História Yandere (Min Yoongi - BTS) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Visualizações 26
Palavras 1.070
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, LGBT, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hoje, entrar uma nova pessoinha para minha conta e nós duas desenvolveremos as fanfics de agora em diante. Espero que goste dela.

Capítulo 3 - E que tal você?


Fanfic / Fanfiction Yandere (Min Yoongi - BTS) - Capítulo 3 - E que tal você?

[2 semanas depois]

Meu dia sempre ficava completo quando via seu sorriso. É maravilhoso! Sua bochechas e aqueles dentinhos faziam uma perfeita combinação. Podia o observar ele sorrindo por horas e não iria me enjoar, era tudo tão perfeito quando ele estava sozinho concentrado em seu mesa, porém, sempre havia alguém que atrapalhava seus momentos grandiosos. 

Estava ficando possessiva com aquilo que nem era meu, eu olhava agora com ódio para todos aqueles que ousava se aproximar do Yoongi. Eu ainda não conseguia me aproximar dele e o pior é que em menos de uma semana ele já estava namorando. 

Descobrir essa terrível notícia enquanto caminhava pela escola e as fofocas pairavam pelo ar, não acreditei no começo. Mas quando o vi de mãos dadas com a putinha da escola, meu sangue ferveu.

Ela não merece ele! Morre, garota! 

Meu consciente implorava pela morte dela, mas duas perguntas não saia de minha mente: 

Quem merece ele? Eu o mereço? 

Não, eu sabia que não o merecia. Só que não conseguia acreditar em mim próprio, meu coração gritava dizendo para eu esquecer ele, pois aquele amor que eu alimentava não era o certo. Mas que amor é o certo? Temos que correr atrás de nossa felicidade e eu irei correr atrás do meu amor, mesmo sabendo que quando amamos devemos aceitar o que não é recíproco. 

Só que eu não ligava, e tentei me aproximar dele. Sendo uma amiga, foi isso que minha mãe disse para eu fazer para me aproximar dele e funcionou. 

Em menos de dois dias, me tornei sua amiga e sempre ele vinha me procurar quando estava com problemas, como já tinha influência na escola e com os diretores, eu conseguia o livrar de muitas punições. 

Hoje era sexta-feira e me observava no espelho. Olhar frio que nem gelo, ele some quando o vejo. Eu posso se o que ele quiser, basta pedir. Engraçado o que o amor faz, nos torna pessoas terríveis que ao mesmo tempo são bobas. O amor é lindos para muitos, mas para mim até agora tá se tornando um pesadelo, onde EU ME TORNO PIOR MENTALMENTE. Não sabe quantas vezes eu já bati minha cabeça na parede só hoje, e ainda como eu vivi me segurando para não machucar alguém.. 

Lembro da Helena de alguns anos atrás, que era não a violência e agora presa por ela. Eu sou hipócrita demais! 

Helena, você está ficando louca!!!

Não está errado mente, tô ficando louca por ele! Mato qualquer um para o fazer feliz, mas como ainda não preciso disso, posso muito bem aguentar até onde conseguir. Até onde minha mente ficará sã. 

— Helena, já está na hora de ir! — Ouvi o berro de minha mãe, que ao ver dela estava falando baixinho. Desci as escadas e sorri a olhando colocar meu café na mesa. 

— Mãe, a senhora iria até onde atrás do amor de sua vida? — Peguei a maçã levando-a até a boca e a mordendo.

— Não sei, acho que até meu limite, mas se via que não valeria a pena, eu desistiria dele e iria atrás de outro. Essa pergunta é por causa daquele menino? — Ela me com aquele sorrisinho de lado, fiquei corada rapidamente e assim ela riu de minha cara. — Meu anjo, você daqui a dois dia irá fazer dezoito anos, ainda não deve pensar nisso. — Típico dela, me tratando como uma criança! 

—Ah! Não sou mais criança, mãe! — Gritei irritada com esse jeito dela de me tratar.

— Será? Ainda é a mesma garotinha de cinco anos que fazia birra e biquinho quando eu não fazia o que queria. — Ao notar que estava fazendo bico, minha expressão mudou rapidamente para qualquer uma aleatória. 

— Vou indo, beijos mãe. — Beijei sua Bochecha e subi rapidamente para escovar meus dentes. Ao descer, peguei minha bolsa e fui para a aquele hospício. 

[...]

Me assustei assim que vi o garoto que tanto amo na sala, ele estava todo de preto novamente, mas dava para ver que por baixo daquele moletom usava o uniforme. Respirei profundamente e com um sorriso no rosto, caminhei até sua mesa. 

— Bom-dia, Yoongi. Fez o dever de casa? — Ele só negou com a cabeça olhando-me. Mas dessa vez, seu olhar estava profundo e penetrante, me deixando intimidade e nervosa com apenas um olhar. — Deveria fazer ele, hoje o professor irá punir aqueles que não fazer.

— Não estarei aqui quando for a aula dele. — O olhei confusa, iria matar aula novamente? Como está a frequência dele? E se ele ficar com problemas novamente? O que eu vou fazer?! — Não se preocupar, eu assumirei as consequências dessa vez. — Agora, ela não me observava. Seu olhar estava para a janela, seus dentes rangeram e logo olhei para onde estava olhando. Era sua namorada, e… estava se agarrando com outro garoto. Coitado do Yoon, ele não merece isso! Vadia!!

— Eu te disse que ela era uma, vadia. — Sorri o olhando, e pela sua expressão, não gostou nadinha de ter levado chifre. Agora que ele percebeu que eu estava certa, ficará de olhos abertos quando pegar novamente alguma menina. 

— Não me importo, já chifrei aquela vagabunda várias vezes. Só um chifre não irá me fazer mal, e foi bom me divertir com ela, a próxima será a Mary. — Não, aquela outra vizinha puta não! Pode pegar todas, menos aquela!

— Yoon Yoon, achava que você tinha um gosto melhor. — O olhei com nojo e um sorriso malicioso apareceu em seu rosto angelical.

— E qual é melhor gosto? Me diga, Helena! Qual é a melhor menina para eu pegar? — Ele que antes estava descontado na sua cadeira, estava perto demais do meu rosto. Ele havia se aproximado rapidamente que não deu nem tempo de raciocinar o quão perto estava. 

— Não sei, que tal aquela garotinha se cabelo cacheado do segundo ano? — Virei meu rosto rapidamente, olhando para a porta da sala. 

— E que tal você? Também é certinha que nem essa garotinha. — Sim, quase tive um ataque cardíaco. Coração batendo rapidamente e minha respiração já estava desregulada.




Mas assim que iria responder, ele saiu correndo da sala, deixando-me com um ponto de interrogação por causa de sua pressa. 

"O cúpido deve melhor mais sua pontaria antes de acertar alguém com sua flecha do amor, pois nem todos merecem amar!"



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...