1. Spirit Fanfics >
  2. Wronged. - Fillie. >
  3. Fifteen.

História Wronged. - Fillie. - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


música do cap: Happy - Marina

boa leitura 💖

Capítulo 16 - Fifteen.


— Quer ir em algum lugar? - Finn perguntou assim que deu partida no carro.

Eu pensei por um tempo.

— Para sua casa.

Provavelmente quando eu chegasse em casa meus pais iam continuar me enchendo o saco por conta da festa.

Finn balançou a cabeça concordando e então fomos em direção à ce.

No rádio, tocava uma música calma e lenta, eu quase peguei no sono.

Depois de cinco minutos chegamos na frente do prédio e subimos logo, porque agora estava começando a garoar.

Finn abriu a porta da casa pra mim e eu entrei, recebendo um ar quentinho de dentro do apartamento.

tirei meu moletom e coloquei no mancebo, peguei meu celular e avisei meus pais que eu iria demorar, aproveitei, criei um grupo com as pessoas que eu chamaria para a festa e mandei o convite por lá mesmo.

O celular do Finn vibrou e ele pegou para olhar.

— Hm, que lugar chique. - Ele disse olhando a localização da festa.

Eu revirei os olhos e sorri, me apoiando no braço do sofá.

Ele se aproximou de mim e colocou as mãos na minha cintura.

— Quer comer alguma coisa? - Ele perguntou e me deu um selinho.

— Pede uma pizza. - Eu pedi e ele concordou com a cabeça.

Ele me deu mais um selinho, depois adentrou com a língua na minha boca, eu senti gosto de menta.

Sua mão subiu para a minha nuca enquanto ele aprofundava o beijo, minha língua rodeou a dele com delicadeza quando ele se afastou e juntou nossas testas, nossas respirações se misturavam e seu olhos estavam vidrados nos meus, depois ele fechou os olhos e recuperou a respiração.

Ficamos assim por quase dois minutos, até ele colocar a cabeça na dobra do meu pescoço e me puxar para um abraço.

Seus braços apertavam minha cintura e minhas mãos estavam em volta do seu pescoço, ele se afastou me deu um selinho e sorriu.

— Eu vou pedir a pizza, já volto. - Ele se afastou e foi até a cozinhar.

Me sentei no sofá e fui ver se minha mãe já tinha respondido.

"OK. Você precisa estar em casa amanhã às 10h00, beijos."

Concordei e me despedi dela.

Finn voltou da cozinha e se sentou ao meu lado, ligando a televisão.

— Eu posso dormir aqui? - Perguntei.

— Claro. - Ele respondeu. — Mas, e amanhã? 

— Meus pais falaram que eu tenho que estar em casa às 10h00.

— Então eu te levo lá amanhã.

Sorri e dei um selinho nele.

— Onde é o seu quarto? - Eu perguntei sorrindo.

Ele me devolveu um sorriso malicioso.

— Nossa, Millie, você me conhece há um mês e já quer ir para o meu quarto? - Ele riu e eu dei um tapa no braço dele.

— Não, seu idiota, eu só quero uma camisa emprestada.

— Sei. - Ele riu e pegou na minha mão, se levantando e me levando até um corredor, com duas portas, entramos na última, era o quarto dele.

Tinha uma cama encostada na parede, um guarda-roupas na frente, e uma escrivaninha com um notebook e alguns papéis em cima.

Finn abriu o guarda-roupas para mim.

— Pode escolher o que você quiser.

— Valeu. - Eu me aproximei e comecei olhar as camisas, a maioria era preta, tinha algumas cinzas e poucas brancas.

Peguei uma totalmente preta, e a maior que tinha já que eu ia ficar de calcinha.

Mostrei para ele.

— Pode ser essa? - Perguntei.

— Uhum. - Ele sentou na cama e olhou para mim.

— Você vai ficar aqui? - Eu perguntei. Eu ia me trocar na frente dele?

— Vou. - Ele respondeu desafiador.

