1. Spirit Fanfics >
  2. Yeux de panthère - (imagine hot Jeongguk) >
  3. Chapter Two

História Yeux de panthère - (imagine hot Jeongguk) - Capítulo 2


Escrita por: e La_BelleMuse


Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 2 - Chapter Two


Fanfic / Fanfiction Yeux de panthère - (imagine hot Jeongguk) - Capítulo 2 - Chapter Two

Sua postura trazia o ar de superioridade, o olhar de um felino. Na forma de uma pantera, era um animal lindo e assustador, mas sua forma de homem era marcante arrancava suspiros de damas e cavalheiros.

— Eu vim te buscar — Risadas ecoaram por todo o estabelecimento, Rubi já estava envergonhada e se arrependeu naquele momento por não ter aceitado o conselho da tia.

Você tem coragem, garotinha — Com um sorriso sarcástico e sua pose imponente, ele caminhou vagarosamente até uma mesa onde foi servido em um copinho um líquido azul. — Não fui capacho de Loren Deshayes, imagine de uma bruxa medíocre com nível de poder tão baixo. Eu não participarei desse circo.

Aquelas palavras feriam tanto Rubi, não era mentira mas ela não queria que jogasse na sua cara que foi por sua causa que a família Deshayes caiu em ruína e que nem ela pode desfazer nada por que é uma "bruxa medíocre" como todos falam.

Eu poderia muito bem falar — ela passa a costa da não em sua bochecha pra tirar a umidade, puxando o ar e tentando se recompor — "Prefiro ser uma bruxa medíocre do que uma pantera idiota" mas o xingamento tão é tão ofensivo e é clichê, então só digo… eu quero que você se foda.

Foi a coisa que ela pensou no momento, poderia ter formulado uma frase de bastante efeito mas foi o que ela conseguiu.

Dando as costas para sair do estabelecimento com um total silêncio e só olhares vagos, olhando de costas ela parecia imponente e nem um pouco aquela menina abalada de antes. Mas olhando de frente, muitas lágrimas escorriam por sua bochecha, era difícil tentar se manter pé firme depois das palavras que a feriram.

Espere, Rubi! — Ailey tomou posse de forma de um cachorro pra tentar acompanhar ela, ele não consegue se transformar em humano, na verdade ninguém sabe como Jeongguk se transforma em humano. — Não saia assim, aqui é perigoso, carne de bruxa é apreciada aqui.

Acho que não me importo em morrer — Ela suspira tristonha e passa a mão na bochecha — É dramático e clichê isso mas….eu acabei com a vida da minha família, e todos estão certos, Ailey.

— Não diga isso, sua família ama você, e não é culpa sua de nossa família ter caído em desgraça… Estamos pagando por nossos pecados.

Um barulho alto e estridente assusta todos ali, como um som de um tiro, só que mais alto. As pessoas ali ficaram em alerta, não eram por acaso esses tiros, mas um foi disparado só que em cheio no peito de um  híbrido de cavalo. Eram caçadores de monstros, todos agora corriam e muitos tiros agora eram disparados.

Vem comigo — Ailey pega na mão de Rubi para levar ela pra um lugar seguro mas um grito de sua garganta sai, um tiro acertou ela.

Ailey — Ela foi de joelhos ao chão e tocou aonde estava sangrando.

— Fuja daqui... rápido!

Ela não pensou duas vezes e correu rápido, a menina foi pelo mesmo  caminho de saída, mas os barulhos de tiros estavam perto chegar perto, e em um ato comum de olhar para trás, ela tropeçou em um tronco que a levou ao chão. Ela gritou, ela tinha caído de mau jeito e sua perna estava sangrando,uma dor insuportável, não conseguiria correr naquele estado.

Jeongguk! 

 AILEY

Minha alma lutava pra permanecer em mim, já que meu corpo já não tinha forças e a única coisa que eu pensava era em cair em um sono profundo.

Eu vi uma caçadora a seguir, ela não vai conseguir sozinha, mas eu não também não vou conseguir.

