1. Spirit Fanfics >
  2. Yacht from Paradise >
  3. Couples and Sex

História Yacht from Paradise - Capítulo 5



Capítulo 5 - Couples and Sex


– Parece um pouco cabisbaixo. – Giselle se aproximou de Jackson, que estava em um sofá, bebendo. Ele observava a movimentação; pessoas indo e vindo, como Cristal, Giovanna e Julia indo para o elevador, vendo Andressa e Youngjae descendo das escadas para aproveitarem a festa, que particularmente, ele já achava chata.

– Digamos que foi um fora… – ele disse, a olhando e arqueando uma sobrancelha.

– Levou um fora da Tina? – ela perguntou e ele deu uma risadinha.

– Não… Exatamente. – ele riu novamente e encarou os peitos de Gi, levantando uma sobrancelha e apontando com a mão que segurava sua latinha de cerveja. – Belos peitos.

– Você é realmente um ótimo cavalheiro. – ela ironizou e ele a olhou de canto de olho.

– Você nem faz ideia. – lambeu os lábios. – Principalmente na cama.

– Achei que você era do tipo bruto.

– Estava me imaginando te fodendo, amor? – o tom na voz de Jack era mais baixo e sexy, deixando sua voz naturalmente rouca ainda mais gostosa de ouvir, fazendo Gi apertar as pernas.

– Você é tão convencido. – ela revirou os olhos. – Não sei se você sabe, mas as mulheres comentam dos homens na cama, e eu tive uma ótima conversa com Júlia hoje.

– Falaram de mim? – perguntou e a outra assentiu, vendo um sorriso torto brotar nos lábios de Jackson. – E por isso a conversa foi ótima?

Ela estreitou os olhos e respirou fundo.

– Tenho certeza que seu ego é maior que sua capacidade. 

– Tem uma coisa no meio de minhas pernas que é bem maior que os dois, amor.

Ela respirou fundo novamente e revirou os olhos. Não sabia que o egocentrismo dele a tiraria do sério, mas o que ele fez em seguida a deixou mais excitada do que irritada em si.

Wang se aproximou dela, levando a mão ao pescoço, segurando com firmeza, mas sem apertar, e sussurrou em seu ouvido: 

– Se for para revirar os olhos, que seja porque eu vou chupar sua buceta tão gostoso que você vai gritar meu nome e implorar que eu enfie com força meus dedos e logo em seguida meu pau enquanto você pinga de tesão. – deu uma risadinha e mordeu o lóbulo da orelha dela, se afastando em seguida.

– Homem que se gaba demais, acaba sendo um merda na cama. – ela disse, com a voz um pouco afetada por já estar com vontade de dar ‘praquele homem gostoso a sua frente. Gostoso e altamente convencido. 

– Você disse que teve uma ótima conversa com a Júlia hoje. Ela deve ter te contado o que eu posso fazer com uma mulher. E se ela não for o suficiente, pergunta pra Tina ou pra Sica. – riu, se levantando. – Se mudar de ideia, estarei no meu quarto, apenas de cueca, te esperando. – piscou e saiu dali, entrando no elevador e estendendo a latinha de cerveja como um brinde para ela, que suspirou e pensou sobre a proposta.

– Eu sou um pouco xereta… – Giselle escutou a voz de Jessica atrás de si e se virou para olhá-la. A mais nova se apoiou no sofá e deu um sorriso safado para a mulher. – E peço desculpas, mas não me contive. Escutei boa parte da conversa e… Se eu fosse você eu esperava uns… Cinco minutos. – Olhou para seu braço, mas ali não tinha um relógio, o que fez a mais velha rir. – O prazo dele estar se tocando por cima da cueca. – ela sorriu novamente, ainda mais safada. – O Jack… É… Ele é convencido mesmo, mas é porque ele sabe que é bom, ele sabe que faz bem. Qualquer uma que transar com aquele filho da puta, galinha e desgraçado, sabe disso. – piscou e mandou beijo, saindo dali.

Determinada, Gi se levantou na mesma hora e rumou para o bar, esperando o tempo que Sica havia lhe falado, para então terminar seu drink de morango e subir escada acima, indo para o quarto 28, que era onde Jackson dormia.

– Que demora! – ele reclamou, se deitando na cama, apenas de cueca, ostentando uma bela e grande bunda e uma… Uma bela ereção… Uma bela e grande ereção entre suas pernas. – Que foi? Veio só admirar ou quer que eu te mostre o que eu posso fazer com sua buceta?





