1. Spirit Fanfics >
  2. You can stay >
  3. Sequestro

História You can stay - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpa a demora mais aqui está, uma amiga me ajudou com uns detalhes na fic 😊
Espero que estejam gostando ^^
Desculpem os erros
Sem mais delongas
Boa leitura a todos ❤️💕

Capítulo 10 - Sequestro


Fanfic / Fanfiction You can stay - Capítulo 10 - Sequestro

      Os primeiros raios de sol já aparecia, o dia havia acabado de nascer

              Keonhee on

      Um sentimento "desconhecido" estava crescendo cada vez mais dentro de mim. O desejo que estava sentindo só podia ser saciado apenas por uma pessoa, precisava de uma aliada para isso. S/n seria perfeita ela guarda muito rancor e seria de muita utilidade. Me arrumei e fui até a casa da mesma.  A empregada que me atendeu disse que para mim aguardar um pouco na sala de estar, pois ela estava se arrumando e logo desceria, a mesma me ofereceu uma xícara de café. Fiquei esperando por uns dez a quinze minutos, já estava querendo ir embora, porém ela aparece toda arrumada, vindo até mim

         — O que te traz aqui? – pergunta a garota 

         — Eu preciso que você me ajude

         — No que exatamente, vá direto ao ponto

         — A dar um fim naquele garoto que se parece com Ravn

         — E por que eu te ajudaria?

         — Talvez você não tenha escolha, pelo que parece você e Leedo estão próximos, como será que você reagiria o vendo sofrer e morrer aos poucos

          — Não machuque ele! Leedo não tem nada a ver com o Hyuki, não o ponha no meio 

          — Então vai me ajudar?

          — Vou se prometer deixar ele fora disso 

          — Eu prometo – falo da boca para fora

          — Agora saia da minha frente 

          — Vamos manter contato frequentemente gracinha 

          — Está bem – suspirou saindo da casa

    Sai do imóvel em seguida indo a algumas lojas comprar artefatos úteis. Uma loja não tão distante, porém muito discreta, assim que vi sua fachada entrei na mesma, haviam várias armas brancas como adagas, canivetes, facões, machados, cassetetes, katanas, espadas, kunais, foices dentre outras. Tinha também armas de fogo, pelo tanto que havia ali deveria ter todas ou quase. Peguei uma pistola, canivete, adaga e uma mp40, passei no balcão e paguei. O dono colocou em uma maleta os objetos comprados, agradeci e saí indo embora. Fui embora o mais rápido, cheguei em casa fui até meu quarto e coloquei os artefatos em um cofre que ficava no meio da parede. Tirei o enorme quadro que lá tinha abri e guardei, fechei e voltei o quadro ao lugar

             Keonhee off


         S/n on

   Iria ajudar ele a força, se ele não cumprir com a promessa dele não deixarei escapar ileso, não dessa vez. Estava a caminho da casa de titia Seok, fazia um bom tempo que não vejo e estava morrendo de saudade dela, resolvi ir visitá-la embora não gostasse muito de meus primos. Já estávamos quase lá, mais alguns quarteirões. Após passar uns três quarteirões, o motorista estaciona o carro em frente a grande casa. Sai e apertei a campainha e uma empregada jovem e bonita me atendeu, entrei e esperei a senhora Seok. Enquanto isso a jovem me ofereceu uma xícara de chá, aceitei e continuei a aguardar. Logo a ela apareceu, era incrível em como o tempo não passava pra ela, continuava jovem e linda

         — S/n!! A quanto tempo !

         — Oii tia – sorri 

         — O que te trás aqui? 

         — Eu vim matar a saudade que estava da senhora 

         — Eu sabia que mais cedo ou mais tarde iria aparecer aqui 

         — E os filhos da senhora se encontra aqui?

         — Não, eles saíram mas disseram que logo voltam, foram obrigados a saírem com Sttefan

         — E o tio? 

         — Trabalhando na empresa como sempre 

         — Deve ser muito puxado comandar a empresa, e quando é que o novo sucessor irá assumir?

         — Não tão já s/n, nenhum deles está pronto para assumir essa enorme responsabilidade que é comandar 

     Meu celular apitou indicando mensagem peguei e vi que era Keonhee, respondi o mesmo 

         Mensagem on

    Keonhee: eu comprei uns brinquedinhos para nos divertimos s/n

      S/n : você né

   Keonhee : nós s/n nós, já se esqueceu do que vai acontecer se não juntar a mim?