— Tá bom. - Eu concordei nervosa e coloquei a camisa dele sobre a cama.

Desamarrei os cadarços dos meus tênis e tirei eles dos meus pés, depois desabotoei os botões da minha calça jeans olhando para ele e tirei ele do meu corpo.

Eu tava com uma calcinha totalmente preta, simples.

Depois tirei minha camisa, ficando só de calcinha e sutiã, que era também preto com uma renda simples.

Peguei a camisa dele e me virei, ficando de costas para ele, e tirei o meu sutiã, jogando no chão, depois coloquei a camisa dele e me virei de frente para ele novamente, sorrindo.

Finn se levantou e veio até mim, levando uma mão até o meu pescoço e se aproximando para me beijar, de um jeito mais selvagem do que eu tava acostumada, isso fez eu me arrepiar.

Ele colocou a mão dele um pouco mais para baixo da minha bunda e foi subindo a mão, por dentro da camisa, até chegar nas minhas costas.

Ele estava me beijando de um jeito totalmente diferente de todas as outras vezes que ele já me beijou, sua mão direita puxava de leve o meu cabelo e sua mão esquerda pressionava minhas costas e às vezes descia mais do que devia.

Ele mordeu meu lábio e depois separou nossos rostos, sua respiração descompassada foi se ajustando aos poucos, como a minha.

— Eu... Tenho que tomar banho. - Ele disse ofegante, tirou uma mecha do meu cabelo da frente da orelha e saiu do quarto.

Uau. 

Me sentei na cama e recuperei o fôlego.

Ouvi a campainha tocar, acho que era a pizza, peguei meu cartão de crédito no bolso da calça e fui até a porta.

— Uma pizza de calabresa e uma fanta uva? - Perguntou o entregador

— É aqui mesmo.

Paguei e depois levei tudo até à mesa, sentei no sofá e fiquei esperando o Finn sair.

Depois de sair do banheiro ele foi até o quarto, e depois voltou, com uma calça de moletom cinza, uma camisa branca e uma toalha azul em volta do pescoço, já que seus cabelos estavam molhados e pingando água.

Enquanto eu tava com a camisa preta dele e uma meia rosa que chegava quase até o meu joelho.

— A pizza chegou. - Eu falei.

— Ah, é? - Ele perguntou.

— Aham.

— E você pagou?

— Sim.

— Millie! Era para eu ter pago. - Ele disse. 

— Não tem problema. - Eu ri. — Eu sou a visita.

— E é exatamente por isso que eu que tinha que te pagar.

— Então depois você me recompensa. - Eu pisquei para ele, me levantei e peguei na mão dele. — Agora, vamos comer. - E levei ele até a mesa.

Comemos a pizza e conversamos um pouco sobre a minha festa amanhã.

— Droga, eu tô sem escova de dente. - Lembrei depois de terminar de comer a pizza.

— Acho que eu tenho uma fechada lá no armário do banheiro, pode ir lá ver. - Finn falou enquanto recolhia os pratos e colocava na pia.

Levantei e fui em direção ao banheiro, que ainda estava meio quente levando em consideração que Finn havia acabado de sair, abri a porta do armário e vi alguns perfumes, alguns cremes, uma escova de dente e uma pasta de dente.

Abri a gaveta e vi um pacote com duas escovas fechadas, peguei uma e escovei meus dentes, depois coloquei-a junto da do Finn.

Voltei para a sala e Finn estava desligando a televisão, acho que a gente já ia dormir.

— Quer ir dormir agora? - Finn perguntou e eu disse sim com a cabeça.

— Vai indo, eu só vou usar o banheiro e já vou. - Eu disse para ele.

Depois de usar o banheiro, eu estava lavando minhas mãos quando ouvi Finn dizer:

— Vem logo, amor.

Ele me chamou de amor? Meu coração pulou duas batidas.

