1. Spirit Fanfics >
  2. You Look so Comfortable in my Skin >
  3. Capítulo Único

História You Look so Comfortable in my Skin - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, pessoas. Aqui estou eu com mais uma fic desse shipp absolutamente perfeito.
Essa tem lemon, e foi o primeiro que escrevi, e eu to morrendo de vergonha hahahaha
Espero que gostem, boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único


O time de vôlei do ensino médio da Seijoh estava em seu último dia do acampamento de treino da Golden Week. No dia seguinte voltariam a rotina normal. Era ainda manhã cedo quando Iwaizumi estava sozinho no banheiro escovando os dentes. Oikawa logo entrou, bocejando e esfregando os olhos. Abraçou o moreno por trás, beijando seu ombro.

- Bom dia, Iwa-chan. – a voz ainda estava rouca de sono.

- ‘Dia. – Hajime respondeu com a boca cheia de espuma do creme dental.

- Você está cheiroso.

- O seu hálito não. Vai escovar os dentes.

- Você é tão malvado, Iwa-chan! – Iwaizumi riu enquanto secava a boca e depois puxou o outro pela cintura, dando-lhe um beijo suave nos lábios.

- Você sabe que eu adoro o seu bafinho de manhã, não fica manhoso. – abraçou-o, beijando o seu pescoço e esfregando a ponta do nariz depois, fazendo Oikawa suspirar e se derreter nos braços do namorado.

- Ei, os dois pombinhos vão ficar aí até quando? É hora do pessoal do segundo ano usar o banheiro. – Makki falou da porta, rindo ao ver Iwaizumi bravo e corado por terem sido pegos no flagra.



Fazia alguns meses que Oikawa e Iwaizumi haviam começado a namorar. Ninguém do time ficara surpreso com aquilo, o que falavam era “Finalmente!”, e os calouros: “Mas eles já não eram namorados?”.

Todos sabiam da história dos dois, eram amigos de infância, na verdade eles eram tão pequenos quando se conheceram que nem lembram como foi.

Os colegas de time reconheciam o quanto aquele relacionamento fazia bem pros dois, principalmente para Iwaizumi. O moreno se sentia culpado por ter se apaixonado por Oikawa, e devido o amigo estar sempre rodeado de meninas, achava que jamais olharia para ele daquela maneira. Tamanha fora sua surpresa quando descobrira que era correspondido.

Oikawa vivia se declarando para o moreno, mas sempre usara um tom de brincadeira pois tinha medo de estragar a amizade. Em contrapartida, Iwaizumi tentava esconder seus sentimentos a todo custo, e aquilo estava afetando o laço que eles tinham, e também seu desempenho nos treinos. A declaração sincera entre os dois havia sido tão natural que eles não sabiam por que haviam perdido tanto tempo. Era visível a mudança de Iwaizumi depois que começaram a namorar, o moreno não precisava mais se esconder, tirara um peso enorme dos ombros e se sentia leve. Ele não gostava muito de demonstrações de afeto em público, mas quando estavam somente ele e Tooru, era o garoto mais doce e carinhoso que se poderia imaginar.

Como não tinha aula naquela semana, o time passou o dia treinando no ginásio, aprimorando suas habilidades, e pela parte da tarde tiveram um jogo amistoso.

Após o término da partida e o time visitante ter ido embora, Hajime estava sentado no chão da quadra, ofegante e o corpo coberto de suor. Ele e Oikawa ficavam cada vez mais sincronizados em quadra, porém isso também exigia mais de seu físico.

Oikawa observava o namorado de longe. Entre provas na escola e as atividades do clube, há duas semanas não conseguiam um tempo decente juntos. A visão de seu ace sem camisa, o corpo musculoso e definido, o suor escorrendo na pele morena fazia Oikawa quase gemer de tanta vontade de tê-lo. Balançou a cabeça, irritado, precisava tirar aqueles pensamentos da cabeça antes que tivesse uma situação embaraçosa na frente de seu time.



Depois que haviam jantado, o treinador da Seijoh chamara o capitão e o vice capitão para conversar, avisando que teria que ficar fora aquela noite e deixando o comando do time para os dois.

-Fique de olho principalmente nos calouros, Iwaizumi.

-Sim, senhor.