       S/n: não me esqueci, pelo contrário estou bem ciente, porém não vou sujar minhas mãos

     Keonhee: não é assim que as coisas vão funcionar, ao menos uma gota de sangue deve derramar ao fazer isso, eu faço as regras e dou as cartas então é melhor me obedecer e não me enganar ou tramar algo contra mim 

      S/n : já falei que vou te ajudar nao precisa ficar me lembrando toda hora, vai ser do jeito que quiser e imaginar

   Keonhee: acho bom s/n se não te mato junto com eles 

      S/n : mas não era só o Hyuki que você queria se livrar?

   Keonhee: sim e não

      S/n : como assim KEONHEEEEEE

   Keonhee: tudo irá depender do caminhar da carruagem se houver progressão eu posso poupar alguns, caso contrário todos irão morrer inclusive você, está nas suas mãos agora S/n

       S/n: então um passo errado meu e todos irão sofrer 

   Keonhee : parece que entendeu a situação, então novamente acho melhor agir como deve e me obedecer 

        S/n: tá bom

       Mensagem off

   E agora o que deveria fazer, tudo estava em minhas mãos. A última coisa que queria era que alguém saísse machucado por minha causa, se isso acontecesse não me perdoaria, neste momento não tive ninguém para ficar ao meu lado e me ajudar a tomar um rumo. A pessoa que mais gostava corria perigo por minha causa

         — Está tudo bem s/n? – perguntou a mais velha

         — Está sim – forcei um sorriso

         — Não minta, eu sei que tem algo te incomodando 

         — Eu não posso falar, não posso colocar em risco mais pessoas 

         — Me fala logo talvez eu possa te ajudar 

         — Acho melhor não 

         — Anda logo S/n desembucha 

         — Uma amiga gosta de um garoto mas ainda não assumiu totalmente esse sentimento por ele, e agora ela está sendo ameaçada por um amigo, se ela não fizer o que ele manda ele pode matá-lo e ainda matar ela – dei uma controversa na história contando uma meia verdade 

          — Que situação complicada, achei que fosse algo simples, nisso eu não posso ajudar, mas estou torcendo para que dê tudo certo com essa sua amiga

          — Também estou torcendo por ela – abaixei a cabeça 

        

     Uns dez minutos se passaram e meus primos estavam de volta 

           — S/n, que bom que veio nos ver – pronunciou Sttefan

           — Estava demorando para aparecerem – sussurrei e forcei um sorriso 

           — A quanto tempo s/n, vejo que não mudou nada ainda continua a garotinha mimada – disse Dong Sik

           — E você continua o mesmo idiota de sempre 

           — S/n aqui, legal um motivo bom para trancar em meu quarto – falou Seon Joo 

           — Se comportem meninos, e você Seon não vai para aquele maldito quarto, vai ficar aqui na sala fazendo companhia para sua prima – disse a mais velha 

           — Não se preocupe tia, estou muito bem sozinha com a senhora

           — Que mentirosa – me olhou feio Sttefan

   Os ignorei, e novamente Keonhee me atormentava com as benditas mensagens

      Mensagem on

    Keonhee: s/n preciso de você agora 

     S/n: para que ?

   Keonhee : não questione apenas venha 

     S/n: estou na casa de minha tia 

   Keonhee: na casa de Sttefan?

     S/n : como sabe?

   Keonhee: isso não importa, só preciso que venha o mais rápido possível 

   S/n: taa,…

   Quando estava para terminar de digitar a mensagem Sttefan pegou meu celular

          — Me devolva agora 

          — O que tem de tão importante nesse celular que não posso ver?

          — Não te interessa…me devolva agora

           Agora me interessa, vamos ver… Keonhee, você estava conversando com ele, interessante vocês estão juntos. Hmm ele comprou uns brinquedinhos para você se divertir, não acredito ainda que esteja saindo com ele 

         — Não importa, apenas me devolva meu celular 

         — Toma, já vi tudo que precisava ver – saiu indo para o quarto 

     Já estava querendo ir embora, não suportava essas pestes. De todo jeito ia ter que ir embora já que Keonhee me pediu para vê-lo. Me despedi de titia e fui até a casa do mesmo, o garoto me esperava do lado de fora sentado em frente a porta, ao me ver sair do carrk ele se levantou vindo até mim

          — Ainda bem que veio, vamos até meu quarto – puxou-me pelo braço 

      Não questionei nem nada só deixei que o mesmo me "guiasse", entramos devagar no quarto. Me sentei na cama enquanto ele me mostrava os tais brinquedinhos

          — Está vendo isso, vai ter que aprender a usar – falou me mostrando uma arma 

          — Por que eu deveria aprender a usar, não tem medo que eu acabe te matando?

