História You Are My Sunshine - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Hizashi Yamada (Present Mic), Shouta Aizawa (Eraserhead)
Tags Aizawa, Bnha, Boku No Hero, Erasermic, Fluffy, Gay, Lemon, Present Mic, Yaoi
Visualizações 58
Palavras 2.658
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Quatro;


Dois anos se passaram desde o que havia acontecido. Claro, havia arrumado outras formas de falar com Hizashi sem que a mãe dele descobrisse.

Mesmo assim, era diferente. Não se viam mais fora do colégio, não iam na casa um do outro, não ficavam sozinhos. Sabia que seria assim, sabia que tudo estaria bastante ruim por um tempo. Mas sabia que tudo se resolveria alguma hora.

Seu namorado foi mandado para o outro lado do mundo, para estudar lá. Conversavam sempre que conseguiam, Aizawa continuava apoiando e ajudando o maior, que continuava tendo suas crises de depressão, mas Shouta conseguia estar com ele nesses momentos. Foram dois longos anos vivendo de fotos mandadas a escondida, mensagens de manhã com o máximo de carinho que conseguisse, conversas rápidas, mas não se importava desde que continuasse falando com Yamada.

Era triste não ter Hizashi por perto, afinal, havia voltado a ser o antisocial que sempre fora, não conversava mais com ninguém, voltava a odiar o contato com qualquer um, passava todos os dias sozinho, não saía mais com ninguém. Porque a única pessoa que aguentava ele do jeitinho que ele era, era o loiro. Ninguém mais aturava as mudanças súbitas de humor, a raiva de sempre, o mau humor matinal, ninguém, ninguém sabia como lidar com Shouta do mesmo jeito que Yamada lidava. Ninguém nunca iria tomar o lugar que Yamada tinha no coração do moreno, mesmo que se passarem mil anos.

Tinha dezoito anos quando começou a trabalhar como herói. Assuntos pequenos e escondidos, afinal, sua individualidade não permitia muita visibilidade. Decidiu alugar um apartamento e dividir com mais alguém que quisesse, enquanto trabalhava como herói e fazia faculdade de psicologia ao mesmo tempo.

Não iria mentir dizendo que não estava satisfeito com suas escolhas até ali, com certeza estava. Sua mãe continuava achando que ele deveria gostar de garotas e Aizawa tinha, agora, mais certeza do que nunca, de que só tinha olhos para garotos, mais especificamente Hizashi, e que sempre seria assim. Mas não devia satisfações a ela por isso, já era maior de idade e poderia fazer o que quisesse.

Tornou-se uma pessoa cada vez mais fechada, não via necessidade alguma de criar vínculos que um dia poderiam se romper tão facilmente quanto um fio de cabelo. Falava apenas para resolver trabalhos, pendências, e apenas isso. Talvez a única pessoa com quem ainda falasse fosse Nemuri. A garota era como um pombo correio de Yamada e Shouta, além de ser a única pessoa que sabia do namoro dos dois.

Depois de um dia estressante na faculdade, chegou em casa com um único desejo: dormir até morrer. Abriu a porta do apartamento, usando seu pé para dar um chute e a fechar. Grunhiu baixo, seus olhos doíam. Passou a mão pelos cabelos e trancou a porta. Queria tanto apenas dormir, estava tão cansado, mas sabia que seu corpo não obedeceria sua mente e que ficaria acordado até três da manhã.

— Boa noite, Shouta. — Estava realmente cansado, então por um segundo pensou ser seu colega de apartamento. Mas quando percebeu que não era a voz dele, ficou levemente assustado. Dirigiu seu olhar até o sofá e o viu.

Cabelos longos caindo pelos ombros, um bigode curto embaixo do nariz, os óculos quadrados e aquele sorriso que tanto amava. Não demorou nem dois segundos para se jogar naqueles braços estendidos, abraçando o corpo quente de Hizashi. Deixou as lágrimas rolarem livremente por seu rosto, passando as mãos por cada cantinho do corpo de seu amado.

— Eu voltei. — Hizashi disse baixo, passando as mãos grandes pelos cabelos de Aizawa, fazendo carinho nele. — Shhh, se acalme, tá bom? — Apesar de dizer isso, ao Shouta olhar para o rosto do loiro, viu que ele também chorava.

