1. Spirit Fanfics >
  2. YOLO ' Jikook >
  3. Capítulo 2: Só queria que seu amigo fosse gay também.

História YOLO ' Jikook - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Capítulo 2: Só queria que seu amigo fosse gay também.


Taehyung gargalhava exageradamente sem controle algum enquanto dirigia. Suas bochechas já estavam doloridas e vermelhas de tanta pressão feita naqueles mesmos músculos, de tanto se permanecer rindo. Sua barriga doía, o deixando sem ar e forças para se recompor. E saía pequenas gotas de lágrimas no canto de seus olhos puxadinhos.

Aquilo era tão engraçado saindo da boca de seu amigo, que em toda sua vida lhe dizia ser heterossexual. Ainda mais quando o mesmo se pôs a fazer drama, como se fosse o fim do mundo por ter transado com alguém do mesmo sexo, ignorando completamente os absurdos que havia feito na noite passada.

Foi o fim, Taehyung não pararia de rir de seu amigo nem tão cedo.

– Já acabou com a palhaçada? – Após um longo tempo, Jungkook perguntou emburrado, com seus braços cruzados e a famosa cara de cú.

– D-desculpa, Jung-Jungkook... É qu-que... É muito engraçado! – O acastanhado disse com dificuldades e entre os risos, voltando com a série de gargalhadas altas, enquanto fazia o máximo possível para não provocar um acidente.

– Não é engraçado. – Revirou os olhos. – O sinal tá fechado, você quer bater com o carro? Maluco.

– Ahh... – Suspirou aliviado após pisar no freio, e por fim, enxugou a última lágrima de seus olhos com o dedo indicador. – Eu nunca ri tanto na minha vida.

– Legal.

– Ah, para com isso, Jungkookie! Foi só umazinha, aposto que ele nem se lembra do seu rosto.

– Mas ele lembra do meu nome. E além disso, qual o meu problema?! Onde diabos eu tava com a cabeça?! – Bufou, apoiando o rosto entre as mãos, se sentindo idignado consigo mesmo.

– Pode ter sido o efeito da bebida. – Taehyung procurou por uma resposta, enquanto estacionava o carro em sua vaga.

– Aqui não é a minha casa. – Jungkook disse confuso, encarando a lanchonete onde haviam parado em frente.

– Eu tô com fome, vim comer. Se quiser pode ficar aí no carro, não reclamaria. – Taehyung falou, já tirando o seu cinto e a chave do carro.

– Eu não. – Resmungou. Além do mais, precisava comer e beber o máximo de líquido possível, sua ressaca não era das fracas, mas ainda assim fingia que dentro de sua cabeça não parecia estar começando a terceira guerra mundial.

Ambos entraram no local, ouvindo o barulho do sininho soar após abrir a porta de vidro, e isso fez Jungkook, pela milésima vez, se recordar de uma das inúmeras cenas das séries e filmes que assistia. Ele e seu amigo escolheram o lugar e se sentaram, logo agarrando o cardápio.

– Isso me lembra quando o Dexter saiu pra comer com a Deborah. – Jungkook disse sorrindo ao se relembrar.

– Daquele desenho que tem um garoto que dá uma de cientista? - Taehyung indagou com nostalgia.

– Que? Não. A série, Dexter!

– E eu vou lá saber dessas suas doideiras. – Falou distraído com a rua através do vidro. – Isso é praticamente uma droga.

– Digamos que sim.

– Mas voltando àquele assunto... – O mais velho lhe lançou um sorriso, que levou o moreno entender que aquilo era um alerta de perigo. – Como ele era? Digo, de corpo. Era gostosinho?

– Sei lá. Não lembro. Mas você é um tarado mesmo.

– Pensei que a primeira vez que você transaria com um homem fosse uma coisa mais romântica, sabe? – Taehyung assumiu pensativo. – Rosas no quarto, vinho, velas...

– Primeira e última. – Cuspiu as palavras. – Aconteceu sem eu ter a intenção. Eu continuo hétero. Ponto final.