          — Tenho certeza que você não terá coragem de fazer isso 

          — Deixa eu ver se entendi, você quer que aprenda a usar isso para matar Hyuki? 

          — Isso s/n, seus neurônios estão funcionando bem 

          — Mas não era você que iria fazer isso?

          — Sim e não, no início era mas agora pensei bem e quero que você faça isso 

          — E se eu falhar em matar ele?

          — Kim pagará por isso 

          — Droga, e como eu uso isso ?

          — Está vendo esse gatilho aqui atira e esse atrás e para destravar a arma, você mora e atira 

          — E onde eu deveria testar minha mira?

          — Aquele círculo de colorido na parede 

          — Você quis dizer o alvo né

          — Se eu quiser chamar ele de círculo colorido eu chamo s/n

          — Tá bom, não está mais aqui quem falou 

          — Venha, vou ficar aqui do seu lado te observando 

      Caminhei até o lado que ficava o alvo, fiquei a uns cinco passos de distância, destravei a arma, e mirei e apertei o gatilho, a bala passou bem longe do alvo como o esperado. Keonhee me olhava com cara de desprezo e raiva por eu não ter acertado o bendito círculo. Tentei de novo e o resultado não foi tão bom, mas foi melhor que a primeira pois a bala pegou na pontinha do alvo. Continuei atirando até acertar o meio do mesmo, o que levou bastante tempo e fazendo assim todas as balas se esgotarem 

          — Acabou as balas e não consegui acertar o meio do alvo – fiz bico 

          — Mas você está pegando o jeito, venha descanse um pouco amanhã continuamos com o treinamento

         — Por quanto tempo vou ter que ficar aqui?

         — Até quando eu quiser 

         — Keonhee – falo triste 

         — Sem mais um "A" 

         — Eu não tenho opção a não ser ficar de bico calado – suspiro abaixando a cabeça 

            S/n off


           Keonhee on 

    Aproveitando que s/n estava aqui no meu quarto e estava só nós, poderíamos brincar e colocar um pouco de diversão. Me aproximei da garota, a mesma me olhava confusa e se afastava 

         — Para de ser chata s/n

         — Não se aproxime de mim Keon

         — Se não o que?

         — Eu desisto de tudo e te abandono com essa ideia maluca 

         — Desistir como, você não tem opção 

         — Eu posso me matar 

         — Eu nunca permitiria que você fizesse isso 

         — Quando menos esperar eu faço 

         — Já falei que não permitirei isso s/n 

    Continuei a me aproximar dela. E ela insistindo em se afastar, a prendi contra a parede

         — Não fuja de mim s/n, eu não vou te machucar, só quero brincar 

         — Eu não estou fugindo, eu não quero brincar 

         — Não é o que parece, agora não tem para onde ir 

         — Não iria a lugar nenhum mesmo se quisesse 

         — Então colabora comigo 

         — Faça o que quiser

         — Não vai se arrepender de ter falado isso?

         — Vou mas não tenho escolha 

     Keonhee off


            Leedo on

    Sentia que s/n estava em perigo porém não estaria em casa. Tinha um pressentimento que estaria com Keonhee. Fui o mais rápido para lá, a casa estava aberta, entrei e fui até o quarto vendo ele tentar beijar s/n a força. Me aproximei sem fazer barulho e o puxei de perto dela, o batendo. O garoto veio para cima de mim, dei um murro bem dado no rosto dele e um na barriga o que fez ele levar a mão até a mesma por conta da dor, peguei s/n levando ela para fora daquela casa e de perto dele. A levei para minha casa 

       — S/n o que fazia lá, tão próxima dele?

       — Eu não tinha opção Leedo, eu não posso te falar o que está acontecendo se não posso te colocar em perigo 

       — Ele está te ameaçando ?

