História YoungNow - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance Adolescente
Visualizações 3
Palavras 2.296
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


SiSfantasy
eu mesma...

Capítulo 16 - Capítulo 16


A escola na terça não demorou muito a chegar, começando logo com Espanhol. Ansiosa e ao mesmo tempo nervosa para ver o Leo, será que está bem? Ele não me chegou a responder e tambem aquela situação das mensagens ter que ser esclarecida. Chego á sala e não vejo-o, vou para uma mesa perto da que ele fica. Fico toda a santa aula á espera que ele aparece atrasado, com alguma desculpa, mas nada, até que alguem bateu á porta.

-sim?

Diz o professor, nessa Altura toca e toda agente começa arrumar. Quem resolve aparecer é o Leo, já vem um pouco tarde acho. Ele vai direto ao store e põe-se a falar com ele, enquanto as pessoas iam saindo para o recreio. Eu queria ficar a ouvir a conversa, mas a Laura obrigou-me a ir com ela á casa de banho. Não sabe ir sozinha? Tambem não a posso censurer muito, porque eu tambem faço isso.

Mal sai da casa de banho, vi o Leo a passar por mim com uma velocidade espetacular. Nem tenho tempo para o chamar. Talvez consiga no outro intervalo. Ok, não consigo esperar tanto tempo e se vou assim para a aula de E.F, não vou fazer nada de jeito, aproveito e chamo o Tiago que está a passar no corredor dos caçifos.

-Tiago!

Ele aproxima-se com um sorriso.

-olá

-olá, desculpa, mas eu gostava de te perguntar uma coisa

-força!

-o Leo está bem?

-como assim?

-eu vi ontem ele á porrada por causa das motas, e...

Ele começa-se a rir.

-o que foi?

-ele não estava á porrada por causa da mota

-então?

-ele estava chateado e nervoso, é assim que ele resolve as coisas

-á pancada?

-tudo é razão para ele andar á pancada, ele é assim

E é por isso que o adoro! Espera, eu acabei mesmo de dizer isto? Não!

-ele estava zangado com o quê?

-cenas dele

-e continua?

-sim, não passa do dia para a noite

-comigo passa

-mas com ele até pode passar dias

-meu deus

-era só isso?

-não...

Eu não posso falar com ele sobre o número. Tem que ser com a própria pessoa.

-...esquece não é nada

-sendo assim vou para a aula

-ok

Ele dá um passa para a frente e outro para trás. Esqueceu-se de alguma coisa?

-há e Bela, não sabes mesmo porquê que ele está chateado?

-não, deveria saber?

-se fosse a ti pensava um pouco, mas sem pressões. Adeus

-tchau

O quê? Ele não me vai dizer que a culpa de ele estar furioso com o mundo é minha. Ou vai? Estou confusa. É melhor ir para a aula.

Depois das aulas, não vejo o Leo em lado nenhum. Foi como se tivesse desaparecido, não entendo nada. Porquê que não entendo nada? Será que está mesmo há frente dos meus olhos e eu não consigo ver? Odeio não entender nada. Eu tenho um certo suspeite que o Leo esteja assim por causa de mim, depois daquele olhar furioso que me mandou antes de andar á porrada com o motoqueiro. Mas tenho as minhas dúvidas e posso estar errada. Em toda a minha vida iludi-me com rapazes, mas jurei a mim mesma que este ano não ia iludir com nenhum rapaz. Mas já vi que será um pouco mais dificil que isso.

Saiu da escola e vejo o carro do meu pai estacionado á porta do supermercado que há perto da secundária. Vou até lá e vejo-o. Entro dentro do carro e cumprimento.

-pai eu disse te que não quero que me venhas mais buscar

-disseste?

-sim disse antes das férias terminarem. Fui bem clara

-então vais a pé?

-não vou de autocarro como todos os jovens da minha idade. Quero ser mais independente percebes

-ok, então não te venho mais buscar

Vejo pela sua voz que ficou chateado, mas tem que ser assim. Eu quero ser independente, não quero ser dependente dos meus pais para sempre.

-foste ás compras?

-sim, comprei umas coisas para o jantar

-e a mãe?

-a tua mãe não me disse nada o dia todo

-sabes se ela ia para o ginásio ou clinica?

-disse ontem que ia para o ginásio

-ok

Passamos a viagem em silêncio, até chegar ao prédio da minha explicadora. Desde que os testes acabaram, não vim mais aqui. Quando entro no prédio, subo o elevador e porta se abre dou de caras com a minha explicadora, num ar sorridente e maroto.

