História Yonsei School - The Story of a Murder - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias (G)I-DLE, Blackpink, G-Friend, Got7, Monsta X, Neo Culture Technology (NCT), Red Velvet, Sensational Feeling 9 (SF9), Seventeen, Stray Kids, TWICE
Personagens Hwang Hyun-jin, JB, Jisoo, Kim Mingyu, Lucas, Personagens Originais, Rowoon, Seulgi, Tzuyu, Won Ho, Yuju, Yuqi
Tags Kpop
Visualizações 20
Palavras 1.421
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Postando um pouco mais tarde que o planejado mas é isso aí, vida que segue parsa kkkk

*E antes que eu esqueça de avisar, o próximo capítulo só vai ser postado sábado*

Boa Leitura ❤️

Capítulo 5 - Ameaças


Fanfic / Fanfiction Yonsei School - The Story of a Murder - Capítulo 5 - Ameaças


NO CAPÍTULO ANTERIOR...


HY: Parece um pedaço do papel. – eu tiro o azulejo quebrado de cima. – É uma carta.

YJ: De quem? 

HY: Do Hyunjin! – Eu abro a carta e começo a ler. 

JB: Que cara é essa Heeyoung? O que tá escrito? 

Eu leio um trecho da carta em voz alta.

HY: O culpado da morte de Seulgi fui eu!


CAPÍTULO V - AMEAÇAS 


YJ: É O QUE? – Ela diz atordoada.

HY: É o que tá escrito aqui! – ela pega a carta e começa a ler em voz alta. 

"Eu estava lá quando ela foi morta, eu a levei até lá, eu a levei até seu assassino, eu a levei até a sua morte.

Eu poderia ter evitado tudo, eu sei que poderia, mas simplesmente não fiz.

O verdadeiro culpado da morte de Seulgi fui eu! 

YJ: O resto tá escrito em algum tipo de código. 

JB: Não é melhor a gente levar isso pro diretor, ou pra polícia? 

MG: Não adianta pedir ajuda pro meu pai, ele tá tentando esconder isso o máximo e provavelmente se levassemos a carta pra polícia eles não fariam nada, meu pai ia dar um jeito de abafar o caso, ele já fez isso quando encontramos a Seulgi morta, poderia muito bem fazer de novo.

JB: Tá, mas como que vamos descobrir o que tá no resto da carta?

HY: Eu sei de alguém que pode resolver isso. 

JB: E quem seria? 

HY: Venham comigo. – eu pego minha mochila na carteira e paro em frente a porta. – E peguem suas coisas vamos dar um passeio. 

Cada um pega suas mochilas e saímos da escola, e vamos até o centro do bairro. Eu paro em frente a porta de um pequeno restaurante Chinês. 

YJ: Heeyoung, acho que não é a melhor hora pra gente comer. 

HY: A gente não veio pra comer, viemos encontrar uma pessoa. – eu me viro pra trás olhando pra eles, e era bem óbvio que não estavam entendendo nada.

MG: Vamos então. – Mingyu entra primeiro e logo em seguida todos nós estávamos sentados em uma mesa. – Okay quem nós viemos ver? 

YQ: Oi gente! – Yuqi chega até nós, ela estava com um bloquinho de notas e vestindo um avental. 

JB: Não sabia que você trabalhava aqui Yuqi. 

YQ: Quase ninguém sabe, é que eu preciso ajudar os meus pais então geralmente depois da aula eu faço um bico de garçonete. – Ela leva a mão na nuca a coçando e logo percebo que ela começa a ficar corada. – Mas por favor não falem pra ninguém sobre isso. 

YJ: Pode ficar tranquila Yuqi.

YQ: Então o que vocês vão pedir? – Ela pega o bloquinho no bolso e com a outra mão o lápis atrás de sua orelha.

HY: Camas querer quatro porções de Dan Dan Mian e também um favor. 

YQ: Que tipo de favor? – ela se abaixa sobre a mesa. 

HY: Olha nós encontramos uma carta do Hyunjin. – eu pego a carta do meu bolso – essa carta pode dizer quem é o culpado da morte de Seulgi, mas fim dela está codificado e precisamos de alguém pra descobrir o que está escrito aqui. – ela pega a carta a analisando.

YQ: Tenho um amigo que pode descobrir. – ela devolve a carta – posso levar vocês. 

MG: Quando? 

YQ: Ainda hoje, meu expediente acaba daqui a uma hora. – ela se levanta e vira para o balcão. – PAI! QUATRO DAN DAN MION! – O senhor sorri para Yuqi confirmando. 

Logo os pedidos chegam e todos começam a comer. 

MG: Meu Deus que maravilhoso! – ele pega um monte de macarrão e coloca na boca.

YJ: Olha eu nunca gostei muito de comida chinesa, mas confesso que realmente está muito bom. 

YQ: Que bom que gostaram! – ela dá um sorriso largo. 

JB: Acabou de ganhar mais um cliente. 

HY: Sabia que vocês iriam gostar. 

Assim que acabamos saímos do restaurante e ficamos alguns minutos esperando Yuqi.

YQ: Vamos logo antes que escureça. 

Nós quatro fomos seguindo Yuqi, era uma área um pouco afastado, e bem calma *calma até demais*. Ela para em frente uma casa grande, que aparentava ser bem antiga. 