– Puff. – Zombou. – Eu diria bissexual. Dizem que quando você tá bêbado, faz e fala coisas que no fundo sempre teve vontade.

– Para de falar bobagens. – Revirou os olhos, em seguida, abaixou sua cabeça para escolher a refeição que lhe agradasse no grande cardápio em suas mãos.

– Já fizeram o pedido? – Perguntou alguém que trabalha no estabelecimento. Segurava um bloco de papel e uma caneta preta, enquanto forçava um sorriso que transmitia simpatia, o uniforme branco e largo, o deixava com um ar de desleixo.

– Vou querer o de sempre. – Taehyung respondeu.

– Certo, certo. – Concordou, anotando o pedido, já que o mesmo sabia muito bem o que o acastanhado desejava, ir para aquele lugar faz parte da rotina de Taehyung. – E você... Senhor?

– Hum... Eu estou indeciso. – Jeon disse erguendo a cabeça, colocando o cardápio sobre a mesa e encarando duas imagens de bolos com recheios e coberturas diferentes. – O que você acha, Tae?

– Escolhe os dois. – Seu amigo respondeu simplista.

– Oh... Que coincidência, Jungkook. – Falou o garçom, ganhando a atenção do moreno.

– Te conheço? – O mesmo perguntou olhando para o rosto do menor pela primeira vez naquele momento. Aprofundou o olhar no rapaz ao seu lado, tentando de alguma forma, capturar a imagem daquele rosto no fundo de suas memórias. Porém, nada encontrado.

– Nossa, como pôde se esquecer de mim? – Perguntou o ruivo, desfazendo seu sorriso aos poucos e retirando os grampos de seu cabelo, quais​ que impediam de sua franja cair na testa.

– V-você?! – Jungkook gritou surpreso, ao se lembrar da cabeleira ruiva, que em pouco tempo atrás estava dormindo em seus braços. – O que está f-fazendo aqui?

– Trabalhando. – Respondeu tombando sua cabeça para um lado. – Bem... Eu tenho outros clientes para atender, agradeceria se você decidisse qual será o seu pedido. – Voltou a ser formal ao perceber que ganhara olhares impacientes das pessoas que esperavam seu atendimento.

- Esse e esse. - Jungkook apontou para as figuras no cardápio, desviando o olhar do ruivo. - E um café sem açúcar, por favor.

- Certo, eu volto já. - O pequeno reverenciou e se pôs a anotar os pedidos dos clientes restantes.

- Não me diga que foi com ele. - Taehyung, por pouco, gritou após o ruivo se distanciar.

- Fala baixo! - Jungkook pediu, enquanto abanava a mão e olhava em volta, só para ter certeza de que ambos não estavam chamando atenção.

Para sua sorte, o lugar não estava lotado, somente uma senhora de certa idade, que tinha a companhia de um adolescente usando fones de ouvidos, olhou de relance para Taehyung.

- Ele não me parece... - Taehyung passou o olhar de cima a baixo sobre corpo do ruivo e deu de ombros. - Tem um rosto bonito, pelo menos. Ele foi o ativo?

- Pra q-que? - Questionou se engasgando com a própria saliva, logo limpando sua boca com as costas da mão.

- Pra que o quê?

- Pra que nós temos que continuar conversando sobre isso?! Já acabou, cara. Eu estava bêbado, só.

- Aigoo. Vocês até que fariam um casal bonitinho.

- Não vem com esses papo de gente iludida pra cima de mim, não. E eu nem me lembro, então aquela noite nunca existiu, Taehyung.

- Nossa, sua naja. Não sei nem como eu te aguento.

- Convivência. - Respondeu curto e dando de ombros. - Aliás, o que rolou entre você e o Hoseok ontem? Finalmente levou ele pra cama?

- Não. - Taehyung apoiou o rosto sobre a palma de sua mão, com o cotovelo escorado na mesa e sorriu. - Mas ele me elogiou muito.

