História Young Gods - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers), X-Men
Personagens Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Pietro Maximoff (Mercúrio)
Tags Feiticeira Escarlate, Incesto, Medieval, Mercurio, Pietro Maximoff, Wanda Maximoff
Visualizações 38
Palavras 3.822
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Incesto, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus amores <3
Peço perdão pela sumida que eu dei, infelizmente acabei ficando doente e sem animo nenhum pra escrever ):
Mas eu voltei!
Enfim, espero que gostem (:

Capítulo 22 - Mama who bore me, mama who gave me no way to handle things..


***Mama who bore me, mama who gave me no way to handle things who made me so bad.

Mama who bore me - Spring awakening

 

Wanda encarou seu reflexo no grande espelho.

Ainda não podia acreditar que aquilo estava realmente acontecendo, mas o pano gelado contra sua pele lhe ancorava de volta a aquela realidade. Uma realidade em que ela finalmente poderia ser feliz do jeito que sempre havia sonhado: ao lado de seu irmão. As vezes era difícil saber se estava presa em um sonho e se acabaria por acordar em sua antiga vida, presa naquele castelo e tendo de esconder seu amor pelo resto de sua vida.

-Ah! -Natasha suspirou ao abrir a porta. Wanda se virou na direção da ruiva, o vestido branco flutuando ao seu redor como uma nevoa perolada. -Você está realmente magnifica querida. -Ela abriu um sorriso gigantesco e lhe estendeu a coroa de flores que carregava.

Era difícil não comparar aquele vestido ao que usara na ultima vez em que havia subido ao altar. Tudo parecia mais leve, claro e limpo. Para ela, era como se o mundo estivesse gozando da mesma felicidade que preenchia seu coração, tornando tudo mais belo e intenso. O sol brilhava do lado de fora da janela e lançava sua luz etérea sobre o vestido simples.

Não passava de um modelo básico, que as camponesas usavam ao se casar, com as mangas longas se abrindo em triângulos, saias leves e rodadas e um decote simples que lhe dava espaço apenas para um colar. Estava sim usando um espartilho, mas não permitira que o apertassem a ponto de não poder respirar novamente.

Seus cabelos haviam sido penteados e presos de forma que seu rosto pudesse ser visto. Um dia ela teria odiado aquilo, preferindo se esconder em suas sombras particulares, mas agora tudo o que queria era que todos ali vissem o quanto ela estava feliz. Natasha posicionou a coroa e se pôs a prende-la no lugar com pequenos grampos que desapareciam em meio aos seus fios.

-Isso ainda se parece com um sonho para mim. -Sua amiga sorriu enquanto analisava se seu trabalho fora satisfatório. -É difícil de acreditar que todos simplesmente aceitaram... Isso.

-Chame-o pelo o que realmente é querida: amor. -A ruiva se afastou e com um suspirou satisfeito se virou para pegar algo sobre a cômoda do quarto.

De fato, havia sido uma grande surpresa como todos simplesmente haviam aceitado seu relacionamento com Pietro. Ambos haviam decidido que não iriam mais viver da mesma forma como haviam vivido até aquele momento: escondendo seu relacionamento dentro das paredes de uma casa. Aquelas pessoas haviam confiado neles, lhes aceitado em seu lar, e feito de tudo para que os dois fossem felizes depois de tudo o que acontecera. O mínimo que poderiam fazer era dizer a verdade.

Wanda estivera tão assustada com a possibilidade de contar a seus novos colegas que não dormira ou comera por dois dias inteiros, mas tudo isso fora em vão. Todos haviam apenas sorrido, como se não fosse surpresa alguma, e lhes recebido com abraços ao ouvirem que os gêmeos haviam decidido se casar. A única reação indiferente que a fez ter de segurar as lagrimas fora a de Steve Rogers, que apenas saíra da sala sem dizer nada.

