História Write On Me - Norminah. - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Dinah Jane Hansen, Normani Hamilton
Tags Norminah
Visualizações 594
Palavras 2.765
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi mores, primeiramente gostaria de pedir desculpas pois não deu realmente para voltar ontem com a atualização dupla, mas compensando a isso voltei hoje um pouquinho "tarde", não estou acostumada atualizar a essa hora, mas vamos lá, né? Vejo vocês lá embaixo. 💙

Capítulo 18 - Capítulo 18.


Fanfic / Fanfiction Write On Me - Norminah. - Capítulo 18 - Capítulo 18.

— Só isso? – Lauren disso alto. — Você está seriamente animada por causa de um beijo?

Normani revirou os olhos.

— Você não estava lá, ok? Foi quente. Não foi só um beijo. Foi o beijo.

— Sem chances que foi tão bom assim. – Lauren riu, balançando a cabeça.

— Foi sim! – Normani jogou um burrito embalado em sua companheira de quarto, e caiu de volta para ao seu travesseiro com o seu rosto corado. Ela revirou os olhos novamente e colocou o braço sobre seu rosto ruborizado. — Deus, soei como uma pré-adolescente maluca por um crush.

Ela rolou na cama ficando de lado em frente de Lauren novamente.

— Em uma das minhas últimas casas antes de eu sair, tinha uma irmã adotiva que estava com quase doze, e ela estava totalmente empolgada por uma menino da escola. Ela falava sobre ele sempre desde o seu cabelo espetado até seu piercing na sobrancelha. Eu achava isso tão bobo, sabe? Eu costumava zoar quando ela preenchia todas as páginas de seu caderno com “Senhora Adams”. Mas é estranho o suficiente que é assim como eu me sinto agora, cadê vez que penso sobre isso.

— Bem, não fode, Mani! Você está começando a soar como se estivesse apaixonada por ela.

Normani sacudindo-se de seu estado de choque, disse:

— Não! – Ela protestou. — O quê? Não, é claro que não! Eu quase nem sequer a conheço ainda. Quero dizer, eu a conheço. Eu realmente não sei muito ainda sobre ela. Mas não, não estou apaixonada. Merda, eu acho que não sei o que é toda essa coisa de “apaixonada”. Eu apenas gosto dela. Eu gosto muito dela. Ela é maravilhosa. Ela é sinceramente, Impressionante, é muito mais do que você poderia imaginar, sabe?

Se Lauren fosse honesta, assistindo Normani falar sobre a outra mulher era o suficiente para fazê-la se sentir tonta, e isso era raro. Ela tinha sido privada de algumas das histórias da infância de Normani, como eles sempre desistiam dela, e Lauren sabia que sua melhor amiga raramente, ou se alguma vez, tinha a sua esperança sobre alguma coisa. Ela parecia esperançosa neste momento. Ela parecia feliz, quase como se tivesse encontrado algo que ela estava à procura, por algum tempo.

Mas sem dizer nada, Lauren fingiu engasgos, colocando seu dedo médio em sua boca.

Normani sorriu, enquanto disse:

— Cale a boca.

— Não, vá em frente, Mani. Continue a jorrar mel. Eu amo isso.

— Eu quero dizer, ela pode ser totalmente estranha e rígida quando você a coloca fora de sua zona de conforto, mas quem não é assim, certo? Mas quando ela fica confortável, é tão engraçada e inteligente e sempre tão linda. Ah sério, eu acho que ela pode ser um alien em pele de humano, por que diabos, quem é sempre tão linda assim o tempo todo?!

— Você. – Lauren disse. Ela, em seguida, sorriu bobamente para sua amiga e acrescentou. — E eu, é claro.

— Ela está em um patamar completamente diferente. – Normani riu, quando Lauren ofegou, fingindo estar ofendida. — Sério, você deveria vê-la.

— Uh, bom para você se ela é assim, mas eu me reservo o julgamento até vê-la por mim mesma.

— Ah é? E quando exatamente você estava pensando em vê-la?

— Quando você a trouxer em sua casa para conhecer a família, é claro. – Lauren sorriu e encolheu os ombros por trás do travesseiro ainda envolto em seus braços.

— A família? – Normani gargalhou. — Você está falando de si mesma, ou você esqueceu que eu não tenho nenhuma família?

Lauren zombou.

— É claro que eu estou falando sobre mim. Eu sou a sua família, e assim você é obrigada a trazer essa mulher, Dinah para me conhecer.

Normani suspirou.

— Vamos ver.

[...]

— E é isso?

— O que quer dizer? – Dinah perguntou, franzindo as sobrancelhas. — Foi muito quente.

— Ainda assim. – Ally disse. — Você a tinha em sua cama, e vocês estavam dando uns amassos, e vocês estavam ambas aparentemente tateando uma à outra, para logo em seguida, pararem?