Jessica e Mark estavam conversando há muito tempo e ela queria muito mais do que isso, então foi até a pista de dança para provocar o americano, fazendo movimentos sensuais e levantando o vestido lentamente até um pouco acima das coxas, olhando para Mark, que bebia seu drink. Ele se sentia muito tentado pelo corpo e sensualidade da moça.

Ela era um conjunto de perfeição; os olhos escuros estavam bem ressaltados com um delineado mais grosso, deixando-a com um olhar felino. A maquiagem bem produzida, destacando também os lábios carnudos da morena com um batom vinho em uma cor terrosa, o que fez Tuan suspirar ao vê-la mordendo o lábio inferior. Aquele corpo… Ele queria ver o que ela tinha debaixo daquele vestido rosa. Por ser branquinha com o lábio rosado, ele imaginava que os biquinhos de seus pequenos peitos eram tão rosadinhos quanto sua boquinha. A barriga chapada de anos de academia, a bunda farta e as coxas...

Ele não queria furar o olho de Jinyoung, mas Jessica era tão atraente e sexy, que ele tentou conter seu "remorso" pensando que ela era uma mulher solteira que fazia o que bem queria. 

E se tratando do que aconteceu nos últimos dias, se ele quisesse mesmo ficar Jessica, teria assumido algo com ela, ao invés de falar para todos que gostava muito dela e que não tinha outra garota no mundo que ele gostasse tanto, mas que na primeira oportunidade que teve, pegou a melhor amiga da morena, que no momento, Mark sentia certa raiva de Tina, por ter o ameaçado mais cedo.

– Achei que não viria dançar comigo. – ela disse quando o moreno se aproximou de si e mordeu o lábio, colocando os braços em volta do pescoço de Tuan, que colocou as mãos em sua cintura e olhou em seus olhos sem dizer uma palavra. – O que foi? – ela deu um sorriso com humor. – O gato comeu a sua língua?

– Sou um homem de poucas palavras, Sica. – ele a olhou sério, mas logo sorriu. – Eu tô apenas pensando. – disse calmamente, enquanto dançava com a garota.

– Poderia saber no quê, ou em quem? – ela sorria marota.

Mark se aproximou do seu ouvido e sussurrou as palavras ali, na voz mais grave e rouca que podia:

– Estou pensando… – suspirou, sentindo a morena se arrepiar. – Nas diversas formas que vou foder essa sua bucetinha. – Jessica sentiu uma pontada brusca em seu interior e a calcinha molhar. Puxou o rosto de Mark para olhá-la e deu um sorriso safado, beijando Tuan em seguida, agarrando os fios de sua nuca, puxando-o para si.

Os lábios carnudos de Mark eram gostosos demais de puxar entre os dentes, mas o que ela adorou no meio do beijo, foi a mão grande entre seus cabelos, puxando-os levemente. Jessica arfou, jogando a cabeça para trás, ato que fez Tuan beijar seu pescoço e subir algumas mordidas, sussurrando novamente em seu ouvido:

– Vem comigo.

Mark pegou Jéssica pela mão e a levou até o elevador. Os dois ficaram olhando um para o outro por poucos segundos e sem se conterem, Tuan se aproximou da jovem e a puxou pela cintura, a prensando contra o espelho e começaram a se pegar ali mesmo, com direito a uma mão boba do americano na bunda da menor, que apalpou com o maior prazer que tinha, ouvindo Sica gemer baixinho e abafado pelo beijo.

Assim que o elevador se abriu, Mark puxou Jessica sem pressa alguma em direção ao seu quarto, e ao entrarem ali, o mais velho trancou a porta.

– Belo quarto, Tuan. – ela disse, olhando ao redor. – Não pensei que você fosse tão organizado.

– Vai ficar admirando meu quarto ou...

Ele se aproximou de Jessica, a abraçando por trás. – … Podemos continuar nossa brincadeira? – disse, no tom mais safado que tinha, apertando os seios da mais nova por cima do vestido.

– Não te incomoda seios tão pequenos? – ela perguntou, meio receosa.

Sica poderia ser a mulher mais confiante do mundo, se não fosse pelos seus peitos. Recusava a pôr silicone, porque queria que seus peitos fossem grandes naturais. Tentou engordar para tirar a gordura e pôr nos seios, mas… Ela simplesmente não conseguia engordar.

– E por que me incomodaria com seus seios pequenos? São lindos. – ele deu um beijo no pescoço da garota, roçando sua barba por fazer ali, a fazendo arfar. 

