lhe pisar os pés. -Só isso…

Shay sorriu quando Perséfone pousou a cabeça em seu ombro, com um sorriso doce no rosto. Ele a apertou um pouco mais contra si, sentindo aquela sensação boa, calma tomar conta de si.

A lua voltou a aparecer, espalhando sua luz prateada pela pequena clareira. Ele olhou mais uma vez para a mulher em seus braços, a pele branca e delicada como neve, os cabelos de mechas alvas que se espalhavam pelos ombros e costas, que se tornavam ainda mais belos quando soprados pela brisa marinha, os lábios sempre delicadamente rosados e os olhos… Aqueles lindos e encantadores olhos cor de ametista que o hipnotizaram desde a primeira vez que ele os viu.

-O que foi? -ela abriu os olhos o encarando, então ele percebeu que havia parado de ‘dançar’.

-Nada… Estava pensando em uma coisa. -ele sorriu para a albina. -Acho melhor voltarmos. Está ficando tarde…

Perséfone concordou com um leve aceno, antes de se afastar dele para calçar suas botas. O moreno sorriu a encarando por mais alguns instantes, antes de se sentar sobre o tronco, fazendo o mesmo.

��

Perséfone sorriu ao passar pela clareira da noite anterior, enquanto seguia Hope, a ajudando a procurar pelos dois Assassinos que deviam estar caçando.

-Eles estão atrasados… Precisam partir antes. Eles ainda tem que te levar de volta para a fazenda. -Hope passou por algumas árvores antes de parar ouvindo a risada abafada de Perséfone.

Shay estava pendurado pelas pernas, de ponta a cabeça, segurando um galho fino com algumas folhas, enquanto Liam parecia cochilar no galho abaixo. O moreno sorriu travesso para a albina, antes de passar as folhas no nariz do amigo.*

-Vocês dois… -Hope encarou os dois Assassinos, tentando não sorrir. -Vamos, vocês ainda tem que levar a Perséfone de volta para a fazenda, antes da próxima missão.

Liam olhou para o amigo, fingindo irritação, enquanto eles desciam da árvore. Shay passou o braço ao redor do ombro da sorridente albina.

-E então? O que vai aprontar enquanto estivermos em missão? -ele voltou os gentis olhos castanhos para Perséfone, que sorriu.

-Vou aproveitar muito bem as últimas semanas do verão… Em poucos meses o inverno estará de volta e não terei mais como ficar passeando pelas trilhas. -Perséfone deixou escapar um suspiro, o que fez o moreno rir. Ela não tinha nada contra o inverno, a não ser as feras que passavam a rondar a fazenda, a impedindo de caminhar por onde quisesse sozinha.

-Você não devia reclamar tanto… -Liam olhou para Perséfone, sorrindo enquanto os três seguiam para a Morrigan. -O inverno é rigoroso na Fronteira e você tem a comodidade de não precisar sair de dentro da propriedade, onde é quente, seco e confortável.

-E chato, fechado e sem ar puro. Prefiro um meio termo. -ela sorriu para o Assassino, que desistiu de tentar a convencer do contrário.

***

Perséfone sorriu ao ver os dois homens que caminhavam em direção a área de treinamento, antes de se abaixar, juntando um punhado de neve e o moldando como uma bola. Ela deu alguns passos a frente, mirando com cuidado na cabeça do moreno, antes de arremessar a bola de neve e lhe acertar a nuca.

-Ei… -Shay esfregou a nuca, afastando o que ficara da neve ali, enquanto a albina e Liam riam. -É assim, né? Então tá…

-Sua mira está muito boa. -Liam sorriu para Perséfone que se afastara alguns passos, se escondendo quando Shay se abaixou, fazendo uma bolinha.

O Assassino sorriu para a albina, antes de jogar a bola na direção de Liam, que desviou.

-Você é um homem morto, Shay. -Liam deu sorriso cruel, fazendo uma bola de neve e perseguindo o amigo.

Perséfone não pode evitar uma gargalhada quando o grande Assassino acertou Shay em cheio no rosto.

-Anhã… -Achilles pigarreou de trás da albina, a fazendo se virar, o encarando surpresa. -Pensei que vocês tivessem voltado para me passar um relatório, não brincar na neve…

-Perdão, Mentor. Acho que nos distraímos um pouco. -Liam deu um sorriso gentil para a albina, antes que os três Assassinos seguissem para dentro da casa, a acompanhando. A expressão de Achilles amenizou um pouco, ao ver a postura mais relaxada de seus pupilos.

