História YESTERDAY Bughead - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Archibald "Archie" Andrews, Elizabeth "Betty" Cooper, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Veronica "Ronnie" Lodge
Tags Bughead, Drama, Riverdale, Tragedia
Visualizações 302
Palavras 2.015
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Survival, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Heyyyy
que tantos favoritos *----------------*

Obrigada pelos comentários incríveis tbmmmm aaaaa vcs me fazem feliz.

Capítulo tenso, porém pelo nome vcs já sabem no q vai dar ne kkkk

Salvation é da Gabrielle Aplin

Capítulo 29 - Capítulo XXVIII - Salvation


Capítulo XXVIII

Salvation

 

“Você não entende, Archie, eu não tenho notícias delas desde madrugada”

Já era domingo a noite e eu ainda não tinha tido notícias nem da Betty nem da Lorena. Tentei até mandar mensagem para o Logan, mas ele nem recebeu, provavelmente me bloqueou. Então resolvi ligar para o Archie e pedir ajuda.

“Eu posso ir até lá fingindo que quero saber como a Lorena está se sentindo diante da descoberta do pai biológico.” Ele sugeriu.

“Eu acho perigoso. E se o Logan tiver enlouquecido de vez e desconfiar que você está me ajudando? Ele te mata”

“E o que você sugere?” perguntou.

“Será que você consegue convencer a Verônica a ir checar?”

“Cara, ela tá do lado do Logan nessa” respondeu.

“Justamente por isso é seguro para ela ir. Ele nunca vai desconfiar porque não é intenção dela me ajudar” expliquei.

Archie aceitou pedir ajuda da Verônica e disse que me retornava quando ela respondesse. Enquanto aguardava tentava não surtar com o medo de alguma coisa ter acontecido a elas nesse meio tempo.

Nessa madrugada a Betty me ouviu e, por algum motivo, acreditou em mim. Tenho medo de que o motivo dela ter acreditado em mim tenha sido porque o Logan fez algo a ela, algo que a fez não duvidar de nada que viesse dele. Temo por ela, o tempo inteiro. Ela me disse que ele sempre foi bom para elas duas e que nunca nem sequer levantou a voz para elas. Mas algo havia mudado. Perder o Jessie o deixou fora de si, agora ele temia perde-las mais do que tudo. Estava obcecado pela ideia de prendê-las a ele.

E em meio a confusão em que nossa filha nos meteu, ela conseguiu sussurrar um “eu te amo” no meu ouvido, chorando. Ela estava tão emotiva e cansada. E eu só queria que ela fosse feliz, mas feliz de verdade e não só por alguns momentos.

Ela me disse que não podia sair de lá, não podia deixa-lo. Disse que estava presa a ele “mais do que nunca”, palavras dela, e eu não sei o que ela quis dizer. Espero que ele não a tenha ameaçado como fez comigo.

Finalmente Archie retornou a ligação.

“Ela não acreditou em mim, cara. Ela disse que ela mesma falou com a Lorena hoje e a menina disse que estava tudo bem, mas que a Betty estava gripada” ele disse.

“Gripada o escambau! O que ele fez com ela?” me exaltei.

“Não sei. Você vai ter que esperar ver se a menina vai para a aula amanhã”

Que droga!

Quanto mais tempo elas passarem naquela casa, mais risco elas correm. E eu estou aqui de braços cruzados! Inútil!

Desliguei o telefone o jogando na parede. Ele se desmontou inteiro, mas eu não estou nem aí.

Para conseguir dormir, tomei um calmante que eu tenho sempre guardado. Desmaiei.

Acordei apenas no dia seguinte na hora de ir trabalhar. Nem comi, apenas tomei banho e me arrumei, indo direto para a escola.

Minha surpresa ao chegar na sala de aula, foi ver a Lorena sozinha na sala, pois ainda era cedo para os demais estarem lá. Ela me olhou e correu na minha direção.

“Você precisa ajudar a gente!” ela disse.

“Me diz como vocês estão” pedi

“Eu estou bem, ele não tocou em mim, só me trancou. Mas a mamãe, ela...” ela não conseguia falar, começou a chorar.

“O que houve com a sua mãe?” comecei a me desesperar.

“Ela tá doente, eu acho. Ela não se levanta da cama, nem por mim. Eu não sei o que fazer, parece que ela desistiu” disse entre soluços.

“Como assim? Ele machucou ela?”

“Acho que não fisicamente” disse simplesmente.

