História Yeah, maybe I love You. - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Got7
Personagens Jackson, Mark
Tags Got7, Jark, Markson
Visualizações 173
Palavras 6.418
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente :)
Como vocês estão?
Eu dei uma mudada na capa e fiquei realmente satisfeita com o resultado, mas não olhem a foto de perto se não a magia acaba dfkjdkf
Tô de volta com mais um capitulo e quero dizer pra vocês que eu tô meio insegura com ele. Na minha opinião não tá ruim, mas também não tá uau kjdkf Eu reescrevi e mudei bastante coisa e outras partes pensei em mudar, mas não lembro se mudei dskfjd então se tiver algo estranho me avisem, por favor!
Eu estou de volta com as minhas musiquinhas e dessa vez eu resolvi colocar em português pra vocês sentirem mais as palavras sla dkfjdksf A primeira musica é do THE XX, a segunda é do Gnash e o titulo do capitulo veio de "To Me", musica do Yugyeom no 7FOR7, é uma das minhas favoritas e meu Deus, eu me assustei como a letra se encaixa nessa fanfic e nesse momento, eu podia ter colocado, mas não kdfjdskfj Deem uma olhadinha na tradução dela aaa
Quanto ao capitulo, gente... Eu sinceramente chorei do inicio ao fim. Eu dei pobres detalhes de ambientação, expressão e tudo mais, mas tentem imaginar acontecendo bem na frente de vocês. Me desculpem se eu não me esforcei o bastante, mas algumas coisas estão acontecendo e estão me deixando bem chateadas, eu só não queria parar de escrever e inclusive vou continuar depois de postar esse.
Enfim, boa leitura <3

Capítulo 19 - Listen to what I'm saying


Meus medos

Minhas dúvidas

Estão rastejando lentamente

E estão se intensificando

A primeira gota atinge minha janela

E as emoções começam a inundar tudo

Aí vem a chuva de novo

Ela sempre teve um efeito sobre mim

Não sei como correm as estações

Eu sempre me sinto como se estivesse entre elas

Eu fico aqui dentro até eu ver o sol?

Mais uma vez, deixo as estações mudarem

Ou eu vou lá para fora?

SEASONS RUN - The XX

/////

Jackson estava dentro de um taxi a caminho do aeroporto, lutando contra a vontade de chorar mesmo que fosse na frente de um estranho e a vontade de voltar ao hotel e confortar Mark. Ele já tinha sido forte o suficiente para dizer aquelas coisas à pessoa que ele amava, então ele fez um acordo consigo mesmo para aguentar pelo menos até o aeroporto.

A viagem até o aeroporto foi mais longa do que deveria, apesar de ser tarde da noite, havia um pequeno engarrafamento devido a estranha chuva fora de época. Jackson teve bastante tempo para antecipar inutilmente uma ligação de Mark, mas não aconteceu, o que o fez sentir-se mais estupido e irritado. Talvez música pudesse acalmar sua mente, ele pensou, no entanto, o taxista pareceu perceber sua inquietação e ligou o rádio antes que ele escolhesse algo no celular.

Fellings Fade começou a tocar na rádio e o taxista abaixou o volume pensando que Jackson pudesse se incomodar, mas Jackson a ouviu atentamente. Ele se recostou no banco de trás, encostou a cabeça na janela e as gotas da chuva somada a delicada luz amarela das ruas de Los Angeles teriam formado o cenário perfeito para um colapso, se não fosse a súbito rancor que ele estava começando a sentir durante o progresso da canção.

Estou cansado de

Segredos, mentiras, desculpas

Me contendo, a verdade é

Eu ajo como se eu não me importasse, mas eu queria que você se importasse

Você costumava me fazer sorrir, agora você me deixa mal

Eu queria que eu não tivesse perdido meu tempo

Eu queria que você não tivesse mudado minha mente

- Filho, você está bem? – o taxista perguntou tirando Jackson de seu torpor.

- Só tive uma noite difícil senhor. – Jackson respondeu com um pequeno sorriso, tentando se concentrar no barulho das gotas fortes de agua que caiam no capô do carro, depois que a música terminara.

- Você estava encarando o nada com uma cara muito feia... Eu não acho que raiva combine com um rapaz tão jovem. – o taxista virou-se para olhá-lo quando o sinal ficou vermelho.

- Eu só estou frustrado, eu achei que estava fazendo tudo certo... – Jackson contou, não se importando de estar dividindo algo assim com um estranho, afinal ele não o veria de novo e duvidava que ele o reconhecesse como uma pessoa famosa.

-  O que quer que tenha acontecido, você é muito novo, provável que nem seja a pior coisa que você vai enfrentar. Não deixe os sentimentos ruins consumirem você, sua aura é muito bonita e tenho certeza que sua alma também. – o senhor falava calmamente, Jackson não sabia se ele tinha notado algum sotaque, mas agradeceu mentalmente porque ele pode compreender tudo.

O carro começou a andar novamente e o aeroporto já não estava tão longe.

- Tem um guarda-chuva aí atrás, você parece não ter um.

- Sim...

- Escute filho, minha mulher sempre diz que adora chuvas porque apesar de parecerem tristes, o que vem depois dela é sempre um céu bonito. Acho que ela pode estar certa. – ele falou rindo um pouquinho no final – Não sei o que aconteceu com essa cidade pra estar chovendo dois dias sem parar...