Me arrastei aos poucos até onde a pantera estava agora a pouco, todos estavam escondido e ele estava na frente do estabelecimento e um sorriso maléfico estampado no rosto.

— Ela precisa de você....

— Eu sei — Ele solta a fumaça do cachimbo bem em meu rosto — Eu ouvi ela me chamar e eu não vou.

— Por favor — Minha cabeça estava ao lado dos pés dele, isso é tão humilhante — Por favor, não deixa ela morrer — aos poucos eu senti meus olhos pesarem e uma vontade muito forte de dormi — É meu último desejo.

Ele solta mais uma vez a fumaça e sorri para mim.

— Belo desejo.

Autora

O som de passos, agora mais pertos apavoravam Rubi ela não tinha onde se esconder e só chorava sentada numa árvore, mas ela não queria morrer.

reunindo um pouco de força, a garota levanta aos poucos, olhando para um lado e para o outro, vendo se, de alguma forma teria salvação para seu ser.

Com dificuldade ela subia na árvore que a minutos atrás  estava encostada, ela subia com muita dor e dificuldade sua perna estava sangrando mais.

A perna machucada é puxada pra baixo e um grito dela saiu ela quase soltou o galho que ela segurava ela virou seu rosto pra baixo e olho uma mulher que puxava sua perna pra baixo, com a perna não machucada Rubi chutou a mulher, que caiu por um momento, mas se segurou em um galho, o que não deixava a bruxa cair, era somente aquele galho que segurava.

Garotinha — Ela olhou rápido e viu Jeongguk em cima de um galho grande, ele estava deitado, apoiado com os cotovelos olhando fixamente para ela — Ouvi você me chamar. Vejo que está com problemas… então eu vim. — Aquele pingo de esperança dele ter um pouco de empatia agora, Rubi tinha. Ela não queria morrer ainda então ele seria a chance dela viver — Vim ver de camarote.

Chocada com a informação, ela se derramou em mais lágrimas, sua atenção foi desviado por um tiro muito perto, tão perto que deixou um lado do seu ouvido em zumbidos.

Se chorar, implorar, e admitir que foi uma tola, eu posso considerar te salvar — Ele pula para o galho que ela estava e estende a mão.

Nunca! — Ela poderia morrer mas não perderia sua dignidade e orgulho — Eu prefiro fazer isso do que me humilhar aos pés de alguém como você. — Pegou na mão de Jeongguk e o puxou

Sua idiota, vai deixar sua teimosia e orgulho te matarem!?

Tem uma forma de ele fazer tudo o que você manda — Ela abraçou a tia pela cintura e deu pulinhos.

— Me diga, tia. — Ela parecia disposta a fazer de tudo para ter aquela raposa.

Um beijo.

Pegou na cola do Kimono e puxo e aproximou seus rostos e ali um contrato foi feito, assim suas almas foram seladas uma na outra.

Jeongguk, me salva! Agora!

Correntes douradas agora se prendiam em Rubi e Jeongguk, que por sua vez, não poderia negar a ordem de sua bruxa.

Ailey felizmente foi salvo por uma concubina do lugar onde Jeongguk estava e foi entregue sã e salvo para Carlo, a maioria estava feliz, principalmente Rubi, que se sentiu vingada tendo Jeongguk a seu dispor.

Você é burra ou fez mestrado?!

 Bom, não tão a dispor.

Mas eu não entendo bem latim.

Jeongguk se encontrava chocado nesse momento, é a primeira bruxa que ele conhece que não sabe latim.

Já não me basta estar aqui te ensinando a conjurar agora você me diz que não sabe ler latim — Ele jogou o livro em cima da cama e deu as costas saindo rumo a porta.

Jeongguk! 

Ele parou bruscamente e voltou e sentou na cama com uma cara nada boa.

Saiba que estou fazendo isso a contragosto — Ele suspira derrotado e pega novamente o livro — Bom, eu não tenho escolha.


Notas Finais


Obrigada por ler :)
Betagem por @La_BelleMuse


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...