Ficaram naquilo por minutos, talvez uma hora. Só naquele momento, naquele abraço, naquele instante. Queriam sentir apenas um ao outro, necessitavam de estar um com o outro, necessitavam do amor que só um poderia fornecer ao outro.

E naquele momento, quando se reencontraram, poderia dizer que finalmente estava completo. Choravam, como dois bebês, pela saudade e dor que sentiram quando estavam separados. Aquele era o momento deles. Ninguém iria tirar mais nada, nada de importante deles.

Aizawa olhou para o rosto do maior, que estava — aparente e incrivelmente — ainda mais alto, e o acariciou. Sorriu, aquele sorriso que nunca mais havia dado na falta do namorado. Aquele sorriso que só era direcionado a Hizashi.

— Você está com uma aparência péssima, Hizashi. — Comentou com a voz rouca, deixando uma risada baixa escapar.

— Claro, eu só fico bem por você, e não estava com você. Como esperava que eu estivesse? — Riu também, olhando apaixonadamente para o moreno. — Você não tá muito diferente, amor. Não anda dormindo direito? Está com olheiras muito fortes. Quero que descanse bem.

— Olha quem fala, também tá com uma bolsa roxa embaixo do olho. — Shouta revirou os olhos, ganhando outra risada do loiro e um selinho. Que evoluiu para um beijo, e quando se deram conta, Aizawa estava deitado no sofá, com Yamada encima dele, o beijando com amor.

Parou o beijo para se aconchegar no sofá, puxando Aizawa para seu colo.

— Eu posso ficar aqui com você, não posso? — Perguntou, acabando os cabelos bagunçados do menor.

— Não precisa nem perguntar, idiota. — Sorriu, se aconchegando nos braços do namorado. Sentia-se amado, querido, protegido e quentinho. Decidiram ficar daquele jeito pela noite toda.

Aizawa sempre soube que, mesmo que demorasse, tudo iria dar certo alguma hora.

                                        ~~

Passou a viver com Hizashi após seu colega de apartamento se mudar. Ele tinha começado a fazer faculdade de design gráfico — era incrível como seu namorado era talentoso, sempre pensava nisso — e também trabalhava como herói. Claro, que com a individualidade do loiro, chamava muito mais atenção do que Aizawa.

Tudo estava indo tão bem, realmente. Era óbvio que Yamada ainda tinha suas crises, depressão não é algo que se cura da noite para o dia. Mas agora, Shouta estava lá, junto dele, em todos os momentos, sejam bons ou ruins. Ele estava lá.

Eram apenas os dois. Ninguém para reclamar, para dizer que estavam errados. Iriam ser apenas eles mesmos, sem mães dizendo que estavam confusos, sem mães dizendo que era errado. Estavam apenas sendo certos. E ninguém iria tirar o que tinham agora.

Passavam tardes conversando, noites deitados no sofá assistindo algo e trocando beijinhos, manhãs na cama, abraçados. Aizawa não poderia pedir mais nada, sentia-se amado, feliz — apesar de ainda ter o mau humor matinal de sempre —, sentia-se completo. Tinha certeza de que, com os anos que conviveram separados, o amor deles só tinha aumentado, não diminuído, como todos achavam que seria. Tudo tinha se fortalecido.

Nunca haviam chego no momento certo, se é que me entendem. O máximo que já tinham feito eram alguns beijos mais quentes, e apenas isso. Aizawa não sentia necessidade de ter sexo com o namorado, mas não iria mentir, era algo que queria. Queria ter mais contato com Hizashi, queria que sentissem aquilo juntos. Mas nunca seria a pessoa que tomaria a iniciativa.

Por isso, sempre deixava claro o que queria com simples gestos. Dormia só de blusa, saia do banho sem se trocar, coisas desse tipo. Tudo para ver se Yamada tomava uma iniciativa.

E esse dia chegou, quando saiu do banho só com uma toalha cobrindo da sua cintura para baixo. Hizashi estava sentado na cama e quando viu a cena, de Aizawa com os cabelos molhados, pingando em seu peito, e apenas com aquela toalha, jogou todo seu controle fora. Foi até o moreno e o beijou, colocando a mão em sua nuca e o levando até a cama.