– Bom, é que… – ela disse com dificuldade, suspirando. – Você nunca viu…

– Sica, você toda é linda e gostosa. – ele abriu o zíper de seu vestido. – Não preciso ver nada para saber. – ele tirou o vestido da mulher e puxou seu quadril para colar seu corpo no dele, apertando novamente os pequenos seios e beijando o pescoço da morena. Ela não se aguentou e acabou rebolando contra o pau duro de Tuan, que a pegou pela cintura apertando com força, fazendo-a dar um pulinho e gemer. – Você tem muita energia, garota.

– É a idade. – ela riu, tombando a cabeça para trás. – Alguém aqui tem que ser novo o suficiente pra perder energia, não é? – disse baixo e rouca, apertando o pau de Mark com vontade, o que fez com que ele gemesse e puxasse o ar pelos dentes.

– Será que depois que eu acabar com você, vai continuar me provocando assim? – disse contra o ouvido de Jessica, que sorriu.


– O que pretende fazer? Me bater? Me amarrar? – ela riu, deixando o americano arrepiado. – Eu adoro tudo isso.

Sem aviso algum, a morena foi jogada em cima da cama e Mark virou-se olhando ela ali a sua mercê. Observou agora os seios pequeninos da mulher, percebendo que o que ele pensava dos peitos dela, eram muito pouco para aquela perfeição. Eram tão redondinhos e pequenos, branquinhos e com os biquinhos rígidos e rosadinhos, que ele pensou que fosse uma bonequinha, e que iriam quebrar se apertasse com muita força.

Se aproximou de Jessica, enquanto tirava sua camisa branca social, revelando o corpo magro, mas malhado. Ele olhou cada parte do corpo feminino e ficou imaginando a buceta gostosa que foderia assim que tirasse aquela calcinha de renda vermelha.  

Sua cor favorita.

Enquanto apertava o seu pau por baixo do tecido da calça de linho, ele a puxou para a beirada da cama com a outra mão. Tuan a puxou para se sentar, se ajoelhando para beijá-la.

Jessica gemeu contra a boca de Mark quando sentiu que agora, suas duas mãos apertavam seus seios com mais delicadeza do que Jinyoung e Jackson fariam. Mark arranhou de leve e passou as pequenas unhas em seu mamilo, tendo alguns espasmos.

As mãos do americano agora desciam por entre suas pernas, as abrindo com certa brutalidade e passando os dedos por cima do tecido fino da calcinha, fazendo a mais nova suspirar.

O americano colocou a calcinha de lado, esfregando o dedo médio ali, sentindo seu dedo ficar molhado com a excitação da mulher.

– Mas eu nem comecei e você já tá assim? Toda molhada? – ela suspirou quando Mark chupou seu dedo, dando aquele olhar safado para Jessica. – Seu gosto é deliciosamente doce. – desceu beijando cada parte do corpo da garota, ficando um bom tempo ali nos seios.

Ele foi descendo ainda mais os beijos, até que desceu até os pés e foi subindo, beijando as coxas fartas da morena, mordiscando e deixando um chupão ali bem pertinho da sua virilha. – Espero que use algo que cubra isso amanhã. – apontou para a pequena mancha vermelha.

Jessica riu de sua análise e acariciou o cabelo do moreno. 

– Não tenho problema algum de saberem que transei com você hoje. A menos que… Pra você seja um incômodo saberem que transou com a novinha da turma.

Mark não disse nada, apenas lambeu seus lábios, os mordendo quando desviou seu olhar de Sica para a buceta rosada da mesma.

Passou a língua por toda sua extensão e parou ali no clitóris lambendo-o, girando sua língua, atingindo várias vezes o ponto de prazer da mulher.

– Tuan… – agarrou o cabelo de Mark, pedindo entre gestos para que ele aprofundasse mais o oral, que estava uma delícia, a deixando com muito tesão. O americano era muito habilidoso com a língua e nisso ela teria que dar o braço a torcer, mesmo sendo teimosa.

Jessica mordeu um dedo tentando conter seus gemidos altos, pois se começasse a gemer, não conseguiria voltar ao seu tom normal.

Mas toda a vontade que ela tinha de não gemer para que ninguém escutasse, se esvaiu quando Mark deu uma chupada tão forte no clitóris de Jess, que a fez arquear as costas quase gritando. Ela jogou as duas pernas nos ombros de Tuan e começou a rebolar contra sua boca, o que fez ele chupar com ainda mais vontade ao vê-la tão entregue, fazendo com que sua boca estalasse contra a buceta da mais nova.