Ela não tinha certeza de como reagir a isso. Desde que ele e Barnes haviam se mudado para o castelo ela havia se afeiçoado aos dois, mesmo que não admitisse isso em voz alta. Steve a tratava da forma como ela havia desejado que seu pai a tivesse tratado e era difícil vê-lo lhe dar as costas daquela forma apenas por ter contado a verdade.

Não havia visto-o desde aquela tarde, porém sabia que Barnes havia lhe entregado a mensagem sobre o casamento.

-Ele vai estar lá querida, acalme essa sua cabecinha. -Wanda sorriu e ergueu uma das sobrancelhas.

-Como sabe sobre o que estou pensando? -Natasha agarrou seu queixo e sorriu.

-Você deixa suas emoções muito transparentes querida. Vamos ter de mudar isso se realmente quiser trabalhar conosco. -Wanda mordeu o lábio para evitar um suspiro derrotado.

No momento em que haviam se acostumado com a casa, Natasha havia convocado dos gêmeos para uma pequena reunião. Sempre direta e sincera, ela lhes contara sobre seu verdadeiro trabalho, aquele que fazia por baixo da mascara de duquesa. Aquelas pessoas que haviam lhe acompanhado e lhe ajudado durante toda aquela loucura de guerra na verdade eram uma espécie de mercenários, mas que trabalhavam apenas de acordo com seus ideais.

Todos recusavam pagamentos e eram patrocinados pelo rei local, um homem que governava com punhos de ferro, mas que não permitia injustiças. Ele gostava de ajudar aqueles que realmente precisavam e fazia tudo em seu alcance para evitar guerras desnecessárias. Ao ouvir sobre os talentos de Wanda com a magia, e a forma como Pietro se tornara mais rápido do que qualquer pessoa viva, ele não medira esforços para recruta-los.

Pietro se animara com a ideia no momento em que havia ouvido, mas Wanda... Ela não estava tão convencida de que era uma boa ideia. Apenas entrara naquela guerra porque não haviam lhe dado escolha e aquilo fora o suficiente para sanar toda a sua curiosidade sobre batalhas. Havia perdido seu irmão e seu filho por causa de homens idiotas com egos gigantescos e não pretendia passar por isso novamente.

Seu irmão, pelo contrário, estava realmente feliz com a ideia de lutar por um ideal. Afinal, ele havia sido criado para os campos de batalha e isso estava enraizado em seu sangue. Wanda vinha trabalhando em sua cabeça, tentando fazê-lo desistir dessa ideia idiota, mas sabia que era com falar com o vento. Pietro havia repetido diversas vezes que nada, nem ninguém, poderia toca-lo agora que tinha seus poderes, mas as memorias de seus sonhos estranhos ainda a assombravam. E se ele não fosse rápido o suficiente? As vezes ela queria mata-lo por ser tão teimoso e impulsivo. Mas se ele decidisse que realmente queria entrar para os tais Vingadores ela não poderia fazer nada além de segui-lo para garantir que voltasse vivo para casa.

-Nós não decidimos sobre isso ainda... Mas como sabe que ele vai vir? Parece que tudo o que ele quer é distancia de nós dois.

-Eu o conheço muito bem. Rogers e Barnes são meus parceiros favoritos para a maioria de minhas missões e aprendi muito sobre os dois nesse meio tempo. Ambos estão envolvidos em uma espécie de relacionamento proibido também... Ele pode ser certinho, mas ainda acredita que o amor está acima de qualquer coisa.

-Relacionamento proibido? Do que está falando? -A curiosidade a picou com força. Ela nunca havia ouvido nada sobre alguém que pudesse estar em uma relação como a dela.

Pela primeira vez em sua vida, Wanda viu as bochechas de Natasha ficarem coradas. A ruiva abriu a caixa de madeira que carregava e pegou o belo colar de pedras vermelhas como sangue. Wanda sorriu ao ver a peça, uma das poucas coisas que haviam conseguido salvar do castelo antes de terem de partir.

-Não cabe a mim falar mais do que isso. Apenas abra seus olhos e observe com cuidado. Para o trabalho que temos, os dois não sabem mentir muito bem. Agora vamos focar nesse casamento, antes que Pietro desista de esperar e a sequestre.

