1. Spirit Fanfics >
  2. You belong to me • Triologia celestial sphere ( Jikook) >
  3. One

História You belong to me • Triologia celestial sphere ( Jikook) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Capa por: godofhell

Capítulo 1 - One


A escola de super poderes especiais  IV era, sem sombra de dúvidas,  a mais renomada e prestigiada instituição de ensino de toda celestial sphere, e todos os habitantes do planeta  lutavam e brigavam com unhas e dentes para se tornarem estudantes dessa  unidade escolar e se tornarem profissionais de primeira linha, para  só assim, serem aceitos para servirem  ao grande templo com honra e sabedoria, se tornando um símbolo de liderança para todos do nosso planeta. E eu, felizmente, depois de tantos anos buscando e me matando em meus treinos diários sozinho em casa, havia conseguido ingressar nessa tão importante instituição escolar e estava pronto para seguir o caminho que havia tanto almejado desde que me conhecia por gente. 


Completava cerca de um ano que eu havia recebido a carta de aceitação e que estava sendo ensinado e guiado por profissionais que trabalhavam para essa instituição acadêmica, porém, o sentimento de excitação e ansiedade ainda era tão fresco dentro de mim que todos os dias que eu acordava pela manhã e encarava o teto branco do meu dormitório, pensava  ainda ser o meu primeiro dia aqui, com a vontade de explorar o lugar e conhecer todos os profissionais que estariam comigo até que eu me formasse. A atmosfera desse lugar ainda me deixava extasiado e animado pelo dia promissor que sabia que teria pela frente, e isso me encantava  e me deixava ainda mais focado a cada nova aula passada a mim. 


— Com fome? 


Meu melhor amigo surge ao meu lado assim que passamos pela porta da sala de treinamento, amarrando seu cabelo grande em um baixo rabo de cavalo. Suor respingava de sua testa e escorria por seu pescoço até o peito, e a sua respiração ofegante só deixava evidente a aula árdua que nós dois acabávamos de ter. Era uma visão normal a que eu estava tendo de meu melhor amigo, e a sua euforia por mais evidente que também estivesse a cada nova aula que tínhamos, guerreava com o cansaço que pesava em seus ossos a cada dia que éramos levados ao nosso limite. 


— Faminto. Acho que hoje eu posso  comer a sopa de minhocas do espaço com gosto de poeira, sem problema algum. 


Meu amigo deixa uma risada sair de seus lábios e concorda em um balançar de cabeça com a minha fala, passando sua mão por sua testa molhada. O cansaço, a fome e a exaustão deixava até a comida mais podre dada a nós todos os  dias, deliciosa e apetitosa diante dos nossos olhos no estado em que nos encontrávamos depois de mais uma aula. 


— Definitivamente. Poderia comer dezenas dela que não reclamaria.  Meu estômago  está quase colado as minhas costas. 


— Eu o mesmo. Não consigo sentir  nem mesmo os meus ossos agora de tão exausto que estou  – Resmungo, deixando com que  uma careta se desenhe em meu rosto.


Não era fácil a vida que levávamos para conseguirmos ser aceitos no Grande Templo do Sol. No entanto, o esforço que hoje dávamos seria a nossa vitória em futuro muito próximo, e por isso não importava o quanto exausto e dolorido eu ficasse pelos treinos diários que tiravam tudo de mim desde que eu cumprisse o que meus pais planejaram para mim desde o meu nascimento. Eu faria com que eles sentissem orgulho por me ter como seu filho ao me vê trabalhando e servindo o Grande Rei. Então, no fim, todo o trabalho duro valeria a pena. 


— Você conversou com seus pais sobre a diminuição de suas aulas particulares? – Namjoon pergunta, e eu nego com um aceno fraco de cabeça em resposta. Não era o assunto que eu estava querendo falar estando tão faminto como me encontrava.  — Jimin-


— Não quero falar sobre isso agora, ok? Estou com muita fome para tocar nesse assunto. Podemos falar mais tarde sobre isso? 


Namjoon acena com a cabeça e se cala, mas eu consigo sentir os seus olhos preocupados e ansiosos em cima de mim. Kim Namjoon era  meu melhor amigo desde quando eu tinha três anos de idade. Ele havia sido meu vizinho antes de se tornar meu colega de classe e, desde então, nunca perdemos o contato um do outro. Éramos quase uma dupla inseparável e, sendo assim, ele sabia tudo a respeito dos meus problemas com meus pais e sobre a pressão que ambos colocavam em cima de mim desde que eu nasci. Ele detestava  a maneira como eles me tratavam, e se irritava quando eu permitia que eles continuassem me usando como um protótipo do  filho que eles queriam que eu fosse. O filho que eu sabia que não era, mas que fazia tudo para ser. 


