História World of Sword - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 1
Palavras 2.319
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Beta Testers


Três

Dois meses no jogo, duas mil pessoas mortas.

A esperança de ajuda de fora estava destruída, nem uma mensagem fora enviada.

Eu não vi, Mas algumas pessoas disseram que o pânico e a loucura fizeram os jogadores fazerem coisas realmente inacreditáveis. Havia pessoas chorando e outras lamentando. Diziam que tentaram de tudo dizendo que iam sair desse jogo de qualquer maneira.

Eles disseram que levou fias até os jogadores aceitarem a situação é pensarem no que fazer agora.

A alguns dias, um grupo de jogadores começou a explorar o labirinto para tentar encontrar a sala do primeiro chefe. E hoje era a primeira reunião para sabermos o que eles descobriram.

Nesses dois meses eu consegui evoluir algumas habilidades enfrentando alguns monstros.

Igor e eu nos falamos pela última vez a algumas semanas, ele e seu grupo estavam treinando, Mas não estavam prontos para a linha de frente. Bom, Eu estava.

Chegando ao "Coliseu", o lugar marcado para a reunião, me surpreendi vendo alguns rostos conhecidos.

Sentei-me atrás de todos, no alto. E quatro pessoas que eu conhecia estavam conversando, não me viram ali. Até que um deles, Gabriel, foi ao centro do Coliseu.

-Nos reunimos aqui hoje para contar o que a equipe de exploração descobriu. -disse ele.

O silencio reinou no lugar.

-Conseguimos encontrar a sala do chefe. -completou.

Pude ver alguns sorrisos nos rosto, Mas também expressões de medo. E já era de se esperar, em dois meses tivemos duas mil mortes, isso sem enfrentar o chefe e apenas no primeiro andar, imagine nos próximos?

-Quando iremos enfrenta-lo? -perguntou um dos jogadores sentados.

-Essa é a parte importante. -respondeu Gabriel. -Vamos enfrenta-lo ao amanhecer.

-Por que tão rápido?

-Por que o labirinto pode mudar a qualquer momento. -respondeu Luyane. -Então temos que enfrenta-lo antes que tudo mude e percamos a sala.

Todos começaram a murmurar baixo, e de repente o coliseu foi tomado pelas vozes. Até que Marvin, jogou seu martelo no chão, fazendo um estrondo e chamando a atenção de todos.

-Continuando.. -disse ele.

-Formem equipes de cinco pessoas. -disse Gabriel. -E irei separa-los por ordem, para que ataquemos bem organizados.

Todos começaram a se juntar com pessoas que já conheciam. Eu fiquei no mesmo lugar, até que Gabriel veio se aproximando.

-Uma loucura né? -disse ele se sentando ao meu lado.

-Não sabia que estavam aqui. -respondi. -Mas alguém além de vocês quatro?

-Algumas pessoas.

-Quantas mortes?

-Não sabemos. -respondeu. -E nem contaríamos.

Logo após, Marvin e as outras duas se aproximaram também. Daniella e Luyane.

-Oi. -disseram elas.

-Oi. -respondi um pouco seco.

Estava me sentindo culpado, pois eles estavam ali provavelmente por minha causa. Pelas coisas que falei sobre o jogo.

Marvin me abraçou, ao invés de apenas dizer "oi", como ele sempre fazia

-Estamos precisando de mais um. -disse ele. -Se junta a nós?

Eu não tinha escolha, estava sem equipe.

-Claro. -respondi.

-Esperem! -disse um jogador ao centro do Coliseu.

-O que houve? -perguntou Gabriel.

-Temos que falar sobre algo importante antes de seguirmos com esse plano.

-Que seria? -disse Marvin.

-Os beta testers.

Senti calafrios quando ele disse isso, sabia que não seria algo de bom.

-Sei que existem alguns entre nós. -disse ele. -E deveriam se entregar e entregar seus itens a nós.

