1. Spirit Fanfics >
  2. You - Klayley >
  3. Ir ao psicólogo

História You - Klayley - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus nenéns ❤
Aki estou eu novamente, sendo bem honesta esperava postar outro sábado mais meu cell já era galera, acreditam? E pior que tô sem computador tbm, só tinha na casa de mãe e voltei a morar com pai, tenderam babys? Então se eu sumir é exatamente por que tô sem aparelho, taokay?

Enfim chega de enrolar né?
Bora amores, boa leitura♡

Capítulo 2 - Ir ao psicólogo


s pessoas tem o hábito de pensar que é possível achar qualquer coisa a respeito de qualquer pessoa na internet,  e naturalmente, eu concordava com elas. Mas veja bem, aqui estou eu; às 4h:35 da manhã com os olhos focados no computador  e com uma certa morena de língua afiada rondando os pensamentos.

Já é próximo do alvorecer é tudo que encontrei sobre os Marshall é sem dúvida do século passado,  e não é preciso ser um gênio com um intelecto elevado para saber que falta rugas naquele belo rosto, caso ela de fato tivesse mais de cem anos.

Fechei o notebook em meu colo e suspirei antes de, pegar o copo semi vazio em meu criado mudo virar o resquício de uísque que nele havia em minha boca. Retornei o pequeno recipiente em minhas mãos ao seu lugar anterior e me levantei de cima do lençóis claros repletos de migalhas de croissants seguindo até a escrivaninha onde depositei o computador. Bocejei enquanto retornava a minha cama, sacudi os lençóis e me joguei sob a superfície macia, disposto a me entregar ao sono e ao cansaço por inteiro, mais como tudo que é bom dura pouco, eu ouvi o som, nada doce do toque de meu smartphone a me chamar próximo do fim do crepúsculo,  me fazendo ter a ideia efêmera  de morrer só para poder descansar sem ser incomodado.


— Alô? — Eu atendi, com a voz totalmente sonolenta e o estresse nítido no tom.


— Papai? Papai! Eba, você está acordado! — Ouvi uma vozinha doce e aguda a qual eu já conhecia bem. — Viu só mamãe! Eu disse que ele estava acordado!


— Violet, se lembra do que o papai falou para você antes de viajar meu amor? — Perguntei a ela, algo me dizia que minha menina havia me ligando mesmo depois da mãe dizer  que não.


— Que você me amava muito, papai.


— E...?


— Hum... — Ela parecia pensar, juro tee visto com perfeição a expressãozinha fofa dela a pensar. — Bem, para eu obedecer a minha mamãe...?


— Exato, e você está obedecendo ela minha princesa? — Indaguei a ela, e acabei por ouvir alguns resmungos, o que fez minha intuição se concretizar a respeito do que pensei.


— Mais ou menos papai. — Ela era tão fofa que eu resistia a brigar com ela, mais era preciso.


— O que quer dizer com mais ou menos mocinha?


— É que, a mamãe disse que ai na Fança ainda estava de noite e que você estava dormindo papai, por isso eu não podia te ligar. — Ela se pôs a me explicar, de fato, Sydney está 8 horas a frente de Paris isso significa que enquadro aqui é 5h da manhã lá já são 1h da tarde.


— Mais eu liguei assim mesmo, e papai, você está acordado, então ai não está de noite, não é? — Violet completou, e me fazendo quase dar um riso.


— Na verdade bebê — Articulei, me direcionando a ela — Aqui ainda está de noite e você desobedeceu a sua mãe. 


— Você está blavo papai?


— Sim eu estou, Violet! — Ouvi um ruído que pude perceber a expressão dela de quando ela dizia está triste, ela fechava os olhinhos é fazia um bico enquanto o tom avermelhado tomava conta de seus olhos, pois já deviam estar cheios de água. — Mais eu vou me acalmar se você prometer para o papai não fazer mais isso. 


— Está bem papai, mais você vai me ligar hoje? — Vi minha menininha mostrar-me que aquela era a maneira que ela havia encontrado para mostrar que estava com saudades da presença do pai, suspirei.


— Sim minha princesa, eu vou. Prometo está bem?


— Eba! Eu te amo, papai!


— Também amo você,  bebê,  agora chama a mamãe por favor?


Ouvi alguns ruídos que pareciam que ela estava em movimento,  correndo mais propriamente dito, até que ouvi a voz da Mei. 


— Klaus? 


— Olá Mei, está tudo bem por aí? — Eu realmente queria saber, era apenas uma semana fora de Sydney mais eu me sentia mal por está longe.


— Ah, está sim, ela só sente sua falta — Ela me respondeu, mais pareceu hesitar em algum momento. — Nós duas sentimos. Conseguiu o emprego?


Eu suspirei, Mei insistia em me tratar como se ainda estivéssemos  juntos.


— Não, na verdade não — Fui honesto com ela, bom, mais ou menos — Mais tenho uma nova chance para conseguir parte da herança. 


— Nova é? Novo emprego? Você sabe, a família você já tem. Eu e a Violet, somos sua família Klaus.


— Não é fácil assim, Mei — Suspirei outra vez, na linha.