Eu não entendi o que ela quis dizer, mas também não deu para ela me explicar pois o sinal tocou e os alunos entraram na sala.

Como não tinha condições algumas de dar uma aula que preste, pedi apenas para que eles fizessem uma redação sobre todo o assunto, o que fez eles protestarem.

Enquanto eles faziam suas redações, fiquei tentando pensar num plano de tirá-las daquela casa, mas nada me veio a cabeça. Foi quando a Lorena chegou me entregando o que era para ser sua redação.

Ela me entregou uma carta.

“Me desculpe, mas eu realmente tenho este homem como meu pai e não posso esperar que o machuquem para que ele pare. Também não posso ficar de braços cruzados assistindo ele machucar minha mãe. Precisamos fazer alguma coisa. Por isso, tenho um plano. Enquanto você lê essa carta, estou indo até a sala da minha tia Verônica e contando a ela tudo o que está acontecendo. Ela vai acreditar em mim e vai te ajudar assim como o tio Archie (inclusive o plano foi ele quem elaborou comigo de madrugada).  Esta noite ainda, preciso que você consiga o máximo de ajuda que conseguir e vocês vão esperar num ponto que o tio Archie vai te dizer pessoalmente, se até as três da manhã eu e a mamãe não sairmos de lá ou a luz piscar três vezes, por favor, entrem pela entrada secreta do porão, tio Archie sabe onde fica, eu expliquei a ele. Nós estaremos esperando. Só peço que, por favor, não machuque o meu pai, ele está perdido, apenas. Um dia vai se encontrar e se desculpar, garanto.”

Ela tinha elaborado tudo com o Archie. Archie este que não me ouviu e se aventurou a ir tentar ajudar.

Pobre menina, ainda ama esse monstro. Mas que bom que ela sabe que a mãe não deve ficar com ele.

Quando a aula acabou, fui direto atrás da V.

“Você ouviu dela?” perguntei.

“Jug, pelo amor de Deus, como eu ia adivinhar?” ela parecia desesperada.

Archie entrou na sala como um foguete.

“Eu comprei passagens para vocês três. Não vou dizer para nenhum de vocês o destino para ficar ainda mais difícil dele rastrear vocês depois. As passagens são para seis horas da manhã, precisamos de um carro rápido!” ele explicou.

“Eu acredito que consigo um do meu pai” eu disse.

“Chama ele para fazer parte do plano, ele vai ser de grande ajuda” Archie sugeriu.

“Como vocês não podem usar cartão de crédito senão o Logan rastreia, eu vou separar um dinheiro vivo que tenho no cofre, assim vocês pagam hotel e qualquer despesa que tenham. Depois arrumamos um jeito de mandar mais” Verônica disse.

“Eu tenho milhões!” expliquei.

“Mas qualquer movimentação na sua conta, e ele vai descobrir onde vocês estão” Archie explicou.

Okay, tínhamos um plano, isso já era um começo.

Fui até a casa do meu pai e contei o que estava acontecendo. Antes mesmo de eu chama-lo para fazer parte do plano, ele se ofereceu. Disse que nesses casos é melhor um carro esportivo que corra muito, mas que fosse seguro. Então me emprestou o dele.

Mais tarde Verônica me liga dizendo que a Lorena esqueceu a mochila na escola, mas quando abriu haviam roupas dentro.

A menina é esperta. Sabia que malas só atrapalhariam a fuga, então levou mais cedo para a escola.

V me entregou a bolsa da menina com roupas dela e da Betty, poucas mas dava para começar.

Já estava quase na hora de irmos ao lugar indicado e o nervosismo me consumia. E se não desse certo? Ele as mataria de vez.

Fomos ao local que Archie estava nos indicando. Meu pai foi dirigindo porque estávamos todos nervosos demais para isso. Lá, meu pai e V ficaram responsáveis por esperar para ver se alguma luz na casa piscava, já eu e Archie ficamos à espreita para ver se elas saíam da porta secreta.

Nada. Nem saindo da porta e nem luz piscando. Ainda não era três horas, mas esse era o tempo máximo e já estava perto.

Então ouvimos um barulho. Algo se quebrou lá dentro. Por puro reflexo eu corri em direção à porta. Archie veio atrás de mim e acredito que todo o resto também. Passamos pelo porão e subimos as escadas até a sala.

Ao chegar lá, uma cena que, infelizmente, eu nunca vou esquecer.

