História You are my wonderwall - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Cruella De Vil, David Nolan (Príncipe Encantado), Elsa, Emma Swan, Lacey (Belle), Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Personagens Originais, Príncipe James, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Bexana, Brigas, Casamento, Ciumes, Discussões, Drama, Escola, Família, Morrilla, Namoro, Romance, Snowing, Swanqueen
Visualizações 129
Palavras 2.429
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie gente, como estão?
To de volta com um novo capítulo, espero que gostem, a partir de agora vamos conhecer um pouco mais do passado de Emma e principalmente de Regina.
Divirtam-se!

Capítulo 8 - The one with "Crazy for you"


Fanfic / Fanfiction You are my wonderwall - Capítulo 8 - The one with "Crazy for you"

Emma Swan POV.

 

“O salão gira quando a música começa,

Estranhos se aproveitando do escuro,

Dois a dois, seus corpos se tornam um só”.

 

 

Quando eu me dei conta, o mês de Maio já havia acabado e estávamos em Junho, logo teremos as férias para descansar... Passei aquele mês todo indo ao Archie e ao cardiologista também, os dois vem me ajudando muito e eu estava decidida a chama-la para sair. O sinal do intervalo bateu e sai da sala ficando na ponta da escada enquanto esperava por ela, logo a minha Deusa veio andando em minha direção:

- Gina! – a chamei.

- Oi amorzinho, diga! – ela disse sorrindo.

- Gostaria de te fazer um convite! – falei antes que me desse um treco e não saísse nada.

- Um convite, gosto de sair, estou ouvindo. – Ela respondeu.

- Abriu um restaurante novo no shopping, aceitar jantar comigo? Podemos sair para arejar a cabeça um pouco e nos divertir.– falei.

- Aceito sim, a que horas nos encontramos? – preciso comentar que as minhas pernas ficaram bambas?

- Nada disso, espero que goste de ser o centro das atenções, te pego as 20h, não se atrase. – avencei e lhe dei um beijo na bochecha, desci as escadas correndo antes que desmaiasse, corri atrás de Zelena.

 

 

“Eu te vejo em meio a toda aquela fumaça,

Você não percebe o quanto eu te olho?

Você está tão perto, mas parece tão longe,

O que quero dizer é que”.

 

 

Sai correndo atrás de Zelena na sala dos professores e me deparei com ela deitando no colo do meu irmão, enquanto ele falava um monte de besteiras no seu ouvido, meus pais de canto só olhando e dando risada, para completar meus tios se pegando no outro canto da sala, resumindo aquilo era a sala da putaria, não sei como os outros professores não acham ruim, também nem podem, pois se acham mal, estavam na rua, até parece que alguém iria arrumar encrenca com a Diretora e os donos da escola, soltei um pigarro e Zel e Kill se assustaram:

- Ahh obrigado irmãzinha querida. – Kill disse revirando os olhos.

- Olá Emma. – Zel disse com a maior cara lavada.

- Vem, corre antes que a sua irmã nos veja, preciso falar contigo. – disse a puxando pelo braço e entrando na sala da coordenação do pessoal da tarde, ninguém nos veria ali.

- O que houve, para fazer esse alvoroço todo? – ela perguntou.

- Chamei a Regina para sair!

- O QUE??? MENTIRA? – ela gritou.

- Shhhhhiu, não grita! Abriu um restaurante novo no shopping e a chamei para arejar a cabeça um pouco e se divertir.

- Ótima desculpa para levá-la para cama. – Zel disse com um sorriso malicioso.

- Ahhh bem que eu queria, mas do jeito que ela é... – disse me lamentando.

- Calma Swan, calma! Isso já é um grande passo.

- Perguntei se ela gosta de ser o centro das atenções, vou buscá-la com o Audi, a pegarei as 20h.

