1. Spirit Fanfics >
  2. You are the reason >
  3. 'Cause you are the reason - Pov. Delphine

História You are the reason - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - 'Cause you are the reason - Pov. Delphine


Fanfic / Fanfiction You are the reason - Capítulo 2 - 'Cause you are the reason - Pov. Delphine

O dia tinha começado ruim quando acordei e recebi um relatório nada agradável sobre a nova tiragem da empresa, era muito esperar de uma equipe de mais de 500 pessoas que tudo acontecesse na mais perfeita ordem quando eu não estava presente? Parecia que sim, era como um alerta, eu ouvia o céu me dizer “se quer as coisas bem feitas faça você mesmo”.

Ca estava eu, na empresa as 8 da manhã, para uma pessoa que tem o sono conturbado como o meu era muito estar acordada as 8, pior trabalhando as 8. Depois da morte do meu pai, tive que assumir a cadeira de presidente, como se eu não exercesse essa função quando ele era vivo, meu pai não ministrava as empresas ele só aparecia quando convinha a ele, eu era responsável pelo crescimento da FC desde os meus 15 anos de idade, isso para dizer pouco.

O dia correu como esperado, inúmeras reuniões, inúmeros relatórios, inúmeras visitas a fabricas e inúmeros picos de humor, que resultavam em Felix na porta da minha sala tentando conter os ânimos.

-Às vezes eu acho que mamãe me teve em um dia e você em outra semana. - Felix era meu irmão gêmeo, mais do que isso era minha outra metade, era a única pessoa que eu conhecia o suficiente para entregar minha vida nas mãos dele, e era por isso que só ele dirigia meu carro.

-Eu acho que nasci em um mês e você em outro, é quase impossível que eu tenha divido uma placenta com alguém tão ignorante.

-Ignorante? Não se esqueça que só está aqui porque te salvei umas 15 vezes no mínimo, mas não vou te chamar de ignorante pois não me igualo a você. – Ele era tudo que eu precisava, Felix esteve comigo nos piores e nos melhores momentos desde que nascemos, era bom demais ter ele por perto.

-Preciso me trocar, faltam 45 minutos para sua irmã conseguir o que quer, ser aplaudida pela empresa toda. – Krystal havia me obrigado a promover uma festa para todos os colaboradores da FC para brindar a promoção dela.

-Mamãe era assim, ela herdou as melhores partes dela, não me surpreende, ela é a melhor de nós.

E como sempre Felix tinha razão dentre os quatro filho de Marion, Krystal era a mais parecida com nossa mãe, em todos os traços, trejeitos, manias e até na cozinha. Apesar de não tê-la conhecido Kristal espelhava Marion em todos os sentidos.

A empresa se igualava a minha casa as vezes, tinha tudo que eu precisava, meu vestido já estava pronto para ser colocado, o habitual preto que me cabia perfeitamente, neutro como deve ser, apesar de ser a Cormier em evidência em eventos como esse eu odiava ser o centro das atenções, preferia que Krystal ocupasse esse lugar tão característico dela. A fenda da perna direita era quase provocativa demais, mas trocar o vestido agora só causaria mais rebuliço e me custaria um tempo que não estava disposta a perder. Entrei no elevador ocupado apenas por Felix e minha secretaria Alisson, que havia sido a responsável pelos preparativos de todo o evento, desde a minha roupa até o que os convidados iriam beber. Saímos no meu carro com Felix como guia enquanto Alisson repassava o texto que Krystal havia me obrigado a decorar. Quando chegamos a o salão escolhido o grande número de fotógrafos me deixou desconfortável, o que eu mais desejava naquele momento era voltar para casa e me esconder no closet, mas essa escolha não era tão possível assim.

Sai do carro acenando para as pessoas que rodeavam a entrada, fingindo uma naturalidade que não se assemelhava em nada com a forma que sentia realmente, desviei de investidas de patrocinadores e investidores que se achavam donos de boa parte do que havia ali, inclusive da presidente da empresa. Logo estava dentro do evento, escondida no alto da escada, me preparando para teatro que Krystal havia planejado.

Era bem simples, Paul ficaria na base da escada, Krystal logo acima dele, Felix acima de Kristal e eu ficaria no topo a escada, uma tentativa de representar a hierarquia entre nós, como se algum deles me tratassem como irmã mais velha, talvez Krystal tivesse mais autoridade sobre eles do que eu.

Felix se apresentou para me levar até a escada e os aplausos encheram o salão, nós estávamos prontos para o teatro e eu seria o centro das atenções por um breve momento até Krystal ser anunciada.

-Boa noite a todos. – Comecei o tão almejado discurso. – Espero que todos estejam se divertindo muito e apreciando a festa, quero que se lembrem que tudo foi planejado para que possam desfrutar de um descanso merecido. Nós sabemos o porquê desse evento, a FC Company atingiu a meta anual nos dois primeiros meses do ano graças a liderança de minha irmã Krystal, que fez um ótimo trabalho nas fabricas de confecções e por esse motivo acaba de tomar posse do cargo de Diretora Administrativa e ganha uma cadeira no conselho participativo assim como uma parte das ações da empresa, gostaria e brindar essa conquista como todos vocês, porque fizeram parte desse processo engrandecedor de minha irmã, a Krystal! – Pronto, brinde feito, todos os olhares saíram de mim e começaram a fuzilar Krystal, eu não precisava mais ser anfitriã poderia cumprimentar algumas pessoas e finalmente voltar para segurança da minha casa. Era exatamente o que eu faria.

Olhei para o salão a procura das tais pessoas que cumprimentaria e meu choque foi gigante, sentada a mesa e ainda aplaudindo Krystal estava a única pessoa que não imaginava que estaria ali, meus olhos fixaram-se nela, eu não conseguia me mexer, tudo parecia parado, não dava para acreditar no que via. Seria possível? Não, não era. Mas ela estava ali. Eu estava ficando louca com certeza, não era possível.

-Delphine, a gente precisa conversar. - Felix se aproximou de mim e de repete tudo que eu via era raiva, ele fixou os olhos em mim, implorando sem palavras que eu não começasse um escândalo, mas era tarde demais, eu já estava com minha mão esmagando seu braço e o carregando para primeira sala que encontrei aberta, o joguei para dentro com uma força que ainda não sabia que possuía.

Minha ira era tão grande que precisei respirar fundo várias vezes, caminhar pela sala várias vezes e ignorar os pedidos do meu irmão para que eu me acalmasse, mas o que eu desejava era matá-lo sem antes o questionar, estava cega de ódio, mas precisava me lembrar, lembrar do que minha mãe havia me pedido antes de falecer. “Seu irmão é fraco Delphine, ele não sabe viver a vida, proteja ele, de todos e principalmente de você”

-Eu espero do fundo da minha alma, que você tenha uma explicação muito convincente para o que eu acabei de ver lá fora.

-Del, presta atenção, antes de você descarregar a sua ira em mim, as circunstâncias me fizeram mudar o plano inicial e eu precisei fazer o que eu fiz, por isso...

-FELIX! – O interrompi, sem paciência para sua tentativa de fugir da real conversa. – Você vai me explicar o porquê Cosima está sentada na mesma mesa de Susan, quando ela deveria estar morta, e aí se eu decidir que sua explicação é boa o suficiente eu poupo você da minha ira, caso o contrário à última lembrança que terá em vida será das minhas mãos esmagando o seu pescoço, portanto comece, do início.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...