Aizawa sorriu, finalmente havia conseguido o que queria. Suspirou, pois sabia que teria que tomar outro banho logo depois, e sentiu a preguiça lhe invadir. Hizashi continuava o beijando com vontade, invadindo a boca do outro com sua língua enquanto se livrava de suas próprias roupas. Shouta o ajudou, tirando a camiseta que o loiro usava e jogando longe. Os dois riram entre o beijo, apressados para continuar aquilo logo.

Hizashi atacou o pescoço do menor, distribuindo beijos por aquela área e de vez em quando algum chupão. Desceu seus beijos para o peito já desnudo do moreno, dando leves mordidas ali e escutando um arfar baixo vindo dele. Voltou a beijar a boca rachada e maltratada de Aizawa, sentindo as mãos dele se aventurarem por suas costas e peito, apreciando cada cantinho do corpo.

Estava nas nuvens, não poderia mentir. Estar naquele momento íntimo com Yamada era, com certeza, um momento especial. Nunca sentiu tanto prazer, talvez por ser sua primeira vez, talvez por ser com Hizashi, ou — muito mais provável — pelos dois. Sentiu os lábios do namorado passando de seu rosto para sua orelha e uma mordida foi desferida na pontinha de sua orelha, fazendo ele se arrepiar todo.

Estava ansioso, mas queria prolongar o momento o máximo que conseguisse, era a primeira vez dos dois. Não poderia apressar aquilo, queria sentir tudo o que o outro tinha para lhe proporcionar.

A toalha já o deixava incomodado, seu membro ereto preso por aquele pano era desconfortável. Queria se livrar daquilo, mas Hizashi segurou seus braços, os prendendo acima de sua cabeça.

— Ei! — Protestou, inflando as bochechas.

— Shh, deixa que eu faço para você. — Um sorriso malicioso tomou conta da face do loiro e Aizawa corou, desviando o olhar. Não conseguiu evitar olhar por muito tempo, pois sentiu a respiração de Hizashi muito próxima ao seu membro, acima da borda da toalha. O olhar do maior voltou-se ao rosto corado de Shouta e sorriu.

Deu beijos naquela parte exposta da pele do moreno, vendo ele se arrepiar todo novamente. Aizawa quis fechar os olhos, mas a excitação era tanta que mal conseguia. Viu Yamada aproximar a boca ainda mais da toalha e fincar os dentes ali, puxando o pano para baixo lentamente, fazendo raspar o tecido no pênis duro de Shouta, que emitiu um gemido baixo, quase inaudível, mas que não passou despercebido aos ouvidos do maior.

Tirou a toalha e viu a extensão que pingava pré-gozo saltar diante de seu rosto. Incrivelmente, como sempre achou que seria, não sentiu vergonha, o prazer tomando conta dos corpos ali. Yamada passou a língua por seus lábios, segurando o membro de Aizawa em sua mão de dedos compridos.

— H-hizashi... — Ouviu aquela voz rouca dizer seu nome, tão baixo e cheio de desejo. Não aguentou mais. Lambeu a extensão do membro de Aizawa e colocou tudo na boca, escutando um gemido de surpresa saindo dos lábios dele. — Ah...!

Começou os movimentos de vai e vem, tentando proporcionar o máximo de prazer para Aizawa, quando sentiu o mesmo sentar na cama e afastar a cabeça de seu pênis. Ficou confuso, por que havia o parado? Olhou para o namorado, que já estava uma bagunça. Os cabelos negros desgrenhados, os olhos desfocados, ofegante e corado. Droga, sua calça estava muito apertada.

— Deixa que... Eu faço em você. — Shouta disse, baixo, se aproximando de Yamada, que ficou um pouco corado com o pensamento que surgiu em sua mente.

O moreno passou a mão pelo zíper da calça jeans que o namorado usava, abrindo devagar. Desceu as calças, tirando-as das pernas de Yamada e logo em seguida desceu a boxer dele. Respirou fundo, tentando se controlar e se acalmar diante daquela situação. Conseguiria fazer aquilo, queria dar prazer a ele também. O membro longo do outro estava bem em sua frente, era só fazer como ele tinha feito. Respirou fundo mais uma vez.

— Shouta, não precisa fazer se- ah... — Foi interrompido quando sentiu a boca de Aizawa em seu falo. Não sabia muito o que fazer e sentia a vergonha tomar conta de si. Agora que tinha aquele membro na boca, não fazia ideia de como continuar. — H-hum... Mexe sua cabeça para cima e para baixo, lambendo ao mesmo tempo, se conseguir...

