História Xeque-mate do dia 31 de Outubro. (Greendale -Interativa). - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Ashley Olsen, Mary-Kate Olsen, Riverdale, Timothée Chalamet
Personagens Alice Cooper, Ashley Olsen, Elizabeth "Betty" Cooper, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Hal Cooper, Mary-Kate Olsen, Personagens Originais, Polly Cooper, Timothée Chalamet, Xerife Keller
Visualizações 15
Palavras 2.109
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, LGBT, Luta, Mistério, Policial, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esse é um capítulo que vai falar mais sobre o Cameron, o próximo será do memorial e o próximo já será na escola, então... O tempo está acabando para a entrega de fichas! Enfim... Boa leituraa ❤

Aparência da Fallonie
https://pin.it/cqznoalvlmsgno

Capítulo 4 - Uma volta ao passado.


Fanfic / Fanfiction Xeque-mate do dia 31 de Outubro. (Greendale -Interativa). - Capítulo 4 - Uma volta ao passado.

O dia do memorial havia chegado, poucas pessoas tiveram medo de ir até lá, a festa mais estranha para comemorar o aniversário de duas recentes falecidas bombou. Eles deviam pensar que Tracy e Tessa gostariam daquilo, já que nenhuma de suas festas foram um fracasso, com elas mortas não foi diferente... Mas isso aumentava a lista de suspeitos dos policiais de Greendale, já que havia pessoas felizes até demais nessa festa, talvez fosse por causa da bebida ou... Pelo trágico acontecido na noite de 31 de Outubro.

Betty e Jughead foram para o memorial, o resultado da autopsia já estava para sair. Cameron ficou em casa, de olho no notebook da mãe, para depois mandar mensagem para a loira avisando sobre o resultado, para que o casal de jornalistas mais uma vez fizessem uma entrevista com a família Morgan. A família misteriosa, que de repente virou sinistra. 

Cameron estava sentado no sofá, com uma xícara de café na mão, o garoto amava café e logo aproveitou a ausência de seus pais para fumar, aquele era um recente vício do jovem Cooper Jones. Aquela espera toda o deixava ansioso, ele queria saber o resultado, para continuar a escrever e a investigar, mas o que ele recebeu antes disso, o deixou incrédulo.

Betty havia acabado de receber um convite de casamento por e-mail, enviado pela família López e o noivo era o filho do casal; Edward López.

Cameron:— Mas que tipo de brincadeira é essa! — O garoto exclama desacreditado aproximando seu rosto da tela do notebook, para reler o convite, deixando a xícara encima da mesinha de centro da sala.

Edward era seu melhor amigo, eles também tiveram um caso, o que ambos sentiam foi além de só amizade. Cameron era o único que ainda estudava, Edward era um pouco mais velho e diferente do mais novo, era muito indeciso, não sabia o que fazer da vida. Cameron sempre tentava o ajudar supondo idéias, mas Edward nem dava muita atenção, ele sabia que no final teria que fazer o que seus pais queriam e distraía Cameron o levando para a cama, o mais novo inocente, nem percebeu que era só um passatempo.

Cameron agora está no 4° bimestre do seu  2° ano do ensino médio, mas pelo 1° semestre, quando ele ainda morava em Riverdale e tinha contato com Edward, seu companheiro começou a agir estranho e um acidente foi provocado, causando a morte de Edward. Foi essa história que foi contada a Cameron, que nunca mais viu o loiro depois disso e nem entrou em noticiários das redes sociais. Ele tentou seguir a sua vida em Riverdale, tentou agir normalmente, mas em cada canto da cidade, tinha uma lembrança de Edward e aquilo o afetava muito.

Durante muitas noites, seu travesseiro ficava molhado por conta das lágrimas de dor e saudade, Cameron nem conseguia dormir, só tinha pesadelos com o tal acidente de carro que levou a morte do seu amado. Ele só queria evitar tudo em relação a esse acidente, ele nem lia os jornais que chegavam em sua casa, por isso não percebeu que não havia acontecido nenhum acidente grave daqueles em Riverdale e não percebeu que o acidente era falso, uma mentira. 

Betty e Jughead não mudaram para Greendale, porque nessa cidade tinha um ensino melhor e sim... Porque Cameron precisava recomeçar e esquecer desse passado, que fazia mau a ele. A mudança deu certo, Cameron não chorava mais, dormia tranquilamente a noite e entendia que a morte era algo inevitável, é normal ficar em luto, mas acabar com sua vida por causa que perdeu alguém querido, não. A vida tinha que continuar e ela continuou para Cameron, ele só viu a morte de frente com o acontecido com as irmãs Morgan e agora ele via toda a verdade sobre seu passado no notebook de sua mãe.

