História YoungNow - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance Adolescente
Visualizações 4
Palavras 2.071
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


SiSfantasy...
eu mesma...

Capítulo 15 - Capítulo 15


-Faltas-te ás aulas de tarde na sexta Bela! Porquê?

Chego a casa e o meu pai está com uma cara muito séria. Mas como é que ele soube?

-pai desculpa, é que tive de fazer um trabalho de grupo e a pessoa com quem estava a fazer o trabalho tinha tarde livre

-mas essa pessoa não é da tua turma?

-não, o trabalho era para as aulas de Espanhol que são em conjunto com outras pessoas de outras turmas

-aí é?

-sim

-mas eu não quero que voltes a faltar a nenhuma falta, ouviste Bela? Ou queres chumbar de novo?

-não pai, não volta acontecer

-então e agora como é que justifico esta falta?

-sei lá, escreves na caderneta que tive de fazer um trabalho de grupo para as aulas de Espanhol

-mas isso é para fazer nos tempos livres ou intervalos

-mas a pessoa com quem fiz, nunca a vi-a nos intervalos

-então fazias tu a tua parte

-e eu fiz, mas tinha que haver uma parte que fazimaos juntos

-está bem, então escreve o recado

-não posso ser eu a escrever, tem que ser o Encarregado de Eduacação

-e o quê que eu escrevo?

-que a Isabela faltou ás aulas de tarde de Sexta-feira para fazer um trabalho de grupo para as aulas de Espanhol

Pego na minha caderneta e dou ao meu pai.

O fim de semana é passado com o meu pai chateado e mandar bocas para mim. Ele faz sempre isso, para me provocar e acabo sempre a chatear-me e gritar ao discutir com ele. Mas finalmente a Segunda chega e com Ciências para primeira aula do dia.

Na verdade nesta semana não ocorre nada de interessante, tive 4 testes, Segunda Português, Terça Matemática, Quarta História e Sexta Físico Química. A Bárbara faltou na Quinta feira, não sei porquê nem quero saber. Não vi o Leo em nenhum dos dias no recreio, nem nas aulas de Espanhol.

Na outra semana, tive Teste de Inglêss na Segunda, Quarta Ciências, Quinta Espanhol e Sexta Geografia. Estas duas últimas semanas foram horrores de estudo e testes. Não deu para mais nada, mas agora posso respirar um pouco e na Segunda começo o dia logo sem aula. Eu e as minhas amigas vamos para o átrio conversar e passar o tempo, quando vejo o Leo a entrar na escola e ir para a secretaria. Observo o mais discretamente possível, ele acaba o que queria, entra no átrio a olhar para o papel, soube as escadas sem olhar para mim e vai para a aula. Achei isto muito estranho. Na sexta dormimos juntos e agora nem olha para mim.

No recreio da aula de Dt. Al para Ev há tarde, ao sair da casa de banho na conversa com a Lara e a Maria, distraiu-me por um pouco a olhar para o corredor, a ver se vejo alguem conhecido e quando volto a olhar para a frente vou contra alguem. O Leo está com uma gigante nódoa negra no olho direito e a boca em Frida no canto. O que se passou com este rapaz? Não estava assim na semana passada.

-estás bem?

Pergunta-me ele.

-sim e tu?

Pergunto isto a referi-me aquele olho que está horroso, mas mesmo com o olho negro e os lábios rebentados este sacana continua bonito para caramba, Meu Deus!

-tambem, vais ter aula agora?

-sim e tu?

-não, vou me embora agora

-andas-te a porrada foi ou bateste contra um poste?

Ele põe os dedos nos lábios e depois ri-se.

-foi mais ou menos os dois, porquê, estás preocupada?

-sou estou a ser simpática

-parabens, conseguiste

Ele contorna-me e vai embora.

-quem é este?

Pergunta-me a Maria. Ela é das aulas de Françês é por isso que não o conhece.

-ele é da minha turma de espanhol

-é bonito

- e gostoso

-e estúpido, podem acreditar

Toca e vamos as três para a aula que eu sou realmente boa, ou secalhar é a única disciplina que sou boa. Artes.

Há noite estou a conversa no grupo da turma do WhatsApp.