       — Não, até que ele não iria conseguir, mas fique fora disso

       — Mas se ele fizer alguma coisa para você eu acabo com ele 

       — Obrigada por me tirar de lá, você apareceu na hora certa 

       — Por algum motivo minha intuição me disse que estaria com ele, precisa ir ver se realmente era verdade e se fosse você provavelmente estaria em perigo 

         — …– sorriu e me abraçou agradecida 

                 Leedo off

 

          Hwanwoong on

    Não tínhamos para onde ir, e ainda aquele homem estava nos seguindo. Saímos do templo e fomos até a cidade compramos umas coisas e seguimos sem rumo pela cidade a fora

          — Hyuki, quando nós voltar você poderia estudar na mesma escola que eu o que acha, o cartão que papai me deu dá para pagar o ano letivo inteiro, e eu me sentiria mais seguro com você estando lá comigo 

          — Use o cartão para algo importante Hwan, e eu já te disse que irei todos os dias na escola te ver 

           — Mas isso é algo importante, e outra você sempre quis estudar lá, então aceite por favor – implorei 

           — Está bem Hwan se é o que quer então não vou discutir com você 

           — Assim poderei te ver a todo instante – sorrio grande após o mesmo aceitar

           — Eu irei ficar muito feliz podendo ver esse rostinho com esse sorriso que é tudo para mim – sorri 

           — Você vai levar Shin, ninguém precisa saber que ele estará junto com nós 

           — Isso não parece uma boa ideia, a escola tem muita gente e alguém pode tirar ele de nós, e não quero perder ele – falou num tom triste 

           — Então podemos deixar ele no meu quarto e você podia morar lá em casa – sugeri na esperança do mesmo aceitar 

            — Vou pensar 

            Hwanwoong off

       

          Seoho on

     Já fazia uns dias desde que Hyuki havia sumido. Mamãe e papai já estavam preocupados, pois o mesmo saiu sem avisar e muito menos deixou um recado ou uma mensagem para eles. A tristeza no rostos deles era bem notável. Desde o dia em que ele apareceu e cuidamos dele, criamos um vínculo grande. E a cada dia que se passava um amor por ele crescia dentro de nós, o garoto era praticamente parte da família, não consigo imaginar eles quando Hyuki recuperar a memória e resolver sair daqui de casa, eles iriam ficar arrasados e de coração partido, estava torcendo para isso não acontecer tão já. Mamãe estava tão triste que estava se segurando para não chorar. Me sentei do lado dela e segurei em suas mãos 

          — Mãe, não se preocupe com ele, o mesmo está bem e logo voltará para casa 

          — E se ele não estiver meu filho 

          — Eu tenho a sensação de que ele está bem e em ótimas mãos

          — Não tenho tanta certeza

          — Seja confiante mãe, logo ele estará aqui eu sei disso, tente não ficar triste 

          — É meio difícil meu anjo 

          — Eu sei, estou aqui com a senhora e não sairei do seu lado – abraço ela 

        Seoho off


          Keonhee on

    Por que Leedo sempre chega na hora certa que ranço dele. Isso só fez eu trocar meu alvo, sim Leedo estava na minha mira agora e farei S/n fazer o trabalho. Me sentei na cama ainda com um pouco de dor e muita mas muita raiva. Comprei as balas para arma, dentro de alguns dias elas chegaram e poderei fazer um bom aproveito delas. 

     Aproveitei o pouco tempo que restava do dia fazendo vários nada, estava um tédio total, saí de casa indo até um bar próximo. Estava bem movimentado, essas horas era o pico dos jovens e eu era mais entre eles bebendo. Peguei uma garrafa das grandes e virei não demorou muito para esvaziá-la, e pedir mais uma

           Keonhee off


           Ravn on

     Já estávamos bem longe da cidade, para falar a verdade não sabia ideia de onde era. Parecia um pequeno vilarejo, com casas umas perto das outras, uma pequena vegetação no quintal e ruas estreitas, tinha umas pessoas que passavam por lá mas eram poucas. Eram pessoas simples com as roupas remendadas e um sorriso no rosto. Umas nos olhavam de cima a baixo, mas os ignoramos esses olhares, mais alguns passos e saímos do vilarejo. Assim que saímos de lá. Alguns quilômetros andados paramos para descansar um pouco, por um momento queria estar em casa 

         — Hwan, não podemos voltar para Seul? Estou cansado de andar por aí 

         — Não agora Hyuki, eu ainda preciso voltar para ver de novo meu pai

         — Então por que estamos indo na direção contrária?