-Por que eles fariam isso? -um outro jogador perguntou.

-Por que a dois meses, Quando foram anunciadas as condições de jogo, muitos deles saíram e completaram as missões mais fáceis e de maior valor, para se tornarem mais fortes, fazendo as missões mais difíceis para os novatos. -disse ele. -Assim fazendo muitas pessoas morrerem.

Ele estava certo ao dizer isso. Muitos jogadores que participaram do beta fizeram isso.

-Você está errado. -disse Marvin indo na direção dele.

Estava segurando um caderninho.

-Todos conhecem este item. -disse ele. -É o livro guia do jogo. Nele contem todas as missões que os jogadores beta descobriram.

-Sendo assim, o que eles fizeram foi apenas não ter medo e serem mais rápidos do que nós. -completou Gabriel. -Isso não é roubar, é apenas pensar mais rápido.

O jogador se sentou e então Gabriel tomou lugar ao centro novamente.

Em partes, os dois lados estavam certos. Mas ainda sim, os betas erraram em não ter ajudado. Assim como eu também errei.

Todos os jogadores começaram a se dispersar e voltar aos seus afazeres, eu não esperei por ninguém, apenas voltei para o meu canto, no lado sul do vilarejo.

Quando caiu a noite, sai do meu quarto e fui andar, como de costume. Apenas para não pensar muito em como estaria a vida fora deste jogo.

Em uma das ruas pavimentadas do vilarejo, avistei Daniella sentada em um canto escuro.

-Posso me sentar? -perguntei.

-Ah.. pode sim. -respondeu, enxugando seu rosto.

-Esta tudo bem? -perguntei, mas já sabendo que não estava.

Era uma pergunta meio idiota. Estávamos presos dentro de um jogo, e tínhamos que lutar por nossas vidas, óbvio que não estava.

-Tudo sim. -respondeu.

-Não precisa mentir pra mim. -disse a ela

-Você pensa em como estaria sendo sua vida fora desse jogo?

-Todos os dias.

-E como imagina?

-Estando preocupado com todos aqueles que estariam jogando. -respondi. -Com a Anna.

-Ela está aqui dentro?! -perguntou preocupada.

-Esta. -respondi. -Esta segura na Cidade Inicial.

Anna fazia parte de uma Guilda. Um grupo de guerreiros. Liderada por Igor, como havia me prometido.

-Um amigo está treinando e tomando conta dela. -completei. -E você.. tem notícias de alguém conhecido?

-Vanderson, Rebeca e Thalita apenas. -respondeu.

-Onde eles estão agora?

-Não sei. -respondeu. -Eles queria explorar as masmorras sozinhos, e eu não estava pronta, então nos separamos.

Ou seja, poderiam estar mortos nesse momento.

Fiquei em silêncio, pensando em todas as coisas que poderiam ter acontecido com os três. E percebi que ela fez a mesma coisa.

-Acho melhor irmos. -disse a ela. -Amanha o dia será longo.

Ela continuou em silêncio.

-Dani. -chamei.

-Oi. -respondeu.

-Não se preocupe. Vai dar tudo certo.

Pude ver seus olhos se enchendo de lágrimas, e então ela sorriu.

Me virei e comecei a andar. E quando sumi de seu campo de visão.

-Eu prometo. -disse baixinho para que ninguém pudesse ouvir.

Ao amanhecer, eu já estava de pé antes de qualquer pessoa. Fui para o Coliseu, o primeiro a chegar.

-Como sempre. -disse Marvin, que chegou logo após com os três.

-O primeiro a chegar. -disse Daniella.

-É costume. -respondi com um sorriso no rosto.

Logo após, os outros jogadores foram chegando rapidamente. E em poucos minutos todos estávamos ali.

Gabriel nos dividiu em grupos de ataque, defesa e suporte. Assim, ao derrotar o chefe, todos receberiam uma porcentagem igual da experiência.