- Você é a pessoa mais iludida que eu já conheci em toda a minha vida, sério.

- Está me dizendo que eu sou feio, é isso mesmo Jeon?! - O olhou fingindo indignação, saindo da posição de que estava para encarar seu amigo melhor. - Acabou o amor.

- Para de drama. - Revirou os olhos. - Mas você sabe que não pode ficar criando muitas expectativas, se não vai acontecer como da última vez.

- Hoseok não é esse tipo de pessoa. - Taehyung respondeu, dessa vez com uma expressão mais séria ao ter más lembranças invadindo seus pensamentos. - Ele é diferente, eu sei que é.

- E q que te garante? - Jeon perguntou arqueando uma sobrancelha.

- ... Nada. - Taehyung respondeu abaixando a cabeça. Seu peito doía em se lembrar de que havia sido trocado pelo seu último parceiro, aquilo o corroeu de uma forma insana.

O fez mudar por um tempo, ficou mais fechado, isolado, parou de visitar seu amigo e a sua avó que estara no hospital na época, chorava todos os malditos dias, sempre, a todo momento, era como se existisse um vazio em seu peito.

O amava tanto que após a descoberta da traição, passou a acreditar que nunca mais amaria alguém na mesma intensidade, porém, um homem iluminou o seu túnel em total breu.

Jung Hoseok o fazia rir em momentos difíceis, muitas vezes escutou o seu desabafar, limpou as lágrimas que figiam escorrendo por suas bochechas e o deu apoio quando mais precisou.

Se for por Hoseok, ele se passará sim por um iludido, um mal amado.

Jungkook engoliu em seco, logo reparando de que havia entrado em um assunto delicado, vacilando mais uma vez com seu melhor amigo.

- M-mas você é bonito sim. - Jungkook falou, na tentativa de quebrar o clima tenso que os engolia.

- Obrigado. - Taehyung sorriu fraco.

Quatro minutos, foram exatamente quatro minutos que ambos amigos ficaram em silêncio. Odiavam aquilo, principalmente Jungkook que estava xingando a si mesmo em seus pensamentos por ter comentado sobre o ocorrido. Por mais que se culpe e tente se livrar do clima estranho, ele tinha consciência de que não é possível fugir do passado.

Mas sim supera-lo.

- Eu tava pensando... Você já colocou um nome pra ele? - Taehyung finalmente quebrou o silêncio, com um pequeno sorriso divertido no canto de seus lábios.

- Ele quem?

- Seu pênis.

- Que? Meu Deus, Taehyung.

- Sério, eu li em um site que a maioria dos homens fazem isso e...-

Após inúmeros minutos gastados para escolher um nome para o pênis de Taehyung e seu amigo o chamando de estranho a cada frase dita, seus pedidos estavam chegando nas mãos cuidadosas e delicadas do ruivo.

- Poderia ser tipo um apelido daqueles héteros que vão pra academia todo sábado e falam “top”. - Taehyung dizia enquanto o menor que trabalha no restaurante colocava o seu pedido em sua frente.

- Pelo amor de Deus, Tae. - Jungkook murmurou negando com a cabeça.

- Sabe, é que você dá uma de machão, combinaria com o seu. - O acastanhado continuava falando.

- Nomes foram feitos pra pessoas e não pra órgãos genitais. - Revirou os olhos, logo percebendo que as suas duas fatias de bolo e seu café estavam sendo colocados na mesa cuidadosamente.

- E animais? O meu cachorro por acaso é um ser humano?

- Se precisarem de algo, é só me chamar. - Avisou o ruivo, hesitante em por ter que interromper a conversa de ambos.

- Tudo bem, anjo. Obrigado. - Galanteador, Taehyung sorriu para o ruivo, que devolveu o sorriso da mesma forma, entretanto, levou a sua atenção para Jungkook. Percebendo o silêncio instalado, o mesmo levou seu olhar para o garçom, após ter recebido um aviso de seu amigo por expressão. O pequeno mandou uma piscadela para o moreno e se retirou dali.