         — Não sei

         — Não aguento dar nem mais um passo

         — Que exagero 

         — Fala isso porque não é você

         — Descansa aí, enquanto eu tento achar um táxi para voltarmos 

    Enfim poderia relaxar um pouco. Esticar as juntas que doíam, tirei Shin da mochila e procurei algum alimento dentro dela, por sorte tinha um pedaço de pão, entre eu e o gato, Shin precisava mais que eu, então levei o pedaço até a boca do mesmo que tirou pedaços. Estava demorando para alguém aparecer. Me encontrava preste a desistir de tudo já

           — Achou um?

           — Ainda não

           — Liga para a porra do seu tio 

           — Mas se ele nos encontrar aqui não poderei ver meu pai pela última vez

           — Pare de ser cabeça dura, é só falar pra ele te levar até o aeroporto para vê-lo antes de irmos para casa – falei estressado 

            — Tá, não precisa ficar bravo 

           Ravn off


           Hwanwoong on

    Talvez ele esteja certo, estou decepcionando todo mundo a minha volta com essa minha "atitude". Sem escolhas peguei o celular e liguei para ele

       Ligação on

Hwan: tio Chan, poderia vim nos buscar?

  Chan: onde vocês estão?

 Hwan: eu não sei, só sei que passamos por um vilarejo e estamos na pista 

   Chan: acho que sei onde é

 Hwan: tio? Posso te pedir um favor antes de voltarmos a Seul?

  Chan: claro 

  Hwan: poderia me levar até o aeroporto para ver pela última vez meu pai, por favor é a única coisa o meu único desejo neste momento 

  Chan: está bem, mas não pode demorar muito 

 Hwan: obrigado tio 

            Ligação off

   Aguardamos até o mesmo chegar. Enquanto isso um silêncio se estabelecia entre nós. Até pensei em dizer alguma coisa, mas não adiantaria nada, por minha culpa ele estava bravo e não sabia com que cara olhava para ele, me sentia mal.

    Não demorou muito até tio Chan chegar, entramos no carro e fomos em direção ao aeroporto, não tínhamos muito tempo teria que ser rápido. Já no aeroporto procurei por ele, o encontrei no mesmo lugar que da outra vez

        — Pai acho que será uma despedida, foi bom ver o senhor, vá até Seul me visitar, vou sentir muita saudades – meus olhos se encheram de lágrimas enquanto o abraçava 

        — Eu vou sim meu filho, queria que ficasse mais tempo aqui comigo

        — Também queria – as lágrimas caiam sobre meu rosto com destino ao ombro de papai 

        — Não chore meu filho, escreverei cartas para você, cresça bem e não se esqueça nunca de mim 

        — Eu não vou me esquecer nunca do senhor, sou muito grato por tudo, e sempre serei

        — Eu sei, sentirei muita sua falta

        — Eu também, não quero mais tomar seu tempo, eu preciso ir agora tio Chan está esperando no carro, ele me permitiu te ver pela última vez mas que não poderia demorar muito. Te amo, se cuide enquanto não estou aqui, e cuide de Suzy. Ela demonstrou ser uma boa pessoa e que gosta muito do senhor – me afastei devagar dando as costas ao mesmo indo para onde estava o carro 

     Corri até onde estavam, tio me olhava meio bravo o ignorei e entrei no carro. Pegamos o caminho de casa. Dentro de algumas horas já tínhamos chegado, mamãe abriu um sorriso ao me ver e me abraçou bem apertado, impedindo o ar de circular. Me afastei da mesma para recuperar o ar

        — Ainda bem que voltou – disse a mais velha 

        — Voltei a força né, porque se dependesse de mim, estaria com meu pai 

        — Eu o proibi de vê-lo por que fugiu?

        — Porque a senhora não pode me impedir de ver papai 

        — Ele não é mais seu pai, ele te abandonou 

        — Ele nunca vai deixar de ser meu pai, você precisou dele para me fazer, não fez sozinha com o dedo, então eu tenho o direito de ver o mesmo 

        — Olha o jeito que você fala comigo – se altera a mais velha 

        — A senhora está me dando razão para falar assim, então não reclame 

    Subi junto com Hyuki até meu quarto e fomos tratar de Shin

         — Precisava falar daquele jeito com sua mãe?

         — Não fique do lado dela, eu tenho razão 

         — Sim, mas não precisava falar daquela forma com a mesma

         — Se continuar me tirando do sério pode ir embora

         — Não está mais aqui quem falou, vou ficar de bico calado 

              Hwanwoong off


        Ravn on

  Ele estava insuportável. Me deitei na cama relaxando, enquanto o garoto estava com o gato, estava um tédio, um silêncio se instalava no quarto. Canto de pássaros eram escutados com clareza, as nuvens se movimentavam rápidas pelo céu, os galhos eram movimentando por uma pequena e leve brisa

         — Hwan – resolvi quebrar aquele silêncio 

         — O que foi? 