Não tirava a razão de sua preocupação porque isso, de certa maneira, me desgatava mais do que os treinos que tiravam tudo de mim aqui nessa escola, mas eu não poderia decepciona-lós depois de eles terem me criado e me dado tudo o que precisei. Eu não poderia negar a única coisa que meus pais tanto queriam de mim. E mesmo que Namjoon se irritasse e se preocupasse comigo por conta disso, eu não queria que ele se metesse nos meus problemas quando eu não desejava exatamente mudá-los. 


Assim que passamos pela porta do refeitório e pegamos nossos pratos pela pequena janela  conectada  a parede, caminhamos lado a lado e nos sentamos em nossa mesa habitual que quase se tornava como nossa, desde que nunca sentamos em qualquer outro lugar. Tiro o casaco térmico que era um dos uniformes da instituição e que servia como proteção para as nossas aulas de treinamento, e a coloco nas mãos do robô ajudante assim que ele se martiriza ao lado da nossa mesa, enquanto observo Namjoon fazendo a mesma coisa com o seu próprio casaco. 


— Você acha que Jin e Taehyung nos ajudarão com a nossa prova final? – Meu melhor amigo me pergunta, sua atenção voltada em seu prato de refeição. 


Dou de ombros e engulo um pouco da minha sopa antes de responder. 


— Acho que sim. Eles sempre estão nos ajudando em alguma coisa. Não serão exatamente contra se  pedirmos isso a eles. Mas você está muito preocupado com a prova final? 


— Um pouco, desde que temos que mostrar um avanço maior sobre o nosso poder próprio. Estou nervoso sobre onde isso pode me levar. Não quero sair dessa escola, ela é essencial para a minha admissão  no Grande Templo. 


— Para todos nós ela também é – Digo, ganhando um pequeno aceno de cabeça de meu amigo. – Mas você não tem com que se preocupar. Você é um dos melhores alunos da nossa turma e está  muito a frente de todos nós, sem contar que  seu controle sobre seu poder próprio é impressionante. Tenho certeza que você se saíra bem. Não se estresse muito com isso. 


— Não sinto isso. A chama que sai por entre meus dedos ainda é fraca e um pouco fora de controle quando se torna forte e maior. Estou  trabalhando nisso nos meus treinos sozinho, mas não vejo que está fazendo muita diferença. Ainda sinto-me como um inútil. 


Balanço minha cabeça para os lados em completa desaprovação. Entender que Namjoon tinha suas inseguranças era uma coisa, mas compreender o modo como ele se via era algo totalmente diferente. Ele era um dos melhores alunos da minha turma e se mostrava cada vez melhor a cada nova aula. Era até um pouco cabuloso o quão bem ele conseguia sair de uma luta corpo a corpo ou que utilizasse  o uso de poderes próprios na execução da tarefa. Por sermos simples calouros, não era esperado muito de nós, pois nunca tivemos qualquer treinamento profissional como o que estávamos tendo agora. No entanto,  Namjoon desde sempre se mostrou um aluno espetacular e todos, não era apenas eu, se maravilhavam com a maneira com que ele controlava  e do modo como ele usava o seu poder próprio. Era quase semelhante aos veteranos e eu  sabia que meu amigo tinha um ótimo futuro estudando aqui. O que era totalmente diferente de mim. 


Enquanto Namjoon crescia gradativamente na dominância de seu poder e em suas habilidades de luta, eu ainda continuava o mesmo do meu primeiro dia aqui. Meu poder de gelo ainda era fraco e instável, quase não se afastando a um palmo de mim quando eu o direcionava a algum alvo. E o tempo em que ele poderia congelar alguma coisa em um lugar fixo, ainda estava enquadrado em segundos, tornando-o chulo em uma batalha de verdade. Era uma vergonha também a minha habilidade de luta corpo a corpo, e por mais que eu me esforçasse para mudar isso, eu ainda continuava em último na nossa turma. Me sentia extremamente nervoso, ansioso, e pressionado todas às vezes que meus pais perguntavam sobre os meus progressos, e por isso me matava tanto em meus treinos sozinhos e em  aulas particulares, consequentemente isso era algo que me desgastava mais e me deixava mais lento que os outros alunos. Tudo era demais para mim, e pelo jeito que iam as coisas, o único reprovado entre mim e Namjoon aqui, seria unicamente eu. 