-Eu sou o capitão, sensei. - Tooru fez beicinho, ofendido.

-Você é um senpai muito mole com eles, Oikawa. - falou rindo, fazendo o aluno aumentar mais o bico e cruzar os braços.

Iwaizumi passou o braço sobre os ombros do namorado, rindo e beijando o beicinho que ele fazia, quando já estavam sozinhos.

-Vamos lá colocar nossas crianças para dormir.

-Só se eu for o pai. - Oikawa protestou.

-Nada disso, Shittykawa. Você é a mãe.

-Iwa-chan! Rude!

Os dois pegaram os calouros do primeiro ano no meio de uma guerra. Quando entraram no quarto diversos travesseiros voavam para todos os lados e os garotos riam e corriam pelo cômodo, alheios a presença de seus veteranos. Até que um dos travesseiros atingiu Hajime em cheio no rosto. Bastou um olhar para o semblante do vice capitão para que os meninos rapidamente se ajeitassem para dormir.

-Iwaizumi-senpai é assustador. - sussurrou Kindaichi após as luzes terem sido apagadas.

-Ele é o senpai mais legal, mas com certeza o mais assustador também. - Kunimi sussurrou de volta, bocejando.



Oikawa e Iwaizumi dividiam um quarto com Matsun e Makki e estes haviam pegado no sono assim que deitaram suas cabeças nos travesseiros. O ace entrou no quarto enquanto o outro estava de costas para a porta, ajoelhado no chão afofando seu travesseiro.

- Oi... Tooru. – Oikawa se assustou e olhou para o outro com o cenho franzido, não era comum ele chamá-lo pelo nome - Vem comigo. – o moreno falou baixo.

- Ir aonde... Iwa-chan! – quase gritou surpreso ao ser puxado pelo pulso e levado para fora do quarto – Ir aonde?

- Cala a boca, Shittykawa. – foi a única resposta que recebeu e rolou os olhos, deixando que o outro o levasse.

Passaram em silêncio pelos corredores escuros, chegando aos fundos da casa, onde não havia nenhum quarto que outros dos alunos estivessem ocupando. Iwaizumi entrou em uma sala em que só tinha um sofá velho e algumas caixas. Oikawa espiou para dentro antes, confuso, mas entrou logo que viu a expressão impaciente do namorado.

- O que... – ia perguntar mas foi pego de surpresa pelos lábios de Iwaizumi nos seus.

Oikawa gemeu ao sentir a língua de seu ace pedindo passagem e ele automaticamente cedeu, sentindo-a ávida dentro de sua boca. Os braços dele envolveram sua cintura, puxando-o e colando seus corpos.

- Iwa-chan... – Tooru ofegou quando pararam o beijo – O que você... – ele começou a perguntar mas entendeu quando sentiu a ereção do parceiro contra sua virilha, ao mesmo tempo que ele beijava seu pescoço.

Um arrepio de excitação subiu pelo corpo de Oikawa. Ele estava louco por aquilo há dias e finalmente tinham achado uma brecha.

Iwaizumi caminhou de costas para o sofá, ainda beijando o namorado e caiu sentado sobre o móvel, puxando o outro para o seu colo, onde ele se ajeitou. Separaram-se o suficiente para o moreno passar a camiseta do outro sobre sua cabeça, jogando-a no chão, e logo depois Oikawa tirou a dele também.

Tooru rebolou, se esfregando no outro e gemeu baixo quando sentiu a boca de Iwaizumi em um de seus mamilos. O moreno o segurou pela cintura, puxando-o para mais perto e friccionando suas ereções uma na outra, fazendo Oikawa arquear as costas e pressionar mais seu peito contra os lábios do outro. Abriu a boca em um gemido mudo, enquanto o moreno castigava seus mamilos.

Oikawa levantou e se ajoelhou entre as pernas de Hajime, e o moreno ergueu um pouco o quadril, ajudando-o a tirar a bermuda e a cueca. Um tubo de lubrificante caiu junto com as roupas e Oikawa riu.

- Você veio preparado, Iwa-chan.

- Cala a boca.

Tooru lambeu os beiços ao ver o pênis do namorado duro que nem pedra antes de tomá-lo na boca. Lambeu o gozo que pingava da cabecinha. O moreno ofegou e sua mão foi para os cabelos do outro, acariciando os fios castanhos sedosos, sem impor ritmo, pois para ele, o jeito que o namorado fazia já era perfeito.

