História Yes... My Lady! - O Herdeiro✡ - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroshitsuji
Personagens Agni (Arshad), Alan Humphries, Aleister Chamber (Visconde de Druitt), Alois Trancy, Bardroy "Bard", Beast, Charles Phipps, Claude Faustus, Condessa Rachel Durless-Phantomhive, Diedrich, Doll, Earl Charles Grey, Elizabeth Midford, Eric Slingby, Finnian "Finny", Grell Sutcliff, Hannah Annafellows, Joker, Lau, Madame Red (Angelina Dalles), Mey-Rin, Personagens Originais, Pluto, Príncipe Soma Asman Kadar, Ran-Mao, Ronald Knox, Sebastian Michaelis, Sieglinde Sullivan, Snake, Sr. Tanaka, Undertaker, Vincent Phantomhive, William T. Spears, Wolfram Gelzer
Tags Kuroshitsuji
Visualizações 125
Palavras 3.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Lencinhos a mão!
E lá vamos nós.

Capítulo 38 - Capítulo XXXIX✝


Vicente olha pela janela do escritório ouvindo o barulho ficar mais alto, eles estavam vindo em bando, Valentina estava na cozinha também ouvindo o mesmo barulho.

Ela estava mais tranquila ao saber que Emilly estava longe Dalí, mas estava preocupada ao saber que ela estava com um Demônio.

Poucos metros Dalí o inimigo vinha em um Jepp pronto para um combate eram 3 jepps levando no mínimo 5 pessoas.

Todas elas vestiam sobretudos Pretos e não pareciam estar ali pra brincadeira.

- Malditos... - Disse Vicente já vendo o inimigo se aproximar

Valentia que estava na cozinha puxa uma arma que estava grudada embaixo do balcão da cozinha, Ela recarrega e já fica com a arma na mão.

Vincente Olha para o porta retrato com a foto de Emilly que ficava em cima da mesa ao lado de um monte de papéis.

- Isso é por nós Emilly... - Disse Vincente

Pouco próximo dali Emilly e Sebastian corriam no meio do mato fugindo do inimigo que estava próximo, Emilly olha pra trás vendo a imagem da sua antiga casa sumir.

Ela está insegura...

Os inimigos param o carro na frente da casa, todos descem dos jepps, um Homem se aproxima de outro com uma seringa que contém um líquido verde.

Ele aplica no pescoço do outro, o homem cai no chão após sentir o líquido entrar em seu pescoço.

Vicente e sua esposa observam isso pela janela dos cômodos aonde estão, O Homem começa a reagir ao líquido, ele se contorce e até grita de dor porém ao cair no chão, Sua pele Muda para uma pele jamais vista, os olhos do homem saltam um pouco pra fora, e ele começa a se transformar em algo não humano.

Até que sua capa é rasgada e ele se transforma em um tipo de Devedor de carne ele solta seu som aterrorizante que causa medo em qualquer um que escute.

Vicente abre um pequeno detalhe da cômoda aonde há um botão vermelho ele apertar.

Janelas de metais cobrem às de vidro deixando a casa um pouco segura, porém a casa fica toda escura, Vincente acende às luzes de emergência da casa.

Valentina estava na cozinha procurando algum sinal de movimento, escuta o som do devorador de carne e depois se assusta ao ver que ele está tentando arrombar a janela de metal.

Ela já fica alerta, Derre pente todas em todas às janelas um devorador de carne tenta arrombar, pelo som dás tentativas violentas de quebrar a base de metal da janela eles estavam em grande quantidade.

Valentina se esconde atrás do balcão ainda segurando sua arma.

Derre pente um silêncio....

Vicente observa tudo pelas câmeras de segurança da casa.

Às janelas de metal da casa são quebradas e os decoradores entram pela cozinha, Era hora de Valentina agir por si própria.

Ela pega sua arma e usa para atirar em casa devorador que está entrando, Vicente abre a cômoda aonde estão duas catanas.

- Mesmo sabendo que vou morrer... Não vou deixar de lutar! - Disse Vicente com sua catana

Ele escuta o som dos devoradores de carne no corredor, ele concentra sua respiração.

Então o devorador arrebenta a porta e entra com suas pressas abertas, Vicente logo reage usando sua catana que está afiada.

Os pais de Emilly não sairiam dali sem lutar.

