1. Spirit Fanfics >
  2. You >
  3. Capítulo 8

História You - Capítulo 9


Escrita por:


Capítulo 9 - Capítulo 8


Fanfic / Fanfiction You - Capítulo 9 - Capítulo 8

TIMOTHEÉ:


Ela estava ainda mais linda, havia mudado o visual, mas a sua essência continuava a mesma. Suas belas orbes azuis indicavam surpresa ao me ver. Eu estava extasiado, também não imaginava encontrá-la aqui. Há anos venho cuidando dela, mesmo de longe. Harry, seu noivo havia me ameaçado naquela noite em que eu a atropelei sem querer, mas essa não havia sido a primeira vez. Há dois anos atrás quando vi a minha querida Lily sentada em um banco no parque eu havia decidido ir falar com ela, dizer o quanto sentia sua falta, e que como prometido sempre estive lhe protegendo. Que estava ali por ela. Mas não pude me aproximar, antes que eu pudesse dar um passo, seu noivo me abordou.

— Timotheé Chalamet, certo? — disse ele.

— Sou eu mesmo, e quem é você? — perguntei um tanto assustado com a abordagem brusca, mentindo pois eu sabia quem ele era.

— Sou Harry Styles, você não me conhece, e não esperava que conhecesse. Sei quem você é, o que vem fazendo. Então te peço com educação que desapareça da vida da Emilia. Ela está feliz comigo, no nosso presente. Longe do passado... — ele me olha de forma enojada, então continua: — Ao qual ela prefere nunca mais lembrar. Iremos nos casar em breve, e não quero um fantasma do passado assombrando nossas vidas. Ainda mais você. — arqueia uma sobrancelha de forma debochada.

— Emília e eu somos amigos desde criança, prometi que iria protege-la. E irei cumprir com minha promessa. — digo desafiadoramente.

— Estou pouco me fodendo com essa promessa idiota. Quero apenas que desapareça da vida da MINHA NOIVA. Se depender de mim, Emília nunca saberá que você está na cidade, pois a partir de hoje quero que você suma de uma vez por todas de nossas vidas.

— Está me ameaçando? — pergunto olhando fixamente no fundo de seus olhos, sem nunca baixar a cabeça ou o olhar, mostrando a ele que não tenho medo de suas palavras de ameaça.

— É apenas um aviso, porque se acaso eu voltar a descobrir que anda espionando minha noiva, irei tomar medidas drásticas com relação a isso. Tenho muitos contatos, posso te tirar da jogada com um estalar de dedos. Então, fique longe o máximo possível. — antes que eu pudesse dizer alguma coisa, ele ergue seu dedo indicador e diz ameaçadoramente: — Você não sabe do que sou capaz. Que fique bem avisado seu morto de fome. — dito isso ele se retira, em passos pesados ele caminha em direção onde Emília está.

Me afastei um tempo de Emília, não pela ameaça de seu noivo, mas sim porque eu tive de fazer uma viagem a negócios. Depois da morte dos meus pais, fiquei desolado. Éramos muito pobres, então não tínhamos muita coisa. Eles trabalharam duro para dar o melhor para mim e minha irmã. Conseguimos nos formar na faculdade. Hoje em dia ela é uma estilista renomada na França, completamente realizada. Eu sou empresário, e tudo que sou hoje é graças aos meus pais, e minha irmã, que sempre me apoiaram e me ajudaram com o pouco que tínhamos. Trabalho de forma anônima. Minha empresa é concorrente da empresa do Harry Styles, ele já havia proposto uma sociedade entre nossas empresas há alguns anos atrás, ao qual eu neguei, claro. A fama de Styles não era das melhores entre os negócios. Ele era conhecido por ser muito imaturo nesse ramo, herdará a empresa do pai a pouco tempo - menos de 5 anos - e se achava o magnata. Consegui um balanço completo sobre suas façanhas, o que não foi nada agradável. O Sr. Kevin Styles, pai de Harry era um homem íntegro, de boa índole. Que trabalhou anos a fio para conseguir erguer uma empresa de sucesso, tive o prazer de conhecê-lo quando me formei na faculdade.

“Garoto, você tem futuro. Com os pés no chão, você chegará longe” — nunca esqueci dessas palavras que o Sr. Styles havia me dito. Foi uma grande motivação para mim. Quando entrei nesse ramo, eu havia decidido não mostrar minha face, nem mesmo usar meu nome. Queria guardar minha identidade, até o momento certo. Eu tinha receio de que talvez não desse certo. Mas a HAL ENTERPRISE tem sido um grande prestígio. De vento em poupa ela está indo bem a cada dia. Foi uma batalha árdua, cansativa e dolorosa. E apesar da pouca idade, consegui dar o melhor para minha família de forma digna. Meus pais usufruíram muito pouco dessa minha conquista, mas sei que se orgulharam muito de tudo que conquistei com o apoio deles. Eles me fazem muita falta, mas sei que sempre estarão comigo, seja como for.

Quando entrei na faculdade, conheci Saoirse Ronan. Namoramos um tempo, mas o relacionamento não vingou. Tínhamos ideias diferentes. Além de eu descobrir que ela me traía com seu motorista. Não fiquei chateado com isso nem nada. Eu sempre soube de sua fama de rodada, mas mantive nosso relacionamento porque eu me sentia sozinho. Sei que é errado estar com alguém por carência, mas eu precisava tentar tirar a Emília da minha mente. Mas era totalmente impossível. Eu amei a Emília desde o primeiro dia em que a conheci naquela estufa quando éramos crianças. Naquele dia eu tive a certeza de que ela era a mulher da minha vida. E eu não iria desistir dela, mas também não iria obriga-la a estar comigo se não sente o mesmo que eu. Harry não a ama, e isso é nítido em seus olhos. Talvez seja um capricho de playboyzinho. Mas ele não a ama. Não como eu amo. Aquela noite do acidente, minha mente estava um turbilhão pois havia enterrado meus pais de manhã. Eu havia saído de casa para espairecer a mente, pensar. Entrei em um bar para encher a cara, mas não consegui beber um copo sequer de álcool. Fiquei sentado por um longo tempo, até ouvir um cara falando com sua namorada sobre a Emília.