***

Wanda havia recusado uma festa de casamento pomposa.

Natasha havia insistido que eles poderiam organizar uma grande e luxuosa festa, contudo a simplicidade do que Wanda havia planejado ganhara seu coração. A cerimonia aconteceria no jardim da grande casa a qual ocupavam agora e tudo fora decorado com flores que combinavam com o arranjo que descansava em seus cabelos.

Um caminho havia sido criado com os arranjos de flores, levando-a diretamente ao altar construído em madeira e ferro, e decorado com panos transparentes e mais flores. O sol lhe acariciava o corpo com a gentileza de um carinho, aquecendo-a como a seu coração. Ela mal podia ver alguma coisa com a luz em seus olhos, mas não era preciso enxergar para que soubesse onde ele estava.

Pietro mal conseguia se manter parado. Desde que descobrira seus poderes esse vinha sendo seu maior desafio, desde que o tempo sempre parecia passar em um eterno vagar. E naquele momento isso se tornava sua maior tortura. Tudo o que ele queria era poder correr até ela e a carregar em seus braços para que pudessem terminar aquilo o mais rápido possível.

Ele simplesmente não podia acreditar que ela iria ser a sua esposa.

Aquela nova vida estava sendo uma perfeita mistura da realização de um sonho com uma tortura. Ninguém ali sabia quem eles haviam sido em suas recentes vidas passadas ou mesmo que eram irmãos, e, ao mesmo tempo em que isso tornava possível que se casassem, isso os havia mantido afastados pelos últimos meses. As regras sociais – estas quais eles deveriam seguir a risca afim de não levantar suspeitas junto ao povo – lhes diziam que não poderiam viver juntos enquanto não se casassem, de forma que ele ficara completamente sozinho em sua mansão e ela vivera com Natasha durante aquele tempo.

Os gêmeos passavam o dia juntos, mas sempre tinham de se separar quando a noite caia. É claro que ele, sendo o rebelde que era, quebrava as regras todas as noites ao visita-la em seu quarto. Isso lhe trazia um toque de saudades das noites em que se esgueirava para a cama dela no castelo, mas no geral era apenas uma tortura que não pudesse agir como queria em público.

Ambos haviam ganhado novos passados ao chegar na cidade. Natasha passara todo o tempo em que Wanda levara para se recuperar mandando cartas e organizando tudo para que suas novas vidas estivessem á sua espera quando chegassem em sua nova casa. Agora eles possuíam vidas completamente diferentes. Wanda continuava sendo uma criança Romani, filha de ciganos que haviam construído uma vida em uma pequena cidade muito distante dali. Todos haviam concordado em seguir uma linha diferente para ele, por conta de sua pele consideravelmente mais clara do que a da irmã, e agora Pietro era o herdeiro de uma fortuna feita através de joias.

Os dois haviam se conhecido depois que ele a vira na cidade e imediatamente se apaixonara. Contrariando sua família, ele havia pego toda a herança deixada por seus pais e partido com sua noiva para o mais longe possível afim de viver sua história de amor. Era um tanto triste que não pudessem falar sobre a família que haviam deixado para trás, mas o fato de que haviam adotado o sobrenome da mãe lhes dava um pouco de conforto.

Inicialmente ele ficara surpreso e intrigado sobre como ela fora capaz de conseguir tudo aquilo em tão pouco tempo, mas agora que ele conhecia sobre a organização que ela encabeçava – junto a um homem mesquinho que não o agradava -, parecia que fora tão simples quanto um estalar de dedos. E ele ainda não podia acreditar que estavam prestes a se tornar parte daquilo também.

Pietro sempre fora avesso a ideia de ser rei, contudo, a parte de ajudar seu povo havia sido um interesse constante. Se ele havia sido agraciado com o dinheiro, e agora os poderes, para salvar vidas, por que não deveria fazê-lo? Jamais seria capaz de desperdiçar sua vida como um lorde novamente, não quando sabia que poderia ser muito mais útil no mundo lá fora. E ele tinha certeza que Wanda pensava da mesma forma, mesmo que a preocupação por tudo o que já haviam passado a fizesse se afastar.

