História Yellow Flowers - Jikook - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Amarelo, Bts, Drama, Flores, Jikook, Kookmin, Principe, Realeza, Romance
Visualizações 134
Palavras 1.263
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oioi, voltei
espero que gostem de yellow flowers, é meu xuxu inteiro

quero agradecer a bru, por ter feito essa capa divina, sério, muito obrigada! eu amo você <3

não esqueçam de dar suporte à fanfic, eu amo vocês!
boa leitura <3

Capítulo 1 - 30 dias


Fanfic / Fanfiction Yellow Flowers - Jikook - Capítulo 1 - 30 dias

Jimin estremeceu da cabeça aos pés ao sair de casa no frio de Daegu. Como era habitual, encontraria sua mãe e sua irmã mais nova na floricultura dos Park. O rapaz envolveu seu pescoço descoberto em um cachecol de pano fino, já muito desgastado. Se havia uma coisa que não podia obter agora era um resfriado.

Chegando no lugar em que trabalhava, beijou a testa da mãe e procurou por Sunhee para ajudá-la com sua tarefa de casa.

— Oi, pequena. — envolveu-a em seus braços em um abraço caloroso. — Como você está? — a menina lhe sorriu, dizendo que estava tudo bem, tranquilizando o irmão, que puxou uma cadeira ao seu lado e começou a pintar um desenho consigo, para que conseguisse apresentar a lição no dia seguinte na escola.

Jimin era muito apegado às suas garotas. Na parte da manhã trabalhava na casa de famílias mais ricas, na parte da limpeza ou no jardim. No meio da tarde trabalhava com a mãe, onde ficava até o anoitecer. Seu desejo era poder dar à irmã uma boa educação, um sustento à mãe e manter sempre um alimento na mesa.

Depois de finalizar com a irmã e conversarem um pouco, Park se levantou, vestindo seu avental característico da floricultura e foi para a parte da frente da loja, supervisando as demais flores que ai existiam.

Passou entre as rosas amarelas, narcisos, girassóis, tulipas e crisântemos. Suas pétalas da tonalidade amarela despertavam um sentimento de aconchego dentro do peito do rapaz.

Era fato que Park era apaixonado por todas as cores, principalmente quando pigmentadas nas pétalas de alguma flor, mas a coloração amarela sempre lhe chamou mais a atenção, sempre lhe remeteu a bons pensamentos e boas lembranças junto aos familiares.

Quando aproximava-se de uma mudinha de girassóis, ouviu a mãe gritar-lhe:

— Ji, meu amor, vem aqui por um instante! — o rapaz a obedeceu, dando de cara com um homem alto e mais velho vestindo o uniforme real.

— Ahm, pois não? — parou ao lado de Jiwon, que tinha um doce sorriso nos lábios, embora também não soubesse o que aconteceria a seguir.

— Vim sob ordens do nosso rei, Jeon Seung. — o coração de Jimin errou uma batida. — Ele solicita a presença de algum dos Park para ajudá-lo com a decoração da festa de aniversário de Vossa Alteza, o príncipe.

— O que?! — deixou escapar. — Uh, me desculpe. — coçou a garganta. — Mas como que o rei sabe da nossa floricultura? Não existem outras mais famosas e mais caras? — levou os dígitos ao couro cabeludo, bagunçando alguns de seus fios dourados.

— Bem, existem. — concordou o mais alto. — Mas, por ordens do princípe, solicitamos às floriculturas mais comuns, se assim posso dizer, para ajudar novas pessoas. — Jiwon apertou a mão do filho, um tanto desacreditada. — A senhora é proprietária de uma ótima mercadoria, além do que, observamos alguns trabalhos decorativos feitos por vocês. — a respiração de Jimin parecia acelerar cada vez mais. — A senhora chamou a atenção da família real. — terminou, por fim.

— Eu agradeço muito aos elogios, mas eles deveriam ser direcionados ao meu filho. — a mulher disse com simplicidade.

— Omma! — Jimin exclamou, envergonhado.

— É verdade. Você é uma pessoa muito dedicada, meu querido. É meu orgulho. — sorriu, apertando a bochecha do rapaz. — O senhor diz que quer que um de nós vá ao Palácio para decorar a festa do príncipe, é isso? — voltou a palavra ao homem, que concordou.

