História You Born To Be My Ômega - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Eu Devia Ta Dormindo, Hoseok!alfa, Jikook, Jimin Bem Possessivo, Jimin!alfa, Jin!ômega, Jungkook!ômega, Namjin, Namjoon!alfa, Taehyung!ômega, Tem Palavrão Pra Caralho, Yoongi!beta
Visualizações 680
Palavras 1.926
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Misticismo, Romance e Novela, Seinen, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eai seus povo que não dorme, voltei nessa bagaça.

Graças a Deus que eu consegui resumir esse negócio gente, eu achei que ia dar um capítulo de, sei lá, cinco mil palavras sabe? Aí eu pensei "ah não, se for pra ficar cheio de fogo no piriquito aqui e deixar esse negócio grande, vai demorar demais"

Aí saiu isso kkkkkk

Enfim, espero que gostem ❤

Capítulo 10 - Explicações seguidas de muita dor no nariz


Fanfic / Fanfiction You Born To Be My Ômega - Capítulo 10 - Explicações seguidas de muita dor no nariz

Ok, essa doeu. Doeu muito. 

E eu não estou falando dessa dor desgraçada no meu nariz, graças à força que Jungkook usou para jogar as chaves do meu carro na minha cara. Meu nariz estava muito vermelho, fazendo um belo contraste com o corte em minha boca e o roxo presente na maça de minha bochecha esquerda. Quem mandou eu arranjar briga no meio da rua não é mesmo? Agora estou todo dolorido. 

Mas estou falando mesmo é daquela dor que te dá umas pontadas no peito, como quando a gente está assistindo uma série e nosso personagem favorito morre. É tenso. Principalmente porque você não pode fazer nada para mudar alguma coisa. 


Para a falar a verdade, eu estava me sentindo meio... Rejeitado? 


Mesmo depois de todas aquelas reações estranhas do Jungkook no quarto, com ele falando umas coisas nada a ver e o beijo, ele ainda confirmou que sairia com outro. 


E ainda o chamou de "meu Yug".


Ew, só de lembrar já dá até uma reviravolta no estômago. 


Jungkook ficou o resto da tarde toda trancado e sozinho no quarto do Jin, não saiu pra nada e continua lá. A vontade que eu tinha de arrombar aquela porta e arrancar-lhe explicações era bem grande viu. Que bipolaridade era aquela de falar tudo aquilo no quarto e depois partir para a ignorância? Poxa, o que eu fiz dessa vez? Eu estava todo feliz descendo a escada achando que, nossa, "agora vai", e fui agredido assim, gratuitamente. 


Ele ficou bravo por causa do beijo? Ele não me parecia com raiva na hora, muito pelo contrário. 


Agora eu estou aqui, sentado no sofá da sala, girando as chaves – causadoras da minha dor em meu nariz – com o dedo indicador, olhando para o nada. Seulgi, uma colega de trabalho, havia acabado de me mandar uma mensagem, avisando que buscaria o carro amanhã e me pagaria de noite. Deve ter sido ela quem Jungkook atendeu ao sair correndo do quarto. Ela entregou a chave pra ele. 

É, não tem jeito. Vou ter que me despedir de meu possante. Meu companheiro. A minha conquista automotiva. 

Eu havia publicado em minhas redes sociais que estava vendendo meu carro e, curiosamente, não demorou nem um dia para que me chamassem para conversar no privado, negociando. Quem demonstrava mais interesse era Seulgi, a professora de química da escola em que trabalho. Fechei negócio com ela, após a mesma passar um dia com o carro, vendo se era de seu agrado e também para o levar em algum mecânico de sua confiança, para comprovar se o carro estava em boas condições. 

Eu preciso desse dinheiro. Infelizmente, amanhã será meu último dia com o carro. Ao mesmo tempo em que estava triste por ter que desfazer do meu bebê, estou feliz por ter conseguido o vender tão rápido e pelo preço que queria. Assim que Seulgi me pagar amanhã de noite, vou enviar o dinheiro para Seul. 

