1. Spirit Fanfics >
  2. You Are my Dark Side >
  3. Onde Nascem os Filhos da Puta

História You Are my Dark Side - Capítulo 29


Escrita por: mandarinaaa

Capítulo 29 - Onde Nascem os Filhos da Puta


Alicia não estava verdadeiramente animada para aquela confraternização, ainda mais depois do que havia acontecido no escritório, mas encontrou algo em que se refugiar e poder pagar de boa anfitriã, a música. Havia herdado de sua mãe algum talento para aquilo, mas a rotina e suas prioridades rareavam sua prática no violoncelo, vez ou outra encontrava aquela necessidade de voltar tocar e o fazia, com uma maestria impressionante apesar de deixa-lo tantos meses entre poeira e sombra. Era uma coisa de sangue mesmo, herdada, talento natural, Tatiana o tinha e ela também.

Nada realmente comparado à grande instrumentista que é a sua mãe, se Tatiana não fosse tão boçal talvez um dia chegasse aos pés de Lorna, era o que pensava Alicia. Mais querendo uma desculpa resolveu ligar para ela e pedir que lhe ajudasse indicando alguns bons nomes de instrumentistas pra compor a recepção, por mais que fosse só uma confraternização de trabalho, de onde Alicia vinha se lhe era dado o trabalho de organizar uma recepção ela deveria ser a melhor e nada inferior à excelência eram aceitos.

Cresceu em uma casa onde eram feitas grandes e luxuosas festas, onde passaram as mais famosas modelos e os melhores estilistas, além é claro de toda a elite artística da Espanha e do mundo. Cresceu em um ambiente boêmio com músicos, bebida e drogas. Coisas que nem sempre passavam despercebidas apesar das tentativas dos seus pais.

Talvez por ter crescido em um lar pouco convencional tenha escolhido uma profissão tão contraposta a sua realidade. Aliás, a mais distante possível de tudo aquilo, era a coisa mais rebelde que poderia fazer, sempre remou contra a maré, sempre com uma vontade louca de fazer tudo aquilo que não esperavam que ela fizesse. Era seu motor. Saber que tinha as rédeas da sua vida, saber que poderia fazer com ela o que bem entendesse.

Obviamente a decisão de tornar-se inspetora da polícia não era o que seus pais esperavam ouvir quando lhe perguntaram sobre suas aspirações para o futuro. Principalmente na situação em que estavam, com seu pai, Nicolas Beaufort, sendo investigado e com a cara estampada em todos os jornais da cidade. Alicia tinha certeza de que seu pai era inocente, apesar de ser extremamente atarefado ele era um bom pai, tinham tempo de qualidade quando ele finalmente tinha tempo.

E a certeza de que seu pai não era um homem ético, mas que jamais seria um ladrão lhe fez querer ir por aquele caminho. Não era tanto por seu espirito rebelde como havia se feito crer, era por amor, pelo grande e incondicional amor que uma filha tem ao seu pai, por mais desvairado que ele fosse. Era por querer provar sua inocência e também por aquela personalidade inquieta e investigativa que sempre tivera dentro de si mesmo com poucos anos.

Nicolas não entendeu a decisão da filha durante muitos anos, mas se encarregou de que ela estivesse completamente segura, a obrigou a fazer aulas de defesa pessoal por quatro horas, todos os dias da semana, com os melhores instrutores aprendeu a atirar muito antes de entrar na academia. Era a mais qualificada entre todos os seus colegas e o que parecia ser sorte era resultado de anos de treinamento e privações. Ela encarava como um castigo por contrariar seus pais. Na verdade Nicolas não queria que seus problemas a afetassem algum dia e quando não pode estar, deixou a função de cuidar da segurança de Alicia a cargo de Lorna, que estava sempre em contato com o seu treinador, quem lhe comunicava os progressos da filha.

Elas não se falavam com muita frequência, mas haviam aprendido a decifrar melhor o quando queriam comunicar o quanto se importavam uma com a outra. Lorna comunicava com ligações irritadiças às sete horas da manhã quando reclamava por Alicia ter faltado às aulas ou quando Lorna vinha de onde estivesse para verificar se estava tudo bem após Alicia ter sido atingida de raspão por uma bala.

Já Alicia gostava de dar presentes, enviava no dia das mães, nos aniversários, nos natais, nas pascoas, até no dia de são Valentim costumava enviar um Cartier com uma nota dizendo algo do tipo “você é seu melhor amor” ou uma peça da nova coleção da Saiid Kobeisy, pois sabia que era a marca preferida da sua mãe. Até porque, nenhum fruto cai assim tão longe da sua árvore, então Alicia era praticamente uma expert em moda e uma excelente violoncelista.

Então sim, aquela ligação para pedir nomes de instrumentistas pra tocar em sua casa não passava de uma grande desculpa para despejar em Lorna tudo que estava acontecendo nas ultimas semanas: sua relação conturbada com Raquel, seu namoro com Paola, o aparecimento de Tatiana, Raquel ter se declarado finalmente, ela ter dito não por estar com Paola e também porque não podia ter nenhuma relação direta com Raquel quando o caso de Tatiana estava em suas mãos, aquilo poderia acabar com a carreira das duas.

E a única coisa que Lorna conseguiu responder foi “Vale! Creo que no hay mejor instrumentista que yo, me voy ahora mismo a Madrid.” O que era um grande alívio e também mais um motivo na sua lista de preocupações. Afinal Lorna Sierra Beaufort era nada mais nada menos do que a responsável por conceber Alicia, então nada de muito bom se podia esperar. Já se perguntaram quem é a mãe do diabo?

Em menos de três horas Lorna saiu de Formentera para Madrid, e às 16:47h estava na porta da casa de Alicia com uma mala, um violão espanhol e três músicos.

