1. Spirit Fanfics >
  2. You >
  3. Yon

História You - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Eu nem ia postar hoje kkkkkk Mas me deu vontade pq eu quero escrever mais disso >:3

Capítulo 4 - Yon


A família Kujo já estava se preparando para ir embora, era impressionante como Jotaro e Dio estavam aguentando não gritar um com o outro. Kakyoin e Jonathan estavam se despedindo na porta da casa:

— Muito obrigada por nos receber. — Falou o ruivo.

— Eu que agradeço, a presença de vocês é maravilhosa, não é mesmo D...

— CALA BOCA VADIA! NÃO SABE FAZER NADA DIREITO! — Gritou Jotaro, deixando todos, incluindo Dio, assustados. Em seguida ele arregalou os olhos ao perceber que havia gritado.

— V-você gritou... — Dio começou a gargalhar. — Aaah, que maravilhoso!

— Não valeu, você estava me tirando do sério!

— Nananinanão. Nada de desculpas, você gritou. — O loiro fez bico.

— Pois é, pai. — Disse Jolyne com um olhar maliocioso. — Agora vai levar um soco.

— Isso é realmente necessário? — Perguntou Kakyoin.

— Claro que é. — Respondeu Dio.

— Tá, vai logo. — Jotaro virou o rosto para receber o soco.

— Dio... Pegue leve. — Pediu Jonathan.

Giorno observava tudo do sofá enquanto bebia um café.

Dio respirou fundo, fechou a mão o mais firme possível, se preparou e...

— MUUDAAA! — Meteu o maior soco em Kujo, todos até colocaram as mãos na bochecha como se sentissem a dor que Jotaro sentiu.

Jotaro parou do outro lado da sala, até começou a sangrar um pouco.

— Aaaaa... — Kakyoin estava com uma cara como se tivesse perdido o marido.

— Ai. — Disse Jotaro na maior tranquilidade.

Bom, logo depois de colocarem alguns curativos em Jotaro, eles entraram no carro e foram embora.

— Dio! Eu disse pra pegar leve! — Brigou Jonathan.

— Até parece que eu ia obedecer você. Eu espero por esse momento desde que nos casamos, a 17 anos eu quero dar um soco no Jotaro.

Giorno riu lá de trás.



                            ☆



Um mês depois.

A amizade de Giorno e Mista só crescia, haviam se conhecido a pouquíssimo tempo e já era praticamente melhores amigos, e claro, Giorno também ficou mais amigo dos outros. Ele estudava com Narancia, fazia desafios de quem terminava a conta mais rápido com Fugo, ria bastante com Bruno, e com o Leone... Eles não se falavam muito. 


Giogio estava na aula, o professor Pucci estava passando sua matéria normalmente. Giorno estava se sentindo um pouco cansado e decidiu abaixar um pouco a cabeça, a deixando encostada na mesa, Enrico viu a cena e se encomodou.

— Giorno! Se sente direito! — Obviamente o adolescente obedeceu, mas se incomodou com o fato de outros alunos estarem até dormindo e Pucci não chamar a atenção.

“Meu Deus, se meu pai casasse com Pucci, eu teria um pai chato desse jeito? Que horror” Pensou Giovanna.

O sinal para ir ao intervalo tocou, os alunos começaram a sair da sala. Quando Giorno pois o pé para fora da sala Pucci chamou sua atenção:

— Giorno, fique aqui. Quero conversar com você. — Agora foi longe demais, o loiro não poderia nem comer em paz?

— Depois a gente conversa. — Disse Fugo indo embora com os outros. Giorno assentiu e voltou para a sala, se sentou na frente de Pucci.

— O que quer falar comigo? — Perguntou o menor já impaciente.

— Sobre seu comportamento durante a aula. 


Agora não deu pra aguentar mais. 


— Me poupe. Vários alunos até dormem na sala, e você não faz nada! Diga logo o que quer comigo!

Pucci até se assustou com o tom de Giovanna, poderia leva-lo a diretoria rapidamente, mas sabia que ele estava certo.

— Giorno Giovanna Joestar.......Brando. — Falou “Brando” em um tom triste. — Você é filho de Dio Brando, certo?

— Isso.

— Não deve estar entendendo nada, eu sou...

— Ex-noivo do meu pai. Ele me disse.

— É isso mesmo. Como ele está?

— Está muito bem casado. — Giorno disse sem se arrepender das palavras.

— Hm, entendo. Seus pais brigam?