Sua mente deixou de vagar quando Wanda segurou sua mão. O coração dele deu um salto e Pietro sentiu sua realidade se ajustar lentamente a imagem diante de seus olhos. Por muitas vezes, devido aos poderes dela, ele havia se perguntado se era possível que Wanda fosse uma deusa. Agora ele tinha certeza de que era exatamente isso.

Seus cabelos estavam mais longos do que ele já vira, caindo ao redor de seu rosto e emoldurando seu corpo até depois da cintura. Pequenas tranças haviam sido espalhadas esporadicamente por toda a sua extensão e uma coroa de flores vermelhas descansava no topo de sua cabeça. Seus olhos brilhavam como duas esmeraldas brutas mas seu rosto possuía o verdadeiro brilho de pura felicidade.

Por um momento o mundo dele parou.

Pietro apenas queria poder eternizar aquele momento para sempre.

Ela sorriu e segurou sua mão com mais força.

-Está pronto para isso? -O gêmeo mais velho se inclinou a beijou sua testa.

-Eu sempre estive pronto.

***

O grito de Wanda cortou a noite agitada, sendo seguido de perto por um raio.

Pietro se levantou no mesmo segundo apenas para ser empurrado de volta na cadeira por Steve Rogers. Os dois estavam trabalhando juntos por dois anos, porém ele ainda ficava surpreso pela força dele. Bucky soltou um sorrisinho e relaxou os braços. Ele permanecia recostado contra a parede, aparentemente relaxado, mas sempre pronto para pegar Pietro no momento em que ele tentasse escapar novamente.

-Ela está sentindo dor, eu preciso entrar lá. -Ele esperava que Steve fosse escuta-lo. Havia levado algum tempo, mas por fim ele havia cedido e aceitado o relacionamento dos dois sem mais julgamentos. Wanda havia estado no auge de sua felicidade por um longo tempo depois disso. Inicialmente Pietro havia posado como o irmão protetor que ele ainda era, mas com o tempo ele percebera o quão protetor Steve também era.

Em dois anos ele havia sido um pai melhor para Wanda do que Erik durante toda a sua vida.

-Strange e a parteira estão fazendo seus trabalhos. Você vai apenas atrapalhar todo mundo. -Pietro respirou fundo e esfregou suas têmporas

-Como vocês esperam que eu apenas me sente aqui enquanto ela está sofrendo?

-Não há nada que possamos fazer agora. -Natasha suspirou e bebericou seu chá.

Pietro ficara surpreso quando todos haviam aparecido em sua porta logo depois que ele havia mandado alguém para buscar Strange, mas era assim que sua nova família funcionava. Durante os últimos dois anos inúmeras discussões haviam estourado e sido resolvidas, contudo, todos sempre acabavam se perdoando e estando lá um para os outros, não importando para o que.

Outro gritou ecoou pelo quarto silencioso e Pietro fincou suas unhas nos braços da cadeira de madeira sólida.

-Tudo bem, eu vou ver como ela está. Mas você vai continuar sentado bem ai. -Nat suspirou novamente e colocou sua xícara sobre a mesinha. Ela se levantou com uma elegância que apenas ela poderia exibir naquela situação e caminhou em direção a porta com a barra de seu roupão balançando junto ao seu andar.

O ar dentro do quarto estava carregado com o cheiro de suor. O calor era quase insuportável mesmo que todas as janelas estivessem abertas e não houvesse nenhum sinal de uma lareira acessa.  Imediatamente os gritos ascenderam a um nível em que as paredes começaram a tremer ligeiramente. Natasha recuou em direção a parede sem saber exatamente o que fazer. Aquela estava longe de ser a sua área de especialidade.

Uma das muitas mulheres ao redor da cama se afastou segurando um bebê em seus braços. A criança chorava escandalosamente, mas esse parecia ser o único som dentro do quarto. Todos seguravam a respiração dentro do quarto enquanto Dasha tentava trazer a feiticeira de volta para a sua realidade.

