História You Lose - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Jungkook, Suga, V
Tags Aposta, Bts, Jeongguk, Jin, Jungkook, Seokjin, Suga, Sugakook, Sugakookie, Taehyung, Yoongi, Yoonkook
Visualizações 100
Palavras 2.653
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu não sei como ficou e dessa vez não incomodei a minha beta.
Se ficou ruim me desculpe e perdoem os erros.

Capítulo 1 - Único; perdedor


Posso dizer que tudo começou a dar errado quando disse aquela maldita palavra, se eu tivesse noção do impacto que ela teria provavelmente não a diria. Aceito.

Aceito,

Aceito,

Aceito,

Aceito,

Aceito.

Esse maldito looping infinito que não me deixa mais dormir e tão pouco ouvir meus pensamentos, esse inferno no qual a minha vida se transformou por causa dessa palavra. Só queria que as consequências tivessem sido mais amenas, mas não foram. Vou fechar meus olhos e rememorar os momentos que sucederam a essa maldita, já que apenas eles me confortam dessa agonia.

 

 

 – Agora que você aceitou espero que não dê para trás, Yoongi – revirei os olhos ao ouvir isso, porém diferente de mim o interlocutor sorriu de lado. – É sério, Yoongi. Se você der para trás o acordo já era, entendeu?

 – Entendi, entendi – dei de ombros e fui até o meu armário, peguei a camiseta e a vesti dando fim aquela visita no vestiário. Eu havia acabado de fazer um acordo com o diabo, talvez tenha sido a maior merda que já fiz, mas era necessário. Pelo menos pareceu necessário e certo na hora.

 

 – Yoongi me diz que é piada isso, sério – Taehyung me encarava incrédulo. – Porque você fez isso? Seu cérebro derreteu por causa do calor? – Ele foi levando as mãos até o meu rosto e eu bati nelas, obrigando assim que ele as afastasse.

 – Sai daqui Taehyung – bufei e comecei a me explicar, já que quando fiz o acordo a coisa pareceu “certa”, mesmo que fosse errada. MUITO ERRADA. – Fiz um acordo com eles, se eu vencer o garoto fica em paz, simples assim. Uma pessoa a menos sofrendo bullying aqui. Eles sugeriram e eu topei, só isso.

 – Simples assim, só isso – Taehyung imitou a minha voz de um jeito ridículo, para não dizer mais. – Yoongi, ele é uma pessoa e isso é errado, muito errado. Cara, você apostou que ia pegar o garoto e vem me dizer que isso é “simples assim”. Ele é uma pessoa com sentimentos como qualquer outra, não é só um acordo, estamos falando da vida de alguém.  

 – Taehyung ... Eu estava interferindo novamente enquanto eles o incomodavam e então resolveram me propor essa merda – tentei começar a me explicar mas sabia que ele nunca entenderia as coisas como eu entendia. – Por favor não comenta isso com ninguém. Mesmo que você não concorde comigo só te peço isso, não quero que vire burburinho por aí.

 – Yoongi só não faça nenhuma burrada, por favor. Ele é uma pessoa, pensa nisso. – Taehyung se levantou da mesa e me largou ali sozinho. Eu sabia que mesmo não concordando e me dando broncas a respeito da escolha que fiz, o seu único intuito era evitar que algo muito errado fosse feito. Porém eu sou um idiota que se recusa a ver a verdade. Voltei a atenção para o prato e terminei meu almoço.

Não tinha um plano e tão pouco a noção de como isso deveria começar, e fiquei caminhando pelo lugar em busca de algo para me distrair ou quem sabe um canto para dormir e o encontrei debaixo de uma árvore, pouca luz e vazia, teria sido perfeito se eu não tivesse que interromper meu caminho.

“Não se esquece Yoongi ele é uma pessoa”.