A situação em que estavam era preocupante, embora estivesse muito melhor do que meses atrás. Era bom ver como Perséfone, com coisas simples como uma bola de neve, conseguia tornar o ambiente mais leve.

��

Shay olhou para a mulher que o arrastava por uma trilha, vez ou outra afundando os pés na espessa camada de neve.

-Snow, eu sei que prometi que te levaria para caminhar pelas trilhas quando chegasse… Mas isso é exagero. -ele tentou não rir quando Perséfone quase caiu ao afundar com um dos pés na neve.

-Não é isso… Eu quero te mostrar uma coisa, mas tem que ser logo. -ela sorriu, voltando a o puxar pela mão. Eles saíram da trilha, o que preocupou um pouco o moreno, até ele ver as marcas nas árvores. Alguém havia ensinado aquele caminho a ela. -Ali.

Perséfone apontou para um pequeno ponto, se mantendo escondida atrás de uma árvore. O Assassino ficou encarando os galhos marrons para os quais a albina apontava tão entusiasmada. Então ele percebeu que aquilo não eram galhos, eram chifres de um cervo de pelo tão alvo quanto a neve ao redor deles.

-Onde o encontrou? -Shay voltou os olhos para Perséfone, que se segurava para não correr até o animal.

-No dia que vocês partiram, eu estava voltando para casa e ele surgiu no meio da trilha… -ela sorriu, olhando encantada o animal, que parecia ter se acostumado a ser observado pela albina. -Pedi ao Kese… Kese…

-Kesegowaase… -ele deu um pequeno sorriso, quando ela voltou os olhos agradecida para ele.

-Sim, ele o rastreou para mim e disse como eu poderia me aproximar e o observar… -ela sorriu, voltando os olhos para o animal que procurava por comida no chão. -Você não tem como o trazer mais para perto? Eu queria o olhar mais de pertinho…

-Infelizmente não. -o moreno riu, olhando por alguns instantes ao redor e para o animal. -Mas tenho uma ideia de como você pode vê-lo mais de perto.

Perséfone exibiu um largo e animado sorriso, fazendo o coração do moreno disparar por um momento.

***

Shay subiu na grande rocha, alguns poucos metros de onde havia deixado a isca para o cervo. Não fora difícil chamar a atenção do animal, que parecia ter se aproximado da propriedade em busca de alimento.

-Quietinha, Snow… Ou ele pode fugir. -ele esticou a mão, ajudando a albina a subir na rocha, passando o braço ao redor de sua cintura. Ele apontou para onde estava a isca, enquanto o animal se aproximava. Ele a apertou um pouco mais contra si, parecia que a qualquer momento Perséfone pularia da pedra para se aproximar do animal.

-Ele é tão lindo… -ela sussurrou, se aninhando um pouco contra o Assassino, parecendo se acalmar um pouco. Shay sorriu, ele estava feliz por ter realmente conseguido fazer aquilo para ela.

-Vamos descer… Não quero que você acabe se machucando e aqui é muito escorregadio. -o moreno desceu habilmente da pedra alguns minutos depois, satisfeito por ainda não terem assustado o animal.

Perséfone se sentou, ainda olhando para trás, antes de escorregar e acabar caindo sobre o Assassino. Uma gargalhada alta e melódica ecoou pela silenciosa floresta, o fazendo rir. Perséfone levantou um pouco o corpo, se apoiando a ele e o encarando.

Ele a deixou a cabeça cair na neve fofa, sentindo novamente aquela serenidade, como se nada pudesse dar errado. Shay voltou os olhos para a albina, ao perceber que o silêncio voltara a reinar. Ela o encarava, o rosto ficando alguns tons mais rosado, antes que ela se levantasse.

-Desculpe… Acho melhor voltarmos, não? -ela prendeu uma mecha alva do cabelo atrás da orelha, enquanto o moreno concordava com um aceno e eles voltavam para a trilha.

��

Perséfone deixou o corpo cair sobre cama, cobrindo o rosto com o travesseiro. Ela queria gritar bem alto, queria um lugar onde se esconder até que aquilo passasse, queria que o Assassino de sorriso travesso e gentis olhos castanhos lhe dissesse que tudo ficaria bem. A albina reconhecia aquela sensação de estar derretendo, aquele calor que começava em seu peito e se espalhava por todo o seu corpo.

“Por que estou com medo? Eu não devia estar com medo. Isso é algo bom, certo?”, ela apertou um pouquinho mais o travesseiro contra o rosto, antes de o deixar de lado. “Perséfone Fontayne, na lista de coisas boas que aconteceram na sua vida, o vovô e a vovó estão no topo, seguidos da Leiza. E Shay Cormac está entre a Leiza e os Assassinos que estão ao nosso redor, no caso Hope, Liam e Achilles. Então pare com isso…”

***

-Perséfone... -Shay encarou a albina por alguns momentos, enquanto ela mantinha os olhos nas tortas recém terminadas a sua frente. -É engraçado como nunca parei para pensar no seu nome...