Hospitais particulares são realmente muito caros, a família Jeon não havia condições de manter a estadia da vovó Jeon por lá e me prontifiquei em ajudar. Eu moro com meu pai, não tenho uma cueca para pagar e o salário que ganho como professor de educação física, estou guardando para comprar um apartamento e sair das asas de meu progenitor. De início, a senhora Jeon havia recusado, dizendo que eu já fazia muito por sua família e tudo mais. Mas com um pouco de conversa e persuasão eu consegui a convencer em aceitar. 

Vou ter que juntar dinheiro por mais uns cinco anos para comprar um carro daquele de novo, mas é por uma boa causa. 


— Jimin? 


Saí de meus devaneios, vendo Seokjin parado em pé a minha frente, com os braços cruzados. Ele estava com um avental preto e sujo com algum tipo de massa, provavelmente havia acabado de sair da cozinha. Às vezes me pergunto por quê ele não tentava a sorte em algum restaurante ou algo do tipo, ele tinha talento pra coisa e claramente gostava de cozinhar. Ele com certeza se daria bem no ramo. 


— Hm? 


— Cadê o Jungkook? 


— Não sei, acho que ainda está no quarto. — respondo e vejo o ômega dar um suspiro cansado, desfazendo as amarras do avental, o retirando do corpo e o dobrando porcamente, usando as pernas como apoio para dobrá-lo. 

O vi subir pelas escadas, resmungando algo sobre "aquele moleque, nem comeu direito" e ficou um bom tempo lá em cima. Resolvi me levantar daquele sofá, acho que fiquei ali a tarde toda também, fazendo vários nada. Fui até a cozinha e vi uma bandeja cheia de croissants. Estavam com uma cara ótima, ninguém iria dar falta se eu pegasse umzinho só, não é? 


Desculpa Jin, mas meu estômago quem manda. 


Estava terminando de comer o croissant doce quando ouvi passos se aproximando da cozinha. Olhei para a entrada do cômodo, esperando encontrar Jin ali, mas, por um milagre de Jesus, era Jungkook quem estava no batente da porta, me encarando. Ele não parecia bravo como eu pensei que estivesse. Diria até que ele me encarava com certa culpa. 

Ah, então ele está se sentindo culpado por ter jogado a chave na minha cara sem motivo nenhum? Hm. 

Limpei as mãos em minhas calças e saí da cozinha, passando por ele sem nem mesmo olhá-lo. Ele parecia hesitante, abrindo e fechando a boca repetidamente, parecendo estar ensaiando algo para falar. 

Olha, por incrível que pareça, eu ainda tenho meu orgulho. Não estou nada feliz com o que Jungkook fez e, pra piorar, ainda vou ter que levá-lo àquela merda de encontro com outro cara. Não estou afim de papo. 

Me sentei novamente no sofá, me afundando ali. Mesmo percebendo que Jungkook se sentia culpado, eu sabia que ele ainda estava com raiva de mim. O motivo? Só ele e Deus sabe. 

Jin desceu as escadas e veio em minha direção novamente, e, sem dizer mais nada, ele agarrou meu braço e saiu me puxando escada acima. Só parou quando já estávamos em meu quarto e ele me deixou sentado na cama, se colocando ao meu lado com um olhar tão sério que quase não o reconheci. 


— Jimin, você pensou sobre o que eu te disse no quarto hoje? O que foi que você fez dessa vez? Aliás, Jungkook está estranho desde que vocês ficaram sozinhos no quarto. — Lógico, ele pensava que a culpa do Jungkook ter ficado trancardo no quarto era minha. Me lembro de quando o ômega mais velho me acalmou hoje cedo, quando entrei no meu quarto possesso pela briga que tive na rua com aquele alfa do cabelo seboso. Aquele idiota ainda teve a cara de pau de, além de se intrometer onde não havia sido chamado, deixar Jungkook inquieto e temeroso. Acho que se não fosse Jin, eu teria perdido o controle com Jungkook também. 


"Pare de rosnar, alfa. Jungkook está dez vezes mais sensível e suscetível a seu ômega interior agora. Continuar com esse comportamento só vai piorar a situação. Você, mais do que ninguém, deve trazer conforto a ele."


