História Yellow Flowers - Jikook - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Amarelo, Bts, Drama, Flores, Jikook, Kookmin, Principe, Realeza, Romance
Visualizações 94
Palavras 2.044
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


não esqueçam de dar suporte à fanfic, eu amo vocês!
boa leitura <3

Capítulo 4 - Meu super-herói


Jungkook encarava os três rapazes de forma séria. Sua irmã, Momo, tinha o cenho franzido ao notar a expressão do louro.

— Vossas Altezas. — Yoongi pronunciou, realizando a reverência junto ao soldado e ao florista.

— Alguém pode me explicar o motivo de tanta agitação? — o princípe insistia em obter uma resposta. — Você é Park Jimin, certo? — direcionou o olhar ao rapaz, que tentava controlar a respiração.

— Sou sim, Alteza. — sua voz estava trêmula. Antes de Jeon conseguir dizer algo, a princesa se aproximou.

— Podemos conversar? — sorriu docemente ao rapaz, que apenas assentiu com a cabeça, seguindo Momo pelos corredores do palácio.

Jihyun assistira o irmão se distanciar, tendo o coração acelerado e a cabeça girando.

— Yoongi? — Jeongguk chamou, recebendo o olhar do citado. — O que houve? — estava confuso, ouvira as falas agitadas de Jimin e fora checar o motivo daquilo. Não queria que o rapaz ficasse inquieto no seu primeiro dia ali, sequer havia conversado com ele ainda.

— Eu não sei. — o de fios negros respondeu. — Jimin estava comigo, estávamos indo até o jardim, por pedidos do mesmo, e então ele e o soldado começaram a discutir. 

— Soldado... — Jeon procurou pelo nome do rapaz em seu uniforme  — Jihyun. — olhou para o mesmo, que confirmou. — Você e o senhor Park já se conheciam?

O moreno suspirou, afirmando com a cabeça.

— Alteza, Jimin e eu somos irmãos. — pôde ver a surpresa nos olhos do príncipe. — E, digamos que, nosso último encontro não foi algo muito agradável. — Park limitou-se àquelas palavras. Não queria e nem se sentia na liberdade de expor sua vida pessoal a Jungkook.

— Uh, compreendo. — assentiu levemente com a cabeça. — Obrigado, soldado. — o citado fez, novamente, uma reverência. — Yoongi, podemos? — fez um gesto para que o empregado lhe seguisse.

— Jungkook, não brigue com o rapaz. — sussurrou, vendo que já estava longe o suficiente das outras pessoas do castelo. Assim, poderia tratar Jeon de forma informal, já que ambos haviam se tornado bons amigos. — Ele não fez nada.

— Não vou. — tranquilizou o outro. — Momo está com ele, acho que irei procurá-los. 

— Vai fazer o que? Digo, quando encontrá-los. 

— Ah, eu quero conhecer o rapaz. E quero me desculpar também, acho que acabei sendo um pouco rude. — passou os dígitos pela nuca, fazendo uma careta mínima. — Vou trabalhar com ele durante um mês inteiro, não quero que me odeie.

— Ele não vai te odiar. — Min disse de imediato. — Ele é um doce de pessoa, estou com ele desde sua chegada aqui, e foi super gentil. — sorriu para o moreno. — Você finalmente fez uma boa escolha, Alteza. — brincou com o rapaz, que riu nervoso.

— Pare, Yoon. — tinha um sorriso triste no rosto. — Eu só pude escolher sobre a decoração do meu aniversário, nem sobre isso ele deixa eu resolver. — bufou. 

— Calma, Jungkook, acredite em si mesmo, você vai conseguir abrir o olho de seu pai e ser um rei incrível. — piscou o de fios negros. — Agora, respire fundo e vá conversar com Jimin. — empurrou o príncipe de leve, que assentiu e foi em direção à escadaria principal, na busca de sua irmã.

��

— Me desculpe, Alteza, não precisa se incomodar com isso. — o louro dizia a mesma frase repetidas vezes. 

— Já disse que não estou fazendo isso por obrigação, Jimin. — dizia de forma arrastada, entrando em seu quarto com o florista, que recuou.

— Não, esse é seu quarto? — a princesa concordou com a cabeça. — Não, não, é sua privacidade, eu não posso fazer isso. — Jimin ainda tinha o corpo trêmulo, queria Taehyung ali, que sempre sabia a maneira exata para lhe acalmar.

— Vamos, se está aqui é porque eu quero você aqui. — Momo sorriu para o louro, segurando sua mão. 