Oikawa foi engolindo o membro aos poucos, as mãos apertando as coxas do moreno, os olhos castanhos encarando os verdes sem vacilar. Quando a cabeça chegou ao fundo da garganta do levantador ele chupou o pau, fazendo movimentos de sucção e contraindo a garganta.

Hajime gemeu alto, deslizando mais para baixo no sofá e abrindo mais as pernas, dando mais acesso para a boca faminta do namorado.

- Merda, Oikawa... - o ace murmurou - Você parece uma puta.

O levantador sorriu, ainda com o membro em sua boca. Comprimiu as bochechas, sugando uma última vez e o soltou, um fio de saliva ligando sua boca ao pênis. Levantou-se, apoiando as mãos nas coxas fortes do atacante e inclinou-se para ele, os lábios roçando o lóbulo da orelha.

- Então me fode como a putinha que eu sou, Iwa-chan.

A voz baixa e rouca fez a nuca do moreno se arrepiar e seu pau pulsou com mais força.

- De quatro. - rosnou de volta contra o ouvido do outro.

Oikawa livrou-se do resto das roupas, ansioso, e fez o que o moreno mandara, apoiando-se nos joelhos e nos cotovelos, deixando a bunda empinada. Sentiu a língua quente e molhada em sua entrada e mordeu o lábio. Queria quicar logo naquele pau, mas tinha que admitir que quando Iwaizumi o preparava antes era mais gostoso, mesmo que tivessem lubrificante para ajudar.

O moreno deixou um pouco de saliva escorrer para a entrada do capitão. Um dos polegares massageava a área sensível entre o ânus e as bolas. Afundava a língua o máximo que podia, alternando com os dedos e sentindo os músculos anais se contraírem, fazendo Oikawa rebolar contra sua cara. Após uns bons minutos deu-se por satisfeito.

Ergueu o tronco, apreciando a vista: Oikawa Tooru de quatro, as costas arqueadas, a bunda empinada. Inclinou-se sobre ele, beijando a pele branca e macia das costas. Levantou-se de novo e desferiu um tapa em uma das nádegas, fazendo o outro gemer surpreso.

- Inferno de bunda gostosa, Oikawa. - rosnou e estapeou o outro lado, sendo agraciado com os gemidos do namorado pedindo por mais.

Após mais alguns tapas estalados, tomando cuidado para não bater forte demais e machucá-lo, Iwaizumi passou lubrificante no membro, roçando-o na bunda de Oikawa.

- Iwa-chan, espera. Eu quero montar em você primeiro. - o capitão virou o rosto, captando o olhar de seu ace, ambos sorriram pervertidos.

- Então vem cá.

O moreno deitou encostando as costas no braço no sofá. Oikawa apoiou-se nos ombros fortes dele ajeitando-se sobre as coxas morenas. Iwaizumi segurou o próprio pau e os dois gemeram quando a entrada apertada o engoliu.

Tooru nem deu tempo para se acostumar, quicando com força sobre o colo do ace que apertava suas coxas, deixando-as marcadas. O capitão da Seijoh jogou a cabeça para trás, o membro do namorado entrava com força nele e estava gostoso, mas ainda não era suficiente. Inclinou-se para trás, apoiando-se nas coxas morenas e sentindo a cabecinha do pau de Hajime enterrando-se bem onde ele precisava.

- O seu pau é incrível, Iwa-chan.

- Você é que é incrível, idiota. - Oikawa sorriu, voltando o olhar para seu ace que estava com a cabeça jogada para trás e os olhos fechados.

Oikawa subia e descia o quadril com força, o som de seu corpo se chochando contra o de Hajime o deixava mais excitado e logo sentiu os braços começarem a tremer pelo esforço.

- Iwa-chan... - gemeu, tendo dificuldade para formar as palavras – Me ajuda...

Iwaizumi segurou-o pelos quadris, mantendo-o parado e começou a fodê-lo com força, estocando a próstata do outro sem piedade. Oikawa sentia a cabeça girando, os espasmos de prazer subindo pelo seu corpo.

- Não goza ainda, Shittykawa. Ainda não acabei com você.