— Você não acha que está exagerando muito se chamando de inútil? Namjoon, veja bem, não é porque sou seu melhor amigo que estou dizendo essas coisas. Você é bom, ótimo na verdade, e está fazendo um grande progresso em todas as aulas. Você só está se esforçando demais. Precisa parar um pouco antes que morra nesse ritmo. 


— É meio hipócrita da sua parte me dizer isso. 


— O que?


— Você é o que mais se pressiona e o que mais se desgasta. Não pense que eu não sei sobre as longas horas tarde da noite em que você treina sozinho, ou o seu cansaço muito maior que todos os outros alunos. Você está se matando e nem mesmo consegue vê isso. 


Minha boca está aberta em choque quando escuto o que ele diz, e abaixo meus olhos para a acabada refeição que já descansava em meu estômago. Nunca pensei que Namjoon soubesse dos meus treinos de madrugadas, ou que percebesse  o meu cansaço a cada começo de aula. Achei que estivesse sendo cauteloso ao sair do nosso dormitório a cada noite, e que também estivesse disfarçando bem a exaustão que estava virando uma outra camada minha a cada dia. Não sabia o que dizer a respeito disso, muito menos se queria realmente dizer algo. Por isso, apenas balancei minha cabeça para os lados e entreguei meu prato vazio para o robô ajudante que ainda segurava o meu casaco. 


— Que seja. Se você quer tanto assim melhorar ainda mais em suas habilidades, acho que você poderia pedir ajuda a Jin. 


— Jin? 


— Sou eu – SeokJin responde, e eu me assusto quando o vejo em pé a nossa frente, com o seu prato em mãos e com  Taehyung ao seu lado. – O que vocês estavam falando de mim enquanto eu não me encontrava? Nunca imaginei que vocês fossem esses  tipos de pessoas que falam pelas costas. 


— O que? Na-


— Aposto que vocês estavam falando sobre o novo namorado de Jin – Taehyung diz com um sorriso malicioso em seus lábios, sentando no banco a nossa frente e sendo acompanhado por Jin. – Não tem problema se estiverem, eu também não gosto muito dele. 


— Não estávamos falando sobre isso – Falo no mesmo instante que Namjoon pergunta com confusão em sua voz: 


— Jin tem um novo namorado?


— Sim – Taehyung responde, tendo um Jin falando logo em seguida. 


— Não. É só coisa da cabeça de Taehyung. Ainda estou com o Saem. 


— Ah. 


Namjoon sussurra baixinho em resposta, e eu me viro para encara-lo com o cenho franzido em completa confusão quando observo seu semblante caído e seus olhos tristes e pensativos. Algo estava errado e eu o questionaria quando estivéssemos no dormitório. 


— Mas então, o que vocês estavam falando de mim? 


— Namjoon acha que não está indo bem nas aulas e que irá se sair mal na prova final – Respondo, voltando minha atenção para os meus dois outros amigos. 


— Mas ele é o melhor da sua turma – Taehyung fala. 


— Disse isso a ele, mas ele não acredita em mim. Acha que não consegue controlar o seu poder próprio bem e coisa do tipo. Sugeri a ele pedir ajuda a você, Jin. Você está entre os cinco melhores e mais fortes da escola, sei que conseguirá ajudá-lo da melhor maneira. 


— Bom, eu posso tentar. Está tudo bem por você, Namjoon? A gente pode começar o treino na segunda que vem. O que você acha? 


— Eu nem considerei a ideia ainda – Namjoon resmunga, cruzando seus braços em frente ao seu peito firme. – Jimin só sugeriu, eu não disse que estava indo pedir a sua ajuda. 


— Que bom que você não precisou pedir então – Jin resmunga de volta, revirando seus olhos antes de apontar o garfo na direção de Namjoon – Segunda,  às sete horas da noite no ginásio de treinamento 5. Se eu chegar lá e não encontrá-lo, irei até seu dormitório e puxarei você pelas orelhas. 