— Existe uma coisa chamada “ir devagar”, Ally. Algumas pessoas preferem ir rápido, outras não.

— Sim, mas-... – Dinah a cortou com um aceno.

— Sei que você queria que eu... – Dinah estalou a sua língua e olhou para a sua melhor amiga com um brilho brincalhão nos olhos. — Mas eu acho que nós duas sabemos que simplesmente eu não sou assim. Não estou dizendo que não vai acontecer ou até mesmo que não vai ser em breve, mas nós apenas acabamos de perceber nossos sentimentos uma pela a outra. Estou realmente feliz que paramos, porque eu-

— O quê? – Allyson teve um pressentimento, ela sabia para onde isso estava indo.

Dinah engoliu e suspirou.

— Eu me importo com ela, mais do que esperava.

— Oh, Dinah. Eu sei que você se importa. – Derretendo, Ally sorriu e resistiu a vontade de bater suas mãos. Sentia-se como um cúpido, um cúpido fodão e inteiramente de sucesso. — E eu sei que ela se preocupa com você também.

— É? – Dinah perguntou. — E como sabe disso?

— Porque ela levantou-se e saiu no meio de uma sessão quente de amassos que facilmente poderia ter lavado a sexo. – Allyson fez um show de ondulação de seu dedo sobre o rosto e o corpo de Dinah. — Eu vi você, ok? Eu estou olhando para você agora, babe. E você é muito deslumbrante para fugir disso.

Dinah corou, com a cabeça abaixando um pouco.

— Sim, ela foi.

— Sim, ela fez isso. – Ally assentiu. — Talvez vocês duas tem mais em comum do que você perceba. Talvez ela é apenas uma garota do tipo levar-as-coisas-devagar. Se sou eu a interpretar suas ações, eu diria que é um sinal claro de que Normani está investindo nisso, para ver o que poderia se desenvolver entre vocês duas.

— É estranho como isso me deixa animada? – Dinah perguntou. — Na verdade, eu mal sei sobre ela, mas me encontro pensando nela o tempo todo.

Allyson sacudiu a cabeça, enquanto apoiou seu cotovelo em seu joelho e acomodou o queixo em sua palma aberta. Ela sorriu para Dinah, seu interior positivamente se contorcendo com empolgação. Esta foi a mais esperançosa, e a mais feliz, Dinah que ela tinha visto em um bom tempo, embora sua melhor amiga obviamente freou tais sentimentos melhor do que a maioria das pessoas. Dinah Jane Hansen não tinha nada senão compostura.

— Não é estranho. – Ela respondeu. — É bom. Você vai a conhecer melhor quanto mais você gastar tempo com ela. Isso é realmente ótimo, você me ouviu? Eu sei que você gosta de pensar demais sobre tudo, mas apenas uma vez, tente não pensar e apenas deixe fluir, ok?

Dinah roía suavemente o canto de seu lábio inferior. Quando ela assentiu, Ally praticamente saltou de alegria.

— Certo. Então temos que planejar um encontro.

— Encontro? – Dinah sussurrou, com os olhos arregalados. — Eu não tinha mesmo pensado sobre isso. Oh meu Deus, Ally, o que diabos devo fazer com Normani em um encontro?

Allyson assistiu os olhos de Dinah voarem de forma constante para trás e por diante, pânico fermentando em sua profundidade.

— Ok, tudo bem. – Ela disse, gesticulando com os seus dedos para Dinah. — Vamos dar uma respirada, ok? Está tudo bem, DJ. É apenas um encontro.

— Sim. – Dinah quebrou-se em desespero, seus joelhos saltando rapidamente em sua mesa. — Um encontro que tem muito pouco em comum comigo! Como é mesmo que nos interessamos uma pela outra? Allyson, eu não tenho a menor ideia de como planejar um encontro com ela. Eu nem sei se ela gostaria de ir em um encontro comigo.

— Agora você está sendo apenas modesta, Dinah. – Ally disse. — Isso não lhe cabe. Vamos voltar para o eu-sou-sexy-e-sei-disso. Ela é divertida, e sabe que de fato que qualquer um teria sorte de sair com você. Normani Hamilton não é diferente.

— Certo. – Dinah disse, limpando sua garganta.

— Ok, trabalhe mais da próxima vez. Esse foi o mais pobre dos votos de autoconfiança que eu já vi. Eu não posso acreditar que isso te abalou. Nada abala você.

— Certo. – Dinah tentou um pouco mais firmemente dessa vez.

— Assim está bem melhor. – Ally sorriu para ela e abriu o aplicativo de notas de seu celular. Ela posicionou seus dedos sobre o teclado assim que ela abriu uma nova nota. — Agora, vamos planejar esse encontro.

