História Your arms, my lost - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Lílian Evans, Remo Lupin, Sirius Black, Tiago Potter
Tags Harry Potter, Marotos, Romance
Visualizações 57
Palavras 2.771
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Festa, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


MEIA NOITE É HORA DO QUE?
Fic fofinha porque sim.

Bom, depois do gemidão do zap que foi o capítulo anterior eis que veremos três momentos de Régulo e Zoey: O primeiro encontro, quando ele conta sobre ele e algo que acontece entre o último capítulo e o epílogo.
Achei a música perfeita para eles: Perfect, do Ed Sheeran, sério é a cara deles.

Agora, vamos ao extra! Boa leitura <3

Capítulo 38 - A professora


Fanfic / Fanfiction Your arms, my lost - Capítulo 38 - A professora

 

Régulo:

 

            Minhas pernas pareciam chumbo à medida que eu entrava no prédio vermelho de tijolos, tudo ali era desconhecido para mim: As pessoas passando apressadas, os gritos de animação, na verdade o mundo exterior ainda me assustava um pouco. Senti alguém apertar meu ombro e virei para encarar meu irmão, Sirius sorria para mim.

-Preparado?

-Nem um pouco- Admiti.

-Reg, vai dar tudo certo.

-E se... às vezes acho que aquele lugar me quebrou pra sempre- Desabafei e Sirius me parou no meio do corredor.

-Não quebrou, você está fora de Azkaban só à seis meses, leva tempo e sinto que aqui lhe fará bem.

-Sim, também acho...

-Sirius!- Uma moça chamou, ela era deslumbrante, meu impressionante como meu irmão era um imã de mulheres.- Oh então esse é meu substituto.

-Régulo, essa é a Alicia . Ela que te recomendou- Apertei sua mão mas ela me puxou para um abraço, parei na hora.

-Estou feliz de conhecer o irmão mais novo de Sirius, sei que você vai adorar dar aula para crianças, Régulo elas são maravilhosas.

-O- obrigado Alicia- Agradeci sem jeito, ela sorriu

-Não há de que. E você- Ela virou-se para Sirius- Já tomou vergonha na cara e voltou....

-Alicia, não começa- Sirius logo cortou, sabia exatamente do que ou melhor, de quem eles falavam. Alicia suspirou.

-Teimoso. Se eu não fosse apaixonada pela minha noiva eu teria conquistado a Mari- Ela disse- Bom vou indo, boa sorte Régulo, sua sala é a seis.

-O-brigado- Voltei a repetir e então veio o nervosismo. Professor de crianças trouxas? Quando disse a Sirius que queria me redimir por meus crimes nunca imaginei que seria assim. Eu simplesmente não sabia se gostava ou tinha paciência com crianças, mas aceitei do mesmo modo, eu queria recomeçar, e sabia que assim poderia ser um bom começo. Alicia nos levou para a sala, as crianças já estavam lá, ou seja minha hora chegara. Olhei para meu irmão que deu um sorriso de compreensão e me abraçou.

-Estou muito orgulhoso de você irmãozinho, sei que vai se dar bem- Tentei dar um sorriso confiante, mas na verdade eu estava apavorado. Sirius foi embora e Alicia deu um suspiro.

-Adoro seu irmão, mas ele fica tão soturno sem Mari- Então abriu um enorme sorriso – Pronto para enfrentar as crianças? Elas são piores que diabretes.

Estou- Mas soou mais como uma pergunta.

            Nada no mundo me prepararia para minha primeira aula. Nada me cansaria mais do que aquelas crianças, por um momento achei que elas acabariam comigo, mas quando o sinal das quatro da tarde bateu eu desabei na cadeira de professor. Elas não me deixaram respirar por um momento, queriam desenhar, ir ao banheiro, comer tudo ao mesmo tempo, e acho que mal dei aula, e sinceramente acho que não consegui que nenhuma delas gostasse de mim. Será que eu não serviria nem para isso?