– Você vai gozar tanto essa noite… – ele disse e riu maldoso, enquanto voltava para entre as pernas da moça, que tentava regular a própria respiração.





– Awn… – Cristal gemeu, sentindo Júlia a chupar e Giovanna fazer uma massagem nas suas costas. – Isso é muito bom…

Ju abriu mais as pernas de Cris, que estava deitada de barriga para baixo, e se enfiou ainda mais ali, dando alguns apertões na bunda da garota.

Gi se abaixou para beijar o pescoço da morena, que se arrepiou.

– Segunda vez… – sussurrou e Cris suspirou. Odiava o quão gostosa suas amigas eram para a deixar fora do eixo.

– Cada vez fica melhor… – ela respondeu, beijando os lábios de Gio.

A mais nova levou as mãos até os seios fartos de Gio, apertando. Desceu os beijos e começou a chupá-los, mordiscando os biquinhos vez ou outra, fazendo a de cabelo azul arfar, fechando os olhos e sentindo o tesão que a boca de Cris a proporcionava naquele momento.

Enquanto Ju fazia um trabalho ótimo na buceta de Cris, estalando a boca, Cristal desceu os dedos por entre as pernas de Gio, que já estavam abertas para si, e o dedo médio de Cristal fez um passeio tortuoso pelo botão inchado da mulher, que controlava seus gemidos da melhor forma que podia.

Ju se levantou, virando Cris e enfiando os dedos na buceta dela, fazendo-a gemer.

– Você gosta disso, não é? – ela sussurrou para a morena, beijando-lhe os lábios. Giovanna se aproveitou do embalo, e começou a beijá-las, fazendo com que as três amigas se beijassem e passassem as mãos juntas no corpo uma da outra. Aquele beijo triplo não podia ficar melhor, mas quando Gi enfiou um dedo na buceta de Ju, as três ficaram brincando de enfiar o mais fundo que podiam na buceta uma da outra.

– A gente podia se esfregar… – Cristal deu a ideia e abriu as pernas para Ju, que fez a mesma posição que ela e começou a esfregar sua buceta na de Cris, rebolando as duas no clitóris uma da outra.

– Gi… Vem cá, eu adoro chupar sua buceta. – Ju pediu, pagando Giovanna pelas pernas, a sentando em sua cara, enquanto ela rebolava.

Aos poucos, o som dos gemidos de Cristal começaram a ecoar pelo quarto enquanto agarrava os lençóis, sentindo seu botãozinho ficar cada vez mais inchado pela esfrega-esfrega de Ju.

Gio se arrepiava com a boca de Ju. Ela era simplesmente maravilhosa no oral. Não aguentou mais que cinco minutos para gozar na boca da amiga.

– Não pare de chupar ela. – Cristal ordenou, fazendo Ju voltar ao que fazia antes, deixando Giovanna a sua mercê de loucura, tendo seu segundo orgasmo na noite.

Júlia e Cristal também gozaram logo em seguida. O cheiro de sexo impregnava o local, deixando ainda melhor. Três lindas mulheres com lindos corpos, deitadas, com o cabelo no rosto, suadas e ofegantes… Aquilo sim poderia ser considerado uma obra de arte. 

Mas a noite das meninas estava longe de acabar, principalmente porque ainda faltava a massagem em Giovanna…





MARK! – Jessica apertou novamente os lençóis da cama, sentindo a língua de Tuan brincar com o seu botãozinho inchado. Ela estava segurando o orgasmo de todas as formas possíveis para não terminar a brincadeira logo, mas o rapaz sabia muito bem onde atingir ela.

Ele de repente parou de chupá-la e levantou o corpo. Sica levantou a cabeça e abriu os olhos, zonza de prazer.

– Quero fazer um jogo com você. – Ele sorriu com aqueles lábios fodidamente rosados e inchados e ela usou o pouco de sanidade que tinha para perguntar o que ele pretendia.

– Que jogo? – o americano se levantou e olhou o corpo de Jessica por alguns segundos, mas logo depois começou a ditar as regras do tal jogo.

– Eu sei que você está prestes a gozar, então, resolvi que se você gemer enquanto eu estiver chupando essa sua bucetinha docinha, eu deixo você sem o seu orgasmo. – ela arregalou os olhos. Não queria ficar sem gozar. Ele riu daquilo. – Se você não gemer… – passou os dedos pelo corpo da garota, parando bem na sua buceta. – Você ganha orgasmos múltiplos de presente. Que tal? Já sentiu isso? Alguém já te deu orgasmos múltiplos?