— Como o Palácio é localizado na província de Busan, hospedaríamos, por um mês, quem nos acompanhasse. — os olhos de Jimin quase saltaram para fora. Não iria ficar um mês longe da mãe e da irmã para viver com a família real. De maneira alguma! 

— É possível o senhor nos dar um minutinho? — o louro pediu, logo puxando a mãe para um canto, onde poderiam conversar à sós.

— Ji, é a nossa chance de ter uma renda melhor! — a mulher parecia animada.

— Omma, não.. — lamentou.

— Vá, querido. Você dá conta do trabalho. — acariciou seu rosto. — Eu ficarei à sua espera com Sunhee.

— Eu não quero ir.. — fez um biquinho nos lábios. — Você sabe que não sou a favor do governo de Seung. — sussurrou, olhando para os lados, certificando que não havia ninguém ouvindo a conversa.

— Por favor, filho. Isso ajudará a gentr. — Jiwon suplicou, vendo o rapaz suspirando pesado, concordando.

— Certo. — disse por fim. — Mas ficarei apenas um mês, exatamente 30 dias. Não passarei nem mais um segundo lá além disso. — a mulher assentiu, abraçando Jimin com força.

Quando voltaram, o homem permanecia no lugar em que estava, olhando ao redor e batucando a ponta dos dígitos no balcão. Assim que Jimin anunciou sua ida, pegou em sua pasta alguns papéis, dizendo que era parte do trabalho.

Park levou o outro até a sala que antes estava com Sunhee, onde sentaram-se em uma mesa para discutirem a papelada.

— Isso tudo é mesmo necessário? — bufou o louro, recebendo um olhar tedioso do mais alto.

— Sim, senhor. — entregou uma caneta a Jimin, junto a um formulário. — Precisamos que informe sobre seus dados pessoais, se tem alergia a algo, se é necessário que tome alguma medicação e afins. — coçou a garganta, observando Jimin fazer o que lhe foi solicitado. — Daqui dois dias retornaremos aqui para levar o senhor até a província de Busan, onde ficará hospedado no castelo da família real, com um quarto exclusivamente seu. — Park concordou. — Não será necessário que o senhor leve suas roupas, receberá tudo de acordo com suas medidas das costureiras de lá. Leve itens pessoais, se for de sua preferência. Só não é admitido qualquer tipo de arma e qualquer coisa que possa prejudicar a realeza.

O louro suspirou, terminando de escrever e devolvendo os papéis ao homem.

— Se estiver de acordo com todas essas informações, mais as regras que aqui estão escritas. — lhe entregou outra folha. — Assine aqui, por favor. — lhe entregou um tipo de documento. Após ler tudo, Jimin fez o que lhe foi pedido, sem ter tempo de sentir qualquer tipo de arrependimento.

O mais velho levantou-se, sendo acompanhado por Jimin. Apertaram as mãos e Park pode ouvir mais algumas recomendações, cansando-se. Foi lhe dito sobre a quantia de dinheiro que receberia pelo trabalho e ficou mais relaxado, podendo perceber que era uma quantidade alta para sustentar a família. Depois de um tempo, viu o homem se retirar da loja.

— Eu.. preciso tomar um ar. — Park deu um beijo na testa da mãe, saindo da floricultura, ainda de avental, e marchando até a casa do melhor amigo.

Quando chegou, foi recepcionado pela senhora Kim, que lhe evolveu em um abraço caloroso e lhe guiou até o quarto do filho.

— Jimin! O que faz aqui? — Taehyung beijou sua bochecha.

— Taehyung, eu estou desesperado. — sentou-se ao lado do amigo na cama.

— Por qual motivo? — olhava-o de maneira séria.

— Eu vou viver um mês sob o teto dos Jeon. — confessou, vendo o moreno arregalar os olhos.

— Você só pode estar brincando. — Taehyung abriu um sorriso de orelha a orelha, pensando em mil e uma possibilidades de acabar de vez com o governo da família Jeon.

Jimin fechou os olhos com força. Tudo o que queria era desaparecer do planeta.


Notas Finais


é isso, já tem o segundo postado também, espero que tenham gostado!!

bru xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...