Park finalmente cedeu, hesitante, sentando-se com a Jeon num pequeno sofá que tinha ao lado da cama.

— Está mais calmo? — a garota perguntou, mesmo já sabendo da resposta.

— Me desculpe por aquilo, não irá se repetir. — pequenas lágrimas saiam dos olhos de Jimin.

O rapaz estava envergonhado, não passara nem um dia no palácio e já havia arrumado confusão. O que o príncipe pensaria de si? Essa era uma de suas preocupações. Não podia ser demitido e perder o dinheiro que entregaria à mãe.

Estava confuso devido ao encontro com Jihyun. Como o irmão havia chegado ali? Por quê?

— Não precisa se desculpar, está tudo bem. — segurou a destra de Jimin. — Se quiser conversar sobre, sinta-se à vontade. — fez uma pausa. Jimin a olhava com receio. — Eu sei que sou uma princesa e que nunca tivemos contato antes, mas eu quero que se sinta bem, afinal, você está na minha casa. — suspirou. — Eu entendo você. É difícil ficar longe da família e vir para um castelo cheio de gente desconhecida. Mas, por favor, não se acanhe comigo. Você parece ser muito gentil, eu percebi quando estava com Yoongi. — sorriu. — Eu só quero ser sua amiga, sem rótulos, nem nada.

O louro assentiu, agradecendo baixinho. Tentou abrir a boca para falar, mas começou a chorar. Contou o rosto com as mãos e sentiu Momo lhe envolver em um abraço ladino.

— Obrigado, Alteza, de verdade. — suspirou, com o tom de voz baixo. Fez uma pausa, tentando se acalmar antes de retomar a fala. — Aquele rapaz, o soldado, ele é meu irmão mais velho, Park Jihyun.

— Seu irmão? — Jimin concordou. — Mas vocês estavam discutindo?

— Há algum tempo atrás, ele e meu pai saíram de casa, deixaram eu, minha mãe e minha irmã pequena sozinhos. — suspirou, ainda chorando. — Sem sequer nos dar uma explicação. — a princesa tinha o coração apertado, não imaginava aquilo, acreditava que os rapazes eram antigos amigos, apenas. Apertou o louro no abraço.

— Sinto muito, Jimin.. 

— Ele era meu melhor amigo, meu super-herói. E, simplesmente, nos deixou. — murmurou, com as bochechas vermelhas, assim como seus olhos e a pontinha de seu nariz.

Momo ia dizer algo quando ouviu três singelas batidas na porta. O rosto de Jeon logo pode ser visto.

— Eu.. oh. — o príncipe interrompeu a fala ao notar como Park se encontrava. Entrou no cômodo e sentou na cama da irmã, sem abrir a boca.

— Alteza? — Jimin desesperou-se ao ver o moreno ali. Tentou se levantar, mas Momo não deixou, segurando sua mão. — Céus, me desculpem por isso. — abaixou o olhar, completamente envergonhado. 

— Jungkook, você poderia nos deixar sozinhos por um instante? — a garota o olhava, repreendendo-lhe. O moreno não deu ouvidos, iniciando a fala:

— Não se desculpe, está tudo bem. — o louro levantou o olhar até si. — Peço perdão por poder ter soado rude anteriormente, não foi a intenção. 

— Não foi rude, Alteza. — abaixou o olhar novamente. 

— Poderia ter sido mais cauteloso. — deu de ombros.

Park nada respondeu. Enxugou os olhos com as mãos e viu a princesa tirar o braço de seu redor. Sorriu minimamente a ela, que retribuiu.

Um silêncio pesado tomou conta do ambiente. Jimin não sabia o que fazer, queria correr para longe e tentar esquecer um pouco dos problemas. Estava proporcionando uma impressão contrária da que queria passar à família real. Estava sendo vulnerável, fraco. Queria mostrar-se forte e independente, mas estava falhando miseravelmente. 

Precisava focar em suas garotas agora, precisava trabalhar duro e orgulhar a mãe. 

Evitaria cruzar com Jihyun no decorrer do dia, procuraria não se mostrar abalado com a situação.

Respirou fundo e se levantou, recebendo o olhar dos irmãos.

— Me desculpem pelo incidente, Altezas, não acontecerá novamente. — antes de qualquer um ali conseguir responder, continuou a falar: — Já estou melhor e me sinto pronto para começar a trabalhar. — seu olhar parou em Jeongguk, que também se levantou.