Não me esqueceria nunca que Jeon Jeongguk era uma pessoa, era o garoto que eu estava ajudando a se levantar após espantar outro garoto que o incomodava. A situação por si só era engraçada, ele mais novo, mais alto e talvez mais bonito, só que parecia tão necessitado de proteção. Eu o herói no alto dos meus 1,74 e com o meu porte franzino espantava mais as pessoas, talvez o jeito ou até mesmo o status que possuía nesse colégio, nunca saberei, mas as pessoas me temiam.

Ele não temia.

Ajudei com os livros e lhe dei um sorriso pequeno e rápido, ele apenas murmurou um agradecimento e tirou o pó das próprias roupas, saiu apressadamente sem trocar nenhuma outra palavra comigo. Observei o garoto se afastando e então segui na direção da árvore. Realmente, se eu queria me aproximar de Jeon Jeongguk precisaria de muito mais do que sorte.

 

Depois de quase três semanas as coisas começaram a progredir e consegui me aproximar do garoto, mesmo que sutilmente, já que éramos dupla numa das aulas extras fora da escola. Quando foi sugerido a ideia de fazer dupla fui até o garoto e perguntei se podíamos fazer juntos, e ele concordou desconfiado só que dando o braço a torcer assim que viu que éramos os únicos usando uniforme parecido. Nós sentávamos juntos e discutíamos os temas que eram propostos. O garoto não era um gênio, mas era inteligente e bem focado.

Levou algum tempo mas consegui fazer amizade com ele e após alguns dias já estávamos rindo e voltando juntos para casa. Eu gostava da companhia dele, de como as coisas se encaminhavam entre a gente e pedi seu número, não havia maldade naquilo. Mesmo receoso com o rumo das coisas o garoto me passou o contato e assim fomos nos aproximando cada vez mais.

Ele começou a frequentar a minha casa para jogar e era bem aceito quando Taehyung estava junto e não sei bem qual dessas vezes Taehyung faltou e nem como a situação acabou ficando daquele jeito, mas numa das partidas online que ele acabou por vencer nós nos abraçamo,  a situação ficou estranha e  eu fiz o que precisava ser feito. Ele ficou dois dias sem dar as caras na escola e no curso depois daquilo

Talvez eu beije muito mal.

Quando o garoto apareceu de novo me senti mais tranquilo e nós tivemos a primeira “conversa séria” de todas as conversas sérias que teríamos. A conversa começou na minha sala com os dois sentados e terminou com os dois deitados no sofá. Os lábios macios e avermelhados em contato com os meus era divertido, tinha sabor artificial de morango, mas não era ruim. Posso dizer que esse era o gosto de Jeon Jeongguk, morango e felicidade. Já que era assim que eu me sentia sempre que o beijava.

Kim Seokjin o amigo dele, melhor amigo, não ia com a minha cara pois dizia que eu cheirava a problema. Seokjin era com certeza um bom amigo para o meu garoto e eu o lobo mau pronto para me aproveitar das suas fraquezas. Ele não sabia de todas as vezes que o garoto vinha a minha casa e nem sobre os beijos que trocávamos no sofá, no chão e na minha cama. Que as partidas há muito haviam sido esquecidas e que tudo o que eu queria era saber se o sorriso tinha como ficar ainda mais adorável do que era.

Eu gostava de ver a franja grudada na testa, os lábios curvados num sorriso e os dentinhos proeminentes aparecendo dando aquele ar inocente. Era bom curtir os momentos com o garoto encapetado que fazia de mim seu principal alvo de piadas, começando pelos sons que eu fazia ao comer e terminando com o jeito como eu questionava as coisas. Não demorou muito ele estava fazendo esses sons sem perceber. Fofo.

Eu deixava de prestar atenção nos filmes que assistíamos para pode gravar as suas reações e tocar suas mãos. Gostava de mexer em seu cabelo e curtir os momentos descontraídos nos quais eu conhecia o verdadeiro Jeongguk, aquele garoto que era tímido e cheio de vida. A sua personalidade fechada o tonava alvo para o tratamento de merda na escola, que havia reduzido graças a minha presença e eu torcia para que acabasse graças ao maldito acordo. Eu nunca me esqueci do acordo, porém nunca tive coragem de contar.

