História Wolf Moon - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Izuna Uchiha, Madara Uchiha, Orochimaru, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Bruxaria, Lobo, Misticismo, Sasusaku
Visualizações 680
Palavras 3.922
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Literatura Feminina, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha quem voltoooou, eu demorei um teco, né? Vocês me desculpam? Aí gente, eu tinha esse capítulo todinho na minha cabeça, mas, não conseguia desenrolar ele no "papel" mas hoje eu coloquei umas musiquinhas celtas e bum, não é que saiu? Eu amei o resultado, sinceramente. Nossa esse Sasusaku tá dando gosto de escrever, puta merda, eles tem uma química tão gostosa e é tão boa as interações dos dois. Eu espero que gostem também.

O nome do capítulo vem de uma música que eu ouvia enquanto escrevia a cena dos dois, nossa, eu amei. Vou deixar nas notas finais caso queiram ouvir, eu recomendo!

Boa leitura e nos vemos nas notas finais! <3

Capítulo 9 - Contos da Floresta.


Contos da Floresta - Wolf Moon 

 

 

 

A sensação de ter os lábios de Sakura finalmente para si fora esclarecedora, agora compreendia o motivo pelo qual não conseguia ficar longe dela. Quando a jovem bruxa foi apresentada para si, tudo o que conhecia e o que acreditava não valeram de nada, era um cético e como era. Entretanto, a garota de cabelos únicos conseguiu despertar um fascino tão grande, algo que até então só tinha visto nos anos em que estudou para se tornou um médico. Tudo era novo e com Sakura, era o mesmo sentimento. A adrenalina que lhe tomava enquanto a apertava em seus braços, igualava-se com a primeira vez que realmente precisou atuar em sua profissão, tinha o frio na barriga, o corpo tremendo e claro, seu coração batia mil vezes mais que o normal em seu peito. 

 

Os lábios tocando-se mesmo que sutilmente, era capaz de incendiar seu ser completamente. Porém, decidiu que aquele selar não seria o suficiente para ele, aprofundou o beijo no segundo seguinte e pedindo por favor para que Sakura não o findasse. A língua deslizou lenta para dentro da boca doce da jovem curandeira tocando o músculo alheio, que causou em Sakura um estremecer intenso. Sasuke arfou, ela era sensível e não o recusou, simplesmente deixou que a beijasse com mais afinco.

 

A envolveu melhor em seus braços, abrindo os olhos para percorrer o local onde estavam e avistou uma árvore grande o suficiente para que os escondesse de olhares julgadores. No momento seguinte, tinha Sakura entre seu corpo e um freixo grande e alto o suficiente para não conseguir enxergar seu fim. Com ambas as mãos, o Uchiha segurou a cintura alheira a pressionando contra o tronco e consequentemente fazendo o mesmo com seu próprio corpo, desejava não a soltar de forma alguma.

 

Esquecera a fato dela mesmo ter se assumido como uma bruxa, não mudava o fato de estar entregue a ela e completamente aos seus pés. Já estava desde que a viu, apenas assumia para si mesmo. Enquanto degustava dos lábios de Sakura, o médico tinha seu ceticismo jogado aos ventos. Talvez fosse um feitiço lançado em si próprio que fazia sentir-se daquela maneira, não importava, ela era sim mágica e mataria quem fosse que duvidasse daquilo. A bruxa tinha seu coração.

 

- Sasuke... – Ela murmurou, com o beijo quase sendo quebrado, mas o Uchiha não desejava parar, não naquele momento.

 

Nunca fora beijada daquela forma, com tanta intensidade e desejo. Sasuke parecia sentir fome e era como se fosse o alimento preferido do médico. O pensamento lhe arrepiou a espinha, muito mais que o vento gélido que batia contra ambos e que até então não notara. Jamais sentia frio, seu corpo aquecia-se por conta própria, mas o que lhe tomou não foi realmente frio e sim um medo. Todavia, ao mesmo tempo que o receio lhe invadia, a ânsia pelo Uchiha também.