- Eu acho que a tempestade de ontem trouxe coisas ruim senhor, e com essa chuva insistente fica mais difícil eu parar de pensar nisso, é quase como se ela tivesse me dizendo que de agora em diante vai ser assim.

- Vai melhorar, meu filho, eu tenho certeza. Pode ser que ela tenha vindo para libertar. – eles chegaram no aeroporto, mas Jackson não saiu do carro. Ele checou mais uma vez o celular e se assustou quando o céu se iluminou rapidamente, mesmo que ele soubesse que o barulho do trovão viria logo em seguida, ainda se espantou porque ele nunca sabia se o barulho seria muito ou pouco alto.

- O senhor acha que eles vão cancelar voos? – Jackson perguntou preocupado de ter que ficar mais tempo em Los Angeles. Ele havia conseguido comprar uma passagem para as 2:00 da manhã.

- Já vi aviões decolando em condições meteorológicas piores. Você tem coragem de entrar num negócio desses com esse tempo? – o taxista perguntou olhando o céu pelo vidro do carro.

- O senhor acha que a chuva está tentando me prender aqui? – Jackson perguntou tentando prosseguir com a conversa anterior deles, rindo sem humor nenhum ao mentalmente comparar a chuva com o Mark.

- Eu não tinha pensando nisso! – ele comentou animado, sorrindo com a nova possibilidade. Jackson sorriu também.

- Talvez seja isso, mas eu já tô cansando de talvez senhor. – Jackson respondeu triste, entregando uma quantia suficiente em dinheiro. – Pode ficar com o troco e obrigado pela conversa.

Jackson havia levado apenas sua bolsa quando saiu do hotel, a única mala que ele trouxera ficou para trás.

- Tome cuidado filho! – o senhor falou e Jackson riu um pouquinho do jeito que ele o chamava.

- Obrigado... – Jackson pegou o guarda-chuva e saiu do carro, dando uma pequena corrida até a entrada do aeroporto.  Ele sacudiu o guarda-chuva e se dirigiu até o balcão para fazer os procedimentos de praxes que felizmente não duraram muito.

Ele sentou-se nas cadeiras, torcendo para não acabar dormindo, pois ainda faltava meia hora para o seu embarque.

A chuva havia aumentando e seu voo acabou atrasando. 3:30 era a previsão e Jackson estava com frio e incomodado com o barulho dos trovões fortes, ele não tinha medo, o barulho apenas o deixava inquieto. Para ele, meio que seria uma boa ideia se tivesse alguém para segurar sua mão ou apenas para conversar e distrair. Seria legal se essa pessoa fosse o Mark também, porque geralmente era ele que fazia isso.

Ele se inclinou para frente, cotovelos apoiado no joelhos e mãos cobrindo o rosto.

Que inferno.

/////

Jackson estava meio acordado e meio dormindo quando chegou no dormitório deles, teve que digitar a senha duas vezes e quando conseguiu finalmente entrar, colocou o guarda-chuva no porta guarda chuvas e foi recebido com dois pares de olhos questionadores.

- O que está fazendo aqui? – Jaebum perguntou, parando seus exercícios de pulo.

- Senti sua falta também. – Jackson respondeu trocando o sapato por chinelos e indo em direção a cozinha.

- Bem, você nunca mais voltou para cá, ainda mais depois de uma viagem. – Jaebum se defendeu, sentando-se em um dos bancos da cozinha.

- Eu tô precisando de um lugar que me dê... Chão. – Jackson respondeu não tendo muita certeza se essa era a palavra que ele queria.

- Cadê o Mark? – Jinyoung perguntou, já que acompanhava a conversa na entrada da cozinha.

Jackson tratou de beber o resto do conteúdo do copo e depois bebeu mais um copo cheio de agua.

- Jackson? – Jinyoung chamou olhando para Jaebum também, na esperança de que ele tivesse tido sorte em interpretar o comportamento do amigo.

- Eu não sei. – Jackson respondeu pegando sua bolsa que ele havia depositado na bancada e indo em direção ao seu antigo quarto.

- Como assim não sabe? Vocês dois estavam juntos em L.A não é? – Jaebum perguntou seguindo Jackson.

- É...

- Você voltou sozinho? Cadê suas coisas? – Jinyoung segurou no braço de Jackson, o impedindo de entrar no quarto.

- Eu deixei tudo em Los Angeles. – Jackson respondeu não se referindo somente as malas.

- Vocês brigaram? – Jinyoung perguntou revirando os olhos.

- Olha, eu tive mais de 13 horas de voo, eu tô cansado, será que esse interrogatório não pode ficar pra depois? – Jackson virou-se para ir em direção ao seu quarto, mas parou no momento em que ouviu Jaebum falar.

- Eu vou ligar para ele. – Jaebum avisou Jinyoung, já apertando o nome de Mark na tela do celular.

Jackson esperou, sem encará-los.

- Ele não tá atendendo... – Jaebum informou tentando mais uma vez.

- Boa sorte com isso. – Jackson disse entrando seu quarto.

- É obvio que eles brigaram... Mas Jackson está estranho. – Jinyoung comentou enquanto eles se direcionavam para a sala.

- Eu quase consegui pegar com as minhas mãos a acidez nas palavras dele.

