História Wishing Groom - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Danielle Campbell, Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Casamento, Danielle Campbell, Justin Bieber, Noivo, Only_hope, Romance, Sexo, Traição, Wishing Groom
Visualizações 1.257
Palavras 1.837
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello People!

Hoje esse capítulo é totalmente dedicado a minha mozona, Bia Pudim (~Beams). Um anjo que surgiu na minha vida no melhor momento e só tem ganhando cada vez mais espaço em meu coração. Babe, amanhã é seu aniversário e eu espero que você aproveite bastante ele. Feliz aniversário e Love you! ❤

Ps: TEMOS OFICIALMENTE O PRIMEIRO POV DO JUSTIN!!!

Ps 2: Postei uma nova fanfic. É um enredo mais sexy e Justin é um herdeiro grego. Deixarei o link ma notas finais. Chama-se Bodies In Flames.

Boa leitura!! ❤

Capítulo 6 - Motel


Fanfic / Fanfiction Wishing Groom - Capítulo 6 - Motel

Justin Bieber

Ainda jovem, na época do último ano do colegial, eu era apenas um garoto confuso. Não sabia explicar minhas emoções ou ao menos fazer amizades direito. Até que ela apareceu, Isabella Laurent. De um modo inexplicável, nós nos tornamos amigos. Talvez porque na época ela apenas sentava ao seu lado e os assuntos fluíam rapidamente.

Ao descobrirmos que havíamos sido aceitos na mesma universidade, marcamos de comemorar a noite em minha casa. Eu, ela e várias latas de cerveja. Consequência: Uma madrugada de sexo.

Depois disso, tudo mudou. Ela fugia de mim e eu não conseguia compreender o porquê. Éramos amigos e foi uma coisa do momento, apenas uma noite.

Dias depois ela aceitou conversar comigo e deixamos aquilo pra trás, o combinado foi não voltar a tocar naquele assunto.

Então com nossa reaproximação eu percebi que talvez estivesse a entendendo, eu gostava dela. Gostava mais do que um dia havia gostado de alguém, e só percebi isso depois de ver um garoto de sua sala de aula a convidar para sair. Ela aceitou e passou a semana inteira dizendo sobre ele, o quanto ele havia sido gentil e carinhoso. Comprovei que estava enganado, eu não havia a entendido. Porque se ela gostasse de mim do mesmo modo que eu gostava dela, não iria me dizer que ele era diferente, o tipo de cara que ela queria para namorar.

Sua relação com o garoto durou três meses, pouco tempo para um namoro, mas muito tempo para conseguir esfriar uma amizade.

Me envolvi com Naila neste meio tempo, era um modo de me conectar com Isabella e de certa forma, esquecer e lembrar dos sentimentos. Mas eu me apaixonei pela irmã mais nova e eu sabia que diferente de Bella, ela poderia me corresponder. Resultado final: Noivos.

— Eu não sei escolher alianças. — resmunguei.

— E você achou mesmo que eu iria saber? — Bella indagou com as sobrancelhas arqueadas.

— Não sei. Você é mulher.

— Ok, mas eu não sou do tipo que ama jóias e sabe quantos diamantes tem em um pequeno anel.

— Sua irmã sabe e com toda certeza vai me infernizar se não for um anel bem chamativo pelos brilhos.

— Leve o mais caro. — deu de ombros.

— Não sou podre de rico, ainda.

— Então leve o que você achar mais bonito e está bom. Para mim isso importa mais do que o valor ou as preciosidades que vem nele.

— Qual você iria querer? — perguntei.

— Eu não vou dizer qual eu iria querer para dar a Naila.

— Não verdade seria para saber qual não comprar pra ela.

— Então nada de anéis simples.

Comprei um anel bonito, que continha pequenos diamantes. Não era extravagante, mas era do meu agrado.

Todos os preparativos do meu casamento me faziam questionar se era realmente algo que eu queria. Não que eu não gostasse da minha noiva, pelo contrário, mas eu gostava a ponto de passar o resto da minha vida ao seu lado?

Depois da noite de sexo com Isabella em meu apartamento, após a boate… Constatei que eu não sabia de mais nada. E se meus sentimentos por Naila na verdade fossem apenas uma forma de esconder o amor que eu tinha por sua irmã?

Era tudo tão confuso. Mas assim como eu queria ter Naila ao meu lado, eu queria ter Isabella. A diferença era que eu não tirava a mais velha da cabeça, eu a queria todas as noites na minha cama. Queria repetir tudo novamente, fazê-la gemer e implorar em meu ouvido.

— Podemos continuar a ver o restante amanhã? Eu estou cansada de andar. — Bella pediu.