         — Para de ficar bravo atoa 

         — Não é à toa 

         — É sim, pare com essa atitude de criança, ou vai acabar perdendo todos a sua volta. Estou de saída passar bem 

         — Você não pode me deixar sozinho 

         — … – ignoro ele saindo do quarto 

         — RAVNNNNN!!! 

  O acastanhado insistia em ficar me chamando de Ravn, era como em minhas "lembranças" porém não tem tanto carinho como naquela época. Até pensei em voltar lá, mas ele precisava ficar sozinho e para com aquela atitude. Continuei caminhando saindo da casa pegando um táxi e indo embora para casa.

     Desci na estrada, apressei meus passos para chegar logo. Entrei e vi todos na sala me esperando 

          — Até que enfim você apareceu Hyuki – disse mamãe  me abraçando 

          — Desculpa se te deixei preocupada, não era intencional 

          — Por onde esteve esse tempo todo?

          — Eu…– estava pensando em como falar todo o ocorrido…— Primeiro antes de saber onde estava, preciso falar algo para você – estava meio nervoso por me abrir com mamãe sobre os meus sentimentos e tals — Mãe, espero que não me despreze ou algo do tipo, eu gosto muito do Hwanwoong, não é um gostar de amizade e sim de querer algo a mais. Não tive coragem de me abrir com ninguém em relação a isso, talvez a senhora sempre imaginou eu trazendo uma garota linda para ser sua nora, mas meu coração gritou mais alto com o vi e não pude evitar de me apaixonar por ele, espero que me aceite do jeito que eu sou 

        — ISSO PODE PARECER UMA COISA NORMAL PARA VOCÊ, MAS EU NÃO ADMITO ESSA RELAÇÃO DE VOCÊS, SINTO MUITO, ME DECEPCIONEI APÓS ISSO 

        — Não precisa se alterar, eu vou passar a morar com ele, o mesmo me ofereceu a oportunidade de estudar. E não posso desperdiçar essa chance única

         — Se for sair, não volte mais a essa casa – se pronunciou Ro-bin

          — Como quiser

    Sai de cabeça baixa arrumando minhas coisas para sair de casa, eram poucas. Em instantes já estava tudo arrumado, sai com uma tristeza enorme no rosto, chorando. Dessa vez fui andando mesmo, enquanto pensava no que ouvi da boca da mesma. Tudo que eu queria era uma família que me desse amor e me aceitasse como eu era, eu quis demais, e me machuquei e machuquei as pessoas a minha volta. 

     Algumas horas se passaram, já estava perto da casa do mesmo. Caminhei em passos mais apressado dando de cara com a porta a encarei e toquei a campainha. A mãe dele me atendeu e pediu para que eu entrasse, entrei e me sentei no sofá 

          — O que aconteceu ? Você estava chorando ?

          — Não se preocupe não foi nada demais

          — Pode se abrir comigo, escutarei com atenção então não tenha pressa 

          — Eu fui meio que expulso de casa, logo após me abrir, botar tudo para fora sobre meus sentimentos e por gostar de um garoto – lágrimas rolavam sem cessar

          — Que situação. Fique o tempo que precisar, a casa é sua agora, iremos cuidar muito bem de você – sorriu a mesma me abraçando confortavelmente 

     O abraço dela me consolou e me fez sentir melhor

          — Você é uma ótima ouvinte, desculpa te encher com meus problemas

          — Não se preocupe, estou aqui se precisar de uma amiga 

      Me levantei e subi para o quarto de Hwan, o mesmo estava ainda meio bravo. Deixei minha mochila em um canto perto do guarda roupa e me deitei na cama. Aquelas palavras não saiam de minha cabeça, elas estavam me atormentando, me torturando, mais lágrimas desciam. O mais baixo se direciona a mim 

          — Está tudo bem? 

          — Não – respondi em meio às lágrimas 

          — O que aconteceu?

          — Eu me abri com meus pais sobre meus sentimentos por você, só que eles não me aceitaram por ser diferente, eles não iriam nos apoiar, e meio que me expulsaram de casa

          — Não chore Hyuki, está tudo bem 

          — Eu quis demais para receber de pouco 

          — Logo isso passa 

     Não conseguia falar mais nada, a única coisa que conseguia fazer naquele momento era chorar. 