Longe Dalí estava Emilly sendo puxada por Sebastian, ela ficava nervosa a cada vez que via a sua casa sumir de sua vista.

- Sebas.... Espera! - Disse Emilly segurando o mordomo

- My Lady... Precisamos ir... - Disse Sebastian

- Eu não posso... São meus pais! - Disse Emilly

- Não pode voltar lá... É perigoso! - Disse Sebastian

- Mas Sebastian... - Disse Emilly

Uma explosão acaba de acontecer dentro da casa, Emilly vê que agora sim o incêndio havia começado, Seus pais..  ela precisava salvar a vida deles.

Ela se solta do Mordomo e saí correndo de volta pra Casa que está pegando fogo apenas no telhado.

- MY LADY!!! NÃO! - Gritou Sebastian correndo atrás da moça

Emilly não escuta seu Mordomo e corre em direção á Mansão já sentindo um cheiro forte da fumaça, ela para pra tossir mas continua correndo.

- Papai! - Gritou Emilly

Ela corre em direção a casa que está possuída pelo fogo, Ela entra pela entrada principal aonde tudo está sendo possuído pelo fogo, os porta retratos caem no chão e se quebram às recordações da família são possuídas pelo fogo.

Emilly corre em direção á cozinha.

- MÃE! - Gritou Emilly

Valentina estava presa nos restos que caíram do telhado que havia sido destruído pela explosão, Emilly corre até sua mãe.

- Emilly... Saía daqui! - Disse Valentina

- Não vou deixar você... - Disse Emilly

Ela pega nos braços de sua mãe e faz força para tirar sua mãe.

- Emilly... Vai embora! - disse Valentina

- Não mãe.... - Disse Emilly

- Vai logo! - Disse Valentina

- NÃO!!!! - Gritou Emilly insistindo em tirar sua mãe Dalí

Emilly tira seu tapa olho.

- Sebastian... Venha me ajudar! - Disse Emilly

- Pois não My Lady... - Disse Sebastian aparecendo

- Me ajude a tirar minha mãe daqui... - Disse Emilly

Sebastian e Emilly juntos tentam levantar os destroços do telhado, Valentina tenta se soltar.

- Sebastian! Segura! Vou puxar Ela... - Disse Emilly

Sebastian procura fazer força para manter os destroços levantados, Emilly agarra nos braços de sua mãe e consegue puxar sua mãe pra fora.

- Mãe.... Você está Bem? - Perguntou Emilly

- Sim... - Disse Valentina

Sebastian larga os destroços.

- My Lady... Precisamos sair daqui a casa vai desabar daqui alguns minutos... - Disse Sebastian

- Não posso sair daqui sem meu pai... - Disse Emilly

- Sebastian vá com ela... Eu vou sair daqui... - Disse Valentina

Sabatian concorda com a cabeça.

Emilly e Sebastian saem correndo até o segundo andar da casa, Valentina corre pra fora da casa tentando recuperar o ar.

Emilly chega até o segundo andar que está sendo mais prejudicado pelo fogo.

- PAIÊ!!!!!! - Gritou Emilly

Emilly corre pelo corredor sem ter medo do fogo, ela anda até o escritório e não há nada lá.

Ela corre em direção a um quarto, e seu pai estava desmaiado ali.

- Papai.... - Disse Emilly

Emilly corre até seu pai e ele está um pouco desacordado.

- Emilly... Eu te mandei sair... - Disse Vicente

- Não vou sair daqui sem você... - Disse Emilly

- My Lady! Têmos que Sair agora Daqui.... Vai desabar! - Disse Sebastian

O teto da casa estava rachando.

- Sebastian por favor carrega meu pai... Temos que correr o mais rápido possível... - Disse Emilly

Sebastian pega o pai de Emilly no colo.

- Obrigado Sebastian.... Por proteger minha menina - Disse Vicente um pouco fraco

- Não se preocupe My Lord! - Disse Sebastian

Emilly e Sebastian saem correndo pela casa, eles conseguem sair, a casa desabar após eles saírem.

Emilly recupera o ar após correr muito.

- My Lady... Precisamos sair de perto Daqui! A fumaça está muito forte... - Disse Sebastian

Olhei pra macieira perto do Rio.

- Vamos pra lá... - Disse Emilly

Os dois andam até a macieira.

- Falta pouco pai.... - Disse Emilly

Tiros são disparados conta eles, todos se jogam no chão pra se proteger.

