1. Spirit Fanfics >
  2. You give love a bad name >
  3. Surpresas

História You give love a bad name - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Olá seres!

Boquete é aquela parte do pornô que a maioria pula, então se você pula é melhor nem lê a cena +18, pq é só isso mesmo!

Para quem não sabe, eu não gosto do Tony (mas sou apaixonada por Stony, não tente entender), então vou evitar cenas dele e do Strange sozinhos, pq eu não shippo IronStrange (novamente, não tente entender) mas eu estou amando esse trio...

NÃO VAI TER CLIETRO!

~ * ~ - mesmo dia
~ o ~ - dias depois

Boa leitura:

Capítulo 4 - Surpresas


Stephen foi despertado com beijos sendo espalhados pelo seu ombro, suspirou com desejo sentindo a barba do marido o arranhar.

– Acorda, doutor, eu tenho um problema. – Tony sussurrou rouco.

– Que problema? – Strange perguntou sem abrir os olhos.

Tony se esfregou na bunda do marido.

– Eu 'tô duro, e tá doendo.

Strange resmungou e virou ficando de frente ao marido, abriu os olhos e os esfregou.

– Eu não posso fazer nada para te ajudar. – Stephen respondeu e sorriu irônico. 

Tony revirou os olhos e puxou o cobertor revelando o corpo do outro, enfiou a mão por baixo do pijama e arranhou a barriga dele. Stephen ofegou e se arqueou de leve.

– Se você me ajudar com a sua boca, eu te ajudo com a minha. – Tony sussurrou descendo a mão enfiando na calça de Strange e apertando o membro dele.

– Combinado! – Stephen falou rolando ficando por cima do marido.

Pelo menos hoje foi fácil convencer Stephen a chupar ele, geralmente Tony tem que resolver seus problemas sozinho.

~ * ~

Clint entrou cansado no apartamento, acordar cedo para correr não é fácil. Olhou para o relógio em seu pulso e viu que ainda era 7:17 AM. Natasha já estava no sofá mexendo em seu notebook, Clint se jogou ao lado da irmã e esticou o pescoço para ver o que ela tanto mexia, não ficou surpreso ao encontrá-la stalkeando Wanda de novo.

– Isso é assustador. – Barton falou relaxando em seu lugar.

Natasha colocou a foto de Wanda como plano de fundo do seu celular e computador. Ele nunca viu ela tão apaixonada. Na verdade, ele nunca viu ela apaixonada e tentando conquistar alguém.

– Não tem nada de assustador ver a mulher da minha vida. – respondeu rolando o feed do Facebook.

– Você reformou o quarto de hóspedes e transformou em um quatro infantil. – o loiro disse irônico – Isso realmente é assustador, até mesmo para você.

A família de Natasha adotou Clint quando ele tinha 12 anos, Natasha tinha 5 na época. Eles são tão unidos quanto irmãos de sangue. Quando os pais de Natasha resolveram voltar para a Rússia, Clint ficou responsável por ela até ela completar a maioridade. E moram juntos até hoje.

– Eu tenho um plano, e só vou te contar porque preciso da sua ajuda.

Clint arqueou uma sobrancelha, todas as vezes que Natasha pediu sua ajuda, ele sempre se deu mal. O que ele não faz por ela?

– Você sabe que eu vou me casar em duas semanas, então eu não posso ser preso ou gravemente ferido. Entendeu?

Natasha revirou os olhos e concordou com a cabeça, ela deixou o notebook de lado e se virou para o irmão.

– Eu quero que você comece a fazer as sessões de fisioterapia do Pietro, o irmão dela. – Natasha falou séria – Assim ela vai ter um gasto a menos.

– Tudo bem, eu não me importo. – deu de ombros – Eu sinto que você quer me pedir mais alguma coisa.

Ela deu um sorriso mínimo mas logo voltou para a expressão neutra.