Sica sabia o que era orgasmos múltiplos, mas tentou se lembrar se alguma vez teve. Mark esperou alguns segundos, olhando a morena franzir o cenho e morder o lábio inferior, tentando se lembrar, até que ela fez uma carinha confusa (que particularmente ele achou adorável, mas sexy ao mesmo tempo) e negou com a cabeça.

– Não... – ela respondeu e Mark sorriu, deixando aparecer seus caninos, mordendo o lábio inferior, fazendo uma expressão safada.

– Estamos combinados então? Quer provar o quão bom é?

– Se você não andar logo com isso, vou perder todo meu tesão. – ela disse irritada e revirou os olhos, recebendo um olhar malicioso de volta. 

Ela gostava de provocar? Então teria que aguentar.

Ele se levantou, tirando sua calça e logo depois sua cueca vermelha, como a calcinha de Sica. Falando na cuja tal, tirou também a calcinha dela, já não aguentando mais aquele pedaço de pano ao lado.

Deu um beijo e uma mordida na virilha da que estava abaixo de si e voltou a fazer o oral em Jessica, que se contorcia e suspirava alto, usando todo o controle e força de vontade existente em seu corpo para não gemer o mais alto que podia. Era simplesmente uma tortura não poder gemer, porque ela não conseguia esconder que estava bom. E no caso de Tuan, estava maravilhoso.

Ela queria e precisava aquele orgasmo que ele lhe prometera. Ele adorava a provocar com a língua e com os lábios, chupando com força seu clitóris, às vezes dando tapa no botãozinho dela. Era um misto de sentimentos que ela nem de longe conseguiria descrever.

Não aguentando e provavelmente roxa de tanto segurar os gemidos, pegou o pequeno travesseiro que havia ali e colocou em seu rosto, na esperança de se conter.

O americano observou aquela cena e a cada vez ele ficava mais duro. A garota era bem forte e ele ficou impressionado com a sua força de vontade em se controlar para não gritar seu nome para todos ouvirem naquele iate, porque ele sabia que era exatamente isso que ela queria fazer.

– Você é bem resistente, Jess. – Se levantou, ouvindo um resmungo da parte dela, soltando o travesseiro de lado. – Foi obediente… E por isso, vou te foder agora. E você pode gemer o quão alto você quiser. – ele sorriu e ela arregalou os olhos para o pau dele. Não havia reparado no quanto era grande. Ele riu em resposta. – Gostou? 

– Você vai me quebrar… – ela riu nervosa e ele riu alto, achando aquilo o máximo. 

– Por isso vou te perguntar, você gosta de sexo com carinho, ou selvagem? – passou as mãos pelo corpo dela, puxando os cabelos da nuca e ela gemeu baixo.

– M-Mark… – gaguejou, sem conseguir formar uma palavra sequer com toda aquela provocação. 

– Vamos de selvagem.







Giselle poderia morrer de boca no pau de Jackson.

Ele havia pedido que ela o amarrasse e o vendasse, e ela não poderia estar mais satisfeita em ver aquele corpo sarado, ofegante e suado ali a sua frente, a sua mercê, sem poder tocá-la.

Jack gemia alto e rouco, a deixando louca de tesão, não demorando muito para gozar na boca dela.

Ela o desamarrou e o desvendou, e ele a jogou na cama, de quatro e a chupou por trás.

– A-An... – ela gemeu abafado pelo travesseiro e ele deu um tapa forte em sua bunda, enfiando a mesma mão, os dedos dele rapidamente dentro da buceta já molhada de Gi.

– O que eu te disse sobre gemer alto? – ele retirou os dedos e bateu em seu clitóris, vendo-a contrair bruscamente. – Apenas putinhas desobedientes gemem alto. E você _não vai_ ser uma putinha desobediente hoje.

– E por qual motivo? – ela provocou e ele puxou as tranças da negra com força, beijando a nuca e o pescoço da mesma e enfiando seu dedo médio dentro dela, movimentando com força.

– Porque quem manda, sou eu, putinha. – ele disse entre dentes, sério e rouco, e a jogou na cama novamente.

Seu pau já estava ereto novamente, então ele a penetrou com força, segurando seu quadril e batendo em sua bunda. 

Jackson estava frenético, descontando toda a raiva e o tesão que sentia nela, e não iria descansar até vê-la se contorcer em seu pau.

Não foi muito difícil de fazê-la se contorcer, já que ela já estava bem estimulada, mas mesmo assim continuou. Se ela foi até ele para transar, ela sairia de lá com orgasmos múltiplos e sem andar.