- Eu senti também, mas seja o que for, deixar Mark pra trás desse jeito...

- Mark, não atende. – Jaebum disse, digitando algo no celular. Jinyoung esticou o pescoço para ver.

- Ele não atende as ligações, imagine visualizar uma mensagem!

- Não custa tentar, é bom que ele saiba que estamos preocupados.

- Mas ele é assim mesmo, se isola quando está chateado ou irritado.

- Normalmente ele se “isola” com o Jackson. – Jaebum deu uma risadinha.

- Está diferente das outras vezes... – Jinyoung falou tentando ligar para Mark do seu celular – Parece sério.

- Não dá pra saber, ambos podem estar sendo drama queens. – Jinyoung riu.

- Eu acho que vamos ter que esperar Mark voltar.

/////

Jackson tomou um banho rápido e trocou de roupa, pronto para ir fazer uma visita longa a terra dos sonhos... É, mas não aconteceu. Seu corpo e mente estavam cansados, mas ele simplesmente não conseguiu dormir e quando ele se convenceu de que mudar de posição na cama não estava adiantando de nada, ele resolveu sair do quarto, mas primeiro deu uma olhadinha para ver se Jaebum e Jinyoung estavam por perto.

Sinal verde, não estavam.

Então ele correu até o quarto dos maknaes em busca de abrigo.

- Hey... – ele disse se encostando na porta recém fechada.

- Falaram pra gente que você voltou, mas estávamos esperando você querer conversar. – BamBam disse pulando para a cama de Yugyeom, silenciosamente oferecendo a sua para Jackson, que aceitou de bom grado. Ele deitou de barriga para baixo, abraçando o travesseiro em baixo de sua cabeça.

- O que mais eles disseram? – Jackson perguntou baixinho virando o rosto para poder olhar os dois.

- Quase nada. – Yugyeom respondeu. Eles ficaram em silêncio por um tempinho, basicamente esperando que Jackson resolvesse falar algo. – O que aconteceu? – Yugyeom o olhava triste porque ele sabia que as notícias não deveriam ser boas.

Jackson respirou fundo e olhou de BamBam para Yugyeom.

- Acabou tudo.

Quando as palavras de Jackson desceram e eles as assimilaram, BamBam abraçou os joelhos e encostou a cabeça neles, olhar fixo em seus pés, enquanto que Yugyeom pareceu mais surpreso, mesmo que estivesse esperando por isso. Sua boca ficou entreaberta e os olhos mais brilhosos, porém não de alegria.

Mesmo que Mark e Jackson não tivessem um rotulo para a relação deles, os maknaes consideravam eles um casal, O casal. Tudo sobre o relacionamento deles os encantavam e o fato de terem acompanhado de perto o lado da história de Jackson e serem sempre os primeiros a saber de algo importante que acontecera entre eles, fazia com que eles torcessem nos bastidores para que eles dessem certo. Além disso, tanto Mark quanto Jackson eram amigos preciosos para os dois e essa situação também era difícil para eles. Era como se eles tivessem acabado de receber a notícia do divórcio dos pais.

- O que quer dizer com tudo? – Yugyeom perguntou na esperança de ter entendido errado.

- Tudo. Mark e eu não estamos mais.... Juntos. – Jackson respondeu e as palavras nunca foram tão amargas.

- Por que? O que aconteceu?

Jackson contou tudo em detalhes, fielmente a sua memória da noite anterior.

BamBam revirou os olhos para as atitudes de Mark e ficou visivelmente nervoso a medida que Jackson ia explicando as coisas, por outro lado Yugyeom pareceu desapontado, mas com os dois.

- Ugh, Mark is so stupid! – BamBam apertou os olhos com as palmas das mãos.

Jackson estava deitado de lado, abraçando uma pelúcia jumbo do Rilakkuma que Yugyeom tinha ganhado de uma fã. Os olhos estavam vermelhos de sono e pelas lágrimas que caíram enquanto ele contava o que acontecera.

Sua cabeça estava em conflito com seu coração, já que ao mesmo tempo que o que ele mais queria era esquecer de Mark e de tudo que ele havia passado em Los Angeles, seu coração sentia uma vontade enorme de desabafar. Ele não queria chorar, mas havia segurado por tantas horas e estava muito cansado para fingir ser forte.

Mark doía demais.

- Eu não deveria ter insistido nisso. – Jackson falou secando os olhos agressivamente. – Passei o voo inteiro me questionando se ele realmente me levou a sério alguma vez, porque depois de tudo só o que parece é que ele estava se divertindo as minhas custas e pensar nisso dói pra porra.

- Eu não acho que isso seja verdade... – Yugyeom falou baixinho.

- É claro que! Você acha realmente que ele ia assumir o que a gente tinha? Ele sente vergonha disso tudo, ele sente vergonha de mim! E aí? Eu deveria simplesmente aceitar ele me amando escondido e flertando com garotas na frente dos outros? É humilhante Yugyeom!

   - Não estou dizendo que ele está certo! Mas, ele é meu amigo também Jackson! Você sabe como ele é-

- Não, eu não sei! O cara que eu achava que conhecia nunca faria uma coisa dessas! Pelo amor de Deus, fomos melhores amigos por anos! Ele pelo menos poderia respeitar meus sentimentos...