- Eres una loca, señora!_ diz a ruiva abraçando sua versão mais velha. Lorna lembrava Shirley Maclaine sorria com seus olhos brilhantes e azuis, que ora pareciam verdes justamente como os de Alicia. E suas rugas, as quais ela não fazia questão de esconder, enfatizavam ainda mais seu sorriso. Tinha 62 anos e um vigor incontestável. Tinha um breve sotaque escocês que nem os muitos anos na Espanha lhe tiraram. As mãos lisas e delicadas, com os dedos compridos o que lhe facilitava tocar o violão e outros instrumentos de corda. Seu corpo era esguio e com marcas da idade. Lorna Sierra Beaufort era toda um charme, carregava um ar boêmio e uma personalidade difícil, mas fascinante.

- Mas Alicia que horror! Isso mal parece uma casa. Muito sem vida. Onde estão as cores?

- Eu gosto assim.

- No que diz respeito aos seus gostos realmente é melhor não discutir._ claramente usa de duplo sentido, duplo não, milhares de sentidos. – Eu, por exemplo, teria me apaixonado pela Paola, não pela Raquel. Teria escolhido ser violoncelista, não inspetora. Teria escolhido estar com a minha família, não troca-la pelo meu trabalho.

- Não foi isso o que aconteceu e você sabe muito bem. Está sendo dramática.

- Te digo uma coisa... Eu estou feliz que tenha se apaixonado, durante anos pensei que isso nunca aconteceria...

- Ter me apaixonado não me serviu de nada.

- Você ainda tem muita coisa pra aprender minha filha. O amor quase sempre é algo doloroso. As pessoas não tem coragem de encara-lo, porque é assustador. E por mais que as minhas escolhas teriam sido completamente diferentes das suas. Eu sei que as suas foram guiadas pelo seu coração e isso é o que realmente importa. Apesar de odiar praticamente todas elas.

- Eu adoro sua sinceridade._ ela ri com um pouco de verdade e um pouco de tristeza. - Mas as vezes a melhor decisão é se afastar um pouco do fogo antes que ele te consuma._ a risada de Lorna preenche a grande sala de estar.

- O que você está dizendo, querida? Alicia, você é o próprio fogo. Você consume tudo por onde passa. Não é do seu feitio fugir... O que está acontecendo?

- Tatiana! Tatiana está acontecendo. De novo.

- E desde quando o que Tatiana faz ou deixa de fazer se tornou o que guia a sua vida.

- Desde que ela destruiu as nossas vidas, mamãe.

- E nós não voltamos a reconstruí-la? Está com medo? Logo você?

- Isso pode arruinar minha carreira e a da Raquel também.

- Você não acha que é capaz de lidar com isso?

- Eu sou, mas ela não é. Eu estaria condenando ela a uma cruz que me pertence.

- Então conte pra ela. Fale a verdade.

- Você não conhece a Raquel nem uma vírgula.

- Nem gostaria, pelo que você me contou ela me causa uma antipatia que acho que é irreversível. Mas ela é a mulher da sua vida Alicia, eu sei e você sabe. Então não a deixe passar.

- Eu não deveria escolher o caminho mais fácil pelo menos uma vez?

- Não seria o seu caminho.

...

Raquel resolveu chamar Sérgio pra ir à confraternização, não queria adiar aquela conversa. Estava o evitando há meses e aquilo a deixava mal, ele sempre a tratara muito bem e ela nunca fora muito cuidadosa com os seus sentimentos. Com os dele, nem com os de ninguém. Tinha perdido a manha com esse tal de amor. Nunca soube muito bem como trata-lo, nem como identifica-lo.

...

Muito antes da festa começar, tudo já estava pronto, Lorna ensaiava algumas músicas com os amigos que trouxe. Alicia verificou se estava tudo em ordem e subiu para se arrumar queria usa algo despojado naquela noite, já bastava a vida pesando sobre seus ombros. Colocou um vestido Cammisa com estampa de pinceladas, tinha mangas longas, transparentes, apertadas nos punhos, marcava bem a sua cintura e seios além de ser excessivamente curto. Despojado não era ser menos provocante, menos provocante não seria Alicia.

...

Raquel escolheu a primeira blusa preta social que encontrou, uma calça jeans, um salto também preto e uma bolsa pequena. Não estava muito diferente do seu dia a dia no trabalho, estava indo àquela festa por pura obrigação. Mal sabia que naquela noite conheceria todas as faces mais obscuras de Alicia e por vez as suas. 


Notas Finais


Ai bbs eu tô mais perdida que o Ridley Scott dirigindo house of gucci, mas resolvi arriscar. Na vdd essa era minha ideia desde o inicio da historia, mas queria deixar poucas pistas pra não ser uma coisa óbvia, tipo a ligação misteriosa, as aulas de defesa, o sobrenome Beaufort (acho que foi a mais evidente), que fosse realmente um plot... twist não sei se consegui ou se tava muito óbvio ou se deixei a cabeça de vocês mais confusa. A minha tá uma bagunça. Mas ainda tem muuuuita coisa pra saber sobre o passado da família da Alicia e como isso vai interferir no presente. A noite vai ser longa. Enfim espero que tenham gostado! Queria agradecer demais por quem chegou até aqui, eu não tinha muitas pretensões com essa história, até porque eu tenho um monte de história em aberto e essa é a que eu consegui levar a diante por mais tempo, tô escrevendo ela desde o final de 2020, o que é bem novidade já que eu sempre me canso das minhas próprias histórias, mas tenho um apego nessa que sei lá. Acho até que um dia eu até termino. Obrigada pelos quase 4k!



p.s.: menina eu tô com uma saudade de escrever um hot que ai ai ai viu... cheia de ideia...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...