História Without coherence - Capítulo 24


Escrita por: e NajuDias

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Madre Superiora (Fada Azul), Mérida, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Morrilla, Once Upon Atime, Swanqueen
Visualizações 205
Palavras 2.696
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem... Boa leitura.

Capítulo 24 - Donating Hearts.


O pôr do sol de  Storybrook anunciava a chegada de mais uma noite . Da janela de seu quarto Emma observava a interação de Henry e Roland na varanda.

Os dois aos poucos  recuperavam-se dos baques absurdos que haviam tomado semanas antes no Reino Oculto. Incapaz de protegê-los da dor deixou que eles descobrissem por si só, a melhor forma de lidar com seus sentimentos. Até mesmo para Emma as  lembranças eram perturbadoras, e faziam seu coração doer. Jamais esqueceria o corpo gélido de sua amada. 

Ouviu a porta sendo aberta e em seguida o perfume agradável de maçã adentrou o local. Os passos decididos aproximaram-se e logo em seguida sentiu os braços delicados circundar sua cintura.

- Tudo bem? – a mulher perguntou suavemente. 

- Sim. – Emma respondeu e fechando brevemente os olhos relembrou cada detalhe que pudesse ter passado despercebido enquanto estava com o corpo sem vida de Regina em suas mãos.




 

~

 

Lilian sorria com os braços abertos esperando que as trevas adentrassem seu corpo. Porém seu sorriso se desfez e agonia tomou sua face  quando sua garganta foi dilacerada pela sua própria espada. O golpe não fora forte o suficiente para decapita-la então ela caiu de joelhos segurando o pescoço de onde esguichava sangue abundante , quando procurou quem havia atingido viu o redemoinho negro das trevas em volta de Hansel tirando-lhe toda a luz.

- Eu não fazia idéia do quão perturbador é ter tanta escuridão dentro de mim. Emma como você é forte. – Hansel disse. Não sentia mais dor em seu tornozelo estava de  pé o poder em seu corpo era algo que jamais havia experimentado. 

- Han-se-e-l...- Lilian sussurrou com dificuldade. – a-ju-ju-de-me.

- Emma. – o cavaleiro chamou. Limpando o sangue da espada na própria roupa. – O que quer que eu faça?

Os olhos vermelhos e furiosos da salvadora encontraram-se com os desesperados de Lilian.

- Deixe-a agonizar. – Falou friamente.

 

Lilian abriu a boca para tentar pedir ajuda mais uma vez, só que seu sangue a sufocou. Debatia-se desesperada por oxigênio, as unhas arranhavam a terra como se de algum modo lhe desse alguma esperança de vida. Lágrimas invadiram seus olhos. Enquanto todos apenas assistiam, seus últimos pensamentos focaram no fato de que  pela primeira e última vez, arrependia-se de um ato de crueldade. Arrependia-se amargamente por ter esmagado o coração de Regina Mills. Quando uma poça de sangue formou-se abaixo de seu corpo e a morte lhe parecia quase que confortável, seus olhos focaram em Emma, porém antes que seus movimentos cessassem a salvadora estendeu a mão em sua direção.

- Isso é por Regina. – Então com uma força assustadora pela primeira vez sua magia foi fogo, como a da rainha um dia fora. As chamas com uma força nunca antes vista incineraram Lilian. Emma não acha possível que no estado de sua garganta Lilian pudesse emitir algum som, mas podia jurar que ouvira gritos de desespero da feiticeira escarlate conforme as chamas consumiram o seu corpo, antes de fechar a mão fazendo as chamas pararem. O cheiro de carne queimada invadiu suas narinas. Mas ela não se importou. Não importava-se com nada naquele momento a não ser estar abraçada ao corpo da rainha embora a pele da mulher já não tivesse o calor que tanto desejata. Não se importava se seus pais, Merlin, ou qualquer pessoa dissesse que estava escurecendo seu coração. As pessoas não deveriam ser tão boas, e as pessoas não deveriam ser tão más. As pessoas deveriam ser pessoas. Deveriam permitir-se sentir. Dor, amor, ou qualquer outra emoção. Apenas  deveriam permitir-se sentir. E era o que ela estava fazendo naquele momento. Henry juntou-se as mães no chão não conseguia proferir uma palavra. Apenas chorava.

- Hansel? O que você fez? – Malévola perguntou baixinho. Merlin havia explicado antes para havia uma chance de transferência para outro ser com o poder da salvadora e que estava disposto a isso mas naquele momento vendo Hansel em volta das trevas e Emma quebrada demais para ajudar sentiu-se totalmente perdida. 