Assentiu e começou a fazer o que o namorado havia instruído. Aos poucos foi se acostumando com o volume em sua boca e foi pegando o jeito. Conseguiu colocar tudo dentro e lambia de cima a baixo. Escutava os sons que saiam da boca de Yamada ocasionalmente e isso fazia com que ficasse mais excitado.

Enquanto fazia isso com o namorado, segurou seu próprio membro, que pedia por alívio, e começou a se masturbar lentamente, gemendo contra o pênis de Hizashi. Quando o loiro percebeu o que Shouta fazia, arregalou os olhos, sentindo seu membro pulsar dentro da boca dele. Não poderia continuar com aquilo muito tempo, acabaria gozando e ainda não haviam chego na parte que queria. Afastou o rosto de Aizawa de seu pênis, que ainda continuavam conectados por um fio de saliva.

— Você... Quer ser o ativo? — Aizawa perguntou, seu rosto corado se voltando para o do namorado.

— Não sei, nós... Hum... O que você prefere? — Questionou suspirando, coçando a cabeça, não poderia evitar a vergonha que sentia naquele momento.

— Prefiro assim mesmo. Se quiser, depois podemos revezar... — Disse, respirando fundo. — Tem... Lubrificante e camisinhas no banheiro. — Evitou olhar nos olhos do namorado quando disse isso, pois já tinha tudo preparado para a ocasião com antecedência. Escutou ele levantar e ir até o banheiro, voltando com o que precisava.

Aizawa deitou de bruços na cama, escondendo o rosto em um dos travesseiros. Hizashi espalhou o lubrificante pelos dedos e  preparou o moreno com delicadeza, tendo o máximo de cuidado para não o machucar. Colocou um dedo, depois dois, devagar, começando os movimentos de tesoura, escutando o menor arfar com aquilo, soltando alguns gemidos baixos quando intensificou os movimentos e colocou mais um dedo.

Quando terminou as preliminares e percebeu que o namorado já estava pronto, colocou o preservativo em seu membro e um pouco de lubrificantes também.

Virou Shouta de frente para si, o beijando. Respirou fundo e começou a introduzir seu pênis na entrada dele, que gemeu baixo com o desconforto e a invasão. Colocou seu membro todo dentro, esperando Aizawa se acostumar. Entrelaçou seus dedos com os do outro, segurando sua mão. Olhou para o rosto do moreno, que estava todo corado e respirando ofegante. Sorriu, o beijando novamente, e afagando seus cabelos.

— Posso me mexer? — Perguntou baixinho, sua testa encostada na de Shouta. Ele assentiu levemente com a cabeça e com isso, começou as estocadas.

Lentamente, tentando atingir a próstata de Aizawa e segurando sua mão em cada estocada que dava. O moreno soltava gemidos baixos e contidos, os olhos marejados pelo prazer que sentia.

Quando Yamada atingiu sua próstata, não conseguiu evitar o gemido alto que saiu de sua boca, fazendo com que ficasse ainda mais corado. Quase escondeu seu rosto com um dos braços, mas foi impedido por Yamada, que selou seus lábios com carinho, enquanto ia mais forte dentro de Aizawa.

Não conseguiram prolongar aquilo tanto, já que era a primeira vez dos dois. Shouta chegou ao ápice primeiro, e ao sentir o aperto em seu membro, Hizashi também. Tirou o pênis de dentro do namorado, que suspirou baixo.

Deitaram um ao lado do outro. Aproveitou para abraçar o loiro, encostando em seu peito. Os braços dele o envolveram e seus lábios encontraram os de Hizashi. Os dois sorriram, olhando um para o outro apaixonadamente. Começaram a rir, ainda abraçados.

— Você precisa me levar para tomar banho, Hizashi. — Riu, grudando no namorado, que apenas fez carinho em seus cabelos e o pegou no colo.

Levou ele para o banheiro, aonde encheu a banheira de água. Os dois entraram na água e Yamada colocou o moreno encostado em seu peito. Aizawa estava tão cansado, que ao encontrar o descanso naquela banheira de água quente, acabou adormecendo.

Mas adormeceu com um sorriso no rosto, sabendo que Yamada estava ali com ele. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...