Estávamos passando pela floresta, pouco antes de chegarmos ao labirinto. Daniella estava atrás do grupo todo, e então fui para seu lado.

-O que houve? -perguntei.

-Estou com medo.

-Eu também.. -respondi.

-Não parece. -disse ela. -Todos vocês parecem estar tão confiantes.

-Mas pode ter a certeza, Todos nós estamos com medo. -disse a parando em minha frente. -Se lembra quando eu estava apaixonado pela Anna.

-Claro. -respondeu dando uma risada.

-Então, eu parecia estar com medo?

-Não.

-Por que precisava passar confiança para ela. -respondi. -Mas eu estava com medo. E agora eu tenho que passar confiança para os outros jogadores. Por isso não demonstro.

-Mas como faço isso?

-Confiando em você! -disse. -Confiando nas suas habilidades. E tudo vai ficar bem.

Ela sorriu e continuamos a andar.

-Estava com medo de namorar com a Anna. -disse ela rindo.

-Sai fora..

Quando chegamos na entrada da sala do chefe, Todos estavam quietos, não se ouvir nem a respiração.

Gabriel se posicionou na entrada.

-É agora. -disse ele, baixinho. E então abriu a porta.

Começamos a andar lentamente. Estava tudo escuro Até chegarmos ao meio da sala, quando tochas foram acesas com uma chama azul, e a sala ficou totalmente clara.

Pisos feitos de pedras brilhantes e coloridas, paredes de vidro azul. Uma sala linda, mas não dava pra admirar naquele momento, precisávamos estar atentos para qualquer ataque.

Olhávamos para todos os lados, mas nem sinal de um monstro. Até que.

-La em cima! -gritou um jogador.

Lá estava ele, o chefe do primeiro andar. Um humanoide grande e marrom com costas, rabo e cabeça que pareciam a de um animal conhecido no mundo real, um tatu. Mas usava uma armadura em seu peito, e uma espada.

Ele pulou ao abrir os olhos, fazendo o grupo se separar e então pousou no meio de todos.

Eu fiquei ao lado de Dani, para que nada acontecesse com ela.

Marvin e Luyane foram para o outro lado. Mas Gabriel mal se mexeu, Como se já esperasse por isso.

-Formação de ataque e defesa! -gritou ele. -Equipe de suporte, fiquem atentos!

E então voltamos a formação.

-Fique atrás de mim. -disse para ela.

-Certo.

Marvin e Luyane vieram para o nosso lado, É Gabriel estava logo a nossa frente, como líder da equipe.

Pude ver um sorriso no rosto dele, Como se ele não estivesse com um pingo de medo.

-Equipes 1 e 2! Agora! -gritou.

Então fomos correndo para o ataque, mas o chefe, Golum Spacey, desviava de qualquer ataque. Quando aí me lembrei do beta. Onde tínhamos o enfrentado.

Ele pulou novamente e todos recuaram, mas eu Avancei, e quando ele pulou novamente para ir ao chão, eu pulei juntos com ele. Movi minha espada para frente do meu corpo, fazendo com que o impulso fizesse todo o resto. Mas ele também me atingiu. Me fazendo ir ao chão.

-Fred! -gritou Marvin.

E o homem tatu pulou em minha direção com sua espada a frente, pronto para me atingir. Mas um homem se pôs a minha frente. Era Marvin, e colocou seu martelo a frente para defender o impacto. Quando as duas armas colidiram, fez um estrondo e o impacto gerou ventos fortes que me fizeram ser arrastado para trás. E logo após outra pessoa correu em direção ao chefe. Dani, que o atingiu e o fez dar alguns passos pra trás, assim salvando Marvin também.

-Você está bem? -perguntou Luyane, me ajudando a levantar.

-Estou. -respondi.

-Vamos atacar juntos. -disse ela.

Enquanto a equipe de defesa apenas segurava o ataque dele. Nós dois começamos a correr em sua direção.