[...]

— Merda! – Normani sibilou, deslizando a mão sobre o seu rosto. — Merda!

Lauren bufou e começou a rir.

— Você já disse isso.

— Isso necessita de repetição. Na verdade, eu vou falar novamente. Merda! Merda! Merda! – Normani correu os dedos através de seu próprio cabelo preto impertinente que estava em necessidade desesperada de uma ducha.

— Pelo amor de Deus, Mani! – Lauren gemeu, colocando o travesseiro em seu rosto e suspirando contra ele. — É apenas um encontro! Respire e se acalme. Você está me deixando louca.

— Não é apenas um encontro. – Normani argumentou. — Esse seria como o primeiro encontro, e esse é o mais importante dos encontros ou algo assim. Eu não sei, realmente, mas tem de ser bom, certo? Eu nem sei o que fazer com Dinah. Quer dizer, eu não tenho muito dinheiro, e eu não gostaria que ela pagasse tudo. Você tem que me ajudar, Lauren.

— Certo. Eu ajudo.

— Tudo bem. – Normani disse. — Você acha que ela quer ir em algum lugar chique?

— Acredito que chique é o normal dela. – Lauren disse. — Leve-a para fora do comum.

A expressão de Normani amarrotou-se e Lauren pulou de sua cama para a de Normani. Ela colocou a mão no joelho de sua melhor amiga.

— Ei, não se preocupe, ok? Vamos planejar o encontro perfeito.

— Vamos?

— Definitivamente.

[...]

Dinah estendeu a mão para o seu telefone, enquanto ele vibrava em sua mesa, e ela olhou para baixo na tela. Ela estava completamente alheia ao mundo e como o seu rosto iluminou-se ao ver o nome de Normani e o alerta informando que havia recebido uma mensagem de texto da mulher. Ela estava inteiramente ciente, no entanto, do modo que seu coração tremulava descontroladamente em seu peito, e achou a sensação chocante e maravilhosa demais e completamente terrível ao mesmo tempo. Como ela se apaixonou por Normani assim tão rapidamente?

— É de Normani. – Ela disse em voz baixa, seus dentes mordendo seu lábio inferior, enquanto ela lutou para não sorrir como uma adolescente boba. Ally tinha conseguido acalmá-la de forma significativa e ajudou-a chegar em vários cenários de possíveis encontros. Oh, e elas foram além, até os esquemas de cores de roupas para Dinah em cada um.

Ambas trabalhavam na indústria da moda – era natural.

— Viu?! – Allyson exclamou, rindo. — Ela não está longe de você nem duas horas completas e já está mandando mensagem. Então, novamente, cuidado, porque relacionamentos pegajosos nem sempre são fofos, ok?

— Ah cale a boca. – Dinah disse a ela, acenando com uma mão desconsiderando, enquanto ela tocava para abrir a mensagem. Ally assistiu a alegria pintar o rosto de Dinah. Estava em cada parte de sua expressão. A ligeira mordida de lábios entre os dentes, o puxar para cima nos cantos de sua boca, o brilho cintilando em seus olhos. Ela parecia como se estivesse prestes a explodir, ao mesmo tempo em que estava prestes a derreter-se.

— Oh. – Allyson cantou. — Deve ser uma ótima mensagem. Você está sorrindo como uma boba agora. Uma bela boba que eu amo, mas uma boba, no entanto.

— A sua sagacidade é surpreendente. – Dinah retrucou sem tirar os olhos de seu telefone. Os dedos pairavam sobre as teclas do teclado, como se a simples proximidade pudesse fornecerá a perfeita mensagem para poder responder Normani.

Ally riu com o comentário de Dinah.

— Bom? O que a mensagem diz?

Dinah sorriu suavemente quando ela respondeu:

— Hey.

— O quê? – Allyson perguntou simplesmente, pensando que Dinah de repente, teve um pensamento aleatório e isso foi apenas a introdução de uma mudança de tópico. Dinah, embora, rapidamente sacudiu a cabeça.

— Não. – Dinah disse a ela. — A mensagem diz “Hey”.

— Ah meu Deus! – Ally exclamou, batendo a mão na mesa antes de jogar ambas as mãos para ar. — Eu não posso. – Ela disse, balançando a cabeça e rindo histericamente. — Eu não posso com vocês duas.

Dinah olhou para ela, sua testa franzida em confusão.

— Desculpe? – Ela perguntou. — O que quer dizer com isso?

— Dinah Jane! – Allyson disse rindo ainda mais. — Você está sorrindo de forma como uma pessoa sorri quando recebe um texto de “eu te amo” ou com um texto de “sinto sua falta” ou o inferno que for. Até mesmo um texto sacana, mas tudo que você realmente recebeu foi um simples “hey”.