Namjoon resmunga alguma coisa que não consigo ouvir, mas concorda no final, e eu respiro aliviado. Jin e Namjoon eram amigos, mas poderiam muito bem serem vistos como inimigos por pessoas de fora. Isso pelo fato de como Namjoon se tornava fechado e arisco todas às vezes que Jin estava por perto, o que eu nunca entendi muito para ser sincero. Jin havia sido a pessoa  que  nos acolheu e nos ajudou no nosso primeiro dia aqui, e ele sempre demonstrou ser uma pessoa doce e simpática com todos desde o princípio. E vendo dessa maneira, era  um completo mistério o motivo de Namjoon se comportar dessa maneira quando ele se encontrava por perto, mesmo que isso nunca tivesse realmente me  interessado para questiona-lo a respeito. Não até vê-lo com esse semblante triste ao que  Saem surgiu na conversa. 


— Falando em treino, vocês ouviram  sobre a garota que invadiu por acidente a sala onde a elite da escola estava treinando? – Taehyung questiona, seus olhos brilhando em excitação. Ele poderia muito bem se assimilar a um fofoqueiro desde que era ele que trazia um novo boato ou história a cada vez que nos encontrávamos. Era uma das suas personalidades, afinal. 


— Não fiquei sabendo sobre isso – Respondo, não muito interessado, mas não querendo desaponta-lo. 


— Muito menos eu – Fala Namjoon. 


— Por que você não nos conta? Sei que você está  se matando por dentro para nos dizer – Jin provoca, e eu sorrio levemente quando Taehyung se anima ainda mais no banco, afastando seu prato e apoiando seus braços em cima da mesa. 


— Era tarde da noite, pelo que eu ouvi. Ela estava indo ter uma noite quente com seu namorado ao que parece, acabou confundindo a sala e entrou justamente no lugar onde a elite se encontrava. Parece que eles assustaram a merda fora dela e ela quase se mijou todinha enquanto tentava sair da sala onde eles estavam treinando. Foi uma bagunça. 


— Isso não parece algo que eles fariam. Por que eles assustariam alguém por confundir a sala? – Pergunto, confuso com aquela história porque para mim não fazia nenhum sentido. 


— Sim, eles não parecem serem  o tipo de pessoas que amedrontam os outros. Eles estão muito  mais interessados neles próprios e em seus objetivos para focarem em coisas bobas como essas – Namjoon fala ao meu lado, e eu balanço a cabeça em concordância. – Você não acha que pode ser apenas um boato? Outro, na verdade, para manchar a imagem deles? 


— Não, porque eu sei  que é algo que eles fariam. Porque se não fosse amedrontando  os outros alunos, como eles chegariam a esse posto tão alto? 


Penso um pouco antes de responder, e digo isso com um dar de ombros. 


— Pelas suas habilidades de luta e pelo controle de seus poderes próprios, eu acho. 


Taehyung não concorda comigo, e ele não precisa nem mesmo me dizer isso para que eu fique ciente sobre esse fato. A elite da escola era um tema sensível para ele. Taehyung não gostava de nenhum deles, principalmente de Park Roseanne, e eu não  sabia muito  bem o que acontecera em  seu  passado para que esse ódio ficasse em seu coração que normalmente era tão puro e alegre, pois o que quer que tenha acontecido,  havia sido  muito antes de eu e Namjoon entrarmos aqui. Com o rosto emburrado, ele volta sua atenção para sua comida e Jin permanece em silêncio enquanto come a sua própria refeição  também. Ele não havia dito nada desde que Taehyung abriu a boca sobre a história, e eu não sabia o que ele estava pensando a respeito de tudo isso, porque assim como Taehyung, Jin também parecia não ter uma relação muito boa com a elite da nossa escola.  


Quando todos acabam de comer, pego meu casaco que ainda se encontrava descansando nos braços do robô ajudante e me levanto, colocando-o em meu corpo no mesmo instante em que a grande porta do refeitório se abre, calando as poucas pessoas que ainda se encontravam ali com a chegada da elite do colégio. Taehyung e Jin reviram os olhos no mesmo momento, desviando seus olhos do grupo que seguia em direção ao local para pegarem as  suas refeições. Todos eles pareciam importantes e dominantes, o que me deu um certo calafrio em minha espinha, como acontecia a cada vez que os via todos juntos. O poder que eles tinham era tão incrível que me deixava pasmo e assustado, pois a energia que cada um transmitia era extremamente poderosa e sombria. 