A forte nevasca que assolava a Fronteira obrigara a todos a buscarem abrigo, os impedindo de treinar ou sair para cumprir suas missões. O moreno resolvera ir para a cozinha, implicar um pouco com Perséfone, enquanto a ajudava com as tortas e beliscava algumas frutas sobre o olhar ameaçador dela.

-O que tem ele? -a albina sorriu, limpando as mãos em um pano e voltando os olhos para o moreno, que folheava o bloco de rascunhos dela.

-Ela não é a deusa romana da primavera ou coisa assim? -ele deixou o bloco de lado, quando ela se sentou junto de si.

-Quase. É deusa grega das estações do ano, junto com Deméter, sua mãe. Também é deusa das ervas, flores, frutos e perfumes. -ela sorriu, satisfeita com a explicação.

-Então. Primavera. -Shay sorriu, enquanto ela deixava escapar uma risada.

-Em versão resumida, sim. Também é esposa de Hades, deus do submundo e dos mortos. É a Rainha do Mundo Inferior. -Perséfone sorriu, voltando a se levantar e levando as massas para o forno.

-Conte-me mais, Rainha do Mundo Inferior. O que mais esse seu 'marido' faz? -ele a encarou por um momento enquanto ela ria, antes de se levantar e a ajudar.

-Não tem nada demais para contar. Ele é o deus do submundo, rei dos mortos, bem sombrio. Mas, segundo pode-se ler nas entrelinhas dos mitos, é um deus bondoso, chegando até a ser doce com sua Perséfone. -ela sorriu, pegando o bule e começando a preparar um chá para os dois.

-É mesmo? Como se conheceram, jovem Rainha? Deve ser uma história de amor interessante. -ele voltou os olhos para ela, apoiando o corpo á uma bancada.

-Bem, Hades raptou Perséfone e fez dela sua esposa. -a albina deu pequeno sorriso, aquecendo um pouco as mãos. -Mas apesar dessa versão resumida e cruel da história, eu creio que Perséfone tenha se apaixonado por Hades, por mais que digam que ele foi ardiloso.

-Por que você acha isso? -Shay a encarou curioso. Mitologia era um dos assuntos preferidos da albina e aquela história parecia a fascinar mais do que outras, o que atiçou sua curiosidade.

-Ela não era tão burra assim... -Perséfone levantou os olhos violeta para ele. -Ela podia ser uma deusa jovem, mas não era tão ingênua. Eu realmente acredito que ela se apaixonou por Hades e resolveu ficar ao seu lado. E ele não é descrito como um deus cruel. E nos contos, muitas vezes ela intercede em suas decisões e ele faz quase todas as vontades dela. Então…

-Ou seja, ela manda nele. -o moreno sorriu ao ouvir a risada da albina, que concordou com um aceno. -Quer que eu pegue as xícaras?

-Obrigado. -ela sorriu, pegando o bule e uma torta já pronta, voltando a se sentar e servindo chá para os dois. Shay se sentou ao seu lado, olhando com atenção o desenho em que ela trabalhava, enquanto eles voltavam a conversar.

��

As grossas camadas de neve do inverno começavam a derreter, enquanto os primeiros botões da primavera começavam a aparecer. Shay nunca deu muita importância as estações, mas agora as coisas eram um pouco diferentes, já que uma certa mulher de pele alva o arrastava pelas trilhas ao redor da propriedade Davenport atrás das primeiras flores.

-Vamos… -Perséfone o puxou pela mão, enquanto ele praguejava baixinho pelo chão escorregadio e enlameado. Se continuassem assim logo estariam caídos no chão, sujos de lama da cabeça aos pés.

-Snow, vai com calma ou va-... -ele a segurou pela cintura quando ela escorregou, a puxando para si e evitando que ela caísse. -Cuidado. Ou vamos acabar caindo.

Uma brisa soprou, balançando as mechas alvas dela e o envolvendo com o perfume de flores que a albina exalava. Ele a encarava, o rosto dela a poucos centímetros do seu. Ele sentiu o coração disparar mais uma vez quando viu a respiração dela ficar ofegante e as bochechas lhe ficarem rubras.

Shay encarou os olhos ametista de Perséfone por um momento, antes de sorrir.

-Vamos procurar suas flores. Eu preciso voltar para a fazenda mais tarde. Tenho uma nova missão. -ele passou a mão da albina ao redor de seu braço, voltando a andar.