— E?

— E?! – Ally atirou suas mãos novamente. — E eu vou estar aqui no meu canto assistindo os encantadores arco-íris disparem de seu rosto sem você mesmo perceber. Ah sério, você não se importa comigo, não é mesmo?

— Você está reagindo exageradamente. – Dinah disse a ela, deixando escapar um suspiro e balançando a cabeça.

— Não, você é a única que está reagindo exageradamente aqui. – Ally riu.

Dinah virou seus olhos de volta para a mensagem aberta em seu telefone.

— Eu não vou mais ouvir você, babe.

— É claro que você não vai. – Allyson deu a volta na mesa e se inclinou para olhar a mensagem de uma única palavra, rindo muito de tudo novamente quando leu. — Você vai responder a mensagem ou simplesmente vai deixar seus dedos pairarem sobre o teclado para o resto do dia?

Dinah fez uma careta para a amiga quando ela colocou seus polegares para baixo e rapidamente aproveitando pra escrever uma resposta.

“Olá, baby.”

Em alguns segundos depois o telefone de Dinah vibrou com uma nova mensagem da babá, ambas, ela e Ally, passaram aquele momento simplesmente olhando para a tela de seu telefone.

“Então, peço desculpas por estar atrapalhando você no trabalho, mas eu estava pensando e você pode totalmente dizer não, porque eu definitivamente entenderia se caso dissesse que não e tudo mais. E não é um grande problema se fizer isso, mas estava pensando se talvez você gostaria de...Sair em um encontro comigo?"

— Wow. – Ally arrastou as palavras, assobiando enquanto ela lia a mensagem de Normani. — Muito nervosa?

— A mensagem é bastante enrolada. – Dinah concordou, rindo levemente e sentindo-se um pouco melhor. — E também um pouco estranha, considerando a pequena conversa que nós acabamos de ter.

— Eu sei. – Allyson disse. Ela, em seguida, olhou ao redor da sala e estreitou os olhos. — Talvez ela tenha colocado escutas em seu escritório. Eu lhe disse, Dinah. Você tem que tomar cuidado com pessoas pegajosas. Lembre-se daquela vez...

Isso causou uma verdadeira risada na loira. Ela deu um tapa na coxa de Allyson e sacudiu a cabeça.

— Você é ridícula.

— E eternamente sábia. – Ally adicionou. — Então, o que vai dizer?

— Eu não sei. – Dinah disse a ela. — Eu suponho que um simples “sim” seria aceitável.

Ally deu de ombros e as duas mulheres voltaram a olhar para o telefone, enquanto Dinah digitava a sua única resposta. Quase instantaneamente, seu telefone vibrou.

“ Ótimo! Isso é bom. Obrigada.”

Dinah não pôde deixar de sorrir, um sorriso que foi crescendo e se tornando ainda mais amplo em seus lábios com o passar dos segundos. Ela achou Normani inegavelmente adorável, e as novas emoções passando por seu corpo foram terríveis e emocionantes, para não mencionar positivamente viciantes.

“Obrigada você.”

“Sem problemas”. Veio logo em seguida, a resposta de Normani. “Bem, eu estava pensando...Podíamos levar Tanner ao Jardim zoológico”.

Ambas as sobrancelhas de Allyson e Dinah franziram com isso.

“Para o nosso encontro?” Dinah digitou de volta rapidamente.

“Sim, se estiver tudo bem. Eu pensei que poderia ser bom fazer algo nós três para o nosso primeiro encontro...Não que eu esteja presumindo que haverá um segundo encontro, mas sim...Isso é sem noção? Merda, é totalmente sem noção.”

Dinah inspirou profundamente com a resposta. Ela não podia explicar isso, mas achou o raciocínio de Normani de alguma forma perfeitamente romântico. Normani queria incluir Tanner, e isso significa muito mais para Dinah do que ela poderia colocar em palavras adequadamente. Ela hesitou apenas um momento, antes de enviar de volta a sua resposta.

“É perfeito”.


Notas Finais


Posso falar? Eu estou amando postar essa fanfic pra vocês, ela é simplesmente muito fofa AAA, amo o jeito de cada personagem, é isto. Para não perder o costume: Comentem, amo ver vocês interagindo com fanfic e também por estarem gostando da estória assim como eu estou adorando adaptar, enfim.
Também queria desejar feliz aniversário para @dinahgrey eu vi o comentário no capítulo anterior e era o aniversário dela, certo?! Então parabéns more, tudo de bom na sua vida, e o capítulo é especialmente para o seu aniversário, espero que não só ela como todas vocês aproveitem muito. 🎉🎂💙 PS: Erros corrijo depois pois como sempre não revisei.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...