 

Sasuke sabia onde tocar, a beijava com lentidão, mas tinha algo no deslizar das línguas que beirava a luxúria intensa e Sakura fervia por dentro. O baixo ventre queimava de excitação, coisa que não lhe ocorria com facilidade, a não ser que estivesse perto do jovem médico. O Uchiha era o motivo de seus pensamentos mais impuros e desejos mais inapropriados. Não era nenhuma jovem tola, estava longe disso na verdade. Teve experiências passadas com outros homens, um especial lhe marcou não só em mente, mas como em corpo também. Mas, nenhum deles realmente tinha lhe despertado o sentimento que a muito pensou não existir para si.

 

Os braços em volta de seu corpo, o tornavam febril e o vento frio que se chocava contra sua pele descoberta não importava, Sasuke a aquecia inteiramente. Deixou que o beijo avançasse, o retribuiu e não se arrependeu em momento algum, e estava realmente gostando. Gostava da sensação de estar nos braços do Uchiha, da forma como ele lhe apertava, como seus corpos moldavam um ao outro e aquele beijo, aquele beijo pôs fim toda a raiva que havia sentido dele, toda a vontade de mandá-lo para o inferno. Se fosse preciso iria com ele, apenas para que seus lábios se mantivessem unidos para sempre.

 

- Eu nunca provei nada tão gostoso. – O ouviu resmungar, para então voltar a beijá-la desejo. As mãos de Sakura pousadas nos ombros largos, apertando-o contra o próprio corpo e deixando as costas serem arranhadas pela árvore não incomodava. A natureza que os cobria era testemunha do que nascia ali, por entre as árvores e a música que tocava incansavelmente em seus ouvidos. Tudo parecia contar uma história, ou um conto, como se a floresta fosse o papel e eles a tinta. – Realmente preciso me controlar, mas não consigo. O que fizeste comigo, senhorita? – Perguntou, roçando os lábios e apenas encarando a mulher a sua frente, olhos fechados e testa franzida.

 

- Eu não fiz nada, doutor. – O respondeu ainda de olhos fechados, a respiração quente batendo contra o rosto do médico. Abriu finalmente o olhar, tendo a visão dos olhos negros de Sasuke mais escuros do que se lembrava que era.

 

- Então porque me sinto assim, como se meu coração não me pertencesse mais. Eu só quero ficar perto de você. – A bruxa arfou, jamais achou que o Uchiha confessasse tal coisa.

 

- Não diga besteiras, ele ainda é seu. – Molhou os lábios agora secos, sentia falta da boca do médico na sua, desejava beijá-lo outra vez.

 

- Você sabe que não. – Sorriu ladino, encarando Sakura com tamanha devoção e arrancando da mesma um suspiro. – Volte para minha casa. Eu errei em lhe mandar embora, admito isso, mas não é seguro para você aqui. Ainda mais com essas pessoas. – A jovem fora quem riu, uma risada em escárnio.

 

- Não. – Negou, mesmo ainda estando nos braços dele, não poderia ceder assim facilmente. Sasuke a mandou embora e tinha ainda seu orgulho e se o Uchiha achava que recuperaria fácil sua confiança, estava enganado.

 

- Não seja teimosa, estou tentando pedir desculpa e reconhecendo meu erro. – Insistiu ele, ainda recebendo um não de Sakura. – Pare com isso. Porque quer ficar aqui, com eles? – Perguntou já se irritando.

 

- Não vou voltar para aquela casa, Sasuke. Não depois de você ter me expulsado de lá. Fico por que tenho meus próprios motivos, não os interessa a você. – Desejou não ter sido tão grossa quando o olhar do Uchiha se tornou duro.