O outro mal ouviu, perdido em seu próprio mundinho maravilhoso de prazer, e se assustou quando o namorado o virou rapidamente, invertendo as posições e o fodendo por cima. Oikawa ergueu o quadril, possibilitando a Iwaizumi que se enterrasse ainda mais fundo e rebolou no pau dele.

Hajime pegou o membro duro de Oikawa em uma das mãos começando a masturbá-lo, bombeando no mesmo ritmo que ele o fodia.

- Iwa-chan... Iwa-chan... - o capitão se contorcia sob seu ace, as unhas cravadas fundo nos bíceps fortes.

- Goza pra mim, minha putinha. - o moreno murmurou no ouvido do namorado, acabando com qualquer racionalidade que o outro ainda tinha.

A ejaculação dele veio forte, respingando em ambos os corpos, misturando-se à saliva e suor, e Hajime também não aguentou mais quando os músculos de Oikawa se contraíram violentamente contra ele, sentindo seu gozo escorrer por suas coxas.

Respirando ofegante ele caiu sobre o namorado, abraçando seu corpo febril e enfiando o rosto no cabelo suado dele. Quando já tinha se acalmado um pouco levantou a cabeça, beijando o rosto de Oikawa, que sorriu e o beijou de volta.

- Isso foi maravilhoso. - murmurou o capitão.

Hajime continuou beijando, ouvindo os suspiros de Tooru. Os braços dele o rodearam e uma das mãos foi para os cabelos, fazendo carinho nos fios negros espetados.

Oikawa sorriu ao perceber que seu ace ainda estava aceso, mas sabia que ele não pediria por uma segunda vez, sempre tinha medo de acabar exagerando e o machucando. Oikawa ficava um pouco irritado com aquele cuidado todo, tinha que garantir constantemente a Hajime que ele estava bem, que não precisava pegar leve.

- Iwa-chan... - o moreno se arrepiou com o sussurro nada inocente - Você quer mais, não quer?

- A gente tem aula amanhã de manhã. - Oikawa achou extremamente fofo o beicinho que ele fez.

- E daí? - o capitão laçou a cintura dele com as pernas, roçando seus quadris.

- Oikawa... não...

- Sim... - Oikawa mordeu o lóbulo da orelha dele, fazendo o moreno estremecer – Eu quero mais uma vez, Iwa-chan. Me fode de novo, não me faz implorar.

Iwaizumi afundou o rosto no ombro dele, grunhindo enquanto sentia seu pau começar a pulsar.

- Oikawa... - ele murmurou e gemeu quando sentiu o outro se esfregar nele de novo.

- Hm?

- Deixa eu te foder de novo? - Tooru sorriu pervertido.

- Quantas vezes você quiser.

- Fica de quatro pra mim? - falou baixinho, sentindo as bochechas esquentarem e Oikawa achou adorável.

- Do jeito que você quiser. Eu sou seu, Iwaizumi Hajime.

O moreno sorriu e beijou a testa do namorado antes de sair de cima dele para que ele se ajeitasse no sofá.

- Ei, amor... - ele se inclinou sobre as costas do outro – Se doer você me fala. - Oikawa rangeu os dentes.

- Cala a boca, Iwa-chan e enfia esse pau na minha bunda logo.

Iwaizumi riu, se abaixando para pegar o lubrificante que tinha caído no chão. Para Oikawa estar tão impaciente ele devia estar com muita vontade de fazer de novo, e o moreno se sentiu mais tranquilo.

Ele alinhou a cabeça de seu pau com a entrada de Oikawa, que ainda estava úmida. Colocou devagar, sentindo as paredes macias do capitão se contraírem em volta dele. Não importava quantas vezes fizessem aquilo, a sensação de estar dentro de Oikawa sempre seria incrível. Oikawa arqueou as costas, empinando mais a bunda e Iwaizumi sentiu que ia ainda mais fundo.

Começou a se mover devagar, tirando quase todo o pênis antes de deslizar para dentro novamente. As mãos firmes na cintura estreita de Tooru.

Iwaizumi gostava daquela posição. Gostava da maneira como as costas dele se curvavam. Gostava de ver como a bunda dele o engolia. Gostava principalmente da vista. Os músculos dorsais se movendo sob a pele de Oikawa com o esforço que fazia para acompanhar o ritmo.