-Tem alguma coisa errada. -Natasha ouviu Pietro dizer do lado de fora antes que ele entrasse no quarto como um furacão.

Em um piscar de olhos ele estava ao lado de Wanda, empurrando qualquer um que tentasse se colocar em seu caminho. Pietro se colocou de joelhos ao lado da cama e agarrou a mão sem vida dela. Ela ainda estava respirando, mas mesmo os movimentos de seu peito pareciam erráticos e leves demais para o gosto de qualquer um ali dentro.

-Vamos lá querida. -Dasha enfiou aqueles malditos sais em baixo do nariz dela e imediatamente Wanda remexeu os olhos. -Temos um segundo bebê para trazer a esse mundo. -O rosto de Wanda se transformou em uma careta de dor e ela se sentou tão subitamente que assustou ao irmão. Sua pele banhada de suor brilhava na luz fraca e pareceu ganhar um tom quase fantasmagórico quando ela gritou novamente.

Pietro sentiu seu mundo inteiro tremer. Strange e Dasha haviam avisado sobre os perigos que aquele parto poderia trazer a ela. Dar à luz a gêmeos não era uma tarefa fácil e os riscos para ela pioravam quando uma daquelas crianças estaria herdando seus poderes. Dar vida a um ser magico poderia custa-la sua própria vida, mas Wanda nem ao menos piscara diante da ideia de passar por tudo isso.

Ela derrubaria o mundo por aquelas crianças.

Porém estava começando a achar que talvez não fosse forte o suficiente para isso. Thomas havia sugado toda a sua força e apenas a dor excruciante lhe impedia de cair em seu sono indolor novamente. Nem mesmo sua mágica parecia lhe dar qualquer tipo de apoio enquanto sentia que não era capaz de se mover. A sensação das mãos quentes de Pietro contra sua lhe trouxera um frescor que ela não esperava, mas ainda não era o suficiente.

Wanda sabia que ela iria acabar morrendo naquela cama.  Contudo, isso não a assustava, não quando estaria dando sua vida para que seu filho pudesse viver. Sua única preocupação era que seus filhos teriam de crescer sem uma mãe, exatamente como ela. E Pietro... Ele jamais conseguiria viver sem ela, mesmo que isso significasse que seus filhos seriam órfãos.

Não. Ela não iria morrer ali. Ela não podia morrer daquele jeito.

Sua respiração ficou presa em sua garganta quando ela ouviu que precisava começar a empurrar. Simplesmente não tinha forças para tal. Seu corpo a desobedeceu e deslizou para a cama mais uma vez. Wanda sentiu seu coração bater com mais força enquanto ela dizia para si mesma para levantar, mas os pontos de luz brilhando ao longo do quarto eram um sinal obvio de que ela iria desmaiar novamente.

Ela não tinha certeza de quanto tempo se passou, mas ela já não podia ouvir nada. Seus olhos pegaram um movimento no canto da sala, como se as sombras estivessem se movendo antes de sua visão se apagar completamente. Calor irradiou de sua testa para seus braços e posteriormente para sua barriga, onde se concentrou.

A sensação era parecida com a que sentia todas as vezes em que Pietro se inclinava para beijar sua barriga. Seus olhos não estavam abertos, mas de alguma forma ela podia ver. Wanda não tinha ideia de como isso estava acontecendo, porém ela podia ver o quarto com todos os seus detalhes. Até mesmo Pietro parado como uma estátua, preso na forma como ele se inclinava sobre ela e segurava sua mão com força.

Então ela a viu, parada bem atrás de seu irmão. Seus longos cabelos castanhos lhe caiam sobre as costas e ela ostentava uma roupa típica dos Romani, linda como a própria deusa da vida. O brilho em seus olhos verdes e profundos parecia atravessar a escuridão conforme ela se inclinava sobre a filha e lhe beijava a testa novamente.