— Eu não sei! Eu não fiz nada. Ele começou a falar umas coisas estranhas e a gente se beijou. Até aí tudo normal. Mas depois que ele desceu, ele simplesmente rachou a porra da porta ao fechá-la e jogou a chave do meu carro na minha cara como se quisesse me matar com isso. Eu juro que não o provoquei, só tentei deixá-lo confortável, como você me mandou fazer. Acho que não deu muito certo. 

— Você acha? Você sabe que o Jungkook é genioso, qualquer coisa pra ele é o fim do mundo. Agora então, ele está na mesma situação que uma bomba prestes a explodir. 

— Eu sei... eu sei. Eu só queria entender o que se passa na cabeça dele. Às vezes acho que sou eu quem causa tudo isso e o melhor, pra ele, seria que eu sumisse. Ele está tendo mais oscilações de humor do que a última vez, e eu nem estava aqui quando elas aconteceram! Agora que voltei parece que piorou. Isso só reforça o quanto ele fica melhor sem mim. — o olhar de pena de Jin me atingiu como uma flecha. Não era a primeira vez que ele me ouvia dizer a mesma coisa. Eu realmente acho que sou um estorvo na vida de Jungkook, ele mesmo deixa isso bem claro. 

— Jimin, você sabe que não pode fazer isso. Vocês não podem ficar longe, você viu o que aconteceu da última vez. Jungkook só não se afundou na depressão de uma vez por causa dos remédios que ele nem sabia que tomava. 

— É, e nesse meio tempo em que saí da vida dele, ele; arranjou um namorado, fez amigos, saiu mais, viveu mais. Eu fiquei todos aqueles três anos me odiando por ter privado Jungkook de viver. Eu não consigo controlar esse... esse meu jeito com ele, não sou eu, eu não quero ser assim, sei o quanto o incomoda. Mas eu não consigo. É como se algo mais forte me controlasse e me fizesse agir como um idiota possessivo. E não foi Jungkook quem sentiu minha falta, foi o ômega dele. — dizer aquilo doía mais do que parecia. Tudo bem que eu já havia me conformado que eu era um pé no saco na maioria das vezes, mas isso não me fazia sentir mais aliviado. 


Não é fácil você se dar conta que sufoca a pessoa que mais ama na vida. Que ela não te quer por perto. 


Jin massageou a própria têmpora, fechando os olhos e respirando fundo. Acho que ele estava tentando se controlar, não sei. Eu falei algo errado? 


— Jimin, é o seguinte. — ele pegou o avental dobrado que estava repousado em sua perna e... Jogou ele no chão? Se levantou e passou a andar de um lado para o outro, passando a mão pelos cabelos. — Me desculpe o palavreado, mas vocês dois estão com fogo no cu. Olha o tanto de coisa que já aconteceu com vocês dois, parece que a natureza, o universo, sei lá, estão apontando tudo quanto é tipo de prova de que sim, vocês dois tem de ficar juntos! A maior prova disso está para acontecer de novo daqui a pouco tempo e você sabe do que estou falando. Desde o nascimento de vocês porra, você tem noção disso? Jimin, você não ficou naquele hospital internado assim que nasceu só porque sua mãe havia falecido e você não havia recebido feromônios suficientes, faltava algo em você. Algo que o hospital não poderia repor ao seu organismo com bolsas de feromônios e incubadoras. Você foi a criança mais quieta, infeliz e robótica que eu já vi na minha vida. Até seus 4 anos de idade, você fazia tudo no automático. Não era normal. Você não sorria, não chorava, não saía para brincar e não interagia com ninguém. Parecia um robô que comia e dormia. A primeira vez que eu e seu pai vimos você reagir a alguma coisa, foi quando Jeon JonHoo apareceu batendo a nossa porta de madrugada pedindo pelo amor de Deus uma carona até o hospital porque a ômega dele estava dando à luz. Jimin, você rosnou. Você era a porra de uma criança de quatro anos, E ROSNOU. Até àquele dia, você nunca tinha mostrado reação nenhuma para nada! 

Ok, muita informação. 

— Você ficou internado no hospital até quase seus dois anos de vida, porque seu lobo já estava sentindo falta do ômega antes mesmo dele ter nascido. 




Notas Finais


Esclareci um pouco as coisas ou criei mais dúvidas? Muahahan, me perdoem, mas é legal ver vocês teorizando kkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...