- Escuta, tudo isso é complicado pra mim também... Mesmo que eu já tenha ficado irritado com Mark antes, eu não posso escolher um lado. Eu acho que você tá certo, Mark agiu errado, mas você não tá pensando no lado dele...

- Por que eu deveria?!

- Você pegou pesado com ele.... A última vez que vocês brigaram dessa forma, Mark ficou muito mal e-

- Eu não tô nem aí! Você acha que eu vou ser idiota pra sempre? Você acha que só por que o Mark não consegue aguentar umas verdades eu vou sair correndo pra consolar ele? Eu não faço mais nada por ele, eu falo sério quando digo que cheguei no meu limite. Por que eu deveria me importar com uma pessoa sádica como ele?

- Eu sei que você tá com raiva, tá chateado, mas você não é assim. Deixar Mark pra trás sem ninguém não foi a melhor decisão.

- Olha, eu não vou mais ficar ouvindo isso.

Jackson se levantou e mesmo que os mais novos protestassem para ele não ir embora sem eles se entenderem, Jackson foi mesmo assim.

- Por que você ficou calado? Jackson poderia ter me dado ouvidos se você tivesse me ajudado! – Yugyeom perguntou revoltado.

- Eu tô muito confuso pra raciocinar...

- Você acha que eu falei besteira?

- Não... Eu acho que Jackson deveria ter ouvido isso, mas não foi o melhor momento, ele está machucado e na defensiva. Nada do que a gente disser que seja a favor do Mark, ele vai aceitar... Tô me sentindo meio mal por não ter pensado pelo lado dele....

- Eu acho que tudo bem... Nenhum dos dois está tomando decisões muito inteligentes.

- Acha que a gente deveria ficar fora disso?

- Tá louco? Esses dois não vão se resolver sem uma ajuda nossa.

- Eu espero que Mark esteja bem.

/////

Havia se passado dois dias e Mark não conseguia deixar a cama porque os lençóis cheiravam como Jackson. A mala que o mais novo tinha deixado para trás continuava no mesmo lugar. Mark se fechou completamente, passando esses dois dias inteiros convencendo a si mesmo de que ele realmente não era digno do amor genuíno que Jackson lhe ofereceu.

Em algum momento entre chorar até dormir e se odiar acordado, Mark sentiu falta da sua família, afinal ele estava na sua terra natal, porém não podia nem correr para casa como um adolescente sem ter que explicar o que estava acontecendo. Então quando estava prestes a fazer uma semana, ele rolou para fora da cama e tomou um banho descente, fez a barba e juntou tudo que era seu ou de Jackson e deixou o hotel, decidindo aproveitar a passagem de volta que tinha comprado junto a ele. Mark avisou os pais por mensagem que estava voltando para Seul e embarcou sentindo-se tudo menos pronto para encarar Jackson.

Mark pediu a seu manager que o buscasse no aeroporto, mas que não avisasse ninguém. Quando ele chegou, deu a Mark um abraço esmagador, mas xingando-o ao mesmo tempo por ter sumido.

- Você tá horrível.... – ele comentou olhando Mark pelo retrovisor do carro.

- Obrigado. – Mark respondeu tirando o celular do bolso para finalmente ler suas mensagens.

- Todo mundo estava preocupado! O que aconteceu? – ele perguntou, mas Mark se manteve calado, deixando seu corpo absorver lentamente o fato de Jackson não estar incluído nesse ‘todo mundo’.

Mark desbloqueou a tela do celular, seu estômago dando uma cambalhota porque seu papel de parede era uma foto dele e de Jackson. A dita foto foi batida em um restaurante, em um dos últimos encontros dos dois. Jackson estava emburrado porque a parte favorita de Mark em uma das músicas do GOT7 não era a dele e quando Mark tentou tirar uma foto, rindo do comportamento do mais novo, Jackson simplesmente vestiu a expressão mais tediosa e indiferente possível enquanto Mark sorria como uma criança, mas logo em seguida Jackson riu porque Mark realmente tirou a foto, e Mark tirou mais uma com eles sorrindo. Essa era foto que Mark usava como papel de parede, a primeira foto Jackson usava como o dele.

Ele leu todas as mensagens que haviam lá e até mesmo ouviu as mensagens de voz.

Quando eles chegaram no prédio do dormitório, Mark agradeceu a carona e pediu desculpas por causar preocupações. Com um pouco de dificuldade ele entrou no elevador puxando a sua e a mala de Jackson. Ele respondeu a uma das mensagens de Jaebum com um simples “Voltei” antes de entrar em casa.

Tudo estava silencioso, então ele presumiu que ninguém estivesse em casa. Mark tirou os sapatos e acomodou as malas ao lado do sofá. Ele olhou de um lado para o outro, respirou fundo e fechou os olhos. Ele estava em casa.

- Ai meu Deus, Mark! – ele abriu os olhos rapidamente, se assustando com a voz de Jinyoung que logo o estava abraçado – Quando você chegou? Como? Onde você tava? Você tá bem? – Jinyoung passava a mão no rosto e cabelo de Mark, inspecionando a procura de qualquer ferimento ou até mesmo respostas.