- Já estava imaginando ela naquela onça pintada. – ela disse nos fazendo rir. – Pegue ela na minha casa, quero fazer uma surpresa, você sabe o endereço, quando estiver saindo de casa me avise. – ela completou e fomos em direção à porta para voltarmos à sala dos professores.

 

 

“Eu sou louca por você,

Toque-me uma vez e você verá que é verdade,

Eu nunca quis ninguém assim,

É tudo tão novo, você vai ver no meu beijo,

Que eu sou louca por você, louca por você”.

 

 

Regina Mills POV.

Depois daquele convite, eu estava com o coração na boca e para completar eu havia ganhado um beijo, que era para ser na bochecha, mas acabou saindo no cantinho da boca, se alguém vira um pouco, era um beijo na certa. Ela havia saído correndo e eu fiquei alguns minutos parada tentando me recuperar, assim que as forças foram recuperadas, voltei a andar e segui para a sala dos professores, atrás de Zel.

- Onde está a minha irmã? – perguntei para a sala.

- Estou aqui. – olhei em volta para ver se Swan não estava lá e falei.

- Emma me convidou para jantar! – disse num tiro só. – Acho que vou ter um treco. – falei enquanto pegava um copo d’água.

- Já estava na hora! Isso é maravilhoso, precisamos de uma super produção, meu Deus, a quanto tempo você não transa? Precisa tirar essas teias de aranhas daí!

- ZELENA!!! Meu deus, não vou levar Swan pra cama, ela é apenas minha aluna e eu sou HÉTERO, hétero Zelena!

- Pode trocar a piada que essa já está passada. Vai fingir que ela não mexe com você, com o seu coração?

- Eu estaria mentindo se eu dissesse isso, mas nós duas não pode acontecer Zelena, ela é minha aluna e é mulher! Não é preconceito, mas nunca tive atrações por mulheres.

- Volto à mesma pergunta que acabei de fazer, ela não mexe com você? Isso não suficiente para você se tocar do que está acontecendo? – ela disse sorrindo. – O que mais eu vou precisar dizer para você abrir o seu coração? Obedeça os sinais, sis!

- Que sinais Zelena? Andou bebendo?

- Ginaaaa, preciso da sua ajuda! – Swan apareceu na porta da sala.

- Viu? Nem um pio, vai resolver o que ela quer.

Desistir de tentar discutir com ela, sai da sala e fui em direção a Emma, que estava parada ao lado de fora da sala, me pedindo ajuda com as tarefas de língua portuguesa do segundo ano.

Emma Swan POV.

O sinal do término do intervalo tocou e fui andando em direção as escadas para poder voltar à sala, mas no meio encontrei Ruby toda esbaforida:

- O que houve??? Estou te procurando desde o início do intervalo! – ela disse preocupada.

- Desculpa não ter te avisado Ruby, mas tinha uma coisa para resolver, que já vou te contar, anda, vamos! – sai puxando Ruby pelo braço, até o andar de cima.

- Estou curiosa, conta logo!

- Calma Lobinha! Bom, chamei a Regina para jantar! – falei numa tacada só.

- VOCÊ O QUE??? DA ONDE SAIU A CORAGEM CISNE? – ela disse boquiaberta.

- Ainda estou tentando descobrir Lobinha, ainda estou tentando... – respirei fundo. – Falei que abriu um restaurante novo no shopping e poderíamos arejar a cabeça e se divertir um pouco e ela... Aceitou! – disse com um enorme sorriso no rosto.

- Graças a Deus, você está conseguindo Cisne, você está conquistando-a!!!

- Que Deus diga que você está certa. Porque ô mulher difícil viu!

Ruby e eu fomos conversando enquanto íamos para dentro da sala, pois Belle estava vindo e nem preciso dizer que ela adorou!

Assistimos a aula da Belle e logo depois Gina entrou para me deixar mais feliz do que eu já estava. Infelizmente apesar de amar muito meu tio, James entrou para dar a sua aula depois de Gina, pelo menos era a última aula.