 

- Tem alguma coisa com aquele homem? O de máscara, é por isto que não quer volta? – Questionou sem rodeios, o vinco entre suas sobrancelhas ficando cada vez mais aparente. A garota achou graça naquela situação, Sasuke Uchiha estava com ciúmes e não se aguentou, começou a rir.

 

- Não seja tolo! – Disse, ainda rindo.

 

- Não estou achando graça.

 

- Kakashi e eu não temos nada. – Explicou aos sorrisos, estava adorando a expressão de fúria no rosto do Uchiha. – E mesmo que tivéssemos, também não interessa a você. – Provocou, agora com um sorriso de lado.

 

- Agora sabe o nome dele? – Rugiu, apertando-a mais contra a árvore. Os olhos de Sakura se tornaram mais intensos daquela maneira, como se a garota realmente gostasse de lhe ver fora de controle.

 

- Passamos dias juntos, era natural que eu viesse a saber. – Ainda continuava zombando-o, porém, estremeceu com o rosto do médico se enfiando em seu pescoço, cheirando-a, para logo lamber o local.  

 

 

O Uchiha se afastou em um rompante, os tiros sendo disparados incessantemente o fizeram entrar em estado de alerta. A gritaria começou no mesmo instante e a única coisa que o médico fez, foi segurar na mão de Sakura para tirá-la dali, entretanto, a jovem curandeira sequer se moveu, ficou parada no mesmo lugar.

 

- Vamos! Precisamos sair daqui. – Esbravejou, olhando a sua volta as pessoas correndo de volta em direção a aldeia. – O que está fazendo? – Questionou perdendo a paciência.

 

- Eu vou ajudar! – Gritou, soltando a mão do médico, para correr em direção a fogueira e aos tiros.

 

- Sakura! – Sasuke gritou de volta, ofegando e percorrendo a mão por seu rosto e cabelo. Não pensou duas vezes antes de ir atrás da jovem, correndo na mesma direção que ela.

 

Deveria ser fácil, achar a única mulher de cabelo cor-de-rosa no meio daquelas pessoas que corriam desesperadas por suas vidas, entretanto, a situação do local estava pior do que imaginava. Aparentemente, a fogueira – que já não era tão pequena antes – queimava muito mais do que precisava. O fogo se alastrava rapidamente e sua preocupação, além de Sakura, era também com a vila, e se as chamas chegassem até as casas, nada poderia fazer para impedir.

 

Via de longe, o mascarado ainda atirando e seus companheiros o ajudando no que fosse. Seguiu com o olhar até o local e entendera o motivo daquela confusão. Dias atrás, lobos famintos passaram por entre ele e Sakura, causando terror não só em si mesmo, como na queda da jovem de seu cavalo. Por um lado, suspirou aliviado por ser apenas aqueles animais e não outra coisa fora de controle. Prestando a devida atenção, via que Kakashi e os outros não atiravam para matar e sim expulsar os visitantes indesejados.

 

Foi quando avistou ela, Sakura no meio das chamas. A bruxa tinha seus braços aos céus, sequer preocupando-se em queimar-se. Sasuke grunhiu irritado, correndo em direção a garota, não podia deixar que a mesma se machucasse por puro capricho, pior nem seria a queimadura em si, mas sim inalar aquela fumaça. Chegando perto o bastante, sentiu o calor do fogo em seus poros, e também os primeiros pingos caindo sob sua cabeça.

 

- Sakura, nós precisamos sair daqui. – Tentou segurá-la pelo braço, porém foi empurrado.

 

- Me deixe terminar, estou quase! – Gritou ela, voltando a erguer os braços aos céus.

 

Sasuke já sentia seus pulmões incomodados com aquela fumaça, porém, contemplou o que a bruxa fazia. Sakura preferia palavras mudas, apenas mexendo seus lábios rapidamente e seus olhos fechados, com expressão concentrada. Decidiu que não deveria mais interromper. Os raios no céu escuro o iluminava, a ventania que veio a seguir balançava as chamas e os pingos grossos tornaram-se uma chuva intensa, qual ardia a pele de tão forte que caia.