- Agora. De avião. Em um hotel em Los Angeles. – Mark respondeu segurando os braços de Jinyoung para impedir que ele continuasse a esfregar seu rosto. – Jinyoungie... – ele sorriu fraco e abraçou o amigo forte, mas Jinyoung gritou em seu ouvindo, chamando por Jaebum.

- O que f- Mark! – Jaebum correu para perto dele e o encarou por uns bons 10 segundos.

- Hi?

- Por que não respondeu minhas mensagens? – Jaebum perguntou quando os três se sentaram no sofá.

- Eu respondi. – Mark respondeu e Jaebum buscou o celular no bolso do casaco, só para depois de ler a mensagem e a hora, repreender Mark com o olhar.

- Sério, estávamos preocupados com você!

- Eu sei, me desculpem... Mas eu não conseguia voltar. – Mark respondeu olhando para suas mãos.

- O que aconteceu? – Jinyoung perguntou sem rodeios.

- Onde estão os outros? - Mark perguntou mudando de assunto.

- Eles saíram com o Ja-

Não foi preciso completar a frase. O barulho de bip interrompeu Jaebum e a porta foi aberta, a sala sendo invadida pela risada tão característica de Jackson.

Mark entrou em pânico e imediatamente cravou as unhas na pele de suas mãos.

Quando Jackson viu Mark, o riso parou e o sorriso morreu aos poucos. Mark não estava acostumado aquela reação.

“Não era pra você estar aqui”  era só o que Mark conseguia pensar.

Eles se olharam por um bom tempo e nenhum dos presentes fez questão de interromper. A boca de Mark estava entreaberta e ele queria muito dizer alguma coisa, mas não conseguia porque apesar de Jackson o olhar aborrecido, ele conseguia ver a tristeza misturada ali dentro, o que ficou mais evidente quando os olhos dele começaram a marejar e ele quebrou o contato visual.

- Boa noite. – foi a primeira coisa que saiu da boca de Jackson, e logo ele estava sumindo no corredor em direção ao quarto de Yugyeom e BamBam, porque o seu infelizmente era ao lado de Mark. Yugyeom foi atrás dele, mas BamBam ficou.

Aquela noite nenhuma pergunta foi feita, todos os silêncios foram respeitados e Jackson ‘fugiu’ para o seu apartamento no momento que Mark foi para o quarto.

/////

Mark realmente foi ingênuo quando pensou que depois de um tempo Jackson deixaria a guarda baixa e ele talvez tivesse uma chance de se aproximar para conversar, mas isso não aconteceu. Depois de semanas as atividades do GOT7 voltaram a acontecer, de fanmeetings a apresentações em programas de televisão, e Jackson nunca esteve tão distante.

Era como em The Sims, eles haviam construído uma relação forte em anos, mas depois de uma briga feia, a barrinha de relacionamento foi decaindo, passando por amigos distantes até chegarem em estranhos. E doeu. Mark não era muito bom em disfarçar suas emoções, por exemplo, qualquer um poderia dizer quando ele estava irritado porque Mark cutucava sua bochecha com a língua. Então as fans perceberam a enorme lacuna que existia entre eles, porque Jackson era o velho Jackson com todo mundo, mas se ele trocasse três palavras com o Mark durante a semana já era uma vitória. Já Mark, esse não sorria como antes, não ria, e na maioria das vezes era pego encarando Jackson com o mais patético olhar de tristeza que alguém já vira.

 BamBam chegou a aconselhar os dois a pelo menos tentarem interagir na frente do público porque rumores já estavam sendo criados e eram muito irritantes, no entanto Jackson se manteve firme a sua decisão de afastar Mark.

É uma merda quando dois amigos brigam e os outros sentem como se devessem escolher um lado e toda a dinâmica do grupo é afetada. Jaebum, por exemplo, não saia do lado de Mark, enquanto que Jinyoung e Youngjae eram mais vistos com Jackson. Algumas vezes algum comentário maldoso escapava pelos lábios de Jackson e mesmo que nem todos entendessem do que ele falava, sabiam que era direcionado a Mark porque esse ficava visivelmente desconfortável, sinceramente, era como chutar um animal morto e Mark não fazia ideia de como Jackson conseguia ser malvado as vezes, e como ele poderia? Jackson já havia sido tudo, menos maldoso com Mark.

Então um dia, nas primeiras horas da manhã, Jaebum foi pego saindo do quarto de Mark e coincidentemente Jackson estava no dormitório aquele dia.  Foi muito constrangedor, Jaebum sentiu como se tivesse feito algo que não devia e Jackson teve que enrolar a sua língua para no perguntar se Jaebum havia dormido lá, mas Jinyoung perguntou de qualquer forma.

- Você dormiu com o Mark?

Jackson nem piscava e Jaebum sentia que o olhar dele estava perfurando sua pele.

- Ah... – Jaebum coçou a cabeça e começou a andar em direção a cozinha – Ele passou mal...

- O que ele tem? – Jinyoung perguntou alcançando ele. Jackson logo atrás.

- Já tinha uns dias que ele não parava de tossir e pedi que ele fosse no médico.

- E então?

- Ontem ele teve uma crise de tosse, tossiu tanto que vomitou. Me espanto que você não tenha ouvido.

- Me Deus, ele tá bem?! – Jinyoung perguntou dando meia volta para tentar ir ao quarto de Mark.

