História Yoon é um bebê. - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Yoonmin
Visualizações 250
Palavras 757
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


NÃO REVISADO, APONTEM ONDE ESTÃO OS ERROS Q EU ARRUMO, OBG!

Cap curtinho, mas importante para entender um pouco mais do nosso outro bebê..

Capítulo 18 - A história de JungKook.


Fanfic / Fanfiction Yoon é um bebê. - Capítulo 18 - A história de JungKook.

JungKook POV.

Eu tinha apenas 13 anos quando descobri do meu Infantilismo, foi algo realmente estranho, mas eu apenas fingi que não era nada, apenas continuei a estudar e tentar passar de ano, aos 14 eu comecei a olhar as coisas diferente e aquelas vontades de agir como uma criança não passavam, então eu fui em uma loja de bugigangas e comprei a maior chupeta que eles vendiam, fiquei usando escondido por uns 3 meses, até que resolvi contar para a minha mãe, naquele dia eu chorei por horas, e ela simplesmente achou ridículo, porém não discutiu, então em algum dia, o qual não me lembro muito, fomos na farmácia e eu me encantei por uma chupeta, então pedi para ela comprar e contra gosto, comprou, naquele momento eue senti tão feliz, mas isso sumiu quando eu a vi bufando e sendo grossa comigo. Quando chegamos em casa, eu conversei com ela sobre o que era Infantilismo e ela apenas chamou de frescura e que achava ridículo.

Algumas semanas depois, eu resolvi pedir uma mamadeira, ela me xingou e gritou comigo, mas de qualquer forma ela comprou uma, dizia que meu Infantilismo estava "aumentando", mas comprou.

Eu sempre conversei com minha psicóloga sobre isso, e ela disse que isso definitivamente não aumentava, e que era tudo uma condição psicológica, mas minha mãe insistia que estava aumentando.

Em alguns meses depois, eu ainda me sentia incompleto, eu queria algo a mais, então eu pensei "Eu tenho um lado de uma criança bem pequena, o que elas usam? Ah claro! Elas usas fraldas! Ah droga, minha mãe nunca ia aceitar isso!" Então eu enrolei, pensei, pensei, moí e remoí isso por uns bons meses, então antes de eu fazer 15 anos, resolvi falar com minha mãe e eu fui... Ela chorou, me chamou de ridículo, falou que isso estava aumentando e que ia me internar em uma clínica e eu chorei, chorei e chorei e não ganhei a maldita fralda, depois de 1 mês eu implorei, chorei e fiz de tudo para minha mãe comprar as fraldas e ela comprou! Eu me senti feliz novamente, era uma ótima sensação usá-las, mesmo que para dormir. Mas ainda algo faltava, e eu percebi que quando pedia para minha mãe fazer a mamadeira, ou apenas agir normalmente com isso, ela me olhava com nojo, desprezo, então eu vi que o que faltava era amor, era carinho, era a aceitação, então eu apenas sofri, eu somente chorava, esperando para sumir daquela casa. 

Quando eu fiz 18 anos eu estava no segundo ano da faculdade de psicologia, eu estava fazendo novas amizades, aí eu conheci uma garota, uma estrangeira e ela participava de um grupo de ABDL's, ela me mostrou aquilo e eu fiquei admirado, lá tinha de tudo, até daddy's, então eu passei a frequentar os encontros e conheci Hoseok, ficamos muito amigos e ele me perguntou se eu queria ser seu baby, eu disse que não queria um relacionamento, e ele riu, dizendo que não queria um namorado ou algo assim, apenas um baby para cuidar, ele se sentia sozinho, e que queria um amigo que lhe desse carinho, mas não íntimo, eu obviamente aceitei, eu conhecia Hoseok de frente pra trás e de trás pra frente, eu confiava e ainda confio nele, eu não terminei a faculdade, pois Hobi me dizia que era desnecessário, alegando que tinha dinheiro para me suntentar pelo resto da vida sem trabalhar, eu fiquei em choque como ele tinha tanto dinheiro, ele contou que era de erança da família e de uma rede de empresas musicais bem famosa, que ele era dono, eu fiquei super desacreditado, e até achei que era piada, até o dia em que ele me levou em uma reunião com um grupo famoso e que eu adorava, eu realmente achei incrível.

Eu moro a alguns anos com Hoseok e em todos os meus aninhos de vida eu nunca me senti tão amado, tão feliz e tão eu.

Eu perdi o contato com minha mãe e com o resto da minha família, mas espero que eles estejam bem, pois eu amei eles, mesmo eles não me aceitando.

Bom, mesmo Hoseok falando que tem dinheiro pra caramba e sempre querendo contratar empregadas, eu ajudo em casa, limpo minhas coisas, a louça, a sala, cuido do jardim, ele sempre reclama, mas de qualquer forma eu faço, não que ser um bebê preguiçoso, eu gosto de ajudar, me sentir útil, então a gente não tem empregadas, eu limpo quase tudo, Hoseok sempre limpa o banheiro e a dispensa.... Eu amo meu papai Hoseok.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...