- Ai, meu cú tá pegando fogo! Você viu aquilo?! - Disse Taehyung, eufórico.

- O que?! - Jungkook perguntou no mesmo tom, enquanto olhava envolta de si em busca de algo que lhe chamaria atenção.

- Ele piscou pra você!

- Oh, era só isso? - Sua expressão mudou drasticamente para mais tediosa do era. - Nem tinha percebido.

- Aigoo, seja mais emocionante. Dá um gritinho fino, sei lá, faz alguma coisa! Surta. Se joga no chão e se debate.

- Para com isso, Tae. - Disse, logo dando uma garfada no bolo coberto de chocolate meio amargo. - Você pode matar alguém do coração com esse seu desespero, sabia?

- Mas ele piscou o olho, reage, homem!

- Vou te dar uma dica, usa esse seu escândalo quando tiver um ataque de zumbis na Terra, aí mesmo que eu vou reagir.

- Se fosse aquela cadela da sua prima, você teria tido um derrame. - Taehyung bufou e finalmente comeu um pedaço da sua torta de limão, enchendo a boca por pirraça.

- Ah, Jieun é uma boa pessoa. Eu duvido muito disso.

- Boa pessoa? Puff. Ela é uma vagabunda, isso sim. - Riu sem humor. - "Awn, Jungkookie! eu tô precisando de dinheiro, juro que te devolvo semana que vem, mas também posso te pagar de outra forma se quiser. Olha como eu sou uma puta oferecida!" - Disse Taehyung, afinando a voz na tentativa de imitar a prima de seu amigo, a qual é fortemente odiada por si.

Jungkook começou a rir, não podia negar, ela dizia exatamente usando as mesmas palavras, com exceção da última frase.

- Agora que eu lembrei. - Taehyung continuou falando, aproveitando que seu amigo tentava se conter para não gargalhar alto. - Como que o ruivinho se chama?

- N-não sei. - Jungkook respondeu, recuperando o ar que havia perdido.

- Interessante... - Pensativo, falou, e em questão de segundos, se pôs a gritar, enquanto abanava sua mão. - Ei, ruivo! Venha aqui rapidinho, por favor?

Os clientes de quem Taehyung chamava estava atendendo, levantaram seus olhares para o acastanhado e depois para o ruivo, como se estivesse cobrando algo. O ruivo apenas abanou a mão em direção aos amigos, pedindo através do pequeno gesto para que esperassem por um momento. Antes de ir para a mesa dos dois, tinha que terminar de atender aquele casal.

- O que você tá aprontando dessa vez? - Jungkook perguntou de boca cheia, sem fazer o mínimo esforço para tentar adivinhar o que seu amigo planejava fazer.

- Vou só pegar uma informação com ele, relaxa. - Sorriu fraco, logo comendo mais um pedaço de torta e degustando de seu capuccino.

- Ah, sim. - Concordou, mas na verdade não deu muita atenção para a resposta, só queria continuar comendo, já que sua fome junto a cede parecia atropelar seu estômago de uma forma incontrolável.

- Me responde uma coisa, Jungkook. Eu quero a verdade. - Taehyung se manifestou após um breve silêncio, sua voz estava firme e não parecia ter brincadeiras.

- O que foi? - Perguntou com um leve tom de preocupação, enquanto limpava sua boca com o guardanapo. Parecia ser algo realmente sério.

- Se você fosse escolher entre a puta da sua prima e o ruivinho, quem você escolheria? - Indagou curioso, inclinando o seu corpo para frente como se quisesse guardar cada palavra, cada sílaba e letra da resposta de seu amigo. Seria bem legal se a resposta fosse o ruivo, assim os dois poderiam ter uma conversa sobre homens, uma experiência desejada de longa data por ele.

Pobre Taehyung, só queria que seu amigo fosse gay também.

- Escolheria pra que exatamente?