Ela sentiu uma dorzinha, mas era igualmente prazeroso como antes.

Jack trocou as posições, deitando-a na cama e abrindo o máximo que podia suas pernas, as segurando e metendo com força, vendo a garota quase se engasgar para segurar seus próprios gemidos.

Quando sentiu que ela ia gozar, se abaixou, metendo com mais força e rapidez, vendo a negra revirar os olhos de tesão e morder os lábios. 

– Goza logo, porra. – Jackson a estocou com mais força, vendo a mulher se contorcer e riu. Quando ela ia descansar, ele a virou para o lado, a comendo por trás. – Ainda não, eu não terminei.





Mark se encaixou entre as pernas da garota e a penetrou. Jessica levantou-se, sentando de costas para Mark, que a pegou pelo cabelo e puxou o seu pescoço, o deixando à mostra apenas para o americano beijá-lo, enquanto a fazia pular em seu pau desperto.

Apertou a bunda de Sica, dando dois tapas fortes ali, deixando o local vermelho, a ouvindo gemer e sorrir.

Pegou a garota pelas mãos e jogou de volta na cama, a deitando e a virando de costas para si, passou os dedos pelo seu clitóris por trás e se deitou por cima dela, abrindo minimamente as pernas da mesma e a penetrou com força, dando fortes investidas dentro de si, ouvindo Jessica gemer alto, o deixando louco. 


Enquanto isso, Park Jinyoung saía do elevador com dois drinks, um para si e outro para Flora. Ele rumava para seu quarto, quando ouviu os gemidos de Jessica vindos do quarto de Mark, que ficava bem ao lado do seu.

Os gemidos de Sica eram super conhecidos e familiarizados. Park havia ouvido aqueles gemidos tantas vezes em sua vida, que até perdera a conta.

O irritava aos montes saber que além de ela estar transando com outro, ela gemia alto como fazia com ele, sendo que ele deveria ser o único a ter esse privilégio.

Sua vontade era de bater na porta e atrapalhar tudo o que acontecia entre os dois, mas apenas suspirou e entrou no quarto ao lado. 


– Mark! Mais forte! – implorou para o americano, ouvindo sua risada enquanto a fodia. 

– Você quer mais forte? – rebolou. – Desse jeito? – enfiou com força. Sica já não aguentava mais. Estava estimulada pelo oral, e agora pelo Tuan a acertando diversas vezes em seu ponto sensível, ela só queria gozar.

Depois de levar mais dois tapas em sua bunda e Mark acelerar seus movimentos, Jessica gozou em seu pau, se debruçando exausta na cama. 

Então Mark se abaixou até o seu ouvido, enquanto a mais nova estava tentando regular sua respiração e ditou baixo a seguinte frase em seu ouvido.

– Ainda não acabou, babe. – sorriu ao seu ouvido e voltou a fuder Jessica. 

Era incômodo, mas ao mesmo tempo prazeroso.

Mark Tuan não tinha pena de si, e não parecia ser o tipo de pessoa que se saciava facilmente, então sem aviso prévio, Tuan saiu de dentro de Jess e deitou na cama com os braços atrás da cabeça, mandando a garota subir em si.

– Só pare quando eu mandar. – disse olhando nos olhos de Sica.

Ela se arrepiou dos pés a cabeça. Amava quando os homens mandavam ela fazer algo, como se fosse uma putinha. Ela morria de tesão. 

Sica subiu em cima de Tuan, encaixando o seu pau ainda duro em sua entrada e começou a pular em cima dele sem parar, fechou os olhos, sentindo o prazer tomar conta de si de novo. O pau de Mark entrava com ainda mais facilidade, sem contar que ela conseguia senti-lo bem mais naquela posição. Quando abriu novamente os olhos, viu a cena mais erótica que poderia ter. 

Mark Tuan com os braços fortes atrás da cabeça, ressaltando seus músculos e veias. Seus olhos estavam fechados, sentindo Jessica pular e apertar seu pau.

– Isso, boa garota… Continue rebolando, babe. – não demorou muito para que o interior de Jéssica se contraísse novamente, dessa vez com mais força, ouvindo Mark gemer arrastado. Com isso, ela teve o seu segundo orgasmo naquela noite. – Continue, Jess.

A entrada de Jéssica se contraia em torno do pau de Tuan, o fazendo gemer cada vez mais alto, a cada cavalgada que a garota dava. Ela estava simplesmente sexy com sua franjinha  colada na testa e ele provavelmente não estava muito diferente. Jessica estava prestes a ter o seu terceiro orgasmo em uma noite sem parar.