— Caso queira descansar um pouco, sinta-se à vontade. Podemos começar amanhã. — o príncipe respondeu de forma simples.

— Não, não há a necessidade. — disse rapidamente. Estava ali para trabalhar, não criar laços de amizades.

— Ok. — o moreno sorriu.

— Ok. — falou de forma arrastada, devagar. — Eu, hmn, vou indo, se me derem licença. — curvou-se diante aos irmãos. 

Momo levantou-se subitamente, indo em direção ao rapaz.

— Se precisar de algo, ficarei contente em lhe ajudar, está bem? — o louro agradeceu timidamente. — Yoongi também sempre estará à sua disposição. — Park sorriu, gostara da companhia de Yoongi.

— Eu te acompanho até seu quarto. — Jungkook saiu com o florista, que cedeu ao ato.

Ambos seguiram quietos durante todo o caminho. Jeon tentava observar o jeito do semelhante, que apenas caminhava com o pensamento de que, em breve, tudo voltaria ao normal. 

Estava tenso com a companhia do príncipe, não sabia como agir, queria gritar, mas sabia que se fizesse, complicaria as coisas para seu lado.

Desejava estar com os dois melhores amigos, desejava estar em sua casa sob os cuidados de sua mãe e sem toda essa pressão que começava a lhe cercar.

Quando chegaram ao cômodo desejado, ambos se encararam. Começaram a falar coisas distintas ao mesmo tempo e, então, pararam. Jungkook sorriu e pediu para que Jimin repetisse o que havia dito.

— Obrigado, Alteza. — estava sério, com o olhar vidrado no de Jeon, que assentiu.

— Eu irei tomar um banho, terminar de resolver uma questão levantada com meu tutor hoje cedo e logo volto aqui para começarmos a discussão sobre a decoração. Tudo bem? — o moreno também não tirava os olhos do rapaz. Observou seu jeito tímido e acanhado enquanto concordava consigo e curvava-se antes de entrar no quarto. 

Deu meia volta e foi a procura de Namjoon. Tinham novos assuntos para resolverem.

No entanto, Jimin permaneceu inquieto, jogou-se na cama e socou um de seus travesseiros. Levou os dígitos ao couro cabeludo e bagunçou os fios dourados.

Foi até o banheiro e ligou a banheira. Despiu-se por inteiro e entrou na água, permitindo-se chorar e deixando toda sua angústia sair. 

Lavou os cabelos, massageando bem o couro cabeludo, tentando aliviar a dor que começava a crescer devido ao choro.

Quando terminou o banho, abriu o armário que ali tinha e pegou um roupão branco. Secou os fios louros e foi em busca de algo para vestir.

Quando abriu o guarda-roupas, deparou-se com diversos tipos de blazers e camisas sociais. Fez uma careta ao perceber que não haviam camisetas, moletons e sobretudos ali. Teria que aprender a se vestir como alguém importante e bem visto.

Como não estava com muito frio, não pegou nenhum blazer, apenas uma camisa social da cor branca.

Colocou a mesma junto com a calça e os sapatos sociais. Olhou-se no espelho. Estava bonito, charmoso. Sorriu levemente e se sentou na poltrona que acompanhava a penteadeira.

Penteou os cabelos sem pressa, deixando-os perfeitamente arrumados. Jimin preferia não usar perfumes, por si só, já exalava um aroma gostoso.

Estava pronto, no aguardo do príncipe para poderem começar a trabalhar.

Enquanto aguardava, foi até a sacada e observou a vista que tinha. Conseguia ver um pedaço do jardim e as diversas flores que tinham ali. Sentiu o peito aquecer, adorava ver aquela quantidade de cores juntas, embelezando a paisagem. 

Avistou, num número menor, as flores com sua coloração amarela. Estavam em desvantagem se comparadas com as vermelhas ou brancas. 

Park teve vontade de sair correndo e ficar naquele jardim, mas antes de poder realizar tal ato, ouviu as três batidas na porta soarem sutilmente pelo quarto.

O rapaz suspirou e fechou a porta da sacada, indo atenter a principal.

Quando a abriu, viu Jungkook com um terno todo preto, incluindo a camisa que estava debaixo do blazer fechado. Realizou a reverência.

O príncipe sorriu para si e deu espaço para o louro sair do quarto.

— Podemos começar? — perguntou, andando com o louro pelo corredor, que concordou de imediato.

Ambos os rapazes terão que enfrentar um longo trabalho pela frente.


Notas Finais


espero que tenham gostado!

bru xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...