 

Molhados, encaram-se assim que a jovem abriu seus olhos. O fascino voltou para o médico, aos poucos já não existia mais fogo e todos estavam salvos, Sakura salvara todos. O alívio se apossou de seu peito, mas aquele frio gostoso em sua barriga permanecia e tudo o que desejava era somente beijá-la. Sakura nunca esteve tão beijável quanto naquele momento, cabelo encharcados e a roupa lhe grudando no corpo. 

 

Os tiros já haviam cessados a muito tempo, e os outros quatro iam em direção ao casal que não diziam nada um para o outro, apenas contentavam-se em se admirar, hipnotizados.

 

- Foi rápida em dar conta do fogo, mas, destruiu nosso acampamento. – A voz grossa quebrou os olhares de ambos, Sakura foi a primeira a olhar em direção ao mascarado. Iria abrir a boca para falar, mas foi interrompida.

 

- Ela salvou a vila, um acampamento destruído não é nada. – Retrucou o Uchiha, Sasuke, agora encarava o prateado. – Alias, ideia péssima a que tiveram. Essa região é tomada por lobos, claro que eles iam ser atraídos pela música, cheiro de comida e toda a movimentação que fizeram.

 

- Lobos são atraídos por muita coisa. – O Hatake falou, agora prendendo seus olhos em Sakura. O Uchiha ao avistar o que o prateado olhava, retirou seu próprio casaco ensopado e cobriu a curandeira. O tecido fino da vestimenta da mulher, deixava tudo ainda mais transparente, e Sakura sequer parecia importar-se. Mas Sasuke se importava, não gostou daquele olhar. – Seja como for, teremos que encontrar um local para pernoitar e como não somos bem-vindos à cidade...

 

- Existe uma cabana ao leste. É dentro da minha propriedade, fica alguns poucos quilômetros dela, na verdade. É de vocês pelo tempo que desejarem. – Ofereceu o Uchiha.

 

Pensando no que faria para que Sakura voltasse com ele, deu aquela ideia como quem não queria nada. Não podia abriga-la a ir consigo, isso era um fato. Desejava entender os motivos pelo qual ela queria ficar com aquelas pessoas. Uma ideia extremamente insana lhe brotou a mente, teria de arriscar. Além de ter Sakura perto de sua casa, ainda conseguiria informações dos forasteiros, principalmente daquele qual se chamava Kakashi.

 

- Tudo bem. – Concordou o líder, para a surpresa de todos.

 

- O que? Se esqueceu que a família dele tentou nos expulsar? – Hinata, a mulher que estava ao lado de Kakashi falou.

 

- Não me esqueci, Hinata. Mas, toda a ajuda é bem-vinda. – A respondeu. – Quando estiver pronto, podemos ir...

 

- Sasuke. – Apresentou-se, finalmente. Não haviam feito até então, sequer achou que se importaria.

 

- Kakashi. – Estendeu a mão em direção ao Uchiha, que aceitou.

 

- É, eu sei. – Respondeu – Juntem suas coisas, partiremos assim que a chuva cessar. Ir nessas condições seria perigoso demais.

 

O mascarado concordou, ordenando seus companheiros a juntarem suas coisas para a pequena viagem que fariam. Mesmo com a chuva, agora não muito forte, não tiveram dificuldades para juntar tudo e montarem em seus cavalos.

 

Assim que a chuva se transformou em chuvisco pequenos, partiram. O Uchiha à frente, juntamente com Kakashi que o seguia um pouco atrás. O resto do bando, Hinata e Naruto conversavam pouco sobre para onde estariam indo e a mulher, não gostando, nenhum pouco da decisão de seu líder, mas não a contestaria, afinal, Kakashi a salvou anos atrás.