De repente, Mark a jogou por debaixo de si e colocou as mãos de Sica m por cima de sua cabeça na cama, a fodendo com mais força do que a primeira vez. As vozes dos dois ecoavam pelo quarto, gemendo e implorando por mais e mais.

Ao dar sua última estocada com força e rebolar, e Sica o apertar propositadamente sua buceta contrs o pau do americano, Mark e Jessica gozaram juntos. 

Uma corrente elétrica passou por todo o corpo de Jessica, sentindo as pernas bambas, mas empurrou Mark de cima dela, que caiu ao lado, dando um sorriso vitorioso por conseguir cumprir o que disse.

– Como se sentiu sabendo que acabou de ter orgasmos múltiplos? – sorriu para ela, que fitava o teto um pouco ofegante e depois olhou em sua direção.

– Eu adorei. Nunca tive isso com ninguém. – sorriu para o mais velho, que adorou a resposta.

O fato é que sempre gostou da transparência de Sica, e percebendo que ela era assim o tempo todo, ficou feliz.

Depois de algum tempo ali, o americano a levou até o banheiro, onde tomaram um banho juntos, sem fazer nada por falta de energia, voltando para a cama, nus e secos.

– Nunca pensei que você fosse tão bom de cama. – ela confessou rindo e ele fez o mesmo.

– Espero que isso tenha suprido sua vontade de perguntar pra Cherry se sou bom ou não. – respirou fundo olhando para cada detalhe do rosto alheio.

– E eu? Sou boa? – perguntou receosa.

Pra caralho! – ele se empolgou, e ela riu gostosamente, ficando séria segundos depois.

– Mark, posso te fazer uma pergunta? – Jessica indagou.

– Já está fazendo. – a garota riu. – Brincadeira, pode sim.

– Por que está tão irritado com a Tina?

Ele olhou para o nada e engoliu seco. Pediu que Sica colocasse sua cabeça em seu ombro e começou a fazer carinho no cabelo dela.

– Ela ficou sabendo que eu contei pra você que ela subiu pro quarto para transar com o Jinyoung, e foi pedir que eu não me intrometesse. 

– Pedir? Tina não é muito de pedir as coisas…

– Pedir… Bom, era isso ou ela contaria pro Yugyeom sobre a minha pequena aventura com a Cherry.

– O quê? – ela franziu o cenho e levantou a cabeça. 

Jessica ficou possessa! Como Tina poderia ser tão baixa e manipuladora a ponto de deixar o Tuan totalmente de mãos atadas, por nenhum motivo aparente?

– Você está com muita raiva dela? – ela perguntou e ele suspirou, assentindo. – Eu tenho um plano aqui em minha cabeça e você pode ser a pessoa perfeita para me ajudar. – passou as pernas por cima das pernas de Mark, que olhou para baixo e deu um sorriso.

– Eu topo.





– Você demorou Jinyoung, onde estava? – Flora perguntou, curiosa com a demora do rapaz para subir.

– Ah, o barman me enrolou com a bebida. – mentiu e deu uma das bebidas para a morena.

Jinyoung na verdade havia demorado porque passou alguns bons minutos parado na porta do quarto de Mark, ouvindo Jessica gemer. Claramente os dois estavam transando e aquilo o deixava possesso, com a porra do consciente martelando para que ele atrapalhasse a foda que estava acontecendo dentro daquela merda de quarto.

Infelizmente ele não era louco como Jessica, que faria um escarcéu, ou que esperaria os dois na porta como ela havia feito com Tina e ele.

O moreno balançou a cabeça, tentando libertar a raiva que ele sentia da mais nova por ser tão filha da puta consigo. 

– A Sica tá aproveitando hoje. – Flora riu, bebendo seu drink. Jinyoung fez o mesmo, mas revirou os olhos.

– Você é amiga dela?

– Só conversamos uma vez. – ela sorriu.

– Ern... Mudando de assunto... Você... – respirou fundo. – O seu corpo é lindo, sabia? – deu um gole na bebida.

Ela deu um sorriso meigo e colocou o cabelo para trás da orelha, bebendo novamente e fazendo uma careta sexy.

– Uh, você trouxe Coragem Líquida. – ela se referia ao conteúdo na taça.

Jinyoung sorriu de lado e começou a tirar sua roupa ali na frente dela mesmo, a fitando com aquele olhar extremamente safado.

