História You don't have to say I love you (to say I love you) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Wanna One
Personagens Guanlin, Jihoon, Woojin
Tags Pancham, Woolin
Visualizações 32
Palavras 5.266
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Um belo dia eu falava com a minha namorada sobre um plot em que o Woojin e o Guanlin eram apaixonados pelo Jihoon mas no fim acabavam se apaixonando inspirada em fotos dos últimos fansigns e ela me incentivou a escrever e é por isso que estamos aqui hoje, nada disso seria possível sem ela. Eu juro que tentei deixar o mais bonitinho possível pra compensar o rarepair e pelo menos alguém ler.

Capítulo 1 - Forget all the shooting stars and all the silver moons


A vida de Park Woojin havia se tornado um verdadeiro inferno desde o aparecimento daquele garoto. Não que sua vida fosse maravilhosa e perfeita como um conto de fadas antes, na verdade longe disso, mas ele era razoavelmente feliz com seu melhor amigo e interesse romântico sem ser atrapalhado por uma criança de 10 anos que algum dia resolveu surgir das profundezas do Tártaro para tentar roubá-lo.

Ele e Jihoon se conheciam desde o primeiro dia de faculdade, quando os dois garotos tímidos demais para tentarem fazer amizade com algum dos outros alunos barulhentos da turma acabaram lado a lado sem dirigir uma palavra um ao outro. O clima desconfortável durou apenas até Woojin perceber pelo canto do olho o garoto ao seu lado assistindo um vídeo de Fortnite em seu celular, animando-se para perguntar:

– Você joga?

O garoto levantou os olhos da tela, levemente sobressaltado com a pergunta repentina.

– S-sim…

– Vamos jogar juntos?! Eu nunca tive um amigo pra jogar comigo.

Woojin se tornou um pouco receoso de tê-lo assustado e receber um olhar de julgamento em resposta por ser muito enxerido, porém o outro apenas sorriu timidamente enquanto balançava a cabeça com um “Uhum” e perguntava seu número de celular para trocarem mensagens e marcarem a hora de jogar.

Sua amizade com Jihoon apenas veio se fortalecendo durante aqueles dois anos que estudaram juntos, chegando a se tornar um sentimento bem mais forte do que o inicialmente planejado da parte de Woojin. O problema não era estar apaixonado por Jihoon, ele era uma pessoa incrível, atenciosa, que lhe apoiava sempre que precisava e com quem tinha uma química inegável que era percebida por todos. O problema era que ele era Woojin, um garoto tímido que odiava falar sobre seus sentimentos e nunca se via capaz de declarar o que sentia.

Era como seu colega de quarto e hyung Youngmin lhe dizia: ele algum dia precisaria se declarar, ou iria perder Jihoon para outra pessoa antes que percebesse.

Youngmin era como um pai chato que sempre reclamava quando Woojin deixava sua roupa jogada no banheiro ou quando saia sem arrumar a cama e, assim como das outras vezes, não lhe deu ouvidos por achar ser uma preocupação desnecessária de velhos. Às vezes até achava ter sido uma má ideia ceder as suas insistências e contar-lhe sobre sua vida amorosa se soubesse que ficaria sempre ouvindo sermão sobre como Jihoon um dia iria lhe trocar.

Woojin odiava ter que admitir, mas infelizmente Youngmin estava certo. Foi o que percebeu quando saiu do dormitório naquela tarde para se encontrar com Jihoon e o avistou conversando com um garoto alto que nunca havia visto pelo campus antes. Mesmo de longe conseguia avistar suas feições como a de um modelo, incrivelmente bonitas como se houvessem sido esculpidas à mão. Ele ria facilmente de quase tudo o que Jihoon falava, exibindo um sorriso adorável que mostrava uma parte da sua gengiva. Naquele momento percebeu que se tratava de alguém interessado em seu melhor amigo e o pior era que Jihoon o respondia de forma carismática, rindo junto do garoto daquela forma em que escondia o rosto atrás das mãos.

Observar a cena fazia subir o refluxo de Woojin e o deixava enjoado, então ele se apressou para cumprimentar Jihoon e acabar logo com aquela vista.