- O que temos que fazer para destruir as trevas? – Questionou olhando para Merlin.

- Você é um imbecil. – Gancho o xingou. Havia se apegado ao homem independente de seus erros. -  Terá que morrer. Você é mesmo um idiota. Emma não tem condições de ajuda-lo.

- Cale-se Killian - Lilith sussurro. Zelena soluçava baixinho em seu ombro pela morte da irmã. Sabia  que parte do que o pirata falara era real.

- Emma. – Robin chamou agachando-se a seu lado.- Eu sei que o que está sentindo. Pois eu também amava Regina. Mas precisamos de você.

- Eu não consigo. – Sussurrou totalmente entorpecida pela dor.

- Você ouviu o que ela disse? – Robin questionou suavemente. E a salvadora assentiu. – Ela a amava Emma. Ela fez isso por que queria dar-lhe sua melhor chance. Ela poderia ter deixado que você mais uma vez agisse como salvadora se sacrificando. Mas ela sabia que você poderia fazer mais se ficasse. Ela não deu uma chance só a você. Deu a todos nós. Deu a seu filho. Lilian não entregaria seu coração. No fundo você sabe disso. – Ele afirmou.

- O que você fez quando Marianne partiu? Como você conseguiu? Como pode se erguer? – sua voz trêmula em contraste com as lágrimas que faziam seus olhos brilharem como jóias ao interrogar o arqueiro.

- Eu olhei para meu Roland. E lembrei do quanto Mariane se importava. Eu me agarrei a única chama de vida que ainda restou dela. E o amei. O amarei eternamente. E fiz o que eu gostaria que ela fizesse se fosse o contrário. Eu me ergui.  

Emma assentiu silenciosamente olhando brevemente por Henry e através de sua dor permitiu-se sentir  a dor de seu filho. Seu coração tinha batidas aceleradas e imagens do sorriso da rainha lhe invadiam a cabeça. Imagens de Regina lhe transmitindo coragem para enfrentar as trevas. Tantas lembranças em uma mistura confusa faziam seu coração, não mais tão puro, sangrar de dor. Mesmo assim sabia que o arqueiro falava era verdade. 

- Salvadora. Deixe que eu segure ela para você enquanto você salva o mundo mais uma vez. Ela ia querer isso.  – Robin disse trazendo para si lentamente o corpo da rainha. Emma o observou. - Tudo bem pode ir.

Emma levantou-se e seguiu até os outros pegando Excalibur, e Hansel lhe entregou a adaga, em seguida ela transformou a brasa em chama e fundiu lentamente e com certo esforço puxou para si as trevas de Hansel retendo-as em suas mãos. Pronta para transferi-la para Merlin que abraçava Lilith se despedindo. Só precisava transferir o poder da espada para o mago e então atravessar seu coração com a própria Excalibur.

Não notou Killian jogando um objeto para  Robin, tampouco notou se cumprimentarem discretamente.

- Não é justo. Lilith Page. Zelena Mills. Emma Swan e Regina Mills. Este é meu ato de perdão. -  Killian disse antes de se pôr na frente de Merlin no momento exato que Emma lhe lançava as trevas.

- O que está fazendo? – Emma perguntou perplexa. 

- Tudo bem amor. Você sabe o que tem que fazer. – Disse mal podendo conter-se, as veias de seu pescoço nítidas por conta de seu esforço para manter-se são, seu corpo todo vibrava.  O pirata não sabia que doeria tanto ver Emma sofrer por Regina daquele jeito. A amava de fato, mas não seria mais egoísta. E não precisou mais que duas frases sussurradas para o arqueiro para entender que o homem sentia-se da mesma maneira por Regina. 

- Killian... Não posso perder você também. – Emma lamentou.

- É por uma boa causa. por favor Emma. Eu não consigo mais. – ele suplicou.

Emma lentamente ergueu Excalibur e atravessou o peito do pirata que com um esforço conseguiu sorrir antes de seu corpo atingir o chão. Emma mal teve tempo de lamentar quando ouviu a voz de Henry.

- Mãe... – chamou. 

E quando Emma olhou em sua direção viu Robin jogando o gancho de Killian que ela nem notara a ausência. O coração de Robin pulsava em suas mãos. Emma ficou boquiaberta totalmente perplexa.

- Nunca esqueça da promessa que você me fez Salvadora. – O arqueiro sorriu e suavemente colocou seu coração no peito de Regina despencando a seu lado. 

Foi audível quando A rainha puxou o ar para os pulmões voltando a vida. Emma correu em sua direção com os olhos ainda úmidos. 