Taehyung me dava bronca sempre que me questionava sobre quando ia contar, desistir disso, a minha resposta sempre era “ainda não está na hora”. Será que em algum momento essa hora chegaria? Acho que ela nunca chegaria se dependesse de mim, já que o medo de perder sua companhia se tornou uma agonia constante.

Lembro da noite que saímos para observar estrelas e você dormiu na minha casa, esse episódio é um dos mais marcantes de todos, lembro de cada detalhe, de cada pequeno movimento que fizemos. Naquela noite só existíamos nós dois e o sentimento que nos envolvia. Me envolvia  ao mesmo tempo que me sufocava na rede de mentiras na qual mergulhei para te manter comigo.

Se eu tivesse te dito aquela noite, antes ou depois de tudo o que ocorreu, as coisas teriam sido diferentes. Nós teríamos discutido ou até mesmo nos separado, mas você teria descoberto por mim e talvez isso te machucasse menos. Me perdoe por ser um idiota covarde.

Eu te beijei como de costume, te abracei e o envolvi carinhosamente, nós trocamos carícias e palavras gentis e você dormiu abraçado a mim. Senti o seu cheiro e acho que assim conseguir dormi melhor. Não troquei a fronha desde a última vez que você dormiu lá, quero dormir sentindo o seu cheiro por mais fraco que ele seja agora.

Eu havia me esquecido que você poderia ser parado por aí, que alguém poderia despejar toda a verdade em você e que não teria nada no mundo que pudesse te proteger além da minha sinceridade. Quebrei as suas barreiras e te tornei vulnerável. Não querendo te machucar fiz com que te machucassem o triplo. Eu não sei como gritaram as coisas para você e nem sei como a situação começou direito.

Lembro do Taehyung entrando desesperado na sala me procurando, de como fui arrastado para o vestiário às pressas e de como o medo dele foi passando para mim e que eu só queria te ver bem. Você não me deixou te tocar, você disse que tinha nojo de mim e eu levei uns bons socos naquele dia. Eu preferia que você tivesse me batido, não o seu amigo. Seokkin era forte e alto, sinceramente eu não resisti, eu mereci cada um dos socos e até mesmo o Taehyung deve achar isso, já que só nos separou depois do segundo.

Vi você saindo dali amparado pelo seu amigo e como tentei te impedir. Os seus olhos estão gravados na minha mente, seu olhar era tão vazio que me matou aos poucos. Eu busquei toda a imensidão que eu sempre contemplava, a felicidade que você exalava e me deparei com o nada. E logo depois meu colarinho foi agarrado, eu não sei o que ele disse, mas provavelmente coisas que eu merecia ouvir e só consegui observar você. Então veio o primeiro soco, o o segundo e antes que ele pudesse descontar toda a raiva em mim Taehyung o empurrou, você desviou o olhar.

Eu queria que você gritasse, me xingasse, me batesse e olhasse para mim. Eu queria qualquer reação possível que viesse de você. E não recebi nada. Alguém te contou sobre a aposta que envolvia seu nome, distorceram a nossa história e os nossos momentos, sei que você se sentiu usado e sou culpado por tudo isso. Depois daquilo eles te deixaram em paz.

 – Parabéns Yoongi, você venceu a nossa aposta – não me importava mais, fui tirado dali pelo meu único amigo. A única pessoa que não quis virar as costas para mim e ele tinha motivos para fazer isso.

Taehyung me deu uma bronca imensa, me abraçou quando comecei a chorar e implorar para me ajudar a falar contigo novamente. A ideia de não ver mais o seu sorriso, de não ter acesso ao sabor de morango com felicidade, de não ter o seu cheiro para embalar o meu sono. Nem a sua voz embargada cantando depois de duas latas de cerveja, cada momento único que tivemos estava sendo jogado no esquecimento.