– Eu preciso que você converse com a Laura, eu vou pagar metade dos remédios que Wanda precisa para o irmão, mas não quero que ela saiba. – Natasha falou e suspirou – Quero que a Laura minta para ela e diz que ela ganhou um sorteio para ter desconto.

Isso foi uma surpresa para Clint.

Natasha nunca se apaixonou verdadeiramente antes, ele nunca disse eu te amo para ninguém. E ela está determinada a conquistar Wanda, tanto que está ajudando ela sem a mesma saber.

Clint está feliz pela sua irmã finalmente encontrar alguém.

– Eu vou conversar com a Laura, mas para isso a Wanda precisa começar a comprar lá. – Natasha assentiu e ele continuou – Ela já aceitou mudar de fisioterapeuta?

Natasha negou com a cabeça, ela vai conversar com Wanda essa semana. Precisa pensar nas palavras certas para a convencer, já que ela é teimosa e não gosta de se sentir um fardo.

Um passo de cada vez.

~ * ~

Steve recebeu o dia de folga da lanchonete, ele aproveitou para dar uma boa faxina na casa.

– Essa vida de dona de casa não é fácil. – Steve murmurou enquanto aguava suas plantas que ficam na janela.

Depois ele pegou Selina e a escova dela, foi para o banheiro e começou a pentear a gata, que tentava fugir a todo custo. Ele tentava escovar ela pelo menos duas vezes na semana, para diminuir os pêlos dentro de casa e para evitar que ela forme bolas de pêlos. Terminou e a soltou vendo ela correr, ficou de pé e tirou a camisa e jogou no cesto de roupas sujas, pegou a mangueira que fica ao lado da privada e começou a molhar todo o chão.

Depois de lavar o banheiro e tomar um rápido banho, Steve vestiu uma camiseta e uma bermuda velha e suspirou aliviado, nada melhor do que a casa limpa e cheirosa.

Ele se jogou no sofá e fechou os olhos, mas antes que pudesse por fim relaxar, alguém bateu na porta o assustando. Resmungou e levantou indo abrir, ao ver quem era arregalou os olhos.

– Bucky? – perguntou sem acreditar.

– O único. – respondeu com um sorriso de lado.

Steve se jogou nos braços do amigo que o segurou com força contra seu corpo.

Por isso ele não recebeu nenhuma carta semana passada, Steve já estava preocupado que a base de Bucky tivesse sido atacada, ou ele tivesse sido levado como prisioneiro de guerra. Não sabia mais o que falar para Luke, que todos os dias perguntava pelo pai dele.

– Meu Deus, não acredito que você está aqui. – Steve sussurrou com a voz embargada.

– Não chora, punk, se não eu vou chorar também.

Steve se afastou do abraço e secou as lágrimas que começaram a descer, abriu mais a porta dando espaço para ele entrar e a fechou. Bucky não estava com o uniforme militar.

– Quando você chegou? – Steve perguntou curioso.

Bucky sentou no sofá e colocou os pés na mesa de centro. Steve cruzou os braços. 

– Pega uma cerveja para mim. – Bucky pediu abusado e piscou.

Steve revirou os olhos e foi até a cozinha, pegou uma garrafa de cerveja e a abriu, voltou para a sala e se sentou ao lado do amigo e o entregou. Bucky gemeu feliz ao sentir o gosto da cerveja.

– Faz tempo que não tomo uma cerveja boa! – exclamou feliz – Eu cheguei ontem, fui para a minha mãe, queria te fazer uma surpresa.

– Eu pensei que tinha acontecido alguma coisa com você. – Steve murmurou.

Bucky suspirou e colocou a garrafa na mesa de centro, jogou o braço pelos ombros do loiro e o puxou para si.

– Eu sinto muito. – Bucky falou baixo e deu um beijo nos fios loiros – Enquanto meu garoto não chega, tem um assunto sério que quero conversar com você.

Já sabendo do que se tratava, Steve revirou os olhos e se afastou, cruzou os braços como uma criança.