- O que está acontecendo? - Perguntei

- São eles... - Disse Vicente

Emilly Percebe que há 5 homens armados andando pelo lugar.

- Droga.... Temos que chegar até a macieira... -  Disse Emilly

- Eles são muitos.... - Disse Sebastian

Emilly sente o revólver em seu bolso.

- Então eu vou fazer algo...- Disse Emilly

Ela pega o revólver e se levanta e atira na cabeça dos homens, Sebastian fica impressionado, Emilly conseguiu acertar 2 homens, depois ela se abaixa de novo.

- Droga... - Disse Emilly

- Temos que sair daqui... - Disse Sebastian

Alguém pisa no braço de Emilly, a jovem não consegue agarrar o revólver que acabou escapando de sua mão após a pisada, Sebastian tenta reagir tentando pular em cima do agressor mas ele lgoo é agarrado por dois homens.

Alguém agarra Emilly pelos cabelos tirando a jovem do chão e a estendendo pro alto como se ela fosse um objeto.

- Ora Ora Ora... Vejam só quem achamos aqui... -  Disse um homem alto que usava uma máscara que só não cobria sua boca

- Me solta seu cachorro.... - Disse Emilly 

Sebastian Conseguiu se soltar dos homens e derrubar os dois no chão, Ele corre em direção ao homem que está com sua Lady, Porém o homem não se íntimida, ele dá um soco no Mordomo que com a força do soco acaba sendo arremessado para longe e batendo a cabeça no tranco da árvore.

- SEBBY!!!! - Gritou Emill vendo que seu mordomo havia se machucado

Outros homens armados chegam.

- Olhem só quem eu achei pessoal... - Disse o homem exibindo Emilly

Eles deram risada, Emilly começa a se preocupar.

- Me deixa em paz... - Disse Emilly

Ele riu de mim.

- Assim tão Cedo? Ainda temos que acertar contas... - Disse o homem 

Ele joga o corpo da menina no chão, Emilly começa a receber socos pesados do homem em seu rosto, a garota sente o sangue escorrer pelo seu rosto.

- Anda Vadia... Reage! - Disse o homem socando o rosto de Emilly

Vincente observa a cena ainda um pouco fraco, seu instinto paterno grita para que ele reaga, Emilly após receber vários socos e colocada de joelhos diante do homem e é segurada por outros dois pelos braços.

Emilly recebeu tantos socos que ela mal consegue manter o equilíbrio da cabeça, O nariz da jovem sangra e ela não consegue piscar o olho direito.

- Emilly.... - Sussurrou Vincente

- Essa Vadia até que é gostosa... - Disse um Homem que segurava o braço de Emilly

Emilly começa á receber chutes em sua barriga de outros homens, a garota cospe sangue, Os homens não se intimidam com sua dor.

- Eu não ligo... Podem me socar á vontade...- Disse Emilly

Os homens ficam em silêncio, o Homem grande que usava a máscara olha pra garota vendo que apesar de ter sido agredida ela continua forte e não se intimidou com a agressividade.

- Eu... Vou salvar a vida dos meus pais... Esse é o sacrifício que eu vou fazer... - Disse Emilly

O mascarado chuta o rosto da garota, ela imediatamente joga o rosto pra trás e deois cospe um dente.

O mascarado ri da garota.

- Vadia... Acha mesmo que está salvando seus pais desse jeito? - Perguntou o  mascarado dando risada da menina

- Eles serão salvos...  E você não vai impedir... - Disse Emilly com o rosto machucado

- Acho que você está se esquecendo de alguém não está? - Perguntou o mascarado

Os Homens andam até Vincente e o levantam pelo braço, Vincente observa o rosto da filha todos machucado, Ele não queria ficar ali parado.

- Mamãe... - Susssurou Emilly lembrando da sua mãe

- Ei! Tragam pra cá... - Disse o mascarado

Diante dos homens armados, havia um que segurava um saco marrom, o coração da Jovem para de bater ao ver aquilo.

O homem se aproxima jogando o saco na frente da garota porém com um detalhe, estava saindo sangue do conteúdo que tinha dentro.

Emilly tremeu ao ver aquilo mas sua frente, os homens soltam o braço da garota e ela corre até o saco, ela está com às mãos trêmulas e não tem coragem de abrir.