-olá Rosário

-esteve desaparecida

-eu sei desculpe

Quando passo pelo corredor e entro na sala, não acredito no que vejo. Só posso ter os olhos iludidos ou coisa do gênero.

-olá, Bela

Diz a minha prima. Ela não é bem a minha prima. As nossas mães trabalham juntas á 24 anos, e só para que saibam nunca se deram bem. Mas eu e a Mariana, como nos conhecemos desde pequenas, tratamo-nos como primas, e trato de tia á sua mãe.

Aproximo-me, sento-me na mesa que não está assim tão cheia e continuo a olhar para a mesma pessoa.

-boa tarde Bela

É a mesma voz dele. Não acredito que este idiota vei-o para a minha explicação.

-o quê que estás aqui a fazer?

-conhecem-se?

Pergunta a Mariana.

-sim, ando na mesma escola que ela e temos Espanhol juntos

-fixe

- e voçês conhecem-se?

-sim, o Leo andou na minha escola, eramos até da mesma turma até ele ser expulso

-foste expulso duma escola?

-sim

-porquê?

-não te metas!

-estou a ver que voçês não se dão bem

-damo-nos ás vezes

-ele é mentiroso. Estamos sempre a discutir

-não sejas má e aquela vez que dormimos juntos?

-importas-te de calar a boca!

Sinto toda agente a olhar para mim. Até a minha prima está admirada a olhar para mim. Devem estar a pensar coisas bonitas, devem! Quando a minha explicadora sai por uns minutos, para ajudar a filha numa cena, só está 4 pessoas na mesa. Eu, o idiota, a minha prima e o Afonso que é um rapaz calmo e querido. Sinto necessidade de me explicar quando ele vai beber água á cozinha.

-Mariana não é nada do que tu estás a pensar. Nós só dormimos mesmo, numa festa. Estava no meio de 20 e tal desconhecidos, depois ficamos com medo por termos assistido a filmes de terror á noite em dia de Halloween. A luz faltou, alguem me trancou na casa de banho, depois o Leo ajudou-me, só que depois trancaram-nos aos dois num quarto escuro. Inventaram uma desculpa que a fechadura estava estragada e tivemos que ficar lá a noite inteira. O ar condicionado estava aberto, eu começei a congelar, o Leo juntou-se a mim para me aquecer e acabamos por adormecer assim, só isso

Digo isto duma forma mais rápida que consigo e com alguns tropeções nas palavras, consegui dizer tudo antes de a explicadora e o Leo voltarem á sala.

-calma Bela, eu não pensei mal de ti. Bem isso deve te sido mesmo fixe

-o quê que foi fixe?

-não te metas, onde não és chamado!

-meninos, vamos lá acalmar. Não vão começar agora a discutir no meio da explicação, se não separa-vos

Que boa ideia, por mim era mesmo agora. Passei a explicação toda descondortável com tudo nele, o sorrisinho cada vez que alguem dizia uma piada, as piadas secas que contava para toda agente rir, a maneira como tocava-me de prepósito com os pés debaixo da mesa. Que irritante. Já é mau ter que o aturar na escola, agora tambem tenho de o aturar na explicação. Isto só pode ser um pesadelo. Só pode mesmo!

Saiu mais cedo, porque não suportava mais. E vou para casa super chateada, ele conseguiu.

No dia seguinte, mal chego ao intervalo de Historia para Geografia vou logo confornta-lo. Sim de manhã não tenho tempo para falar com ninguém, chego sempre atrasada.

-tens algum problema?

-desculpa?

-sim, o quê que estavas lá a fazer?

-para quê que serve uma explicadora Bela?

-para ajudar a subir as notas

-e é isso o que eu estou a fazer

-estás a gozar? Tu tens notas altas, queres subir mais o quê? A minha irritação por ti?

-talvez

-estás a confirmar que foste para lá só para me provocares

-se o achas

-responde

-foi o que acabei de fazer

-não dá mesmo para falar contigo. Só mais uma coisa e juro que não volto a olhar para a tua cara. Foste tu que me mandas-te aquelas mensagens todas não foi?

-que mensagens?

Ele parece estar a sentir-se desconfortável. Ótimo, porque é isso mesmo que eu quero.

-no ínicio do ano começei a receber umas mensagens esquesitas, foste tu?

-e porquê que eu iria perder o meu tempo contigo?

-porque o número é o mesmo

-não sei do que estas a falar miúda

-sabes que mais? Nem precisas de admiti-lo, eu já sei a resposta

Viro costas e começo a ir embora.

-onde vais?

-para as aulas!

E vou me embora.