– Ah, Woojin, você chegou – Jihoon disse com surpresa, como se houvesse perdido completamente a noção de tempo enquanto conversava com o garoto alto. – Esse é o Guanlin, ele é um novato que parou pra pedir informação, mas nós acabamos conversando um pouco enquanto você não chegava.

“Um pouco, huh, vocês parece que já conversaram o bastante pra poderem virar melhores amigos” Woojin pensou amargamente revirando os olhos mentalmente.

– Eu já vou indo então, hyung. Mais tarde te mando uma mensagem pra conversarmos melhor.

O garoto se despediu com um aceno e mais um daqueles sorrisos desnecessariamente adoráveis enquanto se afastava e Woojin sentiu um pouco da queimação de volta na boca do estômago. Aparentemente não era apenas o refluxo, mas também um pouco de raiva.

– Vocês já trocaram números?

– Sim, ele é um menino legal e pediu algumas dicas pra se adequar melhor na faculdade. Ele está fazendo literatura, sabia? É um curso que parece bem romântico.

Bom, seu melhor amigo e crush por quase dois anos iria lhe trocar por um novato alto que literalmente havia acabado de pisar na faculdade. Youngmin repetia inúmeros “Eu te disse” enquanto Woojin se encontrava em seu estado deplorável jogado no sofá do dormitório virando  uma latinha de cerveja enquanto assistia Dirty Dancing pela terceira vez no dia e chorava ao som de Time of my Life.

– Mas não é certeza que Jihoon está apaixonado por esse garoto, Woojin. Ele pode estar apenas interessado em fazer uma nova amizade.

– Hyung, eu vi o jeito que eles se olhavam quando estavam conversando, aquilo era claramente uma forma de flerte. – Se Youngmin estava tentando animá-lo naquela altura do campeonato, não estava funcionando. – Sem falar que ele literalmente parece um modelo daqueles de revistas e tudo mais, que tipo de pessoa iria dar um fora em alguém bonito assim?

– Bom, ele é seu melhor amigo, vocês têm uma longa história juntos e se conhecem melhor do que ninguém, ele poderia muito bem escolher você em vez dele.

– Você não sabe como funciona a cabeça dos jovens, hyung.

– Eu só sou quatro anos mais velho que voc-

– Enfim, eu vou me encontrar com o Jihoon – Woojin se levantou do sofá após checar seu celular durante toda a conversa e correu para o quarto para se vestir com a sua melhor roupa (a mesma roupa que usava sempre para sair com Jihoon como Youngmin já havia percebido) e bater algumas borrifadas de perfume. Em três minutos já estava de novo na sala indo em direção à porta como se não houvesse passado por uma crise durante a tarde inteira. – Até mais, hyung, talvez eu não venha para a janta.

Youngmin realmente não entendia a cabeça dos jovens.

 

Woojin havia se esquecido completamente da variante Guanlin quando recebera a mensagem de Jihoon naquela tarde. Nenhum dos seus problemas parecia importar alguns minutos atrás, pois ele amava Jihoon e aquele mesmo Jihoon o estava chamando para sair novamente como se o tal Guanlin nunca houvesse aparecido na sua vida.

Uma coisa que Jihoon não havia mencionado, entretanto, era que Woojin teria que encontrar aquele garoto novamente ao seu lado quando chegou ao local. Naquele momento não sentiu apenas o refluxo subir, mas todo o reflexo de vômito.

– Ele… vai com a gente? – Woojin perguntou, tentando não deixar seu enjoo evidente. Guanlin se encontrava com a mão casualmente apoiada no ombro de Jihoon sem o outro parecer se importar. Aquilo era o cúmulo.

– Sim, eu esqueci de dizer que o Guanlin vinha com a gente, mas você vai gostar da companhia dele. – Claro. – Woojin, você está bem? Você parece um pouco pálido.

– Eu estou ótimo – seu tom de voz não parecia nem um pouco convincente, fazendo Jihoon franzir a testa.

– Você está enjoado? Eu vou buscar um pouco de água pra você no bebedouro. Guanlin, coloque ele pra se sentar naqueles bancos enquanto isso.

Antes que Woojin criasse forças para recusar, Jihoon já havia sumido de vista e mãos grandes apoiavam suas costas enquanto o guiavam para os bancos próximos dali. Woojin queria retrucar que conseguia ir sozinho, mas sua voz nem mesmo conseguia formular as palavras, então claramente se tratava de uma mentira.