-Tio Régulo?- Abri os olhos para ver que uma garota... Emily estava parada na minha frente- Eu peguei esse flor para o senhor- Ela mostrou uma flor branca e colocou na minha orelha.- O senhor vai voltar amanhã?

-Sim- Foi a única coisa que consegui falar, Emily sorriu

-Até amanhã Tio Régulo!- Ela saiu correndo para fora da sala e fiquei olhando abobalhado ela sair, aquele gesto aquecera meu coração.

-Se você conquistou um aluno no primeiro dia se saiu melhor que pensa- Uma voz disse  e olhei para a porta para me deparar com uma das professoras: Seu cabelo curto era ruivo e encaracolado, os olhos castanhos eram expressivos. Ela era baixinha e suas bochechas se destacavam, mas o que fez meu coração dar um salto era seu sorriso, tão carinhoso que ele faria uma guerra acabar. -Você deve ser o professor novo, Régulo  Black não é?

-Sim, e você ?- A jovem professora veio na minha direção e estendeu a mão.

-Zoey Night- Ela ampliou o sorriso.

            Seu soubesse como um nome mudaria tanto minha vida.

 

A verdade:

 

 

            Me espreguicei na cama, não parando de sorrir, virei para o lado sentindo seu perfume nos meus lençóis achando que não poderia ser mais feliz nessa vida. Zoey e eu havíamos tido nossa primeira vez e me sentia incrivelmente apaixonado. Fomos com calma, como se tivéssemos todo tempo do mundo e dividíamos uma cumplicidade na qual nunca havia experimentado.

Aquilo era amor.

            Vi a porta do meu quarto abrir e Zo veio, com seus cabelos ruivos bagunçados e ela usava minha camiseta da Sonserina como pijama,  seu rosto estava corado.

-Aconteceu alguma coisa?- Perguntei e ela veio na minha direção.

-Seu irmão me viu, assim! Quase sem roupa!- Não aguentei e ri.

-Ah não é nada, já flagrei coisa pior se tratando do Sirius- Contei, ela deitou se apoiando no meu peito.

-Vocês são bem diferentes.

-É, Sirius sempre foi o popular entre garotas. Na escola então nem se fala, as meninas suspiravam por ele, choravam...

-Não sei não. Ele pareceu.... Um bad boy- Zo comentou enquanto eu passava a mão por seus cabelos.

-E ele é- Confirmei- As garotas gostam disso e ela torceu o nariz- O que foi?

-Não acho isso atraente. Se estudássemos na mesma escola eu tenho certeza que eu suspiraria por você- Nos encaramos e beijei seus lábios.

-E eu por você – Falei.

-Então Sirius não tem ninguém especial.

-Ah ele tem, só é teimoso demais pra admitir. Ele teve uma namorada que era incrível pra ele, mas os dois terminaram por um mau entendido.

-Espero que eles voltem.

-Eu também, vocês se dariam muito bem- Disse mas parei vendo que ela me olhava com seus enormes olhos castanhos. – O que foi?

-Como é que fui conhecer alguém tão maravilhoso como você, Régulo?- Sua voz era baixa, mas tão cheia de sentimentos, assim como tudo nela e não pude deixar de me sentir culpado, eu não me sentia assim, nem de longe era o homem certo para Zoey, mas eu era egoísta e queria aquela preciosidade apenas para mim, só que para isso eu teria que contar a verdade para ela.

-Zo- Chamei me ajeitando na cama- Eu preciso te contar algo, algo sério.

-Deixe- me adivinhar, você é o irmão gêmeo do mal como naquelas novelas mexicanas?- Zoey brincou mas ficou séria ao ver meu rosto.- O que foi Reg?

-Tem um motivo para eu não entender o que você e os outros professores falam, ou quando caí da cadeira quando fomos num cinema 3D ver Thor. Eu não sou do mesmo mundo que vocês

-Como assim?- Me estiquei e tirei da gaveta minha varinha, ela olhou confusa.