Mas algo dentro dela Diz que ela não pode sair dali até confirmar, Ela abre o saco, ela arregalou os olhos ao ver a cena de horror que tinha dentro dele.

- AAAAAAAAA!!!! - Gritou Emilly deixando o saco cair no chão e colocando às duas mãos cheias de sangue na cabeça

Vincente começa á derramar lágrimas ao ver a cena.

Os homens voltam a segurar Emilly que continua gritando e chorando ao mesmo tempo.

- Achou mesmo que ia vencer? - Perguntou o mascarado

- VOCÊ É UM MONSTRO!!!!! - Gritou Emilly

Ele dá risada da garota, o saco continua alí na frente de Emilly e ela mal têm coragem de olhar outra vez.


- Porque você tem que ser tão cruel? O que ela te fez pra você ser assim... - Disse Emilly chorando muito

Ele dá uma risadinha.

- Isso não importa... - Disse o mascarado

Ele pega uma arma do seu bolso e aponta pra menina.

- NÃO! - Gritou Vincente

- Adeus Herdeira...  - Disse o mascarado

Sebastian passa em alta velocidade e agarra o mascarado pelo pescoço, fazendo com que ele caía no chão, Emilly se solta dos dois homens e agarra o revólver de um deles e atira na cara de um deles.

O outro tenta acertar a jovem com o cano da arma mas leva um tiro, Vincente também se solta do homem que o segurava e chuta a barriga dela fazendo ele cair.

Ele corre até sua filha que está com a arma,  Sebastian continua enforcando o mascarado que tenta se defender mas não consegue.

- CORRA MY LADY!!! - Gritou Sebastian

Emilly e Vicente correm no meio da grama alta do quinta da casa, eles correm em direção a macieira que estava próxima Dalí.

Sebastian tenta manter o mascarado imóvel o máximo de tempo que ele consegue, porém o mascarado chuta o mordomo Fazendo com ele caia um pouco longe.

O mascarado vê um cadáver de um dos seus homens e pega o revólver, Vincente e Emilly continuam correndo, O mascarado aponta a arma para Emilly que corria sem perceber O inimigo de pé.

- MY LADY!!!! CUIDADO!!!! - Gritou Sebastian

Vicente escuta o grito do Mordomo e depois o tiro é disparado, ele olha pra sua filha e vê que a bala está indo na direção dela.

Em questão de segundos ele corre até sua filha e abraça na intenção de derrubar a jovem no chão, Porém a bala pega na nuca de Vincente.

Os dois caem no chão, Sebastian puxa uma faca de seu bolso e enfia no pescoço do mascarado por trás, Impedindo que ele atire outra vez.

Emilly olha pra trás e vê seu pai sangrar, ela se assusta e saí debaixo dele.

- Papai... - Disse Emilly deitando seu pai no chão

- E-emi... - Disse Vincente

Emilly fica de joelhos e coloca a cabeça de seu pai em seu colo.

- Papai aguenta firme.... - Disse Emilly Já chorando e pegando na mão de seu pai

A bala por pouco acertou e caiu não atravessando a cabeça de Vicente.

- Emilly... Filha! - Disse Vincente já chorando e tremendo

- SEBASTIAN!!! CHAMA AJUDA!!! - Gritou Emilly

Sebastian corre pra ver se encontra alguém que possas ajudar, Emilly olha pra seu pai que estava ficando trêmulo.

- Eu não vou Sair daqui até ter salvar... - Disse Emilly

Vicente aperta a mão da filha, Emilly começa a chorar alto ao ver o pai naquele estado ela vê seu colo ficar sujo de sangue.

A garota já começa a ter certeza de que algo ruim vai acontecer, Emilly aaproveita e arrasta seu pai pra debaixo da macieira, falatava um pouco para eles chegarem.

Emilly chora acariciando o rosto do seu pai.

- Papai eu te amo... - Disse Emilly

- Eu também.... - Disse Vincente

Vincente com suas maos cheias de sangue vai até seu pescoço e puxa uma corrente com um pingente de estrela e coloca nas mãos da filha.

- Fique.... - Disse Vincente derramando algumas lágrimas

Emilly beija o pingente e depois coloca.

- Emi... Você se lembra daquela música? Que você... Cantava quando era criança? - Perguntou Vincente

- A da... Estrela? - Perguntou Emilly

- É.... Cante! Pro seu pai... Por favor! - Disse Vincente

Emilly sorri pro seu pai apesar das lágrimas e do desespero, Vincente aperta a mão esquerda de sua filha.

