1. Spirit Fanfics >
  2. You can kiss me, Christopher? >
  3. Kisses

História You can kiss me, Christopher? - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


ATENÇÃO! OS DOIS SÃO MAIORES DE IDADE!!


olá! já faz bastante tempo que não posto alguma coisa aqui e finalmente, depois de quase dois anos com esse plot consegui terminar!!
enfim, me perdoem pelos erros, eu não corrigi, só passei os olhos por cima e dale.

minha primeira vez escrevendo chanlix, espero que gostem <3

Capítulo 1 - Kisses


— C-chris-hyung... E-eu queria...— falou ofegante. Estava deitado de bruços enquanto o rapaz atrás de si distribuia mordidas e lambidas em suas coxas e nádegas, sempre evitando tocar em seu buraquinho.

— Quer? — Sorriu divertido. Ele amava ter o ômega assim, empinadinho e manhosinho para si. 

O moreno tinha acabado de chegar do trabalho e estava muito cansado. Trabalhava muito, de noites em noites, horas e horas, e finalmente tinha tirado férias para poder descansar. Tudo o que pensava em fazer era dormir até o fim delas, mas seu ômega tinha outros planos.

— E-eu quer-ro... quero que m-me beije... — Suas bochechas poderiam ser consideradas dois tomatinhos bem vermelhinhos e fresquinhos. Ele nunca falaria isso se não estivesse tão excitado e com vontade de ter a boquinha de seu alfa naquele lugarzinho tão especial.

— Tudo bem, amor — O lúpus, como estava atrás do corpinho pequeno, apenas ficou de joelhos e cobriu o corpo menor com seus braços musculosos, colocando um na barriguinha gordinha de Felix, segurando-o. Começou beijando o pescocinho com poucas marcas e depois indo em direção a boca inchadinha do ômega. 

— Não, não, amor. N-não é aí... — Felix estava nervoso, mas claro, não havia nenhum motivo para tal coisa, não era a primeira vez que faziam aquilo, muito menos a última. — É-é aqu-aqui... — Agarrou a mão forte e grande do marido e guiou-a até o meio de suas nádegas.

— Humm, aqui, nenê? — sussurrou grave em seu ouvido e esfregou com força dois de seus dedos em sua entradinha, fazendo Felix choramingar manhoso e lágrimas começarem a brotar em seus olhinhos.

— P-por fa-avor, channie... — Estava se empurrando na mão grande do alfa, que ainda esfregava com força os dedos, sentindo o cuzinho piscar loucamente.

Com rapidez, o Bang ficou a em frente ao traseiro de seu pequeno e começou a acariciar as bandas macias dele, ao mesmo tempo que beijava e deixava mordidinhas leves. Lee choramingou.

— Amor... — falou sôfrego.

— Ok, ok — segurou seu quadril e o ergueu, lhe deixando apoiado pelos joelhos e com o rabinho empinadinho em sua direção. — Porra... Você é tão lindo, Lix.

Christopher inclinou o rosto para baixo e afundou-o entre as bandas daquele rabo gostoso, colocando a língua molhada para fora e deslizando-a na fenda, vendo-o se tremer todinho e se contrair violentamente quando lambeu aquele lugarzinho apertadinho. O lúpus colocou suas mãos nas nadegas do outro, as puxando ferozmente, deixando o cuzinho mais aberto para sua língua faminta.

— Hyu-Hyung... — gemeu, manhoso e alto, com os olhinhos fechadinhos. Oh, céus! O moreno era tão bom!

Ainda com a língua dentro, envolveu o botãozinho e chupou ali fortemente, fazendo o baixinho choramingar. O Bang chupava com gosto e fome, amava quando seu pequeno lhe pedia aquilo. 

— Oh, Chris... p-por fa-vor... — a voz fraquinha, quase chorosa, implorou. 

Chupou mais um pouco e tirou sua língua, tendo a visão da entradinha bem vermelhinha e toda babada, passando os dedos bem de levinho para provocar o menor.

Ele estava duro também, queria que o loirinho estivesse o chupando bem gostoso, engasgando em sua rola. Mas por hora, se preocuparia apenas em dar prazer para seu menino.

Começou a esfregar seus dedos ali, o anelzinho rosado estava bem molhadinho, o que era bom para o Bang. Ainda circulando o buraquinho, dedo médio e o anelar, metendo fundo no rabinho, girando e dobrando os dedos à procura de um pontinho.

— Tão apertadinho... — rosnou afetado, metendo ainda mais rápido e duro.

— Cha-Chan... — chorou, desabando no colchão e enterrando o rostinho no travesseiro, sentindo o moreno enfiar mais dois dedos e meter cada vez mais rápido e forte em seu cuzinho, acertando o pontinho simultaneamente. Seu pau estava tão duro, sabia que não ia aguentar mais tempo, não com o moreno lhe fudendo daquele jeito.

De repente, Bang tirou os dedos de dentro de sua entradinha e se ajeitou na cama, se sentando. Felix acabou por choramingar com a falta dos dedos do alfa.

— Vem, Lix — disse, dando uns tapinhas em sua própria coxa. — Você vai se sentir mais confortável aqui.