Assim que estava sentado nos frios bancos de pedra do campus, colocou-se a respirar profundamente para afastar a sensação ruim. Agora que Jihoon não estava mais por perto, parecia ir desaparecendo com mais facilidade. Ele odiava ter feito o amigo se preocupar por um motivo tão idiota.

Pelo menos agora ele estava sozinho com Guanlin, uma rara oportunidade.

– Ei, garoto. – Guanlin se virou um pouco surpreso, provavelmente não esperava ser abordado naquele momento. – O que você quer com o Jihoon?

– Ah, o Jihoon hyung? Eu já tinha visto ele algumas vezes no campus e sempre achei ele muito bonito – Aquilo era um leve rubor nas suas bochechas? Ugh. – Mas aquele dia que começamos a conversar foi realmente coincidência, eu nunca tive coragem pra chegar nele até ter aquela oportunidade de perguntar a direção.

– Então você está interessado nele?

Guanlin sorriu um pouco sem jeito.

– É, acho que pode se dizer que sim.

Woojin deixou a cabeça cair para trás até atingir o encosto do banco e respirou fundo. Por que ele perguntaria algo que já sabia apenas para ter a resposta que já esperava? Ia ser a mesma coisa com Jihoon: iria perguntar se ele gostava de Guanlin mais tarde por algum motivo e ele iria dizer que sim e o seu coração ficaria em pedaços. Ele talvez gostasse de se fazer sofrer daquela forma.

– Por que pergunta, hyung?

Ah, aquela pequena praga já se sentindo íntimo o bastante para chamá-lo de hyung, que maldito abusado. Woojin respirou fundo novamente para não soar rude em sua resposta.

– Ele é meu melhor amigo há dois anos, você deve saber. Mas… eu também gosto um pouco dele dessa mesma forma.

Aquilo era pra ser um grito de guerra, um decreto de que eles agora eram inimigos e não deveriam agir como amiguinhos na frente de Jihoon. Que eles teriam uma disputa de vida ou morte pelo coração do outro e só o melhor venceria. Porém Guanlin apenas sorriu, mostrando seu sorriso gengival ao responder:

– Acho que isso quer dizer que nós somos rivais então, hyung.

A mente de Woojin não conseguia funcionar direito. Por que aquele garoto não estava tão nervoso quanto ele ao descobrir que outra pessoa estava interessado no seu crush? Será por ele ter passado tanto tempo com Jihoon nos últimos anos que inconscientemente estivera pensando que ele era sua propriedade que ficaria sempre do seu lado e agora estava com ciúmes quando parecia que outra pessoa iria tomá-lo? Bem, isso era ridículo. Talvez Jihoon merecesse muito mais ficar com alguém gentil e amável como Guanlin do que com o lixo possessivo que ele era.

Jihoon voltou segundos depois com uma garrafinha de água cheia em mãos, ofegando ao entregá-la para Woojin.

– Desculpa a demora, eu tive que comprar uma garrafa nova porque o bebedouro mais próximo não estava funcionando. Você está melhor, Woojin?

– Sim, estou sim – Woojin respondeu antes de virar a garrafinha de água na boca, embora não se sentisse tão melhor assim.

 

Woojin havia dito para si mesmo que iria aceitar as escolhas de Jihoon de ter Guanlin por perto, embora isso não significasse que ele gostava da companhia do garoto. No geral sentia vontade de revirar os olhos sempre que ele dizia alguma coisa que fazia ele e Jihoon caírem na gargalhada como se estivessem assistindo um programa de comédia. “Nem foi tão engraçado assim” resmungava em pensamento, embora precisasse segurar um pouco o riso para não se entregar. Mesmo assim ele não admitiria. Nunca.

Bom, era talvez como poderiam dizer: mantenha seus amigos perto e seus inimigos mais perto ainda. Então ele iria aceitar por hora.

Apesar de tudo, Woojin conseguia conviver em paz com Guanlin sem sentir mais vontade de vomitar quando via o garoto alto grudado em Jihoon, ou próximo de Jihoon de uma forma geral. Ele agora conseguia controlar bem seus ciúmes, apesar de ainda sentir uma sensação estranha no estômago sempre que isso acontecia.