— Não. Eles só tem pequenas discussões sobre quem vai lavar a louça ou quem vai arrumar a cama.

Pucci não disse nada. Ele estava pensando em tentar recosquitar Dio, mas recentemente descobriu que ele tem um filho e um marido. E como estava indo tudo muito bem na vida de Dio, ele não poderia se intrometer.

— Pode ir agora. — Falou o maior.

— Com licença. 


Giorno foi até seus amigos, Mista não estava por lá,provavelmente tinha ido ao banheiro. Narancia e Fugo estavam conversando com Trish, mesmo ela sendo ex-namorada de Bruno, eles ainda eram amigos.

— Oi, Giorno! — Comprimentou a rosada. 

— Vem aqui. — O loiro obedeceu.

— Oi pessoal.

— O que o professor queria? — Perguntou Fugo.

— Nada de importante, só encher o saco. — Respondeu Giorno com um olhar incrivelmente entediado.

— Sei... — Pannacotta olhou de volta para Trish. — E então, o que queria nos contar?

— Ah, sim! Eu sei que é pedir muito, mas se não quiserem ajudar eu entendo. Eu... Eu estou apaixonada pelo Mista. — Disse a garota ficando meio corada.

Giorno não gostou do que ela disse, e nem sabia porquê, simplesmente não gostou.

— Eh... Então foi por causa dele que você terminou com o Bucciaratti? — Perguntou Narancia.

— Sim... Espera, como sabia disso? — Perguntou ela por que pensava que ninguém sabia o real motivo do término.

— Uma pessoa nos contou. — Fugo respondeu antes que Narancia citasse nomes.

— Entendo. Mas... Eu quero que me ajudem a me declarar para ele.

— Olha, Trish. Eu estou fora. Você deixou o Bruno muito triste, não queremos fazer ele ficar triste novamente. — Explicou o de calças rasgadas.

— Eu concordo. — Falou Narancia. — Se fosse outro alguém, talvez uma pessoa que nunca falamos eu ajudaria, mas é o Mista.

Giorno não quis dizer nada, ele concordava com os dois, mas era outra coisa que te impedia a ajudar. O que era?

— Sim. Eu entendi. Tudo bem. — Falou a menina meio pra baixo, mas ela realmente entendia a situação e respeitava a decisão dos amigos.

Trish percebeu que Mista estava voltando e fez a expressão mais normal possível.

— Ah, Giorno! Pensei que ia ficar mais tempo falando com o professor. — Comentou o moreno que acabara de chegar.

— Sim, eu também. — Olhou para um relógio que estava na parede da escola. — O sinal já vai bater.

— Eita, a gente nem comeu nada. — Disse Narancia. — E eu estou com fome.

— Vamos para a sala, na saída eu compro alguma coisa para você. — Falou Fugo na maior tranquilidade.

— Oh! Sério? Ta bom! Vamos pessoal. — Narancia seguia Fugo em direção a sala de aula.

                             ☆

Finalmente a hora da saída. 



Fugo e Narancia foram até uma lanchonete como o loiro havia prometido. Mista e Giorno estavam indo ao ponto de ônibus juntos.

Mista quebrou o silêncio:

— Ei, quando eu voltei do banheiro vocês estavam com uma cara meio sem graça, sei lá. Aconteceu alguma coisa?

Giorno não sabia o que responder, mas precisava falar algo logo para o outro não desconfiar ainda mais.

— Não aconteceu nada, é que fica meio chato sem você por perto. — Realmente, ele disse a primeira coisa que veio na mente.

“Caralho, que frase foi essa? Se bem que não está errada, mas ficou estranho do mesmo jeito!” Giovanna pensava.

— Sério? Ah, não posso culpar vocês se eu sou a razão dos seus sorrisos diários. — Mista se gabou.

Giorno riu meio que concordando.

— Olhe, meu ônibus já está chegando, até mais! — Gritou Giogio correndo para chegar no ponto a tempo, Mista apenas deu um tchau com a mão.

O moreno se dirigiu para casa e pensando no que Giorno havia dito, “É que fica meio chato sem você por perto” a frase ficou um tanto gay, mas será que essa era a intenção do loiro? Mista apostava que não, para sua infelicidade.

Chegou em casa e logo foi para seu quarto, jogou a mochila no canto do quarto e se jogou na cama, pegou seu celular e percebeu uma mensagem de Narancia, enviada a dois minutos.