– Bucky, tem quase cinco anos que sempre conversamos sobre isso. – reclamou – Você não entende?

– Você que não entende! – Barnes falou alto – Steve, o Luke me chama de pai. Nada mais justo do que eu também ser pai dele nos documentos.

Quando Steve descobriu estar grávido e o progenitor desaparecer, Bucky praticamente assumiu toda a responsabilidade. Ele acompanhava Steve nas consultas, quando Luke nasceu ele sempre comprava fraldas e leite. Mesmo assim Steve se recusou a colocar o nome dele como o outro pai dizendo que não ia estragar a vida de Bucky.

O plano de Bucky para convencer Steve foi convencer Luke a chama-lo de pai. No começo Steve foi contra e sempre repreendia o filho, mas acabou desistindo ao ver que não adiantava.

– E o que Sam vai achar disso? – Steve perguntou.

E no meio de tanta tragédia que é a guerra, Bucky conheceu Sam, eles estão junto há um ano.

– Ele falou que vai pedir a irmã dele para ver como funciona o processo, ela é advogada. – deu de ombros – Ele está ansioso para conhecer meu filho, então pensei em sairmos nós quatro hoje a noite. O que acha?

Steve queria rebater, mas olhou no relógio e viu que já está na hora do ônibus de Luke chegar.

– Tudo bem, vamos em algum restaurante hoje. – Steve cedeu – Eu estou ansioso para conhecer Sam pessoalmente.

Eles já conversaram em uma chamada de vídeo uma vez.

Só foi Steve pensar no filho que a porta abriu revelando o garotinho, quando Luke viu Bucky, ele jogou a mochila no chão e correu até ele sendo pego no colo e levantado no ar.

Será que Steve deve deixar Bucky registrar Luke como seu filho?

– Papai, eu senti sua falta! – Luke falou agarrado ao pescoço de Bucky.

Isso apertou o coração de Steve.

~ * ~

Strange suspirou antes de entrar na sala da diretora, ele odeia quando é chamado, sempre é para pedir para ele trabalhar nos seus dias de folga.

– O que foi dessa vez? – perguntou ao sentar em frente a mesa dela.

– Você sabe que a conferência Nacional de Medicina está chegando. – ela disse entrelaçando os dedos.

– Eu sei. – respondeu monótono – Esse ano o Dr.Banks que vai ir representar o hospital. Não é?

A mulher negou com a cabeça, apesar de querer gritar por já ter entendido, Strange contou mentalmente até trinta para manter a calma.

– A esposa do Dr.Banks acabou de dar a luz a filha deles, ele entrou em licença paternidade nessa semana. – ela falou sem se abalar – Você é o melhor neurocirurgião desse hospital, nada mais justo do que você ir.

Não, Strange não quer ir. Ele odeia essas conferências, e odeia a enfermeira chefe que vai ir junto.

– E quando é? – perguntou sem interesse.

– Você vai partir na próxima quinta.

Isso é demais.

Stephen bateu na mesa e ficou de pé.

– E você avisa em cima da hora? – perguntou nervoso – Eu tenho uma vida, não sei porque vocês acham que eu não tenho o que fazer. Eu sou casado, eu tenho pais e irmãos! Eu não sou um robô que vocês podem simplesmente dar uma ordem e achar que não me afeta!

Ela olhou sem interesse para a explosão dele, ela deu de ombros e empurrou um panfleto.

– Minha decisão já está tomada. – ela falou e cruzou as pernas – Você não tem filhos, e todos sabem que seu casamento com o Stark é uma fachada. Então não vejo o que te impede de ir.

Se você quer ganhar o ódio de Strange, é falar do seu casamento. Será que as pessoas não entendem que para um casamento ser feliz, ele não precisa ser exposto?

O segredo do seu casamento duradouro deve ser esse, não expor sua vida e não ligar para comentários alheios.

Mas ele já está de saco cheio.