O Lee assentiu manhoso, engatinhando até estar sentado no moreno, sentindo o pau duro coberto pelo tecido da cueca se esfregar em sua bunda nua.

— Chan... v-você vai continuar? — rodeou o pescoço do maior com seus bracinhos e logo apoiou a testa no ombro, fazendo um carinho gostoso nos cabelos da nuca do Bang.

— Não sei, lindo — falou, puxando o corpinho para mais perto, acariciando as costas e descendo para a cintura. — Você quer? — deixou um beijo no pescoço do outro.

 Felix assentiu manhoso, deixando seu bumbum bem no pau, começando a rebolar lentamente, sentindo bem no meio de sua bunda.

Christopher, querendo sentir mais aquele contato, agarrou com firmeza a carne farta, ajudando o menor com os movimentos.

— Fe-Felix... 

O Lee já estava todo choroso novamente, conseguia sentir a cabecinha molhada bem no seu buraquinho e agarrava com força os cabelos do Bang, que se sentia cada vez mais duro. Sem mais poder esperar, Chris tirou sua cueca e a jogou pra longe. O outro quase chorou ao ver as veias saltadas e cabeça inchada expelindo gozo. Queria tanto passar sua língua e chupar ali, lamber a base e subir até a glande para sugar com força e fazer o Bang delirar... Porém deixaria isso para outra hora, estava com tanto tesão vontade de ter o pau do outro dentro de si que não quase conseguia raciocinar direito.

 — A-Amor... Por f-favor... — Felix manha e logo depois deita sua cabeça no pescoço do alfa, sentindo a fragrância masculina impregnada ali. Acabou choramingando ao sentir o mais velho enfiar um dedo em sua entradinha e mexer um pouquinho, retirando-o rapidamente e arrumando o ômega em seu colo, encaixando a cabecinha no buraquinho apertado, logo o forçando para entrar e ouvindo o gemido manhoso do loiro.

Quando já estava totalmente dentro, abraçou a cintura de Felix, esperando que ele se acostumasse. Eles transavam com frequência mas mesmo assim, ainda era difícil aguentar o tamanho do Bang. Depois de um tempinho, sentiu uma reboladinha tímida em seu colo, rindo soprado. Puxou o queixo do Lee lhe dando um beijão de tirar o fôlego, em seguida dizendo: 

— Faz o que sabe fazer de melhor. — sussurrou no ouvido do mais novo, dando um sorriso safado. E então Felix começou.

Apoiou as mãos nos ombros fortes do moreno e subiu, até estar só com a cabecinha dentro e sentou com força, jogando a cabeça para trás ao mesmo tempo em que soltava um gemido extremamente alto. E assim continuou, até o loiro perder as forças para quicar e o moreno percebendo isso, escorregou um pouco na cama, deixando Felix totalmente deitado em seu tronco e a bunda o mais empinada possível. Deu um beijinho no peitoral suado do alfa e disse:

— Pode ir, H-Hyung... — E Felix gritou novamente. Christopher não deu nem chance para o ômega se recuperar, continuou socando forte e fundo, praticamente surrando a próstata do loiro, que nessa altura do campeonato, já chorava de tesão. Então Chan trocou de posição, deitando logo atrás do ômega e mordendo sua orelha.

— De ladinho, agora, ok? — foi deixando um carinho gosto desde a cintura até o tornozelo, este que segurou com força e o levantou, se aproveitando da flexibilidade do ômega e se enterrou novamente no interior quentinho do loirinho. Começou lento e forte, saia e socava dentro de novo, do jeito que Felix gostava. E quando estavam perto de gozar, Christopher aumentou a velocidade das estocadas, metendo com ainda mais força. Lee estava praticamente chorando, conseguia sentir direitinho Chan pulsar dentro de si e quase desmaiava toda vez que sentia o moreno surrando sua próstata, ele não perdoava. Metia com gosto e força, judiando da bundinha do loiro.

O ômega veio primeiro, se desfazendo no lençol da cama e sentindo o homem atrás de si continuar o ritmo, gemendo com a sensibilidade. Quando sentiu que estava perto de gozar, segurou com força o quadril do outro e o puxou contra sua pélvis, ficando parado enquanto sentia o nó se formar, ouvindo o gemidinho dengoso do mais novo, rindo e se inclinando para deixar um selar na boca vermelhinha.

O nó se desfez e Chris saiu de dentro de Felix podendo ouvir o resmungo baixinho e logo vendo sua porra escorrer pelas pernas bonitas. Riu, logo trazendo o ômega para seus braços, o apertando forte e beijando de uma forma apaixonada seu menino. Sentiu a mãozinha do Lee fazer um carinho singelo em sua bochecha, sorriu e fechou os olhos, querendo aproveitar do carinho gostoso que o outro lhe fazia.

E assim adormeceu, com o peito quente e totalmente apaixonado por Felix. Era assim que acontecia, sempre. 


Notas Finais


não gostei muito de como ficou o final, pois só fui acrescentando algumas coisas porque estava desesperado para terminar esse plot.
enfim, obrigado por lerem!!
beijos, amo voces <3 sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...