- Às... Estrelas! Do céu...  brilham pra dédeu bem.... - Emilly para de cantar para secar suas lágrimas - Bem no coração de Paris... No alto da torre Eiffel! Aonde... - Emilly se calou um pouco pra chorar - É a minha.... Estrelinha da sorte.... - Cantou Emilly com tom de voz baixo

Vicente chorava em silêncio.

- E nunca vai se apagar...  - Cantou Emilly já com a voz rouca

A garota sente seu pai soltar sua mão, ela arregala os olhos.

- Pai? - Chamou Emilly

Vincente não responde, porém ainda estava de ollhos abertos.

- Papai.... - Disse Emilly sacudindo seu pai que não reage

Ela começa a tremer.

- Pai... Vamos pai.... - Disse Emilly sacudindo seu pai sentindo às lágrimas descer

Vincente não reage, Emilly vê suas mãos cheias de sangue, ela coloca a cabeça de seu pai no chão.

Ela tenta se conter, isso não poderia ser real, Emilly treme ao olhar novamente pro seu pai.

Ela começa a chorar de novo mas se contendo pra não ter que admitir pra si mesma que aquilo estava acontecendo.

Mas ao ver o sangue sair da cabeça de seu pai, ela entende o que aconteceu, ela agarra a terra que estava em baixo de suas mãos.

- Pai.... Não! - Disse Emilly derramando lágrimas quentes pelo rosto

Ela solta a terra de suas mãos.

- PAI!!!!!!!! - Gritou Emilly com toda força que conseguia

Seu pai estava morto...

A garota passou os últimos minutos embaixo daquela macieira gritando pelo pai, ela no fundo já sabia mas não queria aceitar.

Sebastian volta e se depara com sua Lady encostada na árvore, ele correu procurando ajuda dos vizinhos que não estavam em casa.

Mas já era tarde demais....

Emilly abraça sua mão suja com o sangue de seu pai, Sebastian se aproxima dela.

- Eu lamento! My Lady - Disse Sebastian

Emilly olha pro seu mordomo tentando não acreditar no que tinha acontecido, Sebastian ajuda sua Lady à se levantar.

À Tarde Esta quase acabando...

Emilly com uma pá que era deixada poucos metros da macieira retirava a terra, ela estava cavando um buraco embaixo da macieira que seu pai havia plantando quando comprou a Mansão.

Emilly retirava a terra em silêncio sentindo às lágrimas rolarem, Sebastian fecha os olhos de Vicente e o arruma para que ele fosse enterrado.

Emilly cavou o buraco, ela e Sebastian colocam o corpo de Vincente dentro dele.

Emilly não consegue dizer mais nada ao ver seu pai no fundo Daquele buraco, Era o sonho dele ser enterrado embaixo de uma macieira.

Após alguns minutos, Emilly começa a jogar a terra em cima do corpo de seu pai, ela faz isso sem demonstrar emoção alguma, sem ter culpa de ver o corpo de seu pai ser coberto pela terra.

Após fechar o buraco Emilly bate com a pá na terra, Sebastian aparece com algumas flores que ficavam no quintal da família.

Emilly não diz nada apenas observa, Sebastian permanece em silêncio.

O tempo de está quase acabando...

- My Lady... Precisamos voltar pra nosso tempo... - Disse Sebastian

Emilly e Sebastian andam pelo quintal ainda observando o incêndio que ocorria na casa, deixando pra trás a macieira e o túmulo de Vincente.

----------- ------------ -----------

Voltamos pro nosso tempo e pra nossa realidade, Só que desta vez eu já sabia que não havia sido um acidente.

- My Lady... Amanhã é o Funeral! Já arrumei sua roupa... - Disse Sebastian aparecendo no meu quarto

Eu estava sentada na cama observando a lua da janela do meu quarto, Eu não tinha mais como responder.

Sebastian me deixa sozinha, e eu fico sem me mexer apenas pensando em várias coisas.

Porém sem lágrimas o suficiente pra chorar....

Amanhã é o funeral de meus pais... Apesar de tudo... Eu cumpri uma tradição da vida.. 

Os filhos sempre devem enterrar os pais....








Notas Finais


Continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...