— Não sei como o Harry aguenta aquela planta da Emília Clarke. Mulherzinha mais sem sal. — ouvi uma voz feminina comentar.

— Talvez porque ela saiba foder bem. — quando ouvi essas palavras nojentas sendo pronunciadas meu sangue subiu e por impulso fui para cima do cara.

Aquela noite fiquei tão irritado com aquelas palavras escrotas que fui expulso do bar por ter socado a cara daquele ser desprezível. Ele havia me praguejado de todas as formas possíveis, mas eu não me importava com suas palavras. Jamais eu deixaria alguém insultar Emília dessa maneira. Ninguém tem esse direito. Ela é uma mulher de princípios. Íntegra. Quem era aquele cara pra falar assim dela? Por conta disso sai irritado, andei em círculos com o carro, pra tentar amenizar a minha raiva, mas nada adiantava, e por um descuido acabei atropelando ela. Antes de saber que era ela eu havia ligado imediatamente para emergência. Quando me aproximei e vi seu belo rosto pálido, me senti um lixo. Fiquei tão mal que comecei a chorar, porque eu não queria que isso tivesse acontecido. Eu estava com tanto medo de perde-la por minha culpa. Rezei muito para que ela ficasse bem. A ambulância chegou em menos de 15 minutos. Segui com meu carro até o hospital. Fiquei a noite toda lá, até Harry aparecer e novamente me ameaçar. Mas dessa vez ele foi mais agressivo.

— Eu te avisei pra se afastar da Emília seu merda. Eu só não encho sua cara de porrada aqui porque estamos em um hospital. — ele estava literalmente irritado e pronunciava as palavras quase num rosnado. — Se você não for embora agora, irei dar queixa na polícia e alegar que você estava tentando assassina-la a qualquer custo.

— O que? Isso é mentira. — esbravejei incrédulo.

— Mas em quem você acha que irão acreditar? No renomado Harry Styles, dono de uma das melhores empresas de Londres. Ou em você? Um pobre coitado, doente que vive perseguindo a minha noiva? — ele falava de forma paciente, com os braços cruzados.

— Você não pode fazer isso, são injúrias. Eu não estou perseguindo a Emília.

— Você não é ninguém Timotheé Chalamet, ninguém. Então baixa sua bola entendeu? Essa é a última vez que te peço para sumir de uma vez por todas de nossas vidas. Da próxima eu não terei piedade de você.

Eu não me importava com as ameaças dele, e quando sai daquele hospital foi porque pensei na Emília, seria demais pra ela. Tentei me aproximar dela, mandando os girassóis, ao qual tenho o cultivo em uma estufa privada fora da cidade. Ela sempre amou os girassóis negros, ao qual íamos todas as noites ver. Na noite em que fugimos a anos atrás, na minha mochila havia algumas sementes daqueles girassóis negros, eu tinha planos de cultivar eles em nossa própria estufa, mas quando nos pegaram, meu tio me arrastou para casa dizendo aos meus pais que o Sr. Joseph Clarke iria me matar se acaso eu aparecesse novamente na casa dele. Depois disso fui impedido de voltar a vê-la e também de ir a estufa. Minha mãe trabalhava lá sozinha, e sempre me deixava a par de tudo, inclusive de que os girassóis negros havia sido totalmente destruídos, junto com as restantes flores que haviam na estufa - mandando ela para afazeres de casa - pois o Sr. Clarke decidiu acabar com uma das melhores alegrias de sua filha, dizendo que ela não merecia ter aquilo. Fiquei tão revoltado com isso que minha vontade era de entrar naquele casarão e falar poucas e boas para aquele senhor, mas meus pais me impediram. Eu fui o único proibido de entrar no terreno dos Clarke, caso o fizesse meus pais seriam os responsáveis e arcariam com as consequências. Por eles eu obedeci. Anos depois, antes de concluir a faculdade, achei as sementes de girassóis dentro de uma caixinha no bolso de uma calça velha, bem antiga. Achei um vaso e plantei as sementes lá, na minha cabeça não iria dar certo, mas ainda assim insisti. Em um mês dois girassóis haviam vingado. Eu trabalhava meio período em uma padaria, e graças a isso aos pouco consegui pagar um lugar para morar, então consegui aumentar o meu cultivo de girassóis. Hoje em dia tenho muitos na minha estufa, mas não para ganhar dinheiro com elas, isso nunca sequer passou pela minha cabeça. Mas sim para que um dia Emília possa vê-los novamente. Quando lhe enviei um girassol negro, eu estava receoso, pois caso seu noivo descobrisse, sei que as coisas piorariam. Eu temia pelo pior, mas não houve resposta. E quando consegui seu número, eu sabia que seria um passo arriscado, mas a liguei. Porém, não foi uma boa ideia.

Mas sigo na tentativa de conseguir um reencontro. Quero dizer-lhe tudo que tem aqui dentro do meu coração, quero me desculpar por não conseguir protegê-la como deveria. Mas principalmente, quero dizer que apesar dos anos terem se passado, eu não a esqueci, e que a cada dia esse sentimento aqui dentro cresce, que eu a amo de todo o meu coração, com todo o meu ser. E que irei respeitar todas as suas decisões, seja comigo em sua vida, ou não.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...