– Acho que isso combina bastante comigo. – ele sorriu, tirando sua blusa, botão por botão.

Enquanto isso, a garota contemplava aquele deus grego a sua frente. Se encostou na cabeceira e o observou melhor.

Seus braços fortes cheio de veias, seu peitoral definido, seus ombros largos, aquela boquinha rosada e carnuda... Aquilo tudo era um conjunto que a levaria direto para a perdição.

– Vai ficar só me olhando com essa porra desse copo na mão, ou vai vir aqui chupar o meu pau? – ele passou a mão no membro já duro, e foi quando ela percebeu a ereção considerável ali nas calças.

Ela retirou o vestido preto de rendas que usava, revelando seus fartos seios e sua calcinha branca minúscula.

Jinyoung mordeu o lábio inferior e chamou Flora com o dedo indicador, que foi engatinhando até o moreno, desabotoando a calça e abaixando a peça, junto com sua cueca azul marinho, deslizando pelas pernas torneadas do coreano.

Ela colocou a mão no pau de Park, subindo e descendo devagar, até que levou a boca até sua cabecinha, deixando um leve selinho. Lambeu de leve e depois foi lambendo todo o seu pau, da base até sua glande, abocanhando tudo que podia.

O Maior gemeu contra a boca de Flora, agarrando seus cabelos crespos e empurrando sua cabeça para ter mais contato com o seu membro, que latejava de prazer.

– Nunca vou me cansar dessa sua boquinha no meu pau. – gemeu novamente quando a garota passou a língua em volta de sua cabecinha. – Oh... Como eu amo foder essa boquinha rosinha. – lambeu os lábios e olhou para baixo.

Seu quadril fazia movimentos para frente e para trás, enquanto Flora descia suas mãos por entre as pernas, se masturbando por dentro da calcinha. 

Enquanto chupava Jinyoung, a garota o olhava safada e hora ou outra sorria. Ele sorriu e acariciou o rosto dela, jogando a cabeça para trás e o quadril para frente, rebolando dentro da boca da mesma.

– Você vai mesmo me fazer gozar nessa boca?

– Uhum... – ela respondeu enquanto o chupava.

– Você vai engolir tudo. – puxou os cabelos dela para frente, a fazendo engasgar. – Você me ouviu? – ela assentiu e ele olhou para os seio dela, dando um sorriso malicioso.

Jinyoung sabia que estava prestes a gozar e não iria demorar muito. Sentia seu pau engrossar na boca de Flora, que também sentia as veias grossas em sua boca e língua.

Ela estava tão excitada com o olhar de Jinyoung, com aquele pau deliciosamente doce, como se fosse um pirulito. Era simplesmente viciante senti-lo pulsar em sua boca. Park Jinyoung é o pecado em forma humana.

Ele, por sua vez, era o tipo de pessoa que se atentava bastante aos detalhes, então tudo ali colaborava para o ambiente estar perfeito; os seios grandes da mulher, o corpo esbelto, a bunda empinadinha, os cabelos lindamente crespos em um loiro e a boquinha que ia para frente e para trás, chupando com força seu pau.

Flora sentiu o jato quente de Park em sua boca, a fazendo engolir o líquido viscoso e incrivelmente doce do rapaz, que a puxou pelos cabelos, dando um beijo na mulher.

Ele mandou que ela se deitasse na cama, e assim o fez, ele abriu suas pernas.

O rapaz deu beijos em seu pé, passando pelas pernas e deixando três mordidas em uma de suas coxas fartas, enquanto tirava sua calcinha.

Parou para admirar a buceta incrivelmente encharcada de prazer da mais nova, e a olhou com um sorriso malicioso.

– Não consigo esquecer o seu gosto depois que te provei. Você não sai da minha cabeça. – passou seus dedos no clitóris da garota, os lambendo em seguida, a olhando. Ela suspirou e ele enfiou dois de seus dedos na entrada de Flora, movimentando para frente e para trás, às vezes girando para que ela tivesse mais arrepios.

Ela gemeu alto e arranhou os ombros dele. Flora já estava implorando para que Park movimentasse seus dedos mais rápidos, e assim ele o fez.

O som de seus dedos se chocando com a entrada de Flora, os gemidos manhosos da mesma e até o ranger da cama, se tornavam uma gostosa melodia nos ouvidos de Jinyoung, que ficava duro só de captar aqueles pequenos detalhes.

Depois de ver que Flor estava bastante estimulada, se abaixou entre suas pernas, a olhando nos olhos.

– Agora é a minha vez de fazer você gozar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...