-Você curte se fantasiar de bruxos?- Ela perguntou e dei uma risadinha

-Zo, eu sou um bruxo- Falei e o silêncio reinou naquele quarto, eu ouvia apenas alguns barulhos da rua.

-Bruxo?

-Daqueles de tirar um coelho da cartola?

-Daqueles que nascem assim- E apontei para o lado oposto do quarto -Accio livro!- E para provar meu argumento o livro veio voando na minha direção, ela arregalou os olhos para mim e então suspirou.

-Eu tinha uma vizinha, éramos melhores amigas só que depois que ela fez 11 anos ela se afastou de mim, falava que a escola dela era diferente que eu não poderia ir, mas eu sabia que tinha algo diferente, uma vez ela deixou cair um doce que parecia um sapo.

-Ela era bruxa. Quando fazemos 11 anos vamos para uma escola de Magia, Hogwarts e estudamos lá até os 17 anos.

-E isso precisa ser um segredo?

-Não exatamente, mas é mais seguro que trouxas... Pessoas que não são mágicas não saibam.

-Eu sou trouxa então?

-Bem, sim ...

-Vocês bruxos não ligam de conviver com nós... Trouxas?

-De modo algum- Disse veemente.

-E namorar uma?

-Zo-  Chamei olhando diretamente pra ela- Você é a mulher mais incrível e maravilhosa do mundo, nem se você fosse...Aqueles bichos estranhos de filme de terror me faria me afastar de você.

-Então vocês bruxos não se importam com isso?- Ela quis saber calma, e eu sabia que teria que contar a outra parte.

-Eu preciso te contar algo, e se você me odiar eu vou entender- Falei angustiado, eu poderia estar prestes a perder a mulher da minha vida, mas não poderia viver uma mentira com ela.- Minha família... Ela é uma das mais tradicionais do mundo bruxo, e bom... Para eles é importante manter a tradição, por isso casamos com bruxos chamados puro sangues. Minha mãe é uma pessoa muito difícil, eu e meu irmão fomos criados para odiar mestiço, nascidos trouxas e... Trouxas- Olhei para ela como quem pedisse desculpas.

-Mas vocês não parecem odiar.

-Sirius foi o primeiro a se rebelar. Quando fomos para Hogwarts ele foi selecionado para uma casa chamada Grifinória, e isso foi uma desonra para minha mãe, toda a família era da Sonserina.

-E você? Fui para a Sonserina, eu tinha medo afinal vi ele e nossa mãe brigando, ela o expulsou de casa. Foi horrível.

-Oh Régulo.

-É, tudo que ele fazia era o contrário do que nossa família presava. Minha mãe quase teve um treco quando descobriu que ele namorava uma garota que o pai era mestiço e a mãe estrangeira.

-Mas e você?

-Eu fiz coisas ruins... Achava que sangue era tudo que importava, ao sair de Hogwarts eu segui os passos de alguns bruxos que acreditavam que a solução era a limpeza de trouxas...

-Régulo... Vocês matavam?

-Eu nunca matei, Zoey eu te juro. Mas eu compactuei com isso- Quando percebi estava chorando, aquelas lembranças assolavam meus sonhos, os gritos. Os incêndios....- Eu paguei pelos meus crimes, mas não posso esconder isso de você eu fui uma pessoa ruim.

            Mais uma vez o silêncio, mas desta vez era muito mais pesado, por fim ela ergueu meu rosto e secou minhas lágrimas.

-Você se arrependeu?

-Sim. Todos os dias. Era tão ridículo o modo que eu pensava, hoje... Dar aula é minha razão de viver e você... Você é a junção de tudo que é bom nesse mundo Zo, eu não quero lhe perder, mas entendo se você fizer.

-Se esse é o Régulo de verdade, esse que está arrependido, não há motivos para eu me afastar- Ela falou sério e então beijou suavemente meus lábios- Até porque é por esse Régulo Black que estou apaixonada.