(Valente- Bela esta é para ti. Que país tem duas sílabas e uma dá para comer?

Gigante- Cuba?

Valente- JAPÃO BELA

                JAPÃO

               POR AMOR DE DEUS. QUE POCA VERGONHA)

Fico mais um pouco há conversa com os meus colegas. Fico a ofende-los, por assim dizer, porque só estão rapazes online e a chatear-me o juízo.

Na terça feira, no intervalo, eu e a Duda decidimos aproveitar e sair da escola. Não sair para ir dar um passeio, simplesmente ficar no portão a procura de alguem conhecido, ou ficar a falar a um canto. Qunado saimos, reparo que o Leo esta a fumar com um grupo de amigos dele.

-está ali o Leo...

Começa a Duda, só que no mesmo momento vejo o Marques, que foi da nossa turma o ano passado, mas chumbou. Ele era chunga, já fazia merdas ao final do ano e parecia que tinha uma paixoneta por mim. Vi-o a conversar com o Valente e o Gonçalo á porta da escola. O quê que ele está aqui a fazer?

-não, olha ali o Marques, bora ter com eles

Puxo a Duda para ao pé dos três.

-olá

-Bela!

Abroço-o. Nós já fomos melhores amigos, mas depois ele começou a ser parvo e afastei-me, mas ele mesmo assim considerava-me a sua melhor amiga. Fico abraçada a ele o resto do tempo para ver se o Leo nota. Mas porque raios quero eu fazer lhe ciúmes? Não sei, mas vamos arriscar.

-voçês conhecem-se?

Pergunta o Gonçalo.

-sim, fomos da mesma turma o ano passado

Responde o Valente.

-e tu conheces-o?

Pergunta a Duda curiosa.

-sim, ele passa no meu bairro muitas vezes e de vez enquando apanho-o com o meu primo

-és da boa Vista?

-sou, desde nascença

-então e tu estás aqui a fazer o quê?

-vim falar com o Gonçalo

-e baldaste-te ás aulas?

-já não ponho os pés naquela escola há 1 semana

-não pode ser assim, tens que passar este ano ou vais passar o resto da vida no 8º?

-nem sei como é que passei do 7º

-tiveste saudades minhas?

-não

-aí é?

Afasto-me e ele começa a rir-se.

-estava a brincar

Ele agarra-me com força, abraça-me e beija a cara com aqueles lábios gigantes que dá nojo. O quê que eu faço? Limpo os seus beijos e começo a gritar para chamar atenção. Está a começar a funcionar, chamei atenção do Leo e dos amigos.

-voçês já namoraram?

Pergunta o Gonçalo.

-estás a brincar? Ela é a minha melhor amiga

-tecnicamente nós namoramos a fingir. Lembras-te por causa daquele rapaz que gostava?

-sim o Gabi, estavas sempre a fugir dele

Vejo o fumo a sair das orelhas do Leo, só pela minha complicidade com o Marques.

-pois era, esse rapaz era giro ao longe mas feio para caralho ao perto

-bem tenho que ir embora. Vou ter com o meu melhor amigo

-ok, adeus

Dou um beijo de despedida ao Marques antes de ir embora só para a cereija no topo. Ele vai embora, olho de relance para o Leo que não tira os olhos de mim e entro novamente para a escola quando toca, com a Duda.