Ela pulou e o atacou primeiro, mas ele conseguiu segurar com sua espada, e com essa brecha o ataquei nas pernas o fazendo cair. Logo em seguida, Marvin com seu martelo o jogou para trás e Daniella veio com sua habilidade com a potencia de dez golpes em apenas um.

Faltavam apenas mais alguns golpes para que a barra de HP dele chegasse a zero, mas a maioria de nós estava cansado.

Até que Gabriel correu entre todos nós.

Começou a ataca-lo com sua espada enorme, o que não entendi muito bem. Por que ele está atacando sozinho? Até que a ficha caiu. Gabriel queria o item raro que se ganha ao derrota-lo. Mas não tinha como ele saber disso, a não ser.. ele é um dos betas.

Ele o estava golpeando sem parar, até que o jogou para trás com uma habilidade muito poderosa, e então pulou para dar o último golpe. Mas.. antes que Gabriel pudesse acerta-lo, ele moveu sua espada.

-Cuidado! -gritei chamando a atenção de todos.

Mas já era tarde, Golum Spacey acertou o peito de Gabriel com sua espada gigante, o fazendo cair atrás de toda a multidão.

Corremos até ele e o peguei nos braços, peguei um item no meu inventario para recuperar um pouco do seu poder de vida. Mas ele segurou minha mão.

-Guarde isso. -disse ele, com a voz um pouco fraca.

-Por que não me contou?

-Por que estava com medo de que nos julgassem. -respondeu. -Acaba com ele. E leve essas pessoas ao próximo andar.

E então como vidro quebrando, o corpo de Gabriel de despedaçou em meus braços.

Levantei-me com a cabeça ainda baixa.

-Vamos fazer isso juntos. -disse Marvin pegando seu martelo.

-Sim! -disse Daniella enxugando as lagrimas.

Olhei para Luyane e ela já estava com sua espada nas mãos.

Começamos a correr em direção ao mestre. Marvin foi o primeiro a golpeá-lo e o jogou para cima. As duas pularam o rasgando de ponta a ponta e o impulsionando para baixo. Onde eu estava preparando a habilidade mais poderosa que tinha, Last Blow.

E antes que ele tocasse o chão, o acertei, perfurando seu coração. E por um momento senti a mão de Gabriel em cima da minha, me dando mais força nesse golpe.

O corpo dele se despedaçou da mesma forma que o de Gabriel. Mas havia um anúncio em cima: "Parabéns!"

Havíamos conseguido. Havíamos passado para o próximo nível.

Todos começaram a comemorar. Mas havia um que não estava, e veio andando em minha direção.

-Você é um beta tester! -gritou, fazendo todos ficarem em silêncio. -Voce sabia do ataque que matou Gabriel!

Eu não podia negar. Tinha duas opções, ou revelava que Gabriel também era um beta, ou apenas levava toda a culpa.

Abri meu inventário e cliquei no item que ganhei, o fazendo surgir em meu corpo.

Era um sobretudo preto. Capa Meia-Noite. E abri um sorriso em meu rosto.

-Exato. -respondi, surpreendendo até mesmo meus amigos. -Eu sou um beta tester.

-Por que não o salvou?! -perguntou.

-Porque eu queria o item raro. -respondi caminhando até a escada que levava ao segundo andar. -E também.. por que me arriscar para salvar um jogador fraco.

Comecei a subir as escadas com dor no peito por essas palavras. Mas Marvin e as meninas me seguiram até lá.

-Nos vemos ainda? -perguntou Marvin.

-Continuem treinando. -respondi. -Vocês vão muito longe ainda.

-Obrigado Fred. -disse Luyane.

-Formamos uma bela dupla. -respondi. -E Dani..

Ela olhou para mim.

-Confie nos seus companheiros. -disse a ela. -Mas confie em você também.

Então dei as costas e continuei subindo. E mais uma vez, dei as costas para pessoas importantes pra mim



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...