– Só porque seu casamento fracassou e não deu certo, não quer dizer que todos também vão dar errado. – Strange debochou – Meu casamento é muito feliz, obrigado.

– Eu exijo respeito! – ela falou alto dando um tapa na mesa.

– Você não está me respeitando, apenas estou te tratando da mesma maneira. – Stephen pegou o panfleto sobre a viagem e levantou.

Ele saiu da sala quando ela começou um discurso sobre ela ser a chefe dele.

Ele já está tão cansado disso.

~ * ~

Steve e Luke chegaram no endereço do restaurante que Bucky passou por mensagem. Ele deu seu nome na recepção e então foram levados até o casal que os esperava.

Ao ver os loiros, Sam se levantou e sorriu, estendeu a mão e Steve a apertou.

– É um prazer finalmente te conhecer, Steve. – Sam falou simpático.

– O prazer é todo meu, apesar de que eu já sei tudo sobre você, já que Bucky não cala a boca. – Steve sorriu irônico e olhou para o amigo que o mandou um olhar assassino.

– Espero que coisas boas! – Sam brincou e se virou para Luke – E é uma honra conhecer o garoto de Bucky.

Luke fez uma expressão convencida e apertou a mão de Sam.

– É bom conhecer o namorado do meu pai, eu pensei que ele estava inventando. – Luke falou divertido.

– Eu odeio loiros. – Bucky murmurou recebendo risadas.

O jantar foi ótimo, Sam e Luke se deram super bem, Steve conseguia ver o brilho de orgulho nos olhos de Bucky.

Eles combinaram que no próximo fim de semana Luke vai passar com Bucky, que quer o levar para conhecer a família de Sam, e passar um tempo com a sua própria.

Luke sempre amou os Barnes, e eles sempre trataram ele como membro da família, tanto que Luke chama os pais de Bucky de vovô e vovó.

Parece que só Steve não quer aceitar que Bucky é pai de Luke, independente das circunstâncias que isso aconteceu. 

~ o ~

Steve estava ofegante e trêmulo, mal sentindo suas pernas de tão intenso que foi. Olhou para o lado e Tony sorria malicioso enquanto tirava a camisinha e jogava no chão, Strange repreendeu o marido que ignorou.

– Como você consegue estar sempre apertado? – Tony perguntou relaxando.

– Pompoarismo. – deu de ombros recebendo uma risada.

Steve reparou que Strange hoje quase não participou, ele estava mais calado que o normal. Steve queria perguntar o que estava acontecendo, mas não queria ser indiscreto.

O médico pediu licença e murmurou alguma coisa que precisava na cozinha. Assim que ele saiu do quatro, Tony ficou sério e chamou Steve com o dedo. Steve sentou ao lado dele e estremeceu.

Chris, eu sei que você só trabalha aos finais de semana, mas queria fazer um pedido, não me importo em ter que pagar o dobro. – Tony falou baixo.

Às vezes Steve se esquece que está sendo pago para ficar com eles. O nome Chris sempre o traz de volta para a realidade.

– Se eu puder ajudar. – respondeu simples.

Tony olhou para a porta e voltou seu olhar para o loiro.

– Stephen está tendo alguns problemas no trabalho, e semana que vem ele vai precisar ir para Chicago e só vai voltar no domingo a noite. – Tony explicou rapidamente – Eu queria saber se tem como você vim na quinta, quero fazer uma surpresa de despedida.

– Que horas é a viagem?

– Onze horas ele tem que estar no aeroporto. – Tony mordeu o lábio inferior um pouco apreensivo – O que me diz?

Isso é contra as regras, todos os funcionários da SHIELD tem os dias na semana que trabalham, você não pode ir no dia que quiser e atrapalhar a agenda dos outros. Apenas quando um falta que eles ligam para outro substituir.

E Steve está se apegando demais ao casal, ele fica ansioso a semana toda para os ver. Quem diria que ele um dia iria se apaixonar não por um, mas por dois clientes.