Mas ele também não queria ser deixado para trás, então chamava Jihoon mais frequentemente do que antes para jogarem juntos e fazerem alguns planos sozinhos de melhores amigos. Jihoon chegava a achar engraçado e fazer alguns comentários sobre Woojin estar se sentido trocado com a presença de Guanlin no círculo de amizades, mas ele apenas ria e dizia que Jihoon estava imaginando coisas.

Fazia talvez cerca de um mês desde que Guanlin havia se juntado a eles e foi quando Jihoon anunciou uma reunião importante na hora do almoço quando os três estavam livres e costumavam se encontrar.

– Eu fui chamado pra um encontro hoje.

Woojin automaticamente lançou um olhar para Guanlin, porém o outro parecia tão surpreso quanto ele.

– O quê? Quem?

– Kang Daniel. Sabe? Aquele do b-boy.

– Ah – a mente de Woojin estava uma bagunça novamente, assim como da vez em que vira Jihoon e Guanlin juntos pela primeira vez. – E você vai aceitar?

– Eu acho que sim? Ele é bem bonito e dizem que é gente boa também, acho que vou pelo menos dar uma chance de nos conhecermos melhor.

– Vai em frente, hyung, pelo menos metade desse campus daria de tudo pra estar no seu lugar – Guanlin sorria daquela forma de sempre e Woojin se perguntava como ele conseguia parecer genuinamente feliz vendo a pessoa que gostava falar sobre sair com outro.

– Eu vou contar pra vocês o que aconteceu depois – Jihoon sorriu timidamente. – Obrigado.

Naquela noite Jihoon contou o que aconteceu no grupo de mensagens com Woojin e Guanlin. Havia sido um encontro maravilhoso, é claro, era impossível um encontro com Kang Daniel ser menos do que isso. Jihoon contou como ele era uma pessoa gentil, engraçada, como descobriu que eles jogavam os mesmo jogos e tinham programado de sair novamente. Woojin precisou usar o travesseiro para abafar um grito de agonia em seu quarto.

– Então quer dizer que você não vai perder Jihoon para o garoto que você esperava, mas sim pro Daniel.

Woojin não se importava mais em compartilhar as desgraças da sua vida amorosa com Youngmin, talvez precisasse mesmo ouvir de outra pessoa o quanto ele era um fudido.

– E tudo porque você nunca teve coragem de se declarar durante esses dois anos como eu te disse pra fazer.

– Sim, hyung, é isso mesmo. Mas quer saber, foda-se o Jihoon, eu estou completamente bem sozinho. Esse copo de cerveja é o meu novo namorado.

Youngmin observou Woojin dar um gole no copo antes da contagem da partida de Overwatch chegar a zero e o seu jogo começar. Ele não admitia, mas evitava jogar Fortnite nos últimos dias para não encontrar Jihoon online jogando com Daniel. Sim, ele era como um adolescente de coração partido.

Naquele momento a campainha tocou, atrapalhando o programa de Youngmin de observar o sofrimento do pequeno Woojin para receber quem estivesse na porta. Woojin não conseguia reconhecer vozes com seu headset e imaginava que o visitante fosse apenas algum dos amigos de Youngmin não importantes o bastante para ele se dar o trabalho de tentar identificar. Porém percebeu estar enganado quando sentiu uma pessoa se inclinar na direção da tela do computador ao seu lado.

– Overwatch? Eu sempre quis aprender a jogar esse jogo.

Woojin deixou um grito de surpresa escapar da boca, desviando sua atenção da partida e resultando em sua morte por um tiro certeiro de uma Widowmaker.  

– O que você está fazendo aqui, Guanlin?!

– Eu só quis passar pra saber como você estava. Pedi seu endereço pro Jihoon hyung.

Woojin sentia vontade de deixar claro que eles não eram amigos, apesar de ambos andarem com Jihoon e participarem de um grupo de Whatsapp juntos e a maioria das pessoas poderem achar que eles eram amigos. E que, além disso, a rivalidade deles não era como aquelas amigáveis, eles eram inimigos e Woojin o odiava na mesma intensidade que odiava tofu e, ah, deixa pra lá, seu personagem já estava renascendo.