- Iwa-chan?

- Hm?

- Me bate.

Iwaizumi sorriu. Uma das mãos deslizou devagar, parando sobre a polpa redonda e macia, que ainda estava avermelhada dos tapas anteriores. Sua mão bateu com força, deixando seus cinco dedos desenhados sobre a pele.

- De novo! - Tooru gemeu.

E Iwaizumi bateu de novo, enquanto continuava estocando num ritmo lento que estava enlouquecendo Oikawa. Ele alternava os lados, tentando segurar o outro que não parava de se esfregar nele.

- Iwa-chan... - Oikawa choramingou – Me fode com força... Mais rápido.

- Você tem um cuzinho gostoso, sabia disso, Oikawa?

Iwaizumi continuou entrando lentamente, e Tooru sentiu lágrimas se formarem nos cantos de seus olhos.

- Por favor, Iwa-chan... Por favor...

O moreno sorriu, tirou seu pau até sentir os músculos da entrada anal de Oikawa apertarem sua cabecinha e ele gemeu baixo.

- Tão gostoso... - murmurou e entrou com força dessa vez, suas mãos nos quadris do outro ajudando no movimento.

Oikawa gemeu alto ao que sua próstata sensível foi estocada com violência e depois de novo, e de novo. O capitão se movia contra seu ace, querendo senti-lo mais.

- Puta que pariu, Shittykawa. Você está mais apertado que antes.

Oikawa sentia a ardência dos movimentos brutos do moreno, fazendo algumas lágrimas rolarem de seus olhos. E não conseguia controlar os gemidos nem as contrações quando ele o atingia em seu ponto sensível. Suas pernas estavam fracas e se não fosse pelos braços fortes em sua cintura ele não conseguiria ficar naquela posição. Tudo nele ardia e pulsava, e era maravilhoso como aquilo ficava em segundo plano comparado aos espasmos deliciosos.

- Oikawa... - ouviu a voz do namorado o chamando, mas parecia tão longe. - Oikawa!

Tooru levantou a cabeça quando sentiu que os movimentos haviam parado.

- Você está bem? - a voz de Iwaizumi ofegava em sua nuca.

- Estava tão gostoso... - murmurou – Por que você parou, Iwa-chan?

- Você consegue continuar?

- Se você não continuar a gente termina agora.

O moreno riu, esfregando o rosto no cabelo castanho.

- Vem cá.

Murmurou puxando de leve Oikawa pela nuca, erguendo o tronco dele, colando seu peito às costas do outro. Uma das mãos firmes na barriga dele, segurando, e a outra virou o rosto do namorado, beijando enquanto continuava se afundando nele.

- Você que gozar, amor? - o moreno perguntou baixinho e o outro assentiu avidamente – Como você quer? Na minha mão? Na minha boca? Ou você quer meter em mim?

Tooru sorriu, a cabeça descansando no ombro forte enquanto os olhos cansados encaravam o namorado.

- Na sua boca, Iwa-chan.

O ace afundou o rosto na curva do pescoço de seu capitão, seu suor se misturando ao dele, sentindo que já estava no seu limite. Sentiu quando as paredes macias o envolveram com mais força que antes e ele não aguentou mais. Abafou um uivo doloroso de prazer contra a pele de Oikawa.

Retirou seu pênis já amolecido de dentro de Oikawa. Virou o namorado gentilmente, fazendo com que ele sentasse no sofá.

Oikawa sorriu malicioso, abrindo as pernas e apontou para o próprio pênis ainda duro.

- É todo seu, Iwa-chan.

Iwaizumi se ajoelhou no chão, entre as pernas dele. Encarou os olhos castanhos que estavam muito vivos e alertas. Oikawa achava fofo como o moreno sempre parecia nervoso quando ia fazer aquilo. Fez um carinho na cabeça dele, puxando-a levemente em direção ao próprio membro, incentivando-o.

Hajime sorriu para ele antes de segurá-lo com uma mão e cobrindo sua glande com a boca, chupando apenas aquela parte. Oikawa mordeu o lábio e segurou com mais força nos cabelos negros. O moreno usou a língua para rodear a cabeça enquanto engolia o membro aos poucos. Não tinha tanta prática naquilo quanto Tooru, mas este nem pareceu notar que o namorado estava um pouco desajeitado.