 

Vinha de uma vila parecia com aquela pela qual passavam, sua família não tinha muito e passavam fome na maioria das vezes. Tinha de trabalhar duro para conseguir um pedaço de pão que fosse, para alimentar não apenas a mãe doente, mas o pai que gostava de beber demais. E claro, tinha seu irmão, aquele qual amava mais do que qualquer coisa no mundo. Nunca irá se esquecer do dia de sua morte.

 

O quarto pertencente do bando, Shikamaru, vinha por último e seu trabalho seria vigiar. Todavia, o homem mais se interessava em dormir em cima do próprio cavalo do que qualquer outra coisa. E tinha Sakura, a bruxa cavalgava atrás de Sasuke, mas a frente de Kakashi. Perguntava-se o que tinha por trás daquela oferta do Uchiha.

 

Acabou por alcançar Sasuke.

 

- Porque? – Chamou a atenção do médico, não chovia mais, agora a lua despontava por entre as poucas nuvens, iluminando o caminho. – Porque está ajudando? Sequer gosta dessas pessoas...

 

- Eles estão sem lugar para pernoitar, você ouviu. – Respondeu, sem tirar os olhos da estrada.

 

- Não me tome como tola, Sasuke. – Insistiu a jovem, agora sim, recebendo um olhar do mesmo. – O que está tramando? – Desejou saber, curiosa.

 

- Você mesmo disse que não irá voltar para minha casa e que ficará com eles. Só estou garantido que esteja segura e que não durma no relento, para que possa ser morta por lobos comuns ou qualquer outra coisa. – Retrucou simples. Uma parte era verdade, não poderia negar.

 

Ela nada lhe respondeu, apenas calou-se e continuou o percurso em silêncio. Quando finalmente avistaram o casarão da família do Uchiha, Sasuke deu as coordenadas para o grupo, onde encontrariam a cabana. Também disse que a estrada era bem dificultosa, a mata tão turva que precisariam cortar alguns galhos para enxergar à frente.

 

- Bom, aqui nos despedimos, por hora. – Falou Kakashi, ainda se mantinha em seu cavalo.

 

- Claro. – Concordou Sasuke, Kakashi estava pronto para sair dali, porém parou ao ouvir a voz do Uchiha. – Amanhã daremos um jantar, serão meus convidados... – O prateado levantou uma de suas sobrancelhas. – Caso queiram, é claro. Não os forçarei a irem, apenas... quero mostrar que não são uma ameaça e que tanto minha família, quanto a cidade não tem motivo para teme-los.

 

- Agradecemos seu convite e o aceitamos de bom grado. – Respondeu depois de alguns segundos, surpreendendo a todos novamente.

 

Sasuke nada disse, apenas acenou para todos, pronto para se despedir. Antes de finalmente esporar seu cavalo em direção a sua casa, olhou uma última vez para a jovem que também o encarava, tão intenso como sempre fora desde que se conheceram. Aquele jantar seria uma boa oportunidade para trazer Sakura consigo, faze-la ficar de algum jeito próximo a si. Não poderia haver erros.

 

Assim que o cavalo do Uchiha partiu, Kakashi ordenou que todos voltassem a cavalgar. Ia agora vigiando todos a sua frente, pensando no quão o médico era manipulável. Tinha a consciência de que o mesmo jamais deixaria que a bruxa ficasse em perigo, sabia que a pequena festa atrairia lobos e que de alguma forma, Sasuke também seria atraído. Ela demonstrando um pouco de seus poderes foi um grande feito, Sakura sem dúvidas era mais do que essencial para a captura da fera.

 

- Porque aceitou? – Seus pensamentos foram interrompidos por Hinata.

 

- Porque ele foi gentil. – Sorriu em deboche para ela, recebendo aqueles olhos frios revirando-se em irritação.

 

- Deixe de ser implicante. – O loiro se intrometeu na conversa. – Ele nos deu um lugar para dormir e ainda nos convidou para jantar.