No final das aulas da parte da amanhã, dá o toque para a saída e sou a primeira a sair com a Duda, o David, o Danilo e o Santos para ir apanhar o autocarro. Hoje o meu pai foi para fora e tenho que ir para casa de transportes públicos, mas o problema é que hoje é greve de transportes públicos e cada autocarro vai demorar pelo menos meia hora para chegar. Por isso nós os 5 que vamos para casa de autocarro, pomo-nos encostados á parede da escola a conversar até chegar. A paragem é já á frente e se chegar algum damos uns 6 passos e já estamos prontos para passar o passaporte. Muita gente ainda está a sair da escola, uns vão embora, outros ficam há espera dos pais, outros ao portão a conversar e outros que fazem como nós. Esperam por autocarros. Ouço uma mota e sai de lá alguem da escola, tem capacete por isso não dá para saber quem é, mas sei logo que é o Leo por causa do formato e a cor da mota. Ele sai atropelando quase toda agente que lhe aparece á frente e pára no sinal vermelho mais á frente. Só que algo acontece, não percebo bem, com outra mota que está parada começa a refilar. O Leo passa-se, sai da mota, manda com o capacete para o chão e atira-se há outra pessoa.Os dois começam a porrada no meio da Estrada de sinal vermelho, com carros apitar e pessoas a ver. Alguns amigos do Leo vão a correr separa-los e vejo que estava a porrada com um rapaz jovem e não muito mais velho que ele. Mas os dois levaram bem um do outro. O rapaz vai embora na mota ao zig zags quando o sinal dá verde e o Leo é levado pelos amigos para ao pé da escola. O João Pedro trata de tirar a sua mota do meio da Estrada enquanto os outros tratam dele.

-bora ver o que é!

Diz a Duda, ela quando se trata destas coisas quer ser sempre a primeira a ir ver e saber de tudo, mas desta vez tambem quero saber de tudo. Trata-se do Leo. Vamos as duas a correr agarradas, mas têm um monte de gente á nossa frente.

-afastem-se!

Diz o Pedro, afastando toda a gente assim dá para ver melhor. Uma rapariga está a ver o que ele têm de partido, as suas pernas e braços estão cheias de arranhões, tem outra nódoa negra no queixo e boca novamente a sangrar. Estou preocupada com ele, para além de tudo. Ele repara em mim no meio daquelas pessoas todas, lança-me um olhar sério e levanta-se.

-deixa-me! Vou me embora!

-mas estás magoado Leonardo

-isto não é nada

Ele vai a coxiar até á sua mota.

-tens a certeza meu? Eu posso te levar

Leo abana a cabeça dizendo que sim, Ele e o Pedro põe os capacetes, metem-se dentro da mota e arrancam deixando todos a olhar. Finalmente o autocarro chega e vou para casa mas a minha cabeça ficou no Leo. Será que está bem? Devo mandar mensagem? Pergunto primeiro há Bárbara

(Bela- oi Bába, já sabes o que aconteceu com o Leo? Como é que ele está?)

5 minutos depois, obtenho a resposta.

(Bárbara- oi Bela, o Leo já foi ao hospital, mas quando saiu não disse nada. Estava muito zangado, tambem não sei porquê por isso não sei de nada. Só sei que já está em casa.)

(Bela- será que me podias dar o número dele para perguntar só se está bem?)

(Bárbara- eu tentei falar com ele, não me atende ás chamadas, não responde ás mensagens mas se calhar tu tens sorte. 968 727 917, tenta e se souberes de alguma coisa avisa-me)

(Bela- obrigada, está descansada que eu aviso. Beijos, Até amanhã)

Marco então o número e mando uma mensagem, não vou estar agora a telefonar.

(Bela- olá Leo, sou eu a Bela. Eu vi o que aconteceu hoje e fiquei preocupada. Tentei saber pela Bárbara mas a única coisa que ela me disse é que estavas zangado. Quando poderes responde-me, só para saber se estás bem. Até amanhã)

Espero 1, 2, 3 horas mas nada e acabo por adormecer.

No dia seguinte acordo bem cedo, não dormi quase nada a noite passada. Não sei se foi por estar preocupada com o Leo, mas hás 6 da manhã já estava de pé. Aproveitei e fui tomar um banho, tomar o pequeno almoço e depois fiquei á espera que o meu pai chega-se depois de ir levar a minha mãe ao trabalho, para me ir levar há escola.

Aproveitei e fui ver se o Leo já me tinha respondido e nada. Zero batatóides. Se calhar ainda não viu, tambem ainda é cedo, pode estar a dormir ainda. Enquanto isso carrego nuns botões e vejo o número que me mandava mensagens anónimas, que ao ínicio pensava que era do homem que me tentou violar, mas depois de ele morrer continuaram a mandar e eu nunca soube quem era. Comparei esse número com o número do Leo e é o mesmo número. Como pode ser? Era ele que me mandava aquelas mensagens todas?


Notas Finais


(Continua...)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...