1. Spirit Fanfics >
  2. Your Cherry Lips - Winwin (WayV) >
  3. A time for me

História Your Cherry Lips - Winwin (WayV) - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Hey hey hey! I see that I'm icy 😗✌

Espero q gostem, eu amo essa fic, eu amo ver os (poucos) comentários, mas amokkk

Eu ia falar alguma coisa, só q fugiu da mente

SE CUIDEM, boa leitura 💘

Capítulo 31 - A time for me


Fanfic / Fanfiction Your Cherry Lips - Winwin (WayV) - Capítulo 31 - A time for me

Um tempo para mim


— O que quer dizer com isso? – pergunto encerrando o abraço, batendo do peitoral do mesmo, que ri para mim

– Era brincadeira, não vou fazer nada – ele ri soprado, mas logo me encara e se aproxima – Mas só se você quiser – diz no meu ouvido

– Jungwoo! – empurro ele de leve, que deita no sofá rindo – Yah, não tem graça! – cruzo os braços

– É fofo ver você em pânico quando eu faço isso, mas não se preocupa, não faria nada – o garoto diz, se levantando do sofá – Vou pra' cozinha, quer algo? 


Afirmo com a cabeça e vou junto com Jungwoo para a cozinha, preparar algo para eu comer. Quando acabo, subo para meu quarto, mexendo nas gavetas de minha penteadeira e encontrando uma máscara facial


– Spa Day! – digo para mim mesma, pegando o pacotinho


Pego alguns biscoitinhos e coloco-os em um potinho, pegando uma caixinha de suco e subindo com os dois de volta para meu quarto. Aplico a máscara e como um pouco dos biscoitos, bebericando um pouco o suco. Quando minha comida já estava no final, pego alguns esmaltes e resolvo pintar minhas unhas, tirando antes o esmalte antigo. Estava quase acabando de pintar as unhas, quando só interrompida por um grito 


– PUTA QUE PARIU, QUE SUSTO! – Yuta grita apoiando na porta e com a mão no coração

– Que engraçadinho – olho para ele com deboche. O mesmo me ignora, sentando na cama e comendo os poucos petiscos que ainda havia – Ei, isso é meu! 

– Aprenda a dividir! – ele bate levemente em minha mão quando eu tento pegar o pote – Ah, como vai? Tá' tão atoa assim? 

– Yuta, é sábado, eu não tenho aula e nem ninguém, vou fazer o que hein? – pergunto, colocando as mãos na cintura

– É, tá' certa – ele dá de ombros – Vim aqui só pra' te ver, já tô' de saída – Yuta vai até a porta – Ah, e obrigado pelos petiscos! – ele diz rindo, saindo do quarto


Bufo pelo "incômodo" dele, rindo em seguida. Observo pela janela ele indo embora e quando ele some do visão, eu volto para minha cama, indo retirar a máscara



- P.O.V. YUTA -



Depois de fazer uma visita e quase morrer do coração na casa de ___, resolvo ir a casa do meu querido amigo chinês, que na verdade não é tão querido assim. Faço reverência para uma das empregadas da casa de Sicheng assim que a mesma abre a porta. Ela me avisa que o garoto estava em seu quarto, não saía desde ontem, o que me faz pensar: o Winwin é birrento mesmo. Bato na porta do quarto e em seguida eu entro, ignorando o chinês, que antes disse um "vai embora" abafado pela porta fechada


– Vai ficar aqui como um bebê chorão mesmo? – eu pergunto sentando na cama dele, cutucando suas costas, que estavam viradas para mim

– Vou – ele diz frio, se virando de barriga para cima e encarando o teto

– Seu rosto está melhor – comendo ao vez que já estava cicatrizando – Ei, vamos sair um pouco Sicheng, você precisa de ânimo novamente! 