– Parece que você está bem, só afundando as mágoas com alguns vícios não muito saudáveis – Guanlin pegou o copo de cerveja sobre a mesa e tomou um gole antes de devolvê-lo no lugar.

– Ei, você por acaso tem idade pra beber?

– Hyung, eu só sou dois anos mais novo que você, já passei dos 18.

– Não é minha culpa se você é um bebê – a contagem da partida chegou a zero, fazendo aparecer a mensagem de DERROTA na tela. – Pronto, acabou. O que é mesmo que você queria?

– Você pode me ensinar a jogar, hyung? Eu nunca tive coragem de tentar sozinho.

Woojin queria recusar e mandar Guanlin sair de seu apartamento, mas ele já havia roubado o mouse e o teclado e começava a empurrá-lo de sua própria cadeira. Além disso, Youngmin não o deixaria ser rude e provavelmente lhe daria um sermão caso isso acontecesse. Bom, ele não tinha tanto assim a perder e se concentrar na estupidez de Guanlin aprendendo a jogar o ajudaria um pouco a ocupar a cabeça, então ele apenas puxou uma nova cadeira da mesa de jantar para se sentar ao lado do mais novo e ser seu instrutor de Overwatch.

 

Naquele dia Woojin aprendeu duas coisas: que Guanlin era péssimo em Overwatch, mas conseguiu matar alguém em pelo menos uma das partidas que jogou, e que passar tempo com ele era estranhamente divertido. Ele era um pouco diferente de Jihoon, era mais barulhento, falava muito quando não sabia o que fazer ou estava perto de morrer e resmungava quando se matava sem querer caindo nos abismos. Era incomum como Woojin não pensava em se impedir de rir quando achava alguma coisa que ele fazia engraçada, sua risada apenas saía naturalmente no mesmo momento.

Seria aquilo… amizade? Ugh, o estômago de Woojin se embrulhou com aquele pensamento.

– Guanlin-ah - Woojin o chamou em um momento enquanto o jogo procurava mais jogadores para a sua partida.

– Hm? O que foi, hyung?

– Como você conseguiu não ficar triste quando o Jihoon começou a falar no Daniel? Eu pensei que você gostava dele.

– Bom, eu ainda gosto um pouco, mas acho que nunca acreditei que teria algum tipo de chance real. Jihoon hyung apenas me vê como um irmão mais novo e apesar de eu ter uma queda por ele, só ser capaz de ter esse tipo de relação com ele me deixa feliz.

Woojin se sentia arrependido de perguntar. Além de ser uma pessoa mais gentil que ele, Guanlin também era mais maduro. Será que ele nunca se cansaria de ser humilhado por um garoto mais novo?

– Mas eu pensei que ele gostasse de você também…

– Você estava cego pelos ciúmes, hyung, Jihoon hyung nunca olhou pra mim dessa forma. Nem pra você.

Aquela última frase foi como um soco no estômago de Woojin, fazendo-o voltar atrás em todos os bons sentimentos que tivera com relação a Guanlin naquele dia. Ele era uma praga enviada ao mundo apenas para fazê-lo sofrer…

– Por isso eu tentei me tornar mais próximo de você, eu sabia que nós teríamos que nos consolar quando esse momento chegasse.

– Será que você pode parar de falar como um homem vivido de cinquenta anos de idade? É um pouco assustador.  

Guanlin riu, fazendo seus olhos se tornarem dois pequenos risquinhos.

– Mas enfim, hyung, eu vou estar aqui pra você. Pode me chamar sempre que precisar, nós somos amigos, afinal.

Amigos, uh? Bom, pensar daquela forma não parecia mais tão ruim para Woojin.

 

Era quase como se Guanlin houvesse previsto que Woojin precisaria dele. E aquilo o deixava extremamente irritado. Jihoon havia começado a sair mais com Daniel e agora o encontrava nas horas do almoço, nos finais de semana e às vezes até depois das aulas. Havia se tornado raro os momentos em que se encontravam fora das aulas que tinham em comum fora o grupo de Whatsapp. Woojin se sentia solitário, embora nunca houvesse visto seu melhor amigo tão feliz antes e aquilo também o deixasse de certa forma feliz.