- Ele está bem agora. – Jaebum afirmou impedindo o amigo e aproveitando para olhar Jackson – O médico disse que é uma tosse psicogênica. – Jaebum explicou fazendo uma careta.

- O que é isso? – Jackson perguntou, suas feições perturbadas pela informação que recebeu.

- É uma tosse emocional, não é causado por vírus e nem nada do tipo. – Jaebum começou a preparar o café – Sério, eu acho que Mark está todo fodido por dentro.

- E como se trata? – Jackson perguntou sentando-se em uma das cadeiras da cozinha.

- O que você está fazendo aqui? – Jaebum perguntou se virando.

Todo mundo se calou, até mesmo Jaebum porque nem ele sentiu as palavras saindo pela sua boca.

- Eu vim buscar algumas coisas que deixei aqui. – Jackson respondeu baixinho.

Jaebum suspirou e colocou as mãos no rosto.

- Olha, é melhor você pegar suas coisas e sair antes que ele acorde. Eu não sei o que causou essa tosse porque Mark simplesmente não fala o que incomoda tanto ele, mas é claro pra todos nós que tem a ver com a briga de vocês, então eu não acho que seja bom para Mark ficar perto de você mais que o necessário. Por favor, Jackson, colabora. 

Jackson nem sabia como se sentir. Era certo sentir indignação porque seu amigo tomou o lado da pessoa que fez mal a ele? Era certo sentir raiva de si mesmo porque talvez Jaebum estivesse certo e ele realmente estava fazendo Mark sofrer além da conta? Jackson estava confuso e ele não queria lidar com esses sentimentos agora, por isso ele fez o que Jaebum pediu.

- Você acha que eu peguei pesado? – Jaebum perguntou quando Jackson saiu.

- Eu acho que se a gente não se meter e resolver logo as coisas entre esses dois, todas as relações vão ficar abaladas. – Jinyoung respondeu enquanto pegava um pouco de café puro.

- Ele não te disse nada?

- Não... Mas eu sinto que Yugyeom e BamBam sabem de algo.

- Mas não é certo perguntar, Mark e Jackson é quem deveriam contar.

- Eu não tô ne aí, o que eu mais quero é bater a cabeça desses dois uma contra a outra e acabar logo com isso!

- Sabe o que é pior? – Jaebum perguntou rindo do que Jinyoung dissera. – Os dois estão escalados para uma live amanhã.

Jinyoung quase cuspiu o café.

/////

- Eu não quero ir. – Mark respondeu quando Jaebum entrou no seu quarto para saber se ele estava pronto.

Jaebum pressionou os lábios para não rir de Mark, porque suas roupas estavam amassadas, o cadarço do seu All Star estava desamarrado e o seu cabelo parecendo um ninho de passarinho, combinados a sua expressão de puro desanimo e irritação.

- Sério, eu sou seu amigo e não sua mãe, só estou checando vez ou outra pra saber se está vivo, não vou te puxar pela orelha pra você ir, mas posso te chutar até lá.

Os dois sabiam que isso era uma mentira descarada. Desde que Mark havia voltado Jaebum não saia de perto dele, preocupação estava tatuado na sua testa. Ele ficava de olho se Mark estava comendo direito ou não, tentava puxar conversas sobre assuntos aleatórios quando Mark passava muito tempo sozinho no quarto. Jaebum até arrastava Mark quando podia para eles trabalharem em algumas demos ou projetos em estúdio. A mais recente atitude de Jaebum havia sido na noite anterior, quando parecia que Mark estava tossindo seus pulmões para fora. Quando ele entrou no quarto para saber se Mark estava bem, o mais velho estava sentado no chão tossindo e chorando tanto que Jaebum quase entrou em pânico. Ele manteve Mark em seus braços, acariciando sua costa em uma tentativa de acamá-lo, repetindo “vai passar” como um mantra até que Mark dormiu e ele resolveu passar a noite ali caso ele tivesse outra crise.

Mark fez uma careta de desgosto e se abaixou para amarrar seu tênis.

- Qual a finalidade disso tudo? Ele vai me tratar mal de qualquer jeito.

- Não reclama comigo Mark, foram os managers de vocês que armaram isso.

“Vou demitir aquele demônio” foi o que Jaebum ouviu Mark murmurar.

- Só ignora se você sentir que ele está te atacando ou algo do tipo. Eu não posso te ajudar muito porque você não me conta o que aconteceu, então...

Mark quase contou algumas vezes, mas entre todos eles, Mark achava que Jaebum era o que reagiria pior.

- Só seja profissional.

- Profissional? É o v-app, é pra ser divertido e não profissional. –Mark suspirou e Jaebum também.

- Me liga se acontecer algo, okay?  – Mark confirmou com um leve aceno de cabeça, dando tapinhas nos bolsos da calça a procura de seu celular.

- Obrigado. – ele abraçou Jaebum brevemente e saiu do quarto.

/////

A live seria gravada em uma das salas da JYP e quando Mark chegou no prédio seu celular vibrou sinalizando uma mensagem. Ele tirou o celular do bolso enquanto caminhava até o elevador mais próximo.  Seu coração perdeu o ritmo por alguns segundos quando Mark leu “Gaga” na tela do celular, ele deslizou os dedos devagar para desbloquear o celular e apertou na mensagem.

[Eu tô na sala de sempre, vai demorar?]