-Mãe... -Wanda suspirou em um misto de alivio e dor. -Como você conseguiu? Eu não... Não tenho forças para isso. -Natalya sorriu e se sentou ao lado dela, seu corpo semi-translucido transpassando todos os outros corpos na sala.

-Oh querida, eu achei que fosse morrer também. Você foi uma criança tão difícil, mas sempre foi a minha maior benção. Todas nós achamos que não somos capazes, sua avó pensou a mesma coisa quando estava me dando luz e a mãe dela também... Acredite em si mesma e em seu poder.

-Estou tão cansada...

-Eu sei. -Sua mão fantasmagórica correu os dedos pelos cabelos da filha. -É por isso que estou aqui. Agora, é hora de empurrar.

Wanda não teve tempo de assimilar tais palavras antes de ser empurrada de volta a realidade com um grito preso em sua garganta. Sua cabeça martelava incessantemente conforme seu corpo lutava para que seu filho, o herdeiro de sua magia, viesse ao mundo. Depois do que lhe pareceu uma eternidade eles finalmente levaram o menino silencioso para longe de seu corpo.

Ela não conseguia respirar, não até ouvi-lo chorar. O silencio parecia esmagador enquanto todos seguravam suas respirações em antecipação. Então, como se os céus estivessem se abrindo para receber os dois bebês, o choro estrangulado varou a noite. Wanda deixou seu corpo cair sobre as almofadas mais uma vez e respirou fundo, agradecendo aos poderes que haviam lhe permitido sobreviver a aquela guerra pessoal. E a sua mãe, Natalya.

Pietro caminhou lentamente até ela. Ele nem ao menos piscava ou desviava seu olhar no pequeno pacote de pano que carregava em seus braços. O bebê parecia estar agitado apesar de quieto, seus olhos viajando para todos os cantos do quarto como não pudesse esperar para ver tudo.

-Ele se parece comigo. -O loiro anunciou com orgulho ao lhe entregar seu filho mais velho. E realmente, ambos se pareciam muito. Cabelos loiros e olhos extremamente azuis, mas a curva do nariz não poderia ser de ninguém mais além de Wanda.

-Thomas, meu pequeno Tommy. -Segurar seu bebê lhe distraiu por alguns segundos antes que Dasha surgisse em seu campo de visão trazendo seu segundo filho.

-Esse pequeno vai precisar de alguns cuidados especiais, sua magia é tão rara quanto a da mãe. Mas ambos são completamente saudáveis e perfeitos. –“Vocês tiveram sorte.” Ninguém havia dito nada, mas Wanda podia ouvir a frase silenciosa pairando no ar. Ela não era burra, sabia bem quais eram os riscos de filhos gerados de irmãos, principalmente gêmeos, mas agora que tinha a garantia que ambos os seus bebês estavam bem nada mais importava.

-William. -Ela suspirou ao manobrar Thomas para que pudesse segurar os dois ao mesmo tempo.

Se Thomas se parecia muito com Pietro, William era uma copia dela mesma. Cabelos negros tomavam toda a sua cabeça e seus olhos verdes saltavam através de sua sonolência sossegada. Imediatamente ela sabia que ele seria como ela: quieto e inteligente.

O calor da presença de Pietro foi o suficiente para que ela se esquecesse do resto do mundo. Aquilo ainda parecia ser apenas um sonho. O peso dos gêmeos em seus braços lhe era tão irreal quanto a ideia de que ela finalmente poderia viver o seu “felizes para sempre”. Parecia que a qualquer momento alguém poderia aparecer e roubar sua felicidade.

Mas aquilo era real. Tinha de ser. O amor que transbordava em seu peito jamais poderia ser coisa da sua cabeça ou produto de sua imaginação. Tudo pelo o que estavam lutando, e tudo o que haviam deixado para trás, era tão real quanto sua própria existência.

-Meus filhos. -Wanda suspirou e beijou as pequenas testas dos dois garotos. -E meu marido.

Pietro lhe beijou os lábios em um doce carinho.

-Nossa família.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...