– Me desculpa por não sair mais tanto com você, Woojinie, eu juro que vou arranjar um tempo pra fazermos alguma coisa como nos velhos tempos.

– Não se preocupe, eu fico feliz que tudo esteja dando certo com o Daniel. Eu estou feliz por você.

– Mesmo assim eu me sinto um péssimo amigo… Você está conversando com o Guanlin? Passe um pouco de tempo com ele pra vocês se divertirem um pouco sozinhos sem mim.

Se divertir com Guanlin parecia uma frase contraditória e impossível, era o que Woojin queria pensar, porém não conseguia esconder da sua memória o dia que passaram jogando Overwatch juntos em que pela primeira vez havia se sentido divertir sem Jihoon. Ok, talvez ele pudesse dar mais chances para Guanlin.

E infelizmente seu subconsciente e Jihoon estavam certos, passar tempo com Guanlin realmente começou a diverti-lo. Guanlin ria facilmente das suas piadas – enquanto Jihoon muitas vezes apenas o lançava um olhar desapontado – e reclamava das suas matérias de calouro de uma forma um tanto fofa. Ele também falava animado sobre como havia comprado Overwatch e começado a jogar pra valer, mas as coisas ainda eram um pouco confusas para ele.

– Nós podemos jogar hoje mais tarde, eu já sou nível alto, mas não tem problema te ajuda um pouco mais…

– Woojin hyung, você é o melhor hyung do mundo!

Era um tanto quanto estranho, mas passar cerca de uma semana se encontrando com o outro todos os dias sem a presença de Jihoon para almoçarem e jogarem juntos mudou um pouco a visão de Woojin sobre Guanlin. Em algum momento parou de vê-lo apenas como uma criança irritante e não sentia mais um ódio ardente em seu interior com tudo o que ele fazia. Na realidade parecia sentir uma espécie de afeição pelo mais novo agora. O que era completamente nojento, ele precisava acrescentar.

Youngmin o parabenizou por ter deixado sua birra infantil de lado e feito as pazes com Guanlin, sempre abrindo a porta com um sorriso satisfeito quando o via visitando o apartamento para jogar com Woojin nos finais de semana. Ainda era um pouco difícil para Woojin admitir que Guanlin era seu amigo e não seu inimigo mortal que estava tentando roubar seu melhor amigo.

Em algum momento, enquanto Woojin esperava a formação da sua equipe para a nova partida, Guanlin passou o braço pelos seus ombros e encostou a cabeça na sua. O movimento foi tão repentino que deixou Woojin confuso e um com as mãos congeladas sobre o teclado. Apenas até sua mente lhe lembrar que ele agia daquela mesma forma com Jihoon, como um bebê coala que precisava sempre se agarrar a quem estivesse por perto. Ele estava apenas sendo o substituto de Jihoon para aquela situação.

Felizmente a tela de seleção de personagem surgiu segundos depois, fazendo Guanlin voltar a sua posição e a mente e corpo de Woojin voltarem a funcionar normalmente.

 

Aquilo poderia não ser um problema se Guanlin não estivesse se tornando mais grudento com ele do que era com Jihoon. Às vezes lhe abraçava por trás quando estavam na fila do restaurante ou mexia em seu cabelo enquanto estava jogando e até mesmo deitava a cabeça no seu ombro quando dizia estar com sono. Woojin não se lembrava de Guanlin ter agido daquela forma nenhuma vez enquanto estava com Jihoon.

– Jihoonie, eu preciso te perguntar… O Guanlin era muito grudento com você quando vocês se encontravam?

– Nós nunca nos encontramos sem você, foi sempre daquele daquela forma que você via – Jihoon respondeu com o olhar saltando da lousa para o seu caderno enquanto copiava a matéria. – Ele está muito grudento com você?

– Hm, sim, eu pensava que era pra suprir a sua falta, mas…

– Acho que ele pode estar gostando de você.

Woojin engasgou com um som alto, fazendo a professora e demais alunos levantarem o olhar de suas mesas em sua direção. Jihoon riu baixinho como a pessoa horrível que era enquanto Woojin se desculpava com as bochechas queimando de vergonha.

– Isso é absolutamente impossível.

– Por que você acha? Por ele gostar de mim?

As palavras sumiram da boca de Woojin por um momento, impossibilitando-o de responder.