- Emma?-  O que houve questionou confusa. Olhando para o corpo de Robin a seu lado.

- Regina. Você está ...

- Eu estou viva. – ela sorriu e foi abraçada e beijada pela salvadora. 

- Emma. Eu amo você. Você me ouviu ? – Regina perguntou já com Henry a seu lado. 

- Eu também amo você. – Disse Emma emocionada.

Regina não precisou de muito para entender que o arqueiro e o Pirata haviam feito. Regina agradecia por Robin tê-la lhe proporcionado uma segunda chance. E lamentava por sua morte. Mas não poderia negar estar feliz por  finalmente admitir de maneira livre de medos o seu amor por Emma.

Emma finalmente pôde  pegar suas trevas de Lilith. Hansel se acertou com Malévola. E todos assistiram o emocionante enterro de todos os heróis que deram sua vida naquela guerra. 





 

~


 

- É muito bom estar aqui abraçadinha com você Swan. – Regina depositou um beijo no ombro exposto pela camiseta branca que a  salvadora usava. – Mas precisamos ir. Belle nos aguarda. – Virou-se para se retirar mas Emma a segurou colando-se a suas costas. 

- Precisamos mesmo? – Sussurrou beijando-lhe o pescoço.

- Swan...- Regina murmurou ao sentir a mão da salvadora deslizar por suas coxas.

- Eu adoro a maneira que você fala meu nome. – Murmurou suas mãos subindo até os seios da rainha os apertando suavemente. 

- Emma – Regina suspirou pondo as mãos sobre as da salvadora. – É uma reunião importante á algo ameaçando as fronteira da cidade. 

- Você é sempre tão responsável senhora prefeita. – Emma puxou para baixo o zíper que tomava conta de quase toda a extensão do verso do vestido, Deslizando suavemente as mãos e depositando beijos sobre as costas nuas da rainha.

- Sim. Muito responsável Swan. – Sussurrou em resposta movendo a mão em direção a porta trancando-a, rendida aos carinhos da salvadora.

Apoiando uma das mãos na nuca da salvadora virou a cabeça reivindicado-lhe os lábios  em um beijo tórrido. Sentir Emma tão quente deixava seu coração batendo freneticamente. Uma mão segurou o seio da rainha com certa firmeza, enquanto a outra adentrava sua calcinha lentamente, quando os dedos da salvadora movimentaram-se sobre a intimidade molhada a rainha não pode conter o gemido. Virando-a subitamente para si, Swan desfez o beijo descendo para seu colo tomando-lhe os seios de modo hábil.  Como Regina gostava do lábios dela ali. Beijando, chupando, deixando-os ouriçados. De súbito Emma tomou-lhe os lábios a carregando em um abraço e a encostando na parede descendo beijos por sua barriga, beijou seu sexo por cima da calcinha, fazendo Regina arfar, rasgou rapidamente o fino tecido e a perna da rainha foi levantada até seu ombro, Emma deixou-se perder-se em uma prazerosa sucção naquela área tão sensível. Regina aproveitou o momento ao máximo. Deixando-se afundar em cada movimento que a boca de Emma lhe proporcionava, agarrou com força os belos cabelos loiros gemendo totalmente entregue, gemeu alto quando sentiu dois dedos a invadindo de forma veloz, seu corpo estava em chamas, e ao sentir seu corpo todo tremer com espasmos anunciando a chegada de seu orgasmo, agradeceu mentalmente por Emma a segurar com tanta força. Sua respiração afobada não impediu de erguer abruptamente a salvadora e joga-la na cama que dividiam todas as noites desde que voltaram a Storybrook. Regina sorriu quando em baixo de seu corpo, Emma mordeu seus lábios ao ter sentido  pressionar sua coxa contra sua intimidade ainda vestida, torturou a salvadora mordendo-lhe o pescoço sensualmente e massageando seus belos seios com uma lentidão única, Em desespero Emma inverteu as posições, montada sobre ela tirou com pressa a camiseta. E estalou os dedos livrando-se do restante de tecido.

 - Você é tão bonita Emma. – a rainha falou sensualmente subindo suas mãos sobre o corpo de maneira lenta. 