Lorena estava desacordada no sofá e Betty jogada no chão com um arranhão no rosto. Logan tinha uma arma que apontava para Lorena, ameaçando Betty.

“Oh, parece que chegou a equipe de resgate!” ele ironizou.

“Solta elas, Logan! Deixa elas em paz!” Verônica implorou.

Ele está bêbado, posso afirmar.

“Elas são minhas e eu já disse que só deixarão de ser em cima do meu cadáver!” Logan respondeu.

Lorena pediu para eu não o machucar e era o que eu estava tentando fazer.

Corri em direção à Betty enquanto meu pai pegou Lorena nos braços.

“Você está bem meu amor?” perguntei à Betty. Ela apenas sacudiu a cabeça afirmando.

“Ah, mas não tem mesmo medo do perigo!” Logan disse apontando a arma para mim.

Por um momento eu jurei que fosse morrer, mas eu não estava muito ligando para mim naquele momento. Queria desesperadamente salvá-las.

“Acorda, querida!” ouvi a voz do meu pai, e ao olhar percebi que ele sacolejava minha filha para despertá-la “acorda e veja o que seu pai está fazendo”.

Despertando aos poucos, Lorena viu o seu “pai” apontando uma arma para mim e sua mãe.

Logan pareceu se preocupar com o que a menina ia pensar, pois imediatamente abaixou a arma nos dando chance de fugir.

Peguei a Betty no colo enquanto meu pai carregava a Lorena, não deixando ela parar de olhar para Logan.

Saímos pelo lugar que entramos e fomos direto para o carro e, de lá, corremos para o aeroporto.

“Ele deve ter me dado algo para dormir” Lorena disse meio grogue “sorte que a mamãe não desistiu e ia me carregar para fora”.

Eu poderia aproveitar o momento para encher a Betty de perguntas, mas queria que ela descansasse. A vida da gente agora seria de fuga e não seria nada fácil.

As passagens nos levariam para o Texas. Verônica nos mandou ir para um sítio totalmente isolado que existia lá e pertencia a sua família, haveria um carro lá no estacionamento do aeroporto esperando por nós. Disse que lá nós iríamos mudar nossas identidades e que teríamos seguranças, uma milícia que o pai dela montou com homens bem perigosos.

Pedi que Archie cuidasse da Iris, que quando tudo melhorasse iríamos busca-la.

Ao chegarmos no Texas, descemos em Dallas. Havia um carro com motorista esperando por nós, mas a viagem de carro era longa queríamos descansar, então usamos o dinheiro vivo que tínhamos e fomos para um hotel.

Até lá, Betty não tinha dito uma palavra. Mas depois que a Lorena finalmente dormiu, ela veio conversar comigo.

“Ele estava tentando me engravidar” começou “achava que era eu ter uma filha com você que me prendia a você, então queria me engravidar”

“E você aceitou?”

“Claro que não, mas aí ele fazia mesmo eu não querendo” caiu no choro.

“Oh Betty, ele abusava de você?”

“Sim, mas ele me sedava, quando eu acordava estava toda suja, era horrível” fungou mais um pouco “ele começou a enlouquecer porque ele não conseguia me engravidar”

“Porque os anjos estão nos ajudando” disse alisando seu rosto.

“Não, Jug. Ele conseguiu, mas eu abortei. Em Riverdale, no domingo depois que a gente se acertou”

“Você estava grávida quando a gente transou?” questionei.

“Sim. Mas eu não queria, no outro dia eu não fui busca-los naquela hora, fui comprar um remédio que eu vi na internet. Mas não deu tempo eu tomar e não dava para eu ir para clínica nenhuma porque ele me prendia em casa. Então fiquei esperando uma oportunidade, daí naquele domingo ele ficou de ressaca o dia inteiro, então aproveitei para tomar o remédio. Sangrei muito e fiquei fraca, mas não tenho certeza se o feto foi expelido”

“O que você quer fazer?” perguntei segurando sua mão.

“Eu não quero nada dele dentro de mim. Quero que saia.”

“Okay, assim que mudarmos os nossos documentos, você vai fazer a curetagem, certo?”

Ela balançou a cabeça de forma afirmativa e deitou ao meu lado. Ficamos abraçadas até dormir.

E seria assim até morrer.


Notas Finais


Tenso hein.
E a Betty passando por isso tudo sozinha, nem pra pedir ajuda...

Como será que vai ser a vida de fuga deles?????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...