         Ravn off

  

        Hwanwoong on

   Me deixava triste o vendo daquele jeito. Mas eu não podia fazer nada a respeito. Apenas o abracei para confortá-lo

        Hwanwoong off


             Keonhee on 

    Iria me livrar de Leedo ainda hoje. Fui até a casa dos Kim, me escondi em um arbusto que tinha lá na porta. Agora S/n iria entrar em ação

        Mensagem on 

    Keonhee: s/n preciso de você agora, venha aqui em casa o mais rápido possível 

     S/n: agora? Estou ocupada 

  Keonhee: é para agora S/n

      S/n : Já estou indo 

             Mensagem off

    Esperei até a mesma saísse, aproveitei o momento de distração dela antes de fechar a porta e entrei sem que ninguém percebesse, procurei ele pela casa toda, ele se encontrava arrumando uma roupa para vestir logo em seguida que saísse do banho. Já arrumei tudo, era só esperar ele sair e pronto. Uns minutos se passaram até que alguns barulhos de passos que ficavam mais altos vindo na direção da porta. Coloquei o boné e peguei um pano com algo para ele adormecer, assim que saiu tampei sua boca e seu nariz com um pano que havia uma substancia que ao ser inalada a pessoa apagava na hora. Em poucos segundos ele adormeceu, peguei ele, sai da casa e coloquei no carro que estava um pouco distante dali. Fui em direção a um galpão, ficava um pouco distante da cidade, meu pai comprou a muito tempo,ele nunca usou, agora vai ser útil para alguma coisa. Na redondeza não tinha ninguém, tirei ele do carro colocando em um lugar do galpão. O mesmo estava cheio de poeira. Peguei umas pessas se roupas e deixei lá perto dele, sai trancando com cadeado o portão enorme do imóvel. Ficarei por perto em uma pousada. Tava demorando para meu celular apitar indicando que havia chegado mensagem

        Mensagem on

    S/n: onde você está? 

     Keonhee: eu saí, a eu esqueci de te avisar 

    S/n : por que é sempre assim 

      Keonhee: estou ocupado para ouvir reclamações 

          Mensagem off

    Tão ingênua, nem imagina que estou com o seu amorzinho. Agora precisava agir em relação a Hyuki, ele não deve estar tão distante daqui, talvez na redondeza de seu suposto acidente, fui atrás do mesmo  

             Keonhee off


        Seoho on

   Voltei a ficar sozinho, o pouco tempo que o mesmo foi embora, era solitário mesmo tendo mamãe e papai por perto. As coisas poderiam ter sido diferentes se eu tivesse botado pressão no mesmo. Eu sabia desde o início que ela não iria aceitar, agora fiquei remoendo 

    Sai para me distrair um pouco, mais específico até o lago perto daqui

          Meia hora depois…

    Senti passos atrás de mim, me virei mas não vi ninguém, voltei minha atenção ao lago. Foi quando alguém chegou por trás e colocou a mão tampando minha boca, porém tinha um cheiro forte, em questão de segundos adormeci.

                  ……………………………………

         Muito tempo depois…


   Acordei com minha cabeça doendo, olhei pro lado e não tinha ninguém, estava em um lugar desconhecido, minhas mãos estavam amarradas

        Seoho off


         Hwanwoong on

  Ele ainda se encontrava triste, mas não chorando. Talvez ele se sentisse ainda melhor com Shin, peguei o mesmo colocando no colo de Hyuki que pegou o pequenino e começou a fazer carinho.

   Desci e preparei algo para comermos. Já fazia tempo que havia comido algo, fiz uma pizza, arroz, feijão, virado de frango. Foi algo simples, esperei ficar pronto. 

    Enquanto isso arrumei a mesa e fui procurar mamãe. A mesma estava no quarto lendo um livro. Avisei que a comida logo estaria pronta e sai para cozinha. Fiz um suco de maracujá bem geladinho. Tudo pronto, eles desceram, Hyuki estava com uma aparência melhor. Pegou um prato e colocou a comida e se sentou na primeira cadeira da mesa

                  Hwanwoong off


        Seoho on 

    Ouvi alguns passos, a pessoa parou em minha frente me entregando um mísero prato de comida e se retirou do local. Deveria ter alguém por perto, gritei por ajuda mas nada, continuei 

         — SOCORROOOOOOOO ! ALGUÉM ME AJUDE POR FAVOOOOOOOR!!!