— O que quer dizer? 


— Nada, esquece, eu vou dormir, está bem? — Precisei cortar o assunto, se não iamos fazer nossa própria terceira guerra mundial.


— Está bem, Klaus?


— Sim, Mei?


— Eu Te Amo!


Suspirei. Eu ainda amava, mais sabia que não dava certo, que não ficariamos juntos. Mais eu ainda a amava.


— Eu Também te amo, Mei!


Foi quando a ligação foi finalizada,  acho que mesmo que eu quisesse dormir ainda, não conseguiria, a última frase da Mei, era o suficiente para me fazer refletir por horas o que eu estava fazendo da minha vida, e o que eu faria daqui para frente. Nem mesmo o sono ou o cansaço pesava mais que isso.

Não me lembro quando peguei no sono, mais acordei com o meu celular vibrando em cima do meu peito, droga de vida, murmurei abrindo o aplicativo do aparelho. 


"Nik se levanta!"

"Quer se atrasar para 

sua primeira consulta

Ao psicólogo?"

"Ou melhor: A psicóloga"


Que a Victória era maluca eu já sabia, mais agora, achar que eu precisava de psicólogo era demais. A doida era ela, não eu. Larguei o celular é fechei os olhos ainda meio baqueado pelo sono. Mais as mensagens continuaram. Dessa vez era uma um áudio.


- Nik é sério! Sei que não vai entender agora, mais você precisar ir até esse endereço que vou mandar agora. Você tem uma consulta às 10h.


Eu raramente fazia as vontades da Vicky, mais ela também raramente me implorava para fazer algo. Então decidi que precisava tomar um banho e clarear os pensamentos antes de tomar qualquer decisão idiota.



[...]

Eu vou me arrepender. Tenho certeza absoluta desse fato. Ela me convenceu a vir até o tal endereço e aqui estou eu, dentro do meu carro frente a um edifício aparentemente elegante no centro da cidade parisiense. Segui até a recepção do prédio que até onde eu avistei era um lugar bastante amplo e aconchegante, e notei uma moça ruiva vestida formalmente no balcão,  ao me ver ela me deu um sorriso simpático.


— Olá, eu posso ajudar o Senhor? — Se ofereceu a moça gentilmente,  ela tinha mesmo um sorriso bonito.


— Meu nome é Klaus, Klaus Mikaelson — Me apresentei, acho que se eu tinha uma consulta marcada deveria haver meu nome na ficha é especialmente no computador.


— Ah, Sr. Mikaelson! — Viu só, eu sou bom na coisa. — A Srta. Marshall já está a sua espera.


Eu ouvi mesmo Marshall?

Quais chances tinha de ser a mesma pessoa? A morena de língua afiada teria uma irmã? Ou poderia ser a mãe dela? Meu coração estava descompassado sem nem ter motivos para isso. 


— Me acompanhei por favor, irei levá-lo até ela. 


Eu segui a ruiva pelo corredor sofisticado com meu coração ainda batendo mais forte que o normal, tentei manter a calma sendo um cavalheiro natural, até a porta ser abertas pela ruiva. 


— Srta. Marshall, seu novo paciente chegou — Anunciou a recepcionista dando-me espaço para entrar na sala.


A mulher, quem quer que fosse, gostava de esbanjar dinheiro sem dúvidas, pois seu consultório só faltava ser coberto por ouro. Ela estava ainda de costas sentada numa cadeira com um estofado escuro atrás da mesa, parecia fazer algo importante. Mais importante que eu, seu novo paciente. 


— Ah, obrigado Audrey! — Ela finalmente se pronunciou, virando a cadeira aos poucos enquanto a moça que descobri chamar-se Audrey já havia se retirado.

Não sei se realmente aconteceu,  mais ao vê-la, juro que sentir meus olhos brilharem, apesar de tentar se discreto.

Era mesmo ela.

A garota da livraria que além de linda e comprometida, valia parte de minha herança e agora, descobri que era psicóloga.


Okay Vicky, eu admito: Eu te amo irmãzinha. 


Notas Finais


Hellooooo Klayler's 💕
Alguém está disposto a compartilhar comigo a sua importantíssima opinião a respeito do capítulo?

Glr não sei se sabem mais assim, eu sou muito versátil quando se trata de shipper's que envolvam o Klaus. Eu o shippo com todos mundo. Eu shippo KLAROLINE❤, KLAMILLE, & OBVIAMENTE KLAYLEY❣

Mais assim, eu tenho um fake do nosso divo no insta, onde jogo RPG @__kingklaus__. Nele minha esposa mudava de personagem direto, por esse motivo eu me apaguei a um shipper que todo mundo diz: Credo, quem shippa isso?

Adivinha só... Klaterine

Já riram da minha cara? 🤭🤣
Enfim, eu já até pensei em criar um fic sobre os dois, mais tipo na série seria um casal muito tóxico né? Mais tipo, um rei com uma rainha? Ia ser foda, admitam taokay?

Tá bom chega amores, alguém tem alguma ideia do que vai acontecer com nosso klayley no próximo capítulo?
Beijos
Xoxo😘❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...