– Eu sei que preciso. Mas não quero sair – ele responde, coçando os olhos em seguida – Me deixe dormir, a porta está ali, anda – eu o encaro e levanto uma sobrancelha


Começo a puxar o braço dele, incentivando o mesmo a levantar. No início foi falho, mas logo ele se anima, indo para o banheiro lavar o rosto e logo trocar de roupa. Andamos até um bar e pedimos uma garrafa de soju, indo para frente de bar e nos sentando em uma das mesinhas que haviam lá


– Se está com tantas saudades, devia ir vê-la – eu comento com Winwin – Ela tá' atoa, você vai ver – digo e rio ao lembrar da cena na casa da Lee, do engraçado

– É, talvez... – ele responde, olhando para a rua, onde passava alguns carros – Talvez eu vá



- P.O.V. ___ -



Já eram 23:00 e como eu já não tinha nada mais para fazer, resolvo ir dormir. Meus avós já foram embora e meu irmão está na casa de Haechan, estou sozinha em casa, o que é meio raro. Me deito na cama mesmo sem sono nenhum, mudando dde posição várias e várias vezes. Quando começo a adormecer, ouço barulho de pedrinhas em minha janela. Tento ignorá-las, mas o barulhinho não parava, então eu me levanto e vou até a sala, abrindo a porta ao invés de abril a janela


– Pare de jogar pedrinhas na minha janela! – digo ao ver Winwin, que ameaçava jogar mais pedrinhas, mas ao me ver ele solta as pedrinhas


O garoto não diz nada, apenas se aproxima de mim, me puxando para um abraço. Por um momento eu retribuo o abraço, mas logo o afasto, recebendo um olhar confuso vindo do mesmo


– Demos um tempo, se esqueceu? – pergunto para ele, que suspira pesado

– Eu sei, mas quero acabar com esse tempo, nem nos falamos direito – o chinês diz, segurando minhas mãos – Por favor, sei que está com saudades também


Sorrio minimamente e ele também. Suas mãos logo vão para minha cintura, me puxando para um beijo cheio de paixão e saudade, acumulados em apenas um dia



■■■



Acordo com braços envolvendo minha cintura, me viro e encontro Winwin, que dormia como um bebê. Acaricio delicadamente, vendo que o mesmo abria seus olhos lentamente. Ele me encara por alguns segundos, me puxando para um abraço


– Estamos sozinhos em casa – comento ao me lembrar, ninguém estaria aqui para reclamar de meu namorado. Winwin sorri com malícia, subindo em cima de mim e me encarando, logo entrelaçando nossas mãos – Ei, eu estou com fome! 


Ele sai de cima de mim, bufando ao se deitar novamente na cama, me fazendo rir. Nos levantamos para cada um fazer suas higienes e bizarramente eu acabo primeiro que Winwin. Desço para a cozinha e começo a preparar nosso café da manhã, por mais que eu não seja uma das melhores na cozinha.


– O que está fazendo? – Winwin pergunta, me abraçando por trás, fungando seu nariz para sentir o cheiro de como que eu preparava

– Ovos mexidos, não sei se estão muito bons – digo ao ver que eu havia queimado um pouco

– Deixe-me fazer o café, você vai ver como eu sou um ótimo cozinheiro – diz se exibindo, começando a pegar os ingredientes que usaria


Ele realmente não estava brincando, Winwin cozinha que fica incrível a comida. Não demoramos muito tomando café e logo fomos para a sala, nos jogando no sofá. Era apenas o terceiro episódio da série e já estávamos entediados, prestando atenção em qualquer coisa pela casa


– Preciso pegar roupas – ele comenta, se espreguiçando no sofá – Posso passar um tempo aqui, com você? – pergunta meio tímido, ele fica fofo assim

– Sem problemas – eu respondo afirmando com a cabeça – Não demore



- P.O.V. WINWIN -



– Eu não vou – digo, selando os lábios da minha namorada


Volto alegre para casa, eu estava feliz por voltar com a Lee. Entro em casa e vou direto para meu quarto, ignorando meu pai na sala, que parece mais concentrado em algo no computador. Arrumo minha mochila rapidamente e vou em direção a porta, pronto para sair. Ao tocar na maçaneta da porta, meu pai me chama para ir onde ele estava. Reviravolta meus olhos e vou até ele


– Tenho uma notícia – diz se levantando da cadeira e parando em minha frente – Vamos voltar para a China! 


Notas Finais


♪ Oh when you call my name ♪

» O título se refere mais a S/N, que tira o dia para fazer coisas aleatórias

» Os pais dos irmãos Lee ainda não voltaram de sua viagem

Foi isso, espero q tenham gostado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...