��

Liam gritou algumas ordens do leme, olhando preocupado para o navio danificado. Por um milagre eles haviam vencido aquela batalha e fora por outro milagre que chegaram todos inteiros e vivos ao ancoradouro.

-Liam! -ele reconheceu a voz melódica e preocupada. O Assassino se virou, sem se surpreender quando a albina o abraçou. -O que aconteceu com a Morrigan? Vocês estão bem?

Ela olhou ao redor, ainda com os braços envolta dele. Liam lhe deu alguns tapinhas camaradas nas costas.

-Sim, todos bem. Mas ficaria feliz se você convencesse o Shay a receber alguns cuidados. -o Assassino apontou para a porta da cabine. -Uma fragata inimiga nos atacou e ele foi atingido por alguns estilhaços. Nada grave, mas não custa nada alguns cuidados, certo?

-Não se preocupe. Qualquer coisa o amarro na cama. -Perséfone deu um sorriso travesso, antes de seguir para a cabine.

Liam ainda tentava entender por que o amigo resolvera atacar aquele navio mercante. Ele tinha uma leve suspeita, mas se recusava a acreditar que fosse isso.

��

Perséfone olhou para a cabine escura, procurando por Shay. O moreno estava sentado na poltrona, tentando fazer um curativo em um dos braços.

-Eu te ajudo com isso. -ela se aproximou, sorrindo docemente, apesar do olhar um tanto chateado dele. Shay deixou as bandagens que segurava de lado, se sentando pesadamente na cama. -Certo, tire a camisa, por que eu sei que tem mais machucados aí embaixo.

Ele deu um pequeno sorriso, arrancando a camisa e a jogando em um canto qualquer no chão.

-O que aconteceu? -Perséfone se sentou ao lado dele, limpando com cuidado os machucados espalhados pelos braços. -Vocês não foram só atacados por uma fragata, não é?

-Não. Era um navio mercante. Graças aos céus que todos estão bem… Não deveria ter feito aquilo, foi… impulsivo. Foi loucura. -ele fez uma careta de dor enquanto a albina limpava cuidadosamente um corte em seu rosto.

-Se sabia que era perigoso, por que fez isso? -ela o encarou, torcendo nervosa o pano que segurava. Shay deu um mínimo sorriso para a albina, lhe segurando as mãos entre as suas.

-Por que eu começo a ter certeza de que eu amo você, Snow. Eu tenho tanto medo de perder você que chega a doer. Eu gosto de estar a seu lado e a cada dia, a cada momento que passo com você tenho mais certeza de que aqui, ao seu lado, é meu lugar… -ele sorriu para Perséfone, que o encarava surpresa. -Porém, você merece algo melhor do que isso, um navio caindo aos pedaços, com um capitão brigão. Você merece viver como uma rainha, e no momento não posso te dar isso.

-Espere… -Shay levantou os olhos para a albina, que parecia ainda estar processando o que ele falara. -Você fez um ataque quase suicida a um navia por minha causa?

Ele concordou com um leve aceno, antes de ser acertado no rosto por um tapa. Shay pensou por um momento que ele realmente merecia aquilo. Então ele sentiu o toque gentil em sua bochecha, antes de sentir os lábios quentes e doces dela nos seus e ser inundado por aquele calor.

-Por favor, me prometa que nunca mais fará isso? -ela o encarou, sorrindo quando o moreno colocou sua mão sobre a dela e concordou com um aceno. -Ótimo, agora me deixe cuidar de você…

Shay reclamou algumas vezes, quando os machucados se faziam queimar, enquanto Perséfone os enfaixava. Ele sorriu ao vê-la arrumar cuidadosamente a cama, se sentando e fazendo com que ele deitasse com a cabeça sobre seu colo. Não fora difícil adormecer ao ouvi-la cantarolar alguma canção, enquanto ela lhe acariciava as mechas castanhas.

 


Notas Finais


*Aqui tem o link para a fanart que inspirou a cena: https://i.pinimg.com/564x/b9/73/96/b973966ab7543cbf251c0fb626473e16.jpg

Oi de novo... Espero que tenham gostado do capitulo <3 ...(Eu particularmente amei escrever esse capitulo, mesmo ele estando gigantesco, hehe) (Eu sei que aquela parte grande onde eles 'filosofam' sobre a Perséfone deusa possa ter ficado bem chatinha, mas era relativamente necessário... Sorry...)
Comentem aí o que acharam, por que amo ler o que vocês escrevem e me ajuda muito <3
Beijinhos e até a próxima quinta <3 :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...