Quando a cabecinha chegou a sua garganta, o moreno tentou fazer como o namorado fazia, mas acabou engasgando um pouco. Olhou para o outro como um pedido de desculpas, encontrando o sorriso dele.

- Tudo bem, Iwa-chan. Está gostoso, ah... - Tooru soltou um gemido longo quando o namorado conseguiu. O castanho revirou os olhos quando sentiu sua glande ser apertada pela garganta.

Iwaizumi continuou assim, vendo o quanto estava bom para o outro, sugando-o mais algumas vezes enquanto massageava suas bolas. Soltou o membro dele, fazendo um som molhado e Oikawa sorriu pervertido. O moreno juntou um pouco de saliva e gozo na boca, deixando escorrer depois para o pau do namorado, masturbando com uma mão enquanto a boca foi em direção às bolas, chupando-as com vontade e Tooru se contorceu, a mão livre cobrindo a boca.

- Iwa-chan... Eu vou... Eu estou quase... - Hajime o tomou na boca novamente, engolindo-o até base e depois voltando para a cabeça, subindo e descendo rapidamente. A mão de Oikawa em seu cabelo empurrando-o, forçando seu pau mais fundo na boca do outro.

Com um gemido contido pela mão que lhe cobria a boca, Tooru chegou ao seu clímax, e Iwaizumi sentiu o líquido amargo e quente dele descer por sua garganta. Engasgou um pouco, mas conseguiu engolir tudo antes de soltar o membro.

O moreno apoiou um joelho no sofá e se inclinou sobre o namorado, que puxou seu rosto para perto e lambeu um filete do próprio gozo que escorria da boca do outro, logo depois selando os lábios e sentido o amargo na língua dele.

- Foi o melhor boquete que você já fez. - murmurou e sorriu quando as bochechas de Hajime coraram.

Hajime deitou no sofá, puxando o namorado junto. Oikawa se aconchegou na parede de músculos que era Iwaizumi, sorrindo feliz e satisfeito.

- Você estava incrível. – murmurou o moreno, acariciando o rosto do outro. Oikawa esfregou a bochecha na palma da mão dele.

Iwaizumi tirou o cabelo suado de Oikawa da testa, observando o rosto bonito, perguntando-se o que havia feito para merecer aquele garoto maravilhoso em sua vida. Estava com os olhos fechados, a expressão relaxada e alegre, os dedos brincando na pele de Iwaizumi.

Sempre se sentira responsável por ele. Não que achasse Oikawa frágil, sabia o quanto ele era forte, principalmente seu coração e seu espírito, mas jamais se perdoaria se algo acontecesse a ele. Tinha crescido junto dele e tinha orgulho do homem que estava se tornando.

Deslizou os dedos para o queixo dele, levantando-o levemente, e viu os olhos castanho-chocolate se abrirem.

- Você é tão bonito. – murmurou, passando o polegar na bochecha macia – Não culpo as garotas da nossa escola por me odiarem. – Oikawa riu baixinho, sentindo as bochechas corarem.

- Tenho certeza que várias me odeiam também.

- Não sou tão popular quanto você. -o moreno respondeu dando de ombros.

- É por que você está sempre rabugento... Rude, Iwa-chan! – Oikawa choramingou quando o outro lhe apertou o nariz com força.

- Eu amo você idiota. – segurou seu rosto com uma mão, espremendo-lhe as bochechas e deu um beijo estalado nos lábios.

- Eu amo você também, Iwa-chan.

Os dois ficaram deitados juntinhos, os corpos nus e quentes quase fundidos um ao outro. Conversavam coisas aleatórias, principalmente sobre vôlei, traçando metas e estratégias para aquele ano.

Ambos exaustos dos treinos intensos daquela semana e do sexo que haviam acabado de fazer, mas não queriam voltar para o quarto tão cedo, não queriam deitar em colchões separados. Aproveitavam sempre ao máximo o tempo que tinham juntos.

- Eu quero tomar um banho, Iwa-chan.

- A gente vai fazer muito barulho.

- Os chuveiros são longe dos quartos, ninguém vai ouvir. – fez beicinho e Iwaizumi se desmontou um pouco – Até por que, se ninguém acordou com o barulho que a gente fez aqui...