Mark leu a mensagem várias vezes e antes de responder ele percebeu como a última mensagem que Jackson havia lhe mandado tinha sido há muito tempo atrás. Seus dedos digitaram uma simples resposta enquanto ele adentrava o elevador.

[Já cheguei, tô subindo]

Mark não pode deixar de pensar que aquilo poderia ter sido um progresso, um pequenino passo em direção a uma aproximação, mas antes mesmo dele chegar ao seu andar ele concluiu que estava sendo otimista demais. Então ao invés de se iludir com seus pensamentos ele tentou se preparar para agir o mais normal possível na live, colocou um sorriso no rosto, contou até 3 e abriu a porta da sala.

- Oh, hyung! – Mark foi cumprimentado e seu sorriso caiu um pouquinho, mas uma parte dentro dele já esperava por algo assim. Yugyeom também estava na sala.

- Eu convidei Gyeomie para fazer a live com a gente. – Jackson informou o obvio.

- Okay. – Mark respondeu sentando ao lado do maknae.

Os dois mantiveram a live a mais animada possível, enquanto Mark apenas lia alguns comentários.

  “Parece que faz anos desde a última vez que vi Mark em uma live” – Yugyeom leu o comentário e Mark sorriu se desculpando. - “Mark oppa está doente? Jackson oppa cuide dele, por favor!”

- Ele sabe se cuidar sozinho~ - Jackson mascarou a voz.

- Hyung perdeu peso, mas ele está bem. – Yugyeom respondeu.

- Isso, não se preocupem, estou bem – Mark disse acenado para a câmera.

Houveram uma infinidade de comentários sobre a relação dos dois, mas eles ignoraram pelo bem da live, que por sinal foi muito bem graças a personalidade vibrante dos dois, enquanto Mark apenas ria ali e aqui. Eles encerraram depois de meia 20 minutos e Jackson se apressou para ir embora.

- Jackson! – Mark chamou antes que ele pudesse cruzar a porta. Jackson suspirou e Yugyeom lhe lançou um olhar para que ele fosse até Mark.

- Hm?

- A gente pode conversar? – Mark perguntou e Jackson quase respondeu “não” imediatamente, porém Yugyeom disse que os deixaria a sós e saiu de fininho da sala.

- Olha, eu tenho um compromisso, não pode ficar pra outro dia? – Jackson perguntou ajeitando seu relógio no pulso.

- Outro dia? Em um outro dia você vai me dar uma desculpa igual a essa... – Mark respondeu rindo sem humor.

- Bem, eu acredito que a gente não tenha mais nada pra falar. O que aconteceu naquele hotel já foi suficiente você não acha?

- Jackson, por favor. – a voz de Mark vacilou e ele fechou os olhos para tentar se controlar porque ele não queria começar a chorar agora – Por favor, eu entendo que você queira me punir, que esteja com raiva, mas isso é demais. Você não tá vendo que tá me destruindo?

- Eu não quero punir você Mark, eu só quero que você entenda de um modo efetivo que eu não te quero perto de mim nunca mais.

- Gaga, por favor, você não pode fazer isso. – Mark tentou segurar na mão de Jackson, mas o mais novo recuou depressa.

- Foi você quem fez Mark. – Jackson riu.

- Me desculpa, por favor. – a garganta de Jackson pareceu fechar por causa do jeito que Mark falava, ele nunca ouviu Mark implorar dessa forma e não gostou nada de ser por culpa dele. – Eu sei que estraguei tudo, que não pensei em você, mas eu me apavorei. Jackson eu-

- Mark, cala a boca. – Jackson apertou os olhos com a palma da mão e Mark ficou mudo na hora, as lágrimas rolaram e quanto mais ele piscava, mas elas caiam – Você pode falar por horas, mas tudo pra mim vai parecer desculpas nojentas de como você não foi capaz de lutar por mim. Sério, a sua definição de amor é uma das piores que eu já vi! Eu não quero perder mais meu tempo com você, aceita Mark, por favor.

- Se você continuar com isso pode ser que não tenha volta. – Jackson riu alto.

- Que ótimo Mark, então será que agora eu posso ir?

- Merda! Que merda, Jackson! – Mark puxou seus cabelos tentando para o choro – Você acha mesmo que isso é certo? Você achar que é uma pessoa melhor do que eu? O que mais você tem feito é apontar o dedo na minha cara, qual seu objetivo?  Pisar em mim até eu deixar de existir? Puta merda, você diz que não temos o que conversar, mas você nunca me deixa falar! Porra, eu sei que errei, eu errei feio com você, e me sinto um lixo pelo que aconteceu, mas você nem tenta ver o meu lado! Eu queria muito ser como você, ser corajoso, mas eu não sou, Jackson eu realmente tenho que te dizer o óbvio?  Nós somos pessoas diferentes! Nós sentimos diferente, agimos diferentes, e você de todas as pessoas desse mundo, eu achei que você entenderia. Eu não sou a melhor pessoa desse mundo, mas eu nunca, nunca, quis te machucar! Eu não me orgulho de ser assim, mas-

- Sai daqui.

- O que? – Mark perguntou atordoado.

- Vai embora Mark.

- Não... Jackson.

Mark se aproximou de Jackson tentando segurar em seu ombro, mas Jackson se esquivou novamente, e Mark tentou mais uma vez e Jackson segurou firme em seu braço.