- Pra se relacionar. - Respondeu como se fosse algo óbvio.

- Jieun. - Jungkook disse sem hesitar, logo abocanhando dois pedaços em um só de ambos bolos de sabores diferentes que havia pedido. Continuou falando, de boca cheia: - Caralho, isso é muito bom.

- Por que ela?! Você tem um mal gosto da porra, hein. Que horror. – Fez uma careta, em seguida, apontou para a própria goela com o seu indicador, fingindo puxar o vômito. – Nojento.

- Quantas vezes tenho que dizer que eu não sinto atra-

- Ah, vocês estão precisando de algo? - Indagou o ruivo já próximo da mesa.

- Estou sim. - Taehyung respondeu, lançando um sorriso para o menor e apoiando seu queixo nas costas de sua mão, enquanto seu cotovelo estara escorado na mesa rústica. - O meu amigo é um pouco tímido, sabe?

- Como? - O ruivo indagou confuso.

- Ei, Taehyung. - Jungkook disse entre os dentes, se irritando. Já fazia uma ideia do que seu amigo poderia fazer, coisa boa que não era. Apesar de que também não fôra a primeira vez que algo do gênero acontecia.

- Ele está querendo saber o seu nome. - Taehyung ignorou o mais novo e continuou falando o que queria, ainda sorrindo na espera da resposta com anseio.

- Ah, sim... - O ruivo sorriu fraco e olhou para Jeon que encarava o amigo com uma carranca, como se estivesse falando com os olhos “fale alguma merda e eu te mato”. - Park Jimin. Eu espero que você não se esqueça de novo, Jeon.

- Não vou. - Sorriu amarelo.

- É um prazer em te conhecer, Park. - Taehyung sorriu para o recente amigo. Mesmo que já tenha trocado algumas palavras com o ruivo e ser atendido pelo o mesmo inúmeras vezes, nunca fizera uma apresentação decente, já que o único contato era, praticamente, obrigatório. - O meu é Kim Taehyung.

- O prazer é todo meu, Kim. - Fez reverência educadamente.

- Uh, mais uma perguntinha. - Sorriu brincalhão, jogando seu olhar entre seu amigo e o recém conhecido. - Ele também tá querendo saber se você está namorando no momento. - Neste mesmo instante o acastanhado sentiu um chute sendo depositado em sua canela com força, se segurou para não reclamar de dor e apenas fez uma careta em direção ao moreno a sua frente.

- Não, eu não tô namorando. Estou disponível. - Sorriu de lado, mas logo olhou para trás após ouvir o seu nome sendo gritado por um de seus colegas de trabalho. - Eu tenho que ir agora.

- É melhor... - Taehyung deu o seu último sorriso, assistindo Jimin fazendo reverência as pressas mais uma vez e indo em direção ao balcão, quase tropeçando nos próprios pés com a colaboração da calça larga que vestia.

- Você quer morrer, não é? Não precisava fazer isso, gênio, era só pedir. - Jungkook finalmente falou, com ironia e uma sobrancelha arqueada. - Taehyung, eu vou te espancar tanto. - Continuou, dessa vez, fazendo uma pausa a cada palavra dita, enquanto chutava o amigo de baixo da mesa.

- O-olha pelo lado bom, você sabe o nome dele agora e também sabe que está solteiro. - Taehyung disse, tentando desviar dos socos e chutes que seu amigo, do outro lado da mesa, tentava lhe acertar.

- Corrigindo, melhor pra você. - Falou dando ênfase a última palavra e deu a continuidade, agora, parando de tentar alcançar os seus pés e punhos no acastanhado. - Se está afim do cara, não precisava colocar o meu nome no meio!

- Quem disse que tô afim dele? Querido, eu estou muito bem com o Hoseok, apenas.

- Não vamos falar sobre isso, ok? Agora, deixa eu te bater. - Passou, novamente, a se remexer na cadeira na tentativa de acertar, no mínimo, um golpe qualquer em seu amigo.