- Tudo bem. – o outro suspirou – Você é chato e me irrita a maior parte do tempo, mas eu sou louco por você.

- Vou levar isso como um elogio.

- É claro que foi um elogio. Eu falei que você me irrita a maior parte do tempo. Não tempo todo.

Oikawa bufou, vestindo as roupas.



Oikawa estava sentado em um banco no box do banheiro enquanto Iwaizumi lavava seu cabelo. O moreno colocou mais shampoo na mão, espalhando-o sobre o couro cabeludo do outro.

- Iwa-chan! Você sabe que não pode usar as unhas, vai estragar a raiz. – ralhou o castanho.

- Cala a boca, Shittykawa. – deu um tapa na testa do outro, mas começou a massagear o cabelo mais suavemente.

Aquela era uma rotina comum para eles logo após uma transa. Eles tomavam banho juntos e Iwaizumi lavava o cabelo do namorado. Ele reclamava as vezes, mas somente por pirraça, adorava mimá-lo.

Hajime pegou o chuveirinho, enxaguando a espuma, passando os dedos com carinho pelos fios castanhos e sedosos. Oikawa encostou a cabeça na barriga do moreno, levantando o rosto para ele depois, e Hajime abaixou-se para beijá-lo na testa.

- Você consegue se secar e se vestir sozinho? - o outro concordou - Então cai fora e deixa eu terminar meu banho.

Eram quase 17 anos juntos e eles conheciam um ao outro como a palma da mão, mas nos últimos meses a intimidade e confiança entre eles havia crescido rapidamente, e ficava maior a cada dia, a cada experiência juntos. Apaixonavam-se novamente um pelo outro todos os dias.

O moreno saiu do box e Oikawa estava vestido, parado em frente ao espelho, mexendo no cabelo e olhando o próprio rosto de perto.

- Iwa-chan?

- Hm?

- Eu estou com uma espinha! - Iwaizumi rolou os olhos.

- É. Eu vi. Está enorme.

- Iwa-chan! - Oikawa guinchou, fazendo o outro rir.

O moreno abraçou o namorado, tomando seus lábios em um beijo lento e demorado. Separaram-se por poucos segundos e voltaram ao mesmo ritmo lento.

- Você é lindo, idiota. Para de ficar procurando defeitos em si mesmo só pra ganhar minha atenção. Você sabe que não precisa disso.

O castanho escondeu o rosto culpado e envergonhado no peito do outro.

- Você é perfeito demais para mim. – resmungou Tooru – As vezes eu acho que não mereço você.

Iwaizumi suspirou, apoiando o queixo no cabelo do capitão.

- Eu acho que nós nos merecemos. Acho que fomos feitos um para o outro.

- Iwa-chan! Você é um bobo apaixonado tanto quanto eu!

Hajime sorriu com carinho para ele, beijando-lhe a ponta do nariz.

- Eu amo você.

- Eu amo você também, Iwa-chan.



Os dois voltaram para o quarto em silêncio novamente. Os dois adolescentes ostentando um sorriso bobo, as mãos entrelaçadas. Haviam se apaixonado um pouco mais, como sempre acontecia.

Oikawa deitou no colchão e ficou encarando Hajime com olhos pidões. O moreno suspirou cansado e se abaixou ao lado dele, cobrindo-o com a coberta.

- Fica do meu ladinho até eu dormir, Iwa-chan?

O moreno sorriu e se ajeitou ao lado dele, fazendo cafuné e beijando sua bochecha. Depois que Oikawa finalmente dormiu, Hajime ainda ficou mais um pouco ao lado dele, sentindo seu peito doer de tanto amor pelo outro, controlando a vontade de abraçá-lo e dormir juntinho dele a noite toda.

Hajime levantou, esticando os braços e a coluna e tirou a camiseta, deixando-a no chão ao lado de suas coisas. O moreno deitou e ficou contemplando o rosto adormecido do namorado, logo acabou dormindo também, um sorriso alegre e satisfeito nos lábios.


Notas Finais


Eles vão de 8 a 80 na safadeza e fofura hahahaha aceito críticas, sugestões, elogios... qualquer coisa que me ajude escrever melhor nas próximas vezes.
Espero que tenham gostado :))))


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...