– Só com uma condição. – Steve falou e Tony concordou animado – A SHIELD não pode ficar sabendo. Essa visita vai ser um presente nada a ver com o trabalho. Entendeu?

O coração de Tony se aqueceu ao perceber que Chris está quebrando as regras por eles.

– Tudo bem, eu prometo não contar. – Tony disse com um sorriso.

Steve está muito ferrado.

~ o Quinta-feira o ~

Durante a semana Steve trocou mensagens de texto com Tony, combinando como seria. Ele o deu seu número profissional, que ele ganhou quando entrou na SHIELD e nunca usou até então.

Como seria uma coisa rápida, Steve deixou Luke com Natasha, já que ela mora em Manhattan mesmo e fica mais fácil o buscar depois e ir para casa. E é bom que o menino dá uma volta.

Steve estava na portaria do prédio esperando Tony dizer que já pode subir, olhou no relógio e viu que ainda era 20:33.

Tony por fim mandou uma mensagem o mandando subir, ele deu boa noite ao porteiro e foi para o elevador. Digitou o código da cobertura e fechou os olhos.

Ele veio porque quis. Não está aqui a trabalho, já que nem vai receber por essa noite, e graças a isso está muito nervoso de fazer alguma coisa errada.

Ele saiu do elevador e caminhou o mais silencioso que pôde, sentiu seu membro começar a endurecer ao ver Strange vendado sentado na poltrona da sala. Tony fez sinal de silêncio para Steve, ele sumiu no corredor e voltou com um laço de presente, parou em frente a Steve e tirou a camisa dele, em seguida amarrou o laço em seu pescoço.

Eles conversaram por mímica, Steve tirou os tênis e a calça o mais silencioso enquanto Tony sussurrava putarias no ouvido do marido. Quando Steve estava apenas de cueca, Tony se afastou.

Steve respirou fundo e se aproximou, se ajoelhou e abriu as pernas de Stephen encarando o membro já duro e vazando dele. Lambeu os lábios com vontade de cair de boca.

– Tony, você vai me chupar agora? – Strange perguntou um pouco ofegante.

Tony caminhou e ficou de pé atrás de Steve, apoiando uma mão na cabeça dele, a outra esticou e puxou a venda revelando os belos olhos do marido.

Stephen piscou devagar se acostumando com a luz novamente, estranhou ao ver Tony de pé a sua frente, desceu o olhar e ficou surpreso ao ver Chris o olhando com expectativa.

– Surpresa! – Tony exclamou animado apontando para o loiro.

– Melhor surpresa. – Strange murmurou encantando com o olhar que estava recebendo do garoto.

– Então comece o show. – Tony disse enquanto se afastava e sentava no outro sofá.

Stephen passou a mão pelos fios loiros, desceu contornando o rosto jovem e bonito, deixou sua mão descansando na bochecha corada e com o polegar acariciou o lábio cheio e molhado. Chris lambeu o dedo dele e começou a sugar, Stephen respirou fundo e pressionou a língua para baixo o fazendo abrir a boca.

– Sempre tão convidativo. – Stephen gemeu com a imagem a sua frente.

Ele soltou o rosto de Chris e relaxou mais em sua poltrona, abriu um pouco mais as pernas ficando mais confortável.

Steve colocou uma mão em cada perna de Strange para se apoiar, o membro grosso e cheio de veias estava sobre a barriga tonificada. Steve se inclinou e começou a lamber dos testículos até a ponta, devagar sentindo cada veia e o sabor do pré-gozo. Soltou uma das coxas para segurar o pau a sua frente, começou então a dar pequenas lambidas na glande, fazendo questão de passar a ponta da língua pela uretra.

– Você ama o meu pau, não ama? – Strange perguntou o olhando intensamente.

Steve se afastou minimamente e olhou para cima, sorriu doce com os olhos brilhando.