- Vamos ter uma conversa civilizada. Olha, eu só te dei um empurrãozinho, basta você agir agora.

- Ah, você vai ver o empurrãozinho. - Finalmente, conseguiu dar um chute na perna de Taehyung, este que começou a choramingar de dor.

- Credo! Nunca mais fala comigo! - Fez biquinho, enquanto esfregava a palma de sua mão onde o chute foi depositado, como uma criança.

- Aish. - Revirou os olhos. - Só engole logo essa porra que eu quero voltar pra casa.

- Esperma.

Mesmo se passando vinte minutos, Taehyung ainda comia a sua torta, porém, dessa vez era o seu segundo pedaço. Fingia não estar aguentando mais, apenas para ter um motivo para que deixasse o seu amigo preso na lanchonete por mais tempo.

- Eu vou falar pela última vez. Leva isso pra viagem e vamos embora, pelo amor de Deus. - Jeon resmungava a mesma frase pela milésima vez, cansado de falar a mesma coisa e encarar seu amigo comendo migalha por migalha de sua torta.

- Vamos fazer um acordo. - Taehyung disse, erguendo sua cabeça, decidido. - Dá em cima do Park pelo menos uma vez e em troca te levo pra casa na mesma hora.

- Você não desiste, né? Eu prefiro esperar do que ficar dando falsas esperanças para o cara. Isso é errado, sabia? - Respondeu sincero, logo revelando seu aparelho em mãos, passando a mexer no mesmo. - Demore o quanto quiser, eu tenho bateria e internet o suficiente no meu celular.

- Aigoo! - Reclamou, já desistindo de perder tempo com seu amigo insistente e viciado. Em um rápido movimento, deu quatro garfadas na sua torta, levando o alimento diretamente para sua boca, que agora se encontrara cheia. Por mais que coma a mesma coisa, no mesmo horário, todo santo sábado de manhã, não se sentia enjoado em ter o mesmo sabor de torta e bebida no paladar. - Vamos pagar a conta, então! - Disse por fim, após mastigar o doce e se pôr a engolir.

- Ótimo. - Jungkook sorriu satisfeito, passando a bloquear o celular e guardar no bolso traseiro de sua calça insuportavelmente apertada, enquanto seguia os passos do acastanhado em direção ao caixa.

- Eu não tô com dinheiro aqui, Jungkook. - Taehyung alertou, após apalpar os bolsos de sua calça. - Acho que deixei a carteira dentro do carro.

- Tudo bem, eu pago. - O moreno deu de ombros sem se importar e pegou a carteira no bolso.

Pagou a conta rapidamente, agora, guardava as notas do troco dentro de seu devido lugar, enquanto via um Taehyung já saindo do estabelecimento, levando os seus passos em direção ao carro.

- Além de traidor, é ingrato. - Murmurou para si mesmo, concentrado no que suas mãos faziam.

- Jungkook. - Ouviu alguém lhe chamar após guardar a carteira no bolso. Conhecia aquela voz, aliás, Jimin era a única pessoa, com exceção de Taehyung, que ti seu nome naquele lugar.

- O que foi? - Automaticamente, acabou respondendo de tal maneira, mesmo sem ter a intenção de parecer ignorante. s
Se virou, dando de frente com a figura pequena e ruiva.

- Volte sempre. - Foi a única coisa em que Jimin disse, sorrindo.

Assim, colocou um pedaço de papel no bolso da camisa social do moreno, acenou e começou a andar em direção oposta, deixando um Jungkook confuso para trás, esse que apenas deu de ombros e continuou com o seu percurso até o carro de seu amigo.

- Aproveitou pra ir no banheiro cagar no meio caminho? - Taehyung questionou, após ver o moreno entrar no automóvel.

- Cala essa boca e me leva pra casa logo. - Suspirou. - Estou cansado.

- Claro, depois de ter uma noite daquelas.



Notas Finais


eu esqueci de postar antes aa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...