Terminei de secar as mãos e sai do banheiro, entrando no quarto, Finn estava deitado na cama mexendo no celular, quando ele viu que eu cheguei ele colocou o celular do lado dele.

— Do que que você chamou? - Eu perguntei me deitando junto com ele.

— De amor, ué. - Ele disse como se fosse completamente normal.

Eu dei risada, meio nervosa.

— Você não gostou? - Ele perguntou.

— Eu gostei, sim. - Eu me aproximei e dei um selinho nele.

Ele segurou meu rosto com as duas mãos e arrumou meu cabelo para trás da orelha, adorava quando ele fazia isso.

Ele se aproximou e adentrou com a língua dentro da minha boca, tudo começou lento mas ele começou a aprofundar o beijo, minha mão puxava seus cachos levemente.

Sua mão foi parar na minha coxa, ele pressionou para me puxar e colocar minha perna em cima dele, e eu acabei ficando com uma perna para cada lado do corpo dele.

Continuamos a nos beijar, igual mais cedo, ele mordeu meu lábio e sua mão procurou pela minha bunda.

Eu senti ele rígido por baixo de mim e dei risada.

Ele separou nossas bocas e segurando a risada ele pediu desculpas.

Eu balancei a cabeça.

Voltamos a nos beijar, sua mão, que estava na minha bunda, por cima da camisa, desceu e subiu de novo, mas dessa vez por cima da camisa.

— Eu posso tirar sua camisa? - Ele perguntou ofegante.

Eu disse sim com a cabeça, antes de pensar um pouco.

Eu tava só com a calcinha por baixo da camisa dele.

Eu estava de joelhos sobre ele, quando ele colocou as duas mãos na barra da camisa e foi subindo ela, até ela estar completamente fora do meu corpo.

Eu me sentia estranhamente confortável com ele.

Ele olhou para os meus seios, e depois para os meus olhos, ele segurou o meu rosto e se aproximou me beijando, lentamente dessa vez, finalizando com alguns selinhos no final.

Ele beijou o meu queixo, e espalhou alguns beijos pelo meu pescoço até chegar nos meus peitos.

Eu levei a minha mão para o cabelo dele.

Ele lambeu devagar meu peito esquerdo, o que fez todos os meus pelos arrepiarem.

 Enquanto ele chupava um dos meus peitos, a sua mão foi descendo até a minha calcinha, e ainda por cima do tecido ele começou a me tocar.

Eu soltei um gemido, mais pela surpresa.

— Calma. - Ele disse e riu, depois voltou a me beijar.

E sua mão voltou a tocar meu clitóris.

Em um movimento rápido ele nos inverteu de posição, me deixando deitada por baixo dele.

Finn me beijava no pescoço quando sua mão entrou dentro da minha calcinha e rapidamente encontrou meu ponto, começando a me estimular.

Eu gemi mais uma vez, baixinho.

Ele tirou a boca da minha pele e se afastou um pouco para me observar, seus dedos dedos estavam ágeis e sua boca estava aberta, como se ele estivesse excitado com o meu prazer.

Um dedo dele deslizou para dentro de mim e eu fechei os olhos.

Seu dedo saía e entrava de mim lentamente, era quase uma tortura, de tão bom.

Ele se aproximou do meu ouvido e sussurrou:

— Tá gostoso?

Eu balancei a cabeça para cima e para baixo porque acho que eu não ia conseguir falar.

— Então fala para mim. - Ele pediu e mordeu meu lóbulo.

— Tá... Gostoso... - Eu falei num fio de voz que me restava.

Ele começou a ir mais rápido, entrando e saindo.

— Então goza para mim, Millie.

Aquilo foi minha perdição, ele entrou mais duas vezes e eu gozei na mão dele.

Ele tirou o dedo de dentro de mim e levou até a minha boca, eu segurei e chupei o dedo dele, quando eu terminei ele se aproximou e me beijou.

E depois dormimos abraçados mais uma vez.


Notas Finais


gente capítulo gigante, compensei hein.

até mais 😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...