- Vai embora Mark!

- Por favor, Jackson! – Mark cobriu a boca com suas mãos, a manga do suéter grandes demais, formando delicadas sweater paws, dando a Mark um ar mais frágil do que o normal.

- Eu acredito que amor tem a ver com lealdade, e você nem mesmo tentou ser leal aquele sentimento!

- Eu não fiz isso, por favor!

- Não, não, Mark! – Jackson abaixou a cabeça e colocou as mãos sobre ela, como se estivesse com dor.

- Não me afasta, por favor. – Mark finalmente conseguiu se aproximar sem e puxou de leve a manga de Jackson.

- Você não entende? – Jackson levantou a cabeça para olhar Mark - Você é toxico pra mim.

O celular de Mark começou a tocar e Jackson percebeu que era o melhor momento de ir embora. Mark não o impediu de ir pela segunda vez porque ele sentiu que não estava mais em nenhum canto do coração de Jackson.

Seu nariz estava congestionado de tanto chorar, respirar parecia difícil e o música que tocava em seu celular havia parado. Os caninos afiados perfuraram seu lábio inferior e ele conseguia sentir o gosto do sangue. Seu celular começou a tocar de novo e Mark resolveu atender, ele apertou os olhos para tentar clarear sua visão e atendeu a ligação.

- O que foi Bam?

- Mark onde você tá? Vem pra casa agora! Você precisa ver isso!

- O que? Do que você tá falando?

- Meu Deus, Mark eu acho que é ela!

- Bam, eu não tô-

- Mark, você precisa ver isso, cara, isso é não pode ser coisa boa!

- Caralho do que você tá falando?

- Eu vou te mandar o link ok? Nós nunca temos paz, que droga.

A ligação foi encerrada e Mark ficou sem entender nada do que BamBam falara, mas foi o suficiente para distrai-lo e fazer o choro cessar. Seu celular vibrou e um ding anunciava uma nova mensagem.

[lembra da sua conta antiga do facebook? hora de reativar ela, sério Mark, você tem que ver isso, não é uma brincadeira.]

Abaixo da mensagem tinha um link e Mark já estava começando a se assustar porque mesmo quando BamBam aprontava, ele não conseguia ser tão sério assim.

Mark conseguiu reativar a conta e voltou na mensagem para acessar o link. Ele esperou a pagina carregar e fez uma careta quando caiu em perfil com o seu nome completo e uma foto antiga.

- Whatahell...? – ele rolou a página para baixo e só havia uma postagem, com mais de mil curtidas e comentários. Era uma contagem regressiva de 24 horas, tinha um gif de automutilação como fundo e uma mensagem.

“Tudo que você tem que fazer é vir me encontrar”

/////

Jackson tentou sair o mais rápido que pode do prédio, ele cumprimentou rapidamente algumas pessoas e esperou impaciente o elevador, quando finalmente as portas se abriram ele deu de contra com Jaebum.

- O que está fazendo aqui?

- Onde está o Mark?

Os dois falaram ao mesmo tempo e Jackson saltou uma risada seca ao ouvir a pergunta de Jaebum.

- Ele me ligou desesperado, eu já estava no prédio porque me preocupei com ele... Você fez alguma coisa?

- Você tá tão preocupado ultimamente, mudou de ideia por que? Você não achava que Mark era um egoísta que vivia chorando pelos cantos?

Jaebum revirou os olhos e resolveu ignorar Jackson pelo bem do seu autocontrole.

- Are you fucking him, don’t you?  - Jackson gritou do corredor. Sendo o cara inteligente até nos piores momentos, ele escolheu inglês esperando que as outras pessoas ao redor não entendessem, e pareceu funcionar, mas Jaebum entendeu tudo muito bem.

- Você perdeu a cabeça? Tá maluco? Escuta aqui, eu ainda sou mais velho que você e eu sei lá que bosta foi essa que aconteceu entre vocês, mas é melhor você se policiar e escolher muito bem suas palavras quando estiver na minha presença.

Jaebum retornou ao seu antigo trajeto e Jackson foi deixado sem voz.

“Eu devo mesmo estar perdendo a cabeça. ”


Notas Finais


Oi de novo c:
Lembram do capitulo anterior quando Mark deu o anel pro Jackson? Esse anel existe viu gente? Eu salvei o link da foto pra postar no fim da capitulo, mas esqueci sdkj então vou deixar nesse aqui pra vocês darem uma olhadinha :')
https://img1.etsystatic.com/101/1/5939366/il_570xN.842730397_jien.jpg
.
.
É, não foi dessa vez djfdskjf eu acho que esse é um capitulo de transição para o fim? Não sei dkjfdsk mas serviu pra deixar claro como eles estão se sentindo eu acho.
Sobre a tosse, também existe, eu entendo um pouco porque já passei por isso, as causas podem ser essas: Excesso de pensamentos reprimidos por medo ou por falta de opção; Falta de compreensão dos outros, que não escutam o que é falado; Decisões e situações que foram aceitas contra a vontade; Resistência às mudanças. (fonte do google ne mores dkjfdk)
Mark tá passando por tudo isso, e eu tô me aplaudindo por me lembrar dessa condição que se encaixou tão bem kfjdkfj
Bom, acho que é só isso :)
tchau~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...