- Você já me disse isso amor. – Emma falou convencida seus olhos em chamas ardendo de desejo. Enquanto a rainha riu rouca e sentou-se colando a boca nos seios agora totalmente expostos da mulher. -Quero sentir o seu gosto querida. – sussurrou afastando brevemente seu corpo ao deitar-se novamente. Então Emma Beijou-a antes de posicionar uma perna de cada lado de sua cabeça. Um gemido escapou de seus lábios quando a boca rainha encontrou sua intimidade chupando e movimentando a língua. A salvadora iniciou um  rebolado suave e aos poucos acelerou o ritmo. Sentiu as mãos da rainha apertando sua bunda e sentiu-se mais exultante. Seus rebolados aceleram cada vez mais junto com os movimentos de sua mulher. até sentir suas pernas tremerem, enquanto Regina tinha a duas mãos as segurando firmemente chegou ao clímax.

Desceu descansando seu corpo nu em cima da rainha, saboreando o próprio gosto nos lábios da mulher. Após alguns minutos, o corpo de Emma foi jogado na cama mais uma vez pela rainha faminta, que a beijava sem pressa, afinal ao tê-la em seus braços esquecera-se de qualquer reunião, tampouco notara o ruído do celular em sua bolsa no canto do quarto, o único som que notava era o da respiração descompassada de Emma Swan, quando em uma vagarosa manobra a invadiu-a com seu dedo ao mesmo tempo que movia sua língua em seu clitóris pulsante. Emma não se conteve e agarrou com força os cabelos negros da rainha, seus olhos fechados, os dedos dos pés se retesaram, mesmo sem ver soube que Regina sorria ao provocar-lhe o descontrole mais uma vez.

Gemeu alto quando Regina tirou os dedos de seu interior e abocanhou sua intimidade sugando vorazmente, seu corpo arqueou,  quando a rainha aumentou a velocidade de seus movimentos com uma das mãos sob seu ventre para mantê-la deitada, mal reconheceu sua própria voz ao suplicar por mais, sendo imediatamente atendida. Seu corpo todo vibrou quando seu néctar foi rapidamente sugado pelos belos lábios carnudos da rainha.

- Eu nunca vou me cansar disso. – Disse Regina deitando a seu lado.

- Eu nunca vou me cansar de você. – Emma retrucou. Tomando-lhe os lábios Emma inverteu as posições em encaixou-se entre as pernas da rainha. Movendo-se lentamente. Sentiu suas costas serem arranhadas. Sabia que deixariam marcas mas não se importou. Regina abriu um pouco mais as pernas para ter mais contato e abraçou a cintura de Emma com as pernas ajudando nos movimentos. Os olhos de Emma fixaram-se aos seus quando passou a movimentar-se de modo mais intenso. Regina mordeu os lábios adorava ser tomada por Emma daquela forma. A boca de Emma encaixou em seu seio sugando-lhe com vontade. E as mãos da rainha agarraram com força suas madeixas loiras. Emma gemeu de maneira manhosa.  Ambos os corpo pareciam estar em chamas. Beijaram-se com voracidade enquanto em uma sincronia perfeita seus corpos se encontravam. As mãos reencontraram acima da cabeça segurando-se com força. E a corrente elétrica do clímax atravessou as amantes. O beijo quente não conteve o gemido e ambas. Ofegantes se abraçaram após seu arrebatamento. Prazeroso e intenso. 

Por alguns minutos apenas o som da respiração das mulheres se regularizando pôde ser ouvida até que a voz de uma fosse ouvida.

- Eu amo você Emma. – Regina disse acariciando seu rosto.

- Diga de novo que me ama Regina. – Pediu.

- Eu a amo de todo meu coração.- A rainha lhe sorriu. 

- E vai ficar comigo? – Emma questionou de modo doce.

- Todos os meus dias. – Respondeu sorrindo mais largamente.

- E todas as suas noites? – Emma arqueou a sobrancelha. 

Regina estava sorrindo quando Emma lhe beijou carinhosamente. Sabia que aquele beijo as levaria a prolongar sua estada na cama. Mas não se preocupou. Apenas desfrutou da companhia da salvadora. 

Ambas não sabiam qual seria o próximo desafio que as aguardavam na fronteira, mas sabiam que enfrentariam tudo. Pois estavam juntas, e como haviam provado, nem mesmo a morte seria capaz de destruir um amor que demorara tanto para se mostrar, mas que jamais voltaria a se esconder. 




 

*******************************

 


Notas Finais


Então esta é minha contribuição para Swanqueen no mundo de Once Upon A Time.
Agradeço imensamente por contribuírem para o aumento de Endorfinas e Serotonina em mim. Rsrs... Obrigada por lerem, comentarem e favoritarem. Obrigada por "enlouquecer" comigo em alguns "momentos tensos."
Meu agradecimento em especial a minha amada, inteligente, engraçada e sensível (e tantas qualidades a mais) Naju, que contribuiu com a fic. Só muito obrigada. Grande beijo e abraço a todos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...