Park Roseanne, tendo seu lugar como a quarta  pessoa mais poderosa da escola e que ficava na frente de SeokJin naquele ranking que a própria escola havia  criado, caminhava ao lado  de Manoban Lalisa, que tinha o seu lugar como  terceiro. Ambas andavam com posturas restas e confiantes, semblantes sérios e firmes, e cabelos amarrados em um alto rabo de cavalo. Elas pareciam incríveis e inalcançáveis. Fortes e poderosas. Dignas de terem seus lugares e serem reconhecidas por suas habilidades e poderes tão impressionantes. 


Na frente das duas, no entanto, caminhava com passos firmes e decididos,  postura reta, semblante firme e sério, cabelo para o lado em um perfeito penteado arrumado, Min Yoongi, o segundo naquele ranking. A atmosfera que o rodeava não era tão diferente das duas garotas as suas costas, mas conseguia ser um pouco mais intimidade do que as dela. Ele era impotente, e isso todos conseguiam visualizar sem que precisasse assistir  a qualquer luta sua ou a expansão de seu poder próprio. Ele conseguia ter aquela presença dominante e poderosa, o que só intensificava ainda mais o seu nome e fazia seu futuro ser tão promissor e almejado por tantos outros alunos. Ele era um grande obstáculo para qualquer um que ousasse enfrenta-lo. Ninguém o venceria sem uma boa luta e graves ferimentos. 


Andando ao seu lado, estava Jeon Jungkook, o primeiro do ranking. Suas expressões nunca mudavam e ele passava apenas personalidades frias e sérias para todo mundo, afastando qualquer pessoa que tentasse uma aproximação com um simples levantar de mãos. Ele era a única pessoa, de toda a escola, que conseguia me assustar de verdade. Sua personalidade difícil, o seu poder desconhecido, a sua estrutura alta, dura, e musculosa, seus  olhos assustadoramente azuis, tiravam a merda fora de mim com um único piscar de olhos. Ele carregava atmosferas sombrias e perigosas, e tudo nele gritava perigo. 


Jeon Jungkook não tinha um passado conhecido. Seus pais não tinham nome nem rostos. As recomendações para a sua entrada nessa escola não possuíam uma verificação. Ele era totalmente um mistério para todos. Ele era uma incógnita que mais habitava a escuridão. 


—  Em nome do Grande Rei, não os encare como se eles fossem deuses ou qualquer merda  parecida. Eles são apenas alunos, droga – Taehyung resmunga, e eu abaixo meus olhos em óbvia vergonha por ter sido pego encarando a elite que agora passava pela nossa mesa, sem notarem a nossa presença ou qualquer um que estivesse ainda no refeitório.


— Desculpa, eu só estava conferindo algo – Digo em resposta, recebendo um bufo de Jin. 


— Conferindo  a cara deles? – Ele questiona, e eu me recomponho, levantando minha cabeça e revirando os olhos para dispensar aquela provocação. 


— Que seja. Estou indo para a minha aula. Fiquem aqui e apreciem a presença tão importante da grande elite – Taehyung diz ironicamente, pegando seu casaco e se afastando sem mais delongas. Jin o acompanha, gritando por cima do seu ombro:


— Não se esqueça do nosso compromisso, Namjoon, ou eu pego a sua bunda. 


Namjoon resmunga algo em resposta, mas eu não consigo ouvir de qualquer maneira, pois é baixo o suficiente para que torne impossível tal tarefa. 


— Estamos indo para a nossa sala também? – Meu amigo me pergunta, e eu balanço a cabeça em concordância. 


Sem mais enrolação, fazemos o mesmo caminho que nossos amigos e antes que eu possa sair pela porta do refeitório, lanço meus olhos por cima do meu ombro e visualizo por uma última vez Jeon Jungkook sentado com seu grupo, totalmente alheio ao que se passava ao seu redor. Por algum motivo que eu não sabia o porque havia surgido, eu tinha uma grande curiosidade a respeito de Jeon Jungkook, o aluno sem um passado relatado e conhecido, mas que todos sabiam quem era.


Notas Finais


Bom, então esse é o meu próximo trabalho. É uma triologia que eu espero que dê certo, pois eu já a amo de todo o meu coração. Estou dando o meu máximo aqui e espero que eu consiga ter a criatividade suficiente para que esse universo faça algum sentido para vocês. <br /><br />Até a próxima atualização e me esperem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...