Quando o sinal bateu, eu e Ruby juntamos nossas coisas e seguimos em direção à sala dos professores, ao chegar ouvi Gina dizer que estava sem carro, pois ele estava no concerto devido a um problema nos freios, Zelena dizer que não poderia levá-la, pois tinha que ficar na escola, meus pais se ofereceram, mas ela insistia em dizer que iria pegar um táxi e que não queria atrapalhar eles.

- Nada disso, eu levo você. – falei me intrometendo na conversa.

- Ótimo, problema resolvido. – Zelena disse sorrindo enquanto juntava as mãos.

- Graças a Deus um pouco de descanso. Até mais pessoal. – minha mãe disse rindo enquanto puxava meu pai pela porta.

- Pelo visto os trabalhos começam cedo hoje! – meu pai falou enquanto agarrava minha mãe por trás. Fiz uma careta enquanto eles saiam da sala.

- Que isso Emma, não precisa se incomodar. – Gina disse.

- Gina, é só uma carona e nós somos amigas, para com isso. Anda logo vamos.

Ela se deu por vencida, pegou a bolsa e foi nos seguindo até o estacionamento.

- Emma, mas você está de moto, não vou deixar você sem o capacete. – ela disse.

- Não tem problema, Gina. Estou acostumada, apenas confie em mim.

- Tudo bem, mas anda devagar, eu morro de medo de cair nisso. – ela disse nos fazendo rir. - Vamos de moto hoje à noite?

- Não, vou te buscar com o meu carro, você não a conhece ainda, né?

- Ihhh espero que goste de passar vergonha, Regina. – Ruby disse rindo.

- Ahh para com isso, Lobinha. – retruquei.

- Como assim, “passar vergonha”? – Gina perguntou.

- Você verá a noite, anda vamos, segure firme e fique a vontade para gritar. – disse lhe entregando o capacete e a ajudando subir na garupa.

Dei partida e seguimos caminho enquanto ela me segurava forte e soltava uns gritinhos, resultando em boas risadas. Rapidamente estávamos na porta dela e começamos a conversar.

- Já te contei sobre a minha mãe? Ela é uma verdadeira demônia. – ela disse rindo. – Uma vez eu e ela havíamos discutido feio porque eu queria sair para uma festa e ela não deixou. Eu estava planejando ficar com um garoto naquela noite e estava tudo arruinado, então a minha raiva foi tanta que eu chamei o menino para ir em casa na noite seguinte. E você nem imagina o que aconteceu...

Flashback On

Regina Mills POV.

Eu ainda estava fervendo em raiva, eu tenho 15 anos e minha mãe não me deixou ir em uma mísera festa? Ah vai ter o troco, eu estava fazendo isso por mim e não apenas para provoca-la, Zelena estava na casa de um amigo abrindo as pernas, com certeza e meus pais saíram para um jantar chato e demorado de negócios, chamei Robin um garoto que eu pretendia ficar na festa, para ir em casa, Robin e eu sempre fomos afim um do outro, mas nunca tivemos a chance de ficar, eu estava nervosa mas no final valerá a pena. A campainha tocou e gelei abrindo a porta e nem o deixei falar, apenas o agarrei e comecei a beijá-lo. Robin sorriu malicioso entre os beijos.

- Eu estava louco por esse momento.

- Você nem imagina como eu estava. – Senti minha calcinha encharcar.

Fomos subindo em direção ao quarto em meio a beijos e entramos no quarto dos meus pais, cai com as costas na cama e ele se deitou por cima de mim, quando me dei conta já estava de roupas íntimas, junto dele que estava com uma cueca boxer, marcando seu pau totalmente duro. Ele abriu meu sutiã com dificuldade de caiu de boca nos meus seios me fazendo soltar uns gemidos.