– Oh, você achava que eu não sabia? Ele me contou um pouco depois que nos conhecemos, mas eu não retribuí os sentimentos.

– Você sabia... – aquela informação foi como um Big Bang na mente de Woojin, trazendo lembranças de quando havia sentido ciúmes de Jihoon e de quando considerava Guanlin seu inimigo. De toda forma, era horrível da parte de Jihoon nunca ter lhe contado um acontecimento tão importante assim para aquele círculo de amizade. Ele era um amigo horrível.

– Se quer minha opinião, eu acho que ele já superou e seguiu em frente, e o seguir em frente para ele seria você.

Aquilo não fazia nenhum sentido, Guanlin não podia trocar Jihoon por ele, era uma queda muito grande na sua exigência de qualidade. Woojin que o havia tratado mal quando se conheceram e até pouco tempo atrás o considerava apenas uma pedra em seu caminho, enquanto o outro sempre se preocupou com seus sentimentos. Ele novamente se sentia humilhado pelo mais novo por não ser uma pessoa tão boa quanto ele, mas aquilo não o deixava mais irritado como antigamente, apenas o deixava triste.

 

Naquele final de semana decidiram que não iriam jogar Overwatch – Woojin não se sentia com cabeça para tal e Guanlin acataria qualquer coisa que ele escolhesse –, em vez disso se sentaram sobre o chão da sala e escolheram algum filme do Netflix para assistir na televisão. Woojin não se importava com qual fosse, apenas queria uma história para ocupar sua cabeça de todos os pensamentos que não lhe deixavam em paz.  

Daquela vez pareciam pior do que o acontecimento com Jihoon, talvez porque no fundo sabia que nunca teria chance e acabaria perdendo a oportunidade como Youngmin sempre lhe dizia. Mas era diferente quando tinha alguém possivelmente apaixonado por você quando seus próprios sentimentos estavam confusos. O que era Guanlin para ele afinal? Guanlin era um amigo próximo, talvez seu melhor amigo junto de Jihoon, alguém que o fazia se sentir confortável e se divertir. Alguém que, caso se afastasse sem nenhum aviso, iria deixar um vazio impreenchível. Ele já havia se tornado tão importante na sua vida que não poderia arriscar cometer algum erro e vê-lo indo embora.

– Hyung?

Seus pensamentos estavam tão altos que nem ao menos percebera que o filme já havia começado (talvez há alguns bons minutos) e agora Guanlin o chamava observando atentamente seu rosto com uma expressão séria.

– Você parece que estava viajando por um bom tempo aí, aconteceu alguma coisa?

– Ah, não, eu só estava pensando em uma matéria da faculdade,

– Hyung, você nunca pensa tanto assim em alguma coisa envolvendo a faculdade. Foi alguma coisa com o Jihoon hyung?

Woojin não respondeu. Ele nem ao menos pensava em Jihoon desde a primeira vez que Guanlin havia entrado pela sua porta pedindo para que lhe ensinasse a jogar Overwatch. O que parecia um pouco anormal, analisando bem, ele costumava pensar em Jihoon desde o momento em que acordava até quando ia dormir. Mas nos últimos tempos a única coisa que pensava era quando iria se encontrar com Guanlin, o que iria lhe contar daquela vez e quais piadas faria. De uma forma ou de outra sempre era Guanlin agora.

Guanlin se aproximou um pouco mais sem tirar os olhos do rosto do mais velho. Woojin então finalmente juntou sua coragem para se virar e devolver o olhar, sentindo um embrulho diferente em seu estômago com aquele ato. Os olhos de Guanlin sempre haviam sido bonitos daquela forma? Bom, ele era todo como a imagem de um modelo, não deveria ser de se admirar que todos os seus detalhes fossem bonitos. Woojin sabia daquilo, mas mesmo assim se sentiu sem fôlego ao novamente notar a beleza do mais novo. Era muito belo para alguém como ele.

– Hyung?

Woojin sentia falta de quando apenas o odiava, daquela forma era tão mais fácil. Ele não precisaria sentir medo ou até mesmo vergonha por não ser bom o bastante para alguém. Queria reverter tudo o que já havia acontecido e voltar a ser o mesmo idiota com um sentimento unilateral pelo seu melhor amigo mesmo ele já estando quase comprometido com Kang Daniel. Ele preferia um sentimento impossível, pois assim sabia que não chegaria a estragar tudo.