Cameron:— "Por isso foi melhor mentir, dessa forma deve ter sido menos dolorosa para seu filho e até para o meu, que agora encontrou a felicidade e será pai. O convite só foi para provar o que eu disse no nosso acordo, não devem comparecer". — Ele lê a mensagem que é enviada logo em seguida, pela mãe de Edward. 

Nesse momento, Cameron se sentiu enganado, apunhalado por só ter recebido facadas como mentiras nas costas e não a verdade e foi nessa hora que ele decidiu que sempre encararia tudo de frente, por mais doloroso que fosse, sempre buscaria mais informações, buscaria a verdade caso desconfiasse de algo, caso a história esteja mau contada.

{•••}

Edward com seus 20 anos, caminhando pela cidade de Riverdale, só faz uma pausa ao sentir seu celular vibrar, recebendo uma mensagem ameaçadora e anônima. O anônimo pedia para o encontrar próximo ao Pop's e Edward foi.

Cameron com seus 16 anos, saía da cidade de Greendale, seguindo para Riverdale com a lista telefônica da cidade na mão, encontrando o número de Edward e o enganando com uma mensagem anônima, precisava o ver. Quando Cameron chega na cidade, ele vai até o Pop's e encontra com Edward lá na porta.

Cameron:— Isso foi burrice, se encontrar sozinho com um estranho que te fez uma ameaça. — O mais novo diz se aproximando dando passos lentos.

Edward:— Cameron? O que está fazendo aqui? — Ele olha surpreso para o garoto. — Foi você quem mandou a mensagem? — Ele começa a se afastar assustado.

Cameron:— Pela sua sorte, sim. Não é porque eu vim de uma família que formou um serial Killer que deve ter medo de mim. — Ele sorri e logo joga seu cigarro fora. — Nos conhecemos bem Edward, eu quem devia ter medo de você, que morreu em um acidente e ressuscitou noivo. — Fala sério o olhando nos olhos. — Forjaram bem a sua morte, usando de outro acidente que havia acontecido naquela época, mas quando você iria me mandar um sinal de vida? Independente de tudo, éramos melhores amigos!

Edward:— Eu não podia, foi melhor assim Cameron, foi o acordo dos nossos pais, eu havia concordado, não podia os trair assim. — Fala olhando de volta nos olhos do mais novo.

Cameron:— E o traído da história, fui eu. — Dá um pequeno sorriso colocando suas mãos no bolso de sua calça.

Edward:— Eu sinto muito, mas eu precisava manter distância, você precisa manter distância, vai ser melhor para nós dois. Eu estou formando uma família e você está em outra cidade, estamos seguindo com nossas vidas, então... Não me procura mais Cameron. — Fala evitando olhar nos olhos do garoto a sua frente.

Cameron:— Tudo bem. — Fala simples fazendo o loiro o encarar. — Mesmo que eu já tivesse superado, é bom saber que está vivo e já que me quer longe, vai ser normal saber que vai continuar morto pra mim. — Ele fala pegando outro cigarro, logo o acende. — Ah, e só mais uma coisinha... Seja um bom pai para o seu filho Edward, não tente ser amigo dele, porque você é péssimo como melhor amigo. — Fala olhando nos olhos do loiro, logo acena e saí andando.

Edward ficou sem reação, mas logo se desculpou novamente, Cameron não se virou, continuou andando de costas para o mesmo que ainda tentava se redimir.

Cameron:— Vai á merda. — Ainda de costas para Edward, o garoto apenas mostra o dedo e continua seguindo para a rodoviária, para pegar um ônibus e voltar para Greendale.

Alguns devem ter pensado, que Cameron sairia chorando depois de se encontrar com o López, mas ele saiu sorrindo. Edward já havia tirado muito de suas lágrimas, por muito tempo e Cameron só queria deixar claro o quanto ele era um idiota, era isso que estava entalado em sua garganta.

Agora o garoto pensava no que falaria para seus pais, enquanto soltava fumaça pela boca parado na rodoviária esperando o ônibus, pensando também no porque não havia pegado o carro dos seus pais na garagem e ter vindo com ele, seria mais rápido assim.