Já decidi que vou começar a fazer um jogo com o Leonardo que se chama. Fugir! É isso, se ele me irrita, o mais lógico é afastar-me dele, por isso quando tiver perto de mim, ou dirigir-me alguma palavra, ignoro-o ou fugo. Simples quanto isso. Quinta e Sexta decidi experimentar e correu bastante bem. Nas aulas ele tentava falar comigo ou pedir algo e eu fingia que não o estava a ouvir, nos recreios quando passava por mim e dizia um comentário desagradável, eu continuava andar e fugia o mais que posso. Foi tão calmo e divertido. A partir de agora é só isto que ele merece. Desprezo!

Na semana seguinte, sinto-me bastante bem por causa das notas dos testes. Ciências e Espanhol tive 53%, FCQ 63%, História 88%, Geografia 60%, Português 55%, Inglês 41% (nunca fui boa com línguas) e Matemática é que me desanimou mais e fui me a baixo com 34%. No ano passado não queria saber, podia passar sem ele, mas este ano tenho exames e preciso de subir a esta disciplina,se não chumbarei. E depois da aula de Matemática na Quinta, sentei-me nas escadas super triste, até que o Leo sentou-se ao meu lado.

-olá

-se me vais chatear ou dizer algum comentário estúpido podes ir embora

-é por isso que me tens ignorado estes últimos dias?

-exatamente

-o que tens?

-nada

-tens sim

-não, não tenho

-queres continuar com isto ou dizer me porque estas assim?

-assim como?

-triste. É alguma coisa com os teus pais?

-o que te leva a pensar isso?

-no outro dia falamos disso e pensei que...

-..não, não é por causa dos meus pais

-então...?

-não é nada de importante

-só eu sei se é importante ou não. Conta

-é da minha nota a matemática

-tiras te nega?

-sim

-e o quê que tem?

-eu preciso de ter positive neste ano, tenho exames

-isso não é importante

-foi o que eu disse

-então porquê que estás preocupada?

-eu tento tirar boas notas, não é por causa de mim

-então é por causa de quem?

-dos meus pais. Eu quero que eles tenham orgulho em mim, que quando os colegas deles perguntarem como vai a escola dos seus filhos, eles possam dizer que sou ótima aluna. Mas por mais que me esforçe… não sei, não consigo

-eles são isegentes?

-na verdade só pedem o minimo. Desde que tenha a partir de 50% tudo bem

-tens sorte, o meu pai quer sempre que eu seja o melhor da turma

-mas tu tambem não estudas e tens notas altas

-porque lei-o

-tu lês?

-sim, livros quando estou aborrecido. Sou curioso e ponho me a ler livros e ver documentários secantes sobre todo o tipo de merdas. Eu sei é aborrecido

-não, se é para te tornares inteligente, eu não gosto nada de ler, nem ver documentários

-já imaginava. A forma como lês na aula de Espanhol, não diria que sejas uma grande leitora

-idiota!

-tu tambem és inteligente Bela, se te esforçares um pouco mais

-mas é muito…. bem, na verdade sou muito preguiçosa

-já reparei

-não sei como é vou subir esta porra

-eu posso te ajudar

-podes?

-se quiseres dou te explicações de matemática

-mas é para isso que ando na explicação

-e dá resultado?

Ele aponta para o teste.

-não..

-então! Podemos combinar 1 ou 2 vezes por semana, quando tivermos um tempo livre e vais ver que no próximo teste vais ter a nota mais alta

-espero que sim

Ele levanta-se pegando na sua mochila.

-quando quiseres é só dizer

-obrigada

-pelo o quê?

-por me estares ajudar

-agradeces depois. Tchau

-tchau

Ele vai embora, desaparecendo e fico preocupada ao mesmo tempo que um pouco alíviada por ter ajuda de alguem mais ou menos da minha idade, que sabe a matéria muito bem e dá me só atenção a mim, não é como na explicação que tenho de ficar á espera para tirar uma dúvida. Agora a parte mais dificil vem a seguir. Contar aos meus pais!

Falta 1 mês e algumas semanas para ir para férias de Natal e estou um pouco ansiosa. Sei que não devo receber muitas prendas, que terei de passar o jantar de véspera de natal em casa dos meus tios com a familia toda, mas mesmo com isso tudo adoro o natal. Com as luzes todas brilhantes, iluminam as ruas de Lisboa e a sala da minha casa. Adoro montar a árvore de natal e o presépio além de já estar quase todo partido. Só tenho alguns animais, a maria, o jesus e os reis magos, mas falta o principal o josé. Com isso substituo-o pelo pastor de ovelhas que faz de josé, na sua ausência. O que conta é a intenção, não é? Mas não sei porquê sinto que este ano vai ser diferente, tenho um presentimento.


Notas Finais


(Continua...)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...