 

- Estou com Naruto dessa vez. Será ótimo comer uma comida sem que eu precise caçar e assar. – Falou o homem grande e sonolento.

 

- Você é um preguiçoso, Shikamaru, aceitaria comer até estrume de vaca para não precisar caçar. – Retrucou a mulher, sem paciência. Sakura que ouvia tudo, não pode deixar de rir daquilo.

 

Continuaram a conversar, até finalmente encontrarem a tal cabana e precisarem realmente cortar alguns galhos para poderem entrar na mesma. O lugar não era muito grande, mas seria bom o bastante para se acomodarem sem problema nenhum. A primeira tarefa fora recolher um pouco de madeira e acender a lareira afim de esquentar todo o lugar e o iluminar também.

 

Sakura fazia a própria cama, ajeitando alguns cobertores que ali encontrou, no chão. Alheia aos olhares que recebia de Kakashi e também, Hinata.

 

- Me diga a verdade, porque aceitou ficar perto dessa família? – Questionou aos sussurros, não queria que a bruxa a escutasse.

 

- Seja quem for o Lobo, tenho a certeza de que, está ligado aquela família e essa será uma ótima oportunidade para descobrir o porquê. – A respondeu. Hinata olhou para o líder e sorriu, o homem realmente pensava em tudo, sequer conseguiria ser tão inteligente quanto ele. Voltou seus olhos para a bruxa que estava pronta para deitar-se e sorriu outra vez.

 

 

[...]

 

 

- Um jantar? Para os possíveis assassinos do meu filho e ainda por cima, em minha casa? – Tajima perguntou feroz, estava realmente furioso com o sobrinho.

 

Assim que o dia amanheceu, deixou ordens para o jantar aos empregados da casa e não demorou para que a notícia chegasse aos ouvidos do tio, tendo o mesmo aos berros. Estavam reunidos para o almoço, e Tajima gritava aos ventos o quanto a decisão de Sasuke fora impensada e impulsiva demais.

 

- Pense tio, podemos conseguir informações. Não os veja como inimigos ainda! – Tentou outra vez, acalmar a fúria do mais velho.

 

- Eles são nossos inimigos, Sasuke. Você está agindo feito um tolo, eles podem estar tramando contra nossa família neste exato momento! – Rugiu, o Uchiha mais velho estava em pé, com seus punhos pressionados contra a madeira da mesa.

 

- E ainda por cima, pelo o que disse a bruxa está com eles. Não é estranho o quanto essa mulher está metida em absolutamente tudo? – Izuna se intrometeu, causando irritação no médico que já perdia a paciência com o próprio tio, agora teria que se segurar com o primo também.

 

- Sakura não está metida em nada. E ela virá também, então eu peço que comporte-se e não dê mais um de seus ataques de histeria. – Retrucou Sasuke, deixando o primo envergonhado com tamanha afronta.

 

- Ora seu... – Levantou-se para ir em direção ao médico, entretanto, fora impedido por Itachi que o empurrou de volta para a cadeira, fazendo-o se sentar.

 

- Chega! – Grunhiu Fugaku – O que meu filho fez foi inteligente, tem que admitir, irmão. Concordo totalmente com esse jantar, será uma boa oportunidade para conhecer esses forasteiros.

 

- Não. Em minha casa eu não irei aceita-los. – Negou Tajima, o homem estava irredutível.

 

- Essa casa também é minha e será de meu filho mais velho agora. – Fugaku confrontou o irmão mais velho, também se pondo de pé. – Veja como fala. – A casa fora passada sempre em geração, para o filho mais velho e com Madara morto, pertencia a Itachi agora.

 

- Muito bem, façam o que quiserem. – Mantendo um esforço muito grande, Tajima controlou sua língua e simplesmente deu as costas para o resto de sua família, tendo Izuna ao seu lado.