YQ: É aqui. – ela atravessa o quintal e a seguimos, Yuqi toca a campainha e pouco tempo depois um garoto, que aparentava ter a nossa idade abre a porta.

??: YUQI! – Ele a abraça

YQ: YUKHEI! – ela retribui

YK: A quanto tempo, você nunca mais veio aqui.

YJ: Ele é gatinho não acha? – ela fala cochichando no meu ouvido.

HY: Caramba Yuki tu não pode ver um macho no tua frente né. – eu também falo sussurrando.

YK: E vejo que trouxe mais gente. – Ele olha pra nós quatro

YJ: Somos amigos da Yuqi. Prazer me chamo Yuju. E esses são Mingyu, Heeyoung e JB – *essa daí não perde uma em* 

YK: Me chamo Yukhei, Wong Yukhei – ele dá uma piscadinha. – Entrem. – ele abre mais a porta e entramos na casa. – Só não reparem na bagunça. 

Realmente a casa tava uma ZONA *uma coisa que eu sempre achei engraçada é que sempre que alguém fala "não repara na bagunça" a bagunça é a primeira coisa que a gente repara.* Nos sentamos no sofá da sala e logo Yukhei chega com algumas latas de refri. 

YK: Então Yuqi, o que os trazem a minha humilde casa? – ele se senta todo largado na poltrona. *Humilde casa? Se isso é humilde pra ele imagina o que é luxuoso* 

YQ: Então precisamos que você decodifique uma carta. 

YK: Uma carta? Mas que tipo de carta? – ele abre uma lata de refri e dá um gole. 

JB: Uma carta de suicídio, ou confissão, não sabemos direito ainda.

HY: E que pode ser de grande importância. – Eu dou um gole na lata de refrigerante.

YK: Mas importante por que? 

YQ: Yukhei tem algo sério acontecendo na nossa escola.

YJ: Mais especificamente, um assassino a solta que pode atacar a qualquer momento. 

YK: Pera aí! Na Yonsei? – ele nos olha confuso. – A escola é extremamente importante, qualquer coisa que acontece lá dentro é noticiado, como eu nunca vi isso.

MG: E provavelmente nem vai ver. Provavelmente meu pai deve estar subornando a mídia e a polícia pra esse caso não vir a público.

JB: No dia do Baile de primavera uma das alunas foi assassinada e nós encontramos o corpo dela no riacho atrás do prédio da escola.

HY: E essa carta. – eu a pego do meu bolso. – pode nos levar ao responsável por isso.  – eu entrego a carta a ele. 

YQ: Yukhei, você pode nos ajudar a resolver isso. – Ele a carta concentrado, em total silêncio

YK: Mas os que vocês vão fazer quando descobrirem quem é.

YJ: Ainda não sabemos.

MG: Mas sabemos que não podemos confiar na polícia. 

JB: E nem em ninguém. 

HY: Já se foram duas pessoas, e nós não podemos deixar que isso continue acontecendo. 

YQ: Então, o que você acha?

YK: Vai levar um tempo... – ele analisa mais uma vez a carta – Eu topo! – ele se levanta. – Nós vamos pegar esse desgraçado. 


Quinta-feira, 4 de abril de 2019


JB: Yuju, os uniformes realmente estão ótimos. 

YJ: Eu disse que podia confiar em mim.

HY: Yuju dessa vez você se superou. 

JH: Dá até pena de usar. – Jongho vem até nós.

YJ: É pra vocês arrebentaram no jogo de amanhã com estilo! NÃO É GENTE? 

Todos do time começam a gritar. 

SH: Valeu Yuju. – Sehun chega até Yuju a agradecendo. 

YJ: Não é a mim que você tem que agradecer, quem teve a ideia foi a Heeyoung.

HY: Mas foi você que fez tudo! 

SH: Então é mais fácil agradeçer as duas. 

YJ: Se for pra agradecer, vença o jogo. 

SH: Pode deixar. – ele dá uma piscada.

Escuto meu celular tocar em meu bolso, o pego, é de um número desconhecido.

HY: Eu vou atender o celular rapidinho. 

YJ: Tudo bem.

Eu saio do vestiário e atendo o celular.

HY: Alô? 

??: Eu sei o que vocês estão querendo fazer. – uma voz grossa, que aparentemente foi modificada de algum jeito ecoa.

HY: Quem é? Do que você está falando?

??: É melhor desistir se por acaso quiser manter seus amigos vivos.

HY: ALÔ? ALÔ? – Ele desligou na minha cara. – Mas que merda é essa? 

MG: Falando sozinha Hee? – Mingyu vem até mim me abraçando. – Aconteceu algo? 

HY: Não tá tudo bem – eu dou um selinho nele. – Vamos com o resto do pessoal?

MG: Vamos sim. – ele me aproxima mais dele e me beija delicadamente, nos separamos e voltamos pra o vestiário.

Eu dou mais uma olhada no celular *não pode ser* e o coloco de volta no bolso.



CONTINUA...













Notas Finais


O BAGULHO VAI ESQUENTAR! CRIEM SUAS TEORIAS E NÃO PERCAM OS PRÓXIMOS CAPÍTULOS!

Tchau e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...