— Tudo bem. O que acha de sairmos pra jantar?

— Agora?

— Sim. Já são oito horas.

— Ok. Mas nada de restaurante chique.

— Podemos ir naquele perto da empresa do meu pai, o que acha?

— Fechado.

Durante todo o caminho ela ficava balançando sua perna direita. Aos poucos conseguíamos deixar um clima tranquilo fluir. Depois que a confessei que não estava bêbado na noite da boate, ela ficou com vergonha de mais encontrar e isso só aconteceu dois dias após sua irmã viajar.

Quando chegamos ao restaurante, pedi uma mesa afastada e nos deram uma próxima a janela, onde tínhamos a vista da rua.

— Faz muito tempo que não venho aqui. — ela disse.

— Felizmente não posso dizer o mesmo, já que é aqui que venho almoçar todos os dias. — sorri.

— Sortudo. — resmungou. — Perto da minha empresa só tem um restaurante de comida mexicana e não é nem um pouco apetitosa.

— Talvez você devesse sair de lá e vir trabalhar para mim. — brinquei.

— Com toda certeza. Serei sua secretária, aquela que fica com as pernas para o alto.

— Não diga isso, daqui a pouco estou de pau duro por fantasiar isso. — confessei e vi suas bochechas corarem.

— Eu...

— Eu sei que não deveria falar essas coisas pra você e também sei que erramos naquela noite. Mas eu sou homem e estaria mentindo se dissesse que você não me atrai, que eu não sinto vontade de repetir aquela noite. Que você não sai da porra dos meus pensamentos.

— Justin, você... Nós...

— É errado, eu sei disso. Mas caramba, você não sente nada? Sou o único que sente esse desejo que tem entre nós? Que sente essa coisa louca que...

— Não é o único. — confessou. — Eu gosto de você, gosto bastante, mas tem a minha irmã.

— Ela não precisa saber disso.

— Que tipo de pessoa eu seria se dormisse com o noivo dela escondido?

— Alguém que está matando seus desejos.

— Uma traíra.

— E se fizermos um acordo? — inquiri.

— Que acordo?

— Até uma noite antes do casamento, você é minha e eu serei seu. Não me aproximarei sexualmente de Naila neste tempo e você não se aproximará de nenhum outro homem. Mataremos a nossa cede de sexo e guardaremos esse segredo.

— Você quer que eu seja sua amante durante esse tempo, é isso?

— Eu não a rotularia assim, mas eu não posso deixar de tentar. Eu quero muito isso e sei que também quer.

— Mas é errado, caramba!

— Foda-se, Isabella! Para de pensar nos outros. Isso é o que você quer ou não?

Antes que ela respondesse o garçom chegou com nossos pratos. Uma macarronada e um vinho suave para acompanhar.

Durante toda a refeição, ficamos calados, apenas trocando olhares. Ela parecia pensativa. Quando acabamos, pedi a conta e paguei. Não queríamos sobremesa.

Já no carro, Isabella passou metade da viagem apenas olhando a rua pela janela. Em alguns momentos até me olhou e parecia que ia dizer algo, mas não dizia e eu também não, querendo não forçar a barra.

— Apenas sexo. — proferiu.

— Que?

— Só sexo, Justin. Nada mais e eu aceito.

— Está falando sério? — o sorriso no meu rosto era tão grande, que eu mal conseguia o conter.

— Sim. — colocou sua mão em minha coxa, o que me fez apertar meu pau. — Me leva para o motel mais próximo e me faça sua.

•••

Estacionei meu carro de qualquer jeito na garagem do local. Isabella estava inquieta ao meu lado e eu me controlando para não arrancar sua calça jeans antes de chegar ao quarto.

A recepcionista disse que o quarto 306 estava livre e nos deu a chave. Dei as mãos a Bella e subimos no elevador deste modo.

Quando parei em frente a porta, no terceiro andar, a destranquei e entrei, sendo seguido pela morena. Ela mesma trancou a porta e não teve tempo de raciocinar, pois a prensei na mesma e a beijei de um modo feroz.

— Tire a blusa. — falei ofegante e ela obedeceu quando dei um passo pra trás. — Tire absolutamente tudo, babe. — implorei. A vendo se despir calmamente em minha frente, assim como eu estava fazendo na sua, entretanto, me mantive com a boxer no corpo. — Eu realmente queria me manter longe, mas eu não consigo e nem posso. — sussurrei em seu ouvido e a beijei novamente.