 

O restante que ficaram apenas suspiraram aliviados, odiavam aqueles confrontos de família e costumava durar muito tempo. Tinham a certeza de que Tajima não deixaria por isso e que faria algo para os prejudicar, entretanto, por hora, estavam bem. As mais felizes com o jantar, sem dúvidas eram as mulheres. Assim que ficaram sabendo sobre Sakura voltar à casa, não contiveram inquietação.

 

- Nem acredito que Sakura voltará. – Izumi sorria sem parar. – Eu sei que faz pouco tempo, mas sinto falta dela. – Confessou a jovem.

 

- Eu também. – Karin retribuiu o sorriso da cunhada. – Precisamos deixar a casa em perfeito estado para recebe-la e também, para que ela não vá embora daqui nunca mais. – Alfinetou o Uchiha mais novo, recebendo o mesmo apenas o silêncio.

 

- Chamem Ino, diga para preparar o quarto de Sakura. – Mikoto ordenou, tendo as duas jovens mulheres fazendo o que foi pedido. – Irei ajuda-las, Deus sabe os pedidos malucos que aquelas duas irão fazer. – Levantou-se polidamente, despedindo-se dos filhos que continuavam ali, tomando o café.

 

Assim que estavam sozinhos, o mais velho dos dois encarou o irmão, sorrindo e negando várias vezes com a cabeça. Sasuke fingiu não ver, apenas prendeu sua atenção em sua torta. Os olhares nada furtivos do irmão começaram a irritá-lo em certo momento, tendo que o encarar impaciente.

 

- Quer que eu acredite que faz isso pelas supostas informações? – Itachi questionou bem-humorado o irmão, estava inacreditavelmente melhor de todos os terrores que andavam ocorrendo.

 

- Acredite no que você quiser, irmão. – O respondeu ao terminar o gole do café preto.

 

- Faz isso por Sakura... sequer consegue mais esconder seu interesse por ela. – Alfinetou o mais velho.

 

- Faço por todos. – Respondeu suspirando, realmente não desejava falar sobre, com seu irmão.

 

- Ah, irmão, você é péssimo em mentir. –Riu com gosto. – Voltou tarde ontem, me conte, o que fez? Estava com ela, não estava? – Provocou ainda mais, adorava deixar o mais novo irritado.

 

- Céus, Itachi! Está sendo completamente irritante. – Bufou – Eu estava com ela sim, mas também com aqueles forasteiros. E se quer realmente saber, sim, estou interessado e não, eu não vou falar sobre isso com você. – Levantou de uma vez, jogando o guardanapo em cima da mesa. Deu uma última encarada no irmão que estava pouco se importando com seu pequeno ataque e ria com gosto da situação.

 

Saiu dali rapidamente, subindo para o próprio quarto e deitando-se em sua cama. Tinha muito o que fazer naquele dia, mas apenas desejava dormir até que a noite chegasse e que finalmente pudesse vê-la. Não conseguia parar um segundo sequer de pensar no beijo, na forma como Sakura estava entregue e o quanto desejava por mais. Céus, a bruxa estava realmente se enraizando em seu peito. Esperava que com aquele jantar, ela realmente voltasse para sua casa e como a cunhada mesmo havia dito, não saísse dali nunca mais. 

 

 


Notas Finais


música https://www.youtube.com/watch?v=2kHmb7ZVh6s



Eu preciso saber, vocês gostaram da Sakura fazendo chover? Eu espero que sim! Nossa estou muito, muito ansiosa com o feedback de vocês. E sobre o beijo sasusaku, foi bom? Valeu esperar? Eu acho que sim, ein.

Espero que tenham aproveitado esse capítulo soft, porque o negócio vai começar a pesar no próximo, teremos mais uma vítima, quem será?

Até, beijos da Adre <3


AVE E EU ESQUECI DE RESPONDER OS COMENTÁRIOS DO CAPÍTULO PASSADO, TO INDO RESPONDER, OK?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...