– Hyung, você quer que eu fale com o Jihoon hyung? Ele pode conversar com você e te fazer se sentir melhor…

– Você sempre foi tão irritantemente lerdo.

Uma expressão de surpresa surgiu no rosto de Guanlin e naquele momento Woojin disse um belo foda-se para todas as suas inseguranças antes de segurar seu rosto e se inclinar para beijá-lo. Guanlin ainda estava surpreso demais para reagir, mas assim que voltou a si segurou o mais velho pela cintura e manteve seus lábios colados por mais alguns segundos em um beijo inocente como o de duas crianças que não sabiam bem o que fazer, apenas repetiam o que viam na televisão e torciam para dar certo.

Guanlin abriu um largo sorriso quando se afastou e Woojin sentiu a vergonha finalmente lhe atingir, fazendo-o abaixar o olhar para o chão.

– Eu não gosto mais do Jihoon, eu gosto de você – disse com um murmúrio.

– Que coincidência, eu também não gosto mais do Jihoon hyung, gosto de você.  

  Woojin grunhiu ao finalmente voltar a encarar o outro.

– Você quer mesmo que eu volte a te achar irritante, né? Por que não capta os sinais pra não me fazer passar por essa situação vergonhosa?

– Mas que sinais, hyung? Eu me lembro de ser o único a mandar sinais para você.

– Eu vou te expulsar desse apartamento – era uma ameaça vazia, claro, ele sabia que o outro estava certo.

Guanlin apenas riu em resposta e se jogou com um abraço sobre a cintura de Woojin, levando-os ao chão e arrancando algumas risadas também do outro.

Observando o teto da sua sala com os braços e pernas de Guanlin sobre seu corpo, Woojin relembrava o quanto as coisas haviam mudado nos últimos meses. A verdade era que o surgimento do mais novo em sua vida havia sido como um furacão, tirando-o de sua zona de conforto e fazendo-o experimentar centenas de sentimentos novos que nunca achava possível ter.  Aquilo tudo ainda parecia tão surreal.

– Guanlin-ah, mas por que eu? Por que você trocou o Jihoon por mim?

– Hm, eu acho que senti uma conexão maior com você do que com o Jihoon hyung. Mesmo com você quase me assassinando com os olhos quando nos conhecemos.

– Eu nunca passei por isso antes de gostar de alguém que também gostava de mim. Eu não sei se vou fazer alguma coisa errado e acabar te afastando de mim...

– Você não vai fazer nada de errado, hyung. E se fizer eu só vou te corrigir, não vou me afastar.

Guanlin agora acariciava seu cabelo da mesma forma que às vezes fazia antes de Woojin descobrir sobre seus sentimentos, mas de um jeito que parecia bem mais carinhoso e sincero. Ou seria sua imaginação? De toda forma Woojin se sentiu levemente tímido, encolhendo-se ao lado de Guanlin que apenas o puxou para mais perto, perto o bastante para Woojin sentir sua respiração sobre o topo da sua cabeça.

– É a minha primeira vez também, mas vai dar tudo certo. Nós vamos fazer dar certo.

Sua voz soou baixa e as palavras saíram devagar, carregadas de sonolência. Woojin percebeu naquele momento que estava também com bastante sono; não havia dormido bem na última noite em razão dos pensamentos sobre Guanlin, até planejava lhe dizer mais tarde que ele estava lhe devendo uma boa noite de sono. Aquele parecia o momento ideal para isso.

O corpo de Guanlin possuía as proporções exatas para encaixá-lo como uma mãe acomodaria seus filhotes e tudo era tão confortável ali que ele nem ao menos se importava com o chão frio e duro que provavelmente o deixaria com dores mais tarde. Ele apenas pensava que estava se sentindo extremamente bem e, caramba, aquele sentimento era ótimo.

Apenas acordou algumas horas depois quando Youngmin chegou em casa gritando para que os dois pombinhos pelo menos dormissem no sofá para que não ficassem doentes. 


Notas Finais


Isso era pra ser bem menos profundo e bem mais slow burn na minha cabeça mas é o que temos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...