– Eu amo o seu pau, estou sempre sonhando com ele. – Steve respondeu sincero.

Como alguém consegue ser tão adorável e parecer tão inocente em um momento desse?

Steve começou a mover sua mão para cima e para baixo no membro de Strange, a girava quando estava mais no topo e descia, subia novamente e estimulava a cabeça com o polegar espalhando bem o pré-gozo. Desceu a mão apenas o segurando, se abaixou e colocou até a metade na boca, gemeu feliz enviando vibrações para o pau do outro, que gemeu e agarrou seu cabelo o forçando a descer mais. Steve aceitou o desafio e tirou a mão para não o atrapalhar, foi descendo até o fundo e só parou quando seu queixo tocou as bolas dele.

– Meu Deus, que cena maravilhosa! – Tony quase gritou de prazer enquanto se masturbava rapidamente.

Strange estava sem palavras, sua boca só sabia soltar gemidos por ter seu pênis todo dentro da cavidade molhada. Quanto tempo faz que não recebe uma garganta profunda?

Quando começou a perder o ar, Steve subiu devagar movendo a língua por toda a extensão, o tirou da boca e respirou fundo algumas vezes recuperando o ar perdido. Estava orgulhoso de si mesmo.

Tony gozou chamando atenção deles, mas ele nem parou para se recuperar um pouco, ele levantou e foi até os dois se ajoelhando ao lado de Chris.

– Espero que esteja gostando do seu presente de despedida. – Tony murmurou.

– Estou amando. – conseguiu responder.

Tony trocou um rápido olhar com o loiro que sorriu malicioso. Eles já tinham combinado essa parte.

Steve começou a passar a língua pela lateral esquerda do membro de Strange, Tony começou a lamber a outra parte, suas línguas se encontravam o percurso deixando tudo mais quente.

Stephen tem certeza que morreu e foi para o paraíso. Fechou os olhos e jogou a cabeça para trás sem saber o que fazer com tendo prazer. Ele não vai durar muito mais tempo.

Enquanto Steve continuava passando a língua por toda a extensão do pau de Strange, Tony desceu um pouco e começou a lamber e chupar os testículos, fazendo questão de colocar uma bola de cada vez na boca e pressionando com a língua.

– Eu vou gozar! – Strange avisou.

Tanto Tony quanto Steve pararam de usar suas bocas, Steve começou a masturbar Strange rapidamente.

– Goza para nós. – Steve falou olhando para cima – Por favor.

– Já que você pediu tão bem... – foi a última coisa que Stephen falou antes de por fim gozar.

Tiras de esperma acertaram o rosto de Steve, que fechou os olhos e abriu a boca querendo aproveitar o máximo. Tony virou seu rosto para si e começou a passar a língua o limpando e sentindo o gosto do marido.

– Não me faça ficar duro de novo, eu tenho um vôo para pegar. – Strange reclamou.

Os dois riram e se afastaram um do outro, Tony olhou para baixo e viu que Chris estava muito duro. Ele só fechou a mão em volta dele e foi o suficiente para o loiro gozar.

Os três tomaram um banho não tão rápido, Tony foi o primeiro a sair do banheiro para se vestir e separar a roupa que o marido vai viajar.

– Chris, eu quero que amanhã você cuide muito bem do Tony. – Strange pediu enquanto secava o garoto – Eu não gosto que ele fique sozinho.

– Não se preocupe, eu vou cuidar dele. – sorriu gentil.

Parece que eles realmente se apegaram e estão criando uma rotina.

Não adianta mentir para si mesmo, ele está apaixonado. 


Notas Finais


Repararam que eu não especifiquei quem está apaixonado? Pq todos eles estão!

O próximo capítulo vai ser o dia seguinte desse, e como o Strange vai estar viajando, vai ser um capítulo praticamente Stony...

Tenham um ótimo dia, tarde, noite ou madrugada!
Tenham ótimos sonhos!

Até o próximo!
😘❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...