         — TEM ALGUÉM AQUI? 

         — ALGUMA ALMA AQUI PRESENTE? 

         — DROGAAAA, ALGUÉM ME RESPONDA – já entrando em desespero 

      Apenas o silêncio vagava o imóvel. Me deu até uma certa aflição. Quem poderia ter feito isso e por qual motivo 

          Seoho off


          Leedo on

   Acordei depois de um tempo, a única coisa que eu me lembro era de estar em casa tomando banho e a S/n tinha acabado de sair. O galpão era imenso. Me sequestraram mas nem esperaram eu colocar uma roupa. Tinha umas perto de mim mas ignorei, não iria vesti-las de jeito nenhum. 

         — ALGUÉM, ME SALVE !!!

    Gritos ecoavam pelo imóvel. Dei um jeito para me levantar e andei por toda parte até encontrar Seoho. O por que ele estar aqui, não faço a mínima ideia

         — Seoho o que aconteceu ?

         — Leedo? Alguém me raptou 

         — Você tem alguém em mente ?

         — Não

         — Por favor não se apavorei, daremos um jeito de sair daqui 

         — Que seje rápido, estou detestando esse lugar 

         — Eu sei que aqui é ruim, além de estar cheio de poeira…, mas você parece um pouco triste mas não por causa disso, aconteceu alguma coisa de ruim?

          — Hyuki

          — O que ele fez dessa vez? 

          — Se eu te falar o que eu sei dele você guarda segredo por favor 

          — Sim, dou minha palavra 

          — A exatamente um mês e meio, encontramos ele na pista depois de um acidente e levamos ele conosco e cuidamos dele. Mas hoje cedo ele se abriu sobre seus sentimentos pelo Hwanwoong e minha mãe não o aceitou por ser diferente e nem iria apoiar eles, pode fazer algumas horas que ele foi embora de casa mas eu sinto muita falta dele 

           — Hyuki na verdade é Ravn? Agora tudo faz sentido 

           — Mas não conte para ninguém, ele parecia muito feliz e não quero que a felicidade dele acabe 

           — Fique tranquilo que não vou contar a ninguém, será nosso segredo – sorri 

     Passos eram ouvidos novamente. Um garoto de boné, máscara e roupas pretas apareceu 

           — O que está fazendo aqui, eu não te dei permissão de sair de onde estava Leedo 

           — E você Seoho me diga onde está Hyuki

           — Por favor não me faça nada, eu não sei para onde ele foi 

           — Eu conheço essa voz – tento me lembrar onde que tinha ouvido ela 

           — Lee Keonhee por que está fazendo isso? – perguntou Seoho 

           — Keonhee? – me questionei 

           — Calados agora, não dei autorização para falarem – se auterou 

           — Por que está fazendo isso? – indagou Seoho

           — Porque você sempre teve o que eu queria, e por sua culpa me tornei um fracasso total – responde o loiro

           — Você se tornou rude desde o primário? O Keonhee que conheci a muitos anos atrás era diferente, ele era bom e não queria fazer mal a ninguém 

            — Já conhecia ele antes, inacreditável isso – me intrometi na conversa nada amorosa dos dois 

            — Nós já fomos colegas, ele era um garoto como eu, não tinha nenhuma obsessão ou ganância, nem era rico. Naquela época ele se importava com os outros, nós íamos com frequência na casa um do outro. Nos tornamos ótimos amigos. Mas com o tempo, que ele começou a ficar bem de situação, sua família começava a crescer em relação a dinheiro, me afastei, o mesmo começou a me olhar com desprezo, com ódio, como se eu tivesse feito algo ruim para ele – explicou a história de seu passado com o garoto

            — Depois que eu consegui ser alguém importante na sociedade graças aos meus pais e aprendi que não se deve confiar em ninguém e deveríamos abandonar coisas, e escolhi abandonar meu passado escroto fingindo que nunca existiu. Assim que me tornei o que sou hoje, o passado não mais me importava e você só foi mais um. Seoho meu queridinho poderia ter escapado de se machucar novamente por minha culpa mas preferiu assim, agora sofra – prosseguiu com a história Keonhee enquanto prestava atenção nos dois 

         Leedo off


Notas Finais


Keonhee está passando dos limites
Seoho e Keon já foram amigos que passado e que mundo pequeno
Até o próximo, se cuidem ✨❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...