Ele beijava o meu pescoço e deixava algumas marcas, rapidamente ele foi descendo os beijos pelo meu corpo, até chegar à barra da minha calcinha, que foi arrancada com tudo, ele logo meteu a língua no meu sexo me fazendo soltar um grito. Ele continuou estocando fundo:

- Ro-Robin eu v-vou... – ele apenas parou e buscou a calça que vestia. Pegou a carteira e nela pegou a camisinha a colocando. – Você sabe que é a minha primeira vez, não é?

- É a nossa. – voltou a me beijar. – Não precisa ter medo, apenas relaxa, se eu te machucar, você me avisa okay?

- Okay. – respondi antes de poder senti-lo dentro de mim.

Ele ficou algum tempo parado para que eu me acostumasse e logo começou a se movimentar. Em decorrer dos meus gemidos, ele aumentou seus movimentos de vai e vem, até que as minhas paredes o apertasse avisando do orgasmo, que tivemos juntos. Devagar ele saiu de mim e se livrou da camisinha, deitou ao meu lado e me abraçou:

- O que achou?

- Foi perfeito! – respondi e caímos no sono.

Narrador POV.

- Esses jantares de negócios anda vão me matar, estou muito cansada. – Cora Mills disse ao lado de seu marido, antes de entrar no quarto.

- Nem me fale, eu estava quase dormindo na mesa. – Henry respondeu e Cora abriu a porta e ascendeu a luz. – Precisamos de um banho e cama!

- MAS QUE PORRA É ESSA? – Cora gritou antes de se sentir tonta e sua visão ficar escura, ela caiu e Henry teve tempo de segurá-la.

- Cora, Cora, fala comigo!

 Regina e Robin que acordaram com o grito, estavam chocados e enrolados no lençol.

Flashback Off

Emma Swan POV.

- E então aproveitando que meus pais haviam saído para um jantar de negócios e que demoraria muito. Eu fui pra cama com o garoto, mas não foi qualquer cama, foi na cama dos meus pais, no fim de tudo acabamos pegando no sono e meus pais voltaram e viram aquela cena, não preciso dizer que levei uma baita de uma bronca? Minha mãe chegou a desmaiar quando viu a cena.

- Não acredito nisso! – eu não conseguia parar de rir.

- Não ria, é sério. Foi assim que eu perdi a virgindade. – ela disse rindo. – Zelena que estava na casa de um garoto, ficou sabendo no dia seguinte e ficou rindo disso por uma semana.

- Ela é terrível, nem me fale! – falei rindo.

- Minha mãe até jogou o colchão fora e comprou outro.

- E seu pai?

- Meu pai sempre foi muito compreensivo, ele sabia que se a minha mãe não tivesse feito aquele escândalo com a festa, nada disso teria acontecido. Ele sempre foi de sentar e conversar comigo, eu também nunca fui de aprontar, o problema sempre foi Zelena. – ela completou rindo. - Isso foi aos meus 15 anos, quando fiz 16, minha mãe começou a me deixar a sair um pouco mais se a Zelena estivesse presente, o que não é muita coisa, porque ao invés de Zel tomar conta de mim...

- Você tomava conta dela, imagino. – completei rindo. – Eu perdi a minha virgindade aos 14 anos.

- 14 EMMA? – ela disse espantada.

- Ué, você perdeu com 15, grande diferença e ainda na cama dos pais. – falei rindo.

- Tudo bem, retiro o que disse. – ela riu.

- Meu pai quase matou o garoto. – falei rindo. – Mas eu sempre fui responsável, eles apenas conversaram comigo e esclarecemos tudo, o ponto é nunca esconder nada deles.

- E como eles descobriram?

- Contei a minha mãe, ela sempre foi minha conselheira, aí ela inventou de falar com o meu pai e a merda já estava feita.

- Imagino, e onde foi que aconteceu? – ela perguntou curiosa. Eu apenas comecei a rir. – Porque está rindo? – estacionei o carro na porta da sua cara e me virei, olhando para ela, aquela pergunta me trouxe boas lembranças.


Notas Finais


O que estão achando? Me contem!!!
Beijocas

_missswan836


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...