Eu corri para você, fui desesperado até a sua casa, queria implorar o seu perdão e fui rejeitado tantas vezes quanto foi possível. Você desapareceu do curso e da escola por uma semana, eu parei de ir aos treinos e as aulas extras para tentar falar com você. Todo dia era uma rejeição. Meu número foi bloqueado, sua janela sempre fechada, Seokjin querendo me matar, Taehyung me olhando com pena.

O mundo realmente parou no momento em que vi a ambulância na frente da sua casa, eu corri atrás dela. Aquele hospital é tão longe quanto o inferno, fui correndo atrás dela por algumas quadras, até não aguentar mais e me enfiar num táxi que estava passando por ali. Eu queria te ver, te implorar perdão e dizer que amava o seu sorriso, mas nem todo mundo tem uma segunda chance.

Eu destruí suas barreiras e te deixei vulnerável para um mundo ao qual só quis te proteger, fui estúpido o bastante para não medir e pesar minhas ações. Nunca imaginei que aquele maldito aceito te tiraria tanto e também tiraria tudo de mim. Seus pais me odeiam agora. Nesse momento até eu me odeio.

Faz uns dois dias desde que você foi internado após tentar se matar com comprimidos. A culpa é exclusivamente minha e eu estou pronto para assumir meus atos, mas não estou pronto para viver num mundo sem você. Já berrei na sua janela todos os pedidos de desculpas possíveis, te mandei até cartas com pedidos de desculpas. Recebi o seu silêncio e a permissão da sua mãe para ter cinco minutos te vendo dormir.

Você estava tão pálido.

Faz umas quatro horas que o seu pai disse que eu devia ter ido no seu lugar e eu acho que é bem verdade. Eu vim até aqui e me mantive há uma distância segura do quarto, só recebendo notícias através da sua mãe. Ela disse que nesse momento não consegue nem ter raiva de mim, a dor dela é tão grande que não existe espaço para nenhum outro sentimento.

Eu perdi.

Você perdeu.

O mundo perdeu.

Ninguém ganhou nada com essa aposta. Apenas sofremos separados até você não aguentar mais a sua dor e dar seu jeito de partir. Jeongguk, eu beijei a sua mão e disse que te amava na noite que saímos para observar as estrelas e o fiz de novo quando sua mãe me deixou te ver. Esse tempo parece tão distante agora mas faz tão poucos dias.

Se a vida fosse um filme teríamos dado um jeito de fazer o “nosso amor” vencer, estaríamos juntos no final. Você teria fugido de mim e encontrado outra pessoa para te ajudar, mas no final seria no meu abraço que você encerraria a sua dor. Mas no nosso caso foi num frasco de comprimidos de nome grande e esquisito. Eu não quis gravar o nome dele, a culpa é minha e é somente o meu nome que deve ser gravado.

Min Yoongi, o pior ser na terra. Aquele que fez uma aposta e perdeu o mais perto da felicidade que jamais vai ter. Estou sendo egoísta novamente querendo que só o meu nome seja gravado, mas é que, pelo menos, assim o meu nome e o seu ficam juntos.

 – Jeongguk, será que numa outra vida nós vamos nos encontrar? Será que eu vou conseguir te fazer feliz algum dia? – Deixei que algumas lágrimas corressem enquanto mantinha meus olhos fechados.

Talvez eu esteja enlouquecendo aos poucos mas senti um gosto de morango e felicidade roçarem os meus lábios, então um vento levando para longe o seu cheiro. Digitei algumas palavras para Taehyung seguido de um áudio, implorei pelo seu perdão, fechei os olhos mais uma vez e deixei o corpo pender no para trás. Talvez esse mergulho me faça esquecer todas as más sensações que fazem o meu peito doer. Quem sabe eu possa me encontrar com você garoto.

Tomara que a dor que eu vou sentir seja tão próxima da qual você sentiu, porque assim eu teria uma amostra do quanto te fiz sofrer. E assim deixar o corpo cair do terraço não seja a coisa mais estupida que eu já fiz na vida, porque a mais estupida com toda certeza foi te magoar. 


Notas Finais


Já desisti de lutar contras as trevas que habitam em mim.


Me desculpem por isso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...