{•••} 

Cameron não volta para a casa com as mãos abanando, ele aproveitou que estava em Riverdale e que o ônibus iria demorar e voltou ao Pop's para comprar um lanche e o famoso Milk shake. Ele chega na porta de sua casa e vê sua prima, Fallonie Del Carla Topaz Blossom. A garota de cabelos claros, que foram pintados, já que Cheryl e Toni possuem o cabelo em um tom mais escuro. Ela nasceu de Cheryl Blossom, o que todos acharam inacreditável, mas não é, se pensar pelo lado que tem jeito de um esperma ser colocado em um ovário e a mulher gerar um filho sem precisar transar com um homem. Toni fez a mesma operação, tendo um menino, Frederico. Mas o garoto morreu novo por conta de uma doença.

Fallonie:— Deixar as pessoas esperando já é ruim, agora me deixar esperando Cameron... É péssimo. — Ela se levanta de braços cruzados o olhando.

Cameron:— Não me avisou que viria. Aceita? — Ele a oferece um Milk shake indo até ela ficando ao seu lado.

Fallonie:— Eu mandei mensagem, você que não viu. — Ela responde pegando o Milk shake e bebendo só um pouco. — Não quero engordar, toma. — Ela devolve o Milk shake para o seu primo.

Cameron:— Você está ótima Fall, seu corpo não vai mudar do dia pra noite se tomar um Milk shake de cereja. — Ele fala abrindo a porta de sua casa e logo os dois entram para dentro.

Fallonie:— Até porque eu não deixaria isso acontecer, mesmo se fosse possível. — Ela sorri e logo pega o Milk shake de volta. — Como foi em Riverdale? — Ela pergunta por ter notado as sacolas e o Milk shake do Pop's.

Cameron:— Ao mesmo tempo que foi novidade, não foi. — Ele responde dando um pequeno sorriso e logo se joga no sofá.

Fallonie:— E o que foi fazer lá? — Ela também se senta em um dos sofás, cruzando as suas pernas observando seu primo.

Cameron:— Resolver coisas do passado. — Ele responde mexendo em seu próprio cabelo, o ajeitando.

Fallonie:— A morte do seu amigo? Não me diga que vai tentar desvendar isso também? Ele morreu em um acidente, a muito tempo. — Ela fala erguendo uma sobrancelha.

Cameron:— Ele não morreu, ele está vivo, foi tudo uma grande farsa. — Ele conta cerrando os dentes.

Fallonie e Cameron eram o braço direito um do outro, primos que eram amigos e que já até ficaram em algumas festas que voltaram juntos bêbados. Fallonie já foi presa injustamente no passado, quando toda a cidade estava contra ela, apenas sua família ficou do seu lado, principalmente Cameron, ele junto com seus pais até conseguiu descobrir quem era o verdadeiro assassino e libertar sua prima daquela prisão.

Fallonie:— Agora eu estou surpresa. — A Blossom fala arregalando os olhos por um momento. — Achei um milagre você não ter ido até o memorial.

Cameron:— Eu não fui porque eu iria ver o resultado da autopsia para falar para a minha mãe e ela entrevistar a família das falecidas no memorial. — Ao falar isso lembrou do que tinha que fazer e pegou novamente o notebook da mãe, o colocando em seu colo. — É, realmente já saiu.

Fallonie:— Mesmo eu tendo medo dessas coisas, também tenho curiosidade. — Ela se levanta e se senta ao lado de seu primo para ver o resultado junto com ele.

Cameron:— Nossa... — Murmura ao começar a ler o resultado. — Tracy tinha marcas de mordidas e arranhados pelo corpo.

Fallonie:— Ela pode ter transado com alguém. — Comenta dando de ombros.

Cameron:— Não acho o mesmo e também acho que você não vai querer ver as fotos. — Fala olhando para a mesma e logo volta a olhar para a tela do notebook. — As marcas das mordidas estavam fortes e os arranhados também, ao ponto de parecer a sua carne, isso pode ser uma forma de tortura, alguém pode ter feito isso com ela antes de decapita lá. 

Fallonie:— E a outra irmã? 

Cameron:— Levou facadas, os cortes não foram feitos por ela, foram profundos e foram feitos em lugares variados, com certeza ela foi atacada. A morte de Tessa pode ter sido um suicídio, ela estava sendo perseguida e ela pode ter visto a irmã morta e não aguentou, se matou logo em seguida. — Ele comenta pensativo, supondo situações.

Fallonie:— Parece que Riverdale e Greendale não são tão diferentes assim. — Comenta olhando para seu primo que a olha de volta e logo os dois mandam o resultado para Betty e Jughead.

Cameron:— Os Morgan tem muito o explicar. 




Notas Finais


Espero que tenham gostado! ❤ até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...