Mensagens on



Nara — MISTA SOCORRO! O FUGO SE DECLAROU PRA MIM, OQ EU FAÇO???

SaladaMista — Da pra ele

Nara — TO FALANDO SÉRIO

SaladaMista — Ta, desculpa. Eu n sei. Como isso aconteceu?

Nara — Depois de pagar um lanche pra mim, a gente tava voltando pra casa normalmente, ai ele parou e disse que gostava de mim. Eu não sabia oq responder e sai correndo

SaladaMista — Pse, isso é bem vc mesmo.

Nara — Agora me fala oq eu faço

SaladaMista — Vc gosta dele?

Nara — Não sei dizer

SaladaMista — Me desculpa, mas eu n posso te ajudar nisso, faça oq o seu coração diz



Mensagens off


Narancia não sabia o que fazer. Ele deveria rejeitá-lo? Não, ele não iria fazer isso mas também não sabia se um relacionamento daria certo. Ele ignoraria? Não, isso seria muita filhadaputagem. E agora? O que o laranjinha deveria fazer?

Bom, teve uma época que ele ficou em dúvida se gostava ou não de Fugo e preferiu acreditar que não, na verdade, gostava um pouco até hoje porém não queria demostrar de forma alguma, ele queria se livrar de tal sentimento por causa que queria provar ser o machão. Sua família aceitaria? As pessoas te olhariam feio na rua com outro homem? Se preocupava bastante com isso.

“Quer saber? FODA-SE!” pensou o mesmo.

Depois de muita enrolação ele chamou Fugo por mensagem, pedindo que ambos fossem se encontrar. Fugo aceitou imediatamente, mas tinha medo que pudesse ser rejeitado.

Chegando no local combinado. Narancia percebeu que Fugo já estava vindo, e arrumou a camisa, respirou fundo, tentou acalmar seu coraçãozinho que batia fortemente.

— Oi, Narancia. — Disse Fugo olhando para lado.

Narancia abaixou a cabeça e começou a falar, na verdade estava praticamente gritando:

— Pannacotta Fugo, você gostaria de namorar comigo, Narancia Ghirga? — Perguntou o menor.

Fugo se expantou, não esperava que o outro fosse tão direto.

— Eh... Hm... Não deveria ser eu pedindo? — Falou o loiro.

— Só me responde logo. Eu tô morrendo.

Fugo riu baixo.

— Eu Pannacotta Fugo, aceito namorar Narancia Ghirga! — Disse com a postura firme, que não durou muito tempo.

Ambos foram de encontro um ao outro e se abraçaram, Pannacotta começou a falar:

— Narancia, eu... — Foi interrompido.

Narancia o beijou sem mais nem menos. Fugo cedeu logo e fez com que sua língua invadisse a boca de Ghirga. E ficaram lá, quase engolindo um ao outro.

No começo, eles não queriam contar para seus amigos sobre o namoro, estavam vendo se daria certo. Porém não demorou muito tempo para os outros descobrirem. Mista notou na primeira semana de namoro que seus olhos brilhavam quando viam um ao outro e também eles viviam sumindo juntos.

A família de Narancia não achou nada de errado, pois conheciam Fugo a muito tempo e sabiam que eles combinavam, torciam para que uma hora ou outra eles ficassem logo juntos.

                            ☆

Dias depois...


Estavam na aula. Narancia e Fugo estavam sentados juntos estudando, claro que as vezes rolava umas bitoquinhas escondidas, afinal não aguentavam ficar perto sem fazer nada que casais não fazem. Giorno e Mista observavam a cena dos amigos, que eram fofas e engraçadas ao mesmo tempo, porém quando seus olhares se encontravam eles disfarçavam na mesma hora, e por que? 

Mas enfim, a professora Lisalisa chamou a atenção da turma, dizendo o seguinte:

— Alguns alunos falaram que, nessa escola, não há muitas festas ou celebrações, ou seja, certos alunos vão dar uma festa aqui. Não uma festa normal, vai ser festa fantasia. Venham fantasiados. Se não quiser vir não tem problema, afinal é só pra descontrair um pouco. — A professora falou como se não fosse nada de importante, talvez nem fosse mesmo.

Algumas pessoas ficaram super animadas, já Giorno, estava decidido a não ir.


 


Notas Finais


Desculpa, eu não consigo ficar de enrolação com certos casais :c
Mas mano ksksks eu estou muito animada para escrever o próximo capítulo, quando lerem vão entender :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...