-Eu...- Segurei seu rosto- Eu te amo, Zoey.

-Eu também te amo, Reg.- Nos beijamos e juro que pensei que explodiria de felicidade, era como se o mundo se tornasse mais claro, mais belo. Rolamos na cama apenas aproveitando os toques, os beijos um dos outros até que ouvimos alguém bater na porta, vi apenas a cabeça de Sirius.

-Oi casal, desculpa atrapalhar só queria dizer que estou indo trabalhar irmãozinho, cuidem-se e isso foi por algumas noites atrás – Sirius fechou a porta mas sem antes dar um sorriso maléfico para mim. Falei um palavrão baixinho enquanto Zoey se escondia em meu peito morrendo de vergonha. Então nos olhamos e começamos a rir, era o riso de duas pessoas felizes e apaixonadas.

            Uma felicidade nenhum brasão ou tradição me traria.

 

 

 

 

Primeiro dia de aula:

 

 

Dei alguns passos para trás para olhar a sala de aula: Finalmente havia ficado do jeito que eu quisera para o retorno dos alunos, hoje faríamos uma caça ás maças e todo ambiente estava decorado com tema de outono, claro que a magia havia ajudado um pouco mas ainda sim estava orgulhoso do meu resultado, mal esperava para as crianças verem, e hoje seria um dia mais que especial...

-Toc toc- Ouvi sua voz e sorri. Zo estava no batente da porta, usando um vestido azul e seu costumeiro avental quando tinha algo com tintas nas suas aulas.- Gostei do resultado da sala.

-Fiz tudo sozinho- Me gabei

-Sua varinha não conta, Reg- Ela disse, fui até minha linda esposa e beijei seus lábios, na hora seu rosto ficou vermelho- Que foi?

-Aqui não!- Ela sussurrou

-Zo, toda escola sabe que casamos ano passado, nossos alunos até foram...

-Eu sei mas...- Seu rosto ficou ainda mais vermelho- Parece sempre a primeira vez que você me beija.

            Abracei minha esposa fortemente, eu nunca havia sentindo tanto amor por alguém, e por mais assustador que era no começo, não me cansaria nunca de estar apaixonado por ela.

-Eu também sinto isso, mas é injusto eu passar tanto tempo perto de você e não roubar nenhum beijo- Reclamei

-Deixemos para mais tarde em casa, agora vamos receber os alunos, ela começa hoje não é?

-Sim, mal posso esperar- Estendi a mão- Vamos, senhora Black?

-Vamos- Ela sorriu com a menção de seu sobrenome. No começo fui contra Zoey ter meu nome, temo pelo que minha família poderia fazer , como sempre ela fora maravilhosa dizendo que nós faríamos nossa própria família Black, com muito amor, mas não poderia negar que eu tinha curiosidade em saber da reação da minha mãe ao saber que uma trouxa agora possuía seu sobrenome.

            Faltavam quinze minutos para as oito da manhã e a escola já estava cheia de alunos, pais se despedindo, amigos se reencontrando e aquela energia que eu adorava. Alguns alunos vieram me cumprimentar com um abraço e um beijo, mas Zoey era a popularidade em pessoa, os alunos amavam ela o que era compreensível já que ela era o ser humano mais amável que pisara na Terra.

-Reg, eles chegaram- Ela me avisou e não pude deixar de sorrir ao ver a outra parte da família Black vindo e como sempre chamando muita atenção: Muitas mães olhavam para Sirius, que apesar de ser pai aos 27 continuava com aquele ar deslocado como sempre, com seu jeans rasgado, camiseta das Harpias por baixo da jaqueta de couro e agora a barba por fazer e o cabelo preso num coque. Mari também não ficava atrás também, o cabelo que voltara a ser comprido estava preso numa trança e ela estava com roupas esportivas. Apesar de aparentarem mais jovens que a maiorias dos pais ali eles eram um dos mais cuidadosos com sua filha. Sirius segurava Helena no colo e estava com uma expressão quase de choro. Mari segurava a mochila e lancheira de lancheira da filha e olhava todo ao redor com preocupação, a única que parecia bem era Lena que assim que nos viu se desvencilhou dos braços do pai e veio correndo para os meus braços, abracei fortemente minha linda sobrinha.