A peguei pelas pernas e ela as cruzou em meus quadris. Nossos lábios estavam ávidos, o desejo era incontrolável. A joguei na cama e subi em cima dela. A olhei antes de sugar um dos seus mamilos. Ela apertou meu ombro e gemeu meu nome, aquilo era música para os meus ouvidos.

— Você é deliciosa. — confessei, a vendo sorrir com os lábios grudados.

Puxei seu mamilo com meus dedos, provocando-a. Mesmo estando prestes a matar meu desejo de tê-la, eu não conseguia deixar de imaginá-la em minha cabeça.

A beijei mais uma vez, enquanto massageava seu outro seio com minhas mãos. Ela se contorceu de baixo de mim e gemeu com a boca colada a minha.

Desci calmamente, deixando beijos por toda parte de seu corpo, até chegar em sua intimidade e encontrá-la úmida. Gemi ao passar meu dedo indicador pela mesma e o sentir escorregar facilmente.

— Ahh, Justin! — meu nome em sua boca com toda certeza é meu clímax.

— Caralho, babe. Você está tão molhada que eu não sei se vou conseguir mais me controlar.

— Por favor, não se controle.

Deslizei meu polegar sobre seu clitóris e o acariciei. Meus dedos entravam e saiam. Isabella ora arranhava delicadamente minhas costas, ora puxava meus cabelos.

Levei minha boca até seu ponto mais sensível e o lambi. Em determinados momentos eu sugava e em outros eu enfiava meu dedo e ela agarrava meus cabelos com mais força, como se eu fosse fugir.

Levantei rapidamente tirando a boxer do meu corpo e colocando a camisinha. Meu pênis estava extremamente duro e eu necessitava dela para gozar.

— Preciso te foder, agora. — falei ao subir novamente na cama.

Passei a ponta do meu pênis em sua intimidade e ela gritou de prazer. A penetrei lentamente, até entrar completamente dentro dela. Era apertado, quente e prazeroso demais. Estoquei uma vez e ela se remexeu, estoquei a segunda e deixei um gemido sair vindo do fundo da minha garganta.

Isabella apertou meu pau com sua vagina e eu respirei fundo, tentando me controlar.

Joguei minha cabeça para trás e soltei mais alguns gemidos, conforme ia metendo nela. Ela era a porra do paraíso e eu não queria sair dali tão cedo.

Suas pernas envolveram minha cintura e ela se abriu ainda mais. Eu ia gozar logo, assim como ela. Inclinei meu corpo sobre o seu e a beijei mais uma vez.

— Porra... — sussurrei em seu ouvido, enquanto estocava ainda mais rápido. — Você é muito gostosa, puta que pariu.

— Eu vou gozar. — avisou.

— Estou quase, babe.

Cheguei no meu limite logo após ela. A camisinha estava cheia e eu desejei por um segundo não estar com aquilo, para gozar dentro dela, sentindo sua quentura.

— Você precisa tomar remédio, quero gozar dentro de você na próxima. — falei ao me jogar ao seu lado e tirar a camisinha.

— Eu já tomo. — gargalhou ao virar de lado e me olhar.

— Está zoando com minha cara? Eu poderia ter gozado dentro de você? Puta que pariu, gata, não me fode.

— Você é quem tem que me foder. — então ela subiu em cima de mim e roçou sua intimidade em meu pênis. Gemi rouco e Isabella sentou em cima dele sorrindo maliciosa. Segundo round.


Notas Finais


ME CONTEM O QUE ACHARAAAAM! O comentário de vocês é muito importante pra mim.

Vou deixar a sinopse e o link de Bodies In Flames aqui:

Sinopse: Justin Bieber, é um grego muito conhecido diante a grande sociedade. Herdeiro de uma rede de boates em que o próprio comanda com muito desempenho. Aos vinte e sete anos, decide se mudar para Nova York, ficando à frente da boate e do hotel que possui na cidade.
No entanto, sem que pudesse esperar, encontra Melanie Hope, a garota dos olhos bonitos. Ambos se sentem atraídos na primeira vez que se veem. Não é de se admirar quando o insano desejo torna-se incontrolável, e sem que eles possam evitar, acabam cedendo um aos encantos do outro.
Entretanto, inesperadamente, a jovem mulher fica diante das verdades omitidas por seu amado, capazes de acabar com toda aquela paixão. Mas será que ela o amaria tanto a ponto de perdoa-lo? Ou seria necessário apagar as chamas, que estavam acessas entre eles?

Link: https://spiritfanfics.com/historia/bodies-in-flames-9653967

Link do grupo da fanfic: https://chat.whatsapp.com/D3uKt028arj7epbChkVD1O

Teaser de WG: https://youtu.be/iA5A0bGJyPs

Xoxo, Bia. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...