-Tio Régulo!

-Lena você veio! Achei que seu pai não ia deixar- Brinquei. Sirius e Mari vieram na nossa direção e nos cumprimentaram.- Aposto que Sirius mal dormiu essa noite.

-Um pai não pode ficar preocupado com a sua filha não?- Ele resmungou então se abaixou ficando na altura de Lena- Raio de Sol, se você não quiser ficar pede pro seu tio mandar uma coruja que eu venho na hora.

-A gente vai entender, se quiser você pode ver o treino da mamãe- Mari disse colocando a mochila e entregando a lancheira. Helena assim como o significado de seu nome era a luz na vida daqueles dois e também na minha, eu amava minha sobrinha incondicionalmente, e ela era uma criança adorável, fisicamente igualzinha ao pai, com seus olhos azuis, o cabelo preto, preso por maria chiquinhas presas por presilhas de flor, ela vestia uma jardineira jeans.

-Eu vou ficar bem mamãe, pode ir... O senhor também papai. – Ela falou e se virou para Zoey- Vamos tia Zo?!

-Vamos sim querida, dá tchau pra mamãe e pro papai- Minha esposa disse dando a mão para Lena.

-Tchau mamãe! Tchau papai, eu já volto!- E então ela foi saltitante para dentro da sala deixando um Sirius e Mari inconsoláveis.

-Ela nos dispensou!- Mari exclamou escandalizada.

-Meu pequeno raio de Sol... Tão crescido, e já querendo se livrar dos pais- Sirius comentou com a voz chorosa.

-Vocês dois parem de drama-  Rolei os olhos- Vocês deviam ficar felizes por Lena não ter feito um escândalo...

-Será que ela cansou da gente?-  Meu irmão olhou para Mari

-Oh, mas ela só tem quatro anos Ah não....

-Por Merlin sosseguem vocês, ela só está animada, no final da tarde eu levo ela pro apartamento de vocês... Enquanto isso aproveitem, vão trabalhar, aproveitar um tempo a sós, dar um irmão pra Lena- Sugerir e nessa hora eles deram um sorriso.

-Bom... Então, às quatro vocês voltam?- Sirius quis saber

-Sim...

-Oh, bastante tempo, mas nos manteremos ocupados- Mari completou e olhou para mim- Se algo acontecer com a minha filha Régulo...

-Ela vai ficar bem, agora vão que preciso dar aula pra ela.- Me despedi do casal e fui para dentro iniciar mais um ano letivo, mais feliz impossível com minha vida.


Notas Finais


O que acharam? Sinceramente, eu ameeeei escrever sobre eles, Régulo é outro personagem que precisa ser protegido desse mundo, então ele precisava de alguém que fosse um amorzinho só!

último extra será praticamente uma paródia, então espero que gostem <3

ps: MDSS eu precisava compartilhar : Eu estava ouvindo o novo álbum da Taylor Swift e umas das músicas se chama dress, e MINHA NOSSA COMO É A CARA DE SIRIUS/MARI

Say my name and everything just stops
I don't want you like a best friend
Only bought this dress so you could take it off
Take it off (ha, ha, ha)
Carve your name into my bedpost
'Cause I don't want you like a best friend
Only bought this dress so you could take it off
Take it off (ha, ha, ha, ha)

"Diga meu nome e tudo para
Não quero você como meu melhor amigo
Comprei esse vestido apenas para você poder tirar
Tirar ( ah ah ah)
Crave seu nome na minha cabeceira
Porque eu comprei esse vestido para que você pudesse tirá-lo
tirá-lo (ah ah ah)"

deu até vontade de fazer uma song fic!!

beijos, até o próximo capítulo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...